Sei sulla pagina 1di 33

Álgebra Linear Determinante e Matriz Inversa

Prof. Carlos Alexandre Mello

cabm@cin.ufpe.br

e Matriz Inversa Prof. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

1

Conceitos Preliminares

• Considere o sistema ax = b, a 0.

• A solução para este sistema é x = b/a

• Observe que o denominador está associado à matriz dos coeficientes do sistema

• Em um sistema 2x2 teríamos:

a 11 x 1 + a 12 x 2 = b 1 a 21 x 1 + a 22 x 2 = b 2

1 + a 12 x 2 = b 1 a 21 x 1 + a 22
1 + a 12 x 2 = b 1 a 21 x 1 + a 22
1 + a 12 x 2 = b 1 a 21 x 1 + a 22

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

x

x

1 =

2 =

b 1 a 22 – b 2 a 12

a 11 a 22 a 12 a 21

b 2 a 11 – b 1 a 21

a 11 a 22 a 12 a 21

– a 12 a 21 b 2 a 11 – b 1 a 21 a 11

Denominadores

iguais

2

Determinante

• Quando nos referimos ao determinante, isto é, ao número associado a uma matriz quadrada A = [a ij ], escreveremos

det A

ou

• Então:

|A|

ou

det[a ij ]

det

 

=

a11

a12

 
 

a21

a22

det[A 3x3 ] =

a11

a12

a13

a21

a22

a23

a31

 

a32

a33

   

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

 

det[a] = a

= a 11 a 22 a 12 a 21

=

3

Determinante 3x3

det

1

2

1

2

1

1

Determinante 3x3 det ⎡ 1 ⎢ ⎢ ⎢ ⎣ 2 1 2 1 1 1 ⎤

1

1

2

=

(

1

×

1

×

2

+

2

2 1 2 1 1 1 ⎤ 1 ⎥ ⎥ 2 ⎥ ⎦ = ( 1

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

×

1

×

1

1

+ ×

2

×

1

)

4

Determinante 3x3

1

1

2

1

(

)

det 2 1 1 = ×× + ×× +× × −

1

1

2

2

1

1

1

2

1

1

2

(

− × × +×× +××

2

2 2

1

1

1

1

1

1

)

2 2 1 1 1 2 1 1 2 ( − × × +×× +×× 2

2

2 2 1 1 1 2 1 1 2 ( − × × +×× +×× 2

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

5

Determinante 3x3

⎡ 1 2 1 ⎤ ⎢ ⎥ det 2 1 1 = ×× + ××
⎡ 1
2
1
det 2 1 1 = ×× + ×× +× × −
(
1
1
2
2
1
1
1
2
1
)
1
1
2
⎢ ⎣
⎥ ⎦
− × × +×× +×× = − =−
(
2 2
2
1
1
1
1
1
1
)
6 10
4
1
2
1
1
2
1
1
Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello
cabm@cin.ufpe.br
6

Determinante

• Definição: Dada uma permutação dos inteiros 1,

2,

, n, existe uma inversão quando um inteiro

precede outro menor do que ele.

• Exemplo: 1, 2, 3

Permutação

no. de inversões

inversões

(1 2 3) (1 3 2) (2 1 3) (2 3 1) (3 1 2) (3 2 1)

0

-

1

(3 e 2)

1

(2 e 1)

2

(2 e 1) e (3 e 1)

2

(3 e 1) e (3 e 2)

3

(3 e 2), (3 e 1) e (2 e 1)

2 (3 e 1) e (3 e 2) 3 (3 e 2), (3 e 1) e

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

7

Determinante

• Exemplo: 1, 2, 3, 4

Permutação (3 2 1 4) (4 3 2 1) no. de inversões 3 6 inversões
Permutação
(3 2 1 4)
(4 3 2 1)
no. de inversões
3
6
inversões
(3 e 2), (3 e 1) e (2 e 1)
(4 e 3), (4 e 2), (4 e 1)
(3 e 2), (3 e 1) e (2 e 1)
(2 e 1) (4 e 3), (4 e 2), (4 e 1) (3 e 2), (3

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

8

Determinante

• Considere o determinante de:

det

Determinante • Considere o determinante de: det = a 11 a 22 a 33 – a

= a 11 a 22 a 33 a 11 a 23 a 32 a 12 a 21 a 33 + a 12 a 23 a 31 + a 13 a 21 a 32 a 13 a 22 a 31

