Sei sulla pagina 1di 13

Universidade do Vale do Itajaí

Escola do Mar, Ciência e Tecnologia.


Curso de Engenharia Química

RAFAEL NASCIMENTO
VITOR HÄRING

PRÁTRICA: DETERMINAÇÃO DO TEOR DE VITAMINA C

Itajaí - SC
2018
2

RAFAEL NASCIMENTO
VITOR HÄRING

PRÁTRICA: DETERMINAÇÃO DO TEOR DE VITAMINA C


TITULAÇÃO POR OXI-REDUÇÃO UTILIZANDO IODO (IODIMETRIA)
Elaboração de relatório como requisito
parcial para a obtenção de nota para a M1 da
disciplina de Biotecnologia, do curso de Engenharia
Química da Universidade do Vale do Itajaí, Escola
do Mar, Ciência e Tecnologia.

Professor: Pablo Angel Sanchez Podlech

Itajaí - SC
2018
3

RESUMO

O ácido ascórbico, que é popularmente chamado de vitamina C, a qual tem


formula molecular (C6H8O6), é um nutriente básico para todos os seres humanos, pois
é essencial para o funcionamento adequado das células formadoras de vários tecidos
do corpo. A vitamina C também é um ótimo antioxidante que possui a capacidade de
proteger o organismo dos danos provocados pelo estresse oxidativo. O objetivo deste
relatório é determinar o teor de vitamina C no suco de caju e de laranja utilizando
titulação por oxirredução. Através dos resultados obtidos observou-se que o fabricante
não apresenta dados verídicos nos rótulos.

Palavras-Chaves: Vitamina C, Suco, Organismo.


4

Sumário

1. INTRODUÇÃO .......................................................................................... 5

2. OBJETIVO ................................................................................................ 7

2.1. Objetivo geral ..................................................................................... 7

2.2. Objetivos específicos ......................................................................... 7

3. MATERIAIS E MÉTODOLOGIA ............................................................... 8

3.1. Materiais ............................................................................................. 8

3.2. Reagentes .......................................................................................... 8

3.3. Procedimento Experimental ............................................................... 8

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO ................................................................ 9

5. CONCLUSÃO ......................................................................................... 11

6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ....................................................... 12


5

1. INTRODUÇÃO

A vitamina C, também conhecida como ácido ascórbico, é uma vitamina


hidrossolúvel que é essencial para o funcionamento normal do corpo. Também
conhecido como L-ascórbico, é um composto químico branco cristalino de fórmula
C6H806, como pode ser observado na figura abaixo.

Figura 01: Fórmula Estrutural do Ácido Ascórbico.

Diferente da grande maioria dos mamíferos, os seres humanos não têm a


habilidade de produzir sua própria vitamina C, devido à carência de enzimas que
convertem a glicose em ácido ascórbico, e por isso, é preciso obtê-la de outra maneira.
É possível então adquiri-la através de frutas cítricas e folhas cruas de vegetais, tais
como laranja, morango, alface, brócolis, entre outros.
A vitamina C é essencial para o funcionamento adequado das células
formadoras de vários tecidos do corpo humano, sendo fundamental para a formação
e manutenção do colágeno, que é a base do tecido que mantém unidas as estruturas
do corpo, o qual dá suporte, elasticidade e forma ao corpo. Contribui com o organismo
para absorver ferro e auxilia no depósito de cálcio e fosfato nos ossos. Impede a
formação de radicais livres e estimula o sistema imune. E também, ajuda a prevenir
os efeitos prejudiciais da poluição e protege contra infecções.
O ácido ascórbico em solução aquosa possui uma facilidade excepcional para
ser oxidado, portanto essa característica faz com que ele seja um ótimo antioxidante.
Isso significa que ele protege outras espécies químicas de se oxidarem. A oxidação é
uma reação química que transfere elétrons de uma substância para um agente
oxidante. As reações de oxidação podem produzir radicais livres. Por sua vez, estes
radicais podem dar início a reações em cadeia que, quando ocorrem em células,
6

