Sei sulla pagina 1di 38
CRIMINOLOGIA Profª Mônica Resende Gamboa
CRIMINOLOGIA
Profª Mônica Resende Gamboa
CONCEITO “É a ciência empírica e interdisciplinar que se ocupa do estudo do crime, da
CONCEITO
“É a ciência empírica e interdisciplinar que se ocupa do estudo do crime,
da pessoa do infrator, da vítima e do controle social do comportamento
delitivo, que trata de subministrar uma informação válida e contrastada
sobre a gênese, dinâmica e variáveis do crime, contemplando este
como problema individual e como problema social, buscando
programas de prevenção eficaz e técnicas de intervenção positiva no
homem delinquente e nos diversos modelos ou sistemas de resposta
ao delito”.
Antonio Garcia-Pablos de Molina
CRIMINOLOGIA Ciência ou Disciplina? Criminogênese Esgota sua tarefa na coleta de dados? Criminalista ou
CRIMINOLOGIA
Ciência ou Disciplina?
Criminogênese
Esgota sua tarefa na coleta de dados?
Criminalista ou Criminologista?
a. Geral b. Clínica c. Científica CRIMINOLOGIA d. Aplicada e. Acadêmica f. Analítica g. Radical
a.
Geral
b.
Clínica
c.
Científica
CRIMINOLOGIA
d.
Aplicada
e.
Acadêmica
f.
Analítica
g.
Radical
h.
Criminalística
MÉTODOS DE ESTUDO 1. EMPIRISMO Processo indutivo que se baseia na experiência e na observação
MÉTODOS DE ESTUDO
1.
EMPIRISMO
Processo indutivo que se baseia na experiência e na observação
Achismo?
Experimentação?
Informe de autodenúncia
JUIZ – ANÁLISE DE PREMISSAS – DEDUZ
CRIMINÓLOGO - ANÁLISE DE DADOS - INDUZ
TÉCNICAS DE INVESTIGAÇÃO a. Investigação extensiva b. Investigação intensiva c. Investigação-ação d. Testes
TÉCNICAS DE INVESTIGAÇÃO
a. Investigação extensiva
b. Investigação intensiva
c. Investigação-ação
d. Testes projetivos
teste de Rorschach
teste do Desenho
teste de Inteligência
TABELA DE QI ESTADO MENTAL QI EVOLUÇÃO MENTAL EVOLUÇÃO SOCIAL Hipofrenia <90 < 12 anos
TABELA DE QI
ESTADO MENTAL
QI
EVOLUÇÃO MENTAL
EVOLUÇÃO SOCIAL
Hipofrenia
<90
< 12 anos
--------------------
Idiota
<20
< 3 anos
Incapaz de cuidar-se
Imbecil
>20<50
3 e 7 anos
Incapacidade de
subsistência
Débil Mental
>50<90
7 e 12 anos
Incapacidade de vida
normal
Normal
>90<120
12
e 18 anos
Vida normal
Hiperfrenia
>120
>18 anos
Excepcional capacidade
de assimilação
QI Superior
>120<140
17
e 22 anos
Impaciência e
Irritabilidade
QI Genial
>140
>23 anos
Rapidez de assimilação
MÉTODOS DE ESTUDO 2.INTERDISCIPLINARIDADE É a junção de ciências diversas no estudo e investigação do
MÉTODOS DE ESTUDO
2.INTERDISCIPLINARIDADE
É a junção de ciências diversas no estudo e investigação do
fenômeno criminal, contribuindo cada uma delas com seus
métodos de trabalho
Ciência plural?
Autônoma ou Independente?
Multidisciplinaridade?
