Sei sulla pagina 1di 7

AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Processo Legislativo Ordinário�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Fase Constitutiva���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Deliberação Parlamentar – Discussão e Votação������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Deliberação Executiva – Sanção e Veto Art. 66 CF���������������������������������������������������������������������������������������������������4
Fase Complementar ou Integrativa de Eficácia�������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Promulgação������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Publicação����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Processo Legislativo Ordinário


Fase Constitutiva
Estamos na segunda fase de elaboração de uma lei ordinária.
Essa fase se desdobra em dois momentos: a) deliberação parlamentar – que é a atuação dos
membros do Poder Legislativo, através da discussão e votação do projeto e b) deliberação executiva
– que é a manifestação do Chefe do Executivo, sancionando ou vetando o projeto de lei.
Deliberação Parlamentar – Discussão e Votação
Em virtude do bicameralismo, um projeto de lei federal deve necessariamente tramitar nas duas
Casas legislativas, ou seja, na Câmara e no Senado. Atuando uma como Casa Iniciadora e a outra
como Casa Revisora.
Como regra os projetos de Lei, na esfera Federal, são iniciados na Câmara dos Deputados1 –
atuando essa como Casa Iniciadora, sendo que só iniciarão no Senado se o projeto for de iniciativa de
um Senador ou de uma Comissão do Senado.
Quando o projeto for elaborado por comissão mista deverá ser encaminhado, alternadamente,
ao Senado Federal e à Câmara dos Deputados2.
Uma vez protocolado o projeto de lei na casa iniciadora, ele será submetido à apreciação das comissões.
Um projeto deve ser analisado pelo menos por DUAS comissões:
(I) uma comissão temática ou técnica, que será definida de acordo com a matéria do
projeto de lei e que vai analisar aspectos materiais;
(II) comissão de constituição e justiça, que vai analisar os aspectos formais da lei, espe-
cialmente a sua constitucionalidade.
A Comissão temática vai discutir o conteúdo da proposta emitindo ao final um parecer a favor
ou contra o projeto.
Destaca-se que a depender do tipo de projeto de lei, a comissão terá a competência de aprovar
ou rejeitar o projeto3, uma vez que nem todos os projetos de lei precisam ser submetidos ao plenário,
entretanto, caso o projeto precise ser aprovado em plenário (ex.: códigos/iniciativa popular) ou haja
recurso de 1/10 membros da casa, a Comissão se limitará a emitir um parecer meramente opinativo,
encaminhando-o a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).
Assim, após a análise da comissão temática, o projeto será submetido a Comissão de Constitui-
ção e Justiça (CCJ) e nesse caso o parecer é terminativo, ou seja, se a CCJ rejeitar o projeto ele será
arquivado, salvo se houver recurso, quando o projeto se submeterá ao plenário.
Após apreciação das Comissões, o projeto é levado a Plenário, onde será discutido e votado
de acordo com o quórum exigido pela espécie normativa, ou seja, se lei ordinária será votado por
maioria simples e se for lei complementar dependerá de aprovação de maioria absoluta.
A decisão do Plenário poderá importar:
→→ Na aprovação do Projeto: ocasião que será encaminhado a casa revisora

1 Art. 64. A discussão e votação dos projetos de lei de iniciativa do Presidente da República, do Supremo Tribunal Federal e
dos Tribunais Superiores terão início na Câmara dos Deputados.
2 Regimento Comum do Congresso Nacional. Art. 142. Os projetos elaborados por Comissão Mista serão encaminhados,
alternadamente, ao Senado e à Câmara dos Deputados.
3 Art. 58 § 2º Às comissões, em razão da matéria de sua competência, cabe:
I – discutir e votar projeto de lei que dispensar, na forma do regimento, a competência do Plenário, salvo se houver recurso de um
décimo dos membros da Casa;
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

