Sei sulla pagina 1di 37

SOLOS E AMBIENTES DO PÓLO

AGROFLORESTAL DE BRASILÉIA

PESACRE/FUNBIO
SOLOS E AMBIENTES DO
PÓLO AGROFLORESTAL DE
BRASILÉIA

PESACRE/FUNBIO
Governo do Estado do Acre
Jorge Ney Viana Macêdo Neves
Vice Governador do Estado do Acre
Arnóbio Marques de Almeida Junior
Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Sustentável
Gilberto do Carmo Lopes Siqueira
Secretaria de Extrativismo e Produção Familiar
Denise Regina Garrafiel
Gerente Pólos Agroflorestais – SEPROF - AC
Edivaldo Pinheiro de Andrade
Equipe Técnica:
1 - EDSON ALVES DE ARAÚJO
Engenheiro Agrônomo. Mestrado em Solos Nutrição de Plantas
Técnico da Secretaria de Agropecuária (SEAP)
2 - CLEÓBIS CUNHA NOGUEIRA
Engenheiro Agrônomo Especialista em Ecologia e Manejo de Florestais Tropicais
Técnico da Secretaria de Extrativismo e Produção Familiar (SEPROF)/Programa Pólos
3 - EDÍZIO GOMES DA FONSECA
Tecnólogo em Heveicultua
Técnico da Secretaria de Extrativismo e Produção Familiar (SEPROF)/Programa Pólos
Agroflorestais
4 - GENILSON RODRIGUES MAIA
Engenheiro Agrônomo
Grupo de Trabalho da Secretaria de Agropecuária (SEAP)
5 - BOB DYLAN ROCHA DA SILVA
Engenheiro Agrônomo
Grupo de Trabalho da Secretaria de Agropecuária (SEAP)
6 - EUFRAN FERREIRA DO AMARAL
Engenheiro Agrônomo M.Sc. Pesquisador Embrapa/Acre
7 - NILSON GOMES BARDALES
Engenheiro Agrônomo. Mestrando Solos e Nutrição de Plantas
Núcleo de Estudos e Pesquisas Sobre o Uso da Terra – NEPUT
8 – JOÃO LUIZ LANI
Professor Universidade Federal de Viçosa
Núcleo de Estudos e Pesquisas Sobre o Uso da Terra – NEPUT
1 - INTRODUÇÃO
• Pólo Agroflorestal de Brasiléia - Implantado no ano de 2000, pelo Governo
do Estado do Acre;
• Localizado no km 04 da BR 317 sentido Brasiléia/Assis Brasil, no ramal do
porvir velho km 09;
• Ocupa uma área total de 520 ha, dividido em 75 lotes que varia de 5 a 7ha
• Atualmente estão assentadas 72 famílias, que desenvolvem atividades
agroflorestais;
• O Governo do Estado Acre em convênio com o Fundo Para a
Biodiversidade (FUNBIO) resolveu realizar o Zoneamento Agroflorestal e
Avaliação da Fertilidade do Solo de maneira mais aprofundada e detalhada
da área do referido Pólo em dezembro de 2002;
• Objetivo - gerar informações fundamentadas e confiáveis, capaz subsidiar
as autoridades competentes a promover intervenção eficiente, no sentido
de equacionar os principais problemas, relacionados a produção,
detectados no levantamento.
2 - METODOLOGIA
A equipe técnica, realizou os trabalhos de campo, na área onde está
implantado o Pólo Agroflorestal de Brasiléia, objetivando identificar os
ambientes e os tipos de solos, que ocorrem nessa área, bem como, suas
potencialidades e restrições.
Na área foram identificados quatro tipos de ambientes distinto, definido de
acordo com sua posição no relevo, onde foram coletadas informações a
nível de campo e posteriormente realizadas análises e interpretações
químicas, físicas e morfológicas, que possibilitou a equipe técnica
caracterizar cada tipo de ambiente encontrado.
O resultado deste trabalho, está concretizado na elaboração e confecção
deste “guia de identificação de solo e ambiente”, que está editado em
linguagem clara, ricamente ilustrado com fotografias, mapas e esquemas,
de modo a facilitar o entendimento dos solos e ambientes que ocorrem na
área do pólo Agroflorestal de Brasiléia, por parte das famílias assentadas,
dos técnicos que prestam assistência na localidade e da comunidade de
modo geral.
Localização

