Sei sulla pagina 1di 6

http://www.examiner.

com/x-562-Book-Examiner~y2008m12d24-The-Twilight-
vs-Harry-Potter-Debate-Question-2

O Debate: Twilight vs. Harry Potter: Questão 2

24 de Dezembro, 12:43 AM
por Michelle Kerns, Book Examiner
Dê uma olhada nas respostas para a Questão #1 aqui, se você perdeu.

Questão #2: Como você acha que o enredo geral dos livros pode ser
comparado? Uma série é mais rica e mais complexa que a outra?

Team Potter começa primeiro dessa vez:

Srta. Annalisa Freeman:

O que me impressiona mais sobre Harry Potter é


a profundidade da história e o fato da
complexidade do enredo ter sido planejada desde
o primeiro capítulo. Enquanto cada livro se
sustenta sozinho pelo seu valor como
entretenimento, a idade torna apropriadas
batalhas que ele luta e que o estão preparando
para o conseqüente final depois que todos
aqueles que o protegem são retirados e ele
precisa encarar Voldermort sozinho. Harry está
constantemente ganhando mais experiência no
mundo mágico e aprendendo sobre seu próprio
passado para se preparar para a batalha épica.
Os fatos divertidos, mas aparentemente sem sentido, ao longo dos livros,
acabam sendo vitais para a trama. JKR pega itens menores que ela planta
em cada livro e faz deles partes integrais da história. O iluminador de
Dumbledore fica para Ron; a capa de Harry vem a ser uma das três insígnias
e o diário de Tom é uma horcrux; a professora louca de Adivinhação tem um
propósito, assim como a pior memória de Snape, a lenta exploração da casa
dos Black que revela um estranho medalhão e uma árvore genealógica é
muito importante; até mesmo uma conversa escutada entre Dumbledore e
Snape é a primeira pista que as coisas não são o que parecem em Enigma
do Príncipe. Tudo vem sendo construído e desenvolvido para um final, a
imaginação que o levou a se desenvolver é incrível.

A coisa que eu mais amo sobre a série é que a primeira vez que você a lê,
os primeiros livros não são nada mais do que uma boa história infantil. Sim,
é divertido ler sobre um garoto comum que se aventura como bruxo, mas
não é profundo. À medida que a série se desenvolve, sua ligação e seu
entendimento do que está acontecendo aumentam. Quando você chega ao
final, você está tão envolvido com essa história incrivelmente complexa que
você não pode parar de passar por todos os eventos na sua cabeça. Quando
você lê a série pela segunda vez, todas as pistas se tornam evidentes e
você percebe que essa história nunca foi só uma história infantil. Agora você
vê a história pelos olhos do Diretor que precisa preparar um garoto que ele
ama para uma perda incrível e de alguma maneira encontrar força para
deixar esse pequeno garoto ferido enfrentar muita tristeza e finalmente
deixa-lo enfrentar sua última batalha sozinho. A história se torna
completamente diferente e você começa a ver a história em vários níveis
diferentes. A história acaba no mesmo lugar que começou e você se dá
conta o quão longe você foi desde aquele início inocente.

Com Twilight, entretanto, a melhor parte da história é o início. Quanto mais


a história progride a partir daquela idéia original, mais sua magia diminui.
Se Twilight fosse apenas um único livro que terminasse com uma mordida, a
história teria sido boa. Desenvolvimentos de enredo sobre bebês-monstros e
ter uma impressão com bebês e os malignos Vulturi vindo destruir um clã e
então fugindo são coisas que são melhores se deixadas para a imaginação e
para as fan fics. Eu apenas acho que não há o suficiente nessa história para
garantir quatro livros extremamente longos.

O que SM criou em Twilight foi o cenário impossível de um rapaz que ama


uma garota que ele quer matar. A batalha por comida e sexo na mesma
pessoa é a agitação que move a série. É uma situação impossível e alguns
podem dizer que ela se saiu bem em resolver o conflito. Eu digo que ela
trapaceou. Em Breaking Dawn, SM joga fora seu canon (as regras sobre
vampiros e lobisomens que ela estabeleceu) para forçar um final feliz que
não se encaixa muito bem na história e só funciona com o uso de deus ex
machina1 quando Bella se torna uma mulher-maravilha vampira.

