Sei sulla pagina 1di 3

1.

Introdução

  • a. Critica ao biônimo:

i.

Interesse privado versus Interesse público

  • b. Os grandes temas de conflitos estão adaptados não mais a situações

iminentemente individuais, mas sim conflitos coletivos.

  • c. Após a Segunda Grande guerra surge:

i.

Direito Metaindividuais = acima dos direitos individuais

  • d. Em 1965, no Brasil, já possuímos a defesa do direito metaindividual

i.

Lei 4.717/65 lei da Ação Popular

1.

Finalidade: Proteger direito metaindividual

  • e. Grande impulso na tutela dos Direitos Metaindividuais

i.

A lei 6.938/81, que institui a Política Nacional do Meio Ambiente

  • f. Constituuição de 88

 

i.

Admite a tutela de Direitos:

1.

Individuais o que já era feito tradicionalmente

2.

COLETIVOS

 
  • a. Terceira espécie de direitos: o bem ambiental!

  • b. Art. 225: Bem que não é publico e nem,

tampouco, particular, mas sim de uso comum do povo.

  • g. Conceito legal de Direito Metaindividual: Lei n. 8.078, de 1990 =

C.D.C. art. 81

 

i.

Difuso

ii.

Coletivo

iii.

Individuais homogêneos

  • 2. Direito Difuso Art. 81. A defesa dos interesses e direitos dos consumidores e das vítimas poderá ser exercida em juízo individualmente, ou a título coletivo.

Parágrafo único. A defesa coletiva será exercida quando se tratar de:

I - interesses ou direitos difusos, assim entendidos, para efeitos deste código, os transindividuais, de natureza indivisível, de que sejam titulares pessoas indeterminadas e ligadas por circunstâncias de fato;

  • a. Transindividualidade:

i.

(metaindividuais, supraindividuais, pertencentes a vários

ii.

indivíduos) Transcendem o individuo

iii.

Dimensão coletiva

  • b. Indivisibilidade

i.

Indivisível

ii.

(só podem ser considerados como um todo)

iii.

Ex: Ar atmosférico

  • c. Titulares indeterminados e interligados por circunstancias de fato

i.

(Ou seja, indeterminabilidade dos sujeitos, não há individuação)

ii.

Inexiste relação jurídica

iii.

Não existe um vínculo comum de natureza jurídica,

iv.

Ligação fática

  • d. Direito difuso e o Meio ambiente - Dieito ambiental

  • 3. Direito coletivo II - interesses ou direitos coletivos, assim entendidos, para efeitos deste código, os transindividuais, de natureza indivisível de que seja titular grupo, categoria ou classe de pessoas ligadas entre si ou com a parte contrária por uma relação jurídica base;

    • a. Transindividualidade, determinabilidade dos titulares e objeto

i.

Transcendem o individuo

ii.

Titular grupo, categoria ou classe de pessoas (indeterminadas, ma

iii.

determináveis, frise-se, enquanto grupo categoria ou classe) Titulares identificáveis

iv.

Ligados por uma relação jurídica

v.

Objeto individual

  • 4. Direito individual homogêneo III - interesses ou direitos individuais homogêneos, assim entendidos os decorrentes de origem comum

    • a. Direitos individuais

    • b. Objeto divisível

    • c. Critério de distinção dos Direitos Quadro comparativo:

DIREITOS OU INTERESSES Coletivos Difusos Ind. Hom. determinável Situação de fato indivisíveis Indeterminável determinável indivisíveis Relação
DIREITOS OU INTERESSES Coletivos Difusos Ind. Hom. determinável Situação de fato indivisíveis Indeterminável determinável indivisíveis Relação
DIREITOS OU INTERESSES
DIREITOS OU INTERESSES
DIREITOS
OU
INTERESSES
DIREITOS OU INTERESSES Coletivos Difusos Ind. Hom. determinável Situação de fato indivisíveis Indeterminável determinável indivisíveis Relação
Coletivos Difusos Ind. Hom.
Coletivos
Difusos
Ind. Hom.
determinável Situação de fato indivisíveis Indeterminável determinável indivisíveis Relação Jurídica divisíveis Origem comum
determinável
Situação de fato
indivisíveis
Indeterminável
determinável
indivisíveis
Relação Jurídica
divisíveis
Origem comum
DIREITOS OU INTERESSES Coletivos Difusos Ind. Hom. determinável Situação de fato indivisíveis Indeterminável determinável indivisíveis Relação
DIVISIBILIDADE ORIGEM GRUPO
DIVISIBILIDADE
ORIGEM
GRUPO
  • 5. processual

Representação

do

grupo

lesado/

Reparação

dos

Direitos

coletivos

REPRESENTAÇÃO PROCESSUAL DO GRUPO LESADO/

REPARAÇÃO DOS DIREITOS COLETIVOS

Do

aspecto

processual,

o

que

caracteriza

os interesses

transindividuais, não é apenas o fato de diversas pessoas estarem ligadas por circunstâncias jurídicas, fáticase ou comuns. MAS, IMPORTA CONSIDERAR: o reconhecimento pela ordem jurídica, da necessidade de uma nova forma de acesso à justiça. O acesso à justiça individual (na defesa desses interesses) deve se dar por meio do processo coletivo, a fim de evitar decisões contraditórias e com vistas a própria economia processual (exercido de uma só vez, em proveito de todo o grupo.) A promulgação do Código de Defesa do Consumidor em 1990, trouxe profundo impacto sobre o processo civil, pois possibilita a tutela simultânea de um número incontável de pessoas titulares de determinados direitos lesionados, sem que seja necessário o reconhecimento processual dessas pessoas e nem mesmo a especifica lesão que cada um tenha sofrido. A reparação desses direitos também dar-se-á de forma diferenciada, seja pela pena pecuniária na forma de multas, seja pela pena de restauração da coisa danificada ou seja pela compensação. Nisso os direitos difusos também inovam, já que transpassou a idéia de pena consubstanciada no direito penal (prisão ou pena de multa), ou a idéia de reparação do direito civil tradicional (indenização ou ressarcimento do dano). No direito ambiental é possível a compensação de uma área devastada com o plantio de outra área, ou mesmo a simples obrigação de praticar determinada ação a fim de cessar o dano provocado. Assim os interesses difusos são tutelados já há muito tempo no direito brasileiro e de forma diversificada com inovações profundas no ordenamento jurídico sem com isso provocar os costumeiros traumas que as mudanças radicais trazem à sociedade.