Sei sulla pagina 1di 32

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL

DE EDIFÍCIOS: ESTÁGIO ATUAL E


PERSPECTIVAS PARA DESENVOLVIMENTO NO
BRASIL
 Pesquisas visando reduzir os impactos ambientais de edifícios têm sido
amplamente estimuladas por agências governamentais, instituições de
pesquisa e pelo setor privado de diversos países. O conceito de análise do
ciclo de vida sustentou o desenvolvimento das metodologias para
avaliação ambiental de edifícios que surgiram na década de 90 como parte
das estratégias para o cumprimento de metas ambientais locais
estabelecidas a partir da ECO’92. Atualmente praticamente cada país
europeu - além de Estados Unidos, Canadá, Austrália, Japão e Hong Kong
- possui um sistema de avaliação de edifícios. Todos estes esquemas
concentram-se exclusivamente na dimensão ambiental da
sustentabilidade.
 Este artigo compara sucintamente os conceitos dos principais esquemas de
avaliação ambiental de edifícios e evidencia a impossibilidade de mera
importação de métodos existentes, com base no sucesso alcançado em
países com latitudes e condições sociais, econômicas e ambientais
sensivelmente diferentes das do Brasil. Discutem-se as expectativas
referentes à integração da equipe brasileira ao projeto Green Building
Challenge, assim como as estratégias para desenvolver pesquisas nacionais
no tema e aumentar o comprometimento das diversas esferas
governamentais.
 A indústria da construção - particularmente a construção, operação e
demolição de edifícios – é a atividade humana com maior impacto sobre o
meio ambiente. Pesquisas visando reduzir os impactos ambientais de
edifícios receberam investimento crescente ao longo da última década. A
definição de estratégias para minimização do uso de recursos não
renováveis, economia de energia e redução de resíduos de construção, em
especial, foram amplamente estimulados por agências governamentais,
instituições de pesquisa e pelo setor privado de diversos países (CIB/CSTB,
1997)
SISTEMAS DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO
AMBIENTAL DE EDIFÍCIOS:
PRINCIPAIS INICIATIVAS E ESTADO ATUAL
 Atualmente praticamente cada país europeu - além de Estados Unidos,
Canadá, Austrália, Japão e Hong Kong - possui um sistema de avaliação de
edifícios. Embora não exista uma classificação formal neste sentido, os
esquemas de avaliação ambiental disponíveis podem ser claramente
separados em duas categorias. De um lado, temos aqueles orientados para
o mercado, isto é, desenvolvidos para serem facilmente absorvidos por
projetistas ou para receber e divulgar o reconhecimento do mercado pelos
esforços dispensados para melhorar a qualidade ambiental de projetos,
execução e gerenciamento operacional.
 Estes esquemas têm estrutura mais simples e estão vinculados a algum
tipo de certificação de desempenho. Este é o caso do BREEAM (BALDWIN
et al., 1990; BALDWIN et al., 1998), do HK-BEAM (CENTRE OF
ENVIRONMENTAL TECHNOLOGY, 1999), do LEEDTM (USGBC, 1999) e
do CSTB ESCALE (NIBEL et al., 2000). Do outro lado, estão os esquemas
de avaliação orientados para pesquisa, como o BEPAC2
(COLE;ROUSSEAU;THEAKER, 1993) e seu sucessor, o GBC
(COLE;LARSSON, 2000). Neste segundo caso, a ênfase é o
desenvolvimento de uma metodologia abrangente e conceitos inovadores.
O BREEAM
O LEED
O GREEN BUILDING CHALLENGE (GBC)
COMPARAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS: DISCUSSÃO DE ASPECTOS
METODOLOGICOS

 Variação do níveis de pressão;

 Práticas construtivas e de projetos diferentes;

 Receptividade dos mercados;


COMPARAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS: DISCUSSÃO DE ASPECTOS
METODOLOGICOS
COMPARAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS: DISCUSSÃO DE ASPECTOS
METODOLOGICOS

 A GBTool é naturalmente o método que mais se aproxima do perfil


ideal de um esquema de avaliação, um vez que foi, desde o início,
desenvolvido para superar as limitações dos métodos que o
precederam.
COMPARAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS: DISCUSSÃO DE ASPECTOS
METODOLOGICOS
 SISTEMAS DE PONTUAÇÃO

 Os checklists em detrimento do desempenho global do sistema;


 O desenvolvimento ideal das metodologias de avaliação de edifícios é
migrar dos critérios prescritivos para critérios de desempenho;