Entrada do Pólo – BR 317


Área
do
Pólo

MAPA DE LOCALIZAÇÃO DO PÓLO AGROFLORESTAL DE BRASILÉIA


LOTEAMENTO

RAMAL DO PORVIR VELHO

RIO ACRE

LAGO
Vista panorâmica das moradias do pólo Agroflorestal de Brasiléia
2.1 - CARACTERIZAÇÃO DO AMBIENTE

• PRECIPITAÇÃO - média anual 1773 a 1877 mm


• TEMPERATURA - média 24,5º c
• UMIDADE RELATIVA DO AR - 80 a 90%
• VEGETAÇÃO - floresta aberta com palmeira
• SOLOS (ZEE/AC) - ARGISSOLO AMARELO plíntico
• Características
• Argila de baixa atividade
• Cores amareladas
• Saturação de bases < 50%
• Caráter plíntico - tabatinga em profundidade variável
2.2. Amostragem da terra

Equipe Técnica do Levantamento Retirando Amostra de Solos para Análise


SOLO E AMBIENTE
PLINTOSSOLO PÉTRICO

Camada de cima até 40 cm com piçarra

Horizonte B de 40 a 90 cm

Couraça laterítica de 5 cm (camada pedregosa)

Camada amarelada de 95 a 130 cm

Camada de tabatinga (horizonte C) de 130 a 140 cm+


CARACTERÍSTICAS DESSE AMBIENTE

- Ocorrem geralmente nas áreas mais altas do Pólo;


- Podem ocorrer camadas de pedra (couraça lateríticas) inteiras ou quebradas;
- A camada de piçarra em cima pode impedir o bom desenvolvimento das
raízes das plantas;
- São ácidos, pobres em nutrientes, com alumínio em níveis tóxicos e
necessitam de correção para que haja bom desenvolvimento das plantas e
conseqüentemente produções satisfatórias;
- Recomenda-se nestes solos plantar culturas com raízes não muito profundas
(com espigão pequeno);
- Nesse ambiente, não se recomenda o uso de máquinas e implementos
agrícolas, uma vez que podem ser danificadas;
- Recomenda-se sempre deixar essas áreas cobertas com vegetação, por
serem sujeitas à erosão, uma vez que ocorrem nas áreas mais altas.
- Este solo encontra-se no ambiente I
COURAÇA LATERÍTICA

Plantio de banana em área de Plintossolo Pétrico Detalhe da couraça de ferro quebradiça na BR 317

Detalhe do desnível que ocorre na área Pedaço de couraça encontrada em área de pastagem
ARGISSOLO AMARELO Distrófico

Horizonte A ( Ariúsco) até 56 cm

Horizonte BA de 56 a 76 cm

Horizonte B (cores amareladas) de 76 a 190 cm+


CARACTERÍSTICAS DESSE AMBIENTE

- Ocorrem geralmente nas áreas mais altas do Pólo;


- São solos ariúscos e bem drenados (não encharcam com facilidade), o
que facilita a infiltração d’água, proveniente das chuvas, e o melhor
desenvolvimento das raízes das plantas
- Não apresenta restrição quanto a profundidade, podendo ser cultivados,
até mesmo, com plantas de raízes mais profundas;
- São propícios para o cultivo de mandioca, dado a natureza arenosa, o que
facilita o arranquio;
- Quando ocorrem na mata, a riqueza está concentrada, em sua maioria, na
camada de cima (influenciada pela matéria orgânica, oriunda da
decomposição das folhas e galhos da floresta);
- São ácidos, pobres em nutrientes, com alumínio em níveis tóxicos e
necessitam de correção para que haja bom desenvolvimento das plantas e
conseqüentemente produções satisfatórias;
-Nesse ambiente, pode-se usar máquinas e implementos agrícolas, para o
preparo da área de plantio, no entanto, deve-se utilizar práticas de
conservação de solo, a fim de poderem ser cultivadas segura e
permanentemente.
- Este solo encontra-se no ambiente I
Plantio de banana com mandioca em área de argissolo Plantio de banana com mandioca em área de Argissolo
Amarelo Amarelo

