Sei sulla pagina 1di 84

Os anúncios e os textos assinados são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião da revista Revista NOIZE - Alguns Diretos Reservados

da revista Revista NOIZE - Alguns Diretos Reservados DO UNDERGROUND AO MAINSTREAM • EXPEDIENTE #45// ANO

DO UNDERGROUND AO MAINSTREAM

- Alguns Diretos Reservados DO UNDERGROUND AO MAINSTREAM • EXPEDIENTE #45// ANO 5 // JULHO ‘11_

EXPEDIENTE #45// ANO 5 // JULHO ‘11_

DIREÇÃO:

ASSIST. ARTE:

ASSINE A NOIZE:

Kento Kojima

Camila Fernandes

assinatura@noize.com.br

Pablo Rocha

camilafernandes@noize.

Rafael Rocha

com.br

AGENDA:

COMERCIAL:

ASSESSORIA DE

shows, festas e eventos agenda@noize.com.br

Pablo Rocha

COMUNICAÇÃO:

pablo@noize.com.br

noize@noize.com.br

ASSESSORIA

Silvana Fuhrmann

JURÍDICA:

silvana@noize.com.br

DISTRIBUIÇÃO:

Zago & Martins

Marcos Schneider

Advogados

DIRETOR DE

marcos@noize.com.br

CRIAÇÃO:

Henrique Dias

PONTOS:

Rafael Rocha

henrique@noize.com.br

Faculdades

rafarocha@noize.com.br

Colégios

 

GERENTE DE

Cursinhos

EDITORA CHEFE:

PROJETOS:

Estúdios

Cristiane Lisbôa

Leandro Pinheiro

Lojas de Instrumentos

cristianelisboa@noize.

leandro@noize.com.br

Lojas de Discos

com.br

Lojas de Roupas

 

EDITORA DE

Lojas Alternativas

EDITOR:

PROJETOS

Agências de Viagens

Tomás Bello

ESPECIAIS:

Escolas de Música

tomas@noize.com.br

Lidy Araújo

Escolas de Idiomas

REPÓRTER

lidy@noize.com.br

Bares e Casas de Show Shows, Festas e Feiras

ESPECIAL:

REDAÇÃO:

Festivais Independentes

Marília Pozzobom

Bruno Nerva

marilia@noize.com.br

brunonerva@noize.

TIRAGEM:

com.br

30.000 exemplares

REDAÇÃO:

Júlia Lang

Marcela Bordin

julialang@noize.com.br

CIRCULAÇÃO

marcela@noize.com.br

Igor Beron

NACIONAL

Rafa Carvalho

igor@noize.com.br

rafacarvalho@noize.

Laryssa Araújo

com.br

laryssa@noize.com.br

DESIGN:

ANUNCIE NA

Felipe Guimarães

NOIZE:

felipe@noize.com.br

comercial@noize.com.br

COLABORADORES

comercial@noize.com.br • COLABORADORES 1.Ariel Martini_ ainda insiste em fazer fotos de show.

1.Ariel Martini_ainda insiste em fazer fotos de show. flickr.com/arielmartini

2. Gaía Passarelli_ Gaía Passarelli gosta de descobrir música nova e comanda o

GOO na MTV Brasil.

3. Lalai e Ola_ Lalai trabalha com mídias sociais, mas sua paixão é música. É DJ

e produz a festa CREW. O Ola trocou a Suécia pelo Brasil, o design pela música e fotografia.

4. Marcos Hermes_ Fotógrafo há 20 anos, é um dos profissionais mais requisitados

pela indústria musical brasileira.

5.Alex Corrêa_ Carioca, mas gosta mesmo é de São Paulo e acredita na genialidade do Kasabian até o fim.

6. Eduardo Guspe_ Membro fundador do Núcleo Urbanóide, ultimamente se

dedica a produzir DONUTS.

7. Daniel Sanes_ Jornalista por formação, lunático por opção e roqueiro de

nascimento. Um dos editores de música do site www.nonada.com.br.

8. Felipe Neves_ Fotógrafo e baterista. Ultimamento se viciou em fotografia analógica.

Seus trabalhos: www.flickr.com/felipeneves

9. Fernando Halal_ Jornalista malemolente, fotógrafo de técnica zero e cinéfilo

dodói, não morre sem ver um show do Neil Young . www.flickr.com/fernandohalal

10. Fernando Schlaepfer_ Designer por formação, ilustrador por aptidão, DJ por

diversão e fotógrafo por paixão.

11. Nícolas Gambin_ Jornalista freela.Aprecia tocar The Meters com amigos nas

horas vagas.

12. Seilá Pax Mfc_Megalomaníaco membro do Núcleo Urbanóide.

facebook.com/seilaismo

13. Dani Arrais_Jornalista, nasceu em Recife, mora em São Paulo há quase cinco

anos. Começou o donttouchmymoleskine.com há quatro anos e de repente viu que falava de amor quase o tempo todo.

14. Leonardo Bomfim_ Jornalista e diretor de cinema, edita o

freakiumemeio.wordpress.com

15. Fernando Corrêa_ Nandog, Éder, Glande e tantos mais. Um puta cara.

Corrêa _ Nandog, Éder, Glande e tantos mais. Um puta cara. • FOTO DE CAPA_ Marco

FOTO DE CAPA_

Marco Chaparro

Guilherme Netto

Rafael Rocha

Agradecimentos e parceria:

Marcus Mota

3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2
3
3
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
7
7
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
1
1
4
4
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
9
9
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
6
6
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
10
10
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
11
11
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
12
12
8
8
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14

COM

3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
2
2
14
14
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
3 7 1 4 9 6 10 11 12 8 REVISTA NOIZE. TUMBLR. COM 2 14
13
13
5
5

_fOTO: ARIEL MARTINI ARIELMARTINI.cOM

_fOTO: ARIEL MARTINI ARIELMARTINI.cOM
_fOTO: ARIEL MARTINI ARIELMARTINI.cOM

NOME_

Facundo Guerra

PROFISSÃO_ Engenheiro de formação, dono de boite por cir- cunstância e professor de vocação.

UM DISCO_ Charles Mingus | Tijuana Moods

de vocação. UM DISCO_ Charles Mingus | Tijuana Moods “Hoje a música pra mim é funcional:

“Hoje a música pra mim é funcional: existe música pra trabalhar, pra se exercitar, pra namorar. Perdi o prazer de ouvir música simples- mente por ouvi-la, depois de anos e anos de audi- ção - ainda que ouça pelo menos 10 horas de música por dia. Se for pelo prazer puramente estético, prefiro o silêncio.”

‘a’ ano fui P o r e m b r i a - e s
‘a’ ano fui P o r e m b r i a - e s
‘a’ ano fui P o r e m b r i a - e s
‘a’ ano fui P o r e m b r i a - e s
‘a’ ano fui P o r e m b r i a - e s

‘a’

ano fui Por

embria-

estra-

os fãs

me

de

turnê. Se você

sua

um

James allan, vocalista do Glasvegas l ao divagar so- bre Euphoric Heartbreak, novo disco da banda

um inibições,

assim,

música.

homem.”

pouco

tenho

transa da estacionar

um algum.

perder

com um

ou algo

“Eu espero que

possam em se nossa

tanto

Eu mesmo

Perder um ter suas

de em

era o seu

envolvido

quisesse

romance

bicicleta

gados,

pouco

cerca

ficar

nho.

eu

“O quE é mais difícil dE cOm- pOr, lEtra Ou mElOdia? NE- NHum, ñ dEixE sEu EgO dis- cutir cOm sEu saNtO.”

rita lee | tuitando ensinamentos

“Eu Estou considE-

rando. não há nada rEalmEntE mE prEn-

dEndo.

não sEi sE quEro Es- tar com aquElEs ca-

uns

são

Eu apEnas

ras.

ElEs

são

babacas.

ElEs

loucos.”

brian Wilson | ao avaliar a possibilidade de os Beach Boys

voltarem aos palcos

“Parece existir um monte de chu- pação de *** para fazer sua mú- sica tocar para as massas, e eu simplesmente não estou prepa- rado para chupar ***.”

plan b I falando sobre como fazer sucesso nos EUA

“Se a Rihanna me quisesse, eu iria para cama com ela. Ela é hot.”

adele | em declaração ao tablóide britânico The Sun

“EU EnconTrEI o KEITh rIchArdS há AlgUnS AnoS E ElE vEIo com ESSA: ‘cArA, vocêS TIvE- rAm SorTE, vocêS TInhAm qUATro vocAlISTAS EnqUAnTo oS rollIng STonES Só TInhAm Um.”

paul mccartney l em entrevista a radio Times

quE REcai SobRE

“Eu já EStivE com gaRotoS E com

Jessie J | revelando ao jornal inglês The Telegraph que é aber ta em

oS gEnitaiS.”

acho

não

PESSoa, Eu

relação a sexualidade

gaRotaS.

a

“Era um cara GrandE E musculo- so, um vEtErano na Escola. ElE pE- Gava o mEsmo ônibus quE Eu todo dia, até quE mE convidou para ir a sua casa. o cara mE Estuprou. Foi rápido, E nada aGradávEl. Eu FiquEi com muito mEdo dE contar para qualquEr pEssoa.”

scott Weiland, vocalista do stone temple pilots | em entrevista à Spin

“Eu acho quE fiz um álbum bEm mElhor do quE ElE.”

Justin Young, vocalista do the

vaccines | cutucando liam galla-

gher, líder do Beady Eye e ex-oasis

“Eu NãO vOu tOcar Em fEstivais. vOcê acHa quE

Eu vOu tOcar Em uma m**** dE arENa? vOcê

Está lOucO? Eu prEfirO passar 12 aNOs tOcaN-

dO NO Barfly (puB lONdriNO) dO quE tOcar uma

NOitE Na O2 (famOsa arENa Em lONdrEs).”

adele | mostrando ódio aos grandes shows e festivais

“Eu costumava ser ‘o’ alvo. Eu fui jogada numa lata de lixo na esquina de uma rua por alguns garotos. Escreveram obscenidades no meu armá- rio na escola enquanto os ou- tros todos ficavam limpinhos. Eu levava beliscões no corre- dor e era chamada de puta.”

lady Gaga l falando ao jornal inglês The guardian sobre seus anos de escola

“Se a Tegan and Sara pre- cisarem de um *** duro, es- tou aí.”

tyler, the creator | se oferecendo delicadamente às gêmeas Tegan and Sara através de seu twitter

noize.com.br

13

014\\

014\\
014\\
014\\
014\\
014\\
014\\

Marco Chaparro, Rafael Rocha e Guilherme Netto

014\\ Marco Chaparro, Rafael Rocha e Guilherme Netto CHãO para CasteLOs nO ar | “Loucura? Sonho?

CHãO

para CasteLOs nO ar | “Loucura? Sonho? Tudo é loucura ou sonho no começo. Nada do que o

homem fez no mundo teve início de outra maneira, mas tantos sonhos se realizaram que não temos o direito de duvi- dar de nenhum”. Monteiro Lobato disse esta verdade há mais tempo do que você e eu conseguimos contabilizar. Ne- nhuma outra combina tanto com esta edição que você lê agora. Porque esta Noize contém um encontro com Darwin Deez, um cara que, diz a lenda, mixou um disco inteiro em casa, em uma única madrugada.Também tem uma conversa com Cacá, vocalista do Copacabana Club. O primeiro álbum, carreira, sucesso imediato e o que vem depois dele.Tudo é assunto. O resultado de incontáveis horas de pesquisa sobre as maneiras de acesso ao mercado cultural de música vira um manual para você carregar debaixo do braço. O que fazer se tudo que você tem é uma guitarra velha, dois ou mais amigos de fé e uma vontade de ser ovelha negra. Sendo honesta, não temos as respostas.Temos histórias, ex- emplos, possibilidades e um mapa de pedras.Além da nossa torcida pra que daqui uns cinco (dois? dez?) anos, quando uma nova equipe fizer uma nova pesquisa, o primeiro entrevistado seja você. Buena suerte. Cristiane Lisbôa @crislis

_ouVINDo

Fat Freddy’s Drop - Dr Boondigga and the Big BWHunx and His Punx Jards macaclé - Jards macalé (1972) Twin Shadow - Forget Dorgas - Grangongon Years Around the Sun - Introstay

Jards macaclé - Jards macalé (1972) Twin Shadow - Forget Dorgas - Grangongon Years Around the
Jards macaclé - Jards macalé (1972) Twin Shadow - Forget Dorgas - Grangongon Years Around the
Jards macaclé - Jards macalé (1972) Twin Shadow - Forget Dorgas - Grangongon Years Around the
Jards macaclé - Jards macalé (1972) Twin Shadow - Forget Dorgas - Grangongon Years Around the
Jards macaclé - Jards macalé (1972) Twin Shadow - Forget Dorgas - Grangongon Years Around the

//015

Ariel Martini

Divulgação

Eduardo Gabriel

ReDações

são feItas De pessoas. e pessoas De maNhãs gelaDas, NoItes em claRo, lIVRos Ra-

bIscaDos, músIca alta, eRRos gRamatIcaIs, coRações coNfusos, folhas em bRaNco, peN DRIVe lotaDo, café foRte, bolacha maRIa e assuNto. aquI, o que se falou eNquaNto se escReVIa e layoutaVa esta NoIze 45.

que se falou eNquaNto se escReVIa e layoutaVa esta NoIze 45. CHaMa O síndiCO | Era

CHaMa O síndiCO

| Era tão bom que teve fim. O “apartamento 80” mini casa noturna no cen- tro de São Paulo que por alguns meses reuniu a fina flor da música contem- porânea em shows para poucos, bons e iniciados fechou as portas. Dizque [sic] o zelador andava mau humorado com a anima- ção do povo. Lenda urbana ou não, cabô. Se volta? Cruza os dedos.

povo. Lenda urbana ou não, cabô. Se volta? Cruza os dedos. red BULL 3MsF | Uma

red

o público leva as imagens pra casa. De graça, claro. 2012 é LOgO aLi | Ringo,

2012 é LOgO aLi | Ringo, Lollapa-

loza, Roger Waters. Ignorando o fim do mundo, produtores não param de confir- mar os shows que a gente quer ver. Será que vai dar tempo? Será que o mundo vai acabar no meio de um acorde? Hein?

016\\

016\\

Thiago Travesso

Divulgação

Divulgação

016\\ Thiago Travesso Divul g a ç ão Divulgação deUs é MineirO | Um púlpito solitário

deUs é MineirO |

Um púlpito solitário em meio a uma passarela. Noel Rosa entra com passos largos e um tanto cambaleantes.Ajeita o terno branco. Dá o tom. Os músicos da Vila Isabel respondem.As modelos entram sorrindo. Pronto. Ronaldo Fraga derreteu o inverno glacial da edição verão 2012 da SPFW. Com direito a elogios rasgados a coleção e um desfile que acabou em baile de carna- val com confetes, serpenti- nas, o povo da móda [sic] todo dançando (de Glória Kalili a Costanza Pasco- lato) ao som de “Pierró Apaixonado” cantado por Noel e Daniela Mercury. Tem confete até agora na nossa mochila.

e Daniela Mercury. Tem confete até agora na nossa mochila. JOgO ganHO. | Já era tempo

JOgO ganHO. |

era tempo de Spike Jonze

e sua câmera voltarem a

captar os Beastie Boys em ação. Não exatamente “os Beastie Boys”, já que o novo clipe de Jonze para os rappers parceiros de Nova Iorque será feito com bonecos. Em “Don’t Play No Game That I Can’t Win”, Mike D, MCA

e Ad-rock se transfor-

mam em “action figures”

(no estilo Comandos em

Ação, lembra?). O vídeo terá uma versão curta

e uma épica. Só não sa-

bemos se a compatriota

Santigold fará uma ponta,

já que a artista compôs a

música em parceria com os Boys, mas não foi cita- da no comunicado oficial que a banda fez em seu site sobre a produção de Jonze. Nós que aqui esta-

mos por vós esperamos, Mr. Jonze.

