Sei sulla pagina 1di 50
Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências da Saúde Curso de Graduação em Enfermagem

Universidade Federal de Santa Maria

Centro de Ciências da Saúde

Curso de Graduação em Enfermagem

Avaliação e Tratamento de Feridas

Rodrigo M. da Silva

SILVA, 2010

Cronograma • Introdução • Tipos de Cicatrização • Avaliação de Feridas • Bordas • Desbridamento
Cronograma • Introdução • Tipos de Cicatrização • Avaliação de Feridas • Bordas • Desbridamento

Cronograma

Introdução Tipos de Cicatrização

Avaliação de Feridas

Bordas Desbridamento

Tratamento de Feridas

• Tipos de Cicatrização • Avaliação de Feridas • Bordas • Desbridamento • Tratamento de Feridas
• Tipos de Cicatrização • Avaliação de Feridas • Bordas • Desbridamento • Tratamento de Feridas

Ferida

Ferida Introdução Para DEALEY (1996), o conceito de ferida é “qualquer lesão que leve a uma

Introdução

Para DEALEY (1996), o conceito de ferida é “qualquer lesão que leve a

uma quebra da continuidade da pele”, ou seja, qualquer ruptura que comprometa uma das principais barreiras de proteção do nosso organismo

Curativo

“Curativo é o procedimento de limpeza e cobertura de uma lesão, com o

objetivo de auxiliar no tratamento da ferida ou prevenir a colonização dos

locais

de inserção de dispositivos invasivos, diagnósticos ou terapêuticos” (Jorge &

Dantas,2003:69)”

L e s ã o A b e r t a Tratamento e o auxílio

Lesão Aberta

L e s ã o A b e r t a Tratamento e o auxílio no

Tratamento e o auxílio no processo de cicatrização

ÚMIDOt a Tratamento e o auxílio no processo de cicatrização Nos locais de inserção de dispositivos

Nos locais de

inserção de

dispositivos

invasivos

ÚMIDO Nos locais de inserção de dispositivos invasivos Umidade é um fator de risco para a

Umidade é um fator de risco para a colonização ou infecção bacteriana

inserção de dispositivos invasivos Umidade é um fator de risco para a colonização ou infecção bacteriana

SECO

inserção de dispositivos invasivos Umidade é um fator de risco para a colonização ou infecção bacteriana
inserção de dispositivos invasivos Umidade é um fator de risco para a colonização ou infecção bacteriana
Avaliação das Feridas Avaliar e documentar a evolução da ferida é imprescindível para se determinar

Avaliação das Feridas

Avaliar e documentar a evolução da ferida é imprescindível para se determinar o tratamento apropriado para cada caso.

Esta avaliação e documentação deve ser feita de forma SISTEMÁTICA, desde a ocorrência da lesão
Esta
avaliação
e
documentação
deve
ser
feita
de
forma
SISTEMÁTICA, desde a ocorrência da lesão até sua completa resolução.
Fatores Gerais
Fatores Locais
Idade
.
Nutrição
Crônica ou Aguda
Etiologia(Arterial, Venosa, Diabética,
Patologias Associadas
Por pressão)
Condições Vasculares
Drogas
Estado neurológico
Infecção
Avaliação Tópica
Dor
Classificação das Lesões 1) Classificação das feridas pelo grau de lesão tissular Em estágios( Em

Classificação das Lesões

1) Classificação das feridas pelo grau de lesão tissular Em estágios( Em alguns tipos de
1) Classificação das feridas pelo grau de lesão tissular
Em estágios( Em alguns tipos de lesões)
Por Profundidade( Superficial ou Profunda)
2)Classificação para lesões abertas baseadas nas cores
do leito da ferida
3)Classificação quanto ao aspecto do exsudato.
4) Classificação de acordo com a dimensão da ferida
As úlceras por pressão são classificadas por ESTÁGIOS Eritema(não reativo- Alívio da pressão- Não há

As úlceras por pressão são classificadas por ESTÁGIOS

Eritema(não reativo- Alívio da pressão- Não há melhora imediata(Prazeres, 2009).
Eritema(não reativo- Alívio
da pressão- Não há
melhora imediata(Prazeres,
2009).
HIPEREMIA- A hiperemia é um aumento da quantidade de sangue circulante num determinado local, ocasionado

HIPEREMIA- A hiperemia é um aumento da quantidade de

sangue circulante num determinado local, ocasionado pelo

aumento do número de vasos sanguíneos funcionais.(Poder ser por acúmulo de sangue arterial ou venoso).