Detalho do relevo neste ambiente


ARGISSOLO VERMELHO Distrófico plíntico

Horizonte A até 20 cm

Horizonte B (cores avermelhadas) de 20 a 60 cm

Horizonte C (material que originou o solo) de 60 a 90+


(tabatinga)
CARACTERÍSTICAS DESSE AMBIENTE

- Ocorrem geralmente nas áreas de relevo ondulados, nas encostas (ladeiras),


apresenta maior problema de erosão;
- São ácidos, pobres em nutrientes, com alumínio em níveis tóxicos e
necessitam correção para que haja bom desenvolvimento das plantas e
conseqüentemente produções satisfatórias ;
- Não apresenta restrição quanto a profundidade, podendo ser cultivado, até
mesmo, com plantas de raízes mais profundas;
- São solos moderadamente a imperfeitamente drenados, o que dificulta o
desenvolvimento das raízes e a infiltração de água proveniente das chuvas;
- Nesse ambiente, pode-se usar máquinas e implementos agrícolas, para o
preparo da área de plantio, no entanto deve-se utilizar práticas de conservação
de solo, a fim de poderem ser cultivadas segura e permanentemente;
-Recomenda-se sempre deixar essas áreas cobertas com vegetação, por serem
sujeitas à erosão, uma vez que ocorrem nas áreas de encostas (ladeiras);
- Este solo encontra-se no ambiente II .
Plantio de mandioca em área de Argissolo Vermelho Detalhe da declividade neste Ambiente
Distrófico Plíntico

Plantio de milho em área de Argissolo Vermelho Distófico Plíntico


ARGISSOLO VERMELHO AMARELO Plíntico

Horizonte A até 10cm

Horizonte AB de 10-22cm

Horizonte Bt1 de 22-38cm

Horizonte Btf1 de 38-47cm

Horizonte Btf2 de 47-120+ (começa aparecer


tabatinga)
CARACTERÍSTICAS DESSE AMBIENTE

- Ocorrem geralmente em áreas de relevo suave ondulado, nas encostas


(pequenas ladeiras), menos sujeito a erosão;
- São ácidos, pobres em nutrientes, com alumínio em níveis tóxicos e
necessitam correção para que haja bom desenvolvimento das plantas e
conseqüentemente produções satisfatórias;
- Não apresenta restrição quanto a profundidade, podendo ser cultivado,
até mesmo, com plantas de raízes mais profundas;
- São solos moderadamente a imperfeitamente drenados, já apresenta
problema de infiltração d’água, proveniente das chuvas;
- Nesse ambiente, pode-se usar máquinas e implementos agrícolas, para
o preparo da área de plantio, no entanto deve-se utilizar práticas de
conservação de solo, a fim de poderem ser cultivadas segura e
permanentemente;
-Recomenda-se sempre deixar essas áreas cobertas com vegetação, por
serem sujeitas à erosão, uma vez que ocorrem nas áreas de encostas
(ladeiras).

- Encontra-se no ambiente II
Plantio de milho em área de Argissolo Vermelho Detalhe da declividade neste ambiente
Amarelo Plíntico

