Sei sulla pagina 1di 16

O Renascimento

e a
Criação Cultural
Contexto Histórico
• Os séculos XV e XVI foram de renovação cultural em toda
a Europa. Essa renovação ocorreu como consequência da
abertura da Europa ao Mundo e do maior conhecimento e
intercâmbio cultural que daí resultou. Porém, essa
renovação respondeu, a imperativos económicos, sociais
e políticos da própria época e foi favorecida, na sua
difusão, pela existência de um maior espírito de
curiosidade e de vontade de saber, pelo aumento das
escolas e universidades e pela invenção e divulgação da
imprensa e do livro impresso, bem como pelo
aperfeiçoamento e aumento da produção do papel.
O Renascimento
• O Renascimento foi um
movimento cultural e
artístico, de raiz
humanista e
racionalista, que ocorreu
individualista, durante os
séculos XV e XVI, e que
teve a sua principal fonte
de inspiração no mundo
clássico, greco-romano, e
nos movimentos de
expansão geográfica e
comercial dos finais
Idade Média ocidental. da Lourenço de Médicis
O Novo Homem
• Um dos factos sociais mais
importantes da época do
Renascimento foi o da
ascensão da Burguesia, que
desorganizou o sistema
rígido das ordens medievais
e implantou um novo tipo de
Homem – mais
individualista, racional,
pragmático e positivo -,
promovido pelos valores da O Homem de Vitrúvio- Leonardo Da Vinci

mentalidade burguesa.
O Individualismo
• O Individualismo é uma
corrente doutrinal e
prática que defende, para
cada Homem, a
concretização das
potencialidades e
características próprias e
sobrevaloriza o papel do
indivíduo na evolução das
sociedades e na História.
Colleoni foi um exemplo de
individualismo e ânsia de notoriedade
pessoal no Renascimento italiano.
As Elites Culturais
• No Renascimento afirmavam-se
as elites culturais assentes
principalmente no primado do
dinheiro e da cultura, nas quais
a alta burguesia dos negócios e
das letras ombreava com a
nobreza mais evoluída, agora
obrigada a deixar os castelos,

Jacob Fugger – Banqueiro do


Imperador Carlos V
As Elites Burguesas e
Cortesãs

• O Individualismo, a emulação dos “grandes” e


dos príncipes, e o gosto pela vida e os seus
prazeres desenvolveram, entre as elites
cortesãs, um alto padrão de vida. Organizavam-
se reuniões de convívio, banquetes, tertúlias,
bailes… eram mostrados publicamente os dotes
de beleza, habilidades culturais e artísticas.
Nestes círculos seguiam-se com elevado rigor os
códigos de civilidade.
O Mecenato

• O Mecenato é uma
actividade de incentivo,
apoio e protecção
literária, artística e
científica. O nome adveio
do primeiro homem que
reconhecidamente o
praticou: o romano Caio Mecenas
Mecenas.
A Imprensa
• A produção cultural no
Renascimento foi
grandemente beneficiada
por um outro progresso
material que esta época
conheceu: o aparecimento
e divulgação da arte da
impressão, que aos poucos,
substituiu a produção
manual dos livros.

A prensa de Gutenberg
Os Livros…
• Até finais do século XV, os
livros impressos eram
principalmente de carácter
religioso (sendo o primeiro:
a Bíblia). A partir do século
XVI, a procura recaiu
também sobre outros
géneros: romances de
cavalaria, literatura de
viagens e obras humanistas.
A difusão do conhecimento e
do pensamento…

• A invenção e divulgação da imprensa


proporcionou um enorme progresso na
vida cultural: permitiu a mais rápida
divulgação das ideias e dos saberes;
alargou os horizontes mentais e
geográficos dos homens; generalizou as
correntes culturais, principalmente o
pensamento humanista.
O caminho do humanismo…

• O Humanismo foi um amplo


movimento de renovação
literária filosófica que
acompanhou todo o período do
Renascimento e é muitas vezes
interpretado como uma das
suas causas principais e
também como a sua expressão O Inferno de Dante

mais autêntica e significativa.


Características do Humanismo

• O pensamento humanista tem como base:


• A forte rejeição dos valores e formas culturais
medievais.
• A valorização dos ideais e formas de expressão
literária e artística da Antiguidade Greco-
• Romana.
• A crença no Homem como ser racional.
• O Espírito Crítico e o Livre-Arbítrio.
O Homem como autor e destinatário de todo o
saber.
O Antropocentrismo

• O Antropocentrismo é a
concepção filosófica e
pragmática que coloca o
Homem no centro do
Universo, tomando-o
como o ser mais perfeito
da Criação, capaz de criar
e transformar as coisas. Adão e Evade Alberto Durero
O Humanista

• Homem de saber e cultura


(geralmente eclesiástico
ou professor) do século
XVI que se inspira na
cultura da Antiguidade
Clássica, que a
reinterpreta à luz da
Razão e do espírito crítico
do seu tempo. Petrarca
FIM