Sei sulla pagina 1di 1

Core n’grato - Cardillo - Cordiferro - 1911

Catarí, Catarí, Catarina, Catarina,

pecché mm' 'e ddice sti pparole amare? porque me dizes estas palavras amargas?

Pecché mme parle e 'o core mme turmiente, Catarí? Porque me falas e o coração me atormentas, Catarina?

Nun te scurdá ca t'aggio dato 'o core, Catarí. Não te esqueças que te dei o coração, Catarina

Nun te scurdá. Não te esqueças.

Catarí, Catarí, Catarina, Catarina,

che vène a dicere o que significa

stu pparlá ca mme dá spáseme? este falar que me dá espasmos?

Tu nun ce pienze a stu dulore mio? Tu não pensas a esta dor minha?

Tu nun ce pienze, tu nun te ne cure. Tu não pensa, tu não te preocupas.

Core, Coração,

core 'ngrato! coração ingrato!

T'hê pigliato 'a vita mia! Tu pegaste a vida minha!

Tutto è passato Tudo passou

e nun ce pienze cchiù. e não mais pensas nisso.

Catarí, Catarí, Catarina, Catarina,

tu nun 'o ssaje ca fino e 'int'a na chiesa tu não sabes que até dentro de uma igreja

io só trasuto e aggiu pregato a Dio, Catarí. eu entrei e orei a Deus, Catarina.

E ll'aggio ditto pure a 'o cunfessore: E o disse também ao confessor:

"Io stó a suffrí pe' chella llá." "Estou sofrendo por aquela lá."

"Stó a suffrí, stó a suffrí nun se pò credere, "Estou sofrendo, estou sofrendo não se pode crer,

stó a suffrí tutte li strazie." estou sofrendo todas as penas."

E 'o cunfessore, ch'è perzona santa, E o confessor, que é pessoa santa,

mm'ha ditto: "Figliu mio lássala stá, me disse: "Filho meu deixa-a ir,

lássala stá!" deixa-a ir!"

Tutto è passato Tudo passou

e nun ce pienze cchiù! e não mais pensas nisso.