Sei sulla pagina 1di 35

GRÉCIA ANTIGA

Prof.ª: Kamyla Oliveira


Períodos da história da Grécia
• Período Pré–Homérico (Creto-Micênico): século XX
a.C. – séc. XII a.C.
• Período Homérico: De 1100 a.C. a 800 a.C.
• Período Arcaico: De 800 a. C. a 500 a.C.
• Período Clássico: Entre V e IV a.C.
• Período Helenístico: De 336 a 146 a.C.
Mitologia
• Tentativa de explicar a realidade objetiva;
• As principais fontes de conhecimento dos mitos: autores
gregos como Hesíodo, que escreveu Teogonia, e
Homero, que escreveu Ilíada e Odisseia;
• Os mitos revelam os valores e costumes das civilizações;
• "Ó, Homem, conhece-te a ti mesmo e conhecerás os
deuses e o universo."

Oráculo de Delfos
Principais teorias mitológicas
• Alegórica - linguagem figurada, mensagem moral.
• Bíblica - mitos como reproduções modificadas das
histórias e personagens bíblicos;
• Histórica - personagens reais que sofreram exageros,
exaltações;
• Física - os elementos da natureza, terra, ar e fogo, são
divinizados e cultuados.
Os 12 deuses do Olimpo
• Zeus, Hera, Poseidon, Atena, Ares, Deméter,
Apolo, Ártemis, Hefesto, Afrodite, Hermes e
Dionísio.
Período pré-homérico ( séc. XX a. C.
ao séc. XII a.C.)
• Florescimento de duas civilizações que fazem parte
do que seria uma pré-história do povo grego. A
civilização cretense ( ou minoica) e a civilização
micênica.
• Estas duas civilizações mantiveram uma
administração bem desenvolvida: a administração era
centrada nos palácios e elas mantinham contatos
comerciais com os povos da Antiguidade Oriental.

Palácio de
Cnossos
• Lenda do minotauro.
Iª Diáspora Grega
• Povos indo-europeus invadem o território grego
contribuindo para o fim das civilizações cretense e
micênica.
PERÍODO HOMÉRICO (´séc. XII a.C.
ao séc. IX a.C.)
• As maiores informações sobre este período
encontram-se na Ilíada e na Odisséia.
• Sociedade rural, bem diferente do período anterior.

Homero
• No período homérico a sociedade era formada por
comunidades gentílicas. Tais comunidades recebem
este nome pois eram formadas por pequenas
unidades agrícolas autossuficientes: os genos.
PATER
PATER

PATER
PATER Genos
PATER

PATER PATER
• Os genos eram liderados pelo pater. Tal figura era o
chefe comunitário e exercia funções religiosas,
administrativas e judiciárias.
• O colapso da comunidade gentílica logo ocorreu,
pois havia poucas terras férteis e a população crescia
cada vez mais.
• Formou-se uma clara divisão social entre aqueles que
ficaram com as melhores terras e aqueles que
ficaram com as mais pobres.
Colapso das comunidades
gentílicas
• Divisão social: Eupátridas (“bem nascidos”) –
parentes do pater que ficaram com as terras mais
ricas;
• Georgoi – pequenos proprietários, que ficaram com
as piores terras.
• Thetas (“marginlizados”) – ficaram sem terra.
• Essa divisão social bem demarcada é a base para
entendermos os conflitos sociais dos próximos
períodos.
IIª Diáspora Grega
• A escassez de terras fez com que parte da população
buscasse novas terras e, assim, colonizassem
extensas regiões ao longo do Mar Mediterrâneo e do
Mar Negro. Surgimento da pólis.
PERÍODO ARCAICO (séc. ViIi A.C.
AO SÉC. VI A.C.)
•Consolidação da pólis. - Passagem de uma sociedade
camponesa do período Homérico, para uma
civilização centrada nas cidades.
• Mas, afinal, o que significa pólis?! Para os gregos pólis
tinha o sentido de comunidade – comunidade
política. Uma comunidade que partilhava os mesmos
costumes e era unida por um culto comum às
mesmas divindades protetoras.
• Traduzimos pólis como cidade-Estado, ou seja, eram
cidades independentes entre si.
• Como eram as poléis?

Pólis grega Acrópole de Atenas


• A pólis englobava, portanto, a zona urbana e também
a zona rural. Porém, a área urbana era a mais
importante na maioria das poléis pois lá estavam a
Acrópole e a Ágora.
• Acrópole: parte alta da pólis; centro da vida religiosa
pois lá localizavam-se os templos e outros edifícios.
• Ágora: localizada na parte baixa da cidade. Centro
econômico, político e social. Era a praça pública
principal.
Mapa - poléis
• Existiam mais de 100 poléis, sendo Atenas e Esparta as
duas principais.
• Inicialmente, as cidades-Estado eram governadas por
um rei (basileu), que depois foi substitúido por um
regime oligárquico-aristocrático.
• A economia baseva-se na agricultura, na criação de
animais e no comércio marítimo. Os gregos eram
rivais comerciais dos fenícios.
ESPARTA
• Situava-se na região da Lacônia, na Península do
Peloponeso e possuía terras fertéis.
• Divisão da sociedade espartana:

-Espartanos: cidadãos-guerreiros
- Periecos: pequenos proprietários
-Hilotas: servos; propiedade do
Estado, não tinham direitos
políticos.
• Sociedade militarizada e oligárquica.

