Sei sulla pagina 1di 25

Tijolo de Solo-Cimento.

ORIGEM

▪ Surgiu através de um processo evolutivo ao longo dos milhares de


anos, sendo a construção mais velha que se conhece, a da pirâmide
Queops, no Egito, construída há cerca de 2.600 anos a.C..
▪ Esta construção continua intacta até os dias de hoje. Mais tarde
outras duas pirâmides foram construídas; estas com blocos de pedras
rochosas nas mesmas dimensões da pirâmide de Queops.
▪ Outras construções milenares que se conhece com tecnologia
semelhante é o Fechamento de Telaviv, em Israel, e a Muralha da
China. A Muralha da China foi erguida com técnicas de solo
compactado e está aí, há mais de dois mil anos, para provar sua
resistência.
▪ Conchas de mariscos + óleo de baleia + areia + água.
Pirâmide de Queops
(147 metros de altura - equivalente a 49 andares)
Muralha da China
(200 anos de construção - Obra iniciada por volta de 220
a.C. e finalizada durante a dinastia Ming)
BRASIL

▪ No Brasil, a partir de 1960, o solo-cimento passa a ser estudado com


mais abrangência, iniciando uma grande quantidade de pesquisas e
estudos científicos. Como principais instituições responsáveis pelo
incentivo e divulgação dessas pesquisas, podemos citar: IPT –
Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo e a ABCP
– Associação Brasileira de Cimento Portland.
▪ A receita foi aprimorada quando o professor de engenharia Francisco
Casanova resgatou o tijolo de solo estabilizado em laboratórios
europeus. Depois de se formar em química na UFRJ, passou pela
Suíça, França e Portugal como aluno de mestrado e doutorado em
engenharia civil pela COPPE.
▪ 3
Professor Francisco Casanova
BRASIL

▪ Uma das primeiras construções com esse material no Brasil foi a casa
de bombas do aeroporto de Santarém com 42 m² no ano de 1945, no
ano de 1949 a 1950 o famoso e sexagenário Hospital Adriano Jorge
do Serviço Nacional de Tuberculose, com 10.800 m² com 432 leitos,
construído em Manaus e atualmente em pleno funcionamento, com
todas as suas paredes em solo-cimento. Conjunto residencial em
Coelho Neto – RJ construído em 1958, sendo que a construção
recebeu posteriormente mais um pavimento.
POR QUE É ECOLÓGICO?
▪ Os Tijolos Modulares de Solo-Cimento são chamados também de Tijolos
Ecológicos por permitirem, em sua composição, o uso de areia, de resíduos e
escória de usinas siderúrgicas, de agregados reciclados de entulho de construção
civil, de resíduos de atividades mineradoras e outros passivos ambientais
resultantes de atividades variadas, que no processo se tornam componentes
agregados através do emprego de cimento e água que, submetidos à pressão e ao
processo de cura, geram peças padronizadas e altamente resistentes.
▪ Por não usar o barro vermelho, matéria-prima tradicional dos tijolos
convencionais, evita-se também a degradação do meio ambiente causada por sua
extração. Outra grande vantagem referente à questão ecológica é que o processo
de produção dos tijolos não necessita de fornos, o que gera uma grande economia
energética e evita que muitas florestas sejam destruídas para a obtenção da lenha.
▪ Os tijolos ecológicos contribuem ainda para a redução de emissão de gases
poluentes na atmosfera e estima-se que para cada mil tijolos ecológicos
fabricados, de sete a doze árvores de porte médio são poupadas.
Construção com tijolo ecológico em andamento
PROCESSO CONSTRUTIVO DO TIJOLO
ECOLÓGICO

