Sei sulla pagina 1di 75
Esco la Po litécn ica da USP PCC 2435 – Te cno log ia d
Esco
la
Po
litécn
ica
da
USP
PCC 2435
– Te
cno
log
ia
d
a Con
stru
ção
de
E
d ifício
s I
ALVENAR
I
A EST
R UTU
RAL
Profs. Fernando H. Sabbatini, Luiz
S
érgi
o
Franco
Mercia M. S. B.de Barros e Luis
Ota
vi
o
C
.
de
Ara
ujo

CO

NC

E

I TUA

ÇÃ

O

CO NC E I TUA ÇÃ O

CONCEITUAÇÃO:

ALVENARIA ESTRUTURAL:

Processo Construtivo que se caracteriza pelo uso de paredes de alvenaria como principal estrutura suporte do edifício e por ser dimensionada através de

CÁLCULO RACIONAL

C ON CEI T UA ÇÃO USO U SO D DA A ALV A LVENAR
C ON
CEI
T UA
ÇÃO
USO
U
SO
D
DA
A
ALV
A
LVENAR
E
N
ARIA
I
A
CO
COM
MO
O
E
EST
STRUTURA
R
U
T
U
R
A
SUPORTE
SUPORTE
D
DE
E
E
E
D
DIFÍCIO
I
C
I
OS
S
ALVENARIA RESI
ALVENARIA RESISTENT
ST
ENT
E E
ALVENARIA ESTRUTUR
ALVENARIA ESTRUTUR
A A
L L
USO EXCLUSIVO EM E DIFI CAÇÃO UNIFAMILIAR LIMITAÇÕES CONSTRUTIVAS RESPONSABILIDADE INTEGRAL DO CONSTRUTOR
USO EXCLUSIVO EM E
DIFI
CAÇÃO
UNIFAMILIAR
LIMITAÇÕES CONSTRUTIVAS
RESPONSABILIDADE INTEGRAL
DO
CONSTRUTOR
USO EXCLUSIVO EM E DIFI CAÇÃO UNIFAMILIAR LIMITAÇÕES CONSTRUTIVAS RESPONSABILIDADE INTEGRAL DO CONSTRUTOR 3
H i stó ri co Principal ma teria l de construção at é o início
H
i
stó
ri
co
Principal
ma
teria
l
de
construção
at
é
o
início
d
o
século XX
Vários exemplos na
h
i
stó
r
ia
d
a
humanidade
Catedrais dos séculos XII
a
XVII
Farol da Alexandria
Vários exemplos na h i stó r ia d a humanidade Catedrais dos séculos XII a
Vários exemplos na h i stó r ia d a humanidade Catedrais dos séculos XII a
200x170m x 52,5 10 anos de construção 55.000 espectadores sentad m altura o s
200x170m x 52,5 10 anos de construção 55.000 espectadores sentad m altura o s
200x170m x 52,5 10 anos de construção 55.000 espectadores sentad m altura o s

200x170m x 52,5

10 anos de construção

55.000 espectadores sentad

m altura

o

s

200x170m x 52,5 10 anos de construção 55.000 espectadores sentad m altura o s 5
200x170m x 52,5 10 anos de construção 55.000 espectadores sentad m altura o s 5
200x170m x 52,5 10 anos de construção 55.000 espectadores sentad m altura o s 5
H i stó ri co Apesar d o su rg i men to d e
H i stó ri co Apesar d o su rg i men to d e
H i stó ri co Apesar d o su rg i men to d e
H
i
stó
ri
co
Apesar d
o
su
rg
i
men
to
d
e
te
or
ia
s
matemáticas
sob
re
o
comportamento
dos
e
l
eme
nto
s:
Aristóteles e Da Vinc
i
–>
ARCOS
Euler -> Colunas
São projetadas empiricame
nte
Técnicas passadas de geração p
ar
a
ge
ração
Avanços com base na experiência anterior
Isto ocorre até os dias atuais
Histór i co
Histór
i co
E xem plo mar cant e
E xem
plo
mar
cant
e