Nós que aqui esta- mos por vós esperamos, Mr. Jonze. Festa de arrOMBa | “Eu sempre

Festa de arrOMBa

| “Eu sempre quis tocar rock ‘n’ roll aqui”. Eis a primeira frase de Erasmo Carlos no palco do Teatro Municipal. O show era de festa. Setenta anos de vida, 50 de carreira e a maior envergadura moral deste país no uso de calça de couro e jaqueta jeans com tachas. Rei Roberto Carlos

prestigiou o amigo e can- tou com ele clássicos de décadas passadas, como “Eu

Sou Terrível” e “Parei na Contramão”. Marisa Monte também subiu ao palco para adocicar “SeVocê Pen- sa” e evidenciar, no dueto em “Mais um na Multidão”, que isso, o Tremendão e ela definitivamente não são. Quem viu, viu. Se você não viu, pede pro YouTube te mostrar um pouquinho.

018\\

018\\
018\\
018\\
018\\
018\\
018\\
018\\
018\\
018\\
018\\
018\\
018\\
018\\ emicida | Então toma _Dirigido por Fred Ouro Preto e com fotografia de vídeo gringo,
018\\ emicida | Então toma _Dirigido por Fred Ouro Preto e com fotografia de vídeo gringo,
018\\ emicida | Então toma _Dirigido por Fred Ouro Preto e com fotografia de vídeo gringo,

#ENTÃO TOMA

@marcio_oleiro O #entaotoma do @emicida é completamente foda. Meus maiores respeitos ao Fred Ouro Preto!

@gutohiphop Ri demais no “Mereceu” do @Emicida quan- do o Criolo questionou ele sobre ter alguém amarrado na sala dele hahaha. #EntãoToma!

@Leonamlopes @emicida meu nêgo, clipe loco, muito bom, parabéns mano. #entaotoma

@Caasoaresf pra mim o @emicida é um dos melhores rappers que tem hoje no brasil. com o novo video então nem se fala #EntãoToma

#WALK FOO

nem se fala #EntãoToma Foo Fighters | Walk #WALK FOO _ Dave Grohl em “Um Dia

@r4fernandes Simplesmente não consigo parar de assistir esse clipe.

@FelipeGladiador Remake de “Um dia de fúria” no cli- pe de Walk do Foo Fighters? Saiu no começo do mês e eu não conhecia ainda. Bacana.

TIMELINE

Ringo confirmou sua vinda ao Brasil em novembro. 500 Dias com ela, do Marc Webb, lembrou por quê amar o cara.

http://bit.ly/iloveringo

Radiohead vai remixar The King of Limbs.“Little by Little”, a terceira faixa do disco, já ganhou nova versão bizarrinha do Caribou.

http://bit.ly/radioremix

TheWub Machine tranforma qualquer música em um Dubstep louco. É só fazer upload de qualquer música e sair dançando

por aí. wubmachine.com

A companhia de design Wonder- bros fez sua versão cubista de vários heróis dos quadrinhos. O resultado é de derreter a cara.

http://bit.ly/meltyourface

Repdrodução

““talVez seja a melhoR coIsa já feIta poR qualqueR pessoa””

_Lou Reed, falando sobre o seu projeto com o Metallica

_ Lou Reed, falando sobre o seu projeto com o Metallica //019 Chico Buarque | Chico

//019

//019 Chico Buarque | Chico e os comentários na internet _Chico Buarque jurava que todo mundo
rir junto. http://bit.ly/chicointernet só um beijo salva _Um jovem ameaça se atirar de uma passarela. Uma
suicide by kiss alex turner | Suck it and See acoustic _Em sessão acústica para a

#ÁUDIO

Superguidis | EPílogo Uma das melhores bandas de rock

brasileiro atual chegou ao fim. Superguidis se despediu por twitter, sem drama. Mas deixou EPílogo, uma coletânea de demos

e

performances ao vivo.

http://bit.ly/EPilogo

Wilco | Might

O

Wilco entrou na onda dos sem gravado-

ra e vai lançar seu nono disco, intitulado The Whole Love, por selo próprio, chama- do dBpm.“I Might” é o primeiro single da bolacha, que sai só em setembro.

http://bit.ly/wilcoimight

Björk | Crystalline

O

primeiro single de Biophilia, o novo

álbum da islandesa, foi parcialmente produzido com um iPad. De acordo com Björk, o trabalho é uma celebração a “como o som funciona na natureza, ex- plorando a infinita expansão do universo, de sistemas planetários a estruturas atômicas”.A cara dela.

http://bit.ly/bjorkcrystal

Thurston Moore | Blood Never Lies

Em vídeo exclusivo para a internet,Thurs- ton Moore, do SonicYouth, tocou “Blood Never Lies” no programa do Jimmy Fallon.

A

faixa compõe o último trabalho solo

em estúdio do cara, chamado Demolished Thoughts, que teve a produção assinada pelo multi-instrumentalista Beck.

http://bit.ly/thurstonblood

@REVISTANOIZE

Lembra do clássico Campo Mi- nado? O artista brasileiro Claudio Bueno juntou a idéia do jogo com um GPS. O resultado é muito legal.

http://bit.ly/campomin

O álbum de tributo ao Buddy Holly pode ser ouvido na íntegra. São 13 músicas regravadas por artistas que vão de Paul a Kid

Rock. http://bit.ly/bhintegra

Uma seleção de gatinhos e ovelhinhas fofas, o Cute Roulette é muito mais querido que o seu pai tarado, o Chat Roulette.

http://cuteroulette.com

O negócio agora é rimar rápido. Com

funcionalidade bem simples, oWriter Rhymes faz todo o trabalho. E pron-

to, pode beber. writerhymes.com

Ola Persson

020\\

Ola Persson 020\\ MAS DEVERIA_ E special S ónar _Por Lalai e Ola Persson Ola Persson

MAS DEVERIA_

E special Sónar

_Por Lalai e Ola Persson

Ola Persson
Ola Persson
E special S ónar _Por Lalai e Ola Persson Ola Persson Na contramão dos festivais mundiais,

Na contramão dos festivais mundiais,

o Sónar ousa ao apostar em artistas

ainda não tão conhecidos do gran- de público. Isso não significa que a curadoria desaponte na escolha da programação, muito pelo contrário. Tem musica boa pra todo mundo. É

só escolher a luz. Porque o Sonar

é dividido de maneira simples: dia e noite. Para os que preferem nomes mais

familiares (e até cantar junto), cer- tamente vai preferir a noite, mas é

o dia que se torna puro deleite e

faz o festival ser tão especial. Caso falte energia para encarar 16h diárias de evento, vá por nós, escolha o dia.Além da programação musical, há também cinema, fóruns sobre música, o Music Hack Day, o Sónar Kids, o OFFFMàtica, com produção

do OFFF, Sonar e CCBB, que trazem

instalações multimídia, além de uma pequena feira, que fica dentro do MACBA apresentando novidades tecnológicas. Os shows diurnos se concentram no MACBA em 4 palcos, sendo apenas um aberto, o Village, que é o principal. O Sónar Noite

acontece na Fira Gran Via, um es- paço gigantesco onde fica o Centro

de Convenções da cidade, também

com 4 palcos, sendo 2 abertos e um pequeno que fica em frente a uma

pista de carrinho bate-bate. Mas se você conseguir encarar tudo. Melhor ainda.

O que mais nos surpreendeu foi a

quantidade de artistas experimentais, dando um tom mais cabeçudo com muita música ambiente e estranha- mentos sonoros.A abertura esse

ano ficaria nas mãos do veterano Steve Reich, pai do minimal, que tocaria acompanhado de uma or-

questra. Infelizmente ele adoeceu e apenas a orquestra se apresentou. Ainda assim, quem assistiu, afirmou que rolou uma emoção. João Brasil chorou e tudo. Lamentamos ter per- dido, mas faltaram pernas. Enfim, Para quem gosta de música

e vive pesquisando novidades, esse

é O festival de música eletrônica

para ir. E para os que ficaram só na vontade, vale muito a pena conferir

o line-up e olhar artista por artista. Até porque o futuro da musica, cer-

tamente ta escrito ali.

Na próxima página, alguns destaques

nossos. No www.noize.com.br a co-

bertura completa. Até já.

022\\

Oscar Garcia Ola Ola Persson Divulgação Persson 022\\ MAS DEVERIA_ E special S ónar _Por Lalai

MAS DEVERIA_

E special Sónar

_Por Lalai e Ola Persson

LittLe

dragOn I É uma banda de Gotemburgo,

Suécia e que não estava na nossa lista. Em meados de

2005 seguiram uma linha mais trip-hop, mas seus últimos

trabalhos podemos definir como “electro soul”. Já lança- ram 3 álbuns, sendo o último, Ritual Union, lançamento de julho. O show no Sónar foi animadíssimo, com a vocalista Yukimi Nagano convencendo quem passava perto ou lon- ge a ficar (inclusive a gente). Confiram, little-dragon.se

stendHaL sYndrOMe l Apesar do show climá- tico e introspectivo ter rolado em pleno início de tarde, com o sol a pino, num lugar fechado, o local lotou.A dupla espanhola hipnotizou o público com suas canções marcadas pelo trip-hop, mas com muita referencia dubs- tep e jungle.Adri tem a voz doce, trazendo à tona Beth Gibbons e Björk.A projeção, que fica nas mãos de Alba Corral, é um show a parte. Banda pra correr atrás.

Corre, www.stendhalsyndrome.org

esKMO l Também conhecido como Brendan Angeli-

des, faz um som cabeçudo, com influências de glitch, hip- -hop e dubstep. Percussão mergulhada em graves marcam suas produções. Lançou o primeiro álbum em 2010 e em

2011 já tirou do forno o novo EP We Got More/Moving

Glowstream.Também já assinou produções junto com o brasileiro Amon Tobin, como Eskamon, que também vale

conferir. Fechou o Sonar Dia no dia 1 com louvor.

Ouça, www.eskmo.com

HOLY OtHer l Quem deu a dica foi o João Brasil, que já é uma ótima referência. O inglês trouxe ao público suas produções altamente experimentais, vocais distorcidos, construindo de forma minimalista seu som introspectivo, acompanhado de projeções com imagens etéreas. O show foi lindo de morrer e, apesar da distância do pop, embalou o público que fechou os olhos e se entregou completamente às suas músicas. Restaram aplausos e um “queremos mais”.

Vai lá, soundcloud.com/holyother

entregou completamente às suas músicas. Restaram aplausos e um “queremos mais”. Vai lá, soundcloud.com/holyother
entregou completamente às suas músicas. Restaram aplausos e um “queremos mais”. Vai lá, soundcloud.com/holyother
entregou completamente às suas músicas. Restaram aplausos e um “queremos mais”. Vai lá, soundcloud.com/holyother
entregou completamente às suas músicas. Restaram aplausos e um “queremos mais”. Vai lá, soundcloud.com/holyother

024\\

024\\
024\\
024\\
024\\
024\\
024\\
024\\
024\\
024\\
024\\
024\\
024\\
024\\
1. BLUR
1.
BLUR

“Foi a primeira banda que eu realmente amei.”

3. NYC
3.
NYC

“É,provavelmente,nossa grande influência.Especialmente nos 80’s.A energia singular,a música,a arte,a moda.”

2. LOLITA
2.
LOLITA

“Meu livro favorito.”

4. DEBBIE HARRY
4.
DEBBIE HARRY

“Ela é o ícone perfeito antes da Madonna. É linda, tem uma imagem verdadeiramente forte. É tipo ‘o capitão num barco’.”

POR NEW YOUNG PONY CLUB

_“Nós somos uma banda punk-dance de coração.” É o que diz o quarteto londrino New Young Pony Club sobre eles mesmos.Têm dois discos na bagagem, Fantastic Playroom e The Optimist. Recentemente, desbravaram terras tupiniquins ao subir em palcos de São Paulo e Porto Alegre.

e The Optimist . Recentemente, desbravaram terras tupiniquins ao subir em palcos de São Paulo e

//025

5. HIP HOP
5.
HIP HOP

“Tem tantas ideias linguísticas e metáforas. Está constantemente se mo- vendo, se transformando, e isso é realmente inspirador.”

7. ONCE UPON A TIME IN NEW YORK
7.
ONCE UPON A TIME IN NEW YORK

“É sobre como o punk, o hip hop e a disco music aconteciam ao mesmo tempo na cidade. E aquele foi o período mais empolgante de todos.”

6. COLIN THURSTON
6.
COLIN THURSTON

“Ele é um cara brilhante. E muito legal.”

8. THE STRANgLERS
8.
THE STRANgLERS

“É sujo. É punk. É nojento.”

Divulgação

026\\

Divulgação 0 2 6 \ \ _ por Gaía Passarelli COLUNISTAS 2011, O anO após a

_ por Gaía Passarelli

COLUNISTAS

Divulgação 0 2 6 \ \ _ por Gaía Passarelli COLUNISTAS 2011, O anO após a

2011, O anO após

a CHiLLwave | Lá em

2009, quando um monte de sites e blogs come- çaram a usar o termo “chillwave” (ou “glo-fi”) teve quem se incomo- dasse. Principalmente os artistas que estavam sendo jogados dentro do novo selo, como os norte- -americanos Toro y Moi, Memory Tapes e Washed Out, unidos por uma so- noridade lo-fi, eletrônica, solar e preguiçosa. Tirando a categorização forçada, não havia nada em comum a esses projetos. Não havia uma gravado- ra, uma estética ou uma localização geográfica co- mum, fato apontado pelos

artistas diversas vezes em

entrevistas. Isso não impe- diu a imprensa, os blogs e

o público de seguir com a

tag.“Chillwave” virou gê- nero com direito a exten- so verbete no last.fm, por exemplo. Por mais que a chillwave não tenha sido

uma cena propriamente dita, não dá pra negar o uso de samples, nostalgia 80s, melodias altamente filtradas e climão maco- nha de vários nomes que estão em destaque desde começo de 2009. E entrou mais gente no caldeirão:

Neon Indian,Teen Daze,

Star Slinger, Memoryhouse

e, recentemente, o eletrô-

nico Com Truise (o nome

é gênio) e até o classudo e

dramático francês M83. Os discos novos do Me- mory Tapes,Washed Out

e Toro y Moi (leia ao lado) apontam na mesma dire- ção: uma espécie de synth- -pop lento cheio de boas influências dançantes dos anos 80.Abre espaço para algumas das melhores coi- sas desse 2011 pela meta- de, como os conterrâneos Twin Shadow e Chain Gang of 1974. E, já que estamos usando de ironia, para o “pós-chillwave”: as sonoridades trevosas e peculiares da witch-house encontrariam espaço não fosse a onda lo-fi/eletrô-

nica desses últimos dois anos? Nada se cria, tudo

se transforma.

gO_

últimos dois anos? Nada se cria, tudo se transforma. gO_ tOrO Y MOi O novo álbum

tem menos cara de lomografia e investe numa sonoridade próxima do StevieWonder. Lançado com pompa de “melhores do ano”, não fez o mesmo sucesso do disco de estréia. O cara vem pra um festival em 2011.

do disco de estréia. O cara vem pra um festival em 2011. wasHed OUt Aí sim,

wasHed OUt Aí sim, um dos bons discos do ano.Apesar de ter lançado singles desde 2009, Within and Without é o primeiro esforço em formato álbum do produtor Ernest Greene, esquema “um homem e um sintetizador”. Saiu oficialmente em 11 de julho.

e um sintetizador”. Saiu oficialmente em 11 de julho. MeMOrY tapes Ficou pra trás o Davye

MeMOrY tapes Ficou pra trás o Davye Hawks

e seus lindos olhos verdes? Com

intenções elevadas (“quero fazer música que soe como música que você ouve pela primeira vez”) o disco ainda não convenceu, mas bebe na mesma fonte “cresci nos anos 80”.

