Sei sulla pagina 1di 33

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS


DEPARTAMENTO DE ARQUEOLOGIA
ARQUEOLOGIA E PRÁTICAS FUNERÁRIAS
DOCENTE: VIVIANE CASTRO
ALUNOS: ANDERSON LUIZ e RAFAELLA QUEIROZ

A Viking Boat Grave with Amber Gaming


Pieces Excavated at Skamby, Östergötland, Sweden (Um Barco Funerário Viking com peças
de âmbar para jogos, escavado em Skamby, Östergötland, Suécia.

By Martin Rundkvist and Howard Williams


PRIMEIRAMENTE
Sumário
 Localização
 Introdução
 Questões de Investigação
 Referencial Teórico
 O Sítio Arqueológico e o Contexto
 O Monumento
 A Primeira Inumação em Barco Escavada em Östergötland
 A Sepultura
 Um Contexto para a Sepultura: Contexto Regional e Intra-Regional
 A Época, Os Jogos e os Vikings
 Considerações Finais
 Bibliografia (utilizada pelos autores)
Localização da área de estudo

Fonte das imagens:


https://www.researchgate.net/profile/Martin_Rundkvist/publication/210218728/viewer/AS:101554224893957@140122
3822329/background/2.png
Introdução

O presente artigo realiza um estudo sobre a escavação de um sítio


arqueológico na Suécia, que contém um barco viking utilizado para um
ritual funerário e sepultamento, datado do século IX d.C. De acordo com os
artefatos encontrados (incluindo um excepcional conjunto de peças de um
jogo) e análise destes, os autores passaram a ter uma nova perspectiva sobre
o rito funerário no período viking.
Questões de Investigação
 O cemitério viking de Skamby foi reconhecido como um
dos raros cemitérios com inumação em barco na Suécia;

 A partir das investigações, decorrentes das províncias de


Uppland e Västmanland (Suécia), uma grande quantidade
de artefatos referentes a nobreza viking sueca do primeiro
milênio;

 Contrastando a estas descobertas, apenas três cemitérios


Exemplificação visual de um viking em um barco túmulo. Fonte:
http://www.lore-and-saga.co.uk/assets/images/Male_Burial.jpg contém inumações: Norra Berga em Mjölby, Malm em
Styrstad e Skamby.
Questões de Investigação
O local foi selecionado para estudo de acordo com as seguintes
questões-chave levantadas pelos autores:

 Qual foi a preservação do enterro como em Skamby?

 Qual foi a data do cemitério?

 Será que as sepulturas de barco no Skamby podem ser


comparadas ou são contrastadas com as localizadas em
Svealand?

 Qual foi o nível de investimento, simbolismo mortuário e


monumentalidade das sepulturas barco em Skamby?
Referencial Teórico

De acordo com os pesquisadores e a metodologia empregada, baseada na


comparação com outros sítios e a busca por um padrão de enterramento, além
de dimensionar a organização social por meio do rito funerário e o tratamento
dado ao morto, de acordo com a sua posição na sociedade viking, pode-se
inferir que o artigo segue a linha PROCESSUAL.
O Sítio Arqueológico e o Contexto
 Skamby é uma aldeia na península de
Vikbolandet, perto da extremidade
oriental da planície de Östergötland;

 A primeira leva de habitantes do local


realizou uma extensa comunicação por
rio e mar, onde Hillforts (fortes
construídos em topos de colinas) e
inúmeros cemitérios atestam a ocupação
densa da região no primeiro milênio
(a.C.) e nos anos seguintes; Localização de Skamby. Fonte: Rundkvist, 2008.
O Sítio Arqueológico e o Contexto

 Perto da aldeia de Skamby há um cume rochoso,


orientado de norte-oeste para Sudeste e rodeado por
montanhas;

 No final a noroeste do cume, há um conjunto de


pequenas disposições circulares de pedra, comumente
visto em cemitérios de cremação típicos do primeiro
milênio (a.C.), visualizados em Östergötland,
encontrados em Kuddby e em localidades vizinhas;

Fonte: Rundkvist, 2008.


O Sítio Arqueológico e o Contexto
 Ao longo da espinha do
cume estão localizadas
grandes ajustes de pedra oval
com depressões de
diagnóstico em forma de
barco nos seus centros;
1

Fonte: Rundkvist, 2008.


