Sei sulla pagina 1di 41

Identificação de plásticos por testes

físico-químicos
Actividade Laboratorial

Química, Ano Lectivo 2010/2011


Prof. Rui Vítor

Grupo 4, 12ºCT1
Identificação de plásticos por testes
físico-químicos
Actividade Laboratorial

Química, Ano Lectivo 2010/2011


Prof. Rui Vítor

Grupo 4, 12ºCT1
Índice
 Introdução …………………………………………………………………………………….…………….. 9
 Polímeros naturais ………………………………………………………………………………………. 11
 Polímeros artificiais …………………………………………………………………………………….. 12
 Polímeros sintéticos …………………………………………………………………….……………… 13
 Plásticos ……………………………………………………………………………………………………… 14
 PET ……………………………………………………………………………………………………….…….. 15
 PEAD ……………………………………………………………………………………………………….….. 16
 PVC …………………………………………………………………………………………………………….. 17
 PEBD …………………………………………………………………………………………………………... 18
 PP ……………………………………………………………………………………………………………….. 19
 PS ……………………………………………………………………………………………………………….. 20
 Protocolo experimental ………………………………………………………………………………. 21

3
 Teste da densidade da água ………………………………………………………………………… 22
 Teste da chama …………………………………………………………………………………………… 23
 Teste de acetona …………………………………………………………………………………………. 24
 Teste de densidade do álcool isopropílico …………………………………………………... 25
 Teste do óleo de milho ………………………………………………………………………………… 26
 Análise e discussão dos resultados ……………………………………………………………... 27
 Conclusão ………………………………………………………………………………………………..…. 28
 Apêndices …………………………………………………………………………………………………… 29
 Fontes das imagens …………………………………………………………………………………..… 36
 Fontes de suporte textual …………………………………………………………………………… 41

4
Índice de ilustrações
 Figura 1 – Amido ………………………………………………………………………………………… 10
 Figura 2 – Borracha natural ………………………………………………………………………... 10
 Figura 3 – Celulose …………………………………………………………………………….........…10
 Figura 4 – Rayon ……………………………………………………………………………………….… 11
 Figura 5 – Viscose ……………………………………………………………………………………..… 11
 Figura 6 – Nylon ………………………………………………………………………………………….. 12
 Figura 7 – Borracha sintética ……………………………………………………………….…….. 12
 Figura 8 – Garrafa de plástico ……………………………………………………………………... 14
 Figura 9 – Embalagens de plástico ………………………………………………………………. 14
 Figura 10 – Embalagem de detergente ……………………………………………………….. 15
 Figura 11 – Embalagem de shampôo …………………………………………………..……… 15

5
 Figura 12 – Tubos ………………………………………………………………………………………… 16
 Figura 13 – Capas de plástico ……………………………………………………………………... 16
 Figura 14 – Sacos do lixo ……………………………………………………………………………… 17
 Figura 15 – Garrafa térmica ………………………………………………………………………… 17
 Figura 16 – Legos ………………………………………………………………………………………… 18
 Figura 17 – Desmaquilhante de olhos …………………………………………………………. 18
 Figura 18 – Isolante térmico ……………………………………………………………………….. 19
 Figura 19 – Teste da densidade da água ……………………………………………………… 22
 Figura 20 – Teste da chama ………………………………………………………………………….23
 Figura 21 – Teste de acetona …………………………………………………………………….....24
 Figura 22 – Teste de densidade do álcool isopropílico ………………………………….25
 Figura 23 – Teste do óleo ……………………………………………………………………………..26

6
 Ilustração do polímero PET, seu monómero, unidade repetitiva e símbolo …. 31
 Ilustração do polímero PEAD/PEBD, seu monómero, unidade repetitiva e
símbolo ………………………………………………………………………………………………………. 32
 Ilustração do polímero PVC, seu monómero, unidade repetitiva e símbolo … 33
 Ilustração do polímero PP, seu monómero, unidade repetitiva e símbolo …… 34
 Ilustração do polímero PS, seu monómero, unidade repetitiva e símbolo …… 35

7
Índice de tabelas e diagramas
Tabelas:
 Tabela 1 – Material e respectivas imagens ……………………………………..…………… 28

Diagramas:
 Diagrama 1 – Tipo de polímeros …………………………………………………………………… 9
 Diagrama 2 – Protocolo experimental …………………………………………………………. 20

8
Introdução
Os plásticos estão em toda a nossa volta actualmente. São materiais mais leves,
mais maleáveis, mais resistentes quimicamente e mais baratos. Por isso,
acolhemo-los na nossa vida muito facilmente.
Os plásticos podem ser, no entanto, de vários tipos e, por isso, houve necessidade
de criar formas de identificar os tipos de plástico. Assim, criaram-se vários
testes para dividir os plásticos mais conhecidos por categorias:
1. PET – Politereftalato de etileno
2. PEAD – Polietileno de alta densidade
3. PVC – Policloreto de vinilo
4. PEBD – Polietileno de baixa densidade
5. PP – Polipropileno
6. PS - Poliestireno
Através de uma actividade experimental realizada nas aulas laboratoriais de
Química, realizamos testes a vários plásticos, a fim de os identificar. O testes
realizados vão ser apresentados e descritos nesta apresentação.