028\\

028\\ _Por Xico Sá xicosa.folha.blog.uol.com.br BLOgS
028\\ _Por Xico Sá xicosa.folha.blog.uol.com.br BLOgS
028\\ _Por Xico Sá xicosa.folha.blog.uol.com.br BLOgS
028\\ _Por Xico Sá xicosa.folha.blog.uol.com.br BLOgS
028\\ _Por Xico Sá xicosa.folha.blog.uol.com.br BLOgS
028\\ _Por Xico Sá xicosa.folha.blog.uol.com.br BLOgS
028\\ _Por Xico Sá xicosa.folha.blog.uol.com.br BLOgS
028\\ _Por Xico Sá xicosa.folha.blog.uol.com.br BLOgS
028\\ _Por Xico Sá xicosa.folha.blog.uol.com.br BLOgS
028\\ _Por Xico Sá xicosa.folha.blog.uol.com.br BLOgS
028\\ _Por Xico Sá xicosa.folha.blog.uol.com.br BLOgS
028\\ _Por Xico Sá xicosa.folha.blog.uol.com.br BLOgS

_Por Xico Sá xicosa.folha.blog.uol.com.br

BLOgS

Reprodução

Xico Sá xicosa.folha.blog.uol.com.br BLOgS Reprodução LiBeraí, CHiCO BUarqUe, e viva O COMUnO-LirisMO l Se vazou

LiBeraí, CHiCO BUarqUe, e viva O COMUnO-LirisMO l Se vazou por marketing, genero-

sidade ou furto lírico, lindo, pouco importa. O que vale é ter uma nova canção de Chico Buarque na rede.

A canção nem é tão linda assim Ainda. Carece de tempo.

Chico é gênio, mas a gente não sabe se uma música é tão incrível nas primeiras audições. Nem as de Lou Reed ou

se Sérge Gainsbourg ditasse agora para um espírita safa-

do e possível, je t´aime Alan Kardec. As faixas, sejam de quem forem, vão crescendo aos pou- cos nas nossas oiças, como aquelas moças que à primeira

vista não damos nada e tomam conta das nossas vidas. Algumas dos Smiths, por exemplo, só agora, um quarto de século depois, é que passaram a fazer sentido. Quase 30 anos depois de dançadas naquele navio enferrujado na bacia do Pina, Recife.

Disco novo para mim

, Livre S.A., Cidadão Instigado, Nação Zumbi, Edu Lobo, Johnny Hooker, Khan, Genghis Kan ou Cake (tá de volta mesmo ou é bolo trocadilhesco e torta pop na cara?)

significam voltar para casa, preparar uma comida, uma be- bida, e fazer um banquete mendigoso até a última larica.

A canção que vazou do Chico Buarque, denominada

seja do Chico, Lou Reed, Mundo

“Meu querido diário”, nem é tão bonita assim ainda,

repito, carece envelhecer em barris de qualquer lágrima particularíssima. Certas canções dependem de dores que

as justifiquem cá do nosso lado do balcão, mermão.

A danada da faixa, porém, tem pelo menos um verso

matador, que lembra um pouco o Tom Waits do “Rain Dogs”, em uma versão infinitamente mais solar, claro, o cara é dos trópicos! “De volta à casa, na rua, recolhi um cão/ que de hora em hora me arranca um pedaço ” Sensacional, Francisco, já ta valendo muito.Tem uma coisa assim também meio Freud do mal-estar da civilização nos primeiros versos, aquela história toda de carecer do religioso, mas ai já é viagem aqui do cronista empolgado

e interpretativo madruga adentro. Esquece.

Tudo bem, a música que rolou antes de consolidada a

pré-venda da Biscoito Fino, a gravadora da nova obra, já

é um baita presente.Venha ela da generosidade do artis-

ta, venha ela de um esperto do marketing ou de qualquer

canto. Eu peço é bis. É tempo de compartilhamento. Querendo ou não querendo. Libera ai o resto, seu Fran- cisco!, pra quê ganhar mais dinheiro, só para enricar os intermediários? É hora da gente exercitar nosso comu- nismo lírico, amoroso e estético!

030\\

030\\ BLOgS
030\\ BLOgS
030\\ BLOgS
030\\ BLOgS
030\\ BLOgS
030\\ BLOgS
030\\ BLOgS
030\\ BLOgS
030\\ BLOgS
030\\ BLOgS

BLOgS

Diego Aragão

Divulgação

030\\ BLOgS D i e g o A r a g ã o Divulgação sUtiLeza e
030\\ BLOgS D i e g o A r a g ã o Divulgação sUtiLeza e

sUtiLeza e pOesia da MúsiCa Mineira l Cada refrão do CD Talvez hoje eu tope um plural, da banda Acidogroove, é uma boa pedida para quem gosta de músicas que mais parecem estar inseridas em livros de poesia. For- mada por Fred Pinheiro (voz e guitarra), Cláudio Neto (baixo e voz), Gabriel Mendes (teclado, escaleta e voz) e Leonardo Kopa (bateria e voz), a banda lança o novo trabalho no mês de julho, resultado de três anos de produção. Letras que traduzem o cotidiano e que captam a melhor essência do amor.“Talvez hoje eu tope um plural”, que terá distribuição nacional pela Distro Fora do Eixo e será lançado pelo selos Megalozebu, Gravadora Discos e Sapólio Rádio.Acesse aci-

dogroove.tnb.art.br e ouça!

FestivaL graMOpHOne reúne Bandas independentes de destaqUe l Produzido pelo Co- letivo Colcheia, da cidade mineira de Sete Lagoas, o Festival Gramophone chega à sua 2ª edição entre os dias 28 e 30 de julho. Se no ano anterior o festival já mobilizou a cidade e a região, a expectativa para este ano é ainda maior.A progra- mação musical está recheada de nomes do cenário nacional como BNegão e os Seletores de Frequência, Nevilton, Maca- co Bong,Vendo 147 e Jair Naves, além de dar oportunidade para 5 bandas da cidade que investem no trabalho autoral. São 13 shows, oficinas, debates, ocupação Hip Hop, mostra de vídeo e exposição de arte compondo a programação. O Gramophone é o 2º festival do calendário do Circuito Minei- ro de Festivais Independentes (CMFI), que se estenderá até dezembro com 12 festivais em 12 cidades de Minas Gerais.

DIRETO AO PONTO

Vendo 147 e Julgamento Em junho, a Distro FdE lançou novos discos: Godofredo, da banda Vendo 147 (BA), e Muito Além, da banda Julgamento (MG).A primeira faz um rock instrumental inovador e foi lançada pelo Compacto.Rec. Já a segunda é um dos principais nomes do rap produzido em Minas Gerais, que garantiu destaque no Aposta MTV. Conheça Vendo 147, acessando vendo147.tnb.art.br e a Julgamento em rogerdeff.tnb.art.br

Festival Fora do Eixo acontece em quatro capitais Evento de maior integração artística do circuito, o Festival Fora do Eixo abriu as atividades no mês de junho, realizando edições no Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Goiânia e São Paulo. Em BH foram duas semanas de artes integradas. No RJ, as ações acon- teceram em três cidades. Já Goiânia recebeu 18 shows e SP fez sua 1ª etapa do festival focada nas artes cênicas. Saiba mais em festival.foradoeixo.org.br

032\\

032\\ _Por Daniela Arrais donttouchmymoleskine.com Daniela Arrais, já pensando em esconder a idade, jornalista, nasceu

_Por Daniela Arrais donttouchmymoleskine.com

Daniela Arrais, já pensando em esconder a idade, jornalista, nasceu em Recife, mora em São Paulo há quase cinco anos. Começou o Dont Touch há uns quatro anos e, de repente, viu que falava de amor quase o tempo todo, numa tentativa eterna de entender a montanha-russa do coração.

BLOgS

eterna de entender a montanha-russa do coração. BLOgS O OH! OH! l É com muita alegria
eterna de entender a montanha-russa do coração. BLOgS O OH! OH! l É com muita alegria
eterna de entender a montanha-russa do coração. BLOgS O OH! OH! l É com muita alegria
eterna de entender a montanha-russa do coração. BLOgS O OH! OH! l É com muita alegria
eterna de entender a montanha-russa do coração. BLOgS O OH! OH! l É com muita alegria
eterna de entender a montanha-russa do coração. BLOgS O OH! OH! l É com muita alegria

O OH! OH! l É com muita alegria

que apresento a vocês o Oh Oh!, um zine colaborativo de fotografias com imagens escolhidas por mim e pelo Cláudio Silvano,Anorak! “A gente gosta de foto errada. Com enquadramento torto, luz estourada e com aquela textura que só é pos- sível com o negativo. Foto de gente normal, sem cara de capa de revista, sem corpo de quem malhou horas no Photoshop. A gente gosta de imagem que emociona, que não precisa ser tecnicamente perfeita para encher os olhos. A gente gosta de simplicidade.

De ter uma câmera nas mãos para captar um momento do dia, da vida ou do coração. A gente gosta de regis- trar pedacinhos do mundo que nem sempre ganham os holofotes. Aquele carrinho de supermercado esquecido no canto, a cara de sono que chega

a ter um tracinho do lençol. A gente

gosta de simplicidade. De verdade. E de fotos bonitas.

O Oh Oh! surgiu em uma madrugada

insone no Gtalk, quando nos demos conta de que gostamos do mesmo tipo de fotografia. Apelidamos o conjunto da obra de “estética Flickr”, pois é no

site de compartilhamento de imagens que encontramos nossas maiores inspi- rações. Nada mais natural do que usar o próprio Flickr para reunir as imagens que compõem o zine. Criamos um gru- po, mais de 400 pessoas se inscreve- ram nele e mandaram cerca de 2.600

fotos. Aqui, a gente faz uma seleção baseada, pura e simplesmente, no encantamento que sentimos ao olhar

cada uma delas.”

Para ver o Oh Oh!, acessem:

http://issuu.com/ohoh/docs/ohoh

foto DIVulgação fotos DIVulgação

pozzobom

maRÍlIa

teXto

COPACABANA CLUB NÃO É UM HOTEL NO RIO DE JANEIRO

COPACABANA CLUB NÃO É UM HOTEL NO RIO DE JANEIRO //037 com um nome esquisito, letras
COPACABANA CLUB NÃO É UM HOTEL NO RIO DE JANEIRO //037 com um nome esquisito, letras

//037

COPACABANA CLUB NÃO É UM HOTEL NO RIO DE JANEIRO //037 com um nome esquisito, letras
COPACABANA CLUB NÃO É UM HOTEL NO RIO DE JANEIRO //037 com um nome esquisito, letras

com um nome esquisito, letras em inglês e uma sonoridade um tanto pop para a roqueira curitiba, o copacabana club se mantém de pé há quatro anos. Duran- te esse tempo, emplacou um single em vinheta de um canal pago distribuído por toda a américa latina, fez um videoclipe +1 , viu seu myspace bombar depois que Kanye West postou o tal vídeo em seu blog pessoal e conheceu as terras de além-mar, chegando a tocar no grandioso festival south by southwest, no texas. tudo sem ter sequer um disco na bagagem.

Nascida em 2007 “sem pretensão nenhu- ma”, como garante a vocalista Camila Cornelsen - a Cacá -, a banda foi formada por um grupo de amigos em uma noite no bar +2 .A idéia inicial? Se di- vertir. No ano seguinte, em uma velocidade incrível, já faziam sucesso pelo Brasil com um som comum aos ouvidos gringos, nem tanto aos tupiniquins: um rock recheado com pitadas eletrônicas, dançante, caprichado, perfeito para as pistas. Quem estava vivo e antenado na época lembra que “Just do It”, o primeiro hit dos Copas, virou hino dos dancefloors. Mesmo sem conhecer a banda, o mundo cantava junto.

Mas afinal, o que é Copacabana Club? Eu não aguento e faço a pergunta mais chata que um jornalista pode fazer.Tranquilamente, Cacá me conta que a escolha do nome saiu de uma maneira

meio dadaísta: na busca por um nome fácil de

guardar, e que remetesse ao Brasil, eles começaram

a falar palavras em português de maneira aleatória.

Numa dessas saiu Copacabana e todos gostaram. O Club é o tom disco que embala o som dos caras. Simples assim. E você aí com teorias conspiratórias,

hein?

Tropical Splash Quatro anos de sucesso e nenhuma gravação parece contraditório. O que pesa na história do Copa é que o sucesso veio muito rápido, então

a pressão para a concretização de um álbum foi

chegando enquanto a banda era ainda uma menina. Em 2008, os curitibanos soltaram o EP King of the Night. Nele, estavam as músicas “Come Back”,”It’s Us”,“Just Do It” e a homônima “King of the Night”.

[+1] bit.ly/copasdoit

[+2] O Bar James é um dos mais conhecidos de Curitiba. É um dos primeiros (e únicos) lugares na noite da cidade para quem gosta de música alternativa.

038\\

038\\

COPACABANA CLUB NÃO É UM HOTEL NO RIO DE JANEIRO

//039

COPACABANA CLUB NÃO É UM HOTEL NO RIO DE JANEIRO //039
COPACABANA CLUB NÃO É UM HOTEL NO RIO DE JANEIRO //039

040\\

noize.com.br

“A gente não consegue se imaginar morando em uma cidade grande, onde tudo é longe. Com a ida- de a gente passa a não querer se submeter mais a certas coisas”

Mesmo assim, o lançamento não sossegou os fãs. E nem a banda.“É claro que a gente queria gravar um disco, mas não é assim tão fácil”, revela a vocalista. Tropical Splash, o primeiro álbum cheio do grupo, começou a ser gravado no final de 2009. Chegou às prateleiras em junho deste ano. A bolacha demorou para ver a luz do dia por falta de tempo. Como foi gravado no estú- dio do produtor Dudu Marote, a banda só podia trabalhar quando a agenda batia com a de Dudu. E então você se pergunta,“por quê da decisão de se manter independente?”. Não seria muito mais fácil assinar logo com à música? Três selos mostraram interesse em contar com o Copacabana Club enquanto eles trabalha- vam no álbum. No fim das contas, o apoio da indús- tria e as propostas que receberam não ofereciam grandes vantagens financeiras. O disco já estava sendo encaminhado, o dinheiro já tinha sido gasto

e o serviço de merchand e assessoria oferecido não

valia a pena. Gritar “independência”, nesse caso, foi

a escolha mais óbvia. Hoje, Tropical Splash chega às

prateleiras das livrarias e lojas de discos que aceita- ram vendê-lo em negociação feita diretamente com os Copas. E a grana sai limpinha para eles. Se na internet o grupo deu certo, pergunto como

é fazer um show sem ter um registro, um formato

físico onde a versão final das músicas é imortali- zada.A vocalista responde que acha engraçado o fato de todos pensarem que as versões de suas

músicas mudavam de show para show. O que não é verdade:“É como com qualquer outra banda, muda um pouco a cada show. Mas não é uma mudança

drástica”. Durante a gravação de Tropical, nenhum single

de King of The Night sofreu grandes transformações. “A ‘Just do It’, por exemplo, só foi remasterizada para ficar igual às outras músicas do disco. Fora isso, nada mais foi mudado, é a mesma música”.

A única alteração bombástica aconteceu em “It’s

Us”, que acabou ganhando novos arranjos.Aí sim, diferentes do que o público estava acostumado a ouvir ao vivo. Mesmo respeitando o tempo de sua evolu-

ção, os integrantes do Copa costumam brincar en- tre si dizendo que são a banda independente com o single mais longo que existe. Por outro lado, o alívio que a bolacha trouxe aos integrantes do grupo fica claro durante a conversa.A voz de Cacá responde ensopada em um misto de alívio e orgulho. Depois de anos sob pressão, ela confessa que ter o traba- lho em mãos acalma os ânimos de todos. Prova pra eles mesmos, e para os fãs, que o quinteto é capaz de fazer um álbum. Ela não diz, mas fica implícito que o disco é a prova final: ok, agora somos uma banda.

