Sei sulla pagina 1di 45

Amplificadores Operacionais

Definição
• Circuito integrado de propósito geral, formado por um
amplificador diferencial de alto ganho na entrada.
• Multiplas aplicações
• Mínimo número de componentes discretos necessarios:
» Resistências
» condensadores.
• Aplicações: Cálculo analógico
Convertidores V-I e I-V
Amp
Amplificadores de Instrumentação
Operacional Filtros Activos
(AO)
Conceitos básicos de AO
Amplificador de contínua
Amplificador diferencial
+Vcc Vcc
-
V1 Vd
Tensão de saída V0 acotada
+ Vo
-Vcc
-Vcc≤Vo≤+Vcc V2

Vcc
Conceitos básicos de AO
Encapsulado:

Inserção SMD
Conceitos básicos de AO
Circuito equivalente real
Rd – Impedância de
entrada diferencial
V1 -
Rcx – Impedância de
0,5·Rd entrada
Ac·Vc
Ro Vo
Vd + de modo comúm
-

0,5·Rd Rcx +
Ad·Vd Ro – Impedância de saída
-

Ad – Ganho diferencial
V2 + Ac –Vo=A
Ganho de modo
d·Vd+Ac·Vc
comúm
Vd=V2-V1 e
Vc=(V1+V2)/2
Conceitos básicos de AO
+Vcc
Circuito equivalente ideal
Rd – Infinita

- Rcx – Infinita
V1
Ro – Nula
Vo Ad – Infinito
Vd
Ad·Vd Ac – nulo
+
-
Vo=Ad·Vd;
V2 + Vd=V2-V1
Tensão de saída V0 acotada
-Vcc

-Vcc≤Vo≤+Vcc
Conceitos básicos de AO
Com Ad finito
Realimentação negativa
R1 R2 Vi+Vd=i·R1
i i
Vi-Vo=i·(R1+R2)
Vi -
Vo=Ad·Vd
Vd
+ Vo
V1 V2 Vo R2 1
 
Vi R1 1  1
R1
Ad 
R1  R 2
Conceitos básicos del AO
Com Ad finito
R1 R2 Vo R2 1
 
Vi R1 1  1
R1
Vi - Ad 
R1  R 2
Vd
+ Com Ad infinito
Vo
Vo R2
V1 V2 
Vi R1

Amplificador inversor
Conceitos básicos de AO

Realimentação negativa Com Ad finita


 
R1 R2  
 
R2  1 
Vd  Vi  1  
R1  R 2 1
Vi -  1  
 R1 
 A d  
Vd  R1  R 2 
+ Vo Com Ad infinita
V1 V2
Vd  0

Tensão diferencial nula Vd=0; V1=V2


Conceitos básicos de AO
A tensão diferencial nula Vd=0 (V1=V2) e seu modo de
funcionamiento é linear se:
-Existe um caminho de circulação de corrente entre
a saída e a entrada inversora
- O valor da tensão de saída , Vo, não sobrepassa
os limites da tensão de alimentação, ±Vcc

No caso contrario:
-Vd≠0 e por tanto o seu modo de funcionamento é
não linear
Conceitos básicos de AO
Realimentação negativa Com Ad finito
R1 R2 Vo  R 2  1
 1   
Vi  R 1  1  1
R1
- Ad 
R1  R 2
Vd
+ Com Ad
Vo infinito
Vi V2 Vo R2
V1  1
Vi R1

Amplificador de ganho positivo ≥ 1


( Não inversor)
Conceitos básicos de AO
Ponto de partida: circuito linear, Vd=0
R i i R2 R1 i V i
- R2 +
Vi 1 0 + - i

- Vo - Vo
Vd Vd
+ Vi +
i Vi
R1
V0  i  R 2 V0  Vi  i  R 2

V R R2  R2 
V0   i  R 2  Vi  2 V0  Vi  Vi   Vi  1  
R1 R1 R1  R1 
Vo R2 Vo R2
  1
Vi R1 Vi R1
Aplicações lineares básicas do AO
¿Que podemos fazer com um AO?
Multiplicar por Vi·(-1): Cambiador signo o
inversor
- Multiplicar por Vi·(-k) o Vi·(1+k) Cambiador de escala
- Multiplicar por Vi·(1) Seguidor de emisor
- Cambiar a desfasagem entre a
entrada e saída Cambiador de fase
- Soma de tensões
±(k1·v1+k2*V2+...kn·Vn) Sumador
- Substraer duas tensões
(k1·V1-k2*V2) A. Diferencial ou Substractor
Aplicações lineares básicas do AO
-Capacidade de realizar operações matemáticas, daí seu
nombre (Amplificador operacional)