H i stó ri co Início do s écu l o X X Surge o
H
i
stó
ri
co
Início do
s
écu
l
o
X
X
Surge o concreto
ar
mad
o
A indústria do a
ço
de
senv
olve
novo
s
processos de produ
ção
Pesquisas são concentradas
nestes
n
ovos
materiais
Inicia-se uma “nova arquitetura”
A alvenaria passou a ser
“não técnica”
H i stó ri co 1951 Ma rco i nicia l da “M O D
H
i
stó
ri
co
1951 Ma
rco
i
nicia
l
da
“M
O
D
ER
N
A
ALVENARIA
E
ST
R
UT
U
RAL
Paul Haller, com
base
e
m
e
n
s
a
i
o
s
e
pesquisas, projeta
e
const
rói
na
Basiléia
(Suíça) um edifício em
a
l
ve
n
a
ri
a
s
i
m
pl
e
s
(não armada)
13 andares e 41,4 m de altura
Paredes de 0,375 m de espessura
Evidencia as vantagens da construçã
o
em alvenaria
H i stó ri co A partir dos ano s 50: retomada d a alve
H
i
stó
ri
co
A partir
dos
ano
s
50:
retomada d
a
alve
n
ar
i
a
est
rut
ur
al
Ressurge
e
m
b
ase
s
tecnológicas,
ap
o
i
ad
as
em pesquisas e
normas.
Edifício protótipo para ensaio do comportamento alvenaria estrutural: Inglaterra da

Edifício protótipo para ensaio do comportamento

alvenaria estrutural: Inglaterra

da

C u r i osi dad e ! ! ! Se o M o n
C
u
r
i
osi
dad
e
!
!
!
Se o
M
o
n
adnoc
k
fosse erg
u
ido
h
oj
e
ele possuiria
p
a
re
d
es
de 30 cm na sua
ba
se
H ist ór i co – n o Br a si l 1966 – i
H ist
ór
i co
– n
o Br
a
si
l
1966 –
i
ntro
d
u
ção
da
Alvenaria
Est
rut
u
r
al
“Central Parq
ue
da
L apa”
edifícios de 4 pavi
m en
tos
1972
4 edifícios de 12 pavimentos
H ist ór i co – n o Br a si l INÍCIO DOS AN
H
ist
ór
i
co
n
o
Br
a
si
l
INÍCIO
DOS
AN
OS
7
0
Fabricação
dos
b
l
oc
os
l
i
co-
calcários
Utilização da alven
ar
i
a
o
armada
edifício de 13 pavimentos
Alphaville
em
H ist ór i co – n o Br a si l FABRI CAÇ ÃO
H ist
ór
i co
– n
o Br
a
si
l
FABRI
CAÇ
ÃO
D E
B
L OC
OS
CERÂMICOS
No início dos
an
o
s 80
a
alvenaria estrutura
l é
disseminada com a
construção dos conjuntos
Habitacionais
No início dos an o s 80 a alvenaria estrutura l é disseminada com a construção
12
12
Grandes conjuntos habitacionais nos anos 80