ERITEMA- Eritema é o nome dado à coloração avermelhada da

pele ocasionada por vasodilatação capilar, sendo um sinal típico

da inflamação.

dado à coloração avermelhada da pele ocasionada por vasodilatação capilar, sendo um sinal típico da inflamação.
dado à coloração avermelhada da pele ocasionada por vasodilatação capilar, sendo um sinal típico da inflamação.

2)Classificação para lesões abertas baseadas nas cores do leito da ferida ( Sistema RYB)

Vermelha

Cor vermelha com aspecto limpo indica presença de

tecido de granulação

saudável;

Vermelho escuro com

aparência friável é indicativo de processo infeccioso em andamento;

Vermelho opaco, tendendo

ao cinza, significa uma

diminuição ou retardo da

granulação;

Amarela

Amarelo forte há grande quantidade de material

Fibrótico(necrose de

liquefação) e outros

componentes oriundos da

degradação celular;

Por vezes há uma mistura

das cores amarela e vermelha indicando haver Granulação mas persistindo,

ainda, tecido fibrótico no

leito da ferida;

Características- amarelo,

frouxo e úmido.

Preta

Cor preta confirma presença de tecido

Necrótico(Necrose de

Coagulação);

Podem estar presentes,

também, o pus e o material

fibroso que favorecem a proliferação de microorganismos;

Pode

ser

observada

a

presença de escara.

3)Classificação quanto ao aspecto do exsudato. Exsudato seroso  É plasmático; Aquoso, transparente 

3)Classificação quanto ao aspecto do exsudato.

Exsudato seroso É plasmático;

Aquoso, transparente Normalmente presente em lesões

limpas;

Exsudato sanguinolento Lesão vascular;

Exsudato serossanguinolento- Fluido, seroso e ligeiramente

róseo.

Exsudato purulento, espesso é o resultado de leucócitos e

microorganismos vivos ou mortos, apresentando coloração que

pode variar entre amarelo, verde ou marrom de acordo com o

agente infeccioso.

Detalhes Importantes para o Registro e Acompanhamento

Detalhes Importantes para o Registro e

Acompanhamento

Detalhes Importantes para o Registro e Acompanhamento
Detalhes Importantes para o Registro e Acompanhamento

Necrose de Coagulação- Necrose

Necrose de Coagulação- Necrose - Padrão mais comum de necrose - Conversão da célula em arcabouço

- Padrão mais comum de necrose

- Conversão da célula em arcabouço opaco

- Degradação do núcleo e manutenção forma celular básica

- Apresenta-se como crosta escura, seca e extremamente aderida ao subcutâneo.

- Uma das mais difíceis de ser desbridadas por agentes químicos ou enzimáticos

em pouco tempo

- Mais indicado desbridamento mecânico ou cirúrgico.

-Obs: “ Na maior parte das vezes, apresenta necrose de liquefação logo abaixo da

crosta”. (PRAZERES, 2009, pg 49)

Escara

É a necrose que cobre PARTE OU TODA ferida e se mantém bastante aderida a seu

leito.

Necrose de Liquefação- Esfacelo - Comum em lesões bacterianas - Aspecto esbranquiçado(muitas vezes esverdeado), opaco,

Necrose de Liquefação- Esfacelo

- Comum em lesões bacterianas

- Aspecto esbranquiçado(muitas vezes esverdeado), opaco, desvitalizado.

- Esse tipo de necrose responde bem a ação de agente desbridantes de

origem enzimática, química ou autolítica.

- Composta de fibrina, bactérias, leucócitos, células mortas, exsudato

seroso e uma quantidade significativa de DNA.

