Sei sulla pagina 1di 24

INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO E EMPREENDEDORES GWAZA MUTHINE

Nome: Zuere Chinafunica Sande

Cadeira: Metodologia de Investigação Cientifica

Curso: de Licenciatura em Análises Clínicas e Laboratorial

Avaliação dos Efeitos da Isotretinoína Oral em Pacientes com Acne no hospital

central de Maputo

Discente: 033/ISGEMM/ACL1/18

Marracuene
2020
Avaliação dos Efeitos da Isotretinoína Oral em Pacientes com Acne no hospital central
de Maputo

Discente: 033/ISGEMM/ACL1/18

Trabalho final de conclusão da disciplina de

MIC, curso de Análises Clínicas e Laboratoriais ,

no Instituto Superior de Gestão e

Empreendedores Gwaza Muthini, período

laboral, turma A1.

Docente: Dr. Lúcio Mavundlha

Marracuene
2020
LISTA DE ABREVIATURAS

ALT Alanina aminotransferase

AST Aspartato aminotransferase

HDL High Density Lipoproteins

LDL Low Density Lipoproteins

VLDL Very Low Density Lipoprot


LISTA DE FIGURAS

Figura 1: Fisiopatologia da acne. 17

Figura 2: Graus da acne. 18

Figura 3: Acne Grau V. 19

Figura 4: Propionibacterium acnes. 20


Índice
Resumo……………………………………………………………………………….VII
0 INTRODUÇÃO…………………………………………………………………….8
0.2 Objectivos…………………………………………………………………………9
0.3 Objetivo Geral…………………………………………………………………….9
0.3.1 Objectivos Específicos………………………………………………………….9
0.3.2 Problematização………………………………………………………………..9
0.4 Hipóteses………………………………………………………………………….9
0.5. Justificativa………………………………………………………………………10
CAPITULO I: METODOLOGIA……………………………………………………..11
1.1 Tipo de Pesquisa…………………………………………………………………..11
1.1.1 Quanto a abordagem……………………………………………………………11
1.1.1.1 Pesquisa Qualitativa………………………………………………………….11
1.1.2. Quanto aos procedimentos técnicos…………………………………………...11
1.1.2.1 Pesquisa bibliográfica………………………………………………………..11
1.1.3 Quanto aos objetivos………………………………………………………….11
1.1.3.1 Pesquisa exploratória………………………………………………………...12
1.2. Métodos de procedimentos para a recolha de dados……………………………..12
1.2.1 Consulta bibliográfica…………………………………………………………12
1.2.2 Entrevista……………………………………………………………………..12
1.2.3 Questionário…………………………………………………………………..12
1.2.4 Observação……………………………………………………………………12
CAPITULO II: REFERENCIAL TEORICO……………………………………..13
2.1. Epidemiologia………………………………………………………………….13
2.2. Etiopatogenia……………………………………………………......................13
2.3. Classificação da acne…………………………………………………………..13
2.4. Propionibacterium acnes………………………………………………………15
2.5. Modificações comportamentais……………………………………………….16
2.6. Isotretinoína…………………………………………………………………...17
2.7 Metabolização do medicamento……………………………………………….17
2.8. Alterações laboratoriais…………………………………………………..........19
2.9. Regressão/Cura………………………………………………………………...19
3.RESULTADOS E DISCUSSÃO……………………………………………......29
4.CONCLUSÃO…………………………………………………………………..23
5.REFERÊNCIAS…………………………………………………………………24
Resumo

A acne é uma doença inflamatória que acomete principalmente os folículos sebáceos presentes
no rosto, tórax e costa. Seu tratamento inicialmente limita-se ao uso de soluções
desengordurantes, antissépticas e esfoliantes tópicas, capazes de controlar a oleosidade. No
entanto, os casos mais graves requerem o uso de drogas farmacológicas como antibiótico
sistêmico, terapias hormonais e administração de isotretinoína oral. Visto a efetividade deste
medicamento, reunimos informações atuais sobre a isotretinoína e relatamos as principais
alterações laboratoriais encontradas.

Palavras chave: Isotretinoína, Acne, Alterações laboratoriais e Hepatotoxidade.


