Sei sulla pagina 1di 24
Projeto Ambiente Computacional Inte grado de Análise, Simulação e Visualização de Bacias Sedimentar es e

Projeto Ambiente Computacional Integrado de Análise, Simulação e Visualização de Bacias Sedimentares e Sistemas Petrolíferos em Águas Profundas / HP-COPPE

Análise Geoquímica

Grupo Simulação e Modelagem Elio Perez e Márcia Kuhn

16/08/05

em Águas Profundas / HP-COPPE Análise Geoquímica Grupo Simulação e Modelagem Elio Perez e Márcia Kuhn
em Águas Profundas / HP-COPPE Análise Geoquímica Grupo Simulação e Modelagem Elio Perez e Márcia Kuhn

OBJETIVOS:

• Determinar as principais rochas geradoras;

• Verificar se o intervalo gerador entrou na janela de óleo;

• Avaliar o tipo de matéria orgânica;

• Estimar a origem do óleo encontrado.

gerador entrou na janela de óleo; • Avaliar o tipo de matéria orgânica; • Estimar a
gerador entrou na janela de óleo; • Avaliar o tipo de matéria orgânica; • Estimar a

Características

vs.

Análises/

Ferramentas

Características vs . Análises/ Ferramentas 1. QUANTIDADE DE MATERIA ORGÂNICA • Teor de Carbono Orgânico Total

1. QUANTIDADE DE MATERIA ORGÂNICA

Teor de Carbono Orgânico Total

2. POTENCIAL GERADOR

Pirólise Rock-Eval

Análise Visual do Querogênio

3. TIPO DE MATERIA ORGÁNICA

Pirólise Rock-Eval

Análise Visual do Querogênio

Análise de GC, GCMS do betume

4. NIVEL DE MATURAÇÃO

Petrografia Orgânica

Pirólise Rock-Eval

5. ESPESURA E EXTENSÃO LATERAL

Perfis Elétricos

Dados Litológicos

Sísmica

E EXTENSÃO LATERAL • Perfis Elétricos • Dados Litológicos • Sísmica Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

E EXTENSÃO LATERAL • Perfis Elétricos • Dados Litológicos • Sísmica Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

FLUXOGRAMA ANALÍTICO PARA ROCHAS GERADORAS

ROCHA ROCHA PREPARAÇÃO PREPARAÇÃO CARBONO CARBONO ORGÂNICO ORGÂNICO EXTRAÇÃO EXTRAÇÃO CROMATOGRAFIA
ROCHA ROCHA
PREPARAÇÃO PREPARAÇÃO
CARBONO CARBONO ORGÂNICO ORGÂNICO
EXTRAÇÃO EXTRAÇÃO
CROMATOGRAFIA CROMATOGRAFIA
PIRÓLISE PIRÓLISE ROCK-EVAL ROCK-EVAL
LIQUIDA LIQUIDA
SAT SAT
ARO ARO
NSO NSO
ANÁLISE ANÁLISE VISUAL VISUAL / /
PETROGRAFIA PETROGRAFIA ORGÂNICA ORGÂNICA
ISOTOPOS ISOTOPOS DE DE C C
ISOTOPOS ISOTOPOS DE DE C C
GC, GC, GCMS GCMS
GC GC
e e GCMSMS GCMSMS
GCMS GCMS e e GCMSMS GCMSMS
DE C C GC, GC, GCMS GCMS GC GC e e GCMSMS GCMSMS GCMS GCMS e

Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

DE C C GC, GC, GCMS GCMS GC GC e e GCMSMS GCMSMS GCMS GCMS e
DE C C GC, GC, GCMS GCMS GC GC e e GCMSMS GCMSMS GCMS GCMS e
DE C C GC, GC, GCMS GCMS GC GC e e GCMSMS GCMSMS GCMS GCMS e

Teor de Carbono Orgânico Total (COT)

Determinado rotineiramente em equipamentos LECO depois da acidificação para retirada dos carbonatos.