 O único sistema de avaliação pautado pela abordagem de desempenho


em vigor atualmente é o utilizado pelo GBC.
COMPARAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS: DISCUSSÃO DE ASPECTOS
METODOLOGICOS
 CRITÉRIOS DE PONDERAÇÃO
Após a avaliação das categorias de impacto, alguns esquemas aplicam
pesos diferenciados para indicar maior ou menor importância relativa
das categorias. Mas nem todos os esquemas atribuem ponderações. Isto
se deve basicamente à falta de uma metodologia consensual que permita
decidir objetivamente que impactos são mais críticos que os demais.
ESTRATÉGIA PARA INTRODUÇÃO DE AVALIAÇÃO
AMBIENTAL DE EDIFÍCIOS NO BRASIL
 O Brasil formalizou a sua integração ao projeto GBC durante a conferência
Sustainable Buildings 2000 com a apresentação das intenções e estratégias
do time brasileiro e com a primeira participação dos autores deste trabalho
em reuniões do Comitê Internacional.
 A estratégia para implementação da pesquisa no Brasil centra-se no
Programa Nacional de Avaliação de Impactos Ambientais de Edifícios
(BRAiE), coordenado pela UNICAMP, que contempla a formação de uma
rede nacional de pesquisa que, após o delineamento inicial da
metodologia no estado de São Paulo, será gradualmente implementada
para validação em outras regiões do país. Com recursos FAPESP, a
pesquisa-base do Programa BRAiE iniciou suas atividades em novembro
de 2000.
Em linhas gerais, esta pesquisa inicial mostrou-
se fundamental para:
 acumular experiência nacional na coleta e tratamento das informações
ambientais necessárias para sustentar a avaliação de edifícios;
 identificar itens da agenda ambiental regional/local que deverão
sobrepor-se ao corpo genérico de parâmetros de avaliação, em coerência
com os princípios do projeto GBC;
 estimar o impacto ambiental de edifícios comerciais obtidos das práticas
de construção vigentes em diferentes partes do Brasil, iniciando pela
região Campinas/São Paulo.
 O objetivo era avançar em duas áreas de conhecimento. Primeiro, na
consolidação da metodologia de avaliação ambiental em si que, apesar de
intensamente estudada no exterior, ainda está em fase de
amadurecimento e não encontra paralelo no Brasil; e, segundo, no
desenvolvimento de uma ferramenta de projeto que informasse
objetivamente os projetistas nas primeiras etapas do processo projetual,
que concentram as decisões de maior potencial gerador de impactos
ambientais.
É POSSÍVEL IMPORTAR UM MÉTODO EXISTENTE
PARA AVALIAR EDIFÍCIOS NO BRASIL?
 O LEED é aplicável em todo o território dos Estados Unidos, mas existem
– raros- casos de aplicação externa. A tentativa de internacionalização de
um método de avaliação mais vigorosa foi a do BREEAM, que
compreendeu extensões para o Canadá e Hong Kong, mas a dificuldade de
adequação aos locais de avaliação ia além da retirada ou adição de
aspectos a avaliar. O último movimento neste sentido é a combinação do
BREEAM e do LEED para a formação de um método de avaliação válido
para toda a América do Norte
ATUALMENTE PORÉM, TANTO O BREEAM
QUANTO O LEED NÃO MAIS AVALIAM EDIFÍCIOS
FORA DE SEUS PAÍSES DE ORIGEM. PORQUE:
 Para ser tecnicamente consistente, um método de avaliação deve ser
adaptado a dados nacionais relevantes;
 Para ser viável praticamente, um método de avaliação deve ser
adaptado ao mercado, práticas de construção e tradições locais;
 Para decolar rapidamente, um método de avaliação deve ser
desenvolvido em parceria com as principais partes interessadas:
investidores, empreendedores e projetistas;
 Para ser apropriado ao contexto nacional, os itens avaliados no método
devem ser ponderados para refletir prioridades e interesses nacionais
 Não é possível copiar ou simplesmente aplicar um método estrangeiro no
Brasil, com base no sucesso que tal método tenha obtido em seu país de
origem. Certos aspectos perdem validade ou, por outro lado, itens nem
sempre considerados pelos métodos internacionais são importantes no
nosso contexto e devem ser incluídos na avaliação.
COMO FAZER NO BRASIL, ENTÃO?
 A proposta de implementação de avaliação de edifícios, sob o enfoque da
construção sustentável, é pautada pelos seguintes princípios:
 1. Salto da avaliação ambiental para a avaliação de sustentabilidade de edifícios

