Sei sulla pagina 1di 34

Zoologia: invertebrados I

Os poríferos e os
cnidários
Filo Porifera
Características dos poríferos
 Reino Animalia – Sub-Reino Parazoa
 O nome vem do latim: porus = poros + ferre = portador de.

Portador de poros Espongiários

 São seres multicelulares, porém não apresentam tecidos verdadeiros


 Heterótrofos
 Assimétricos ou com simetria radial
 São conhecidos também como esponjas ou animais filtradores.
 Animais aquáticos ( maioria marinhos e algumas espécies de água doce).
 Habitam o fundo dos oceanos e mares ou águas costeiras;
 Não se locomovem voluntariamente (sésseis) e filtradores – dependem da água que
passa através de sua estrutura corporal para nutrição e respiração.
Estrutura básica
Corpo da esponja – formato de tubo ou saco (ramificado ou não), com extremidade
fechada fixa ao substrato – Disco pedial

Espongiocele
formato de tubo ou saco, com extremidade
fechada fixa ao substrato – Disco pedial
Estrutura interna e principais células dos Poríferos
Poríferos – animais sem sistemas
Sistema Digestório – AUSENTE
A digestão é intracelular, ocorrendo nos coanócitos. O movimento dos
flagelos dos coanócitos fazem uma corrente de água penetrar pelos
minúsculos poros. Em seguida se dirige para o átrio e sai pelo ósculo

Sistema Respiratório – AUSENTE


A respiração ocorre por difusão
direta de gases (O2 e Co2).
Excreção também por difusão.

Sistema Circulatório – AUSENTE


Não há sangue. A distribuição
de substâncias pelo corpo
através de amebócitos.

Sistema Nervoso – AUSENTE


São os únicos animais que não
apresentam células nervosas.
Classificação dos Poríferos
As células das esponjas não se organizam para formar tecidos e órgãos. Seu corpo é sustentado por uma
rede de fios de proteína e pelas espícula de calcário (carbonato de cálcio) ou de sílica

A divisão do Pilo Porifera em Classes é feita com base no tipo de espículas (Calcareas ou
silicosas) e organização celular (e corporal) que apresentam:

Calcarea: esqueleto com Demospongiae: esqueleto com Hexactinellida: esqueleto


espículas calcáreas. Espécies espículas silicosas e fibras com espículas silicosas raiadas,
marinhas, pequenas (até 10 proteicas (espongina). 6 prolongamentos. Corpo em
cm), tubulares ou em forma marinhas, formas variadas até forma de vasos ou funis, fixas
de vasos. Ex. Scypha sp varios metros de diâmetro. Ex. ao substrato (7,5 cm a mais de
(Asconoide, siconoide e leuconoide) Xestospongia sp. 1m). Ex. Clioma sp.

http://biologia-invertebrados2a.blogspot.com/p/classe- http://poriferoscnidarios.blogspot.com/p/poriferos-classes.html
http://biologia-invertebrados2a.blogspot.com/p/classe-
Tipos anatômicos dos Poríferos
De acordo com a estrutura interna do corpo, é possivel distinguir três tipos anatômicos de
poríferos:

Tipo mais simples, Parede mais espessa e Apresenta espongiocele menor,


dimensões reduzidas. Atrio enrrugada, canais parede do corpo mais desenvolvida e
formada por um sistema de canais
completamente revestido abertos pra fora
ramificados e camaras vibráteis
por coanócitos, ocupa um (inalantes) pra dentro
(cavidades com coanócitos) fluxo de
grande volume. (exalantes) água  capacidade de filtração
Reprodução dos Poríferos
REPRODUÇÃO SEXUADA

Desenvolvimento indireto
Reprodução dos Poríferos
 Reprodução assexuada: BROTAMENTO
Reprodução dos Poríferos
 Reprodução assexuada: REGENERAÇÃO
Reprodução dos Poríferos
 Reprodução assexuada: GEMULAÇÃO

-Mais comum em
esponjas de água-
doce.

-Formada por
células recobertas
com uma camada
resistente.

-Gêmulas são
capazes de
sobreviver a
condições adversas
do ambiente.
Musica dos Poríferos
Eu já peguei minha esponja pra fazer Pra você fecundar
um som É interna e cruzada
São de três tipos: o áscon, sycon e
lêucon Regenerar e brotar, gemular
Espículas a vontade sustentando à É assexuada!
beça
Também tem o pinacócito que reveste Tem o porócito por onde entra a água
e é o que interessa No coanócito ela vai ser filtrada
No átrio passar
Tem o porócito por onde entra a água Pelo ósculo vazar
No coanócito ela vai ser filtrada (2x)
No átrio passar
Pelo ósculo vazar Tche tcherere tche (4x)
(2x) Tche tche tche tche tche
Filo Porífera e você
Tche tcherere tche (4x)
Tche tche tche tche tche
São os porífero e você
(2x)
Filo dos Cnidários
Características dos Cnidários
• O filo Cnidaria (cnidários do grego knidos, urticante), antes chamado celenterados. Representado
pelas hidras, medusas, anêmonas-do-mar, que são indivíduos isolados, e pelas caravelas e corais, que
são coloniais.
• Animais aquáticos marinhos, no entanto hidras são dulcícolas.
• Apresentam tecidos que se organizam revestindo o corpo, numa cavidade digestória e rede nervosa
difusa.
• Apresentam basicamente dois tipos morfológicos: as medusas, geralmente natantes e os pólipos, que
vivem fixos ao substrato (sésseis = não se locomovem sozinhos), ou apoiados nele, podendo se
deslocar (ex: Caravela portuguesa).
• São animais diblásticos (ectoderme – revestimento externo e e endoderme – cavidade
gastrovascular)

As células nervosas distribuem-se pelo organismo, formando


uma rede nervosa difusa junto à mesogléia.
Características dos Cnidários
• Apresentam simetria radial
• Animais protôstomios (orifício – boca)
• Presença de células urticantes – cnidoblastos (cnidócitos), presentes na
região epidérmica dos tentáculos dos cnidários.
• Nematocisto – cápsula no interior do cnidoblasto – filamento tóxico
• Na parte voltada ao exterior, há uma expansão chamada cnidocílio, que
quando é tocado dispara o filamento urtigante liberando a substância
tóxica.

