Sei sulla pagina 1di 22

ENVELHECIMENTO

Feira de Santana
2007
Enfermagem
Matéria – Antropologia
2ºsemestre
Informações do artigo

Contribuição dos domínios físico, social, psicológico


e ambiental para a qualidade de vida global de idosos

Autores

• Renata Junqueira Pereira*


• Rosângela Minardi Mitre Cotta**
• Sylvia do Carmo Castro Franceschini***
• Rita de Cássia Lanes Ribeiro****
• Rosana Ferreira Sampaio†
• Silvia Eloiza Priore***
• Paulo Roberto Cecon††
Metodologia
• Estudo feito com indivíduos com idade igual ou superior
a 60 anos, residentes no município de Teixeiras - MG

• Realizou- se um cadastro prévio de todos os indivíduos


com o auxílio dos agentes comunitários de saúde (ACS)

• Período de pesquisa: agosto até dezembro de 2004.

• Foram excluídos os indivíduos que se encontravam


acamados, inconscientes, com problemas mentais e
aqueles institucionalizados.

• Totalizando 211 idosos

• Entrevista direta
Objetivo
• Trata-se de um estudo
observacional com intuito
de investigar a contribuição
de cada domínio da
qualidade de vida (físico,
social, psicológico e
ambiental) na qualidade de
vida global e em que
extensão esses domínios
explicam a qualidade de
vida global de idosos
residentes no município de
Teixeiras, MG.
Introdução
A tendência ao envelhecimento
populacional está acarretando mudanças
profundas em todos os setores da sociedade.
Mas é na saúde que tem maior transcendência,
tanto por sua repercussão nos diversos níveis
assistenciais como pela demanda por novos
recursos e estruturas.
Informações

• Atualmente, no Brasil, os idosos representam cerca de


10% da população geral.

• O censo de 2000 informou que, dos 169,5 milhões de


brasileiros, 15,5 milhões têm 60 anos ou mais, sendo
que projeções apontam um crescimento desse grupo.
Qualidade de vida para o
idoso
• Reflete a percepção que têm os indivíduos de suas
necessidades estão satisfeitas, relativo a auto-
realização, com dependência no seu estado de saúde
físico ou das condições sociais e econômicas.

• Dentre as vertentes, há sentimentos e emoções,


relações pessoais, eventos profissionais, propagandas
da mídia, política de sistemas de saúde, atividades de
apoio social e também dentro da perspectiva científica.

• Percepção do indivíduo de sua posição de vida no


contexto de cultura e sistema de valores nos quais vive,
em relação a seus objetivos, expectativas, padrões e
preocupações.
• Segundo Santos, a qualidade de vida do idoso
compreende a consideração de diversos critérios de
natureza biológica, psicológica e socioestrutural, pois
vários elementos são apontados como determinantes ou
indicadores de bem-estar na velhice: longevidade, saúde
biológica, saúde mental, satisfação, controle cognitivo,
competência social, produtividade, eficácia cognitiva,
status social, continuidade de papéis familiares e
ocupacionais e continuidade de relações informais com
amigos.
Influência na qualidade de
vida

• Sexo
• Escolaridade
• Idade
• Condição econômica
• Presença de incapacidades
Níveis de avaliação de Spilker

• Nível 1: Satisfação geral do indivíduo com a vida e


percepção do bem estar

• Nível 2: Domínios de qualidade de vida, sendo os mais


utilizados o psicológico, social e o físico.

• Nível 3: Aspectos específicos de cada domínio

• Propósito: Avaliar a influência dos domínios de


qualidade de vida (físico, psicológico, social e ambiental)
no global
Métodos de Avaliação
• Instrumento: WHOQOL- Bref (Word Health
Organization Quality of Life Instrument Bref)

• É composto por 4 domínios que tem como objetivo


analisa capacidade física, bem estar psicológico, as
relações sociais e o meio ambiente onde o indivíduo
está inserido e também é composto por um domínio que
analisa a qualidade de vida global.
• Todas as características socio-demográficas foram colocadas em
modelos de regressão linear múltipla, para se estudar o efeito delas
em cada um dos domínios de qualidade de vida do WHOQOL-Bref.
Constatou-se que:

• Sprangers et al.22 mostraram que fatores como idade


avançada, sexo feminino, baixo nível de escolaridade e
não ter companheiro estão relacionados a baixos níveis
de qualidade de vida.