0 Introdução

A acne trata-se de uma doença genético-hormonal inflamatória que acomete principalmente os


folículos sebáceos presentes no rosto, tórax e costas. Considerada atualmente como uma
enfermidade autolimitante e multifatorial, seu tratamento justifica-se pela possibilidade de evitar
lesões cutâneas permanentes, bem como transtornos psicológicos, oriundos do abalo à
autoestima1.
0.2.Objetivos
0.3 Objectivo Geral

O objetivo deste estudo foi realizar uma breve revisão de literatura sobre os efeitos da isotretinoína em
pacientes portadores de acne, além de exibir as principais alterações clinico-laboratoriais do uso deste
medicamento.

0.3.2 Problematização

O problema de pesquisa normalmente envolve uma situação teórica ou pratica para a qual o pesquisador
busca respostas ou soluções.

Foi identificado um aumento dos efeitos colaterais do uso da Isotretinoína no hospital central da
cidade de Maputo e surgiu a necessidade de investigar tal fato. Qual ou quais os fatores que
potencializam esse aumento das alterações laboratoriais sobre o uso deste tratamento? Esses
fatores acontecem isoladamente ou existe uma combinação de fatores para que isso aconteça?

0.3.3 Objectivos Específicos

 Classificar a acne
 Descrever as alterações laboratoriais
 Descrever a Metabolização do medicamento

0.4. Hipóteses

Segundo (barros:2008), uma hipótese é uma formulação com intenções de ser demonstrada ou
verificada constituindo uma suposição admissível. É a evolução da intuição a teorização e da
teoria que levara a pratica as respostas firmadas pelo raciocínio dedutivo implícito a teorização,
com frequência, e por motivos vários, que por vias aparentemente obscuras.

Assim pode dizer-se que hipótese é uma suposta resposta ao problema a ser investigado, poderá
ser aceite ou rejeitada. Aparece de forma explicita apenas nas pesquisas explicativas.

Nas pesquisas descritivas, “logo apos a formulação dos problemas procede-se a especificação
dos objetivos em lugar da apresentação das hipóteses. Já nas pesquisas exploratórias, as
hipóteses costumam aparecer como produto final.” ( GIL:2000)
As hipóteses são lidas como guia do trabalho de coleta e analise de dados, pois, ajudam a
selecionar os factos observados. É nesta ordem a ideia que traçamos a seguinte hipótese:

 A falta de acompanhamento médico pode levar alguns pacientes a ter alterações no


corpo, da Isotretinoína Oral em Pacientes com Acne;

0.5. Justificativa

 A maioria dos indivíduos sob uso de Isotretinoína desenvolvem secura e rachaduras


(fissuras) nos lábios, pele e mucosa oral.
 A toxicidade sistêmica da Isotretinoína pode afetar os músculos, ossos, trato
gastrointestinal, sistema nervoso central, olhos, orelhas, tireoide e os rins.

CAPITULO I: METODOLOGA
1.1 Tipo de Pesquisa

1.1.1. Quanto a abordagem

1.1.1.1 pesquisa qualitativa

Para Minayo (2001), “ a pesquisa qualitativa trabalha com o universo de significados, motivos,
aspirações, crencas, valores e atitudes, o que corresponde a um espaco mas profundo das relações dos
processos e dos fenómenos que não pode ser reduzidos a operacionalização de variáveis”.

Portanto este tipo de pesquisa não se preocupa com representatividade numérica, mas sim com
aprofundamento da compreensão de um grupo social de uma organização, portanto tem em causa os
aspectos da realidade que não podem ser quantificados, centrando se na compreensão e explicação da
dinâmica das relações sociais.

1.1.2 Quanto aos procedimentos técnicos

1.1.2.1 Pesquisa Bibliografica

A pesquisa bibliográfica e feita a partir do levantamento de referencias teóricas já analisadas, publicadas


por meios escritos e electronicos, como livros, artigos científicos. Qualquer trabalho cientifico, inicia-se
com uma pesquisa bibliográfica, permite ao pensador conhecer o que já se estudou sobre o assunto.

Estudo do campo – para o aprofundamento de uma realidade especifica. E basicamente


realizada por meio de observação directa das actividades do grupo estudado e de entrevistas com
informantes para captar as expliacacoes de que ocorrem naquela realidade.

