Sei sulla pagina 1di 19

1.

Vetores

1.1 Vetores

Vetor: um vetor é um segmento de reta que possui módulo, direção e sentido.

Módulo: o módulo é o comprimento do vetor e pode ser calculado pela fórmula


| v | a 2  b 2 .

1.2 Casos particulares de vetores

Vetores paralelos: possuem a mesma direção.

Vetores iguais: possuem mesmo módulo, direção e sentido.


Vetor nulo: vetor de módulo igual a 0; qualquer ponto do espaço.

Vetores opostos: vetores de mesmo módulo e direção, mas de sentidos contrários.


Vetor unitário: vetor de módulo igual a 1.

Vetores ortogonais: vetores que formam um ângulo reto.


Vetores coplanares: vetores que estão no mesmo plano.

1.3 Inclinação de um vetor

A inclinação de um vetor é a medida  em relação à horizontal, no sentido anti-


horário.

b
sen( )  
|v |
a
cos( )  
|v |
b
tg( ) 
a

A tabela a seguir apresenta os valores do seno, cosseno e tangente para os arcos


notáveis correspondentes a 30°, 45° e 60° e será útil em muitos casos.
30° 45° 60°

1 2 3
sen
2 2 2
3 2 1
cos
2 2 2
3
tg 1 3
3

2. Operações envolvendo vetores

2.1 Produto de um vetor por um escalar


   
O produto de  por v é o vetor v , onde v  0 ,   0 ,   R .
2.2 Adição de vetores

 
u  v  AC ou AB  BC  AC

ou

 
u  v  AC ou AB  AD  AC

2.3 Subtração de vetores


   
u  ( v )  u  v
 
u  v  DB ou DC  CB  DB

 
Observação: As diagonais de um paralelogramo de lados iguais a u e v
   
correspondem a u  v e u  v .

2.4 Combinação linear de vetores


    
Um vetor v é uma combinação linear dos vetores v1, v2 ,..., vn quando v é a soma
  
dos múltiplos dos vetores v1, v2 ,..., vn :
   
v  1v1   2 v2       n vn , onde 1,  2 ,..., n  R
3. Vetores no plano cartesiano ortogonal R2 e no espaço tridimensional R3

3.1 Vetores no plano ortogonal R2


   
Vetor: v  xi  yj ou v  ( x, y )
Módulo e direção do vetor AB com A  ( x A , y A ) e B  ( x B , y B ) .
Módulo: | AB | ( xB  x A ) 2  ( y B  y A ) 2
yB  y A
Direção: tg ( ) 
xB  x A

Componentes de um vetor AB : AB  OB  OA

Produto de um vetor por um escalar:


 
k.v  k.v1  k.v2 onde v  (v1 , v2 ) e k  R
      
Produto escalar: u.v  x1 x2  y1 y 2 onde u  x1i  y1 j e v  x2 i  y 2 j .
  
0    180
Produto escalar: u .v | u | . | v | . cos , com
3.2 Vetores no espaço tridimensional R3

    
Vetor: v  xi  yj  zk ou v  ( x, y, z )

Módulo: | v | x  y  z
2 2 2
Módulo do vetor AB : | AB | ( x B  x A ) 2  ( y B  y A ) 2  ( z B  z A ) 2 , com
A  ( x A , y A , z A ) e B  ( xB , y B , z B ) .

Produto de um vetor por um escalar:


 
k.v  k.v1  k.v2  k.v3 onde v  (v1 , v2 , v3 ) e k  R
    
Produto escalar: u.v  x1 x2  y1 y 2  z1 z 2 onde u  x1i  y1 j  z1k e
   
v  x2 i  y 2 j  z 2 k .
    
Produto escalar: u .v | u | . | v | . cos , onde  é o ângulo entre os vetores u e v e
0    180 .

 
Produto vetorial: Dados a  (a1 , a2 , a3 ) e b  (b1 , b2 , b3 ) ,
i j k
 
a  b  a1 a2 a3  (a 2 b3  a3b2 )i  (a3 b1  a1b3 ) j  (a1b2  a 2 b1 )k
b1 b2 b3
3.3 Vetores no Rn

Adição de vetores:
   
u  v  (u1  v1 , u 2  v2 ,..., u n  vn ) onde u  (u1 , u 2 ,..., u n ) e v  (v1 , v2 ,..., vn )

Subtração de vetores:
   
u  v  (u1  v1 , u 2  v2 ,..., u n  vn ) onde u  (u1 , u 2 ,..., u n ) e v  (v1 , v2 ,..., vn )

Produto de um vetor por um escalar:


 
k.v  k.v1  k.v2    k.vn onde v  (v1 , v2 ,..., vn ) e k  R

Produto escalar:
  
u.v  u1 .v1  u 2 .v2    u n .vn onde u  (u1 , u 2 ,..., u n ) e v  (v1 , v2 ,..., vn )
4. Retas