• Os idosos estudados são, na maioria, de baixa renda e


de baixa escolaridade. A renda foi incluída por ser
considerada também um importante indicador
socioeconômico.

• É consenso que a produtividade e a empregabilidade


declinam com a idade.
• Os resultados deste estudo indicam que os idosos de
Teixeiras apresentaram bons escores de qualidade de
vida para todos os domínios do WHOQOL- Bref, quando
comparados à pontuação máxima dos escores para
cada domínio e às médias encontradas para os
diferentes domínios da qualidade de vida na população
estudada.

• Quando se estudou a influência das variáveis socio-


demográficas, a variável sexo, teve influência
significativa, porém, pequena, nos domínios físico,
psicológico e ambiental, sendo os escores médios
desses domínios significativamente maiores entre os
homens.
• Outra dimensão a ser considerada deve ser o ambiente
físico em que o idoso está inserido, uma vez que o domínio
ambiental foi o que apresentou a segunda maior influência
na qualidade de vida global.

• Há que se considerar as alterações psicológicas e de


inserção social pelas quais passam os indivíduos idosos,
de forma a minimizar os efeitos dessas transformações
decorrentes da idade na qualidade de vida desses sujeitos.

• Segundo Pereira, as avaliações subjetivas da qualidade de


vida em idosos devem preocupar-se com o que acontece
ao indivíduo nas diferentes etapas do envelhecimento,
desde mudanças físicas até a desvalorização social
conseqüente da aposentadoria, considerando qual seu
sentimento e entendimento dessas situações, seus ganhos
e perdas psicológicas, suas frustrações e aspirações.
Influência da idade na qualidade
de vida
• Os idosos de Teixeira preservam uma atividade física
regular, ainda que associada às atividades de trabalho
agrícola e/ou de locomoção.

• Capacidade funcional

• Quanto mais ativo é o idoso menos propenso é a


depressão

• Inserção do ido em domicílio multigeracionais


Gênero, sexualidade e doença

• Percepção do envelhecimento e aceitação:

Homem x mulher
Conclusão da pesquisa
• Os quatro domínios analisados não
explicam totalmente a variância do
domínio global da qualidade de vida.

• O bem-estar do idoso seria resultado


do equilíbrio entre as diversas
dimensões da capacidade funcional,
sem significar ausência de problemas
em todas as dimensões, tendo em
vista que o bem-estar pode ser
atingido por muitos,
independentemente da presença ou
não de enfermidades
Considerações Finais