Aspecto de uma planta de citrus com deficiência de magnésio


PLINTOSSOLO

Horizonte A até 10cm

Horizonte AB de 10-23cm

Horizonte BA de 23-40cm

Horizonte Plíntico (começa aparecer cores

avermelhadas e cinzentas)
CARACTERÍSTICAS DESSE AMBIENTE

- Ocorrem geralmente em áreas de relevo plano a suave ondulado,


menos sujeito a erosão;
- São ácidos, pobres em nutrientes, com alumínio em níveis tóxicos e
necessitam correção para que haja bom desenvolvimento das plantas e
conseqüentemente produções satisfatórias;
- Apresenta restrição quanto a profundidade, recomenda-se nestes solos
plantar culturas com raízes não muito profundas (com espigão pequeno);
- São solos imperfeitamente a mal drenados, apresenta problema de
infiltração d’água, proveniente das chuvas;
-Nesse ambiente, pode-se usar máquinas e implementos agrícolas, para
o preparo da área de plantio. Deve-se fazer uma gradagem leve,
atentando para a época ideal, ou seja, nem muito seco e nem muito
molhado;
-Deve-se cultivar plantas adaptadas a esse tipo de solo, a fim de obter
produções satisfatórias;
-Recomenda-se sempre deixar essas áreas, quando em pousio, cobertas
com leguminosas, visando melhorar as propriedades físicas e químicas
do solo.
- Ocorre no ambiente IV
Plantio de bananeira em área de Plintossolo Plantio de milho em área de Plintossolo

Detalhe do relevo neste ambiente


GLEISSOLO

Perfil de Gleissolo retirado com trado holandês

Detalhe de amostra de gleissolo retirado com trado holandês


CARACTERÍSTICAS DESSE AMBIENTE

- Ocorrem geralmente em áreas próximas a rede de drenagem (Rios,


Igarapés, lagos e córregos), são permanentemente ou periodicamente
saturados por água(encharcados);
- São ácidos, pobres em nutrientes, com alumínio em níveis tóxicos e
necessitam correção para que haja bom desenvolvimento das plantas e
conseqüentemente produções satisfatórias;
- Apresenta restrição quanto a profundidade, recomenda-se neste
ambiente plantar culturas adaptadas, principalmente em função do
encharcamento prolongado que é submetido esse solo;
- São solos mal drenados, apresenta problema de infiltração d’água,
proveniente das chuvas;
-Recomenda-se sempre deixar essas áreas, cobertas com vegetação
natural (mata), garantindo dessa forma a preservação permanente dos
mananciais.

- Ocorre no ambiente IV.


Detalhe do relevo neste ambiente Ambiente onde ocorre o Gleissolo

Visão aérea do Rio Acre


CHAVE DE IDENTIFICAÇÃO DE AMBIENTES
PÓLO DE BRASILÉIA

PARTE DE CIMA
NAS PARTES ACIDENTADAS NAS PARTES PLANAS
(DIVISOR D'ÁGUA)

Presença de piçarra na Cores pálidas nos primeiros 20 Cores pálidas nos primeiros 20 Cores Pálidas nos primeiros 40
Ariusco de cima a baixo Cores acizentadas
superfície cm cm cm

Cores pintadas (vermelho,


Cores amareladas em todo Cores mais vermelhas na parte de Cores vermelhas amareladas na Próximo ao leito de rios,
Presença de couraça amarelo e cinza) abaixo dos 40
perfil baixo parte de baixo igarapés e corregos
cm

Na parte mais de baixo camada Na parte mais de baixo camada


Plintossolo Pétrico Argissolo amarelo Gleissolo Plintossolo
pintada (vermelho, amarelo e pintada (vermelho,amarelo e
cinza) cinza)

Argissolo Vermelho Amarelo


Argissolo Vermelho Plíntico
Plíntico
AMBIENTES

I II III
IV
Rio Acre

Divisor de água (ramal)