Vamos dar uma olhada no que SM minimizou ou


ignorou para nos levar até o final. Vampiros são
assustadores e sem alma, de acordo com Edward,
mas se nós realmente queremos que Bella seja
feliz, não pode ser tão ruim, então a sede torna-
se conseqüência de uma sanguessuga, em vez de
um impulso insaciável. Vampiros têm que romper
laços com suas famílias para proteger o seu
segredo, mas por Bella, nós podemos deixar
Charlie entrar sorrateiramente e nunca
questionar se um policial aceitaria monstros em
sua comunidade sem hesitação. Vampiros não
podem ter bebês, mas por Bella, nós podemos
desenvolver uma maneira de isso acontecer que
não tenha sentido completo, mas quem se
importa, é fantasia, só acompanhe. Lobisomens e
vampiros se odeiam de maneira inata, mas por Bella eles podem aprender a
se darem tão bem que os lobisomens - que tem uma impressão por pessoas
com os melhores genes para perpetuar a raça – teriam uma impressão por
um meio vampiro, seus inimigos mortais, para juntar as famílias.

Forever Dawn pode ter sido a intenção original, mas não se encaixa mais na
história. Porque SM não conseguiu casar Bella
logo depois de seu penúltimo ano do Secundário,
ela recorre à exploração de um relacionamento
com um lobisomem que distrai do amor

1
A expressão latina deus ex machina significa literalmente “Deus surgido da máquina” e tem origem no
teatro grego, quando um Deus era literalmente baixado por um guindaste até o local da encenação, para
amarrar todas as pontas soltas da história. Hoje, a expressão serve para indicar um desenvolvimento de
uma história que não leva em consideração sua lógica interna e é tão inverossímil que permite ao autor
terminá-la com uma situação improvável, porém mais palatável, quando uma pessoa ou uma coisa que de
repente aparece e resolve uma dificuldade aparentemente insolúvel. (Nota do tradutor).
obsessivo por um vampiro. A cena em Eclipse, no topo da montanha, em
que Bella beija Jacob porque ele a ludibria, é tão idealizada que eu não pude
acreditar que alguém cairia nessa a não ser que quisesse, e então a história
não é mais sobre seu amor eterno por Edward. As cenas entre Jacob e Leah
levam a história numa direção, mas já que esse não era o plano original
para os personagens, SM largou essa trama e pegou uma que deixa muitas
perguntas sem respostas e muita insatisfação, para justificar um ano
merecedor da obsessão por Jacob. De alguma maneira, isso deveria encobrir
a história e dar uma desculpa para o relacionamento de Bella e Jacob.

Até mesmo as pessoas que gostam da série vão concordar que “Breaking
Dawn foi bom exceto por” e então citar a impressão de mau gosto, os
entediantes capítulos dos Vulturi que não levaram a nada, todos os
momentos que acabam com cortes, os capítulos de Jacob, ou como a
história dos vampiros novos e seus poderes estava fora. Para que os fãs
aceitem um enredo, ele tem que ser crível e a supressão da descrença pode
levar você só até o limite da lógica, e a razão previne você de acreditar mais
na história. A idéia de Twilight é boa, mas a direção que a saga tomou não é
um encerramento viável para a história.

Você não pode me dizer quantas pessoas ficaram desapontadas com


Breaking Dawn porque suas expectativas eram muito altas. JKR teve
sucesso sob a mesma pressão. Algumas pessoas queriam que Harry
morresse, outras teriam começado protestos em massa se ele tivesse, e eu,
o que eu mais me importava era se Snape era bom e se suas razões fariam
sentido. Tantos desejos e expectativas contraditórios e é claro que há
pessoas que não gostaram de Insígnias da Morte, mas, no geral, JKR satisfez
as massas. SM não. Os fãs de Twilight podem criticar Potter pela abundância
de mortes, mas eu prefiro ter tristeza que faz você crescer e desenvolve e
completa uma história do que estagnar completamente a história para que
nada de ruim aconteça aos personagens. SM poderia ter dado a Edward e
Bella e até a Jacob um final feliz sem recorrer ao ridículo.

Srta. Molly Gerber: Não há comparação. Rowling passou anos antes de


escrever a série planejando o enredo e mapeando até mesmo o passado de
personagens sem muita importância. Cada aspecto é tão bem pensando
que detalhes mínimos podem ser discutidos por dez anos em fóruns. Até
mesmo agora, com todos os livros publicados, fãs acham coisas para
debater e discutir. Claro, há muitas coisas para os fãs discutirem em
Twilight, mas a maioria consistia em se Bella se tornaria ou não uma
vampira e quando Edward e Bella fariam sexo.