9
Diagrama 1- Tipo de polímeros
10
Polímeros Naturais
Exemplos:
 Celulose;
 Amido;
 Borracha natural;
 Proteínas;
 ADN; Fig.1- Amido

 Etc.

Fig.2- Borracha Natural


Fig.3- Celulose
11
Polímeros Artificiais
Também designados semi-sintéticos, são polímeros naturais modificados.
Exemplos:
 Viscose;
 Rayon;
 Borracha vulcanizada;
 Etc.

Fig.5- Viscose

Fig.4- Rayon
12
Polímeros Sintéticos
Exemplos:
 Nylon;
 Polietileno;
 Poliestireno;
 Poliésteres;
 Borrachas sintéticas;
 Etc.

Fig.7- Borracha sintética

13 Fig.6 -Nylon
Plásticos

Podemos considerar dois tipos de plásticos:

 Termoplásticos: que se deformam facilmente por aquecimento.


Exemplo: PE, PP, PVC, PS, PET.

 Termofixos ou termoendurecíveis: que não se deformam por aquecimento.


Exemplo: plásticos usados nos botões ou pegas de tachos e panelas.

14
PET
 Polietilenotereftalato
 Densidade: 1.29-1.40 g/dm3
 Polímero utilizado principalmente em garrafas de plástico.

Vantagens:
 Fácil manuseio; Fig.8- Garrafa de
plástico
 Transporte barato;
 Seguro.

15 Fig.9- Embalagens de plástico


PEAD
 Polietileno de alta densidade (em inglês: HDPE)

Características:
 Resistente a elevadas temperaturas;
 Alta resistência à tensão e compressão;
 Impermeável;
 Densidade: 0.94-0.98 g/dm3

Fig.11- Embalagem de
shampôo

Fig.10- Embalagem de
detergente
16
PVC
 Policloreto de vinilo
 Densidade: 1.38-1.45 g/dm3

 Utiliza-se essencialmente em tubagens.

Fig.12- Tubos

Fig.13- Capas de plástico

17
PEBD
 Polietileno de baixa densidade

Características:
 Flexível;
 Leve;
 Impermeável;
Fig.14- Sacos do lixo
 Baixo custo;
 Densidade: 0.92-0.94 g/dm3

Fig.15- Garrafa térmica

18
PP
 Polipropileno

Características:
 Baixo custo;
 Fácil moldagem;
 Alta resistência à fractura;
 Boa estabilidade térmica; Fig.16- Legos
 Densidade: 0.90 g/dm3

Fig.17- Desmaquilhante
19
de olhos
PS
 Poliestireno

Características:
 Baixo custo;
 Fácil processamento;
 Elevada resistência a ácidos e bases;
 Baixa densidade;
 Densidade: 1.05 g/dm3

Fig.18- Isolante térmico

20
Protocolo experimental
Teste da densidade (água)

Mergulha Flutua

Teste de
chama Teste de densidade do
álcool isopropílico
Cor verde Cor amarela

Mergulha Flutua
Teste de
PVC
acetona
Teste de óleo de
PEAD
milho
Altera Não altera

Mergulha Flutua
PS Teste de
aquecimento
PEBD PP

Deforma

PET

21 Diagrama 2 – Protocolo experimental


Teste de densidade da água
Inicialmente, deve-se verter água destilada para um gobelé e colocar os materiais
em estudo dentro do mesmo.

Os polímeros PEAB (tampa de plástico), PEBD (saco do lixo) e PP (desmaquilhante


de olhos), neste mesmo teste, deverão permanecer à superfície, uma vez que
apresentam densidade inferior à da agua.
Pelo contrário, os polímeros PET (garrafa de plástico), PVC (tubo) e PS
(poliestireno) deveriam afundar visto apresentarem uma densidade superior à
da água.

22 Fig.19- Teste de densidade da água


Teste da chama
Com a ajuda de uma pinça de madeira aproximar a ansa de inoculação à
lamparina de álcool de forma a que esta fique em rubor e ao ser colocada
próxima do material em questão, os polímeros deveriam apresentar cor verde
ou amarela.