Rocha geradora: COT > 1%

da acidificação para retirada dos carbonatos. Rocha geradora: COT > 1% Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

da acidificação para retirada dos carbonatos. Rocha geradora: COT > 1% Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

Pirólisis ROCK-EVAL

Pirólisis ROCK-EVAL Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

INDICE DE HIDROGÊNIO

IH =(S 2 /COT) x 100 mgHC/gCOT

INDICE DE OXIGÊNIO

IO =(S 3 /COT) x 100 mg CO 2 /gCOT

DE OXIGÊNIO IO =(S 3 /COT) x 100 mg CO 2 /gCOT Cedido gentilmente por Félix

Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

mg CO 2 /gCOT Cedido gentilmente por Félix Gonçalves Diagrama de Van Krevelen (1962) Diagrama de

Diagrama

de Van

Krevelen

(1962)

Diagrama de Van Krevelen (versão modificada para uso dos parametros de pirólises Rock-Eval)

Cedido gentilmente por Félix Gonçalves TEMPERATURA MÁXIMA Tmax

Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

TEMPERATURA

MÁXIMA

Cedido gentilmente por Félix Gonçalves TEMPERATURA MÁXIMA Tmax

Tmax

Cedido gentilmente por Félix Gonçalves TEMPERATURA MÁXIMA Tmax

ÍNDICE DE PRODUÇÃO IP= S 1 / (S 1 + S 2 )

ÍNDICE DE PRODUÇÃO IP= S 1 / (S 1 + S 2 ) Cedido gentilmente por

Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

ÍNDICE DE PRODUÇÃO IP= S 1 / (S 1 + S 2 ) Cedido gentilmente por

DIAGRAMAS DE VAN KREVELEN

DIAGRAMAS DE VAN KREVELEN Cedido gentilmente por Félix Gonçalves
DIAGRAMAS DE VAN KREVELEN Cedido gentilmente por Félix Gonçalves
DIAGRAMAS DE VAN KREVELEN Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

ANÁLISE VISUAL DO QUEROGÊNIO

Estudo realizado no microscópio (luz transmitida e fluorescência) de lâminas com querogênio concentrado.

Permite caracterizar o tipo de materia orgânica e o grau de evolução térmica.

caracterizar o tipo de materia orgânica e o grau de evolução térmica. Cedido gentilmente por Félix

Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

caracterizar o tipo de materia orgânica e o grau de evolução térmica. Cedido gentilmente por Félix

Tipos de Matéria Orgânica observados ao microscópio:

SEM ESTRUTURA

- Matéria Orgânica Amorfa

COM ESTRUTURA

- Palinomorfos

- Esporomorfos (pólen, esporos)

- Fitoplâncton (Dinoflagelados, Tasmanáceas, Botriococos)

- Zoomorfos (Escolecodontes, Foraminíferos, Quitinozoários)

- Fitoclastos

- Fungos

- Macrófitas (Cutículas, Tejidos de corteza, Madera)

- Zooclastos

- Fragmentos de Graptolites e Artropodes

- Frag. de Bivalvos e Ostracodes

- Fragmentos de Grap tolites e Artropodes - Frag. de Bivalvos e Ostracodes Cedido gentilmente por

Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

- Fragmentos de Grap tolites e Artropodes - Frag. de Bivalvos e Ostracodes Cedido gentilmente por

MATERIAMATERIA ORGÁNICAORGÁNICA AMORFAAMORFA (MOA)(MOA)

MATERIAMATERIA ORGÁNICAORGÁNICA AMORFAAMORFA (MOA)(MOA) Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

ESPOROMORFOSESPOROMORFOS

Pólen

ESPOROMORFOSESPOROMORFOS Pólen Esporos Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

Esporos

ESPOROMORFOSESPOROMORFOS Pólen Esporos Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

FITOPLANCTONFITOPLANCTON

Acritarcos Tasmanaceas
Acritarcos
Tasmanaceas

Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

Dinoflagelados

Botriococos

MADEIRA – FRAGMENTOS LENHOSOS

MADEIRA – FRAGMENTOS LENHOSOS Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