podem danificá-las ou causar a sua morte. Os antioxidantes então, interrompem estas


reações em cadeia eliminando os radicais livres intermediários e inibindo outras
reações de oxidação.
Uma das formas de determinar a quantidade de ácido ascórbico em um
alimento ou em um fármaco é através da iodometria. Neste método, o poder redutor
do ácido ascórbico é utilizado para reduzir o iodo molecular a íon iodeto, através da
reação:
I2 (aq) + 2 e- → 2 I (aq)
O iodo molecular é um agente oxidante de poder moderado, de tal modo que
oxida o ácido ascórbico somente até ácido dehidroascórbico.
O experimento em estudo trata-se da determinação do teor de ácido ascórbico
em produtos alimentícios utilizando a técnica da titulação através da reação do ácido
ascórbico, que reage com a solução de iodo, segundo a reação:
C6H8O6 + I2 → C6H6O6 + 2HI
Para esta determinação, baseada na volumetria de óxido-redução, utiliza-se
como indicador a goma de amido. Ao ser reduzido a íon iodeto, a partir da reação com
o ácido ascórbico, tem-se uma solução incolor. Porém, o excesso de iodo produz com
o amido um complexo de coloração azul. Isto ocorre porque o amido é uma substância
formada por dois constituintes chamados de: amilose, solúvel em água, e
amilopectina, insolúvel em água. A amilose é uma parte do amido que dá a cor azul
intensa quando reage com as moléculas de iodo formando o complexo de amido-iodo.
O aparecimento da coloração indica o ponto final da titulação, e assim,
possibilita determinar a quantidade de ácido em análise a partir da alíquota da solução
de iodo padronizada utilizada.
Ao final da titulação, quando ocorre o consumo total dos íons triiodeto, o
desaparecimento desta coloração azul permite uma detecção mais sensível do ponto
de equivalência
7

2. OBJETIVO
Dividiu-se o tópico em duas partes. O objetivo geral e os específicos para
alcançá-lo.

2.1. Objetivo geral


Quantificar Vitamina C de amostras de dois sucos de sabores diferentes

2.2. Objetivos específicos

 Realizar o teste de Molish com diferentes tipos de glicídios;

 Obter a reação de diferentes glicídios com o reagente lugol;

 Identificar glicídios redutores a partir da reação com a reagente de Benedict;

 Efetuar a hidrólise de dissacarídeos e polissacarídeos.


8

3. MATERIAIS E MÉTODOLOGIA
Subdividiu-se este tópico em dois para demonstrar primeiramente os materiais
utilizados e em sequência o procedimento experimental.

3.1. Materiais
 Bureta de 25 mL;
 2 Erlenmeyers de 125 mL;
 Conta-gotas;
 Béquer de 50 mL;
 Béquer de 125 mL;
 2 Pipetas volumétricas de 25 mL.
3.2. Reagentes
 Solução de iodo 2% m/v;
 Suco comercial de caju;
 Suco comercial de laranja;
 Solução de amido 1% m/v;
 Solução de ácido ascórbico.

3.3. Procedimento Experimental


Com todas as soluções previamente preparadas iniciou-se a prática. Lavou-se
a bureta com solução de iodo de 2% m/v e em sequência ajustou-se ao menisco.
Posicionou-se Erlenmeyer ao eixo inferior da bureta contendo 25 mL da solução de
vitamina C e nesta solução adicionou-se 5 gotas da solução de amido 1% m/v.
Realizou-se a primeira titulação até que a solução ficasse com cor violácea. Após a
primeira titulação a bureta foi completada novamente, em um Erlenmeyer pipetou-se
25 mL do suco de caju e adicionou-se 5 gotas da solução de amido e efetuou-se a
titulação até que a solução mudou de cor esperou-se 5 minutos para ter garantia que
a reação estivesse completa. Repetiu-se o procedimento para o suco de laranja.
Após realizar titulações os dados foram coletados e foi possível realizar a
determinação do teor de vitamina C no suco comercial.
9