→→ Na rejeição do projeto: se rejeitado o projeto será arquivado, só podendo ser objeto de novo projeto,
na mesma sessão legislativa, se houver proposta da maioria absoluta dos membros de qualquer
das casas. Trata-se do princípio da irrepetibilidade, previsto no art. 67 da CF:
Art. 67. A matéria constante de projeto de lei rejeitado somente poderá constituir objeto de novo projeto,
na mesma sessão legislativa, mediante proposta da maioria absoluta dos membros de qualquer das Casas
do Congresso Nacional.
Após a aprovação do projeto na Casa Iniciadora, será ele submetido à Casa Revisora, lá o trâmite
é idêntico no âmbito das Comissões, podendo ocorrer 3 coisas com o projeto inicial:
a) Ser aprovado como foi recebido na casa iniciadora: o projeto será encaminhado para a deli-
beração executiva, para o Presidente da República, para sanção ou veto.
b) Ser aprovado com emendas4: o projeto deverá ser encaminhado novamente para a casa ini-
ciadora, para que esta aprecie EXCLUSIVAMENTE as emendas, podendo aprová-las ou rejei-
tá-las. Não pode a Câmara apresentar novas emendas. Observa-se que há uma predominância
da vontade da Casa iniciadora.
c) Ser rejeitado: o projeto será arquivado, também se submetendo ao principio da irrepetibilidade.
Art. 65. O projeto de lei aprovado por uma Casa será revisto pela outra, em um só turno de discussão e
votação, e enviado à sanção ou promulgação, se a Casa revisora o aprovar, ou arquivado, se o rejeitar.
Parágrafo único. Sendo o projeto emendado, voltará à Casa iniciadora.
SOBRE AS EMENDAS: O poder de emendar não é absoluto. Só pode ocorrer emenda se:
a) Mantiver pertinência temática com o projeto original;
b) Nas hipóteses de iniciativa reservada (exclusiva) do Presidente – não pode acarretar aumento de despesa
ao projeto original, ressalvados os projetos orçamentários de iniciativa reservada ao Presidente.
c) nos projetos sobre organização dos serviços administrativos da Câmara dos Deputados, do
Senado Federal, dos Tribunais Federais e do Ministério Público, também não pode acarretar
aumento de despesa. (STF – não vale essa regra para projetos de lei de organização judiciária).
Art. 63. Não será admitido aumento da despesa prevista:
I – nos projetos de iniciativa exclusiva do Presidente da República, ressalvado o disposto no art. 166, §
3º e § 4º;
II – nos projetos sobre organização dos serviços administrativos da Câmara dos Deputados, do Senado
Federal, dos Tribunais Federais e do Ministério Público.
4 As espécies de emendas estão previstas no Regimento Interno da Câmara dos Deputados:
Art. 118. Emenda é a proposição apresentada como acessória de outra, sendo a principal qual – quer uma dentre as referidas nas
alíneas a a e do inciso I do art. 138.
§ 1º As emendas são supressivas, aglutinativas, substitutivas, modi cativas ou aditivas.
§ 2º Emenda supressiva é a que manda erradicar qualquer parte de outra proposição.
§ 3º Emenda aglutinativa é a que resulta da fusão de outras emendas, ou destas com o texto, por transação tendente à aproximação
dos res – pectivos objetos.
§ 4º Emenda substitutiva é a apresentada como sucedânea a parte de outra proposição, denomi – nando-se “substitutivo” quando a
alterar, substan – cial ou formalmente, em seu conjunto; considera-
-se formal a alteração que vise exclusivamente ao aperfeiçoamento da técnica legislativa.
§ 5º Emenda modi cativa é a que altera a pro – posição sem a modi car substancialmente.
§ 6º Emenda aditiva é a que se acrescenta a outra proposição.
§ 7º Denomina-se subemenda a emenda apre – sentada em Comissão a outra emenda e que pode ser, por sua vez, supressiva, substitu-
tiva ou aditiva, desde que não incida, a supressiva, sobre emenda com a mesma nalidade.
§ 8º Denomina-se emenda de redação a modi – cativa que visa a sanar vício de linguagem, in – correção de técnica legislativa ou lapso
manifesto.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Após as deliberações parlamentares e se o projeto for aprovado, com ou sem emendas, a casa
final deverá encaminhar o projeto para o presidente da República.
Art. 66. A Casa na qual tenha sido concluída a votação enviará o projeto de lei ao Presidente da Repúbli-
ca, que, aquiescendo, o sancionará.