• Avaliar as condições de vida e saúde do idoso permite a


implementação de propostas de intervenção, tanto em
programas geriátricos quanto em políticas sociais gerais,
no intuito de promover o bem-estar dos que
envelhecem. É uma tendência inevitável, portanto há
necessidade de atenção especial e adequação geral a
este fato, seja quanto a estrutura do ambiente
possibilitando liberdade ao idoso de ir e vir, a educação
no lidar e/ou respeito às suas dificuldades e ou
deficiências.
Referências
• Adam P & Herzlich C 2000. Sociologia da doença e da medicina.Editora da
Universidade do Sagrado Coração,Bauru.
• Alves PC & Rabelo MCM (org.) 1998. Antropologia e saúde.Traçando identidade e
explorando fronteira. Fiocruz-Relume Dumará, Rio de Janeiro.
• Alves PC & Rabelo MCM 1998. O status das ciências sociais em saúde no Brasil:
tendências, pp. 13-28. In PC Alves et al. (org.). Op. cit.
• Alves PC & Rabelo MCM 1998. Repensando os estudos sobre representações e
práticas, pp. 107-121 In PC
• Alves & MCM Rabelo (org.). Op. cit.
• Alves PC 1993. A experiência da enfermidade: considerações teóricas. Cadernos de
SaúdePública9(3):263-271.
• Alves PC 1994. O discurso sobre a enfermidade mental, pp. 91-99. In PC Alves &
MCS Minayo (org.). Saúde e doença: um olhar antropológico. Fiocruz, Rio de
Janeiro.
• Alves PC 1998. La antropologia médica en Brasil y el problema de la
interdisciplinariedad en los estudios sobre salud, pp. 187-196. In R Briceño-Leon
(coord.).Ciencias sociales ysalud en America Latina: un balance.Fundación Polar,
Caracas.
• Barbosa RM 1996. A trajetória feminina da Aids, pp. 17-31. In R Parker & J Galvão
(org.). Quebrando o silêncio.Mulheres e Aids no Brasil. ABIA-IMS-UERJ-Relume
Dumará, Rio de Janeiro.
• Birman J 1994. Sexualidade: entre o mal e as maledicências,pp. 109-115. In MA
Loyola (org.). Aids e a sexualidade.O ponto de vista das ciências humanas.
RelumeDumará-Uerj, Rio de Janeiro.
• Boltanski L 1979. As classes sociais e o corpo. Graal, Rio deJaneiro.
• Canesqui AM 1992. Consumo e avaliação dos serviços de saúde, pp. 13-28. In AW Spínola
(org.). Pesquisa social em saúde. Cortez Editora, São Paulo.
• Canesqui AM 1994. Notas sobre a produção acadêmica de antropologia e saúde na década de
80, pp. 13-32. In PC Alves & MCS Minayo (org.). Op. cit.
• Canesqui AM 1998. Ciências sociais e saúde: três décadasde ensino e pesquisa no Brasil.
Ciência & Saúde Coletiva3:131-168.
• Cardoso MHCA & Gomes R 2000. Representações sociaise história: referenciais teórico-
metodológicos para o campo da saúde coletiva. Cadernos de Saúde Pública 16(2):449-606.
• Carrara S 1994. Aids e doenças venéreas no Brasil, pp.73-108. In MA Loyola (org.). Aids e a
sexualidade: o ponto de vista das ciências humanas. Relume-Dumará, Rio de Janeiro.
• Carrara S 1994. Entre cientistas e bruxos. Ensaios sobre dilemas e perspectivas na análise
antropológica da doença, pp. 33-45. In PC Alves & Minayo MCS(org.). Op. cit.
• Carrara S 1996. A luta antivenérea no Brasil e seus modelos,pp. 17-37. In R Parker & RM
Barbosa (org.). Sexualidades brasileiras. Relume-Dumará, Rio de Janeiro.
• Carrara S 1996. Tributo a Vênus. A luta contra a sífilis noBrasil, da passagem do século aos
anos 40. Fiocruz,Rio de Janeiro.
• Carvalho F et al. 1998. Uma investigação antropológica na terceira idade: concepções sobre a
hipertensão arterial.Cadernos de Saúde Pública14(3):617-621.Claro LBL 1995. Hanseníase.
Representações sobre a doença.Fiocruz, Rio de Janeiro.
• Concurff P 1995. As novas sociologias. Construções da realidade social. Editora da
Universidade do Sagrado Coração,Bauru.
• Corrêa M 1994. Medicalização e a construção da sexualidade,pp. 117-140. In MA Loyola (org.).
Op. cit.
• Duarte LFD 1986. Da vida nervosa nas classes trabalhadoras urbanas. Jorge Zahar-CNPq, Rio
de Janeiro.
• Duarte LFD 1994. A outra saúde mental, psicossocial, físico-moral, pp. 46-57. In PC Alves &
MCS Minayo(org.). Op. cit.
• Duarte LFD 1998. Investigação antropológica sobre a doença, sofrimento e perturbação: uma
introdução, pp.9-27. In LFD Duarte & OF Leal (org.). Doença, sofrimento e perturbação:
perspectivas etnográficas. Fiocruz,Rio de Janeiro.