1.1.3. Pesquisa exploratória

“Proporciona maior familiaridade com o problema, com visat a torna-lo mais explicito ou a
construir hipóteses”. Pode envolover levantamento bibliográfico, entrevisats com pessoas que
tiveram experiencias praticas com problema pesquisado e analise de exemplos que estimulem a
compreensão. Essa pesquisa pode ser classificada como: pesquisa bibliográfica e estudo de caso
(GIL,2007)

1.2 Métodos de procedimento para recolha de dados


A recolha de dados terá como base a consulta bibliográfica, o questionário, a entrevista e a
observação no contexto do trabalho de campo.

1.2.1 Consulta bibliográfica

Consulta bibliográfica é definida por Lakatos (2009) como sendo “o ato de fazer leituras em
livros, manuais com objetivo de buscar informação para a compreensão do assunto estudado”.
Este método serve para leitura e interpretação concernente as metodologias de ensino.

1.2.2 Entrevista

A entrevista é “encontro entre duas pessoas, a fim de que uma delas obtenha informações a
respeito de um determinado assunto” (Marconi & Lakatos: 1999).

1.2.3 Questionário

“instrumento de colecta de dados constituído por uma serie de perguntas, que devem ser respondidas por
escrito” (Marconi & Lakatos, 1999).

1.2.4 Observação “utiliza os sentidos na obtenção de determinados aspectos da realidade. Consiste em


ver, de ouvir e examinar factos ou fenómenos” (Marconi & Lakatos, 1999). A observação “obriga o
investigador a ter contacto mais directo com a realidade, ajudando-o a identificar e a obter prova a
respeito de objetivos sobre os quais os indivíduos não tem consciência, mas que orientam o seu
comportamento”.
CAPITULO II: FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Neste capitulo, abordamos os conceitos que suportam a pesquisa, incluindo os estudos feitos
sobre o tema para o esclarecimento do campo da nossa pesquisa.

2.1 Acne
A acne é uma doença inflamatória que acomete principalmente os folículos sebáceos presentes
no rosto, tórax e costa. Seu tratamento inicialmente limita-se ao uso de soluções
desengordurantes, antissépticas e esfoliantes tópicas, capazes de controlar a oleosidade. No
entanto, os casos mais graves requerem o uso de drogas farmacológicas como antibiótico
sistêmico, terapias hormonais e administração de isotretinoína oral. Visto a efetividade deste
medicamento, reunimos informações atuais sobre a isotretinoína e relatamos as principais
alterações laboratoriais encontradas.

2.2 Epidemiologia
Dados epidemiológicos posicionam a acne como a 8ª doença mais comum no mundo, e estas
junto a demais dermatoses causam um grande impacto no contexto global de saúde. A população
mais afetada é a China com mais de 82 milhões de casos. Nos Estados Unidos, estima-se que 17
milhões de americanos possuem acne e em Moçambique esse número chega a aproximadamente
1 milhão.
A acne pode acometer tanto homem quanto mulheres, mas geralmente o curso mais grave da
doença ocorre no sexo masculino, devido a influências androgénicas 3,4.
Estudos demonstram que os fatores genéticos possuem importante papel na patogenia da acne e
que de fato atuam na severidade da doença5,6. Goulden et al.7 relataram que o histórico familiar
possui um papel fundamental na suscetibilidade a acne em adolescentes. Porém, as relações entre
os fatores genéticos são pouco investigadas.

