Sei sulla pagina 1di 7

IMPORTÂNCIA DA ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DA ASMA

Yang Requião 1 , Maucir Nascimento Junior 1, 2 e Dr. Marcos Rebouças Tio 3

1 - Discente do curso de Biomedicina, FTC-SSA. 2 - Discente do curso de pós graduação em Acupuntura. INCISA/IMAM. 3 - Docente da FTC-SSA e Acupunturista.

Resumo: A asma é uma patologia das vias aéreas (broncopulmonar),

caracterizada pela falta de ar, que tem alta prevalência na população mundial. Apesar do aparecimento de novas drogas para o tratamento da asma o índice de mortalidade não reduziu, onde alguns pesquisadores acreditam que o uso prolongado de broncodilatadores, pode ser prejudicial. A Medicina Tradicional Chinesa no uso das técnicas da acupuntura é um método alternativo visando não só o tratamento imediato, no momento de crise, mas a terapia a fim de equilibrar a energia do individuo evitando assim a patologia.

Palavras-chaves – Acupuntura, asma, broncodilatodos, broncoespasmo, Medicina Tradicional Chinesa

Abstract: Asthma is a disease of the airways (bronchial), characterized

by shortness of breath, which is widely prevalent in the world population. Despite the emergence of new drugs for the treatment of asthma mortality rate has not reduced, which some researchers believe that prolonged use of bronchodilators may be detrimental. A traditional Chinese Medicine technique in the use of acupuncture is an alternative view not only the immediate treatment at the time of crisis, but the therapy in order to balance the energy of the individual thereby avoiding the disease.

Keywords - Acupuncture, Asthma, broncodilatodos, bronchospasm, Traditional Chinese Medicine

INTRODUÇÃO

A Medicina Tradicional Chinesa é uma ciência milenar, segundo Hwang Ti Nei

Jing (escrito em 700 a.C.) os chineses da Idade da Pedra descobriram que ao aquecer o corpo com pedra ou areia quente, aliviava dores abdominais e articulares, além de serem achadas agulhas feitas de pedra junto a instrumento de cura.

No tempo subseqüente as praticas da acupuntura foram passando entre as dinastias Chinesas e se aperfeiçoando, tornado-se cada vez mais eficazes, sendo conhecida pelo ocidente. “A acupuntura começou a ser conhecida na Europa por volta do século XVII, introduzida pelos jesuítas e viajantes que vinham do Extremo Oriente, sendo em 1929 o lançamento do primeiro livro que espalhou a verdadeira acupuntura chinesa para a Europa” (Yamamura, 2003, p. 12)

A Acupuntura aparece no mundo ocidental como um tratamento terapêutico

alternativo aos tratamentos alopáticos, pois não visa apenas o tratamento da

doença que acomete o indivíduo naquele momento, mas sim, uma terapia a fim de equilibrar o indivíduo para seu corpo e mente funcionarem de forma ajustada (Yin

e Yang).

“A Acupuntura é um conjunto de conhecimentos teórico-empíricos da medicina

chinesa que visa à terapia e à cura das doenças através da aplicação de agulhas

e de moxas.” (Wen, 2006, p. 9).

A eficiência da acupuntura no ocidente vem sendo comprovada no meio médico

através de praticas, como anestesia. “O sucesso da anestesia com acupuntura,

em diferentes cirurgias, tem produzido um grande impacto no ocidente desde a década de 70”. (Palmeiras, 1990)

A concepção chinesa a respeito do Universo, e por conseqüência na aplicação da

Medicina Tradicional Chinesa para terapêutica no ser humano está apoiada em três pilares básicos: A teoria do Yin/Yang, dos Cinco Movimentos e do Zang Fu (Órgãos e Vísceras).

“Vento, Frio, Fogo, Umidade, Secura, Canícula são modificações climáticas normais; são chamadas as 6 energias (6 Qi). Os homens são capazes de se adaptar as suas mudanças, as 6 Qi não são então patogênicas”. (B. Auteroche, 1992, pág.111).

As patologias são causadas para a Medicina Tradicional Chinesa pelo Qi Perverso (Energia Perversa), e estas são divididas em três categorias: Fator externo quando advinda do meio ambiente, fator interno quando aparecem no organismo e são ligadas as emoções e não interno nem externo, o estilo de vida escolhido pelo indivíduo, hereditariedade entre outros. Para a Medicina Tradicional Chinesa existem dois fatores preponderantes que fazem parte da patogenia da asma, a primeira é a Deficiência dos Sistemas de do Qi do Pulmão e do Rim e a outra é o Vento. “Os pulmões difundem o Qi de Defesa para pele e músculos e os Rins são a raiz do Qi de Defesa” (Maciocia, 1996; p.116). A deficiência do Qi dos Rins e do Pulmão é a raiz para o processo asmático. Caso esse Qi de Defesa esteja deficiente a abertura de uma “porta” para penetração de Vento Externo que se aloja nos brônquios, uma vez que os Pulmões são os órgãos Yin mais exteriores, pois são responsáveis pela pele e os brônquios para a Medicina Tradicional Chinesa é visto como uma extensão da pele. Para a Medicina Ocidental a asma é causada por uma obstrução parcial do fluxo de ar no lúmen da árvore brônquica. Segundo Maciocia (Xerox, p. 110) – a asma e causada por estreitamento temporário dos brônquios por espasmos musculares, seguido de edema da mucosa. A asma é dividida em dois tipos: quando acomete