V i Z1 Z2 Z1 Z2

- Vo - Vo
Vi
+ +

Vo Z2 Vo Z2
A vi   A vni   1
Vi Z1 Vi Z1
Amplificador Amplificador não
Inversor Inversor
Cambiador de signo ou inversor
V i Z1 Z2 -Se no circuito da figura
Z1=Z2 então:
- Vo Avi=-1 es decir V0=-Vi

+ - Circuito inversor, a tensão


de saída está desfasada
180º respeito da entrada
Vo Z2
A vi  
Vi Z1 V [Vol]
Vi Vo

t [seg]
Cambiador de escala
-Se no circuito da figura Z2=k·Z1

Vi Z1 Z2
Vo Z2
A vi  
Vi Z1
- Vo

+
Avi=-k quer dizer V0=-
V [Vol]
k·Vi
Vo=-k·Vi
Vi

Negativo t [seg]
Cambiador de escala
-Se no circuito da figura Z2=k·Z1
Z1 Z2 Vo Z2
A vni   1
Vi Z1
- Vo
Vi
+ Avi=1+k quer dizer
V0=(1+k)·Vi
V [Vol] Vo=(1+k)·Vi

Vi

Positivo t [seg]
Seguidor de emisor
-Se no circuito da figura Z1=∞
Z1 Z2
Z2

- Vo - Vo
Vi
+ Vi
+
Avni=1
Vo Z2
A vni   1 V [Vol]
Vi Z1 Vi=Vo

-Impedância de saída nula t [seg]

-Impedância de entrada
infinita
Seguidor de emisor
Exemplo de aplicação: Adaptação de
R =10k V impedâncias
1 aux VRe=0,01Vpp

Re=100
Vaux=1Vpp
ohm

R1=10k Vaux
- Vo V =1V
Re pp

+
Re=100
Vaux=1Vpp
ohm
Cambiador de fase
R1 R2 -Si R2=R1
Vo 1  j    R  C
Av  
- Vo Vi 1  j    R  C
Vi R
+ -Ganho Av=1
C
1     R  C
2
Vo
Av   1
Vi 1     R  C
2
V [Vol]
Vi Vo
-Desfase
t [seg] arctg(   R  C)

 A v  
arctg(   R  C)
 A v   2  arctg(   R  C)

-Para =cte,  es función de R e


C
Somador (I)
Al ser Vd=0
Somador inversor V1 V2 Vn
i    
V1 R1 i i R´ R1 R 2 Rn

Como Vo=-R´·i
V2 R2 - Vo
Vd  R´ R´ R´ 

Vo    V1   V2       Vn 
+  R1 R2 Rn 
Vn Rn
-Vo é a combinação linear
das tensões de entrada.


Se R1=R2=…=Rn Vo     V1  V2      Vn 
R1
Somador (II)
Somador não
A tensão de saída Vo é:
inversor
 R´ 
Vo  1    V
 R
R R´
Aplicando Millman, V+ será:
- Vo V1´ V2´ Vn´
 ´    ´
V´1 R´1 Vd ´
R R2 Rn
+
V  1
V+ 1 1 1
 ´    ´
V´2 R´2 ´
R1 R 2 Rn

V´n R´n
V    V1´  V2´      Vn´ 
1
n
Se
R´1=R´2=…=R
´n
Somador (III)
Somador não A tensão V+ em função de todas
inversor as tensões de entrada é:
1
R R´
V    V´1  V´2 ...  V´n 
n
- Vo
V´1 R´1 Vd
E a tensão de saída Vo é:
+
V+
1  R´ 
V´2 R´2
Vo    V´1  V´2 ...  V´n   1  
n  R
V´n R´n
-Vo é a combinação linear
de as tensões de entrada.
Amplificador diferencial: substractor
Aplicando superposição:
V1 R1 R2
 R4   R2  R
Vo  V2     1    V1  2
- Vo  R 3  R 4   R1  R1
V2 R3 V+
+ Se fazemos R1=R3 e R2=R4
R4
R2
Vo    V2  V1 
R1