E agora?

$$ Ainda que fazendo muito sucesso aqui e lá fora, a dona do mic insiste em me fazer entender que ser

uma banda não é toda a farra que se pensa.A grana

e as responsabilidades pesam. Nesse momento, em

um ritmo quase didático, Cacá conta que mesmo para uma banda de ascensão tão rápida como a dela, nem tudo são flores. E exemplifica: até meados

de 2010, Rafa e Tile (guitarrista e baixista, respec-

tivamente) ainda mantinham seus empregos.Até que a compreensão dos chefes chegou no limite. Ela mesmo ainda faz uns frilas (É formada em En- genharia Civil, mas nunca praticou. Quando fala em “trabalho”, fora da banda, significa fotografia). São pouquíssimas coisas que uma banda consegue fazer que não resulte em gastos: viagens, ensaios em estúdio, tudo leva o dinheiro – difícil de ser ganho. Sucesso não necessariamente equivale a grana.

BACKYARD “Backyard” +3 , o primeiro videoclipe de Tropical Splash, ganhou lançamento poucas semanas depois do disco. Mais produzido que o clipe de “Just do It”, retrata a evolução dos caras como banda e como pessoas. Muito mais sombrio e elaborado, “Backyard” é maduro, sério. E profissional. Para o clipe, o grupo contou com a ajuda dos amigos e o apoio da Red Bull. Mesmo assim, a vocalista conta que a gravação por pouco não foi um desastre. No dia marcado para as filmagens externas, feitas no bosque da chácara de sua família, choveu muito. Era impossível gravar.As filmagens internas então foram adiantadas, mas o trabalho no dia seguinte permaneceu sendo um problema:

a lama cobria todo o cenário.“Mesmo com amigos do cinema que ajudaram, com o maquiador que topou fazer o trabalho de graça, o gasto acabou sendo maior ainda”, ela lamenta.

SORTE

O caminho comum sucesso > disco > single >

videoclipe não foi seguido pelo Copacabana Club simplesmente porque ninguém da banda esperava o que eles alcançaram. Em vários momentos, Camila enfatiza que o Copa só deu certo porque eles simplesmente estavam no lugar certo no momento certo. E se a afirmação soar meio prepotente no papel é só pela falta de entonação vocal. Sinceramente, não existe palavra melhor para definir o que aconteceu com os curitibanos. Pouco mais de um ano depois da formação do grupo, um

COPACABANA CLUB NÃO É UM HOTEL NO RIO DE JANEIRO

//041

jornalista assistiu ao seu show e os colocou na capa de um dos cadernos mais importantes do País +4 . Alguns meses depois e eles gravam o primeiro videoclipe. O Kanye West vê, curte e posta em seu blog pessoal. O Myspace explode de views e pronto:

o sucesso ainda está aí. É claro que existiu esforço, suor e sangue, mas o “turning point” do Copacaba- na aconteceu “pelas costas”.

SIMPLICIDADE

A falta de pretensão que Cacá tanto discorre é

pontuada em sua conversa mansa de quem fala da banda como quem fala da família. São poucos os momentos em que ela troca a primeira pessoa do plural pela do singular. Falando sobre o futuro - e

mesmo agora, com um público capaz de cantar seu álbum de ponta a ponta - ela admite que não tem

nada a ver eles saírem de Curitiba, onde todos ainda moram:“A gente não consegue se imaginar morando em uma cidade grande, onde tudo é lon- ge.Além disso, poxa, eu já tenho quase trinta anos. Temos nossas casas. Com a idade, a gente passa a não querer se submeter mais a certas coisas.”

À exceção dela, que nunca tinha vivido a rotina

de uma banda,Ale (guitarra e vocal), Claudinha (bateria),Tile e Rafa podem afirmar que já haviam trilhado seus caminhos na música. Mesmo que em grupos distintos. No início da nossa conversa, Ca-

mila falou sobre um concurso de bandas que eles

participaram.Apesar da importância de ter estado

lá, questionou a validade desse tipo de evento.“É

baseado em que, qual é o critério?”. O mesmo vale para prêmios de música.

O grande diferencial do Copacabana Club provavel-

mente esteja neste tipo de maturidade. Não só de

quem já tem uma vida um tanto planejada porque beira os 30, porque já pode ser intitular adulto, mas porque soube esperar o seu tempo. E soube fazer

o que estava afim quando estava afim. ”O público

muda de opinião toda hora.Você tem que fazer o que é importante pra você”. Sem querer, ela quase

recita “Just do It” +5 .

[+3] bit.ly/copasback

[+4] Em dezembro de 2008 eles saíram na capa do caderno “Ilustrada”, da Folha de São Paulo

[+5] “you can make some friends/form a band/or sing along/just do it cause you want it/not because you saw it”

042\\

eNtReVIstas feRNaNDo coRRÊa, maRcela boRDIN, maRÍlIa pozzobom e peDRo bRaga

cRIstIaNe lIsbÔa

teXto

as regras dO JO gO

e peDRo bRaga cRIstIaNe lIsbÔa teXto as regras dO JO gO Cada jogo vem com um

Cada jogo vem com um punhado de regras +1 que, se seguidas a risca, levam a pelo menos uma vitória. Segui- -las, portanto, é sempre a escolha mais segura. Afinal, trilhar o caminho já trilhado é, no mínimo, conhecer as tocas do perigo. Acontece que existe sorte. Existe malandragem. Existe destino. E, sobretudo, existe a variável decisiva do talento. Ou isso que nós tão descuidadamente chamamos de talento e que por si só não define sucesso ou pódim. Para tentar ordenar um pouco as caóticas, mutáveis e temperamentais regras da cultura musical brasileira reunimos produtores, jornalistas, donos de casas de shows, cambistas e músicos de bandas que um dia foram apenas um bando de amigos e algumas guitarras velhas. Ou seja, todo mundo que faz parte do hot music business. Com base em depoimentos, histórias reais e “pulos do gato” destes profissionais, fize- mos o primeiro “As Regras do Jogo”. Cheio de dicas, sem auto ajuda e com nenhuma verdade incontestável ou absoluta. Portanto,

PLAY THE GAME.

1
1

identidade

1 identidade “ É do produto artístico que parte o todo. Se Michael Ja- ckson fizesse

É do produto artístico que parte o todo. Se Michael Ja- ckson fizesse música concreta não adiantaria nada usar

a roupa que ele usava e dançar como ele dançava. O

artista tem que fazer o que sente, pra ser de coração, de verdade.Tem artista que gosta de botar essa premissa nas mãos de outras pessoas, mas no momento em que criamos a Trama todos artistas se queixavam da interfe-

rência não-consensual de grandes gravadoras .” João Marcello Bôscoli, diretor da gravadora Trama

Eu acho que é legal ter uma imagem bem cuidada, no sentido de só soltar vídeos bons, mesmo que sejam web-clipes bem simples. Uma banda que toma o devido

cuidado com isso já meio que sai na frente do resto.

E isso se aplica a tudo: um logo massa, um twitter ou

página no facebook sem analfabetismo e miguxês, o que também dá muita credibilidade pro trampo do cara. E hoje com o YouTube a pessoa não precisa fazer nada mais do que dar UM clique pra ver teu vídeo.Agora, se a música for uma merda, nem Spike Jonze salva.Lucas Silveira, vocalista da Fresno

2
2

posicionamento

” Lucas Silveira , vocalista da Fresno 2 posicionamento “ Eu acho que tem coisas maravilhosas

Eu acho que tem coisas maravilhosas e muito honestas no mainstream, e coisas fake também.Assim como existe o fake no underground. Eu não acredito muito nessa classificação, e não acho que estar no mainstream significa banalizar algo. Eu, particularmente, como mú- sico, quero atingir o maior número de pessoas possíveis com meu trabalho, honestamente e sempre priorizando pela qualidade do que está feito, seja em termos de

as regras do jogo

//043

arranjo, letra, melodia ou repertório pra comunicação

verdadeira daquilo que eu produzo.Agora, se for da natureza honesta do cara cantar o que quer que seja

e assim encontrar seu espaço, der certo, que lindo +2 . Filipe Catto, cantor

Pra dar certo tem que fazer o que gosta: o negócio é se importar com o que a banda e seus integrantes gostam de fazer, e não o que acham que vão gostar. O público muda toda hora .” Cacá, vocalista do Copacabana Club

Tem muita banda que não se dá valor, que tem um puta som mas não tem aspirações. Parece que o sonho deles é ser sempre uma banda injustiçada. Em com- pensação, tem banda que acha que é estrela e precisa comer muuuito arroz com feijão ainda.vimos os dois casos. E acho que é bom achar um meio termo, saber o seu valor mas não se supervalorizar .” Marçal Righi, organizador do Jukebox Festival

O processo de aprendizagem e formação é permanen- te; geralmente, algumas pessoas se dão por satisfeitas com algum saber adquirido e por vezes desdenham quem mantém uma busca constante de esclarecimento/ conteúdo através dos conhecimentos formais (academia, digamos assim). Devia ser diferente .” Frank Jorge, compositor e vocalista da Graforréia Xilar- mônica

Me entristece muito saber da quantidade de bandas ótimas no Brasil, com gente ridiculamente talentosa, mas que não tem a menor manha ou disposição pra fazer

aquilo ser conhecido.Aí ficam num ostracismo que cansa,

o cara entra numas nóias de achar que é ruim, ou então

fica se achando fodão demais e culpando isso pelo seu insucesso.Lucas Silveira, vocalista da Fresno

É muito difícil verbalizar, mas frescor é virtude funda- mental. Não tenho ilusão de que vá conseguir encontrar artista que crie novo gênero de uma hora pra outra. Mas pode botar assinatura pessoal, frescor, personalidade dele naquela música. Por exemplo, Rappin Hood faz rap

[+1] O livro “Palavra Pintada” de Tom Wolfe (Ed. Rocco) define 3 etapas rumo a notoriedade

[+2] Hoje em dia não existe mais uma fórmula tão pronta assim, nem pro sucesso, nem pro fracasso.” Filipe Catto

044\\

noize.com.br

brasileiro, mas tem assinatura própria. Nação também. E dá pra extrapolar, porque surgiram junto com um gêne- ro. Mas existe uma série de artistas que não inventaram gêneros, embora tenham botado muito de si. E mais do que nunca, artista que se mexe, que tem iniciativa, corre atrás das coisas, de show, que tem uma iniciativa interes- sante no mundo digital, que não fique parado. Iniciativa é fundamental.Ter energia pra trabalhar. Um artista que tem assinatura própria e grande iniciativa, acho muito difícil não dar certo .” João Marcello Bôscoli, da Trama

3
3

gerenciamento de carreira.

Faça mais de uma coisa. E olha só: pro- fisionalismo – mesmo quando se é ainda amador – é bom e todo mundo gosta

[+3] “Não pode esquecer do roadie, do técnico de som, do técnico de luz, de monitor. É uma equipe grande. Uma banda não são 4, 5 pessoas. São 10, 12 pessoas.As bandas que dão certo, todas têm, de certa forma, uma estrutura. Nem que seja um rascunho disso.

[+4] “O empresário ideal é aquele que participa com a banda, que negocia com a banda, sabe o que a banda deseja.

a banda, que negocia com a banda, sabe o que a banda deseja. “Somos 10. Pra

“Somos 10. Pra muita gente seria inviável, as pessoas pensam,‘Se na banda são 10, a equipe técninca deve ser 30 pessoas’. Nós pensamos: somos 10, temos que fazer funcionar. Então a gente carrega instrumentos, ajuda a montar. Na banda, existem pessoas que sabem mexer na parte de sonorização, tem um economista, que sabe mexer com dinheiro. Então o que era pra ser a desvanta- gem se tornou a vantagem, usamos o caminho inverso.A gente tem um jornalista, tem um economista na banda, dois designers, um publicitário. Os dois biólogos enten- dem muito de gravação. O Esdras entende bastante de vídeos. Eu mexo na parte administrativa, o Ofuji na parte institucional e de contatos.A gente aproveitou a parte extra-banda e aplicou na empresa. Na realidade a gente deu sorte em relação a isso, mas nao necessariamente tem gente formada pra tudo - procuramos é aprender e aplicar. E isso ajuda. O artista não pode ser o cara que compõe, entra no estúdio, toca e sai. Os tempos são ou- tros. Ou você se adequa, se adapta as novas tecnologias, novo cenário, ou você tá fadado a morrer na praia. É meio camaleão, você tem que estar o tempo todo sendo criativo, sendo criativo, sendo criativo, sem deixar o lado

artístico de lado.Tem que balancear as duas coisas.” Paulo Borges, Móveis Coloniais de Acaju, sax tenor e assistente de produção

“Eu acho que as bandas, em geral, têm que tocar e têm que tentar fazer o pacote todo funcionar.Tem que ter um site bacana, tem que tentar colocar a música pra

fora, acho que isso é importante.A gente nunca vai saber que tem uma banda nova em Goiânia, se ela não fizer

chegar até mim. Então

e procura, a gente pede dicas de vários produtores pelo Brasil inteiro, porque eles sabem que têm bandas que

têm dificuldade de sair daquele nicho. Mas é importante tentar rodar, tentar participar de eventos. Cada banda tem que passar por duas fases.Tem aquela fase que é a do investimento - que é muito importante, quando a ban- da tem que rodar, fazer mais de trinta cidades, numa turnê de Fora do Eixo, super importante, porque eles tocaram em lugares que eles nunca iriam normalmente.

E agora a gente voltou pela segunda vez pra alguns

lugares e foi muito legal.Ter essa recepção da volta, que

certamente seria diferente se eles não tivessem tocado lá antes.Acho que é isso, acho que a banda tem que tocar. Essa é a dica principal.“ Ana Garcia, uma das fundadoras do Coque- tel Molotov, produtora e coletivo cultural de Recife

obviamente a gente pesquisa

Os três persOnagens pOr trás dO geren- CiaMentO de UMa Banda +3

O AGENTE é o cara que simplesmente cuida de vender show. É aquele cara que tem os contatos. O EMPRESÁRIO +4 administra a carreira como um todo. É parceiro da banda fulltime. Tu depende dele pra tua carreira andar e ele depende de ti pro sustendo dele. É praticamente um casamento. O PRODUTOR é o cara do dia a dia. É um trabalho quase de secretário.“ Miranda, Produtor musical

as regras do jogo

4 5
4
5

Shows

as regras do jogo 4 5 S hows “A coisa mais importante que um artista pode

“A coisa mais importante que um artista pode ter é o show. É premissa básica: sem bom show, nada acontece. Mesmo banda que toque no rádio – sem grande show, tudo rui. É onde a mágica se concretiza, de Luan Santa- na a Lenine.” João Marcello Bôscoli, da Trama

“O show é uma das partes mais importantes. Mesmo com a internet, com as pessoas podendo matar mais a vontade de ver as bandas, o grande diferencial ainda é o show.A gente tem sempre essa preocupação de fazer um bom show, ter uma interação maior, descer do palco, trocar figurinha. Pra não ser aquela coisa do artista lá em cima, intocável, e o público embaixo. Então o que a gente procura é manter o máximo de contato, fazer com que o público também faça parte do show. O público tem que fazer parte, se sentir parte do espetáculo.As pessoas já vão pensando como vai ser, a hora que vamos descer, como vai ser a coreografia que vamos fazer com eles. E depois tem a repercussão em função disso.Até mesmo nos lugares que a gente vai tocar a primeira vez as pessoas já vão nessa expectativa.Tem que ser tudo muito organizado, a passagem de som, por exemplo, é uma etapa importantíssima.” Paulo Borges, Móveis Coloniais de Acaju, sax tenor e assistente de produção

“O primeiro show é determinante.Tem que ter alguém esperto de marcar, um lugar legal, som legal. Senão a banda não vai pra frente.“ Miranda, Produtor

gravar? quando? grava- dora. ter? será? imprensa? Como chegar nela?

quando? grava- dora. ter? será? imprensa? Como chegar nela? “Acho muito importante não demorar tanto a

“Acho muito importante não demorar tanto a compor, gravar e lançar novo material - seja um disco cheio, single, uma música que seja. Os Beatles são um exemplo e tanto: no mesmo ano que lançaram o Sgt Peppers, saiu também o Magical Mistery Tour!!! Eram fominhas.Ti- nham talento, ok, mas trabalhavam com afinco.” Frank Jorge, vocalista da Graforreía Xilarmônica

“A gravadora deve ser vista como uma parceira do seu trabalho. Ninguém te obriga a assinar um contrato com uma gravadora. Hoje pode-se ter uma carreira longe das gravadoras, mas é mais difícil. Divulgar um CD é caro e trabalhoso. É bem melhor ter um parceiro que entenda de todas as etapas pra ajudar.” Henrique Portugal, tecladista do Skank

e COMO Mandar MeU MateriaL pra gravadOra?