O enredo de Harry Potter leva você numa montanha-russa emocional mais


do que qualquer coisa que eu já tenha experimentado. Eu ri, eu chorei, eu
gritei de raiva, eu me aflingi. Claro, Twilight também tem uma montanha-
russa emocional, mas não ao nível de Harry Potter. JK Rowling não tem
medo de matar personagens, algo que ela provou várias vezes. Ninguém
estava a salvo. Pequenos detalhes, detalhes mínimos dos primeiros livros se
tornaram vitais nos últimos. Os livros Twilight são divertidos, mas os livros
de Harry Potter são uma narrativa épica arrebatadora que mantém os
leitores encantados do início ao fim.

Ms. Juliana Gomes: Eu não acho que a série Harry Potter seja mais
complexa que a série Twilight, mas eu realmente acho que é um pouco mais
rica (não que o enredo de Twilight não seja – eu amo ambos os livros e eu
sei o quão incríveis eles são).

Ainda que Stephenie Meyer seja uma escritora fantástica – uma das
melhores, de fato -, J.K. Rowling é como uma Deusa, mais que um gênio.
Porque Bella e Edward vivem um romance – um de tirar o fôlego, eu tenho
de dizer -, então o enredo e a história são voltados principalmente para isso,
e só isso. Mesmo que exista James, Victoria e os Vulturi, os livros são sempre
sobre Bella e Edward se amando e lutando para ficarem juntos. A série
Harry Potter, por outro lado, é muito mais do que
isso – é sobre ação, magia, amizade, família, o
sentido da vida, e, claro, sobre o amor. E
enquanto Stephenie focou em escrever enredos
diferentes para cada livro – primeiro salvando
Bella de James, depois resgatando Edward dos
Vulturi, então novamente salvando Bella, mas de
Victoria, e então salvando Renesmee dos Vulturi
-, J.K.Rowling permaneceu com o mesmo enredo,
a mesma história – com a relação Harry-
Voldemort -, mas de uma maneira que faz com
que tudo se conecte. É como se quando ela
estivesse escrevendo o primeiro livro, ela já
soubesse o que aconteceria no sétimo, mesmo
antes de escrevê-lo, porque as histórias dos sete
livros se interligam.

Mas ambos os enredos são sobre sempre lutar pelo que você quer,
protegendo aqueles que você ama (embora soe brega quando eu digo isso).

Srta. Victoria Landaker: Eu tenho que dizer que o enredo geral da série
Potter é bem mais intricado que o da série Twilight, principalmente por
causa da quantidade de atenção que J.K Rowling colocou no progresso da
história. Isso não significa que Stephenie Meyer não colocou a mesma
atenção na série Twilight; significa meramente que cada minúsculo detalhe
que aparece nos primeiros livros da série de Rowling, tem um imenso papel
na trama mais tarde. Por exemplo, ninguém teria adivinhado que a coroa
que apareceu por um breve instante em Enigma do Príncipe, na Sala
Precisa, acabaria sendo uma Horcrux em Insígnias da Morte. Esses
pequenos detalhes, assim como o desenvolvimento dos personagens,
contribuem para o enredo rico dos livros de Potter.

Vamos ver o que Team Twilight tem a dizer:

Srta. Caroline Gates: Twilight totalmente teve um enredo melhor, mais


rico e mais complexo que Harry Potter. Em Harry Potter, Harry tem
basicamente um único inimigo, Voldemort. Claro, ele também lida com o
estágio estranho da adolescência, brigas com os amigos, e a morte de seus
pais, mas move-se apenas em uma direção. Twilight surpreende você
constantemente com o enredo. Quando você pensa, “Oh! É agora que Bella
se tornará uma vampira!”, Stephenie Meyer dá uma reviravolta na trama!
Edward a deixa em New Moon. Bella não pode se tornar uma vampira se os
Cullen não estiverem lá. Então você tem as batalhas constantes com as
pessoas que estão caçando Bella. Ela é perseguida por James, Victoria,
Laurent, os Vulturi, e Jacob. Felizmente, Jacob não quer matá-la, mas tenta
ganhar sua afeição de novo e de novo. Eu diria que esse é um enredo bem
incrível se comparado a Harry.

Srta. Taelor Ball: Harry Potter é definitivamente mais complicado que


Twilight. Com todos os feitiços diferentes, personagens, e cenas de batalhas,
eu não consigo me lembrar o que acontece em que livro. E já muitos livros
Harry Potter para reler, de qualquer maneira.