A tensão de saída é proporcional


à diferença das tensões
de entrada
Adaptação de níveis (I)
Sensores:
-Temperatura Equipos de
- Pressão medida
- Humidade

V1 R1 R2
Aplicando superposição:
- Vo  R4   R2  R2
V2 R3 V+ Vo  V2     1    V1 
+  R 3  R 4   R1  R1

R4
Adaptación de níveis (II)
Exemplo: [+12 a -12V] -> [0V a 5V]
VT [V]
VT R1 R2
12
- V0
VDC R3 V+
+ 0
0 100
R4
T [ºC]

-12
 R4   R2  R
V0  VDC     1    VT  2
 R 3  R 4   R1  R1
Representa a equação da
recta
Adaptação de níveis (II)
Exemplo: [+12 a -12V] -> [0V a 5V]
V0 [V]
VT R1 R2

- V0
VDC R3 V+ 2,5
+ 0
100
R4 -2,5 0 T [ºC]

 R4   R2  R
V0  VDC     1    VT  2
 R 3  R 4   R1  R1
Representa a equação da
recta
Adaptação de níveis (II)
Exemplo: [+12 a -12V] -> [0V a 5V]
V0 [V]
VT R1 R2

5
- V0
VDC R3 V+
+ 0
0 100
R4
T [ºC]

 R4   R2  R
V0  VDC     1    VT  2
 R 3  R 4   R1  R1
Representa a equação
da recta
Amplificadores de instrumentação (I)
Amplificação de sinais fracas de
V trandutores
Ra Ra+Ra V1 R1 R2
V1
-
Vo
V2 V2 R1 V+
+

R2
Ra Ra R2
Vo   V2  V1  
R1

Problema: Adaptação de
impedâncias
Amplificadores de instrumentação (II)
V
+
Ra Ra+Ra V1
V1 -
R1 R2

V2 R´ -
R1 V Vi
R´ +
+
- R2
Ra Ra V2
+
R2
Vo   V2  V1  
R1
- Impedância de entrada alta
- O ganho depende de varias resistências (R1 e R2)
Amplificadores de instrumentação (III)
V
+
V1
-
R1 R2
Ra Ra+Ra
V1
R R´ -
R1 V Vi

V2
+
+
- R2
V2
+
Ra Ra
R 2  2  R´ 
Vo   V2  V1    1    A´d  V2  V1 
R1  R 

- Impedância de entrada alta


- O ganho depende de uma resistência (R)
Conversão corrente-tensão (I)
Objectivo: obter uma tensão V(t) proporcional a uma corrente
i(t)

Circuito
Circuito simples
melhorado
VR(t)
i(t) i(t) i(t) R

- Vo(t)
R V(t) Vd
Ze=R Ze=0 +

Vo ( t )  i( t )  R Vo ( t )   VR ( t )  i( t )  R
Convertidor tensão-corrente (I)
Objectivo: obter uma corrente i(t) proporcional a uma tensão V(t).

Carga flutuante
R Z
i i Vi R i i Z

- Vo - Vo
Vi
+ +

Amplificador Vi ( t ) Amplificador
não inversor i( t )  inversor
R
Convertidor tensão-corrente (II)
Objectivo: obter uma corrente i(t) proporcional a uma tensão V(t).