Deliberação Executiva – Sanção e Veto Art. 66 CF


O Presidente ao receber o projeto de lei poderá fazer duas coisas:
a) sancionar expressa ou tacitamente;
b) vetar, total ou parcialmente o projeto.
Ressalta-se que nem todas as espécies normativas possuem essa fase de deliberação executiva, as
emendas constitucionais, por exemplo, não dependem de sanção ou veto do presidente.
SANÇÃO
A sanção é a aprovação, concordância, do projeto que poderá ocorrer de forma expressa, quando
o presidente assina o projeto, ou tácita, que ocorre quando o Presidente não assina em 15 dias úteis
da data do recebimento do projeto e também não veta. Nesse caso, vale a velha regra de que “quem
cala, consente”, dessa forma o silêncio do Presidente implicará em sanção. Observe o que dispõe o
art. 66 § 3º da CF.
§ 3º Decorrido o prazo de quinze dias, o silêncio do Presidente da República importará sanção.
Uma vez sancionado o projeto o Presidente deverá realizar a promulgação no prazo de até 48 horas.
Entretanto, o Presidente poderá vetar o projeto, total ou parcialmente, caso entenda que o mesmo
é: inconstitucional ou contrário ao interesse público.
VETO
Como visto, o veto é a discordância pelo Presidente do projeto de lei. Contudo, o Presidente só
pode vetar por dois motivos:
→→ Inconstitucionalidade, nesse caso o veto é chamado de veto jurídico. Nessa modalidade de veto, o
Presidente exerce controle preventivo de constitucionalidade.
→→ Contrariedade ao interesse público, nesse caso o veto é chamado de veto político, o Presidente
veta por critérios de conveniência e oportunidade.
O Presidente tem um prazo de 15 dias úteis para, formalmente, vetar o projeto a partir do seu
recebimento, caso não o faça o projeto será considerado sancionado de foram tácita. Observe então
que o veto deve ser sempre EXPRESSO, não se admite o veto tácito.
Caso o presidente vete, ele deverá comunicar o Presidente do Senado sobre os motivos do veto no
prazo de 48h, em decisão MOTIVADA.
O veto não admite retratação.
Art. 66 § 1º – Se o Presidente da República considerar o projeto, no todo ou em parte, inconstitucional ou
contrário ao interesse público, vetá-lo-á total ou parcialmente, no prazo de quinze dias úteis, contados
da data do recebimento, e comunicará, dentro de quarenta e oito horas, ao Presidente do Senado Federal
os motivos do veto.
Assim, o veto é um ato composto, pois, para que se efetive, depende da manifestação expressa do
Presidente e ainda da comunicação dos motivos ao Presidente do Senado.
Outrossim, o veto somente poderá ser SUPRESSIVO, o Presidente não pode adicionar nada ao
projeto, apenas reduzir, TOTAL OU PARCIALMENTE. Ressalta-se que se o veto for parcial ele
deverá incidir sobre o texto integral de um artigo, parágrafo, inciso ou alínea, não podendo incidir
sobre apenas uma palavra, por exemplo, ou de parte do texto.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

§ 2º O veto parcial somente abrangerá texto integral de artigo, de parágrafo, de inciso ou de alínea.
O projeto de lei vetado parcialmente poderá ser encaminhado para promulgação referente a parte
não vetada, que, considera-se sancionada.
Ademais, o veto do Presidente é SUPERÁVEL, ou seja, poderá ser derrubado pelo Congresso
Nacional, em sessão conjunta, no prazo de 30 dias, e pelo quórum de maioria absoluta dos deputados
e senadores, em votação nominal (voto aberto), trancando a pauta caso não seja votado no prazo de
30 dias, até que se efetive a sua votação.
§ 4º O veto será apreciado em sessão conjunta, dentro de trinta dias a contar de seu recebimento, só
podendo ser rejeitado pelo voto da maioria absoluta dos Deputados e Senadores.
§ 6º Esgotado sem deliberação o prazo estabelecido no § 4º, o veto será colocado na ordem do dia da sessão
imediata, sobrestadas as demais proposições, até sua votação final
Nessa sessão conjunta, os deputados e senadores poderão:
→→ Manter o veto: Se o veto for total o projeto será arquivado, submetendo-se ao princípio da irrepe-
tibilidade, se o veto for parcial, o projeto será encaminhado para promulgação, com os vetos.
→→ Derrubar o veto: se o veto for derrubado o projeto será encaminhado para o Presidente da Repú-
blica para promulgação, ele não precisará sancionar. Será promulgada sem sanção.
§ 5º Se o veto não for mantido, será o projeto enviado, para promulgação, ao Presidente da República.
Assim, podemos resumir as seguintes características do VETO:
˃˃ EXPRESSO;
˃˃ FORMAL;
˃˃ MOTIVADO;
˃˃ SUPRESSIVO;
˃˃ SUPERÁVEL OU RELATIVO;
˃˃ IRRETRATÁVEL
˃˃ INSUSCETÍVEL DE APRECIAÇÃO JUDICIAL – uma vez que se trata de ato político, não se
admite controle jurisdicional das razões do veto.
˃˃ PODE INCIDIR SOBRE TEXTO APRESENTADO PELO PRESIDENTE: é estranho, mas pode
acontecer do Presidente encaminhar um projeto e ele mesmo vetá-lo posteriormente.
Fase Complementar ou Integrativa de Eficácia
A terceira e última fase do processo legislativo ordinário é dividida em duas etapas: a promulga-
ção e a publicação.
Não integra necessariamente o processo legislativo, pois nesse momento a lei já é considerada
EXISTENTE, a partir da sanção ou do veto derrubado, de modo que o que será promulgado é a lei e
não o projeto de lei.
Promulgação
A promulgação é o ato solene que atesta a existência da lei, a sua validade e que está apta a produzir
efeitos. É dizer: a lei nasce com a sanção ou derrubada do veto, mas passa a existir com a promulgação.
A competência para promulgar, no processo legislativo ordinário, é do chefe do Executivo, na
esfera federal do Presidente da República.
Após a sanção do projeto de lei ou derrubada do veto, a lei será encaminhada para promulgação
que deverá ser feita em 48 horas pelo Presidente da República, se o presidente não fizer, caberá ao
Presidente do Senado, em igual prazo; se este não fizer caberá ao Vice-presidente do Senado.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