2.3 Etiopatogenia
A etiopatogenia da acne está relacionada à: 1) estímulos das glândulas sebáceas pela
hipersecreção de andrógenos, 2) produção excessiva de sebo, 3) alteração da descamação do
epitélio, que consequentemente leva ao estreitamento e obstrução do folículo piloso, 4)
colonização bacterianapelo Propionibacterium acnes (P. acnes), e 5) respostas inflamatórias e
imunológicas do indivíduo8,9,10.
Na acne, os andrógenos contribuem para a secreção de sebo pelas glândulas sebáceas11. Estes
hormônios são derivados do colesterol, e têm como alvos a pele e a região pilossebácea12. A
superfície cutânea é constituída por lípides da queratinização e sebo, o qual é composto por
triglicerídeos, ácidos graxos livres, ésteres de cera, escaleno, ésteres esteróides e colesterol 13.
Os ésteres e o colesterol presente no sebo são produzidos na porção epidérmica e liberados pela
glândula. Os ácidos graxos livres são obtidos a partir da hidrólise dos triglicerídeos, e são
diretamente proporcionais ao tempo de exposição cutânea do sebo14.
Em indivíduos acnéicos a produção de sebo é alterada quando comparado a indivíduos normais.
Estudos realizados na Nigéria demonstraram que indivíduos acnéicos apresentam um aumento
significativo nos níveis de triglicérides e colesterol total e uma diminuição dos lípides cutâneos
indeterminados15. Foi visto que gravidade comedogênica pode estar associada com a atuação do
escaleno na secreção sebácea, e esta se torna aumentada quanto maior for o tamanho da
glândula16. No entanto, a comedogênese, é o resultado da hiperqueratinização folicular, um dos
fatores importantes para a etiopatogenia da acne17,18.
O ácido linoleico é um ácido graxo essencial que possui grande importância na manutenção da
barreira epidérmica e, é necessário para a síntese de ácidos graxos de cadeia longa ω-6. Nos
comedões esse apresenta-se reduzido19, 20. Sugere-se que a deficiência de ácido linoleico,
acompanhados dos efeitos da IL- 1α e a produção excessiva de andrógenos sejam fatores
predisponentes para a hiperqueratinização folicular, com consequente cornificação dos
queratinócitos, escamações e entupimento do folículo com formação de comedões.
Assim, qualquer alteração na barreira epidérmica e sob a ação da produção de ácidos graxos pró-
inflamatórios presentes no sebo, há o desenvolvimento de processos inflamatórios.
fisiopatologia da acne. Em A. há o início dos comedões com acúmulo de células epiteliais e
queratina nos folículos pilosebáceos, em B. ocorrerá acúmulo de queratina e sebo levando a
formação dos comedões tardios, em
C. ocorrerá à proliferação do P. acnes e uma leve inflamação, a formação de pápulas e pústulas
estão presentes. Em D. temos a acne nódulo-cística, caracterizada por uma inflamação acentuada
com formação de cicatrizes.

Fisiopatologia da Acne.
Fonte: Dr. Rinaldi Acupuntura. Acne vulgar e acupuntura, 2012.
2.4 Classificação da acne

O quadro clínico da acne é caracterizado por um conjunto de lesões cutâneas fechadas e/ou
abertas, as quais são chamadas de comedões, pápulas, pústulas, nódulos e abcessos. Tais lesões
são analisadas de forma isolada ou em conjunto, o que define o tipo e a gravidade da doença24.
Os sinais clínicos acompanhados dos sintomas classificam a acne em grau I ou não-inflamatória
e grau II, III, IV e V as acnes inflamatórias, as quais se diferenciam de acordo com o número,
intensidade e características das lesões presentes. A acne grau I ou não-inflamatória é
caracterizada pela presença de comedões abertos, que são definidos pela hiperceratose de
retenção no folículo pilosebáceo, acompanhados de algumas pápulas e pouquíssimas pústulas. A
acne inflamatória grau II ou acne pápulo-

pustulosas caracteriza-se pela presença de pápulas inflamatórias ou pústulas associadas aos


comedões abertos com ou sem eritema inflamatório. Neste caso a seborreia está sempre presente.
A acne inflamatória grau III ou acne nódulo-cística é caracterizada pela presença de comedões
abertos, pápulas, pústulas e seborreia. Com o rompimento da parede do folículo há uma reação
inflamatória dos corneócitos, além da presença de bactérias que atingem a profundidade do
folículo até chegarem ao pêlo, e então são formados os nódulos furunculóides. A acne grau IV ou
acne conglobata é considerada a forma grave da acne e caracteriza-se pela presença de lesões
anteriores associadas a nódulos purulentos numerosos e grandes, formando abcessos e fístulas
que drenam o pus.

Graus da Acne
Fonte: Espaço José Marcos. Acne, 2013.