▪ Primeiramente a sua matéria prima, o Tijolo Ecológico é composto


por três matérias primas básicas:
▪ Solo= Arenoso ou Argiloso.
▪ Cimento= Podendo ser qualquer uma de suas derivações,
dependendo da resistência mecânica e características que se queira
obter do material final.
▪ Água= Deverá ser isenta de impurezas nocivas à hidratação do
cimento.
PREPARANDO O SOLO PARA A MISTURA
EXISTEM DOIS CASOS A SEREM OBSERVADOS:
• TRITURAR O SOLO(NO CASO DOS TORRÕES)
SOLO COM
SOLO
TORRÕES TRITURADOR TRITURADO
DE SOLO

• PENEIRAR O SOLO (no caso de impurezas)


SOLO
PENEIRADO
PENEIRA
ROTATIVA

PENEIRA COM
SOLO COM
MALHA 3 X 3mm
IMPUREZAS
MISTURA

+ +
SOLO CIMENTO UMIDADE
As proporções de solo e cimento variam de acordo com o material a ser produzido como (tijolos ou pisos) e
também pelo tipo de solo.

A umidade da mistura é verificada através de procedimentos simples,


ao apertarmos na mão a massa de forma enérgica, deve-se formar um
bolo com marca nítida dos dedos em relevo.
O PROCESSO DE MISTURA PODE
ACONTECER DE DUAS FORMAS:
▪ Mistura Manual= Para produções que não utilizem os equipamentos de mistura
automatizada deve se fazer a mistura da seguinte forma:

▪ Mistura Automatizada= Já na mistura automatizada, existem diversos modelos de


misturadores no mercado, que fazem o trabalho de tornar a massa homogênea,
adicionando a quantidade exata de água.
PRENSAGEM

Feita a mistura, é hora de levar essa massa há


uma prensa, para darmos forma ao tijolo
ecológico, existem também diversas prensas no
mercado, além dos moldes para cada tipo do
tijolo ecológico. Os formatos de tijolo mais
comuns são:
PROCESSO DE INSTALAÇÃO

▪ PROJETO
▪ FUNDAÇÃO= O topo do baldrame deve ser construído da forma
mais nivelada possível; as instalações elétricas e hidráulicas que vão
ficar abaixo do piso já devem ser instaladas.
PROCESSO DE INSTALAÇÃO

Posicionamento da Primeira Fiada


Impermeabilização da
Fundação= falhas na
impermeabilização da podem
gerar:
Degradação dos tijolos das
primeiras fiadas.
Degradação da pintura.
Desplacamento de
revestimentos. A qualidade da primeira fiada vai
influenciar na qualidade de toda a
Comprometimento dos móveis. alvenaria que será construída
posteriormente. Essa etapa deve ser
Possíveis doenças respiratórias executada junto com um pedreiro
devido à presença de umidade experiente. Deve-se levar o tempo que
nos ambientes for necessário para que a primeira fiada
fique perfeita em esquadro,
alinhamento e nivelamento.
ASSENTAMENTO DEFINITIVO DA PRIMEIRA FIADA
Toda a primeira fiada de tijolos deve ser assentada
usando massa comum para assentamento de
tijolos, feita de cimento e areia (1:3) com
impermeabilizante “Vedacit”, “Impersika” ou
similar.
Os tijolos dos cantos da casa são assentados
primeiro, verificando o nivel no sentido
• Fixação dos ferros das colunas
longitudinal e transversal do tijolo.

Inicia-se a marcação dos pontos onde serão feitos


os furos que receberão os ferros das colunas.
Nesta etapa devem ser fixados todos os ferros que
formarão colunas nas paredes.
Cada coluna embutida vai ter um ferro que será
fixado no baldrame ou radier.
▪ Assentamento dos Tijolos
‘ A partir da segunda fiada, o assentamento dos
tijolos pode ser feito sem argamassa. Esse
método é chamado de assentamento com junta
seca.

• Grampos
A cada 50 cm de alvenaria assentada, os grampos
são usados para amarrar colunas vizinhas entre si:
nos cantos da obra e nos encontros de paredes.
• Gráute= A concretagem das colunas deve ser
feita a cada 50 cm, para evitarmos bolsões de ar
nas colunas.
▪ Canaletas=As canaletas são assentadas a
aproximadamente 1 metro de distância
vertical uma da outra .