§ 7º Se a lei não for promulgada dentro de quarenta e oito horas pelo Presidente da República, nos casos
dos § 3º e § 5º, o Presidente do Senado a promulgará, e, se este não o fizer em igual prazo, caberá ao Vice
-Presidente do Senado fazê-lo.
Ressalta-se que, no caso da sanção expressa, a promulgação é feita no mesmo momento. O presi-
dente sanciona e promulga.
Ademais, a promulgação pelo Executivo é característica do processo legislativo ordinário, pois
em outros processos legislativos especiais a promulgação poderá ser feita por outras pessoas, por
exemplo: as emendas constitucionais.
Publicação
A publicação é ato de divulgação oficial da lei, e é condição de EFICÁCIA da mesma, autorizan-
do a mesma a produzir os seus efeitos, embora não necessariamente já esteja em vigor.
A publicação é feita no Diário Oficial pelo Presidente da República.
Exercícios
01. O Poder Legislativo é do tipo bicameral porque reúne, em um mesmo corpo, uma Casa que
cumpre o papel de iniciadora do processo legislativo (a Câmara dos Deputados) e uma Casa
que cumpre sempre o papel de revisora (o Senado Federal).
Certo ( ) Errado ( )
02. A rejeição de projeto de lei impede que a matéria seja objeto de novo projeto na mesma sessão
legislativa, salvo mediante proposta da maioria absoluta dos membros de qualquer das Casas
do Congresso Nacional.
Certo ( ) Errado ( )
03. A casa legislativa que concluir a votação enviará o projeto de lei ao presidente da República, que,
aquiescendo, o sancionará. Decorridas 48 horas, o silêncio do presidente importará sanção.
Certo ( ) Errado ( )
04. O silêncio do presidente da República quanto a projeto de lei aprovado pelo Congresso
Nacional e encaminhado a ele para veto ou sanção importará em veto ao texto.
Certo ( ) Errado ( )
05. A Casa na qual tenha sido concluída a votação de projeto de lei deverá enviá-lo ao Presidente
da República que, ao considerar o projeto no todo ou em parte, inconstitucional ou contrário
ao interesse público, vetá-lo-á total ou parcialmente, no prazo de quinze dias úteis, contados
da data do recebimento.
Certo ( ) Errado ( )
06. O veto parcial somente abrangerá texto integral de artigo, de parágrafo, de inciso ou de alínea.
Certo ( ) Errado ( )
07. O veto do presidente da República a projeto de lei será apreciado em sessão unicameral,
somente podendo ser rejeitado pelo voto da maioria absoluta dos congressistas.
Certo ( ) Errado ( )
08. Nos casos de sanção tácita ou de rejeição de veto, se a lei não for promulgada dentro de quarenta
e oito horas pelo Presidente da República, o Presidente do Senado a promulgará, e, se este não o
fizer em igual prazo, caberá ao Presidente da Câmara fazê­lo.
Certo ( ) Errado ( )

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

Gabarito
01 - E
02 - C
03 - E
04 - E
05 - C
06 - C
07 - E
08 - E

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
7