Grandes conjuntos habitacionais nos

anos

80

H ist ór i co – n o Br a si l No início dos
H ist
ór
i co
– n
o Br
a
si
l
No início
dos
a nos
80
Reconhecida
com
o
p roc
esso
construtivo
bast
ante
efic
i
e nte
e
racional
existe ainda uma grand
e lacu
na,
principalmente na téc
n i
ca d
e
construção
Patologias são comuns
É tida como processo para “bai
xa
renda”
H ist ór i co – n o Br a si l Final dos an
H ist
ór
i co
– n
o Br
a
si
l
Final
dos
an
os
80
Esforço de norma
lização
Início do desenvolvi
mento
tecnol
ógico
no
pa
í
s
Na EPUSP
EPUSP/TEBAS
EPUSP/ENCOL
Formação de novos centros de pes
q uisa
Disseminação na produção de edifícios
de
padrão médio
Formação de novos centros de pes q uisa Disseminação na produção de edifícios de padrão médio
Formação de novos centros de pes q uisa Disseminação na produção de edifícios de padrão médio
15
15
15
15
16
16
16
H ist ór i co – n o Br a si l Dissemi nação n
H ist ór i co – n o Br a si l Dissemi nação n
H ist ór i co – n o Br a si l Dissemi nação n
H
ist
ór
i
co
n
o Br
a
si
l
Dissemi
nação
n
a produ
ção
de
edifícios
de
pa
d
rão
dio
Alvenaria Arma
da
at
é
24
pavimentos
Alvenaria Não Armada
até
1
3
pavimentos
Outros usos
Muros de arrimo
Caixas d’água
18
18
19
19
19
20
20
20
21
21
22
22
22
Imp o r t ân c ia H istó ri ca no m u ndo
Imp
o
r
t
ân
c
ia
H
istó
ri
ca
no
m
u
ndo
! "
ân c ia H istó ri ca no m u ndo ! " 23
24
24
25
25
26
26
Mun d ia l mente Grandes realizaç ões Normalização em c ons tante evo l
Mun
d ia
l mente
Grandes
realizaç
ões
Normalização em
c ons
tante
evo
l uçã
o
Aplicação a diferente
s tip
os
d
e ob
ra
Explora-se todo o potencia
l da
alvenaria
tante evo l uçã o Aplicação a diferente s tip os d e ob ra Explora-se
28
28
29
29
TI P OS de Al ven ar i a E stru t u r a
TI P OS de Al ven ar i a E stru t u r a
TI
P
OS
de Al
ven
ar
i
a
E
stru
t
u
r
a
l
:
ALVENARIA
N
ÃO
A
RMADA
(STRUCTURAL MAS
O
N
RY)
:
ALVENARIA SIMPLES
:
COMPONENTES + ARGAMAS
SA
TI P OS de Al ven ar i a E stru t u r a
TI
P OS
de Al
ven
ar
i
a
E
stru
t
u
r
a
l
:
ALVENARIA
A
R
MA
D
A
(REINFORCED
MASO
N
R Y):
ALVENARIA REFORÇAD
A POR
U MA
ARMADURA PASSIVA
DE
FIOS
,
BARRAS OU TELAS DE
O
,
DIMENSIONADA RACIONALMEN
TE
PARA RESISTIR A ESFORÇOS
ATUANTES.
TI P OS de Al ven ar i a E stru t u r a
TI
P
OS
de Al
ven
ar
i
a
E
stru
t
u
r
a
l
:
ALVENARIA
PARCIALM
EN
TE
AR
M
A
DA
ALVENARIA QU
E
I
NCORP
O
R
A
UM
A
ARMADURA MÍNIM
A
EM
SU
A
SEÇ
Ã
O
,
POR MOTIVOS CONSTRUTIVOS
(evitar fissuras por movim
ent
ações
internas, evitar ruptura frágil,
etc.)
NÃO É CONSIDERADA NO
DIMENSIONAMENTO.
TI P OS de Al ven ar i a E stru t u r a
TI
P
OS
de Al
ven
ar
i
a
E
stru
t
u
r
a
l
:
ALVENAR
IA
PROTEN
DI
DA
ALVENARIA R
E
FO
R
ÇADA
PO
R
UMA ARMADURA
AT
I
VA
(PRÉ-
TENSIONADA) QUE
S
U
B
MET
E
A ALVENARIA A TENSÕ
E
S
D
E
COMPRESSÃO