Srta. Caroline Suh: Em complexidade e


riqueza, a série Twilight definitivamente
prevalece sobre Harry Potter. Mesmo com o
elemento fantástico de vampiros e lobisomens,
não sai do realismo dos sentimentos humanos e
interações com as quais os personagens têm de
lidar. Os livros Twilight não se apóiam em
seqüências de ação, como fazem os livros Harry
Potter, para manter os leitores em suspense (a
intensidade do relacionamento de Bella e Edward
lida muito bem com isso sozinha – Breaking Dawn
pessoal?!), mas ao invés disso, atrai as pessoas
com sua história de amor atemporal e
personagens e relacionamentos facilmente
identificáveis. Eu, por exemplo, facilmente
esqueço que os Cullen são vampiros ou que os
lobisomens correm soltos pela floresta, e ao invés
disso me encontro sentindo empatia por cada um dos personagens e seus
problemas ao lidar com namoro, amor não-correspondido, ser o novato na
cidade, pais divorciados, etc. Cada um dos personagens é tão complexo em
sua personalidade que qualquer um pode se identificar com algum aspecto
deles. O enredo da série Twilight evoca a história básica de amor de Romeu
& Julieta, ainda que seja capaz de aplicá-la a um mundo mais moderno, que
é o que faz a história mais atraente para as pessoas hoje. Em Harry Potter,
nós temos o mesmo velho conflito de bem versus mal. Logo, precisa de
uma expansão super-exagerada de criaturas mágicas (centauros, elfos-
domésticos, membros meio-gigantes do corpo docente, etc.) e terminologia
mágica estranha (dementador, trouxa, bicho-papão, berrador, etc.) para
manter a atenção do leitor, o que torna a série ainda mais irreal. A série
Harry Potter também depende da ruína de outros personagens (Sirius,
Dumbledore, etc.) para aumentar a determinação de Harry Potter em
derrotar Voldemort. Basicamente, em resumo, eu vejo mais valor e riqueza
nas complexidades das relações humanas do que no ataque de um
dementador perto de parques.

Srta. Laura Nelson: Primeiro, eu realmente acredito que a série Twilight


oferece um enredo mais rico e complexo do que a série Harry Potter, minha
única prova sendo a minha obsessiva necessidade de ler esses livros... de
novo e de novo e de novo. Os personagens parecem pessoas reais; de fato,
eu fique procurando por Edward, Bella e Jacob em cada esquina depois de
ler os livros pela primeira vez. O mundo que Stephenie Meyer criou não
rivaliza com nenhuma outra ficção que eu já tenha lido. Ela certamente tem
um jeito com as palavras na construção de seus personagens, descrição dos
ambientes, e esculpindo seus enredos fascinantes. O enredo da série
Twilight gira em torno do amor de Edward e Bella e a intensa necessidade
por parte dele de proteger Bella de qualquer perigo. Essa proteção obrigada
que Edward é compelido a fornecer toca todas as partes da vida de Bella,
seja chegar na escola em segurança, evitar um vampiro que a está
perseguindo, ou a mantê-la segura contra um bando de vampiros recém-
nascidos que estão treinados para mata-la. O enredo tem surpresas em
cada canto, e Bella está constantemente em perigo, de uma maneira ou
outra. Há também muito conflito na série Harry Potter, embora eles
usualmente girem em torno de proteger um grupo. Há o sempre presente
Voldemort, que anseia por tirar a vida de Harry, o que cria uma trama muito
dramática ao longo da série. Eu acho que as similaridades entre os enredos
residem nos constantes conflitos, perigo e batalhas, e a incerteza que os
personagens principais enfrentam constantemente. A diferença na serie
Twilight é o intenso amor entre Edward e Bella. Isso é o que dá o tom a cada
livro e é, em alguns pontos da série, a única esperança a que os leitores
podem se agarrar. Meyer descreve um amor tão intenso que muitos
morreriam por ele. Há também a presença de uma coerência e devoção
familiar na série Twilight que não é aparente em Harry Potter. Poderia ser
discutido, entretanto, que a família de Harry consistia nos Weasley,
Hermione, Dumbledore e Hagrid. Há uma devoção a Harry em todos esses
personagens, mas no fim eu não vejo nenhum amor que seja cegante o
suficiente para desarmar os leitores e capturar seus corações da maneira
que o amor de Twilight fez com o meu.

Yow, há ótimos argumentos de ambos os lados. Agora, dê uma


olhada na Questão #3: Das duas séries, quais lições a sua favorita
ensina aos jovens leitores e como elas se comparam às lições
ensinadas pela outra série?