Sei sulla pagina 1di 17

Aprendizagem Baseada em Problemas

(ABP ou PBL)

I. Introdução:

Mc Master University no Canadá

Porquê PBL?

Rita Franca
Aprendizagem Baseada em Problemas
(ABP ou PBL)
 Resolução de problemas reais e não a memorização

 Maior compreensão e melhor desenvolvimento de habilidades,


isto porque além de buscarem um conhecimento profundo para
resolução de um problema e não para uma prova “ardilosa”, eles
também são requisitados a transferir os conhecimentos da teoria para a
prática.

 Maior motivação dos estudantes

 Maior motivação dos docentes → melhor relação tutor-aluno e


maior satisfação com ele mesmo → criatividade
Aprendizagem Baseada em Problemas
(ABP ou PBL)
 Despertar de habilidades interessantes para os estudantes:
→ pensamento crítico,

→ segurança na resolução de problemas,

→ formulação e definição de problemas ou hipóteses

→ ampliação dos estudos para fora dos livros,

→ segurança na tomada de decisões,

→ habilidade para argumentar sistematicamente pró/contra.


Situação problema

Grupo de estudantes
Aquecimento
Reformulação do problema (pausa)

Construção mais intensa

Ativação de conhecimentos anteriores

Esforço em ajudar um ao outro (componente central)

Conhecimentos prévios pontes fenômeno descrito

Fronteira do Conhecimento

Motivação intrínseca

↑Estudo
↑Alcance dos objetivos
Aprendizagem Baseada em Problemas
 Grupos tutoriais
6 – 7 estudantes → coordenador
→ secretário ou relator

1 tutor (facilitador)
Aprendizagem Baseada em Problemas
1. Papel do coordenador
 Participar na organização e preparação do grupo tutorial
 Conduzir o grupo na seqüência dos sete passos durante a análise e
resolução do problema
 Guiar o processo de confrontação de idéias
 Sumarizar as discussões
 Tentar assegurar o alcance do consenso
 Fazer perguntas e sistematizar as conclusões
 Estimular a participação de todos
 Participar das discussões
 Concluir os encontros de análise e resolução do problema
Aprendizagem Baseada em Problemas
2. Papel do relator ou secretário
 Fazer anotações dos pontos relevantes das discussões ( em quadro
branco, etc)
 Participar das discussões
 Prover os membros do grupo de relatório da análise e resolução do
problema

3. Papel dos membros do grupo tutorial


 Participar das discussões, observando cada passo do PBL
 Tomar notas, fazer esquemas e diagramas
 Prover informações
 Solicitar informações e esclarecimentos
 Sumarizar
 Ouvir ativamente
 Dar, solicitar e receber feedback
Aprendizagem Baseada em Problemas
4. Funções do tutor – no grupo tutorial
 Ser um bom facilitador
- estimular os estudantes
- guiar o grupo, sem forcá-los, nem dirigí-los
- proporcionar um modelo de pensamento crítico, de auto-
avaliação e apoiar o grupo no processo de sua própria avaliação
- ajudar a desenvolver um pensamento científico
- estimular os estudantes a discutirem entre si, questionarem o dito,
levá-los a um raciocínio rigoroso.

* Não precisa ser “expert” no tema trabalhado


** O tutor deve fazer questões como: todos concordam com o que
fulano disse? Compreende o problema do modo que o colega
explicou? Explique-o do seu jeito.
Aprendizagem Baseada em Problemas
4. Funções do tutor – no grupo tutorial
 Identificar as qualidades e problemas dos estudantes, ajudá-los a fazer uma
agenda/contrato de suas necessidades educacionais e cumprí-lo
 Avaliar e dar feedback aos estudantes com precisão, sensibilidade e de
modo construtivo
 Fazer o grupo retornar ao funcionamento normal:
Prover informações?
Não deve dar informações do conteúdo a ser aprendido
Exemplos semelhantes
Lançar perguntas
Tentar resgatar experiências prévias dos membros do grupo, observadas em
familiares, amigos ou ele próprio
Motivar uma dramatização entre os estudantes ou o próprio tutor dramatiza
uma situação
Aprendizagem Baseada em Problemas
4. Funções do tutor – externas ao grupo tutorial
a) Planejamento do curso
b) Elaboração de recursos de aprendizagem
c) Avaliação do curso e do aluno
d) Prover informações – palestras, consultorias
e) Mentor do aluno – amigo, mestre e conselheiro
f) Ensinar a aprender
g) Modelo para o aluno no ensino e no serviço → necessidade do
facilitador sempre refletir e ponderar sobre seus atos e atitudes.
Aprendizagem Baseada em Problemas
OS SETE PASSOS:
 Escolha do coordenador e do secretário do grupo
1º Passo – primeira reunião
Leitura do problema e esclarecimento dos termos desconhecidos
2º Passo
Identificação dos problemas ( palavras –chaves) propostos pelo
enunciado →Idéia central e seus fatores de risco
3º Passo
Elaboração de hipóteses que possam explicar a situação com base no
conhecimento prévio de cada aluno
( “brain storm”)
* Determinante da natureza e quantidade de novas informações que
podem ser processadas.
Aprendizagem Baseada em Problemas
4º Passo

Resumo das hipóteses


A capacidade de ativar o conhecimento na memória de longo termo e
torná-lo disponível para uso depende de pistas contextuais.
- Título
- Nome interessante
- Elaboração de material para o aprendizado – construção de
fluxogramas → traduzem a ligação entre as informações
Aprendizagem Baseada em Problemas
FLUXOGRAMA
Caso clínico:
Marquinhos tem 5 meses e está com diarréia há 3 dias. Começou com
febre e vômitos, em seguida as dejeções se tornaram líquidas. Ele vem
apresentando 5 a 7 dejeções por dia, sem sangue ou muco, está
“molinho”, com olhos fundos, urinando pouco e emagreceu muito,
segundo sua mãe. Ele é amamentado, mas com a diarréia ela parou de
dar o leite e está dando só água e chá. O ACS ensinou a mãe a dar o soro
caseiro e a voltar ao leite materno, mas de qualquer maneira enviou
Marquinhos para avaliação médica no centro de saúde.
Suspensão do LM Diarréia Infecção Febre

vômitos

dejeções
líquidas

Desnutrição perda de perda de líquidos


nutrientes ↓metabolismo

↓peso ↓diurese olhos fundos molinho

desidratação

SOLUÇÕES:
-terapia de rehidratação
-reintrodução do LM
-medidas de prevenção
Aprendizagem Baseada em Problemas
5º Passo
Estabelecer objetivos de aprendizagem
Conhecimentos específicos necessários para responder aos
questionamentos feitos ou para aprofundar os conhecimentos
demonstrados.
6º Passo
Estudo individual dos objetivos identificados – estudo
orientado na biblioteca, nos laboratórios, consultorias, em casa,
etc.
7º Passo – segunda reunião
- aplicação dos novos conhecimentos na resolução do problema
- fechamento do caso com resumo das conclusões
- feedback – avaliação do andamento da tutoral, auto-avaliação,
avaliação entre os pares e avaliação do tutor.
Existe uma receita de bolo para ser um
bom tutor?
Equilíbrio
Auto-avaliação
Carinho Humildade
Atenção Criatividade
Paciência Atividade
Entusiasmo Confiança
Amizade Exigência
Apoio Incentivo
Pai Mãe
MUITO OBRIGADA!