O Monunemto
 A parte central do túmulo (5m x 1,5m) composta por
pedras eram principalmente de granito local, com um
pouco de arenito;

 Algumas das pedras eram grandes até mesmo para duas


pessoas carregarem; por conta disso, algumas podiam ser
de fora do contexto do túmulo ou foram carregadas para
ele;

 O monumento foi descoberto por baixo da grama e do


solo superficial.

Fonte: Rundkvist, 2008.


O Monumento
 O monumento em si foi principalmente composto por
uma única camada de pedras, principalmente de
granito local (uma mistura de rosa, cinza e branco)
com um pouco de arenito;

 Algumas das pedras eram grandes até mesmo para


duas pessoas transportarem e podem facilmente ser
blocos de pedra fora do contexto do túmulo, que
ocorrem naturalmente no local ou movidos por uma
curta distância, com o emprego de animais.

Fonte: Rundkvist, 2008.


A Primeira Inumação em Barco Escavada Em
Östergötland
 Uma carta ortostática foi construída, para auxiliar o
trabalho de pesquisa no cemitério de Skamby;

 Em 2005, a temporada de escavações selecionou


cemitérios com a configuração de pedras em formato
de barco. A sepultura escolhida foi a de número 15;

 A justificativa dos autores para esta escolha estava


relacionada a quantidade de trabalhos arqueológicos
que procuravam responder a questões de investigação.

Fonte: Rundkvist, 2008.


A Primeira Inumação em Barco Escavada Em
Östergötland
 Ao contrário de algumas outras sepulturas em Skamby que
mostraram evidência de anterior perturbação, a sepultura
selecionada não apresentou traços de saques ou intervenções
de estudos não registradas;

 A sepultura 15 foi uma das únicas sepulturas-barco


inteiramente coberta no local, mais preservada, se
comparada com outras sepulturas;

 Por fim, estava situada quase no centro do sítio e é


cuidadosamente espaçada em relação às sepulturas em
ambos os lados.

Fonte: Rundkvist, 2008.


A Sepultura
 Vestígios de ocupação datados do século II a.C. na camada
estratigráfica superior ao redor da sepultura, mas não
relacionada a ela.

 Devido a qualidade do solo o interior da sepultura não foi


bem preservado, não restando material orgânico.

 A sepultura originalmente media 5 metros de comprimento


por 1,7 de largura.

 O número de pregos encontrados bate com o padrão


verificado dos barcos funerários.

FIGURA 1: Plano de sepultamento do barco funerário. Desenho por Marcus Andersson, adaptado por Howard
Williams.
Fonte: Rundkvist, 2008.
A Sepultura
Achados
 Rebites de ferro, pregos e uma pequena
pedra esférica;
 Os restantes dos achados eram modestos e
podiam ser divididos em objetos pessoais e
equipamentos para cavalo.

 Os objetos pessoais eram compostos por


uma conta de vidro vermelha, uma pequena
pedra de ardósia para amolar e uma
pequena faca de ferro.
FIGURA 3: Peças de ferro para cavalo. Fonte: Rundkvist, 2008.
A Sepultura
Datação da Sepultura

 Foram encontradas vinte e três peças de jogo em


âmbar, colocadas em cima da cobertura da
sepultura;

 Este jogo possivelmente seria utilizado como


fator decisivo para a datação da sepultura como
do início da Era Viking;

 Ainda não é possível saber, com certeza, a


sequência cronológica dos sepultamentos deste
cemitério.
FIGURA 2: Vinte e três peças de jogo em âmbar. Fotografia por Martin Rundkvist
A Sepultura

Idade e Gênero

 Possibilidade de ter havido mais de um corpo na


sepultura de Skamby, mas os autores assumem a
direção de um único sepultamento.

 Sugere-se então que este sepultamento teria pertencido


a um homem adulto, devido a provisão do barco, tipo
de sepultura e estudos sobre as pedras do monumento
funerário.

 Apesar do sacrifício de cavalos estarem geralmente


atrelados aos barcos funerários, acredita-se que não
seja o caso deste. Exemplificação de barco-sepultura. Barco de Oseberg. Fonte: https://s-media-
cache-ak0.pinimg.com/736x/d8/7f/d5/d87fd5a98cd9cb2b56f0fd222003814a.jpg
A Sepultura
Status social e possibilidade de saque do túmulo

 Impossibilidade de constatação se houve ou não roubo na época em que foi


realizado o sepultamento.

 Não houve interferência após o apodrecimento da cobertura do barco funerário.

 Neste período os enterramentos locais costumavam ser austeros, a falta de


armamento não surpreende, embora a presença de peças em âmbar sim (ligadas a
aristocracia e até ao heroísmo).