Fibrina Decorrente de processos fisiológicos.

Quando há um corte ou um machucado

que faz romper a pele, forma-se a Fibrina, que é uma agregação das plaquetas na região onde

houve rompimento dos vasos sanguíneos, essa proteína produz uma rede que estanca o sangue,

pois forma o coágulo composto por hemáceas,

leucócitos e plaquetas, que ficam presos na rede

de fibrina, dessa forma a fibrina impede o

vazamento do sangue.

leucócitos e plaquetas, que ficam presos na rede de fibrina, dessa forma a fibrina impede o

Bordas

Bordas A inspeção da pele circundante demonstrará se existem alterações como celulite, edema, hiperceratose,

A inspeção da pele circundante demonstrará se existem alterações

como celulite, edema, hiperceratose, maceração, dermatite de contato ou calos.

A palpação dos pulsos quando a lesão é em membros inferiores é

importante para se observar a perfusão sanguínea no local.

O ideal e desejável é encontrar a borda lisa, não enrolada e aderida ao leito da ferida.

a borda lisa, não enrolada e aderida ao leito da ferida. As bordas devem ser mantidas

As bordas devem ser

mantidas úmidas, mas o excesso

de umidade pode levar a maceração, isso pode ocorrer por excesso de exsudato drenado que atinge a pele ou bordos da ferida

ou devido a banhos que ofereçam

umidade exagerada.

Desbridamento- Debridamento Conceito- É a remoção do tecido inviável ou necrótico e de corpos estranhos

Desbridamento- Debridamento

Conceito- É a remoção do tecido inviável ou necrótico e de corpos estranhos do leito da ferida, a fim de auxiliar na reparação do tecido de granulação e

conseqüente cicatrização.

IMPORTANTE

Não confundir tecido

isquemiado com

tecido necrótico.

Não confundir tecido isquemiado com tecido necrótico. • EXISTE RELAÇÃO DIRETA ENTRE NECROSE E CONTAMINAÇ ÃO.

EXISTE

RELAÇÃO

DIRETA

ENTRE

NECROSE E CONTAMINAÇ

ÃO.

Tecido Isquêmico

Tecido Isquêmico O tecido isquêmico, apesar de já apresentar lesão celular por qualquer agente, tem possibilidade

O tecido isquêmico, apesar de já apresentar lesão celular por qualquer agente,

tem possibilidade de retornar ao estado normal sem necessitar de desbridamento.

Tecido Necrótico

É um tecido avascular, logo não sangra e o paciente não sente dor no local.

É um meio de infecção e não reage a antibioticoterapia sistêmica por ser

desvitalizado.

Tecido necrótico e cicatrização não ocupam o mesmo lugar ao mesmo tempo.

Estimula um processo inflamatória exacerbado, com muita secreção e odor.

Tratamento de Feridas 1) Coberturas Utilizadas na Prevenção de Lesões • Utilizadas em pele íntegra

Tratamento de Feridas

1) Coberturas Utilizadas na Prevenção de Lesões

Utilizadas em pele íntegra após aplicação de escala de avaliação de riscos.

Também podem ser usadas em UPP de grau II, drenando exsudato de quantidade

moderada

São Eles:

Filme Transparente

Hidrocolóide

Filme Transparente

Filme Transparente Mecanismo de Ação : Utilizado para reduzir o atrito evitando o surgimento de UPP.

Mecanismo de Ação: Utilizado para reduzir o atrito evitando o surgimento de UPP. Além disso, reduz o manuseio no local de inserção de catéteres quando usado para fixá-los.

Indicações:

Fixação de Catéteres.

Prevenção de UPP’s.

Fixação de Curativos.

Contra- Indicações

Pacientes com sudorese aumentada.

Sangramento logo após a punção do cateter( curativo com compressa de

gaze).

Modo de Usar:

Modo de Usar: Para prevenção de UPP  Aplicar diretamente no local de pressão. Não há

Para prevenção de UPPAplicar diretamente no local de pressão.

de UPP  Aplicar diretamente no local de pressão. Não há necessidade troca diária, deve-se esperar

Não há necessidade troca diária, deve-se esperar o

descolamento, que dependerá do manuseio do paciente

pela equipe e o grau de agitação do paciente.