o paciente na infância chamada de extrínseca ou atípica, estando ligada a alergia

e ou aumento de Imunoglobulina E (IgE) sendo de origem hereditária e a asma intrínseca ou idiossincrática. Os medicamentos mais utilizados nas crises de asma são os broncodilatadores utilizados por meio de nebulização, aerossol (a 'bombinha') ou inaladores de pó seco, medicamentos que segundo Maciocia (xerox, p. 109) – alguns

pesquisadores estão investigando a possibilidade de que o uso prolongado dessas drogas pode ser prejudicial, podendo ate mesmo esta aumentando o índice de mortalidade desta doença, que nos EUA aumentou 45% nos últimos 10 anos.

O tratamento das crises de asma brônquica freqüentemente esteve associado ao desenvolvimento de arritmias cardíacas. O temor dos aerossóis pressurizados ainda persiste até hoje, mesmo entre os profissionais da área médica. Parte desse receio provém dos primeiros relatos de óbito em pacientes asmáticos, os quais foram atribuídos inicialmente ao uso dessas medicações. Por outro lado, muitos profissionais ainda tratam de forma incorreta as crises de broncoespasmo. Já é quase consenso na literatura que as metilxantinas, um dos primeiros medicamentos utilizados para o tratamento da asma, não trazem benefícios nas exacerbações e ainda desencadeiam muitos efeitos colaterais. (Rios, Bello, 2007)

MATERIAL E MÉTODO

Foram realizados estudos de casos com pacientes distintos que tiveram crise asmática, alem de leituras de artigos e pesquisas em livros, no intuito de comparar a tratamento alopático e a importância da acupuntura na substituição dos métodos da medicina ocidental. O caso de L.V.R.T. quarenta e três ano do sexo feminino, com dispnéia, tosse com pouca ou quase nenhuma secreção. Refere tristeza e angustia devido a problemas familiares. Calor e pouca umidade, com pulso rápido no ponto do Xin (Coração) e profundo e vazio do lado direito Caso de V.O.S. vinte anos, sexo feminino, teve ataque de asma com leve sibilo e muita dispnéia, pulso rápido e dificuldade de falar. T.S. vinte e cinco anos, sexo feminino, teve crise de asma durante uma avaliação de faculdade, teve palidez com muita data de ar, relatando esta cada vez mais duradoura as crises.

Fig. 1 Fig. 2 RESULTADO Em todos os casos foram utilizados os pontos Yintang, P7
Fig. 1
Fig. 1
Fig. 2
Fig. 2

RESULTADO

Em todos os casos foram utilizados os pontos Yintang, P7 – “estimula a dispersão e a decida do Qi do Pulmão; expelem fatores patogênicos,

particularmente o Vento Exterior e o Vento Frio. (H. U. HECKER. et al. 2007;

pag.

predominantemente nos padrões de sintomas de Congestão; resfria o Calor no Aquecedor Superior, elimina o Calor do Pulmão e estimula sai decida. (H. U. HECKER. et al. 2007; pag. 5), R22 –

“Indicado pleurite, bronquite e rinite”. (YAMAMURA, 2003; pag. 295), VG20 - “a

5),

P5 – “utilizado

ação desse ponto é desobstruir a mente, elevar o espírito e eliminar o Vento Frio” (MACIOCIA, 1996; pag. 629) e após a cessão em todos os casos ouve melhora de tosse e a dificuldade em respirar foi reduzida diminuindo o mal estar, o sibilo foi reduzido e com pouco tempo sumiu. Em todos os casos os pacientes relataram que a experiência foi gratificante principalmente pelo não uso de medicamentos alopáticos.

Fig. 3
Fig. 3
Fig. 4
Fig. 4
Fig. 5
Fig. 5

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Este trabalho foi realizado para verificar a importância no tratamento da asma obtendo êxito nas experiências com os três pacientes citados a cima, demonstrando eficácia da acupuntura em comparação as drogas utilizadas na medicina alopática.

REFERÊNCIAS

B. Auteroche. O Diagnóstico na Medicina Chinesa. Editora Andrei, 1992.

H.-U. HECKER & A. STEVELING & E. PEUKER & ET AL. Prática de Acupuntura. Editora Guanabara, 2007

MACIOCIA, G. A Prática da Medicina Chinesa. Editora Roca, 1996.

PALMEIRA, G. A Acupuntura no Ocidente. Cadernos de Saúde Pública, RJ, 6 (2): 117-128, abr/jun, 1990.

RIOS, Sérgio Luiz; BELLO, Renato B. Arritmias cardíacas e o tratamento das crises de asma. Revista Médica Ana Costa, 2007.

YAMAMURA, Y. Acupuntura tradicional: A arte de inserir. Ed. Roca, São Paulo, 2003.

WEN, T. S. Acupuntura Clássica Chinesa. Ed. Cultrix, São Paulo, 2006.

FIGURAS

Figuras de 1 a 4: Yu-Lin Lian, et. al. Atlas Gráfico de Acupuntura – Seirin. Ed. H.F. Ullmann, 2011

Figura 5 editada a partir: Ysao, Yamamura. A Arte de Inserir. Ed. Roca,

2003.