TRÍPLICE ALCANCE CRIMINOLOGIA: reúne informações válidas e confiáveis sobre o problema criminal buscando conhecer
TRÍPLICE ALCANCE
CRIMINOLOGIA: reúne informações válidas e confiáveis
sobre o problema criminal buscando conhecer a realidade
para interpretá-la (Etapa Explicativa)
POLÍTICA CRIMINAL: transforma a experiência
criminológica em estratégias científicas assumiveis pelo
Poder Público, relacionando as causas do crime e os
efeitos da pena (Etapa Decisiva)
DIREITO PENAL: converte em proposições jurídicas, gerais
e obrigatórias, o saber criminológico esgrimido pela
Política Criminal, com estrito respeito às garantias
individuais constitucionais (Etapa Instrumental)
POLÍTICA CRIMINAL 1. Conceito: conjunto sistemático de princípios e estratégias, segundo as quais o Estado
POLÍTICA CRIMINAL
1. Conceito: conjunto sistemático de princípios e estratégias,
segundo as quais o Estado luta contra o delito
2. Finalidade: conter os alarmantes índices de criminalidade.
3. Patrono: Franz Von Lizst
4. Obra: Princípios de Política Criminal, 1889
5. Exemplos: Sursis, livramento condicional, inimputabilidade
aos menores de 18 anos, INFOCRIM etc
DIREITO PENAL CRIMINOLOGIA Proteção de bens essenciais ao convívio em sociedade através das sanções penais.
DIREITO PENAL
CRIMINOLOGIA
Proteção de bens essenciais ao convívio
em sociedade através das sanções
penais.
Prevenção do delito é um de seus
principais objetivos.
Não dá o diagnóstico do fenômeno
criminal.
Faz o diagnóstico do crime e a tipologia
do criminoso, analisando o meio em
que vive, seus antecedentes
emocionais, motivações do crime
Preocupa-se unicamente com a
dogmática, isto é, com o crime enquanto
fato descrito na norma legal, para
descobrir sua adequação típica.
Busca conhecer a realidade para
interpretá-la e criar soluções para
prevenir o delito visando o progresso.
É a ciência normativa do “DEVER SER”
É a ciência empírica do “SER”
OBJETOS DE ESTUDO 1. CRIME 2. CRIMINOSO 3. VÍTIMA 4. CONTROLE SOCIAL
OBJETOS DE ESTUDO
1. CRIME
2. CRIMINOSO
3. VÍTIMA
4. CONTROLE SOCIAL
CRIME • Direito Penal • Sociologia • Criminologia • Clássicos • Positivistas
CRIME
• Direito Penal
• Sociologia
• Criminologia
• Clássicos
• Positivistas
CRIMINOSO • Escola Clássica • Escola Positiva • Atualmente
CRIMINOSO
• Escola Clássica
• Escola Positiva
• Atualmente
VÍTIMA FASES: • Protagonismo • Neutralização • Redescobrimento
VÍTIMA
FASES:
• Protagonismo
• Neutralização
• Redescobrimento
CONTROLE SOCIAL • Conceito • Agentes de controle • Policiamento Comunitário • Relação com os
CONTROLE SOCIAL
• Conceito
• Agentes de controle
• Policiamento Comunitário
• Relação com os custos sociais
FINALIDADE 1. Prevenção do Delito 2. Ressarcimento da Vítima 3. Ressocialização do Delinquente
FINALIDADE
1. Prevenção do Delito