Reduz o atrito, mas não a pressão.

Para Fixação de Cateteres Aplicar diretamente sobre local

puncionado, não havendo necessidade colocar compressas com gaze

por baixo.

Para Fixação de Curativos Aplicar diretamente sobre o curativo primário ou sobre a compressa de gaze.

Hidrocolóide

Hidrocolóide Composição:Polímeros de Carboximetilcelulose Sódica, gelatina e pectina compõe a maioria dos curativos

Composição:Polímeros de Carboximetilcelulose Sódica, gelatina e pectina

compõe a maioria dos curativos de Hidrocolóides. Existem placas com Alginato

de Cálcio e Prata, para absorção do exsudato e redução do acúmulo de bactérias no leito da lesão.

Indicações:

Prevenção de UPP reduz atrito e pressão.

Feridas Cirúrgicas limpas com ou sem pontos.

Tratamento de Feridas pouco exsudativas.

Barreira para efluentes de fístulas e ostomias.

Contra- Indicações:

Áreas úmidas

Região Sacra em caso de incontinência fecal e urinária ou diarréia.

Feridas Intactas

Modo de Usar: Aplicar diretamente na área selecionada.

Observações:

Observações:  Se for usado em feridas com umidade poderá haver formação de gel com odor

Se for usado em feridas com umidade poderá haver formação de gel com odor

fétido, produzido pelo próprio curativo.

Nas

absorção vertical.

feridas

muito

exsudativasMaceração

de

bordas pois não

realiza

próprio curativo.  Nas absorção vertical. feridas muito exsudativas  Maceração de bordas pois não realiza
2) Coberturas Utilizadas para o Tratamento de Lesões São aquelas que são usados no processo

2) Coberturas Utilizadas para o Tratamento de Lesões

São aquelas que são usados no processo de cicatrização, preferencialmente nas fases proliferativas e de maturação.

São eles:

Alginato de Cálcio e Sódio

AGE( Ácidos Graxos Essenciais)

Triglicerídeos de Cadeia Média

Cobertura não- aderente estéril (Adaptic)

Alginato de Cálcio e Sódio

Alginato de Cálcio e Sódio • Alteram o ambiente no leito da ferida • Induzem hemostasia

Alteram o ambiente no leito da ferida

Induzem hemostasia e agregação plaquetária

Também auxiliam no processo de desbridamento autolítico.

O Gel impede saída lateral de exsudato e conseqüentemente a maceração das bordas da ferida. Ele não adere ao leito e é facilmente removido com jatos de soro

fisiológico.

Indicações

Ulcerações exsudativas em geral.

Ulceras diabéticas, por pressão, vasculares.

Feridas Cavitárias em geral.

Áreas doadoras de enxerto.

Feridas Sangrantes

Desbridamento de pequenas áreas com necrose de liquefação.

Contra-indicações

Contra-indicações • Grandes queimados( devido ao risco de perdas hídricas que o curativos pode ocasionar). •

Grandes queimados( devido ao risco de perdas hídricas que o curativos pode ocasionar). Prevenção de UPP

Modo de Usar: Aplicar sobre a lesão, preenchendo cavidades, túneis e

descolamentos.Requer curativo secundário.

Observações

Têm-se usado muito o Alginato associado ao AGE para otimizar o processo cicatricial, devido a associação da capacidade de cicatrização do AGE e ao equilíbrio fornecido pelas trocas de íons cálcio e sódio.

Quando há 100% de tecido de granulação saudável, o Alginato pode ser trocado

a cada 48 horas.

Duração de 5 a 7 dias, mas deve ser trocado sempre que tiver encharcado.

Ácido Graxo Essencial

Ácido Graxo Essencial Mecanismo de Ação: • Papel importante na manutenção da integridade da pele e

Mecanismo de Ação:

Papel importante na manutenção da integridade da pele e restauração da barreira de permeabilidade epidérmica.