“1

Nada

de CD-R num envelopinho de plástico sem nada escrito. Isso eu nem escuto”.

Sempre colocar o contato, né?

2

NUNCA,

JAMAIS mandar músicas ou discos inteiros compactados por email.

4

Se

possível, fazer um contato pessoal em festivais da Monstro ou shows. Não mordemos.

5

Não

insista! Tem muita banda que às vezes entrega

o material e fica ligando, mandando email, mensagem no facebook. Ser insistente é chato, a gente já descarta a banda de cara. Se o carinha já entregou o material, se tivermos interesse, iremos entrar em contato”. Léo Bigode, Monstro Discos

//045

046\\

noize.com.br

“É uma lenda a respeito da Rolling Stone achar que a gente vai descobrir a sua banda, porque não é o papel da revista e nunca foi.Ao mesmo tempo, é complicado falar uma coisa dessas e desencorajar um monte de artistas a mandar os seus CDs pra cá. A gente trabalha com muitos colaboradores do Brasil inteiro, repórteres em quem a gente confia. Pessoas com níveis diferentes de especialidade ou que gostam de diferentes estilos e gêneros.A gente fica muito ligado no que eles dizem. O que é falado, mencionado ou recomendado por vários desses colaboradores que nos ajudam faz a gente ligar o nosso radar.” Pablo Miyazawa, editor chefe da Rolling Stone

nOssO COnseLHO?

1

FAçA

UM RELEASE com no máximo uma página.

 

E

fale do trabalho em questão, não que começou

a

tocar com o lesma, na 3o série e teu sonho era zzzzzzz.

2

MANDE

UM CD com capa e índice de músicas.

Pode caprichar aqui. Uma capa bacana, uma embala- gem bonitinha.Ajuda.

3 LIGUE

pra perguntar se a pessoa recebeu o

disco. E ponto final. Não pergunte “e aí, gostou?”. Ninguém responde a verdade. Por educação.

de colocar teu precioso CD na mão

4 DESISTA

de jornalista na balada. Não parece, mas jornalista é gente. Pode estar lá pra se divertir e beber e dançar.

E, dentro do táxi, vai vomitar no teu CD.

6
6

Onde tocar? e mais impor- tante: com quem eu falo pra tocar lá?

[+6] Quer tentar? curadoria@studiosp.org

com.br [+6] Quer tentar? curadoria@studiosp.org “ 1 Monte seu RIDER técnico e material de divul- gação

1

Monte

seu RIDER técnico e material de divul-

gação da maneira mais criativa e objetiva possível,

assim será mais fácil de ser atendido.

2

Peça somente coisas que realmente vão ser utili-

zadas. Desperdício e ostentação não são bem vistos por contratantes.

Mesmo recebendo cachê, ajude a divulgar seu

show. Não é legal nem pra você e nem para o con- tratante shows vazios.A casa pensa duas vezes antes de te chamar novamente no caso de lugar vazio. E cheio é capaz de você sair com uma nova data de lá.

3

4

Seja organizado, mas ao mesmo tempo flexível.

Imprevistos acontecem e são bem vistos pelo con- tratante quando o espírito é de resolver o problema e não de ataques de estrelismos e complicações por má vontade.

5

Seja

pontual.

6

Carisma,

um show criativo e bem montado “sem

muitas falas durante” são bem vindos - a não ser que você seja um novo candidato a fazer stand-up

comedy.

7

Convidados da banda são necessários, mas não

esqueça que a casa tem que pagar seu cachê com o dinheiro da bilheteria. Então, manere.

8

A banda é a grande atração da noite, por isso:

faça jus a isto. Bêbados não tocam melhor que só- brios. Isso é lenda e também não é rock´n´roll.

Tenha na manga vários repertórios.Afinal, o

público é imprevisível.

9

10 Mostre

tudo aquilo que você ensaiou e trans-

cenda no palco. Pule, grite, extravase, mas cuide dos equipamentos. Bebidas no palco e jogar equipamen-

tos como backlines e microfones não é legal.Ainda mais quando não é seu.”

Victor Lucas, dono do Beco 203 +5 em São Paulo e Porto Alegre

“A programação do Studio é feita através de uma curado- ria, de uma direção artística.A gente tem uma programa- ção bastante eclética, não é presa a um estilo musical, mas sim presa a uma determinada conexão com um estilo musical, com um padrão musical da casa.A gente recebe materiais ou indicações e, após ouvirmos e entendermos qual é a de cada banda, faz uma escolha.A gente sempre tenta ser o mais criterioso e cuidadoso possível, porque

o Studio hoje tem um sistema que é como se fosse uma

cadeia, através de uma escadinha que a banda percorre - e

a gente, quando convida uma banda pra ingressar nessa

escadinha, nesse sistema, a gente quer ter certeza que vai valer a pena, que é uma banda que está relacionada com os padrões da casa. Então, a banda começa tocando no Studio de graça, pra formar público, a gente fica um tempo com ela fazendo esse trabalho. Depois disso, essa banda passa a tocar em shows com bilheteria e aí segue uma trajetória. Muitas vezes essa banda entra no nosso leque de residentes e tudo mais. Mas o início é um começo de curadoria, de escolha por parte da casa. Mesmo.A grande maioria [do material] chega através das próprias bandas, ou do produtor, ou da pessoa que está cuidando da banda.

as regras do jogo

//047

mer o orçamento do show pra meter um de OITO folhas.

Aí o carinha que não conhecia a banda via aquilo na rua e pensava:“caralho, só eu não conheço essa banda”. Percebi bem cedo que tinha um pessoal de colégio que pirava no nosso, ao mesmo tempo em que ouviam, sei lá,Armandi- nho.Aí eu escolhia uns dez colégios bombados da cidade

e fazia uns esquemas com Grêmio Estudantil, essas coisas. Botava o pessoal pra vender ingresso lá dentro. Deixava uns A3, umas cortesias e um CDzinho com nossas músicas pra ficarem estourando no recreio.Aí chegava mais perto

e a gente ia pessoalmente entregar flyer na saída. Não sei como é hoje, mas na época isso deu MUITO certo.

O momento em que eu vi que o negócio estava grande

era quando parou um New Beetle com aquelas gostosas

A

gente pede que, quando mandarem e-mails, enviem links

distribuindo Red Bull na frente do nosso show, lá na Croco.

e

não precisa anexwar nada, mandem apenas os links. E a

A

gente tinha um espírito mega-mendigo, fazia uma

gente tem uma equipe aqui no Studio que cuida da progra- mação da casa. Essa equipe avalia e discute com os outros setores pra ver qual banda pode entrar nesse sistema de difusão de artistas.”

Ale Youssef +6 – sócio do Studio SP

7
7

pulo do gato. trabalho x sorte x vontade

do Studio SP 7 pulo do gato. trabalho x sorte x vontade “A gente se organizou

“A gente se organizou porque ainda não conhecia o pes- soal que realmente promovia eventos decentes na cidade. As iniciativas eram poucas, e a gente não podia ficar dependendo dos shows da Atrack, Not So Easy, festivaizi- nhos de colégios ou do Paraíba’s Festival (um festival bem clássico que rolava no Garagem Hermética) para fazer os shows.A gente queria fazer shows onde nós fôssemos os bam-bam-bams, onde eu pudesse fazer um cartaz onde a minha banda tivesse um puta de um destaque, fazer um release cheio de factóides e mandar bala. Uma coisa que eu encanei muito cedo era na magnitude do show. Se o Charilie Brown vinha pra POA e fazia um show no Opinião com um cartaz lambe-lambe de duas folhas, eu iria espre-

correria toda na mão, e já estavam vendo nossos shows como EvENTOS. E essa crescida toda se deu em menos de 2 anos, e bem antes das rádios sequer saberem da nossa existência.“ Lucas Silveira, vocalista da Fresno

“Eu vejo o sucesso com algo que tenha retorno de público

e não obviamente isso se reflete em algum lucro.Acredito

que sucesso seja sinônimo de aclamação.A qualidade é ou- tra coisa, algo muito subjetivo e que varia do gosto pessoal de cada um. No geral meu parâmetro é : O que é bom faz sucesso e leva gente aos shows.“ Ricky Bonadio, dono do selo Arsenal e produ- tor de NxZero, Fresno e CPM22

“Na verdade, a coisa já tinha mudado quando a música entrou na novela. Eu já estava há algum tempo trabalhan- do com minha equipe, e continua assim, da mesma forma. Foi uma surpresa pra mim, claro, mas não teve nenhum

beabá. Eu tive a sorte da música ser ideal pra personagem,

e de estar em uma produção que tem essa abertura pro

novo. Não é como se eu estivesse ali perdido no meio dos

medalhões. O grande barato da trilha do Cordel é misturar

a galera como eu e a Karina Buhr com gente como Zé

Ramalho, Caetano e Djavan.“ Filipe Catto, cantor

048\\

noize.com.br

8
8

grana ou a indefectível per- gunta: vou ser pé rapado pra sempre?

a indefectível per- gunta: vou ser pé rapado pra sempre? “Apostar em patrocínios e parcerias comerciais

“Apostar em patrocínios e parcerias comerciais foi uma decisão da sociedade: as pessoas compravam mídias físicas numa intensidade que mudou.Tem que acompanhar o ritmo da história. Creio que pode ser boa fonte de receita.” João Marcello Bôscoli, da Trama

“A gente faz a banda gerar dinheiro através da loja, com camisetas, bótons.Agora temos funcionária que trabalha só com vendas. É o velho esquema de banda independente, com mais profissionalismo.” Paulo Borges, Móveis Coloniais de Acaju, sax tenor e assistente de produção

“Grana sempre foi relativo. Nunca tivemos um cachê fixo. Sempre tivemos a seguinte política: quando a pessoa vai tocar em um lugar pela primeira vez, vai com o que a casa/produtora do show tem a oferecer e é isso.A partir do segundo convite já podem rolar condições melhores. Se qui- ser arriscar e tentar se sustentar, viver de música na cena independente, trabalhe duro com uma galera que esteja querendo se dedicar 100% a isso. E seja desapegado: diga adeus à sua cama.“ Andrio Maquenzi, vocalista da extinta Super- guidis

UMa úLtiMa COisa antes de vOCê vOLtar prO COrre? divirta-se. sériO MesMO. a MeLHOr parte da viageM é O CaMinHO. saBia?

eXtra! eXtra!

PRIMEIRO CLIPE

1

Música.

Escolha a melhor música do álbum, se tiver

álbum, claro. Se não a melhor musica que tiveres. De

preferência aquela que seus amigos já sabem cantar. Essas normalmente são as que mais funcionam.

2 Ideia.

comunicar, que cara vão dar à banda, como imaginam o

vídeo clipe e como gostariam de ser vistos pelo público. votem entre si qual é a melhor ideia. Falem um para o outro tudo.

3 Diretor.

e organizar as ideias. Sim, uma banda iniciante tem muitas ideias que precisam ser filtradas por alguém que a banda admire e julgue ter brilhantismo para dizer o que realmen- te irá funcionar. Importante que ele tenha uma câmera pra filmar ou conheça alguém que tenha pra emprestar. Hoje em dia uma boa câmera digital faz imagens lindíssimas.

Pense no cara da turma q tem o maior carrão.

4 Produtor.

Conhece todo mundo.Tem facilidade para entrar nos luw- gares e conhece todos os picos alucinantes de sua cidade.

Esse você já pode chamar pra ser seu produtor.vai arrumar transporte, alimentação e o lugar que vocês vão filmar.

5 Direção

em cena. Objetos, móveis, luminárias

que se veste super bem e mora numa casa cheia de mó- veis alucinantes que parecem de filme. Ela pode também acumular a função de figurinista.vocês vestem jeans e levam opcões de camisetas pretas pra que ela diga qual vocês estão melhor. Economiza na equipe e de quebra um

de vocês ainda pode levar a gata, nessa de ver qual blusa fica melhor ela pode se apaixonar pelo seu tanquinho. 6.Sorte. Precisa ter para que tudo dê certo no dia da filmagem, principalmente se for ao ar livre.

7 Festa.

apresentar o clipe para os amigos e as pessoas que vocês gostariam que assistissem.Aproveitem a oportunidade e façam um show com a banda pra todos verem vocês tocar ao vivo.” Candé Salles, diretor da Conspiração Filmes.

Reunir a banda e decidir juntos o que querem

Chamar um amigo com inteligência para dirigir

de arte. quem vai cuidar do que vai aparecer

chama aquela gata

Depois do clipe pronto, dê uma festa para

“minhA diCAs pArAs bAndAs que ComeçAm : não é só ComeçAr. tem que ContinuAr.muitAs vezes

“minhA diCAs pArAs bAndAs que ComeçAm :

não é só ComeçAr. tem que ContinuAr.muitAs vezes As pessoAs desistem fACilmen- te, sem sAber o que pode vir pelA frente.

siGA seu próprio CAminho, não AChe que o CAminho que os outros seGuirAm tAm- bém vá funCionAr prA voCê.”

Gabriel Thomaz, vocalista da banda Autoramas

050\\

RepRoDução

foto

boRDIN

maRcela

teXto

WOODY ALLEN

//051

Mais estranho que a ficção

um baixinho magrelo, casado com a enteada, que não crê em amor sem neurose e credita sucesso a sorte. Woody allen é mais real que você.

Woody é pop Na cena inicial de Noivo Neurótico, Noiva Nervosa, Alvy Singer conversa com a câmera. “Eu nunca per- tenceria a um clube que tivesse alguém que nem eu como sócio”. Singer, sem dúvida, ocupa um alto posto no escalão dos personagens mais neuróticos e irritantemente sábios que Woody Allen já criou. Parafraseada por ele (a autoria é, supostamente, de Groucho Marx), a citação mostra o universo de inseguranças e auto-depreciações que o diretor comumente cria – assim como, pode-se desconfiar, denuncia sua própria vida. Nunca antes esse gênio da tragicomédia esteve na boca do povo como ago- ra. Talvez nem em 1977, quando ganhou um Oscar de melhor filme justamente por Annie Hall. Com o lançamento de Meia-Noite em Paris +1 , o prolífico di- retor é o novo queridinho das telonas no Brasil. O filme é o maior lançamento de Woody no país, com 98 cópias distribuídas e cerca de 130 mil ingressos vendidos.Tweets correm soltos, todos curtem e fa- lam a respeito. Quem não viu, está comendo mosca.