Grade V
Fonte: http://gptraining.dundee.ac.uk/modules/Dermatology/Clinical/Case3.aspx
2.5 Propionibacterium acnes
O P. acnes é uma bactéria gram-positiva em forma de bastonete, imóvel, anaeróbica, que reside
principalmente à flora normal da pele e coloniza as glândulas sebáceas e folículos pilosos25. É
considerado o principal microrganismo envolvido na patogênese da acne3,25. Análises
microbiológicas realizadas em várias partes do corpo demonstram uma alta associação entre o P.
acnes e os níveis de produção de sebo26. Estudos de Bojar & Holland em 2004, revelaram que
em superfícies cutâneas de indivíduos acnéicos podem ser encontrados até 120.000
espécimes/cm2 27.
Esta bactéria contribui no desenvolvimento do processo inflamatório da acne através da liberação
de enzimas, as quais estão envolvidas no processo de ruptura folicular e inflamação da derme.

Propionibacterium acnes
Fonte: http://cienciahoje.uol.com.br/noticias/microbiologia
2.6 Modificações comportamentais
A acne pode causar um forte impacto psicossocial em indivíduos acometidos pela doença.
Devido à insatisfação corporal e baixa autoestima, observa-se modificações nas atividades
cotidianas e nas relações sociais com uma diminuição da valorização pessoal. Alguns indivíduos
podem apresentar sintomas de depressão, e em alguns casos ideação suicida30.
Relatos demonstram que o período da adolescência é o mais crítico. Os distúrbios psicológicos
ocorrem devido às modificações e descontentamento corporal, e se agrava quando há
necessidade de agradar o outro, uma vez que o físico muitas vezes assume grande
relevância8,30. Nota-se que os pacientes com acne apresentam constantes episódios de
problemas emocionais, e os sinais e sintomas dependem da severidade da doença30,31. A
ansiedade e depressão estão entre os sintomas mais encontrados.

2.7 Isotretinoína
A escolha do tratamento da acne depende da gravidade das lesões presentes em cada indivíduo.
Para alguns pacientes o tratamento irá se limitar ao uso de soluções desengordurantes,
antissépticas e esfoliantes tópicos, capazes de controlar a oleosidade. No entanto, os casos mais
graves requerem o uso de drogas farmacológicas como antibiótico sistêmico, terapias hormonais
e administração de isotretinoína oral35.
Conhecida quimicamente como ácido 13-cis-retinóico, a isotretinoína é um derivado ativo
sintético da vitamina A (retinol), obtido pela modificação química da mesma. Tal fármaco
representa a única opção apta a levar a remissão prolongada ou cura da acne, pois é capaz de
diminuir a formação do sebo através da redução do tamanho da glândula sebácea, combater a
flora anaeróbica da pele, agir sobre o padrão de queratinização folicular e desenvolver uma
potente ação anti-inflamatória36. Promove a cura clínica em 85% dos casos, e é considerada a
medicação mais efetiva nos casos de acne37.
Introduzida em 1979, a isotretinoína teve sua utilização aprovada em 1982. Três anos depois,
foram publicados excelentes resultados sobre o uso deste medicamento no Brasil, o que se
comprovou assim os benefícios da isotretinoína. E então, em 1993, iniciou-se a comercialização
do fármaco no nosso país36,38.
Segundo o Ministério da Saúde, pacientes que fazem o uso de isotretinoína devem receber
acompanhamento clínico-laboratorial. Antes de iniciar o tratamento, os pacientes passam por
uma avaliação, com dosagem das enzimas hepáticas (AST e ALT), glicemia de jejum, avaliação
do tempo de protrombina (TAP) e por fim é avaliado o perfil lipídico (dosagem de colesterol
total, HDL colesterol, LDL colesterol e triglicérides). Para pacientes do sexo feminino é
solicitado ainda à dosagem do β-HCG, pois o risco de gravidez deve ser sempre excluído, uma
vez que este fármaco é teratogênico35.
2.7 Metabolização do medicamento
O fígado é o órgão responsável pela metabolização de praticamente todos os medicamentos.
Além disso, é capaz de regular o metabolismo dos carboidratos, proteínas e lipídios, armazenar,
degradar e excretar algumas substâncias, contribuir para a manutenção da hemostasia, auxiliar a
resposta imune, e produzir os de plaquetas39, 40, 41.
A partir de ações enzimáticas os fármacos sofrem modificações químicas, o qual torna a
molécula mais reativa para uma posterior conjugação e consequente eliminação. A grande
maioria dos fármacos é excretada pela via urinária, no entanto, alguns são eliminados através da
bile, de modo que quantidades significativas do medicamento são reabsorvidas no intestino e
outra parte eliminadas junto com as fezes41.
As peculiaridades farmacocinéticas da isotretinoína são semelhantes à da vitamina A. Após a
ingestão do medicamento, a concentração plasmática máxima do fármaco ocorrerá em torno de 2
a 4 horas36. De acordo com Diniz e colaboradores, cerca de quase 20% da isotretinoína é
absorvida quando administrada com estômago vazio, e aumenta para 40% na presença de
alimento42.
Através do processo de oxidação, ocorre a metabolização da isotretinoína pelas enzimas do
citocromo P450 dando origem a vários metabólitos. O principal é conhecido como 4-oxo-
isotretinoína e se acumula na corrente na sanguínea por administrações seguintes. A excreção
deste medicamento pela bile ocorre após sua conjugação com ácido glicurônico43. Porém, os
outros metabólitos depositam-se lentamente no plasma e possui meia-vida de eliminação em
média de 25 horas, a da isotretinoína é de 7 a
39 horas. O equilíbrio dinâmico se estabelece em 5 a 7 dias, conforme administrações seguintes
41,42.