ALVEN

AR

I A

P R

ALVEN AR I A P R E N D I DA OT
E N D I DA
E
N D
I DA

OT

ALVENARIA

PROTENDIDA

ALVENARIA PROTENDIDA

ALVEN

AR

I A

P

R OT

E

N D

I DA

ALVEN AR I A P R OT E N D I DA

ALVEN

AR

I A

P

R OT

E

N D

I DA

ALVEN AR I A P R OT E N D I DA

ALVEN

AR

I A

P

R OT

E

N D

I DA

ALVEN AR I A P R OT E N D I DA
Principais Vantagens da Alvenaria Estrutural Em relação à estrutura de concreto armado e alvenaria de
Principais Vantagens
da Alvenaria Estrutural
Em relação à estrutura
de concreto armado e
alvenaria de vedação
Principais Vantagens da Alvenaria Estrutural RACIONALIZAÇÃO técnica executiva simplificada facilita o treinamento
Principais Vantagens da Alvenaria Estrutural
RACIONALIZAÇÃO
técnica executiva simplificada
facilita o treinamento - profissionalização
eliminação de interferências
facilidade de controle
menor diversidade de materiais e de
mão-de-obra
grande potencial de redução de custos
36
36
36
36
P r i n c i p ai s V a nta gens d a
P
r
i
n
c
i
p
ai
s
V
a
nta
gens
d
a
Alvenaria
Est
r
utu
r
a
l
Excelente
Flex
ibil
i
d
ade
e
Versatilida
d
e
(
porte
da
o
b
ra)
Flexibilidade n
o
planejamentos de
e
xec
u
ção
das obras (ritmo da obra)
Facilidade de integração
os outros subsistemas
com
I M PO RTA N TE: Para s e c onse g uir a s
I
M PO
RTA
N TE:
Para
s
e
c
onse
g
uir
a
s
v
an
ta
ge
ns
é
necessá
r
i
o
qu
e
s
e
encare
de
forma sistêm
i
ca
:
PROJETO bem
e
s
tud
ado
MATERIAIS com q
ualid
ade
assegurada
Mão-de-obra TREINADA e
supervisionada
Obra organizada e PLANEJADA.
Principais Desvantagens da Alvenaria Estrutural Em relação à estrutura de concreto armado e alvenaria de
Principais
Desvantagens da
Alvenaria Estrutural
Em relação à estrutura
de concreto armado e
alvenaria de vedação
Des vant a gen s da Alv e nari a E strut u ra l
Des
vant
a
gen
s
da
Alv
e
nari
a
E
strut
u
ra
l
A alven
a
ri
a
e
str
u
t
u
r
al
n
ão
admite im
p
rov
is
a
çõ
es
do
tipo:
“depois tira na mas
sa
“faz e quebra”
“na obra a gente vê o que faz
Des vant a gen s da Alv e nari a E strut u ra l
Des vant a gen s da Alv e nari a E strut u ra l
Des
vant
a gen
s da
Alv
e nari
a
E
strut
u
ra
l
A CONCE
P
ÇÃO
E
STRU
T
URAL
Condiciona
a
arq
u
it
etu
ra
Inibe a destinaçã
o
d
o
s
edifícios
restringe a possibilidad
e d
e
mudanças
Fa to res qu e in flu e nc i am a RES I STÊN
Fa
to
res
qu
e in
flu
e nc
i am
a
RES
I STÊN
CIA
das
Pa
re
d
es
Fa to res qu e in flu e nc i am a RES I STÊN CIA
Fa to res qu e in flu e nc i am a RES I STÊN CIA
Res is tê nci a M ecâ nic a das Pa re des depend e
Res
is
nci
a
M ecâ
nic
a
das
Pa
re
des
depend
e fu
ndam
e ntalme
nt
e
dos blocos
a resistência
d
a
a rg
amass
a
tem influência se
cu ndár
ia
geometria do bloco e
espessura da junta
horizontal são fundamentais
in flu ê nc i a da res i st ên cia do s blocos
in
flu
ê
nc
i
a
da
res
i
st
ên
cia
do
s
blocos
e
arg
ama
ss
as
40
35
30
25
20
15
10
5
0
0
10
20
40
60
80
10
0
#
$ % & '( ) * +
, - ) *
, - . ( ) *
, - / ( ) *
I
n
flu
ê
nc
i
a
da
r
es
i
st
ên
cia
d
a
a
rg
a
mass
a
*
*
/
)* /
* 0
/ *
# $ , # 2 , 3 , 4 4 ,
# , 5 6 7 ( , # 8,
# $ % '1
#
$ % '( ) * +

