Sei sulla pagina 1di 27

Equipamentos de proteção

Individual e Coletiva
(EPI E EPC)

1
BARREIRAS
PRIMÁRIAS

São formadas pelos Equipamentos de


Proteção Individual (EPI) e Equipamentos de
Proteção Coletiva (EPC).

2
Equipamentos de
Proteção Individual

3
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO
INDIVIDUAL
São dispositivos de uso pessoal, destinados
a proteção da saúde e integridade física do
trabalhador. O uso dos EPI no Brasil é
regulamentado pela Norma
Regulamentadora NR-6 da Portaria no. 3214
de 1978, do Ministério do Trabalho e
Emprego. (SKRABA, 2004).

4
Sequência de Sequência de
Vestimenta de EPI Retirada de EPI

1. Primeiro o jaleco 1. Luvas

2. Máscara ou respirador 2. Óculos de segurança


ou Protetor facial

3. Óculos de segurança 3. Jaleco


ou Protetor facial

4. Luvas 4. Máscara ou respirador

5
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL UTILIZADOS
EM SERVIÇOS DE LABORATÓRIOS

LUVAS
São utilizadas como As luvas reduzem a
barreira de proteção, possibilidade de
prevenindo a transmissão de
contaminação das microorganismos
mãos do trabalhador presentes nas mãos para
de serviços de saúde e pacientes ou materiais.
de laboratório ao
manipular material
contaminado.

6
JALECOS
•Protegem a parte superior e inferior do
corpo .

•Algodão, mangas longas, fechado.

•Previnem contaminação de origem


biológica, química e radioativa, além da
exposição direta a sangue, fluídos
corpóreos, borrifos, salpicos e
derramamentos de origens diversas.

7
LUVAS PARA O MANUSEIO DE
PRODUTOS QUÍMICOS
O tipo de luva usado durante o processo de
trabalho deverá corresponder à substância
química a ser manipulada. Borracha natural
(Látex), Butíl, Neoprene, Cloreto de Polivinila
(PVC), Acetato de Polivinila (PVA) e Viton.

8
COMO CALÇAR AS LUVAS

• É o último EPI a ser utilizado

• Selecione o tipo correto e o tamanho

• Verifique depois de calçá-las se punho está


isolado.

9
COMO REMOVER AS
LUVAS

• É o primeiro EPI a ser retirado.

• Retire-a e segure-a com a mão enluvada.

• Introduza o dedo sem luva sob a luva


puxe-a enrolando as como uma bolsa.

• Descarte-as de forma segura.

10
ÓCULOS DE SEGURANÇA
Protegem os olhos do trabalhador de
borrifos, salpicos, gotas e impactos
decorrentes da manipulação de substâncias
que causam risco químico (irritantes,
corrosivas etc.), risco biológico (sangue,
material infectante etc.) e, risco físico
(radiações UV e infravermelho etc.).

11
PROTETORES PARA MEMBROS
INFERIORES

Os membros inferiores devem estar


protegidos por calçados fechados durante o
trabalho em serviços de saúde e de
laboratório. Evitam acidentes que envolvam
derramamento e salpicos de substâncias de
risco químico e biológico, impactos, perfuro
corantes, queimaduras, choques, calor, frio,
eletricidade, etc.

12
MÁSCARAS FACIAIS OU PROTETORES
FACIAIS
Proteção da face e dos olhos em relação aos riscos
de impacto de fragmentos sólidos, partículas
quentes ou frias, poeiras, líquidos e vapores,
assim como radiações não ionizantes.Propionato,
acetato e policarbonato simples ou recobertos com
substâncias metalizadas para absorção de
radiações.

13
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO
RESPIRATÓRIA
(RESPIRADORES OU MÁSCARAS)
Usado na manipulação de substâncias de risco químico ou
biológico, em emergências
(derramamentos e fugas de gases).

• Descartáveis ou exigem manutenção.

•Os respiradores mais utilizados são:

•de adução de ar (fornecem ar ao usuário independente do ar


ambiente),

•purificador de ar (purificam o ar ambiente antes de ser inalado


pelo usuário);

14
Equipamentos de
Proteção Coletiva

15
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO
COLETIVA

Os Equipamentos de Proteção
Coletiva/EPC auxiliam na
segurança do trabalhador dos
serviços de saúde e laboratórios,
na proteção ambiental e também
na proteção do produto ou
pesquisa desenvolvida

16
EXTINTOR DE INCÊNDIO
É preciso conhecer, identificar bem o incêndio que se vai
combater, antes de escolher o agente extintor ou
equipamento de combate ao fogo.

17
CHUVEIRO DE EMERGÊNCIA e LAVA
OLHOS
Chuveiros de emergência
e lava-olhos, por serem
equipamentos de
emergência, devem ser
mantidos de forma a
estarem preparados para
uso imediato a qualquer
instante.

19
LAVA
OLHOS
Lava-olhos são equipamentos projetados de forma
semelhante aos chuveiros de emergência, só que
com o objetivo específico de livrar os olhos de
contaminantes.

20
CAPELA
Equipamento imprescindível onde se manuseia
produtos químicos ou particulados.

Ao fazer operações nas capelas deve-se:

•Manter as janelas com o mínimo de abertura possível.

•Deixar na capela apenas o material a ser analisado.

Ao iniciar um trabalho em capela, observe se:

•O sistema de exaustão esteja operando.

•Pisos e janelas estejam limpos.

21
KIT PRIMEIROS SOCORROS

22
ACIDENTES MAIS COMUNS EM
LABORATÓRIO E PRIMEIROS SOCORROS

1º - Queimaduras
a) Queimaduras por ácidos: Lavar imediatamente o
local com água em abundância, durante cerca de
cinco minutos. Em seguida, lavar com solução
saturada de bicarbonato de sódio e novamente
com água. Secar, aplicando, então mentiolate.

23
 b) Queimaduras por álcalis: Lavar a região
atingida imediatamente com bastante água,
durante cinco minutos. Tratar com solução de
ácido acético 1% e novamente lavar com
água. Secar a pele e aplicar mertiolate.

24
2º - Ácidos nos olhos
Nos laboratórios, existem lavadores de olhos acoplados aos
chuveiros de emergência. A lavagem deve ser feita por
quinze minutos, após o que se aplica solução de
bicarbonato de sódio a 1%.

3º - Álcalis nos olhos


Proceder como o item anterior, apenas substituindo a
solução básica de bicarbonato por uma solução de ácido
bórico a 1%.

25
4º - Ingestão de substâncias tóxicas
Administrar uma colher de sopa de “antídoto universal”, que
é constituído de: duas partes de carvão ativo, uma de óxido
de magnésio e uma de ácido tânico.

26
PORTANTO!
O uso de barreiras de contenção na forma de EPI e
EPC utilizados em laboratórios se constitui em
sistemas que se sobrepõem permitindo ampliação da
proteção do trabalhador, do experimento e do
ambiente. As barreiras de contenção de riscos por
meio dos equipamentos de proteção individual e
coletivos, tornam-se ferramentas táticas disponíveis
em Biossegurança.

27