Carga não flutuante i s ( t )  f  V2  V1 


Sempre e quando:
V1 R1 R2
-Vcc ≤Vo≤+Vcc
V-  R2 
- Vo V0 ( t )  V ( t )  1  
 R1 
V+
V2 R1 + R2
is R1
V ( t )  Vo ( t ) 
R1  R 2
Z E (V-)>(V+) R1 Z
V ( t )  Vo ( t ) 
R1 Z  R 2
Convertidor tensão-corrente (III)
Carga não flutuante

V1 R1 i i R2
V1  V ´
i ;Vo  V ´i  R2 ; V ´ is  Z
V´ R1
- Vo

V2 R1 i´ + R2
is  R  R
Vo  is  Z  1  2   2 V1 (1)
i´-is  R1  R1
Z
Convertidor tensão-corrente (IV)
Carga não flutuante
V 1 R1 i i R2
V2  V ´
i´ ; Vo  V ´ i´is   R2 ; V ´ is  Z
V´ R1
- Vo

V2 R1 i´ + R2
is  R2  R2
i´-is Vo  is  Z  1    V2  is  R2 (2)
Z  R1  R1
Convertidor tensão-corrente (V)
Carga não flutuante

R1 i i R2  R2  R2
V1 Vo  is  Z  1    V1 (1)
 R1  R1

- Vo  R2  R2
Vo  is  Z  1    V2  is  R2 ( 2)
V´  R1  R1
V2 R1 i´ + R2
is
i´-is
Z Igualando as equações (1) e (2):
V2  V1
is (t ) 
R1
Circuito integrador (I)
Dado que
Vc Vd=0 Vi ( t )
i( t ) 
Vi R i i C R
A tensão Vc é:
- Vo 1
t

Vd Vc ( t )   i( t )  dt  Vc (0)
C0
+
t
1 V (t )
Vc ( t )   i  dt  Vc (0)
C0 R

t
1
Como Vo(t)=-Vc(t) então Vo ( t )   
R C 0
Vi ( t )  dt  Vc (0)
Circuito integrador (II)
Formas de onda
Vc
Vi R
V [Vol]
i i C Vi (sen(t))
Vo (cos(t))

- Vo t [seg]

Vd
+ V [Vol] V (t)
i

Vo(t)

t
1 t [seg]
Vo ( t )   
R C 0
Vi ( t )  dt  Vc (0)
Circuito integrador (III)
Problema: Saturação do AO
Causas:
R1 • Asimetría nos caminhos
de entrada-saída.

Vi R i i C Efeito:

+Vcc • Sem tensão de entrada,


- Vo em regimem permanente,
Vd o AO se satura.
-+ + V0=Ad·UDi=±Vcc
-Vcc
UDi
Solução:
• Limitar o ganho do AO
com R1. V0=UDi·(1+R1/R)
Circuito integrador (V)
Conversor V-I: 1
t
Vc ( t )   i s ( t )  dt  Vc (0)
Carga não flutuante C0

V 1 R1 i i R2 t
1 Vi ( t )
Vc ( t )    dt  Vc (0)
C0 R

- Vo
 R2 
V´ V0 ( t )  Vc (0)  1  
V2 R1 i´ + R2  R1 
is V [Vol] V (t) Vo(t)=Vc(t)·(1+R2/R1)
i´-is i

Vc C Vc(t)

V2 t [seg]
is (t) 
R1
Circuito derivador (I)
Vc Dado que dVi ( t )
VR
Vd=0 i( t )  C
C R dt
Vi i i
A tensão VR é: VR ( t )  i( t )  R
- Vo
Vd Como Vo(t) é: Vo ( t )   VR ( t )
+

então:
dVi ( t )
Vo ( t )   RC
dt
Circuito derivador (II)
Vc Formas de onda
VR
C R
Vi i i V [Vol]
Vo (cos(t))
Vi (sen(t))
- Vo t [seg]
Vd
+
V [Vol] Vo(t)

Vi(t)

dVi ( t ) t [seg]
Vo ( t )  RC
dt
Resumem (I)
• O AO é um circuito integrado de baixo coste
capaz de realizar multitude de funções com
poucos componentes discretos.
• Exemplos de funções lineares: Calculo analógico,
convertidores V-I e I-V, amplificadores de
instrumentação e filtros activos.
• O AO comporta-se de forma linear se:
– Há caminho de circulação de corrente entre a saída e a
entrada negativa
– A tensão de saída não supera os limites da tensão de
alimentação.
Resumem (II)

• é possível realizar funções matemáticas, dahí seu


nome : Amplificador Operacional.
– Somador
– Substrator
– Integrador
– Diferenciador
– Amplificadores de instrumentação
– Adaptadores de níveis