O ácido linoleico causa resposta inflamatória( atrai leucócitos) e é agente na

neoformação do tecido conectivo, acelerando o processo de cicatrização.

Obs: A formação do tecido de granulação com AGE ocorre de forma mais

organizada.

Indicação:

Feridas de todos os tipos em processo de cicatrização, preferencialmente na fase

proliferativa.

Prevenção de UPP.

Contra-indicação Feridas com presença de necrose de coagulação, pois o desbridamento autolítico proporcionado pelo AGE é muito lento.

Triglicerídeo de Cadeia Média Triglicerídeos de cadeia média são capazes de alterar funções leucocitárias

Triglicerídeo de Cadeia Média

Triglicerídeos de cadeia média são capazes de alterar funções leucocitárias modificando reações inflamatórias e imunológicas, acelerando o processo de granulação por manter o ambiente úmido.

São utilizados no tratamento de feridas abertas com ou sem infecção e

profilaxia de úlceras de pressão, por formar uma película protetora sobre a pele.

abertas com ou sem infecção e profilaxia de úlceras de pressão, por formar uma película protetora
abertas com ou sem infecção e profilaxia de úlceras de pressão, por formar uma película protetora
Cobertura Não-Aderente Estéril - (Adaptic)- Gaze Vaselinada Mecanismo de Ação: - Proporciona a não-aderência da

Cobertura Não-Aderente Estéril - (Adaptic)- Gaze Vaselinada

Mecanismo de Ação:

- Proporciona a não-aderência da ferida e permite o livre fluxo de exsudatos.

Indicação:

- Lesões superficiais de queimaduras, úlceras, áreas doadoras e receptoras de

enxerto, abrasões, lacerações e demais lesões com necessidade da não-

aderência do curativo à lesão.

Tipos de Feridas:

-Feridas superficiais limpas.

Contra indicação:

- Feridas com cicatrização por primeira intenção;

- Feridas infectadas.

Periodicidade de Troca: Trocar o curativo de contato sempre que apresentar aderência à lesão ou

Periodicidade de Troca:

Trocar o curativo de contato sempre que apresentar aderência à lesão ou de acordo

com saturação do curativo secundário.

Observações:

- Produtos de hidrocarbonatos saturados derivados do petróleo podem causar irritação e reação granulomatosas;

- Requer curativo secundário.

saturados derivados do petróleo podem causar irritação e reação granulomatosas; - Requer curativo secundário.
saturados derivados do petróleo podem causar irritação e reação granulomatosas; - Requer curativo secundário.

3) Produtos para Desbridamento

3) Produtos para Desbridamento São aqueles que têm atividade de limpeza na lesão, por diferentes mecanismos,

São aqueles que têm atividade de limpeza na lesão, por diferentes mecanismos,

dependentes de sua composição.

Podem estimular o processo de quimiotaxia dos macrófagos(AGE), manter o equilíbrio da umidade( Géis) ou por ação enzimática.

Fazem parte desse grupo:

Géis Curativos Impregnados com Prata Sulfadiazina de Prata

Colagenase

Prontosan

Géis

Géis Mecanismo de Ação: A umidade promovida pelo gel hidrata o leito da ferida proporcionando desbridamento

Mecanismo de Ação: A umidade promovida pelo gel hidrata o leito da ferida

proporcionando desbridamento autolítico das crostas ou esfacelos.

Indicações Manter o leito da ferida úmido, em caso de lesões muito secas.

Desbridamento de necrose de liquefação pouco exsudativa (isotônicos).

Desbridamento da necrose de coagulação(hipertônicos).

Contra- indicações

Queimaduras de Terceiro Grau

Feridas com exsudato em média ou grande quantidade.

Contra- indicações Queimaduras de Terceiro Grau Feridas com exsudato em média ou grande quantidade.
Contra- indicações Queimaduras de Terceiro Grau Feridas com exsudato em média ou grande quantidade.
Modo de Usar: Aplicar uma camada fina na áreas a ser hidratada ou desbridada. Obs:

Modo de Usar: Aplicar uma camada fina na áreas a ser hidratada ou desbridada.

