Sei sulla pagina 1di 25

c 

 
 
 

Cristiana Ferreira Assis Xavier


Assistente Social
Especialista em Gerontologia
` `` `  c
 `
 
          
`
 
    
    

     
     
  `       

 

 
`


 um processo freqüentemente lento que leva
à progressiva perda de contatos sociais
gratificantes.  um processo que se inicia
em algum momento da vida de um dado ser
humano, acentua-se em diferentes ocasiões
e, através de avanços e recuos nem sempre
muito precisos, pode levar à chamada
³morte social´.
m mCAES

São os chamados ³sinais´ou ³sintomas´


do envelhecimento social, vejamos
os principais:
 'rogressiva diminuição dos contatos sociais;

 istanciamento social;

 'rogressiva perda do poder de decisão;

 'rogressivo esvaziamento dos papéis sociais;

 Gradativa perda da autonomia e independência;

 Alterações nos processos de comunicação;

 Crescente importância do passado.


Ö AmS AS 'm Cm'AmS CA SAS
Ö E 'EM ACELEA ESSE
'CESS
2 c       

2 !    
"  

2 !      ;
m entre os fatores que contribuem para o envelhecimento
social, convém destacar:

s c#

s $
 %
&
'ara qualquer idade, o ambiente exerce influência sobre
os seus habitantes.

 modo pelo qual cada indivíduo se sente em relação ao


mesmo está diretamente relacionado aos seguintes
aspectos:
A composição demográfica do meio
ambiente;

 Expectativas da sociedade;

 Equipamentos sociais;

 Condições de moradia.
Öuanto ao 2º fator, as mudanças que ocorrem ao longo do
processo de envelhecimento, destacamos:

m 'rogressivo ³enfeamento´ é um processo


lento e sutil, produto direto de transformações,
deformações e perdas;

m 'erdas sensoriais são as perdas ou


diminuição da visão, audição, etc;

m eclínio da memória pode resultar no


afastamento total dos membros da família.
Assistência Social X mdoso
e acordo com a Lei rgânica de Assistência Social -
LAS nº 8.742, 7 de dezembro de 1993, que regulamenta
a Constituição de 88 (artigos 203 e 204):

AmG 1º ³A Assistência Social, direito do cidadão e


dever do Estado, é política de Seguridade Social não
contributiva, que provê os mínimos sociais, realizada
através de um conjunto integrado de ações, de iniciativa
pública e da sociedade,para garantir o atendimento às
necessidades básicas.´

S AS ± SmSEMA Ú mC E ASSmS CmA SCmAL


/CAS
A ! 
'
 assistente social é aquele profissional que atua na elaboração,
junto ao paciente e seu entorno social, de estratégias de inclusão
destes no usufruto de seus direitos e de mobilização para seu
protagonismo e empoderamento.

( c
 
'
A intervenção do assistente social se dá a partir do conhecimento
aprofundado do contexto sócio-econômico, cultural e familiar
do cliente/família com a finalidade de possibilitar a elaboração
do diagnóstico social, tendo em vista um plano de ação.
c
 
    
)*    # 
   
 +  
   
 
 
  
   
#,   
 


³'restar assistência às situações problema,


mas também promover a prevenção de
problemas sociais, a reabilitação e a
reinserção social de pessoas, grupos ou
comunidades.´
Öueiroz e Lemos
c     
   
    '

m Meio ural ou rbano


m Classe Social/  'oder Econômico e político
m  Grupo 'rofissional
m A Cultura
m A mdeologia ominante
!  
   -

 
'
m Entrevistas de avaliação e orientação com a pessoa idosa e
familiares/representantes legais

m Acompanhamento e estudo interdisciplinar de caso

m Encaminhamentos ± inserção na rede de suporte social

m isita técnicas domiciliares e institucionais

m rabalho com grupos: pessoas idosas, familiares,


cuidadores
c  -&
 'rotocolo de Avaliação Sócio-familiar é um instrumental que possibilita
ao profissional, dimensionar a demanda, a realidade e os recursos e
estratégias já existentes. a avaliação para intervenção sócio-familiar são
considerados os seguintes aspectos sobre a realidade do paciente:

m ados de identificação pessoal da pessoa idosa;


m Öuadro clínico e história de vida;
m mdentificação da demanda e solicitante;
m Ambiente físico/ Situação habitacional;
m Composição e dinâmica familiar;
m Situação financeira, previdenciária e assistencial do
paciente e da família (residente e não residente);
m ível de autonomia e independência da pessoa idosa;

m ecessidades e recursos para assistência à pessoa idosa;

m ados sobre o cuidador;

m iscos sociais;

m mdentificação do técnico, local e data da entrevista,


observações gerais sobre o processo da entrevista;

m 'arecer técnico.
A Família

elações A Família
mS História
Sociais Laboral e a
prévias e Aposentadoria
atuais

 meio em que vive


Situação sócio-econômica
* `


  ./  
 

m 'ara o alcance aos serviços e recursos já


existentes, o profissional deve facilitar o acesso e
garantir a acolhida da demanda pelos serviços-
³encaminhamento responsável´.

m 'ara tanto deve conhecer a rede sócio-assistencial


do município e recursos disponíveis, aliando o
nível de complexidade da necessidade à
modalidade do serviço ou recurso dentro de uma
perspectiva de rede e sistema intersetorial e
descentralizado
m eve-se buscar uma intervenção que
compreenda os indivíduos inseridos em seus
contextos sócio-familiares;
m Contribuir para a divisão de
responsabilidades entre o idoso, a família, o
'oder 'úblico
m Garantias legais e órgãos de defesa de direitos:
'romotorias, elegacia, Conselho, efensoria ou Serviços
Jurídicos.
m Em termos de marcos legais, a legislação mais atual e
fundamental utilizada é a 'olítica acional do mdoso e o
Estatuto do mdoso.

essa , para a intervenção do Serviço Social,


podem ser destacados como principais bases para o
trabalho, os seguintes pontos:
m 'reservação dos vínculos familiares;
m esponsabilização das famílias;
m ireitos garantidos: fundamentais e de proteção;
m Öualidade e disponibilidade de recursos;
m Existência e articulação da rede assistencial: pública,
privada,  Gs,
m famílias, rede solidária.
 *+   
   
   !   #,   
)
  

  ,
.
   

  
   
   

 
%
,  

 
%
   
  
    
  


    
  
0
12A