Tudo redondinho Se quer pertencer ou não a um mundo onde ele é popular, impossível saber. Então, vamos ao palpável. Existe um padrão woodyallenesco de trilhas sono- ras, que aparece ao longo de suas quatro décadas de carreira. Com Meia-Noite em Paris, mais uma vez, o conjunto musical chama atenção. Aqui, um parênteses se faz necessário, já que, neste filme em especial, – e como é comum em produções de épo- ca – a música não é apenas decoração. É parte do contexto. Expliquemos. A sinopse conta a história de um jovem roteirista norte-americano que se vê na Paris dos anos 20, circulando entre os gênios e loucos da “geração perdida”. Assim, vemos Gil, per- sonagem interpretado por Owen Wilson, passean- do em boulevares parisienses, ouvindo conselhos literários de Hemingway, sugerindo que Gertrude Stein leia seu roteiro e conversando, entre um café e outro, com tipos como Salvador Dalí e Fitzgerald. Woody Allen não seria Woody Allen se tudo não ficasse redondinho. Às ações, foi incorporado

[+1] Enquanto participava do festival de Cannes, com Meia- Noite em Paris,Woody Allen declarou, durante uma entrevista, que

o livro “Memórias

Póstumas de Brás

Cubas”, de Machado

de Assis, estava na

sua lista dos cinco melhores.

052\\

noize.com.br

é sua crença que, se continuar fazendo filmes, de vez em quando vai ter sorte e um vai sair OK.

[+3 Trio também de Melbourne que escreve músicas como se estivesse compondo trilhas cósmicas para filmes psicodélicos. [+4] The Experiment é o álbum de estreia desse trio australiano que já saiu em tour com gente como La Roux e Groove Armada.

o som de clássicos como Cole Porter, Josephine

Baker e Enoch Light and The Light Brigade. Porter, em especial, é rememorado no filme por suas com- posições em homenagem à Cidade Luz. Entre ou-

tras provas de sua afeição, escreveu para a cantora francesa Irène Bordoni o musical Paris, do qual ‘”Let’s Do It” (que aparece na trilha de Meia-Noite em Paris) faz parte. Figura controversa em seu tempo, o compositor realizava luxuosas festas em seu apartamento na capital francesa, sempre com

o intuito de promover a “interação” entre seus

amigos. Homo e heterossexuais. Gay declarado, casou-se com Linda Lee Thomas, norte-americana, divorciada e oito anos mais velha que ele. Os moti- vos que interessariam Woody Allen pela época não são poucos e, não fosse ele ter escrito e dirigido

o filme, ninguém o teria feito melhor. Afinal, nada mais apropriado do que um amante de jazz para retratar a era dourada do estilo musical. Woody não se limita à temporalidade e es-

tilos. Em 2009, com Tudo Pode Dar Certo, o diretor - notório por seu caráter cosmopolita - retornou ao cenário de Manhattan que tanto brilhou em obras passadas. A trilha do filme, que mistura mú- sica erudita com (de novo) o querido jazz, anuncia

o que há por vir. Infestado pelo humor ácido de

Larry David (que interpreta uma versão própria

dos personagens de Allen, com direito a gagueira

e voltas ao redor do mesmo assunto), a narrativa

constrói o improvável relacionamento entre Melo- dy St. Ann Celestine (Evan Rachel Wood) e Boris Yellnikoff (David). Ela, uma ingênua e boba menina do Mississipi que encontra abrigo no apartamen-

to de Boris. Ele, um esnobe professor de Mecânica Quântica habituado a descarregar seus desgostos com a vida em quem quiser ouvir. As canções que acompanham os idílicos passeios ao Central Park anunciam e denunciam sentimentos. Para os aman- tes da bossa-nova (que é filha do samba, mas paren- te distante do jazz), uma versão da brasileiríssima “Menina Flor”, interpretada por Charlie Byrd. Para os amantes do kitsch, “Happy Birthday To You”, can - tada por Larry David. Anterior à Tudo Pode Dar Certo, a produção vicky, Cristina, Barcelona vem embalada por canções com o clima caliente do flamenco. Na Espanha, Al- len procurou – e encontrou – sua trilha sonora.

Juan Serrano, Paco De Lucía e Guilio Y Los Tellarini, para citar alguns, contribuem com suas guitarras. Deixam a história irresistível.Talvez seja a presença de Javier Bardem, Penélope Cruz e Scarlett Johans- son, mas o fato é que Barcelona nunca foi tão atra- ente. Precisa mais? Tudo bem, a gente conta. Guiado pela narração do ator Christopher Evan Welch, o filme mostra duas amigas em uma viagem de férias

à capital da Catalunia. Pelas casualidades da existên-

cia (ou pelo artifício cinematográfico que Billy Wil-

der denominaria como ‘meet cutes’),Vicky (Rebec- ca Hall) e Cristina (Scarlett Johasson) conhecem e

se apaixonam pelo arrebatador pintor Juan Antonio (Javier Bardem). Assim, no plural mesmo. Mas um triângulo amoroso não é o bastante para Woody Allen. Quando você acha que está assistindo a mais um conto de amor água com açúcar, aparece então

a fogosa Maria Elena (Penélope), transformando o triângulo num quadrado amoroso.

WOODY ALLEN

//053

só nos últimos dez anos, seus filmes cobriram paris, Barcelona e Londres, fazendo a ilha de Manhattan, antes tema central em suas histórias, perder território.

Nem tão amador assim Além de admirador,Allen é músico. Judeu do Lower East Side, começou a tocar clarinete quando muito jovem. O polêmico septuagenário já fez aparições em diversos festivais e, com sua New Orleans Jazz Band, toca canções do início do século XX toda segunda-feira no Carlyle Hotel, em Nova York. O diretor e sua banda têm dois álbuns - The Bunk

Project, de 1993, e a trilha de Wild Man Blues, de

1997.

A relação com o jazz vai longe: o nome artís- tico “Woody”, por exemplo, foi inspirado pelo cla- rinetista Woody Herman - na verdade, o cineasta se chama Allen Stewart Konigsberg. Apesar de se considerar um amador na prática, realizou uma tur- nê europeia (isso não soa como amadorismo) em 1996, excursão que foi acompanhada pela diretora Barbara Koople e rendeu o título Wild Man Blues. No documentário, fica evidente que não há consen- so a respeito de seus dotes musicais. Num episódio que qualquer entendedor de Allen consideraria um motivo pra ele discorrer em um de seus longos monólogos, Soon-Yi Previn +2 , mulher e enteada do diretor (você não leu errado, é isso mesmo), fez questão de enfatizar que o público não está lá pela música, mas sim por gostar dos seus filmes. Nin- guém duvida. Ele mesmo confessou, em entrevista ao jornal britânico The Guardian, que Soon-Yi con- sidera uma tortura ouvi-lo praticar clarinete. Na mesma ocasião, e ainda sobre a esposa, afirmou que sua excelentíssima tampouco assistiu a todos os fil- mes feitos por ele.

Eterno noivo nervoso

A crítica insiste em comparar o ‘novo’ Woody aos

seus sucessos setentistas, como Annie Hall e Manhat- tan, por vezes desmerecendo os lançamentos. Apesar disso, as mais recentes produções do cineasta são bem recebidas pelos fãs colecionados desde O que há,Tigre- sa?, seu debut de 1966. Sempre empurrando a zona de conforto para longe, Allen mantém as tentativas de trabalhar com a teoria quantitativa, descrita por ele no documentário realizado por Robert Weide +3 .

É sua crença que, se continuar fazendo filmes, de vez

em quando vai ter sorte e um vai sair ok. Ao mesmo tempo, lamenta que nenhuma de suas produções pas- saria no ‘teste do tempo’ a ponto de transformá-lo em um artista, já que não alcançam a qualidade de obra prima. Se não os seus, Woody, quais? Mas ele não se compara a pouco: Ladrões de Bicicleta, de Vittorio De Sica, e A Grande Ilusão, de Jean Renoir, sobreviverão aos anos. É assim que pensa. Na visão de Weide +4 ,Woody

Allen é “o maior crítico dele mesmo”. Está sozinho na categoria dos que pensam que suas produções não

são clássicos. É o paradoxo do pessimista que acredita em sorte - o mesmo que comentou, em 2005, após

a premiere do drama (tragédia seria mais adequado)

Match Point, que cinismo era só outra forma de escre-

ver realidade. Difícil é acreditar que o trabalho desse gênio (a palavra anda sendo usada levianamente, mas, seguramente, não é o caso aqui) se sustente apenas

na quantidade. Mesmo com sua paixão pela música, os

passeios pelo jazz e o carinho com as trilhas sonoras, elas nada seriam sem os grandes filmes que as abri- gam. Portanto, se o talento depende somente de sorte,

Woody Allen parece ter bastante.

[+2] Soon-Yi Previn,

atual esposa de Allen, foi adotada por Mia Farrow na época em ela tinha um relacionamento com

o diretor. Contra o

(bom) senso popular,

[+3] Robert Weide, que já foi premiado com um Oscar, demorou 20 anos para convencer Woody Allen a participar do projeto.

[+4] Durante

as gravações de

“Woody Allen: um documentário”, passou 18 meses ao lado do diretor.

_fotos NeVes _teXto bello felIpe tomás Ele pensou em ser filósofo. Poderia ter sido psiquiatra,
_fotos NeVes _teXto bello felIpe tomás Ele pensou em ser filósofo. Poderia ter sido psiquiatra,
_fotos NeVes _teXto bello felIpe tomás
_fotos NeVes
_teXto bello
felIpe
tomás

Ele pensou em ser filósofo. Poderia ter sido psiquiatra, como o pai. No entanto, Prodigy mudou sua vida. “Eu tinha 13 anos, e fiquei muito emocionado com eles e com os Chemical Brothers. Então pensei, ‘meus amigos vão adorar isso’ ”. abandonou então a universidade de Wesleyan, se despediu de connecticut e deu hello a Nova Iorque. passou um tempo atrás do balcão do lendário sidewalk café, de onde saíram figuras como Regina Spektor e Adam Green. Mas antes mesmo de servir seu primeiro muffin, já estava arriscando acordes. primeiro, como guitarrista da creaky boards, banda que teve seus 15 minutos de fama ao acusar o coldplay de plágio em “Vida la Vida”. logo depois, trocou smith por Deez. manteve o Darwin. Virou o queridinho do mundo indie na temporada 2010/11. crespo, estranho, bigode esquisito, Darwin Deez começou como todos o fazem: um single hypado na web. A música? “Constellations”. Fez o ianque estampar publicações como Time Out e figurar no top 10 da cool list anual da bíblia musical Nme. Na cola, gravou e mixou em casa um álbum completo. “entre 7 da noite e 4 da manhã”, garante. E pode ser verdade. Diagnosticado pelo próprio pai com Transtorno do Déficit de Atenção, tem dificuldade em se concentrar em algo por horas a fio. “Só é difícil focar no começo, mas quando estou no groove trabalho até explodir.” explosão foi o que Darwin provocou em sua estreia tupiniquim. explosão de sorrisos, elogios, tweets animados e dancinhas. sim, porque o moço da vez desembarcou no brasil com uma banda formada por amigos de infância. todos eles dançarinos, sapateadores, inclusive ele, que divide o nome com o famoso véio barbudo que nos livros de biologia explica a teoria da evolução. por aqui, queria o que todo gringo

quer, “futebol, carnaval e pessoas sexy (

),

talvez uma pequena dose extra de animação”. encontrou as lentes da Noize.

Vê o sol 3 ou 4 horas por dia. Não posta nos fins de semana. Espalha discos, livros, cinzero, dois laptops, a vitrola, o telefone, um calendário e a foto da mulher em cima da mesa. é 100% mashup. Dorme cedo, acorda cedo. 4h20. “melhor hora pra escrever.”

KATE NASH

“Viajar o mundo em uma banda é o emprego perfeito para mim. eu sento na van o dia inteiro e não faço nada. “

“o primeiro álbum que eu comprei foi last splash, dos breeders. comprei em uma loja de discos usados, super barato. e eu nunca entendi nenhuma das letras. elas são simplesmente de outro mundo, nonsense, psicodélicas. mas era um disco muito cool de se

ter.”

40% música, 30% literatura, 10% series, 10% cinema, 10% kittehs. Diariamente, 14, 15, 16 horas em frente

a tela. Na mesa? bloquinho, caneta e um copo d’agua ou café. “Na sexta eu libero para uma biritinha.” o

melhor amigo é o fone de ouvido.

“eu costumava dividir meu cabelo ao meio quando estava na sexta série. sempre quis ele

“eu costumava dividir meu cabelo ao meio quando estava na sexta série. sempre quis ele liso, como todos os meus amigos. então um dia, quando estava na oitava série, minha mãe acidentalmente cortou meu cabelo muito curto. e não há nada que eu odeie mais do que um corte de cabelo ruim. então me dei conta de que havia uma benção dos céus, que tinha um afro acontecendo ali. aí vi uns hipsters no college que imitavam um corte meio judeu. Roubei a ideia.”

“quando eu tinha 13 anos, eu fantasiava sobre dar entrevistas. eu levava meu cachorro para passear e conversava comigo mesmo. fazia de conta que estava sendo entrevistado. eu explicava minha transição de quando comecei a tocar guitara para quando passei a fazer música eletrônica. e como aquilo era cool. e eu fazia de conta que tinha a atenção de pessoas como você.”

“a maioria dos meus amigos são sapateadores.”

062\\

062\\ 1.alienar ou ceder por certo preço. 2.comerciar com. 3. Não ceder gratuitamente. 4.Dispor, a troco
062\\ 1.alienar ou ceder por certo preço. 2.comerciar com. 3. Não ceder gratuitamente. 4.Dispor, a troco
062\\ 1.alienar ou ceder por certo preço. 2.comerciar com. 3. Não ceder gratuitamente. 4.Dispor, a troco
062\\ 1.alienar ou ceder por certo preço. 2.comerciar com. 3. Não ceder gratuitamente. 4.Dispor, a troco
062\\ 1.alienar ou ceder por certo preço. 2.comerciar com. 3. Não ceder gratuitamente. 4.Dispor, a troco
062\\ 1.alienar ou ceder por certo preço. 2.comerciar com. 3. Não ceder gratuitamente. 4.Dispor, a troco
062\\ 1.alienar ou ceder por certo preço. 2.comerciar com. 3. Não ceder gratuitamente. 4.Dispor, a troco

1.alienar ou ceder por certo preço. 2.comerciar com. 3. Não ceder gratuitamente. 4.Dispor, a troco de dinheiro, do que lhe possui ou foi confiado. 5. Ceder sua própria liberdade por certo preço. Vender. Verbo. Dic. aurélio.

espeLHO MeU_ CéU estreLadO _ Acordar cedo, antes do natural para alguém interessante como você,
espeLHO MeU_ CéU estreLadO _ Acordar cedo, antes do natural para alguém interessante como você,

espeLHO MeU_

CéU estreLadO _

Acordar cedo, antes do natural para alguém interessante como você, se olhar no espelho e ver um zumbi. Pode ser totalmente desagradável. Ou não. Para quem tem humor, é auto vexatório por natureza, piadista bissexto ou se acha matinalmente sem alma, estes adesivos para espelho são diversão garantida.

Espalhados por várias cidades, os Plane- tários Municipais te levam de volta ao tempo da excursão escolar, te mostram

a

galáxia cheia de estrelas brilhantes e

dão aquela forcinha pra gente acreditar no cosmos, e tudo ao som de música psicodélica. Por via das dúvidas, leve sua própria trilha sonora.

Rotting Zombie Glass Clings Quanto? R$24,00 no Onde? segredodovitorio.com

Planetário Municipal Quanto? De 5 a 20 reais. Onde? O que estiver mais próximo

Quanto? De 5 a 20 reais. Onde? O que estiver mais próximo eUreKa_ LáBiOs_ Às vezes
Quanto? De 5 a 20 reais. Onde? O que estiver mais próximo eUreKa_ LáBiOs_ Às vezes

eUreKa_

LáBiOs_

Às vezes nossa genialidade está em baixa, mas isso pode ser resolvido facilmente se você é uma pessoa que se inspira com pequenos gestos. Pequenos e que podem ficar por aí pelo seu campo de visão no trabalho, pra dar aquela inspiração.Aliás, Einsten jamais disse “Eureka!”.