Obs: O uso de gel em feridas muito exsudativas maceras as bordas da lesão e a pele

adjacente.

Ex: Askina - Hidrogel

de gel em feridas muito exsudativas maceras as bordas da lesão e a pele adjacente. Ex:

Ação seletiva

de gel em feridas muito exsudativas maceras as bordas da lesão e a pele adjacente. Ex:

Curativos impregnados com prata

Curativos impregnados com prata Composição: Esponjas ou compressas não-aderentes impregnadas com prata. Geralmente

Composição: Esponjas ou compressas não-aderentes impregnadas com prata.

Geralmente estão associados a outros componentes, dentre eles:

Carvão ativado= Tem por função reduzir o odor da lesão.

Espumas e hidrocolóides= Tem por função controlar e manter o ambiente úmido.

Mecanismo de Ação: Principalmente o controle de bactérias presentes no leito da

lesão. Age pela liberação da prata com o exsudato. A bactéria tem tropismo pela

prata e, ao entra em contato com a mesma, é impedida de multiplicar-se.

Indicações

Desbridamento de lesões com esfacelos e muito exsudativas.

Redução da Multiplicação bacteriana no leito da ferida.

lesões com esfacelos e muito exsudativas. • Redução da Multiplicação bacteriana no leito da ferida. Prata

Prata

lesões com esfacelos e muito exsudativas. • Redução da Multiplicação bacteriana no leito da ferida. Prata

Alginato

Contra- Indicações

Contra- Indicações • Feridas secas e em fase de granulação • Exposição óssea • Modo de

Feridas secas e em fase de granulação

Exposição óssea

Modo de Usar: Aplicar sobre a ferida, preenchendo túneis, cavidades e descolamentos. Algumas apresentações não podem ser cortadas.

Algumas apresentações não podem ser cortadas. Curativo de Alginato com Prata ( Nome comercial- Askina)

Curativo de Alginato com Prata ( Nome

comercial- Askina)

Curativo de Alginato com Prata ( Nome comercial- Askina) Curativo de Alginato com Prata ( Nome

Curativo de Alginato com Prata ( Nome

comercial- Aquacel)

Sulfadiazina de Prata

Sulfadiazina de Prata Mecanismo de Ação: É ativa contra grampositivos, negativos e Cândidas Albicans . Indicação:

Mecanismo de Ação: É ativa contra grampositivos, negativos e Cândidas

Albicans .

Indicação:

- Prevenção de colonização e tratamento da ferida queimada.

Contra indicação:

-Hipersensibilidade ao produto.

- Cuidado com as Crianças( Causa cegueira)

Modo de usar:

- Lavar a ferida com SF 0,9%;

Periodicidade de Troca:

- No máximo a cada 12 horas ou quando a cobertura secundária estiver

saturada.

Observações:

- Retirar o excesso de pomada remanescente a cada troca de curativo.

Sulfadiazina de prata de ação lenta

Sulfadiazina de prata de ação lenta É a sulfadiazina de prata ligada a um lisossoma que

É a sulfadiazina de prata ligada a um lisossoma que estimula a liberação gradativa

da substância.

Indicada para lesões pequenas e tratamento ambulatorial.

Sulfadiazina de prata com nitrato de cério:

Têm ação bactericida e promove imunomodulação do queimado.

Maior eficácia em grandes queimados.

A aplicação tópica produz em 3 a 5 dias uma placa calcificada que não se depreende

espontaneamente, contudo os tecidos viáveis evoluem melhor e tornam-se aptos a enxertia mais rapidamente.

Colagenase

Colagenase • Enzima exógena para desbridamento de feridas. • Segundo Prazeres(2009), a colagenase tem ação

Enzima exógena para desbridamento de feridas.

Segundo Prazeres(2009), a colagenase tem ação seletiva, mas muito autores

dizem o contrário. A ação enzimática da colagenase se dá por 2 caminhos:

1. Digestão direta dos componentes do esfacelo( fibrina, bactérias, leucócitos,

células mortas, exsudato seroso).

