Sei sulla pagina 1di 6

Mês de Colher em Humildade de Obediência ao Senhor

Texto: 1Reis3:13-14

Provérbios 22:4Para conseguir riqueza, respeito dos homens e uma vida feliz, você precisa ser
humilde e obediente ao Senhor. 5 O homem que despreza a Deus anda por um caminho cheio
de espinhos e buracos; quem dá valor a sua própria vida se afasta desse caminho.

Introdução: Abraão Creu em Deus"

Ser justificado é ser declarado "isento de culpa", e esse estado pode ser obtido
diante de Deus somente de duas formas: obedecer à lei tão à risca que nunca
pequemos (Romanos 2:13; Galátas 3:10-14) ou, havendo pecado, receber o
perdão de Deus. Visto que "todos pecaram" (Romanos 3:23), buscar
justificação por meio de um sistema de lei é se pôr debaixo da maldição (da
perfeição exigida). A salvação deve ser encontrada em Cristo, que nos redimiu
da maldição da lei, "fazendo-se ele próprio maldição em nosso lugar" (Galátas
3:13). Mas isso exige "fé" em Cristo (Romanos 3:24-26). É nesse contexto que
Paulo conclui: "o homem é justificado pela fé, independentemente das obras
da lei" (Romanos 3:28). Ele nos afirma que isso não anula a lei, mas a confirma
(Romanos 3:31, o texto grego, de fato, não tem artigos antes da palavra lei).
Quando Paulo apresenta Abraão como exemplo de alguém
justificado pela fé (Romanos 4:1-5), ele está contrapondo a
confiança humilde na misericórdia de Deus (para o perdão,
Romanos 4:6-8) com a confiança arrogante em si mesmo (para
obedecer à lei à risca, Romanos 4:4). Atenção: "se Abrão foi
justificado por obras, tem de que se gloriar" e "o salário . . .é
considerado . . . como dívida" (Romanos 4:2, 4). Nesse contexto,
quem "não trabalha" se refere àquele que reconhece suas falhas,
não reivindica justiça baseando-se na "lei", mas "crê naquele que
justifica o ímpio" (Romanos 4:5). Tudo se esclarece quando se leva
em conta o contexto. Mas para os que acreditam que o homem é
totalmente depravado e tem que ter alguma regeneração
miraculosa, a "fé" de Abraão se torna uma "experiência" ou "fé
somente", e pensa-se "não pelas obras" nega a relação entre a
obediência da fé e a justiça. Se quisermos ter fé como Abraão,
precisamos entender a qualidade e o caráter desta fé.
Antes de Abraão deixar a Mesopotâmia, Deus apareceu-
lhe com um chamado e uma promessa (Atos 7:2-4).
Abraão "obedeceu" e "partiu" pela fé (Hebreus 11:8-10).
Mais tarde, aos 75 anos de idade, saiu de Harã para
Canaã (Gênesis 12:4). Deus apareceu para ele em
Siquém, e somos informados de que construiu altares
para o Senhor e "invocou o nome do Senhor" (12:7-8;
13:4, 18). Quando irrompeu a guerra e Abraão resgatou a
Ló, ele pagou o dízimo a Melquisedeque, o sacerdote de
Deus; e Melquisedeque, tipo de Cristo, abençoou "a
Abrão e disse: Bendito seja Abrão pelo Deus Altíssimo"
(14:18-19). Tudo isso antes de se dizer a respeito de
Abraão: "Ele creu no Senhor, e isso foi lhe imputado para
justiça" (Gênesis 15:6). Claramente, esse testemunho
específico não caracteriza uma "experiência de fé" inicial.
Aliás, a declaração "ele creu . . . e isso foi lhe imputado para
justiça" se faz em três períodos completamente diferentes da
vida de Abraão. 1) Em Gênesis 15:6, quando foi informado de
que teria inúmeros descendentes, ele demonstrou a
continuidade da fé que havia muito se tinha firmado (acima). 2)
Romanos 4:19-22 nos conta que, por volta dos 100 anos, ele
creu em Deus com respeito ao fato de Sara ter um bebê, "e isso
foi lhe imputado para justiça". Novamente, 3) quando Isaque
era "rapaz" (crescido o bastante para levar lenha para o monte
com seu pai S Gênesis 22:6), a fé de Abraão foi provada, e
conta-se que ele "creu em Deus, e isso lhe foi imputado para
justiça" (Tiago 2:23). A "fé" de Abraão não era nenhuma
experiência miraculosa. Era uma vida de obediência e serviço
humildes de acordo com a vontade revelada de Deus. A
justificação não era um acontecimento isolado no tempo, mas
acompanhou a fé de Abraão por toda a vida).
Abraão não mereceu nem ganhou como salário a justificação,
tampouco a vida perfeita de Cristo foi "imputada a ele".
Romanos 4:3 afirma: "isso [a fé dele] foi lhe foi imputado para
justiça". Essa "bênção" é então definida como o perdão dos
pecados (4:6-8). O meio de obtermos a salvação é Jesus
Cristo, a operação é o perdão, e a condição é a fé, conforme
determinado e exemplificado na vida de Abraão. Nós nos
aproximamos de Cristo "mediante a fé . . . porque todos
quantos fostes batizados em Cristo de Cristo vos revestistes" e
nos tornarmos descendentes de Abraão (Gálatas 3:26-29).
Quando a nossa fé é bastante parecida com a de Abraão para
fazermos o que ele mandar, recebemos o perdão dos pecados
passados. À medida que continuamos a caminhar na vereda
da fé, confessando os pecados e pedindo perdão, temos
Cristo como advogado e veículo de misericórdia no futuro (1
João 1:5-2:2).
Observe em Hebreus 11 as características da fé de
Abraão. 1. Era centrada em Deus, não nele mesmo. 2.
Levava-o a obedecer, "sem saber aonde ia". 3. Pela fé,
ele buscou uma cidade celeste e tinha alvos eternos.
4. Sua fé foi tal, que ele não vacilou, nem olhou para
trás. 5. Ela permitia que ele enfrentasse a dura
prova de oferecer o filho. Não admira que a
afirmação foi repetida várias vezes de que sua fé lhe
foi imputada por justiça. E Paulo disse aos romanos:
"E não somente por causa dele está escrito que lhe foi
levado em conta, mas também por nossa causa, posto
que a nós igualmente nos será imputado, a saber, a
nós que cremos naquele que ressuscitou dentre os
mortos a Jesus, nosso Senhor" (Romanos 4:23-24