4.1 Equações da reta

Equação cartesiana na forma reduzida: y  ax  b


onde a é o coeficiente angular e b é o coeficiente linear.

yB  y A
Equação cartesiana na forma y  y0  m.( x  x0 ) , onde m e
xB  x A
( x0 , y0 )  ( x A , y A ) ou ( x0 , y0 )  ( x B , y B ) .
Equação cartesiana na forma geral: ax  by  c  0

Equação vetorial: r (t )  ( vetor posição)  t ( vetor direção) , tR

Para retas em R2: r (t )  ( x A , y A )  t.( x B , y B )

Para retas em R3: r (t )  ( x A , y A , z A )  t.( x B , y B , z B )


Equações paramétricas da reta:

 x  x A  t.x B
Retas no R2: 
 y  y A  t. y B

 x  x A  t .x B

Retas no R :  y  y A  t. y B
3

 z  z  t .z
 A B

4.2 Ângulo entre retas, paralelismo e perpendicularismo

Ângulo entre duas retas:



| u .v | 
cos    , com 0   
| u |.| v | 2

   
Retas ortogonais: r1  r2  v1 .v2  0 onde v1 e v 2 são as direções de r1 e r2 ,
respectivamente.
Se r1 e r2 são concorrentes, então r1 e r2 são perpendiculares.

Obs.: Duas retas são concorrentes quando há um ponto de intersecção entre elas.

Retas paralelas: Duas retas são paralelas quando o ângulo entre elas é igual a 0.

Intersecção de retas: Duas retas r1 e r2 possuem intersecção caso haja um ponto P


comum às duas retas.
5. Planos

5.1 Equações do plano

Equação geral do plano: ax  by  cz  d  0 onde a, b e c são as componentes do


 
vetor normal n , d  ax0  by0  cz 0 e n. AP  0 , A, P   .

   
Equação vetorial do plano: P  A  t1u  t 2 v onde u e v são paralelos a  ,
A, P   e t1 , t 2  R .

Equações paramétricas do plano:


 x  x 0  t1 a1  t 2 a 2

 y  y 0  t1b1  t 2 b2
z  z  t c  t c
 0 1 1 2 2

Produto misto:
x1 y1 z1
  
u .(v  w)  x 2 y2 z 2  x1 y 2 z 3  x 2 y 3 z1  x3 y1 z 2  x1 y 3 z 2  x 2 y1 z 3  x3 y 2 z1
x3 y 3 z 3
  
onde u  ( x1 , y1 , z1 ) , v  ( x 2 , y 2 , z 2 ) e w  ( x3 , y3 , z 3 ) .

 
n1 .n 2
Ângulo entre dois planos: cos( )    , com 0    90 .
n1 . n 2
6. Distâncias

6.1 Distância entre dois pontos

No R2: d ( A, B ) | AB | ( x B  x A ) 2  ( y B  y A ) 2

No R3: d ( A,B ) | AB | ( xB  x A ) 2  ( y B  y A ) 2  ( z B  z A ) 2

6.2 Distância entre ponto e reta


 
|u v |
d ( P ,r )  
|u |

| ax0  by0  c |
d ( P ,r )  , P=(x0, y0) e r: ax+by+c=0.
a2  b2

6.3 Distância entre ponto e plano


| ax0  by0  cz 0  d |
d ( P , )  , P=(x0, y0, z0) e : ax+by+cz+d=0.
a2  b2  c2

7. Cônicas

Cônicas: parábola, elipse, circunferência ou hipérbole.

Cônicas degeneradas: retas ou pontos.

7.1 Circunferência
Equação reduzida: ( x  x0 ) 2  ( y  y0 ) 2  R 2

7.2 Elipse
( x  x0 ) 2 ( y  y 0 ) 2
Equação canônica:  1
a2 b2

7.3 Hipérbole

( x  x0 ) 2 ( y  y 0 ) 2
Equação canônica:   1 (ramos à esquerda e à direita)
a2 b2

( x  x0 ) 2 ( y  y 0 ) 2
   1 (ramos acima e abaixo)
a2 b2
7.4 Parábola

Parábola vertical:

Equação geral: y  ax 2  bx  c
 b  b 2  4ac
Intersecções com o eixo x: x
2a
Intersecção com o eixo y: (0, c)
 b b 2  4ac 
Vértice da parábola: V    , 
 2a 4a 
Parábola vertical:

Equação geral: x  ay 2  by  c
 b  b 2  4ac
Intersecções com o eixo x: y 
2a
Intersecção com o eixo y: (0, c)
 b 2  4ac b 
Vértice da parábola: V    ,  
 4a 2a 