D ete

rmin

açã

o da

R es

i stên

cia

Co m p re ss
Co
m
p re
ss

ão

D ete rmin açã o da R es i stên cia Co m p re ss
D ete rmin açã o da R es i stên cia Co m p re ss
43
43
Au m e nto da ca pac ida d e resiste n te pe lo
Au m e nto da ca pac ida d e resiste n te pe lo
Au
m
e nto
da
ca
pac
ida
d
e
resiste
n te
pe
lo
gra
u tea
m
e nto
GRAUTE
O graute é um concr
et
o ou
argamassa
fluidos lançados nos
vazi
os
dos
blocos,
com a finalidade de solidarizar
as
ferragens à alvenaria, preenchendo
as
cavidades onde elas se encont
ram
e
aumentando a capacidade de resistência
à compressão da parede.
45
45
Us o do g rau te O graut e pod e s e r u
Us
o
do
g
rau
te
O graut
e
pod
e
s
e
r
u
sado
como mater
i
a
l
de
e
nch
i
men
t
o
em reforços est
ru
t
u
rais
,
e
m
zonas de concent
raç
ã
o
d
e
tensões e quando
s
e
necessita armar a alven
a
ria
estrutural
Pri ncipa is caracte r ística s d o g r aute CONSISTÊNCIA RETRAÇÃO RESISTÊNCIA
Pri
ncipa
is
caracte
r
ística
s
d
o
g
r
aute
CONSISTÊNCIA
RETRAÇÃO
RESISTÊNCIA À
COMPRESSÃO
CONS I STÊN CIA A MISTURA D EVE APR ESE NT A R COESÃO E
CONS
I STÊN
CIA
A MISTURA
D EVE
APR
ESE
NT
A R
COESÃO E
TE
R FL
UIDE
Z
SUFICIENTE PARA
PR
E
EN C
H
ER
TODOS OS FURO
S DOS
B LOCOS
RETRAÇ Ã O A RETRA Ç ÃO D EV E S ER MÍNIMA NÃO PODE
RETRAÇ
Ã
O
A RETRA
Ç ÃO
D EV
E S
ER
MÍNIMA
NÃO PODE OCO
R
R
E R
SEPARAÇÃO ENTRE
O
GRAUTE E AS PARED
ES
INTERNAS DOS BLOCOS
R ES IS TÊNC IA À COMP R E SS Ã O A RESISTÊNCI A
R
ES
IS
TÊNC
IA
À
COMP
R
E
SS
Ã
O
A RESISTÊNCI
A
À
COMPRESSÃO
DO
G
RAUTE
,
COMBINADA COM
AS
PROPRIEDADES M
E
C ÂNICAS
DOS BLOCOS E DA
ARGAMASSA DEFINIRÃO
A
RESISTÊNCIA À COMPRESS
ÃO
DA ALVENARIA
Ca racte rís t ic a s ge rai s MATERIA I S areia grossa
Ca
racte
rís
t
ic
a
s
ge
rai
s
MATERIA
I
S
areia grossa
ou
areia grossa + pedrisco
“slump” = 20 e 28 cm
a/c = 0,8 e 1,1
adição de plastificante ou cal
I n f l u ênc ia dos fat o res de P ROJ ETO
I
n
f
l
u
ênc
ia
dos
fat
o
res
de
P
ROJ
ETO
Concepç
ão
E
st
rutur
al
do
edif
íci
o
arranjos arq
u
it
e
tônicos
transições
fundações
Geometria da parede
esbeltez e excentricidade
espessura das juntas
padrão de assentamento
I n f l u ênc ia dos fat o res de P ROJ ETO
I
n
f
l
u
ênc
ia
dos
fat
o
res
de
P
ROJ
ETO
Necess
i
d
ade
m
u
it
o
g
r
a
nde
de integração
en
t
re
as
diversas discipl
i
n
as
estrutura x arquitetur
a
x
instalações x paisagism
o
x
fundações
C o nce p ção e stru t ura l i n teg r ada
C
o
nce
p
ção
e
stru
t
ura
l
i
n
teg
r
ada
Melh
o
r
aproveitamen
to
da
capacidade
re
sisten
te
da
alvenaria
Facilidade de
contraventamento
do
edifício
Possibilidade de levar
as
paredes até a fundação
Minimização das Transiçõe
s
EX E M P LO – Edifício d e 1 5 P av i m
EX
E
M
P
LO
Edifício
d
e
1
5
P
av
i
m
en
tos
Terreno mu
it
o
a
ci
de
nta
do
Necessidade d
e
red
uçã
o
d
e
c
u
sto
e racionalização do
traba
l
h
o
E XEMPLO Edifíc i o de 1 5 Pa vime nt os Solução fo i
E XEMPLO
Edifíc
i
o
de
1
5 Pa
vime
nt
os
Solução
fo
i in
te
g
ra
da
d
e
sd
e
o
início
Prazo bastante
l
on
g
o
par
a
desenvolvimento do
s
pr
ojetos
Resultado bastante
interessante em termos de
custos de produção
g o par a desenvolvimento do s pr ojetos Resultado bastante interessante em termos de custos
52
53
54
55
56
56
57
57
58
58
O UTR AS D I R E T RIZ E S IMP O R T
O UTR AS D I R E T RIZ E S IMP O R T
O UTR
AS
D I
R
E
T RIZ
E
S
IMP O
R
T ANTES
TREINAMENT
O
E QU
ALIFIC
AÇÃ
O DA
MÃO-DE-OBRA;
O UTR AS D I R E T RIZ E S IMP O R T
O UTR AS D I R E T RIZ E S IMP O R T
O UTR
AS
D
I
R E
T RIZ
E
S
IMP O
R
T ANTES
TREINAMENT
O
E
QU
ALIFIC
AÇÃ
O
DA
MÃO-DE-OBRA;
ORGANIZAÇÃO DA
P
ROD
UÇÃO
;
61
61
FERRAMENTAS E EQUIPAMENTOS Esco la Po litécn ica da USP PCC 2435 – Te cno
FERRAMENTAS
E
EQUIPAMENTOS
Esco
la
Po
litécn
ica
da
USP
PCC 2435
Te
cno
log
ia
d
a Con
stru
ção
de
E
d ifício
s I
FERRAMENTA S Esco E EQUIPAMENTOS la Po litécn ica da USP PCC 2435 – Te
FERRAMENTA
S
Esco
E
EQUIPAMENTOS
la
Po
litécn
ica
da
USP
PCC 2435
– Te
cno
log
ia
d
a Con
stru
ção
de
E
d ifício
s I
O UTR AS D I R E T RIZ E S IMP O R T
O UTR AS D I R E T RIZ E S IMP O R T
O UTR
AS
D
I
R E
T RIZ
E
S
IMP O
R
T ANTES
TREINAMENT
O
E
QU
ALIFIC
AÇÃ
O
DA
MÃO-DE-OBRA;
ORGANIZAÇÃO DA
P
ROD
UÇÃO
;
CONTROLE DE ACEITA
ÇÃO
E
PRODUÇÃO;
64
64
P ROJ ETOS RAC I O NA LIZA D O S DOS DEMA I S
P ROJ ETOS RAC I O NA LIZA D O S DOS DEMA I S
P ROJ
ETOS
RAC
I O
NA LIZA
D O
S DOS
DEMA
I S
S
U BSI
S
T E
M AS
–Modulação e locação
das
paredes
;
–Interface com instalaçõ
es
;
–Interface com esquadrias;
–Interface com revestimentos;
–Soluções construtivas racionalizadas
M o du l a çã o da A lve nar i a 66
M o du l a çã o da A lve nar i a 66