Aquelas duas membranas carnosas e sem ossos que formam a parte exterior da boca e cobrem os dentes quando fecham, descobrem quando abrem em sorriso, ajudam na fala e na mastigação. E somente

eles é dado a dádiva de distribuir beijos. Use os que você tem. Sem moderação.

a

Mini Toy Einstein Quanto? U$5.99 + frete Onde? Na thinkgeek.com (entrega no Brasil)

Beijo Quanto? de graça. Não? Onde? Na rua, na chuva, na fazenda, ou numa

casinha de sapêêêê

CiLada_ Uma come-tragédia ou uma trage- comédia? A ordem dos fatores não altera o produto,
CiLada_ Uma come-tragédia ou uma trage- comédia? A ordem dos fatores não altera o produto,

CiLada_

Uma come-tragédia ou uma trage- comédia? A ordem dos fatores não altera o produto, dizem os matemáticos, e o

resultado final é sempre o riso. No caso do filme Cilada.com a globalização de cons- trangimentos pessoais transforma a vida do personagem principal em uma aventura mundialmente famosa. Dê sua espiadinha.

Cilada.com Quanto? Depende do Cinema Onde? Nos melhores cinemas da cidade

Depende do Cinema Onde? Nos melhores cinemas da cidade CaMisinHa_ Mais um motivo para agradecermos os

CaMisinHa_

Mais um motivo para agradecermos os designers e suas idéias mirabolantes. Com um desenho único de forma arredonda na ponta, o Prudence Frisson Baggy aparece com a promessa de dar segurança em to-

dos os movimentos – e posições – que o casal animado quiser executar, sem a neura de rasgar o preservativo.

Preservativo Quanto? Em média R$10,00

Onde? Drogarias e supermercados

//063 estampa do mês Marca: Billabong Onde Encontrar: billabong.com/br/ X
//063
estampa
do mês
Marca:
Billabong
Onde
Encontrar:
billabong.com/br/
X

_IlustRa seIlá paX mfc / WWW.flIcKR.com/seIlaIsmo

_IlustRa seIlá paX mfc / WWW.flIcKR.com/seIlaIsmo
_IlustRa seIlá paX mfc / WWW.flIcKR.com/seIlaIsmo

maRcos heRmes

_foto

maRcos heRmes _foto
maRcos heRmes _foto
eddie vedder Ukulele Songs Ukulele Songs segue a cartilha de um álbum-padrão de cantor/compositor: melodias

eddie vedder

Ukulele Songs
Ukulele Songs

Ukulele Songs segue a cartilha de um álbum-padrão de cantor/compositor:

melodias reconfortantes somadas à letras que descem macio. E é aí que reside o grande problema do disco: ele é confortável demais.Ao ouvir as três primeiras faixas, já se sabe o que vem em seguida. Falta aquela cartada de risco que fez do líder do Pearl Jam um dos porta-vozes do rock moderno. Claro que há bons momentos - “Sleepless Ni- ghts” e “Broken Heart” vão fazer acender muito isqueiro (ok, celular) nos shows. O tão aguardado dueto com Cat Power, “Tonight You Belong to Me”, é de derreter o mais frio dos co- rações. Já o cover inusitado da vez é “Dream a Little Dream”, do Mamas And The Papas. Enfim, bela companhia para umas horas deitado na rede. Fernando Halal

companhia para umas horas deitado na rede. Fernando Halal sepULtUra Kairos Há duas maneiras de avaliar
sepULtUra Kairos
sepULtUra
Kairos

Há duas maneiras de avaliar este disco:

comparando-o com o que o Sepultura

produziu em sua fase áurea ou esque- cendo desse passado já distante – afinal, lá se vão 15 anos des- de a saída de Max Cavalera e, sem Iggor, um comeback é cada vez mais improvável. Os fãs xiitas torcem o nariz a cada novo álbum, mas é inegável que Kairos representa um avanço em re- lação aos medianos Dante xxI e A-Lex. Muito pelo desempenho inspirado de Andreas Kisser. Basta ouvir “Spectrum”,“Mask” e a faixa-título para perceber a volta dos riffs e solos matadores, algo que parecia ter se perdido no meio do caminho. Kairos está longe de ser um clássico, mas tem potencial para agradar até mesmo àqueles que tinham desistido do Sepultura. Daniel Sanes

àqueles que tinham desistido do Sepultura. Daniel Sanes Kaiser CHieFs The Future Is Medieval Caindo na

Kaiser CHieFs

The Future Is Medieval

Daniel Sanes Kaiser CHieFs The Future Is Medieval Caindo na real: originalidade não é o forte

Caindo na real: originalidade não é o forte do Kaiser Chiefs. Mas não é que, para lançar o seu quarto disco, o quinteto de Leeds decidiu chutar o balde com uma estratégia de marketing inovadora? E que pode até mesmo ditar os rumos da indústria nos próximos anos? O lance é o seguinte: o ouvinte vai até o site oficial e cria o seu próprio álbum, escolhendo a arte da capa e dez das 20 novas faixas disponibilizadas. Muito bem, palmas pela flexibilidade. Mas e a música, também empolga? Eles não são o Radiohead, porém, escolhendo bem, é possível chegar a uma compilação britpop de primeira.A baladona “Coming Up For Air” está entre as que não podem ficar de fora.“Child of The Jago” e “Can’t Mind My Own Business” também têm cara de greatest hits. Dado o recado, mãos à obra e bom voto! Fernando Halal

. Dado o recado, mãos à obra e bom voto! Fernando Halal COpaCaBana CLUB BOn iver

COpaCaBana CLUB

mãos à obra e bom voto! Fernando Halal COpaCaBana CLUB BOn iver Tropical Splash Bon Iver

BOn iver

Tropical Splash Bon Iver
Tropical Splash
Bon Iver

Não tem discussão: três anos é, de longe, muito tempo para se trabalhar

Repetir ou ir atrás de novos caminhos musicais? Três anos após o lançamento

em cima de um EP. Pois foi esse o tempo que se passou entre o lançamento de King of the Night e Tropical Splash, o primeiro álbum de estúdio do Copacabana Club. É um disco complicado: o instrumental soa electro-punk na maioria das vezes, mas os vocais bobinhos, gemidos e com letras fracas (“Peach” é de dar calafrios) logo desconstroem a imagem. Para um disco que supostamente deveria soar pop, o trabalho tem faixas muito longas, quase sempre por conta das mil e uma repetições de refrão.A track mais interessante de Tropical Splash acaba sendo “Darling”, uma baladinha lenta e ro- mântica que foge da jogação das outras faixas. Boa surpresa.

Alex Corrêa

do elogiado For Emma, Forever Ago, Bon Iver resolve optar pela segunda opção - às vezes acertando, em outras nem tanto.As harmonias vocais elaboradas e em falsete ainda são sua característica mais marcante, mas os vio- lões folk agora dividem espaço com pianos, violinos, saxofones e guitarras. Dessa mistura toda sai um som mais denso, que alcança bons resultados em faixas como “Perth” e “Michicant”. O single “Calgary” surpreende pelo peso, algo incomum para os arranjos de Justin Vernon. Já a inacreditável “Beth/Rest” só deve agradar aos fãs de trilhas sonoras bregas dos anos 80. Um bom disco, mas que fica devendo em relação ao primeiro.

Daniel Sanes

//067

EScUTE TAMbéM: SINAL fEcHADO, MEUS cAROS AMIGOS E cHIcO bUARQUE 1984

068\\

SINAL fEcHADO, MEUS cAROS AMIGOS E cHIcO bUARQUE 1984 068\\ digitaLisM I Love You, Dude Não

digitaLisM

I Love You, Dude
I Love You, Dude

Não é a mesma coisa, mas o Digitalism pode ser um bom consolo para quem

já não aguenta esperar pelo novo disco do Justice. I Love You, Dude é um bom entretenimento. Porém, não vai muito além: é como se nada tivesse acontecido desde Idealism, o primeiro álbum do duo alemão - que, diga-se de passagem, era relativamente mais interessante. Nenhum hit aparece, mas algumas músicas chamam mais atenção do que as outras: é o caso da sequência que vai desde “2 Hearts”, passa por “Circles” (a melhor música do disco),“Blitz” e termina na mediana “Forrest Gump”, escrita em parceria com o Stroke Julian Casablancas. Para quem não quiser arriscar, vale mais a pena matar a saudades de Idealism do que procurar mais sarna para se coçar. Alex Corrêa

do que procurar mais sarna para se coçar. Alex Corrêa ida Maria Katla A norueguesa Ida
ida Maria Katla
ida Maria
Katla

A norueguesa Ida Maria é uma espécie

de Pink que deu certo: aqui, a atitude

e o gogó afinado estão a serviço da

boa música. É rock sem firulas, com letras confessionais e um punch raras vezes visto. O sucessor de Fortress Round My Heart (2008) não faz feio frente àquela gloriosa estreia.Aqui e ali, seguem ecos de Chrissie Hynde, Courtney Love e Joan Jett, mas a moça consegue emanar luz própria e personalidade em cada faixa.A fúria come solta em “Bad Karma”,“1000 Lovers” e “Devil”, que é pura psicodelia com seus quase 10 minutos. Destoando um pouco das demais, a divertida “I Eat Boys Like You For Breakfast” dá aquela piscadela para as feministas, en- quanto a levada de piano de “My Shoes” hipnotiza. Go, Ida, go! Fernando Halal

disCOgraFiaBásiCa

por Daniel Sanes

CHICO BUARQUE

CHiCO BUarqUe de HOLLanda| Em 1966, um jovem de olhos verdes causou estardalhaço ao vencer o II Festival de Música Brasileira da TV Record.“A Banda” virou mania nacional, garantindo a Chico Buarque a gravação de seu primeiro álbum. No disco, ele reverencia a bossa de João Gilberto e o samba de Noel Rosa, mas mostra que não pretende ser um clone.As letras e os arranjos de “Olê Olá” e “Sonho de Carnaval” são extremamente criativos, enquanto “Pedro Pedreiro” é uma espécie de protótipo de “Construção”. Como Nelson Rodrigues disse na época:“com ‘A Banda’, começa uma nova época da música popular no Brasil”. Impossível discordar.CHiCO BUarqUe de HOLLanda |

COnstrUçãO| Quinze meses de exílio e a incansável perseguição da censura fizeram Chico despejar toda a raiva reprimida em forma de música. Lançado em 1971, Construção é provavelmente o mais conhecido álbum do artista.“Deus lhe Pague” e a faixa-título, que narra a vida deplorável e a morte trágica de um trabalhador, são de uma sofisticação até então inédita na MPB.“Cotidiano” é uma bela crônica urbana, enquanto “Desalento”,“Olha Maria” e “Samba de Orly” marcam o início da profícua parceria com Vinícius de Moraes. em forma de música. Lançado em 1971, Construção Construção é um marco não apenas na carreira Construção é um marco não apenas na carreira de Chico Buarque, mas na história da música brasileira.

CHiCO BUarqUe 1978 | Entre os discos de Chico Buarque que levam seu nome, este é o mais representativo, mesmo sendo uma colcha de retalhos.“Apesar de Você”,“Cálice” e “Tanto Mar” eram músicas antigas só então liberadas pela censura, enquanto “O meu Amor” (cantada por Elba Ramalho e sua hoje ex-mulher, Marieta Severo),“Pedaço de mim” (com Zizi Possi) e “Homenagem ao Malandro” foram compostas para a peça CHiCO BUarqUe 1978 | ópera do Malandro .Apenas três canções foram feitas para o álbum. Longe ópera do Malandro.Apenas três canções foram feitas para o álbum. Longe de soar sem sentido, a mistura acaba sendo um ótimo exemplo da versatilidade do compositor. Não à toa, um dos discos favoritos do próprio Chico.

Bidê OU BaLde Adeus, segunda-feira triste Adeus, segunda-feira triste é uma adapta- ção do subtítulo

Bidê OU BaLde

Adeus, segunda-feira triste
Adeus, segunda-feira triste

Adeus, segunda-feira triste é uma adapta- ção do subtítulo de Café da Manhã dos Campeões, de Kurt Vonnegut - que, nas palavras de Carlos Carneiro (vocalista), tinha a ver com sua “cabeça perturbada”. O repertório do EP foi peneirado entre composições antigas - o último de inéditas é de 2005 - e as que surgiram durante as gravações. Os registros foram realizados em recortes: estrofes e refrães separados, assim como os loops de bateria (por Marcos Rübenich, da Walverdes). Logo após, misturou-se tudo no computador, com produção da banda e Gilberto Ribeiro Jr.A verve final é um punhado “preza” de pops bem trabalhados. Escute a surpreendente e suingada instru- mental “VVA Decomposto” (com Jorginho do Trompete) e se renda à folia. Nicolas Gambin

Jorginho do Trompete) e se renda à folia. Nicolas Gambin BLOndie Panic of Girls Se algum

BLOndie

Panic of Girls
Panic of Girls

Se algum desavisado escutar “Mother”, “What I Heard”,“Love Doesn’t Fri- ghten Me” ou “D-Day” em uma pista de dança pode achar que são músicas de uma banda nova. Pois

é assim que o Blondie soa em seu nono disco: atual. Desde que

retornou aos trabalhos, no final dos anos 90, o grupo não se mostrava tão inspirado como neste Panic of Girls. Debbie Harry

e cia. parecem ignorar a passagem do tempo e apresentam aqui

suas melhores composições em anos, além de um surpreen- dente cover de “Sunday Smile”, do Beirut. O disco ainda tem faixas em espanhol e francês, reggaes e uma linda balada,“China Shoes”. Mas o quente mesmo são as músicas citadas no início deste texto, que provam que o grupo ainda anima uma festa como poucos. Daniel Sanes

que o grupo ainda anima uma festa como poucos. Daniel Sanes is trOpiCaL Native To Já
is trOpiCaL Native To Já no recém-lançado álbum de estreia, o trio Is Tropical é
is trOpiCaL
Native To
no recém-lançado álbum de estreia,
o
trio Is Tropical é a promessa indie do

ano.Assim que foi divulgado, o vídeo do single “The Greeks” – em que crianças simulam guerras entre traficantes e terroristas (com armas de brinquedo, é claro) – virou mania instantânea em blogs e redes sociais. E a música não fica para trás: é impensável ouvir Native To sem imaginá-lo tocando freneticamente em alguma pista de dança. Com pre- domínio de sintetizadores, instrumentos de cordas são inseri- dos timidamente, em poucos momentos - como em “I’ll Take My Chances”, que varia curiosamente de balada a eletrorock. O restante das faixas segue a lógica de BPMs aceleradas, pilhas de Moogs e climas new rave. Nicolas Garbin

TA POR VIR

//069

.:The Kooks | Junk of the Heart | 12 de setembro Em abril de 2008, Luke Pritchard e cia jogavam Konk nas pra- teleiras. Resultado? Primeiro lugar nas paradas britânicas. Assim, sem esforço.Três anos e um bocado mais tarde e o quarteto bri- tânico anuncia “um álbum para tocar ao sol”. É como o vocalista define a terceira bolacha dos Kooks. Segundo ele,“será uma jor- nada em que vocês poderão embarcar com a gente”. Junk of the Heart vem com assinatura de Tony Hoffer, cara que já produziu gente como Beck,Air e Belle and Sebastian.