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO
Sabendo-se que a concentração da solução padrão de ácido ascórbico é de
0,002 g/mL, em 25 mL usados, obteu-se 0,05 g.
0,002 𝑔  1 𝑚𝐿
𝑋 𝑔  25 𝑚𝐿
𝑋 = 0,05 𝑔
Então iniciou-se o processo de titulação para a solução padrão, e foram gastos
6,9 mL da solução de Iodo. Subsequente foram feitas titulações em sucos de caju e
laranja para determinação.
Para o suco de caju, foram gastos 2,4 mL da solução de Iodo, e a partir de uma
análise proporcional, conseguiu-se determinar a quantidade de vitamina C.
6,9 𝑚𝐿  0,05𝑔
2,4 𝑚𝐿  𝑋 𝑔
𝑋 = 0,0174 𝑔
Sabe-se que a quantidade de vitamina C em 25 mL de suco de caju
corresponde a 0,0174 g, como na caixa temos informações para 200 mL, fez-se outra
análise proporcional para determinar a quantidade de vitamina C e compara-la com o
rótulo.
25 𝑚𝐿  0,0174 𝑔
200 𝑚𝐿  𝑋 𝑔
𝑋 = 0,13913 𝑔 = 139,13 𝑚𝑔
Sabendo que no rótulo é informado o valor de 80 mg de vitamina C para 200
mL de suco, encontrou-se um valor de 139,13 mg, bem maior que o esperado.
Para o suco de laranja, o processo foi análogo ao do suco de caju, foram gastos
1,3 mL da solução de Iodo e fez-se a mesma análise.
6,9 𝑚𝐿  0,05 𝑔
1,3 𝑚𝐿  𝑋 𝑔
𝑋 = 0,0094 𝑔
Obteu-se 0,0094 g de vitamina C em 25 mL de suco, e para saber se a
quantidade de vitamina C da caixa de suco está correto, fazemos a mesma análise
realizada anteriormente
10

25 𝑚𝐿  ,00094 𝑔
200 𝑚𝐿  𝑋 𝑔
𝑋 = 0,07536 𝑔 = 75,36 𝑚𝑔
Sabendo-se que o rótulo nos informa uma quantidade de 120 mg para 200 mL
de suco, encontrou-se um valor de 75,36 mg, bem abaixo do indicado.
11

5. CONCLUSÃO
A partir dos resultados obtidos, verificou-se que em ambos os sucos, o valor de
ácido ascórbico foi diferente do rotulado. Para o suco de caju encontrou-se 139,13 mg
de vitamina C, enquanto o informado pela empresa é de 80 mg. Já para o suco de
laranja, encontrou-se 75,36 mg, enquanto o informado é de 120 mg.
Portanto conclui-se que o método de titulação por oxido-redução é um método
simples e com baixo custo de análise que permite fazer aproximações de compostos
presentes em produtos alimentícios,
12

6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

PODLECH, Pablo Angel Sanchez. ROTEIRO DA AULA PRÁTICA: Reações


de Caracterização dos Glicídios. Universidade do Vale do Itajaí. Itajaí, 2018.

MONOSSACARÍDEOS. Disponível em:


<http://www.todabiologia.com/saude/monossacarideos.htm>. Acesso em: 23 ago.
2018.

DA SILVA, André Luiz Silva. GLICÍDIOS REDUTORES E NÃO-REDUTORES.


Disponível em: <http://www.infoescola.com/quimica/glicidios-redutores-e-nao-
redutores/>. Acesso em: 23 ago. 2018.

POLISSACARÍDEOS: os mais complexos. Disponível em:


<http://www.sobiologia.com.br/conteudos/quimica_vida/quimica2.php>. Acesso em:
23 ago. 2018.

GLICÍDIOS. Disponível em:


<http://www.todabiologia.com/dicionario/glicidios.htm>. Acesso em: 23 ago. 2018.
13