M

o du

l

a çã

o da

A lve

nar

i

a

M o du l a çã o da A lve nar i a

M

o du

l

a çã

o da

A lve

nar

i

a

M o du l a çã o da A lve nar i a

In st

a laçõe

s elé

tri

cas

In st a laçõe s elé tri cas

Instalações

elétricas

Instalações elétricas

I nst

a

l aç

õe

s elé

tri

cas

I nst a l aç õe s elé tri cas
I nst a l aç õe s elé tri cas
I nst a l aç õe s elé tri cas

Instalaçõ

es

hidráulicas

Instalaçõ es hidráulicas

Instal

açõ

es

hidráulicas

Instal açõ es hidráulicas

I ns

tal

a çõ

es

h

i drá

ulic

as

I ns tal a çõ es h i drá ulic as

E sq

u ad

r

i as

E sq u ad r i as
71
71
Esquadria s
Esquadria
s

BAT

E

N

T E

E

BAT E N T E E V E RGA

V

E RGA

BAT E N T E E V E RGA
BAT E N T E E V E RGA
73
73

So

l uçõ

es

Rac

ion

a l

i za

das

So l uçõ es Rac ion a l i za das

So

l uç

ões

Ra

cio

n aliz

ada

s

So l uç ões Ra cio n aliz ada s
S o l u çõ e s R ac i o n a l i
S
o l
u çõ
e
s
R ac
i
o
n
a l
i
z a
d as

So

l

u çõ

es

Rac

i on

a l

i za

das

So l u çõ es Rac i on a l i za das