CONFIRA

REDESCOBERTA

BUrt BaCHaraCH

BuRT B AChARACh (1971)

tapete. REDESCOBERTA BUrt BaCHaraCH BuRT B AChARACh (1971) Se nas últimas décadas algumas canções de Burt

Se nas últimas décadas algumas canções de Burt Bacharach foram retomadas por gerações mais novas, seus discos ainda precisam ser redescobertos. O de 1971 é oportuno, por não trazer tantos sucessos consagrados. Claro, tem “Close to You” – famosa com os Carpenters –, mas boa parte do repertório é de temas menos conhecidos que sintetizam bem o universo do compositor. Há a aproximação a sonoridades da bossa nova (“Freefall”), do pop (“Me- xican Divorce”) e do jazz arrasa-quarteirão (“Wives and Lovers”, na melhor gravação de sua carreira). No entanto, o grande momento é sua voz frágil em “Hasbrook Heights”.Tá certo que Bacharach foi re- gravado pelos melhores intérpretes, mas quando ele canta não tem pra ninguém Leonardo Bomfim

070\\

070\\
070\\
070\\
070\\
070\\
070\\

Reprodução

coRRÊa

feRNaNDo

_teXto

070\\ Reprodução coRRÊa feRNaNDo _ t e X t o aCCOrding tO tHe rOLLing stOnes, Jagger/riCHards/

aCCOrding tO tHe rOLLing stOnes, Jagger/riCHards/ watts/wOOd ORg. DORA LOEWENSTEIN E PHILIP DODD ORg. DORA LOEWENSTEIN E PHILIP DODD

50 anos de música. A história dos Rolling Stones se confunde com a história do rock. Coube a eles, após a eclosão da beatlemania, reafirmar que aquela música que dominava o espírito e fazia homens e mulheres rebolar, era sim coisa do capeta. Dado a excessos, o quarteto londrino é ironicamente um dos mais longevos da história da música: fora o gui- tarrista Brian Jones, morto em um trágico afogamento na piscina de casa, o baile dos Stones ainda não acabou e segue rendendo histórias que até o Deus do Rock duvida. Keith Richards lançou o calhamaço autobiográfico vida (Globo) no final de 2010, Ron Wood deve lançar suas próprias memórias em breve. E a Cosac Naify coloca na roda According to Rolling Stones, que manteve o título original e ganhou o subtítulo esclarecedor:“a banda conta sua história”.“Como ficará claro para qualquer um que ler este livro, os Rolling Stones nunca se curvaram diante de ninguém nem de coisa alguma”,

declaram os autores no prefácio. As 350 páginas de fotos e depoimentos exclusivos que o digam. E dizem.

//071

1. as BOCas dO stOnes

6. Jagger reggae

nalmente desbocado, mas os Stones transgridem essa regra: são deles as bocas mais aclamadas do
nalmente desbocado, mas
os
Stones transgridem essa
regra: são deles as bocas
mais aclamadas do rock.
Tanto o bocão desejado de
Mick Jagger quando o logo
que John Pasche projetou
para a banda em 1970.
A
boca vermelha, com a
língua de fora, teve um des-
tino infeliz: hoje é tatuada nos recantos mais inóspitos de
corpos femininos e masculinos que nunca sequer balança-
ram ao som de “Satisfaction”. Recentemente, a arte-final
original foi vendida por R$ 150 mil.
2.
O sOFa-BOCa de saLvadOr daLí
Reprodução

O

rock ‘n’ roll é tradicio-

   

Reprodução

Falando nisso, vem à mente os mestres do reggae. Não só Bob Marley, mas esta clássica imagem em que ele apa- rece ao lado do parceiro Peter Tosh e de um sorridente – e visivelmente meio “grogue de fumaça” – Mick Jagger.

rece ao lado do parceiro Peter Tosh e de um sorridente – e visivelmente meio “grogue

5.

JUstin tiMBerLaKe

 

Reprodução

Reprodução Justin é o astro pop perfeito: como Madonna e como os Stones é sexy, sem

Justin é o astro pop perfeito: como Madonna e como os Stones é sexy,

sem preguiça e com aquele eterno ar de “e se” . A última pita- da de transgresão foi a declaração em que

Outro que consagrou a figura das bocas no mundo da arte foi o indefec- tível Salvador Dalí, com o sofá do clássico retrato em perspectiva de Mae

Reprodução

West. Dalí homenagearia outras atrizes de seu tempo, como a estrela- -morMarilyn Monroe. Me- nos lisonjeira, constituiu em um mix do rosto de Marilyn com a careca do então ditador chinês Mao

Monroe. Me- nos lisonjeira, constituiu em um mix do rosto de Marilyn com a careca do
 

afirmou fumar maconha com freqüência.

 
 

4. gUY ritCHie

Guy Ritchie é melhor diretor de filmes do que ex de Madonna – cargo que deu uma castigada na sua imagem. Mas os desentendi- mentos com a ex não o privaram de cons- truir boas relações quando eram casados. Em 2009, o amigo de Maddie JustinTimber- lake chegou a ser cotado por Ritchie para o remake do musical Guys and Dolls.

Reprodão

3. MadOnna

Tsé-Tung estampo a capa da Vogue em 1971.

Um dos grandes hits da eterna rainha do Pop é “Vogue”, em que tanto as modelos de capa da revista homônima quanto

Marilyn foram inspiração. Mas Madonna também coleciona quadros famosos. Entre eles,“The Veiled Heart” (1932), obra

Marilyn foram inspiração. Mas Madonna também coleciona quadros famosos. Entre eles,“The Veiled Heart” (1932), obra de Dalí que teria sido um dos pivôs da separação de Maddie e Guy Ritchie,

 

Reprodução

Heart” (1932), obra de Dalí que teria sido um dos pivôs da separação de Maddie e

em 2008. Mas isso é fofoca. E faz fofoca. Faz?

a gente não

 

072\\

072\\ fotos: | Karina Santiago

fotos: | Karina Santiago

FestivaL Móveis COnvida 2011

em 6 momentos

25.06 a 02.07 – Brasília

COnvida 2011 em 6 momentos 25.06 a 02.07 – Brasília Shows marcam os intervalos de aula

Shows marcam os intervalos de aula de escolas públicas

Shows marcam os intervalos de aula de escolas públicas Oportunidades para novas bandas através da ‘Rodada

Oportunidades para novas bandas através da ‘Rodada de Negócios’.

para novas bandas através da ‘Rodada de Negócios’. Fãs, cantam em coro as músicas de Fernando

Fãs, cantam em coro as músicas de Fernando Anitelli Trio.

Fãs, cantam em coro as músicas de Fernando Anitelli Trio. Palestras aproximam o mercado dos artistas.

Palestras aproximam o mercado dos artistas.

Anitelli Trio. Palestras aproximam o mercado dos artistas. Festas complementam a programação do festival através do

Festas complementam a programação do festival através do ‘Movimentando a Cena’

do festival através do ‘Movimentando a Cena’ Móveis Coloniais de Acaju encerram o festival com povo

Móveis Coloniais de Acaju encerram o festival com povo pedindo bis.

074\\

074\\ fotos: 2 e 3 | Camila Mazzini

fotos: 2 e 3 | Camila Mazzini

2 3
2
3

JUKeBOX FestivaL

segundo os electro-indies de plantão

estúdio emme, são paulo, 01 e 02/07_

Bide ou Baldê, Holger, Boss in Drama,The Twelves Foi com eles (e com tantos outros) que o blog amigo Move That Jukebox foi aos palcos pela primeira vez. E o povo gostou. “vim pra ver o pessoal do Apanhador Só. E é legal nesses fes- tivais em lugares fechados que você consegue realmente ver todos os shows. Só acho que deveria começar de dia e ter um dia só. O bolso ia agradecer, saca?”,Alexandre Hirata, 22. “Eu acompanho o site faz um tempo, e é legal que eles tenham umas iniciativas como esta. quem tá aqui é por que gosta”, Eduardo Felix, 27. “Olha, eu caí aqui meio de pára-quedas, vim com uns amigos, que são amigos dos meninos do Killer on The Dancefloor, mas tô curtindo. É uma galera bem animada, né?”, Bruna Tavares, 29. “O bacana é que os DJs tão fazendo Live.As casas não investem nesse tipo de apresentação, mas é assim que a gente vê do que os caras são capazes. E eles são foda”, Cecília Pedroso, 24. “Acho engraçado o pessoal cha- mar de festival quando junta um monte de banda. Pra mim tá mais pra uma balada com line up incrível. Podia ser assim toda semana”, Henrique Mattes, 22. “O bom de quando tem um monte de banda é que vem um monte de Maria Baqueta, daí elas se misturam e você chega e fala duas coisas quais- quer sobre qualquer uma das bandas. Elas acham que você é amigo dos caras”, Claudio Sampaio, 27. “Acho que faltou os outros sites e blogs apoiarem. Esses blogueiros tem uma de ser cada um por si, né?”, Bianca Godino, 25.

tHe CriBs

No Day After

Beco 203, são paulo, 18/06_

Foi a estreia tupiniquim dos irmãos Gary, Ryan e Ross Jarman.A Noize ficou curiosa, botou Marcela Bordin na parede. E ela conta como foram os brits. O Cribs é famoso por seus shows explosivos. Foi assim mesmo? Nem que quisesse, o The Cribs conse- guiria fazer um show calmo. Como bons meninos punk, derrubaram microfones, subiram na bateria e berraram ao seu bovine public. Eles tocaram “Hey Scenesters” e “Men’s Needs”?

Sim. Fizeram a rotina de clássicas, que cobriu também “I’m

a Realist” e “Another Number”.

Foi essa rotina o ponto alto? Foi “I’m Realist”. Fez toda

a platéia gritar em uníssono,“I’m an indecisive piece of shit”. Qual dos irmãos fez você querer se jogar em cima do palco? O Gary, divino com seu baixo.Aí a pergunta:

mas ele e o Ryan não são gêmeos? São, porém o corte de cabelo não ajuda o Ryan - e na divisão do charme, Gary ficou com tudo.

Você chegou a bater um papo com ele

Alguma frase marcante? Ele foi muito querido, se des- culpou insistentemente por me deixar esperando enquan- to faziam a passagem de som (como se eu fosse reclamar). Do alto de sua experiência, afirmou que a banda nunca ‘jogou o jogo’ e sempre se manteve íntegra. Marcela Bordin

Foi legal?

_O QUE ACONTECEU NO MÊS DE JUNHO _Créditos Ola Persson _Sónar Festival @ Barcelona Lucas
_O QUE ACONTECEU NO MÊS DE JUNHO _Créditos Ola Persson _Sónar Festival @ Barcelona Lucas

_O QUE ACONTECEU NO MÊS DE JUNHO

_Créditos

Ola Persson_O QUE ACONTECEU NO MÊS DE JUNHO _Créditos _Sónar Festival @ Barcelona Lucas M. Martins _Television/Gig

_Sónar Festival @ Barcelona

Lucas M. MartinsDE JUNHO _Créditos Ola Persson _Sónar Festival @ Barcelona _Television/Gig Rock @ Porto Alegre Rafael Rocha

_Television/Gig Rock @ Porto Alegre

Lucas M. Martins _Television/Gig Rock @ Porto Alegre Rafael Rocha _New Young Pony Club @ Porto

Rafael Rocha

_New Young Pony Club @ Porto Alegre

Camila Mazzini _Jukebox Festival @ São Paulo
Camila Mazzini
_Jukebox Festival @ São Paulo

Lucas M. MartinsYoung Pony Club @ Porto Alegre Camila Mazzini _Jukebox Festival @ São Paulo _Damn Laser Vampires/Gig

_Damn Laser Vampires/Gig Rock @ Porto Alegre

082\\

082\\
082\\
082\\
082\\
082\\
082\\
082\\
082\\
082\\
082\\

Divulgação

Onde nasCeM Os dis-

COs| Janeiro de 2010. Eu, um violão, uns rascunhos de canções, algumas roupas na mala e quase quarenta graus na acolhedora Bue- nos Aires. Não era fuga, era só uma necessidade de iso- lamento. Buscar o que era meu, o que eu tinha vivido e já não sabia mais onde estava. Desconfiava que as guitarras distorcidas, o canto ébrio e os desafetos haviam ficado nas ladeiras da Pompéia. E Palermo não entendia meu romantismo debochado, minhas guitar- ras distorcidas, meu canto ébrio. Mesmo assim, sem promessas, canções foram

canto ébrio. Mesmo assim, sem promessas, canções foram surgindo. Uma, duas, três melodias, palavras, rimas, acor-

surgindo. Uma, duas, três melodias, palavras, rimas, acor- des, vinho, estrofes, ruas arborizadas, refrões, mais vinho, um nome. Pronto, é isso. Que isso fique entre nós. Meu disco. O disco.Voltei. São Paulo, depois do carnaval, é mais eufórica pra quem não sabe sambar. Escolhi para o início da gravações, por- tanto. Fagote, clarinete, violino, tuba, trombone harmoni- zam com as novas canções e tudo que imagino é um dis- co. Só. Nada de impressionismo. Mostro pra Tulipa Ruiz as 16 composições finais. Ela escreve “São dezesseis músicas de amor. Ou melhor, desamor. Não, de solidão. Quer dizer, de esperança. Ou melhor, desapego. Ou pior, de saudade. Minto, de verdades.” Sorrio. Faz sentido. Jesus Sanchez (Los Pirata), meu produtor, concorda com a sutileza dos metais, madeiras e sugere também outros caminhos.Arranjos de sopro e violinos feitos por Bruno Bonaventura.A participação forte de músicos como Régis Damasceno (Cidadão Instigado), Richard Ribeiro (SP Un- derground), João Erbetta (Los Pirata),Tony Berchmans e Guilherme Kastrup. No comando, ele administra minhas vontades, discorda da minha ansiedade e começa. Não sem antes ouvir que tenho medo. De alma penada, mula-

-sem-cabeça, saci pererê, passos no andar de cima, sapo. Mas do ridículo não tenho, não. É, nem do ridículo. Só isso? Isso é medo? Não. Dos outros tenho menos. Já passei por tudo. Já desejei que alguém sentisse dor e saudade pro

resto da vida, propus ser o que ela quer que eu seja, calei a minha dor, anunciei

o fim e fui traído pelo des-

tino, tentei convecê-la de

tentar, esperei o que ficou pra amanhã, fui em paz mesmo ela não querendo mais, me acostumei com

o inacreditável e, por fim,

concluí que não se atraves- sa uma vida sem magoar alguém. Ou, sem transfor- mar tudo isso em música. Mas que “isso fique entre

nós.” Pode ser?

DESENHADO POR Mesmo os melhores skatistas de rua amam uma volta pela cidade, e Chad
DESENHADO POR
Mesmo os melhores
skatistas de rua amam
uma volta pela cidade, e
Chad Tim Tim não é uma
exceção. Chad desenhou
dois shapes que são
perfeitos para andar pelas
ruas. Os skates tem uma
boa acentuação em seu
tail e uma fatia levantada
no seu nose e vem com
rodas completamente
macias que não deixam o
skate tremer em buracos.
Experimente o que Chad
Tim Tim indica como
um perfeito meio de
transporte alternativo.
TIM TIM
TIM TIM
HAMMER NOMAD
CHISEL NOMAD
DIMENSÃO:
DIMENSÃO:
7.875"W x 30.75"L
5.875"N, 14.25"WB, 6.5"T
7.5”W x 29.5”L
4.625”N, 14.625”WB, 6.25”T
Cruiser clássico para todas
as ruas.
• Cruiser clássico para
todas as ruas.
• Concave medio, ótimo
• Concave medio, ótimo
para ollies.
para ollies.
• Nose levemente curvado
para cima
• Nose levemente curvado
• Camada inferior em
Bamboo.
para cima
• Camada inferior em
• Lixa com corte
customizado
Bamboo.
• Lixa com corte
• Trucks fase 2 modelo
raw 5.0
customizado
• Riser Pads de 1/8"
• Rodas 58mm 80a
Sidewalk Spinner
•Rolamento Abec 5
NCLGQHAM - COMPLETO
• Trucks Fase 2 modelo
raw 5.0
• Rodas 54mm 85a
Filmer Spinner
• Rolamento Abec 5
NCLGQCHS – COMPLETO
ENCONTRE NAS LOJAS: BILLABONG; CALLOHA; DE LUCCA; MICROSHOP; POISON; SUNSET; CASA VIVA E JAWS EXTREME.