O polímero PVC (tubo) terá de apresentar cor verde, enquanto que os polímeros
PET (garrafa de plástico) e o PS (poliestireno), cor amarela.

23
Fig.20 – Lamparina de álcool
Teste de acetona
Com o auxilio de uma vareta, verter acetona para dentro de um gobelé.
Foi realizado este teste nos polímeros PET (garrafa de plástico) e PS (poliestireno)

O PET, tal como seria de esperar não alterou a sua forma. Ao invés, o PS alterou
a sua estrutura, ficando mais mole.

24 Fig.21- Acetona
Teste de densidade do álcool isopropílico
Com a ajuda de um funil, vazámos 17.5ml de álcool isopropílico e 7.5ml de água
destilada para uma proveta.

O polímero PEAB (tampa de plástico)


mergulha na solução, pois apresenta
densidade superior à água e ao álcool.

Os polímeros PEBD (saco do lixo) e PP


(desmaquilhante de olhos) deveriam
ficar à superfície uma vez que
apresentam densidade inferior à
referida solução.

Fig.22 - Água destilada e álcool


25 isopropílico
Teste de óleo de milho
Verter uma determinada quantidade de óleo de milho para um gobelé.

O polímero PEBD (saco do lixo) terá de mergulhar; pelo contrário, o polímero


PP (desmaquilhante de olhos) deverá permanecer à superfície.

Fig.23 - Óleo de milho


26
Análise e discussão dos resultados
As experiências realizadas neste âmbito decorreram bem e obtivemos muito
bons resultados na maior parte dos plásticos, os resultados esperados.

No entanto, o teste da chama realizado ao PVC não deu qualquer resultado, já


que não se identificou qualquer chama de cor verde.

Apesar disso, podemos concluir que estes testes são eficazes e permitem-nos
obter bons resultados, ajudando a concluir qual será o plástico que temos em
mão.

27
Conclusão
Graças aos testes que conseguiu criar, o Homem teve a possibilidade de saber
com que plástico estará a lidar. Este foi um progresso bastante importante,
pois foi possível fazer os devidos testes a cada plástico e identificar as suas
potencialidades.

Através disto, foi possível criar vários instrumentos e utensílios que são
indispensáveis no nosso quotidiano, através dos quais percebemos o quão
essenciais os plásticos são.

28
Apêndices
Material Imagem Material Imagem
Garrafa de plástico Lamparina de álcool

Saco de plástico Gobelés

Saco do lixo Tesoura

Tampa de garrafa de Água destilada


plástico

Tubo de PVC Pinça

29 Tabela 1.1 – Material e respectivas imagens


Material Imagem Material Imagem
Polipropileno Papel absorvente

Poliestireno Pinça de madeira

Acetona Pipeta

Álcool isopropílico Proveta

Óleo de milho Funil

Vareta Ansa de inoculação

30 Tabela 1.2 – Material e respectivas imagens


Monómero

Unidade repetitiva

Polimerização
por
condensação

Polímero
31
Unidade repetitiva Monómero

Polimerização por
adição

Polímero

32
Polimerização por
adição
n

Monómero Polímero

Unidade repetitiva
33
Monómero

a Polimerização
por adição

Unidade repetitiva

Polímero

34
Monómero

Polimerização
por adição

Unidade repetitiva

35 Polímero
Fonte das imagens
Imagem da garrafa de plástico: http://www.joacir.com/garrafas-de-plastico-contem-material-cancerigeno

Imagem do papel absorvente: http://liveinformationnews.blogspot.com/2009/10/papel-absorvente-ignora-crise-e-


anima.html

Imagem da lamparina de álcool: http://www.hospwork.pt/contents/pt/d620.html

Imagem da acetona: http://tembatomnodente.wordpress.com/2010/08/22/acetona-ou-removedores/

Imagem do gobelé: http://materialdelaboratorio.blogspot.com/2008/04/gobel.html

Imagem da água destilada: http://www.eb23-monte caparica.rcts.pt/webquests/websol/pages/ficha_aluno.htm

Imagem da pinça de madeira: http://www.chemist.com.br/acessorios.htm

Imagem da ansa de inoculação: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ansa_de_inocula%C3%A7%C3%A3o

Imagem da tesoura: http://www.historiadetudo.com/tesoura.html

Imagem do x-acto: http://www.gorift.com.pt/index.php?cPath=26_50

36
Imagem da pinça:
http://www.casaamericana.com.br/products_new.php?page=35&osCsid=et1teom7k3s5aa61ekv114ni77

Imagem do óleo de milho: http://www.receitasmfp.com/2011_01_01_archive.html

Imagem do isopropanol: http://www.isopropanol.co.uk/isopropanol-labelling

Imagem do tubo PVC: http://www.easy.cl/easy/ProductDisplay?mundo=1&id_prod=53732&id_cat=-