2.8 Alterações laboratoriais


Os pacientes que fazem o uso contínuo da isotretinoína podem apresentar algumas alterações
laboratoriais como: aumento dos níveis de triglicerídeos, colesterol, transaminases e diminuição
no valor absoluto dos glóbulos brancos e vermelhos43. A redução da taxa das hemácias está
associada com o aumento da velocidade de hemossedimentação, bem como a diminuição dos
níveis de hemoglobina, devido a episódios de sangramento, muito comum em pacientes
hemofílicos42.
Estudos sugerem que 25% dos pacientes que fazem uso da isotretinoína apresentam aumento dos
níveis de triglicerídeos, e que este pode estar associado ao aparecimento de pancreatite aguda.
Além disso, pode ocorrer queda da concentração plasmática do HDL e aumento de LDL e VLDL
colesterol. A elevação das transaminases (Aspartato aminotransferase ou AST e Alanina
aminotransferase ou ALT) pode ocorrer em 6% dos casos42.
As dosagens das enzimas hepáticas, perfil lipídico, glicemia de jejum e avaliação do tempo de
protrombina devem ser reavaliados após 30 dias do início do tratamento com a isotretinoína e
repetido a cada 3 meses. Tal medida é tomada a fim de avaliar a resposta terapêutica esperada,
bem como avaliar a função hepática, e se necessário interromper o uso do medicamento em caso
de hepatotoxidade. É importante salientar que após o término de tratamento, todas as alterações
retornam a sua normalidade.

2.9 Regressão/Cura
Apesar de a isotretinoína ser um fármaco que apresente efeitos colaterais indesejáveis em
determinados pacientes, este continua sendo o mais efetivo para o tratamento da acne, já que
possui eficácia na diminuição dos nódulos e fistulas inflamatórias. A regressão da doença ocorre
em torno de 16 a 24 semanas de tratamento e a duração do mesmo irá se adequar conforme a
resposta terapêutica de cada paciente.
4. RESULTADOS E DISCUSSÃO

A acne trata-se de uma doença dermatológica que acomete indivíduos preferencialmente na


puberdade, e pode persistir na vida adulta. Nos dias atuais, diante do avanço da medicina
diversos medicamentos tópicos e de via oral foram desenvolvidos a fim de evitar lesões
permanentes na pele daqueles que as desenvolve. Muitas vezes o uso de loções tópicas é capaz
de controlar a progressão da acne. No entanto, em alguns casos é necessário o uso de
medicamentos por via oral para combater a doença. Baseados em publicações cientificas
evidenciamos os benefícios da isotretinoína para a população acnéica, e descrevemos as
alterações laboratoriais encontradas em cada estudo.

Em 2005, Leite et al.46 analisaram 11 pacientes com Síndrome do Ovário Policístico que
apresentavam acne nodular na face. Estas foram submetidas a exames laboratoriais iniciais e
então foram encaminhadas ao tratamento com isotretinoína por 143 dias. Observou-se uma
progressão significativa no segundo mês de tratamento. Seis delas apresentaram melhora da
acne. Foi encontrado alterações das enzimas hepáticas (AST e ALT) em apenas uma paciente, a
qual foi orientada a deixar o tratamento e optar por outro tipo de medicação. Assim, verificaram-
se os benefícios do uso da isotretinoína para o tratamento da acne nódulo cística. Foi notado uma
melhora significativa nas áreas acometidas em todas as pacientes, bem como no humor e na
autoestima.