 O monumento funerário em si e a escolha por inumação como indicativos de


riqueza.

 Simbolismo religioso da Era Viking para com o pós-morte atrelado aos elementos
presentes no contexto funerário.
Exemplo de sepultamento viking em barco. Fonte: https://encrypted-tbn0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTmd7_juPA-
zpawx8ZYwZAtGd46_YjRlGuQcHxULlyzsVaLqQ7Y
Um Contexto para a Sepultura
 Com uma sepultura mal preservada, as conclusões sobre o
falecido devem ficar um pouco vagas, pois não havia uma
uniformidade na inumação em Svealand;

 O único fator preponderante é a presença do barco no rito;

 Nele vemos uma grande distinção da sua configuração, se


comparado com outros enterramentos da região;

Fonte: Rundkvist, 2008.


Contexto Regional
 O cemitério Skamby se contextualiza na região por conta
da variabilidade nas práticas mortuárias da Escandinávia;

 Os enterros do período viking (sexo masculino) em


Östergötland raramente são ricos em bens;

 Certamente, os barcos podem ter sido mais amplamente


empregados no primeiro milênio, em cerimônias de
cremação, reconhecidas no sul da Suécia, sendo que a
implantação de inumações em barco é rara;

 O cemitério estudado possui semelhanças com outros;

Fonte: Rundkvist, 2008.


Contexto Inter-Regional
 Em outros lugares ao longo das costas do Báltico,
sepulturas-barco são consideradas como prova das
cultural e de visões de mundo;

 As sepulturas barco são considerados como um elemento


de uma elite pan-escandinava (supra-regional);

 A ideia destes costumes mortuários não era oriunda de um


só lugar: o simbolismo era absorvido de outras regiões e
incorporado a localidade

Representação de um sepultamento vking em barco. Fonte: http://www.dailymail.co.uk/news/article-


2050619/Viking-burial-site-Ardnamurchan-1-000-year-old-Norse-boat-tomb-uncovered.html.
A Época, os Jogos e os Vikings
 As peças de jogo têm até agora sido descritas e discutidas
em termos de suas associações com as práticas
mortuárias;

 Estas peças de jogo ocorrem em sepulturas escandinavas


do período romano tardio até o período viking;

 A maioria delas era feita de osso ou chifre com pedaços


de vidro ocasionais, ocorrendo em sepulturas ricamente
equipadas, por exemplo, as que ocorreram no período
viking Birka.

Representação de um jogo, chamado Hnefatafl. Fonte: http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-3711273/The-Viking-family-buried-favourite-board-games-Playing-pieces-


Norse-boat-grave-thought-entertain-dead-afterlife.html
A Época, os Jogos e os Vikings
 Como os jogos em âmbar eram raros, a sua presença no
contexto mortuário denotava status, poder e as suas
conexões, do falecido e das pessoas enlutadas;

 A sepultura Skamby continha 23 peças de âmbar para


jogo;

 Esta observação coincide com algumas informações


(superficiais) da literatura islandesa sobre um jogo
chamado Hnefatafl “tabuleiro”.

 O material para a confecção dessas peças era variado;

Representação de um jogo, chamado Hnefatafl. Fonte: http://aagenielsen.dk/hnefatafl_online.php


Considerações Finais
 Havia uma variabilidade nos sepultamentos em barcos fúnebres e escolha atrelada a aristocracia.

 Elaboração de performances rituais e implantação de uma cultura material ligada ao estilo de vida
aristocrático, além de metáforas para a vida após a morte, pelos envolvidos no enterro do barco
funerário do sepultamento em questão.

 As peças de jogo em âmbar como contribuição a uma nova perspectiva a respeito dos jogos vikings, da
cultura e das práticas mortuárias.

 Necessidade de mais estudos para determinar a extensão, duração e caráter global do cemitério de
Skamby, além de uma maior investigação do contexto dele em relação a cemitérios de outros locais.

 O resultado da escavação de 2005 serve então para ilustrar o potencial do trabalho de campo
investigativo em sítios de sepultamento, indo além da arqueologia de contrato praticada na Suécia.
Bibliografia
Andersson, H, Carelli, P and Ersgård, L. 1997, Visions of the Past. Trends and Traditions in
Swedish Medieval Archaeology, Dept of Archaeology, University of Lund, Lund Studies in
Medieval Archaeology.19.

Andrén, A 1993, ‘Doors to other worlds: Scandinavian death rituals in Gotlandic perspectives’, J.
European Archaeol. 1, 33–56.