X
Hoplita Cena do filme 300
Instituições políticas
espartanas
• Atribui-se a Licurgo a criação da legislação espartana.
• Monopólio político dos espartanos, a elite militar.
• Ápela: assembleia dos guerreiros aberta aos
espartanos com mais de 30 anos.
• Gerúsia: conselho de anciãos com funções
legislativas. Espartanos maiores de 60 anos poderiam
fazer parte da Gerúsia se fossem eleitos pela Àpela.
O cargo era vitalício. 28 anciãos + 2 reis.
ATENAS
• Situada na região da Àtica, inicialmente Atenas
também vivenciou um governo aristocrático – do
século IX a.c. ao século VI a.c.
• Os principais órgãos deste governo aristocrático
eram o Arcontado e o Areópago e somente os
eupátridas faziam parte deles.
• As outras camadas sociais dessa fase aristocrática, os
pequenos propietários e artesãos, não tinham
direitos políticos e viviam em grande pobreza.
Da aristocracia à democracia
direta
• Como sabemos, a democracia é um dos maiores
legados dos gregos. A construção desse legado,
contudo, foi fruto de intensas lutas sociais.
• A atividade comercial dos atenienses gerou mudanças
na estrutura social dessa cidade-Estado. Os
comerciantes, enriquecidos, começaram a contestar
o monopólio político dos eupátridas.
• Diante de tal tensão surgiram propostas de
legisladores, que buscavam diminuir os privilégios da
elite.
DRÁCON e sólon
• Tornou as leis públicas e válidas para todos. Código de
Drácon (620 a.c.). Suas medidas, porém, não deram
fim aos privilégios dos eupátridas.
• Já Sólon tomou medidas mais efetivas: - pôs fim à
escravidão por dívidas; - dividiu a sociedade pelo
critério censítário; - criou a Bulé (conselho legislativo
formado por 400 membros) e a Eclésia.

Sólon
CLÍSTENES
• As reformas de Sólon geraram grande agitação
política e Atenas viveu o período das tiranias.
• Em 510 a.c., Clístenes derrubou o último tirano e
tomou medidas para implantar a democracia em
Atenas e pacificar a pólis.
• Clístenes reagrupou as tribos de acordo com a
proximidade geográfica e não pela riqueza – 10
tribos, ao todo. Além disso, ele ampliou o número
de membros da Bulé para 500 e aumentou o poder
da Eclésia, assembleia popular.
• Outra criação de Clístenes foi o ostracismo.
• As medidas de Clístenes encerram o período arcaico
e iniciam o período clássico (século V a.c. ao IV a.c.).

Clístenes, o “pai da
Ostrakón
democracia”
Eclésia e Bulé
• Eclésia: assembleia do povo. Todos os cidadãos
atenienses podiam participar destas assembleias.

Colina da Pnyx
• Democracia direta: todos os cidadãos, ou seja,
homens atenienses maiores de 18 anos poderiam
tomar a palavra na Eclesia e também votar. A palavra
final estava nas mãos do conjunto de cidadãos.
• As decisões da assembleia do povo eram inapeláveis,
porém antes de serem aprovadas passavam pela Bulé
(Conselho dos 500).
Limites da democracia
ateniense
• Como sabemos, nem todos eram cidadãos em
Atenas. Mulheres, estrangeiros (metecos) e escravos
não eram considerados cidadãos.
• Grande parte da população ateniense, portanto,
estava excluída dessa participação política. Porém,
tais grupos eram fundamentais para a continuidade
da democracia ateniense.
Olhamos o homem alheio às atividades públicas não como
alguém que cuida apenas de seus próprios interesses, mas
como um inútil; nós, cidadãos atenienses, decidimos as
questões públicas por nós mesmos na crença de que não é
o debate que é empecilho à ação, e sim o fato de não se
estar esclarecido pelo debate antes de chegar a hora da
ação.
TUCÍDIDES. História da Guerra do Peloponeso.
Brasília: UnB, 1987 (adaptado).
Mulheres de Atenas
• Link:
https://www.youtube.com/watch?v=MabbVn0Rlv4
Mulher ateniense
• O que podemos concluir sobre a mulher ateniense
com base na música Mulheres de Atenas?
• Diferenças na educação de meninos e meninas.
• Gineceu e a reclusão da mulher ateniense.
• Casamento
• Importante frisar que tal modelo não contempla a
totalidade das mulheres atenienses.