Júnior et al.47 avaliaram 20 pacientes com acne por oito meses com isotretinoína. Observaram a
melhora da acne em todos os indivíduos. As alterações laboratoriais ocorreram em cerca de 30%
dos pacientes, e as mais frequentes foram o aumento do colesterol seguido do aumento dos
triglicerídeos e glicose. Diante disso, as doses terapêuticas foram reduzidas. Os autores
concluíram a importância de uma monitorização minuciosa para se obter uma resposta
terapêutica esperada e com o mínimo de risco para o paciente.

Estudos realizados por Brito et al.48 atentaram-se a tolerabilidade da isotretinoína em pacientes


que faziam tratamento para a acne. O estudo

contemplou 150 pacientes, sendo estes submetidos a avaliações clínicas e laboratoriais após um
mês e a cada três meses até o final do tratamento. Os parâmetros analisados mostraram variações
discretas, principalmente quando avaliadas as enzimas hepáticas. Os níveis de colesterol e suas
frações e fosfatase alcalina também tiveram variações insignificantes. Já os níveis de
triglicerídeos apresentaram variações relevantes, corroborando com o que já é encontrado na
literatura. Nenhum paciente teve que suspender o tratamento ou alteração da dose do fármaco.
Pode-se concluir que a isotretinoína é um medicamento seguro e proporciona excelente
resultado.

Borges et al.49 avaliaram os efeitos da isotretinoína oral sobre o perfil lipídico e a lesão
hepatocelular dos pacientes com acne vulgar na população de Alagoas. O estudo transversal
atentou-se a revisão de 721 prontuários de pacientes que faziam o uso do fármaco e continha
dados sobre os níveis de colesterol total e frações, triglicerídeos e as enzimas hepáticas de cada
indivíduo antes e depois do tratamento. Foi verificado que dentre os pacientes avaliados, 15,27%
apresentaram elevações nos níveis de triglicerídeos, 19,71% hipercolesterolemia, 12,55%
elevação de ALT e 3,26% evoluíram com aumento de AST. No entanto, mesmo após ter sido
encontrado um aumento relativo nas taxas séricas lipídicas e das enzimas hepáticas nos pacientes
que se submeteram ao tratamento, apenas um pequeno número de pacientes desenvolveu níveis
sanguíneos que levaram a descontinuidade do tratamento ou diminuição da dose do fármaco. Isto
corroborou com a segurança da terapia se avaliada periodicamente, demonstrando assim a
capacidade deste medicamento em solucionar o problema da acne nesta população.

No início de 2013, Bergler-Czop e Wcisto50 a fim de avaliar os benefícios da isotretinoína,


agruparam 155 pacientes com diferentes formas clínicas da acne. Eles foram submetidos a testes
laboratoriais como, avaliação do perfil hepático (ALT e AST) e perfil lipídico (colesterol total e
frações acompanhado dos triglicerídeos) dosagem de glicemia de jejum, amilase e citocinas pró-
inflamatórias (interleucina-α, interlecina-1β, interleucina-8 e fator de necrose tumoral-α) antes e
depois da administração da isotretinoína oral. O uso dos testes imunoenzimático (ELISA)
permitiu verificar uma diminuição considerável dos níveis de IL-1α, IL-1β e TNF-α após o uso
do medicamento. Tais achados confirmaram o potencial anti- inflamatório do medicamento e a
melhora do quadro clínico destes pacientes.

Kotori51 avaliou a eficácia de baixas doses de isotretinoína em pacientes com acne. O estudo foi
prospectivo, e contemplou 50 pacientes de ambos os sexos divididos em dois grupos com faixa
etária de 12 a 20 anos (grupo 1) e de 21 a 35 anos (grupo 2), que estavam sob tratamento de acne
moderada, com administração de 20 mg/dia, ou seja, cerca de 0,3-0,4 mg/kg por dia, durante 3
meses.