Os Cnidócitos são células


de defesa dos cnidários
Formas do corpo dos cnidários
Com base na morfologia (forma) do corpo, é possível distinguir dois tipos básicos de cnidários:
Pólipos (formas fixas*) -
Ex.: Hidras, corais, anêmonas do mar. Apresentam corpo tubular e são fixos no substrato por um disco
pedial - exceção de algumas hidras que se locomovem com o movimento da água (Caravela
portuguesa). Boca e tentáculos voltados para cima.
Medusas (formas livres)
Ex: As medusas mais comuns são água-vivas – semelhantes à um guarda-chuvas – boca e tentáculos
voltados para baixo.
Pólipos:
• Formato de um tubo cheios de tentáculos.
• Podem viver fixos como as anêmonas-do-mar e
os corais, ou móveis, como as hidras.
Medusas
• Corpo em forma guarda-chuva, abertura
correspondente à boca na parte inferior do animal.
• Tem vida livre, flutuam na água, como é o caso da
água-viva
• Locomoção dos cnidários

Cambalhotas (hidra)

Pressão: (medusa)

Deslizamento: (anêmona)
Flutuar (caravela)
Digestão nos cnidários
• Carnívoros - crustáceos, peixes, larvas de insetos, etc.

Extracelular Intracelular
• O alimento é capturado pelos tentáculos é introduzido na cavidade gastrovascular onde,
por ação de enzimas digestivas produzidas pelas células glandulares da gastroderme, é
parcialmente digerido.

• Esse alimento é capturado pelas células musculares –digestivas, nas quais a digestão se
completa de forma intracelular.

Nutrição:
boca – cavidade gastrovascular
– digestão extracelular – células
musculares –digestivas -
digestão intracelular – excreção
pela boca.
Parede do corpo dos cnidários
Captam o produto da digestão e o
transferem às células epitélio-digestivas
para realizar a digestão intracelular

Perceber estímulos
do meio ambiente e
transmitir às outras
células

Produzem enzimas
digestivas – digestão
extracelular
Classificação
O que fazer se for queimado por um
cnidário?
 Remova qualquer tentáculo visível, evitando o uso dos dedos.

 Use uma toalha ou pano, enxágüe com água fresca ou salgada.

 No caso de sintomas mais graves e choques anafiláticos, procure um médico


imediatamente.

 Para remover os restos de nematocistos, aplique uma pasta de bicarbonato


de sódio, talco ou farinha e água do mar.
Respiração, excreção e circulação

• Trocas gasosas por difusão


• Não há sistema circulatório: nutrientes passam de célula à célula. Cílios da
gastroderme e músculos promovem o movimento dentro da cavidade gastrovascular
• O filo dos cnidários é o primeiro a apresentar células nervosas. Sistema nervoso
difuso.
• Primeiros a apresentar gônadas (ovários e testículos)
Reprodução dos Cnidários
Reprodução Assexuada - hidras
Comum entre Pólipos – principalmente no verão por Brotamento

Hidras não
aporesentam
fase larval

Reprodução Sexuada
**Algumas hidras realizam reprodução
sexuada, com formação de gametas.
Machos liberam gametas na água e as
femeas permanecem com os óvulos
aderidos ao corpo (secreção viscosa) – ovo
envolto por camada resistente e então
liberado – fixa ao substrato.
Reprodução dos Cnidários
Reprodução Sexuada – metagênese ou alternância de gerações Esponjas também
• Dióicos (sexos separados) ou monóicos (hermafroditas) podem ser monóicas
*Principalmente em formas meduzóides. (hermafroditas) e
Sexuada dióicas (sexos
separados)

Assexuada Desenvolvimento
indireto.
Os Corais
• Os corais (classe anthozoa) formam-se pela secreção calcárea de pólipos
coloniais marinhos. Grandes depósitos calcáreos - quando morrem.
• O maior recife de coral vivo encontra-se na Grande Barreira de Coral, na costa
da Queensland na Austrália, que é considerado o maior organismo vivo da
Terra.
A reprodução dos corais no litoral da Bahia
Poríferos X Cnidários
Poríferos Cnidários
Representantes Esponjas Água-vivas – (meduzoide)
Corais – anêmonas (polipoide)
Hidra – *polipóide
Caravela. *colônia de pólipos

Características Eucariontes, pluricelulares, Eucariontes, pluricelulares, aquáticos, sésseis e vida


aquáticos, possuem poros, fixos livre, liberam líquido urticante.
no substrato.
Estrutura Forma cilíndrica com poros nas Pólipos: sésseis corpo formato cilíndrico, abertura
paredes e uma abertura para cima
denominada ósculo. Coanócitos Medusa: vida livre forma de guarda-chuvas, abertura
para baixo. Cnidócitos.

Nutrição / digestão Intracelular. Por partículas Extracelular e intracelular. Pequenos animais (peixes e
filtradas. crustáceos)

Sistemas Ausentes Nervoso - difuso

Reprodução Assexuada: brotamento, Assexuada: brotamento,


regeneração e gemulação Sexuada: Alternância de gerações
Sexuada: Fecundação desenvolvimento indireto
interna e desenvolvimento
indireto.
Fim

Próxima aula Platelmintos e nematelmintos