MATURAÇÃO:MATURAÇÃO: INDICEINDICE DEDE COLOCOLORAÇÃORAÇÃO DEDE ESPOROSESPOROS (ICE)(ICE)

INDICEINDICE DEDE COLOCOLORAÇÃORAÇÃO DEDE ESPOROSESPOROS (ICE)(ICE) Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

MATURAÇÃO:MATURAÇÃO: REFLECTÂNCIAREFLECTÂNCIA DADA VITRINITAVITRINITA ((%Ro%Ro))

REFLECTÂNCIAREFLECTÂNCIA DADA VITRINITAVITRINITA (( %Ro%Ro)) Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

MATURAÇÃO: REFLECTÂNCIA DA VITRINITA (%Ro)

MATURAÇÃO: REFLECTÂNCIA DA VITRINITA (%Ro) 9000 10000 11000 12000 Muestras con suficientes lecturas
9000 10000 11000 12000 Muestras con suficientes lecturas de vitrinita Muestras con pocas lecturas de

9000

10000

11000

12000

Muestras con suficientes lecturas de vitrinita Muestras con pocas lecturas de vitrinita Gradiente de Madurez
Muestras con
suficientes lecturas
de vitrinita
Muestras con
pocas lecturas de
vitrinita
Gradiente de
Madurez
0,1
1,0
10,0

Reflectancia (% Ro)

de vitrinita Gradiente de Madurez 0,1 1,0 10,0 Reflectancia (% Ro) Reflectancia de la Vitrinita vs.
de vitrinita Gradiente de Madurez 0,1 1,0 10,0 Reflectancia (% Ro) Reflectancia de la Vitrinita vs.

Reflectancia de la Vitrinita vs. Profundidad

de vitrinita Gradiente de Madurez 0,1 1,0 10,0 Reflectancia (% Ro) Reflectancia de la Vitrinita vs.
de vitrinita Gradiente de Madurez 0,1 1,0 10,0 Reflectancia (% Ro) Reflectancia de la Vitrinita vs.
de vitrinita Gradiente de Madurez 0,1 1,0 10,0 Reflectancia (% Ro) Reflectancia de la Vitrinita vs.
de vitrinita Gradiente de Madurez 0,1 1,0 10,0 Reflectancia (% Ro) Reflectancia de la Vitrinita vs.
1,0 10,0 Reflectancia (% Ro) Reflectancia de la Vitrinita vs. Profundidad Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

INTEGRAÇÃO: PERFIS GEOQUÍMICOS

INTEGRAÇÃO: PERFIS GEOQUÍMICOS Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

CROMATOGRAFIA DE GASES (GC)

BIODEGRADAÇÃO
BIODEGRADAÇÃO

Cedido gentilmente por Félix Gonçalves

Geoquímica de Superfície (Gases)

Geoquímica de Superfície (Gases)

Dados de Entrada:

• Teor de Carbono Orgânico Total (COT);

• Valores de S1, S2, S3 e Tmax;

• Valores de Reflectância da Vitrinita (RO);

• Valores do Índice de Coloração de Esporos (ICE);

• Cromatogramas;

• Análise de gases de geoquímica de superfície.

do Índice de Coloração de Esporos (ICE); • Cromatogramas; • Análise de gases de geoquímica de
do Índice de Coloração de Esporos (ICE); • Cromatogramas; • Análise de gases de geoquímica de

Dados de Saída

• Determinação da rocha geradora;

• Determinação do grau de evolução térmica;

• Determinação da cozinha de geração;

• Determinação dos processos envolvidos na biodegradação;

• Observação de misturas de óleos;

• Correlações óleo-óleo e óleo-rocha;

• Mapas de anomalias geoquímicas.

• Observação de misturas de óleos; • Correlações óleo-óleo e óleo-rocha; • Mapas de anomalias geoquímicas.
• Observação de misturas de óleos; • Correlações óleo-óleo e óleo-rocha; • Mapas de anomalias geoquímicas.