Andrén, A 2007a, ‘Behind Heathendom: archaeological studies of Old Norse religion’, Scottish
Archaeol J. 27(2), 105–38.

Andrén, A 2007b, ‘A petrified patchwork: the rune-stone at Karlevi and the early history of Öland’,
in Hårdh, Jennbert and Olausson 2007, 295–300.
Bibliografia
Andrén, A., Jennbert, K. and Raudvere, C. (eds) 2006, Old Norse Religion in Long-term
Perspectives: Origins, Changes, and Interactions, Lund: Nordic Academic Press, Vägar till Midgård
8.

Arbman, H 1940–3, Birka I: die Gräber: Untersuchungen und Studien, Stockholm: Royal Swedish
Academy of Letters.

Arrhenius, B (ed) 2001, Kingdoms and Regionality: Transactions from the 49th Sachsensymposium
1998 in Uppsala, Stockholm: Archaeological Research Laboratory, University of Stockholm,
Theses and papers in archaeology B6.

Arwidsson, G 1954, Valsgärde 8, Uppsala: Museum of Nordic Antiquities, DieGräberfunde von


Valsgärde 2.
Bibliografia
Arwidsson, G (ed.) 1984, Birka II:1: systematische Analysen der Gräberfunde, Stockholm: Royal
Swedish Academy of Letters.

Arwidsson, G 1989b, ‘Bernstein’, in Arwidsson 1989a, 53–5.

Bencard, M, Bender Jørgensen, L and Brinch Madsen, H (eds) 1991, Ribe Excavations 1970–76,
vol.3, Esjbjerg: Sydjyskuniversitetsforlag.

Berglund, L 1971, ‘Hnefatafl — en gåta?’, Saga och sed: Kungl Gustav Adolfs akademiensårsbok
1970, 80–92.

Botfeldt, K and Brinch Madsen, H 1991, ‘The amber’, in Bencard et al 1991, 101–14.

Carver, M 1986, ‘Sutton Hoo in context’, Settimane di Studio del central Italian di studi sull’alto
medioevo 32, 77–117.
Bibliografia
Carver, M 1995, ‘Boat-burial in Britain: ancient custom or political signal?’, in Crumlin-Pedersen
and Munch Thye 1995, 111–24.

Carver, M 2001, ‘Why that? Why there? Why then? The politics of early medieval monumentality’,
in Hamerow and Mac-Gregor 2001, 1–23.

Carver, M 2005, Sutton Hoo: A Seventh Century Princely Burial Ground and its Context, London:
British Museum.

Christiansen, E 2002, The Norsemen in the Viking Age, Oxford: Blackwell.

Claréus, C and Fernholm, R 1999, ‘Askahögen: från ättebacke — till naturbildning — till en av
Östergötlands största gravhögar’, in Andersson et al 1999, 129–37.
Bibliografia
Crumlin-Pedersen, O (ed) 1991, Aspects of Maritime Scandinavia ad 200-1200, Roskilde:
Vikingeskibshallen, Proceedings of the Nordic Seminar on Maritime Aspects of Archaeology,
Roskilde, 13-15 March 1989.

Crumlin-Pedersen, O and Munch Thye, B. (eds) 1995, The Ship as Symbol in Prehistoric and
Medieval Scandinavia, Copenhagen: National Museum, Studies in Archaeology and History 1.

Fabech, C. 2001, The Spatial Distribution of Gold Hoards in Southern Scandinavia and the
Geography of Power, KVHAA Konferenser 51, 189–204.

Gahrn, L 1988, Sveariket i källor och historieskrivning, Göteborg: Meddelanden från Historiska
institutionen vid Göteborgs universitet 36.
Bibliografia
Gerds, M 2006, ‘Scandinavian burial rites on the southern Baltic coast’, in Andrén et al 2006, 153–
58.

Graham-Campbell, J (ed) 1994, Cultural Atlas of the Viking World, Oxford: Oxford University
Press.

Gräslund, A-S 1981 Birka IV: The Burial Customs: A Study of the Graves on Björkö, Stockholm:
Royal Swedish Academy of Letters.

Grieg, S 1947, Gjermundbufunnet: en høvdingegrav fra 800-årene fra Ringerike, Oslo: Norske
oldfunn 7.

Hall, M 2007, Playtime in Pictland: The Material Culture of Gaming in Early Medieval Scotland,
Cromarty: Groam House Museum.
E FINALIZANDO

BORA TEMER, VAZA