2. Ressarcimento da Vítima
3. Ressocialização do Delinquente
CLASSIFICAÇÃO CRIMINOSOS CÂNDIDO MOTTA: HILÁRIO VEIGA: 1) HABITUAL 1) BIOCRIMINOSO PURO 2) OCASIONAL 2)
CLASSIFICAÇÃO CRIMINOSOS
CÂNDIDO MOTTA:
HILÁRIO VEIGA:
1)
HABITUAL
1) BIOCRIMINOSO PURO
2)
OCASIONAL
2) BIOCRIM. PREPONDERANTE
3)
IMPETUOSO
3) MESOBIOCRIMINOSO
4)
FRONTEIRIÇO
4) MESOCRIMINOSO PURO
5)
LOUCO
5) MESOCRIM.PREPONDERANTE
CLASSIFICAÇÃO CRIMINOSOS LOMBROSO FERRI GAROFALO MARANHÃO Nato Nato Assassino Ocasional Louco Louco Violento
CLASSIFICAÇÃO CRIMINOSOS
LOMBROSO
FERRI
GAROFALO
MARANHÃO
Nato
Nato
Assassino
Ocasional
Louco
Louco
Violento
Sintomático
Ocasião
Habitual
Ladrão
Caracterológico
Paixão
Ocasional
Lascivo
Passional
CLASSIFICAÇÃO CRIMINOSOS OBS.: 1) Exame criminográfico 2) Fórmula de Abrahamsen C= T+S R
CLASSIFICAÇÃO CRIMINOSOS
OBS.:
1) Exame criminográfico
2) Fórmula de Abrahamsen
C= T+S
R
FATORES CRIMINÓGENOS BIOLÓGICOS (BIOCRIMINOGÊNESE) 1) Antropometria 2) Antropologia 3) Biotipologia (Kretschmer
FATORES CRIMINÓGENOS
BIOLÓGICOS
(BIOCRIMINOGÊNESE)
1)
Antropometria
2)
Antropologia
3)
Biotipologia (Kretschmer e Sheldon)
4)
Neurofisiologia
5)
Endocrinologia
6)
Genética
ANTROPOMETRIA
ANTROPOMETRIA
ANTROPOLOGIA
ANTROPOLOGIA
BIOTIPOLOGIA
BIOTIPOLOGIA
NEUROFISIOLOGIA
NEUROFISIOLOGIA
ENDOCRINOLOGIA
ENDOCRINOLOGIA
GENÉTICA
GENÉTICA
FATORES CRIMINÓGENOS PSICOLÓGICOS (PSICOCRIMINOGÊNESE) 1) 2) 3) 4) 5) 6) Ego Fraco Mimetismo Desejo de
FATORES CRIMINÓGENOS
PSICOLÓGICOS
(PSICOCRIMINOGÊNESE)
1)
2)
3)
4)
5)
6)
Ego Fraco
Mimetismo
Desejo de lucro imediato
Necessidade de Status
Insensibilidade Moral
Espírito de Rebeldia
ABULOMANIA
ABULOMANIA
MIMETISMO
MIMETISMO
DESEJO DE LUCRO IMEDIATO
DESEJO DE LUCRO IMEDIATO
NECESSIDADE DE STATUS
NECESSIDADE DE STATUS
INSENSIBILIDADE MORAL
INSENSIBILIDADE MORAL
ESPÍRITO DE REBELDIA
ESPÍRITO DE REBELDIA
PSICOPATIA PERSONALIDADE PSICOPÁTICA OU ANTISSOCIAL • Pobreza afetiva • Não aprendem com a experiência •
PSICOPATIA
PERSONALIDADE PSICOPÁTICA OU ANTISSOCIAL
• Pobreza afetiva
• Não aprendem com a experiência
• Narcisistas
• Egocêntricos
• Comportamento egossintônico
• Manipuladores
• Atraentes
• Inteligência potencial
NÃO SÃO LOUCOS!!!
PSICOPATAS
PSICOPATAS
FATORES CONDICIONANTES PSIQUIÁTRICOS 1) Esquizofrenia e Transtorno Psicótico 2) Transtorno de Ânimo e Humor 3)
FATORES CONDICIONANTES
PSIQUIÁTRICOS
1)
Esquizofrenia e Transtorno Psicótico
2)
Transtorno de Ânimo e Humor
3)
Transtorno de Ansiedade (Neuroses)
4)
Transtorno Sexual
5)
Transtorno no Controle de Impulso
FATORES CONDICIONANTES SOCIOLÓGICOS (SOCIOCRIMINOGÊNESE) 1) Desestruturação Familiar 2) Reenculturação 3)
FATORES CONDICIONANTES
SOCIOLÓGICOS
(SOCIOCRIMINOGÊNESE)
1) Desestruturação Familiar
2) Reenculturação
3) Promiscuidade
4) Analfabetismo
5) Fator econômico