2. Dissolve as fibras que fixam as placas de necrose no leito da ferida.

Desvantagens:

Ação Lenta

Necessita Ph específico e temperatura ideal.

As enzimas atrapalham o processo de granulação e epitelização, pois estimulam

a degradação dos receptores de membrana e fatores de crescimento.

Prontosan

Indicação

Prontosan Indicação • Para crostas finas e superficiais deve-se usar a solução de irrigação. • As

Para crostas finas e superficiais deve-se usar a solução de irrigação. As crostas maiores devem ser mantidas umedecidas.

Limpeza e hidratação de feridas crônicas

Manter a umidade ideal em bandagens e curativos.

Observações

Alta compatibilidade tissular

Não inibe granulação e epitelização

Pode ser usado repetida e continuamente

Absorve odores da ferida

Depois de aberto, pode ser usado por até 8 semanas

Solução 350 ml

aberto, pode ser usado por até 8 semanas Solução 350 ml • Pode ser mantido no
aberto, pode ser usado por até 8 semanas Solução 350 ml • Pode ser mantido no

Pode ser mantido no leito da feridas durante a permanência do curativo.

8 semanas Solução 350 ml • Pode ser mantido no leito da feridas durante a permanência

Prontosan Gel 30ml

Prontosan Gel

Prontosan Gel A quantidade a ser aplicada n leito da ferida vai depender do intervalo entre

A quantidade a ser aplicada n leito da ferida vai depender do intervalo entre

as trocas de curativos:

Troca diária( até 24 horas): Colocar uma camada de pelo menos 3mm

Troca com intervalo maior que 24 horas: colocar uma camada de 3 a

5mm.

horas): Colocar uma camada de pelo menos 3mm  Troca com intervalo maior que 24 horas:
horas): Colocar uma camada de pelo menos 3mm  Troca com intervalo maior que 24 horas:

Antissépticos Tópicos

Antissépticos Tópicos São desinfetantes não tóxicos que podem ser aplicados à pele ou em tecidos vivos

São desinfetantes não tóxicos que podem ser aplicados à pele ou em tecidos vivos e tem a capacidade de destruir compostos vegetativos como bactérias, impedindo seu crescimento. Logo, eles reduzem a quantidade de microorganismo na

superfície do corpo.Dentre eles cita-se:

PVPI(Polivinil Pirrolidona Iodo) ou Soluções Iodoforadas

Clorexidina Alcoólica

do corpo.Dentre eles cita-se: • PVPI(Polivinil Pirrolidona Iodo) ou Soluções Iodoforadas • Clorexidina Alcoólica
do corpo.Dentre eles cita-se: • PVPI(Polivinil Pirrolidona Iodo) ou Soluções Iodoforadas • Clorexidina Alcoólica
PVPI(Polivinil Pirrolidona Iodo) ou Soluções Iodoforadas • Não tem sido muito utilizado como antisséptico tópico,

PVPI(Polivinil Pirrolidona Iodo) ou Soluções Iodoforadas

Não tem sido muito utilizado como antisséptico tópico, pois é inativado pelo exsudato das feridas. Entretanto é preciso saber que ele tem uma ótima ação anti- séptica contra a maioria das bactérias gram-positivas e negativas, fungos e vírus.

O IODO é citotóxico para os fibroblastos, retarda a epitelização e a força

tensional da ferida.

Cuidar com relação a alergias ao IODO.

Existe no mercado o PVPI Tópico e o Degermante.

tensional da ferida. • Cuidar com relação a alergias ao IODO. • Existe no mercado o
tensional da ferida. • Cuidar com relação a alergias ao IODO. • Existe no mercado o
CCIH dos HUSM preconiza PVPI Tópico para: - Assepsia de pele e mucosas para sondagens

CCIH dos HUSM preconiza

PVPI Tópico para:

- Assepsia de pele e mucosas para sondagens vesicais.

-Pinos de Fixadores externos se houver mucosa exposta.

-PVPI Degermante:

- Tem sido substituído pela clorexidina alcoólica.

- Antigamente era usado para antissepsia de mãos.