 2. Definição dos requisitos a avaliar

 3. Minimização de subjetividade: aproximação do conceito de LCA

 4. Formato de pontuação: estrutura evolutiva

 5. Blocos conceituais de critérios: orientados ao desempenho ou a dispositivos?

 6. Estabelecendo um critério para ponderação


CONCLUSÕES
 A SB2000 marcou também pelo início da integração de países em
desenvolvimento a uma pesquisa de interesse global, mas até então
exclusivamente conduzida por países desenvolvidos, movidos por uma
pressão ambiental muito elevada. Naturalmente, os países que já vinham
integrando o GBC passaram por estágios de amadurecimento e
conscientização ambiental, estabelecimento de políticas ambientais e
investimento em pesquisa orientada ao setor de construção civil que
constituíram uma base sólida para permitir o início imediato de atividades
de avaliação de edifícios.
 No caso do Brasil, ainda é necessária pesquisa de base considerável. Afora
o selo PROCEL, não contamos com esquemas de certificação ou
classificação de desempenho ambiental. O Programa Brasileiro de
Reciclagem ainda não decolou, apesar de representar um avanço
considerável, e as iniciativas do governo federal são ainda incipientes,
restritas basicamente à criação do Fórum Permanente para o
Desenvolvimento Sustentável do Brasil e à organização de evento para
sistematizar a discussão de um selo ambiental nacional, via ABNT, a partir
de experiências internacionais em rotulagem ambiental.
 Por essa razão são tão importantes os esforços para construção de bases de
dados ambientais (LCA) de produtos disponíveis nos níveis regional e
nacional e, principalmente, para o estabelecimento de desempenhos de
referência que orientem a confecção de novos projetos e a definição de
políticas e regulações específicas para o setor de construção (energia, teor
mínimo de resíduos/reciclados etc) ou mesmo de esquemas de
certificação ambiental de edifícios.
 O interesse pelo tema está finalmente se consolidando no país. No último
ano, dois edifícios foram avaliados. Outros três estão em perspectiva para
avaliação e empresas de construção líderes de mercado começam a
demonstrar interesse. A introdução e a aceitação da avaliação de edifícios
pelo mercado é fundamental para a sua viabilização, mas o desafio
brasileiro compreende ainda a inserção dos conceitos de construção
sustentável na formação acadêmica dos profissionais de construção, e a
sua assimilação como parte integrante da prática cotidiana de projeto.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 BALDWIN, R.; LEACH, S.J.; DOGGART, J. V.; ATTENBOROUGH, M. P. BREEAM 1/90: an
environmental assessment for new office designs. BRE Report. Garston, CRC. 1990.
 BALDWIN, R.; YATES, A.; HOWARD, N.; RAO, S. BREEAM 98 for offices: an environmental
assessment method for office buildings. BRE Report. Garston, CRC. 1998. 36 pp.
 CENTRE OF ENVIRONMENTAL TECHNOLOGY, LTD. HK-BEAM (New Offices): an environmental
assessment for new office designs. Version 1/96r. Hong Kong, CET, 1999. 47 pp. COLE, R.J.,
ROUSSEAU, D., THEAKER, I.T. Building Environmental Performance Assessment Criteria: Version 1 -
Office Buildings. The BEPAC Foundation, Vancouver, December 1993.
 COLE, R.J.; LARSSON, N. Green Building Challenge'98. In: Second International Conference
Buildings and the Environment. Proceedings. Paris. June, 1997. p. 19-29.
 COLE, R.J.; LARSSON, N. Green building challenge: lessons learned from GBC’98 and GBC2000. In:
Sustainable Buildings 2000. Proceedings. Maastricht, NOVEM/CIB/GBC, October 22-25, 2000. pp.
213-215.
 CRAWLEY, D.; AHO, I. Building environmental assessment methods: applications and development
trends. Building Research and Information, v. 27, n. 4/5, 1999. p. 300-308.
 DICKIE, I.; HOWARD, N. Assessing environmental impacts of construction: industry consensus,
BREEAM and UK ecopoints. BRE Digest 446. BRE Centre for Sustainable Construction. 12 pp. 2000.
FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS-FTC
CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA CIVIL
DISCIPLINA:SANEAMENTO BÁSICO
DOCENTE:SILVANA BICALHO

DISCENTES:
ANA CAROLINA DOS SANTOS LOPES;
GEAN RODRIGUES SILVA;
LUCIANO DAMIÃO;
WALLAS MEIRA SILVA.

MAIO DE 2018