Sei sulla pagina 1di 11
UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE U NIDADE A CADÊMICA DE S AÚDE C URSO DE B

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA

GRANDE

UNIDADE ACADÊMICA DE SAÚDE CURSO DE BACHARELADO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE U NIDADE A CADÊMICA DE S AÚDE C URSO DE B

TRABALHANDO COM FAMÍLIAS EM SAÚDE DA FAMÍLIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE U NIDADE A CADÊMICA DE S AÚDE C URSO DE B

Saúde Coletiva

Priscilla Castro

Como trabalhar com Famílias ?

  • Se dá através de intervenções curtas ao longo do

tempo Valendo das estruturas de cada família A relação construída ao longo das ações de saúde

  • Estratégia personalizada para cada família

Estar atento para os momentos chaves:

Cadastramento familiar; Mudanças no ciclo de vida; Surgimento de doenças crônicas ou agudas de maior impacto

Como trabalhar com Famílias ?  Se dá através de intervenções curtas ao longo do tempo

Etapas de trabalhar com famílias

Talbot( 1991)

  • 1. Associação

  • 2. Avaliação

  • 3. Educação em Saúde

4. Facilitação

  • 5. Referência

Etapas de trabalhar com famílias Talbot( 1991) 1. Associação 2. Avaliação 3. Educação em Saúde 4.

1. Associação

Interação família

1. Associação Interação família paciente Respeito da realidade e crenças de cada família O profissional deve

paciente

1. Associação Interação família paciente Respeito da realidade e crenças de cada família O profissional deve

Respeito da realidade e crenças de cada família O profissional deve estar atento para não deslizar em

atitudes centradas no seu próprio modo de ver a vida.

Comunicação baseada na realidade vivida e de complexidade adequada à pessoa que se pretende atingir.
Comunicação baseada
na realidade vivida e de
complexidade adequada
à pessoa que se
pretende atingir.
1. Associação Interação família paciente Respeito da realidade e crenças de cada família O profissional deve

1. Associação

Pontos centrais para o processo de associação

Momentos de contato coma família são preciosos, evite

desrespeitar crenças ou hierarquias familiares; Durante o primeiro contato frequentemente se encontram obstáculos:

  • a) De ordem profissional (não tem clareza ou segurança para um

entrevista familiar)

  • b) Para o cliente (teme perder seu status perante o profissional)

Cuidado com armadilhas:

  • a) Lateralização da comunicação com um dos membros da família;

  • b) Uso de linguagem inapropriada para o grupo familiar

  • c) Desrespeito a hierarquia do grupo e seus tempos de

comunicação

1. Associação Pontos centrais para o processo de associação Momentos de contato coma família são preciosos,

2. Avaliação

Através da avaliação é possível entender os caminhos pelos quais surgem as diferentes situações de agravo à saúde. EX: O porquê do alcoolismo ter uma grande incidência familiar

A avaliação adequada do papel

que

a

pessoa portadora de uma gravo tem em

sua estrutura familiar dá ao profissional um poder de intervenção que aumenta a

resolutividade da assistência.

2. Avaliação Através da avaliação é possível entender os caminhos pelos quais surgem as diferentes situações

2. Avaliação

As ferramentas de avaliação:

2. Avaliação As ferramentas de avaliação: a)Genograma : instrumento gráfico auxiliar na identificação de padrões de

a)Genograma: instrumento gráfico auxiliar na identificação de padrões de repetição de patologias e comportamentos. Permite uma

visualização rápida das ações a serem desenvolvidas. b)Ciclo de Vida: Identifica situações em que o surgimento de disfunções é mais frequente. Ex: estresse cresce nas frases de

transição.

c) Rede Social: Permite observar os apoios e as crenças. Facilita perceber quem são as pessoas chave para a busca de apoio e amparo.

2. Avaliação As ferramentas de avaliação: a)Genograma : instrumento gráfico auxiliar na identificação de padrões de

3. Educação em Saúde

Um dos momentos para se introduzir conceitos de educação em

saúde é quando o cliente procura a equipe de saúde. Nesta hora

uma adequada explanação sobre o processo de adoecer ajudará o cliente a lidar com a informação.

Construir um momento de educação em saúde:

Nivelar a informação à capacidade de percepção

3. Educação em Saúde Um dos momentos para se introduzir conceitos de educação em saúde é

do cliente Ajudá-lo a perceber a situação ao qual ele encontra

Permitir que ele dê o primeiro passo

3. Educação em Saúde Um dos momentos para se introduzir conceitos de educação em saúde é

Deve estar baseado na história e experiência das pessoas

4. Facilitação

Permitir a troca adequada de sentimentos e informações que

facilitem a manutenção e recuperação da saúde da família.

A comunicação em situações de doença exige atenção redobrada na percepção e sentimentos de culpa e das situações de equilibrio.

O trabalho de facilitação da comunicação permitem que a pessoas explorem seus sentimentos e esclareçam suas duvidas.

4. Facilitação Permitir a troca adequada de sentimentos e informações que facilitem a manutenção e recuperação

5. Referência

Nos casos necessário referir a família aos níveis de maior complexidade.

E importante fazer contato com o profissional referenciado para

acompanhar a situação do cliente.

Este acompanhamento permite que s explica ao cliente e sua

família os resultados obtidos.

5. Referência Nos casos necessário referir a família aos níveis de maior complexidade. E importante fazer