1&tpCa=2&caN0=4178&caN1=5164&caN2=0&caN3=0

Imagem do saco do lixo: http://www.sacosdelixozen.com.br/loja/

Imagem do saco plástico: http://bioplasticnews.blogspot.com/2009/05/china-reduz-em-66-consumo-de-sacos.html

Imagem da proveta: http://www.explicatorium.com/Laboratorio-Proveta.php

Imagem da pipeta: http://www.solostocks.com.br/venda-produtos/saude-medicina-beleza/equipamentos-hospitais-


clinicas

Imagem do funil: http://www.all-biz.info/pt/buy/goods/?group=1082279

Imagem da vareta: http://www.ra.didaxis.pt/nfq/lab/material.htm

Imagem do desmaquilhante de olhos: http://simpleselegante.blogspot.com/2010/09/cuidados-com-pele.html

37
Imagem do símbolo PET: http://www.eleazari.com/espanol/index.php?tipo=7

Imagem do símbolo PEAD: http://focalizeeco.blogspot.com/2010/05/focalize-eco-11.html

Imagem do símbolo PVC: http://stilefiorentino.blogspot.com/2011/02/pvc-villain-number-3.html

Imagem do símbolo PEBD: http://neruu7.wordpress.com/2008/09/30/pebd/

Imagem do símbolo PP: http://redchopsticksbrand.com/blog/2008/03/08/our-bowls-and-lids-are-made-from-


polypropylene-pp-plastic-microwave-safe/

Imagem do símbolo PS: http://www.eleazari.com/espanol/index.php?tipo=12

Imagem da viscose: http://blog.plastkent.com.br/?p=4

Imagem do rayon: http://plastico-fibrastexteis.blogspot.com/2010_08_01_archive.html

Imagem do nylon: http://quimica-cap-22abc.blogspot.com/2008_05_01_archive.html

Imagem da borracha sintética: http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/polimeros/polimeros-16.php

38
Imagem das embalagens de plástico: http://revistaportuaria.tempsite.ws/site/?home=noticias&n=CCmdU

Imagem da embalagem de detergente: http://loja.webdados.pt/index.php?action=lista&id_tipo=339

Imagem da embalagem de shampôo: http://lisboacity.olx.pt/shampo-aloe-vera-iid-64959332

Imagem do tubo PVC: http://brasil.acambiode.com/catalogo_produtos_63751120040367506556515257504556.html

Imagem das capas: http://www.crediforma.pt/produtos/covers

Imagem do saco do lixo: http://estounasesta.blogs.sapo.pt/2249.html?view=5065

Imagem da garrafa térmica: http://www.villacucina.com.br/panelas-Le-Creuset/garrafas-


termicas/index.php?cPath=29&osCsid=7fcc5dc5b79d9d97334cd2fcfb32be7b

Imagem dos legos: http://matergin.blogspot.com/2010_07_01_archive.html

Imagem do isolante térmico: http://www.ibiubi.com.br/produtos/isolante-t%C3%A9rmico-para-barraca-azteq-top-em-


esportes-aventura+esporte-e-lazer+camping+barracas/azteq+mercado-livre/IUID8218649/

Imagem da celulose: http://egqsociesc.blogspot.com/2010/05/celulose-substitui-pele.html

Imagem do amido: http://trigoearte.wordpress.com/2011/04/17/gelatinizacao-do-amido/

Imagem da borracha natural: http://portuguese.alibaba.com/product-ifm/natural-rubber-latex-11313217.html


39
Ilustração do polímero PET, seu monómero, unidade repetitiva e símbolo:
http://bi.gave.min-edu.pt/bi/es/964/4036

Ilustração do polímero PEAD/PEBD, seu monómero, unidade repetitiva e símbolo:


http://www.solidur.com.br/07-1/index.htm

Ilustração do polímero PVC, seu monómero, unidade repetitiva e símbolo:


http://bi.gave.min-edu.pt/bi/es/964/3995
http://www.lenntech.com/polyvinyl-chloride-pvc.htm

Ilustração do polímero PP, seu monómero, unidade repetitiva e símbolo:


http://samuelrobaert.blogspot.com/2009_08_01_archive.html

40
Fontes de suporte textual
http://www.cires.pt/members/grupocires/home.nsf/WWWCiresPor/0282BEF0EB089AE580256CB10064
B668?OpenDocument

http://pt.wikipedia.org/wiki/Polietileno

http://pt.wikipedia.org/wiki/Polipropileno

http://www.gorni.eng.br/intropol.html

41