• Malha Estrutural
A estrutura de concreto armado de uma
obra de tijolo ecológico é embutida
dentro dos furos dos tijolos e das
canaletas. Ela se baseia na formação de
uma malha estrutural: um conjunto de
pilares e vigas de concreto armado –
amarrados entre si – e distribuídos por
toda a extensão da alvenaria.
ACABAMENTOS

▪ Rejuntamento= A aplicação de rejunte resulta em um acabamento mais raso, com


friso menos profundo.

• Reboco ou gesso= O tijolo ecológico aceita a aplicação de reboco tradicional e


também pode ser revestido com gesso.

• Impermeabilização das Paredes= As faces externas das paredes, ou seja, aquelas


expostas à chuva e ao sol, deverão ser obrigatoriamente impermeabilizadas. As
paredes que não são castigadas por umidade, não precisam ser impermeabilizadas.
Entre as opções estão a resina acrílica e os impermeabilizante à base de silicone.
VANTAGENS
▪ 1- Polui menos o meio ambiente pois não precisa ser cozido em fornos, eliminando a utilização
de lenha e a emissão de gases de efeito estufa pela queima.
▪ 2- Gera pouco entulho
▪ 3- Maior durabilidade, podendo ser até 6x mais resistentes.
▪ 5- Tem um ótimo isolamento termoacústico
▪ 6- Rapidez na construção
▪ 7- Acabamento mais fino. Faces lisas dispensam revestimentos, pode ser feiro apenas com
impermeabilizante.
▪ 8- Melhor distribuição de cargas nas estruturas proporcionando maior segurança.
▪ 9- Facilita instalações elétricas e hidráulicas. Dispensa o quebra-quebra nas paredes.
▪ 10- Redução de cerca de 80% em cimento, 50% em ferro e até 100% em madeira para formas
de pilares.
▪ 11- Diminui as cargas que chegam na fundação proporcionando economia na infraestrutura.
DESVANTAGENS

▪ 1- Requer mão de obra qualificada.


▪ 2- Absorve mais umidade, necessitando uma atenção maior em
impermeabilização.
▪ 3- Tem restrições quanto a reformas e futuros novos vãos.
▪ 4- Baixa resistência a impactos em quinas e cantos.
▪ 5- Falta de padronização e uniformidade entre os modelos
aparecidos no mercado.
▪ 6- Maior espessura nas paredes, diminuindo a área útil dos cômodos
da residência.
CONCLUSÃO

▪ O tijolo ecológico é uma tecnologia que visa reduzir os impactos que


a construção civil causa;
▪ Proporciona uma obra mais limpa, e não utiliza a queima na
fabricação;
▪ Precisa de mão de obra qualificada;
▪ Pode ser utilizado resíduos de indústria;
▪ Viabilidade econômica deve ser pensada;
▪ Conscientização;
BIBLIOGRAFIA

▪ 8 perguntas sobre tijolo ecológico. Disponível em:


<https://www.aecweb.com.br/cont/m/rev/8-perguntas-sobre-tijolo-
ecologico_9601_0_1>. Acesso em 12 de março de 2018.
▪ TIJOLO ECOLÓGICO, UMA SOLUÇÃO SUSTENTÁVEL. Disponível em:
<http://www.mapadaobra.com.br/inovacao/tijolo-ecologico-uma-solucao-
sustentavel/>. Acesso em 12 de março de 2018.
▪ Qual a diferença de um tijolo ecológico e um tijolo normal?. Disponível em:
<http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/qual-a-diferenca-
de-um-tijolo-ecologico-e-um-tijolo-normal/67828/>. Acesso em 12 de
março de 2018.
▪ Tijolos ecológicos: bons e corretos. Disponível em:
<http://www.revistaecologico.com.br/materia.php?id=72&secao=1138&mat
=1249/>. Acesso em 12 de março de 2018.