Os pacientes passaram por avaliações clínico- laboratoriais com intervalos de 2 a 2 meses. Foi
observado cura da acne em 90,8% dos pacientes do grupo 1 e 89,6% do grupo 2. Os casos de
recidiva foram encontrados em 3,9% e 5,9%, nos grupos mencionados acima respectivamente.
Dados laboratoriais revelaram que apenas 4,2% do total dos pacientes apresentaram níveis
lipídicos séricos maiores que valores de referência. E 4,8% destes apresentaram elevação das
enzimas hepáticas.

Assim, foi concluído que o tratamento com baixas doses de isotretinoína é eficaz no tratamento
de acne moderada, o que permite diminuir os efeitos colaterais indesejáveis causados pelo
medicamento, já que essas complicações são dose-dependentes.

Estudos comprovaram que 20% dos pacientes que fazem uso da isotretinoína apresentam
elevações nos níveis séricos de colesterol. Os níveis de LDL e triglicerídeos tendem a aumentar e
o níveis de HDL a diminuir, isso devido a um aumento da absorção de gordura durante a dieta, o
que resulta em alterações dos níveis de quilomícrons, aumento da síntese do colesterol e
triglicerídeos no fígado e alterações no metabolismo do LDL44,52. Os valores séricos devem ser
avaliados dentro de 2 a 4 semanas sem orientação dietética inicialmente. Estima-se que a
normalização ocorra somente com o término do tratamento52.

No entanto, se os valores não se aproximarem aos de referência, é aconselhável modificar os


hábitos alimentares com prescrição de dieta. Caso o valor do colesterol ultrapasse 300 mg/dl
deve ser realizada uma redução da dosagem da droga e monitorização frequente com exames
laboratoriais. Se o valor do colesterol ultrapassar 400 mg/dl o tratamento deverá ser
interrompido5,53. O tratamento com isotretinoína deve ser excluído em casos de pacientes que
antes do tratamento apresentarem alteração no metabolismo de gorduras com valores de
triglicerídeos maiores de 500 mg/dl53,54.
Conclusão
Após a seleção minuciosa de alguns artigos que abordavam os benefícios da isotretinoína na
patologia da acne, o uso deste medicamento permanece como a melhor forma de tratamento,
sendo de fato seguro quando bem utilizado e acompanhado periodicamente.
Referências

1.Zouboulis CC, Eady A, Philpott M, Goldsmith LA, Orfanos C, Cunliffe WC et al. What is the
pathogenesis of acne? Exp Dermatol. 2005;14:143–52
2.Sampaio SAP, Rivitti E. Foliculoses. São Paulo: Artes Médicas; 2007.
3.Silva Júnior ED, Sette IMF, Bélem LF, Janebro DI, Pereira GJS, Jahamunna AAB, et al.
Isotretinoína no tratamento da acne: riscos x benefícios. Rev Bras Farm. 2009;90(3):186-9.
4.Costa A, Alchorne M. Fatores etiopatogênicos da acne vulgar. An Bras Dermatol.
2008;83(5):451-9
5.Figueiredo A, Massa A. Avaliação e tratamento do paciente com acne. Rev Port Clin Geral.
2011;27:59-65
6. Brito MFM, Galindo JCS, Santos JB, Sant´Anna IP, Rosendo LHPM. Avaliação dos efeitos
adversos clínicos e alterações laboratoriais em pacientes com acne vulgar tratados com
isotretinoína oral. An Bras Dermatol. 2010;85(3):331-7.
7.Gollnick H. Current concepts of the pathogenesis of acne. Drugs. 2003;63(15):1579–96.
8. Cajueiro EDS, Bringel L, Lima R, Partata AK. Isotretinoína e suas propriedades
farmacológicas. Revista Científica do ITPA. 2014 Jan;7(1):1- 16.9. Borges MB, Ribeiro RKB,
Costa FPP, Cavalcante JC. Avaliação laboratorial do perfil lipídico e testes de lesão
hepatocelular em pacientes com acne vulgar sob uso de isotretinoína oral. Rev Bras Clin Med.
2011;9(6):397–402.
10.Thiboutot DM. Regulation of human sebaceous glands. J Invest Dermatol. 2004;123(1):1-12.
11.Yarak S, Bagatin E, Hassun KM, Parada MOAB, Talarico Filho S. Hiperandrogenismo e
pele: síndrome do ovário policístico e resistência periférica à insulina. An Bras Dermatol.
2005;80(4):395-410.