-PVPI Degermante: - Tem sido substituído pela clorexidina alcoólica. - Antigamente era usado para antissepsia de
-PVPI Degermante: - Tem sido substituído pela clorexidina alcoólica. - Antigamente era usado para antissepsia de

Clorexidina Alcoólica

Clorexidina Alcoólica Mecanismo de Ação: - A atividade germicida se dá por mudanças fisiológicas e citológicas

Mecanismo de Ação:

- A atividade germicida se dá por mudanças fisiológicas e citológicas e o efeito

letal é devido à destruição da membrana citoplasmática bacteriana.

Indicação

Clorexidina 0,5%:

-Na inserção de cateteres vasculares para prevenção de colonização( usar antes da

passagem e nos curativos).

- Nos pinos dos fixadores externos( se não houver mucosa exposta).

Clorexidina 2%( Sabão):

-Antissepsia de mãos

-Banho de paciente sabidamente colonizado.

-Antisepsia de sítio cirúrgico

CCIH

Contra - indicação:

Feridas abertas de qualquer etiologia

Contra - indicação: Feridas abertas de qualquer etiologia Periodicidade de Troca: - Cateteres - cobertura com

Periodicidade de Troca:

- Cateteres - cobertura com gaze: cada 24 horas; - Filme transparente até no máximo 07 dias ou quando com sujidade,

umidade, enrugamento, soltura ou qualquer outro tipo de comprometimento.

Observações:

Os curativos devem ser inspecionados diariamente e trocados quando

sujos ou úmidos.

de comprometimento. Observações: Os curativos devem ser inspecionados diariamente e trocados quando sujos ou úmidos.
de comprometimento. Observações: Os curativos devem ser inspecionados diariamente e trocados quando sujos ou úmidos.
Evolução
Evolução

Evolução

Evolução
Evolução
Produtos Utilizados PVPI( Bordas) Soro Fisiólogico 0,9%
Produtos Utilizados PVPI( Bordas) Soro Fisiólogico 0,9%

Produtos Utilizados

PVPI( Bordas)

Soro Fisiólogico 0,9%

Produtos Utilizados PVPI( Bordas) Soro Fisiólogico 0,9%
Produtos Utilizados PVPI( Bordas) Soro Fisiólogico 0,9%

Produtos Utilizados

Prontosan( Limpeza e Desbridamento)

Gaze Vaselinada( Hidratação)

Askina( Desbridamento Autolítico)

Produtos Utilizados Prontosan( Limpeza e Desbridamento) Gaze Vaselinada( Hidratação) Askina( Desbridamento Autolítico)
Produtos Utilizados Prontosan( Limpeza e Desbridamento) Gaze Vaselinada( Hidratação) Askina( Desbridamento Autolítico)
Necrose de Liquefação(Esfacelo )
Necrose de Liquefação(Esfacelo )

Necrose de Liquefação(Esfacelo)

Necrose de Liquefação(Esfacelo )
Necrose de Liquefação(Esfacelo )
Referências Bibliográficas LIMA, Ione Costa. SANTOS, Juliane Diniz dos. MARINS, Raquel Paes. RIBEIRO, Tatiane Marques.

Referências Bibliográficas

LIMA, Ione Costa. SANTOS, Juliane Diniz dos. MARINS, Raquel Paes. RIBEIRO, Tatiane Marques. Caderno de Enfermagem em Ortopedia. Curativos- Orientações Básicas. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência a Saúde. Instituto Nacional de Tráumato- Ortopedia, 2006.32 pág.

PRAZERES, Silvana Janning. Tratamento de Feridas: Teoria e Prática. Editora Moriá.

2009. 378 pág.

DEALEY, C. Cuidando de feridas um guia para enfermeiras. 2ed. São Paulo: Atheneu, 2001.

PVPI Tópico. Disponível em < http://www.vansil.com.br/principal/index.php> .

Acesso em 25/04 às 18horas. PVPI Degermante.

Disponível

em

<

http://www.vansil.com.br/principal/index.php> . Acesso em 25/04 às 18horas.