Sei sulla pagina 1di 33

A crianÁada entra na sala eufÛrica. VocÍ se acomoda na mesa enquanto espera que os

A crianÁada entra na sala eufÛrica. VocÍ se acomoda na mesa enquanto espera que os

A crianÁada entra na sala eufÛrica. VocÍ se acomoda na mesa enquanto espera que os

A crianÁada entra na sala eufÛrica. VocÍ se acomoda na mesa enquanto espera que os alunos se sentem, retirem o material da mochila e se acalmem para a aula comeÁar. Nesse meio tempo, um deles grita bem alto: ì‘, cabeÁ„o, passa o livro!î O outro responde: ìPeraÌ, espinhaî. Em

outro canto da sala, um garoto d· um tapinha, ìde leveî, na nuca do colega. A menina toda produzida logo pela manh„ ouve o cumprimento: ìFala, metida!î Ao lado dela, bem quietinha, outra garota escuta l· do fundo da sala: ìAbre a boca, zumbi!î E a classe cai na risada. O nome dado a essas brincadeiras de mau gosto, disfarÁadas por um duvidoso senso de humor, È bullying. O termo ainda n„o tem uma denominaÁ„o em portuguÍs, mas È usado quando crianÁas e adolescentes recebem apelidos que os ridicularizam e sofrem humilhaÁıes, ameaÁas, intimidaÁ„o, roubo e agress„o moral e fÌsica por parte dos colegas. Entre as conseq¸Íncias, est„o o isolamento e a queda do rendimento escolar. Em alguns casos extremos, o bullying pode afetar o estado emocional do jovem de tal maneira que ele opte por soluÁıes tr·gicas, como o suicÌdio. H· in˙meros exemplos de estudantes que, vÌtimas de bullying, tÍm atitudes extremadas. Em janeiro de 2003, Edmar Aparecido Freitas, de 18 anos, entrou no colÈgio onde tinha estudado e feriu oito pessoas com disparos de revÛlver calibre 38. Em seguida, matou-se. Atitude semelhante tiveram dois adolescentes norte-americanos na escola Columbine, no Colorado (EUA), em abril de 1999. ApÛs matar 13 pessoas e deixar dezenas de feridos, eles tambÈm cometeram suicÌdio quando se viram cercados pela polÌcia. Esses casos s„o um alerta para os educadores. ìOs meninos n„o quiseram atingir esse ou aquele estudante. O objetivo deles era matar a escola em que viveram momentos de profunda infelicidade e onde todos foram omissos ao seu sofrimentoî, analisa o pediatra Aramis Lopes Neto, coordenador do Programa de ReduÁ„o do Comportamento Agressivo entre Estudantes, desenvolvido pela AssociaÁ„o Brasileira Multiprofissional de ProteÁ„o ‡ Inf‚ncia e ‡ AdolescÍncia (Abrapia). Pesquisa realizada em 11 escolas cariocas pela Abrapia, no Rio de Janeiro, revelou que 60,2% dos casos acontecem em sala de aula. Como o bullying ainda È tratado como um fenÙmeno natural, pouquÌssimas escolas conhecem e combatem o problema. PorÈm, sejam meninos, meninas, crianÁas ou adolescentes, È preciso evitar o sofrimento dos estudantes. A pesquisa da Abrapia revela que 41,6% das vÌtimas nunca procuraram ajuda ou falaram sobre o problema, nem mesmo com os colegas. ì¿s vezes, o aluno, quando resolve conversar, n„o recebe a atenÁ„o necess·ria, pois a escola n„o acha o problema grave e deixa passarî, alerta Aramis. No caso daqueles que recorrem ‡ famÌlia, a ajuda tambÈm n„o È eficaz. Se os pais reclamam, a direÁ„o e os professores tomam medidas pontuais, sem desenvolver um trabalho generalizado, permitindo que o problema se repita. ìA escola n„o deve ser apenas um local de ensino formal mas tambÈm de formaÁ„o cidad„, de direitos e deveres, amizade, cooperaÁ„o e solidariedade. Agir contra o bullying È uma forma barata e eficiente de diminuir a violÍncia entre estudantes e na sociedadeî, conclui o pediatra.

1

5

10

15

20

25

30

barata e eficiente de diminuir a violÍncia entre estudantes e na sociedadeî, conclui o pediatra. 1

 
   
 
 

 

 
 
 

 
 
 

 

 

 

 

   

 
   
 
 

 

 

 
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
   
 
 

 

 
 

 

 

 

 

 

 
 

 

 

 

 

 

 
   
 
 

 
 

 

 

 
 

 

 
 

 

 
 

 
 
 

 
 

 

 

 

   

 
   
 
 

 

 

 

 

 

 
 

 

 

 

 

 
 

 

 
 

 

 

 

 

 

 

36 cm 12 cm 12 cm α α π
36 cm
12 cm
12 cm
α α
π
 
   
 
 

 

 

 

 

 
 

 

 
 

 
 

 

 

 
   
 
 

 
 

 

 

 
 
 

 
 
   
 

 

 

 

 

 

   

 
   
 
 

 

 
 
 

 

 

 

 
 

 

 

 

 

 
   
 
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 
                               

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

   

 
   
 
 

 

 
 
 

 

 

 

 
 

 

 

 

 
   
 
 

                               

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 
 

 

 

 

 

 

 

   

 
   
 
 

 
 

 

 
 

                               

 

 
 

 

 

 
 
 

 

 
 

   

 
   
 
 

                   

 

 
 

 

 

   

 
   
 
 

 
                               
                               

 

 

 

 

 

 
 

 

 
 

 

 

 

 
   
 
 

 

 

 

 
 

 

 

 

 
 

 

 
 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 

   

 
   
 
 

 
 

                               

 

 
 

 

 
 

                               

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
   
 
 

                             
                             

 

 
 
 

 

 
 
 

 

 

   

 
   
 
 

 

 

 

 

 

 

 
 

 

 
 

 

 

 

 

 

 

          L 1 L 2
 

 

 

 

 

 
L 1 L 2

L 1

L 1 L 2

L 2

 

 
   
 
 

 

 

 
 

 

 

 
 

 

 

 
 

 

 

 

 

 

 

 

O H C OH 3 O OCH 3 HN CH 3 OH O O OH
O H C OH 3 O OCH 3 HN CH 3 OH O O OH
O
H C
OH
3
O
OCH 3
HN
CH 3
OH
O
O
OH
O
A
I + Subprodutos
OH
OH
B
II + Subprodutos
O
OH Fenol ONa OH O ONa NaOH CO 2 OH O HCl OH Ácido salicílico

OH

OH Fenol ONa OH O ONa NaOH CO 2 OH O HCl OH Ácido salicílico

Fenol

ONa

OH

O

ONa

NaOH CO 2
NaOH
CO 2

OH

O

HCl
HCl

OH

Ácido salicílico

 

 

 

OH HO e H H e CH 3 CH 3 CH 3 e CH 3
OH
HO
e
H
H
e
CH 3
CH 3
CH 3
e
CH 3
H C
CH 3
3
e
CH 3
CH 3
KMnO 4
Diluído, frio
Produto 1
+
Subprodutos
H
H
C
C
KMnO 4
H
H
H SO , quente
2
4
Produto 2
+
Subprodutos