Planície aluvial do Rio Acre

orte esquemático transversal dos ambientes do PAF de Brasiléia


CARACTERIZAÇÃO DOS AMBIENTES
AMBIENTE DESCRIÇÃO
Encontrada nas áreas mais altas do pólo - divisor de
água. O relevo varia de plano a suave ondulado. Os
solos descritos neste ambiente foram o Argissolo
Amarelo e Plintossolo Pétrico.
O Argissolo Amarelo é de textura média. A julgar pelas
I condições fitossanitárias das plantas cultivadas neste
solo, os mesmos são pobres quimicamente. O
Plintossolo Pétrico apresentam piçarra na superfície e
presença de couraça laterítica em profundidades
variadas.
Encontrado em relevo ondulado, nas encostas
(ladeiras). São ácidos, pobres em nutrientes, com
alumínio em níveis tóxicos e necessitam de correção
II para que haja produções satisfatórias, são mais
predispostos a erosão. O tipo de solo encontrado neste
ambiente é o Argissolo Vermelho Distrófico Plíntico.
Encontrado em relevo suave ondulado. São ácidos,
pobres em nutrientes, com alumínio em níveis tóxicos e
necessitam de correção para que haja produções
III satisfatórias. O tipo de solo encontrado neste ambiente
é o Argissolo Vermelho Amarelo Plíntico.
Encontrados em relevo plano. São ácidos, pobres em
nutrientes, com alumínio em níveis tóxicos e
necessitam de correção para que haja produções
IV satisfatórias, são mais sujeitos ao encharcamento.
Estão na área de influência dos igarapés, lago e do rio
Acre. Neste ambiente encontram-se o Plintossolo e
Gleissolo.
DIAGNÓSTICO SÓCIO - ECONÔMICO

A - INFRA ESTRUTURA BÁSICA

1 - Estradas e Ramais - BR – 317 sentido Brasiléia/Assis Brasil pavimentada e em ótimas


condições; o ramal principal (Porvir Velho) permitir trafegabilidade o ano todo. Os ramais
secundários, recentemente, foram melhorados.
2 - Habitação - Das 72 famílias assentadas, 38 já foram contempladas com a construção de
suas moradias e 34 estão em fase de construção.
3 - Escola - Existe uma escola, que atende de 1a a 4a série, a partir da 5ª série este serviço é
disponibilizado aos alunos em escolas localizadas na zona urbana do município.
4 - Saúde - Este serviço é realizado no hospital e postos de saúde públicos de Brasiléia.
5 - Piscicultura - mini-estação de piscicultura, composta de 12 (doze) tanques. Gerenciado
pelo Estado/Prefeitura
6 - Energia Elétrica - O Pólo não possui, até o momento, rede de energia elétrica, mas está
prevista no Programa Luz Para Todos, que esta comunidade será beneficiada até o final de
2004.
7 - Recursos Hídricos - Vasta Rede de igarapés e nascentes “cortam” a área do Pólo.
B - Assistência Técnica

A Assistência Técnica, fator primordial para o desenvolvimento da comunidade é


realizada pelo órgão oficial do estado SEATER, com o apoio da Secretaria de
Extrativismo e Produção Familiar - SEPROF local.

C - Treinamentos e Cursos

Há necessidade e interesse dos produtores em serem capacitados nas seguintes


áreas:

- Sistemas agroflorestais - 25 produtores já foram capacitados;


- Beneficiamento e comercialização de produtos;
- Associativismo e cooperativismo - 25 produtores da comunidade já foram
capacitados.
CONCLUSÕES

O Pólo Agroflorestal de Brasiléia a princípio apresenta algumas


limitações de ordem química (fertilidade), física (drenagem, concreções
lateríticas “piçarra”) e morfológicas (relevo). Entretanto, se as unidades
produtivas forem trabalhados de forma adequados, potencializando sua
capacidade de uso, mediante assistência técnica continuada e apoio ao
seguimento produtivo, seguramente o pólo se tornará um assentamento viável,
onde todas as famílias assentadas terão condições concretas de viver
exclusivamente da renda obtida das atividades produtivas desenvolvidas no
pólo.

Deve-se apostar na diversidade da produção, tendo em vista a


infinidade de variáveis ambientais a que o produtor deve se adequar.
SEPROF
Secretaria de Extrativismo e Produção
Familiar
Av. Getúlio Vargas, 300 – Altos da UTILAR – Centro
69.900-660 Rio Branco – Acre
Fone/Fax: (68) 224-7404/223-8512/223-8543/223-3098/223-7355
E-Mail: polos.seprof@.ac.gov.br