Observe que:

1) temos, no resultado, cada parcela da forma a 1i a 2j a 3k , onde i, j, k são todas as permutações de 1, 2, 3:

(1, 2, 3), (1, 3, 2), (2, 1, 3), (2, 3, 1), (3, 1, 2), (3, 2, 1) 2) o sinal é negativo quando a permutação tem um número ímpar de inversões.

quando a permutação tem um número ímpar de inversões. Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

9

Determinante

• Definição: det[a ij ] = Σ ρ (-1) J a 1j 1 a 2j 2

a nj n , onde J =

J(j 1 ,

permutação (j 1 ,j 2

estendida a toda as n! permutações de (1 2

, j n ) é o número de inversões da

,j

n ) e ρ indica que a soma é

n)

• OBS:

Se J é positivo, (-1) J = 1; se J é negativo, (-1) J = -1 Em cada termo do somatório, existe um e apenas um elemento de cada linha, e um e apenas um elemento de cada coluna da matriz

linha, e um e apenas um elemento de cada coluna da matriz Prof. Carlos Alexandre Barros

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

10

Determinante

• Propriedades:

Se todos os elementos de uma linha ou uma coluna de uma matriz A são nulos, então det(A) = 0 det(A) = det(A’) Se multiplicarmos uma linha da matriz por uma constante, o determinante fica multiplicado por esta constante

0

2

det 3

5

9 =

1

6

6 1

0

2

3 det 1

1

2

6

5

3

1

⎢ ⎢ 2 ⎣ 3 det 1 − 1 2 6 5 ⎤ 3 ⎦ ⎥

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

11

Determinante

• Propriedades:

Uma vez trocada a posição de duas linhas, o determinante muda de sinal

0

2

det 3

1

6

6

5

9 =− det 0

3

2

1

6 9

1

6

5

1

O determinante de uma matriz que tem duas linhas ou colunas iguais é zero

de uma matriz que tem duas linhas ou colunas iguais é zero Prof. Carlos Alexandre Barros

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

12

Determinante

• Propriedades:

O determinante não se altera se somarmos a uma linha outra linha multiplicada por uma constante det (A.B) = det(A).det(B) det(A + B) det(A) + det(B), mas:

det

…. a 11 a 1n … … +c …. b + c b i1 i1
….
a 11
a 1n
+c
….
b
+ c
b i1
i1
in
in
….
a n1
a mn

= det

b + c b i1 i1 in in … … …. a n1 a mn =
b + c b i1 i1 in in … … …. a n1 a mn =

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

+ det

a 11 a 1n … … …. c i1 c in … … …. a
a 11
a 1n
….
c i1
c in
…. a mn
a n1

13

Determinante

Desenvolvimento de Laplace

• Vimos que:

det

Determinante Desenvolvimento de Laplace • Vimos que: det = a 11 a 22 a 33 –

= a 11 a 22 a 33 a 11 a 23 a 32 a 12 a 21 a 33 + a 12 a 23 a 31 + a 13 a 21 a 32 a 13 a 22 a 31

= a 11 (a 22 a 33 a 23 a 32 ) a 12 (a 21 a 33 - a 23 a 31 ) + a 13 (a 21 a 32 a 22 a 31 )

= a 11 .det

a 21 a 32 – a 22 a 31 ) = a 1 1 .det -

- a 12 .det

– a 22 a 31 ) = a 1 1 .det - a 1 2 .det

+ a 13 .det

a a 21 22 a a 31 32
a
a
21
22
a
a
31
32

Observe o padrão do determinante…

a 21 22 a a 31 32 Observe o padrão do determinante… Prof. Carlos Alexandre Barros

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

14

Determinante

Desenvolvimento de Laplace a 11 a 12 a 13 a a = a 11 .det
Desenvolvimento de Laplace
a 11
a 12
a 13
a
a
= a 11 .det
22
23
a
a
a
21
22
23
a
a
32
33
a
a
a
31
32
33
a a a 11 a 12 a 13 21 23 a a a a 21
a
a
a 11
a 12
a 13
21
23
a
a
a
a
21
22
a 23
31
33
a
a
31
32
a 33

- a 12 .det

a a a 11 a 12 a 13 21 22 a a a a 21
a
a
a 11
a 12
a 13
21
22
a
a
a
a
21
22
a 23
31
32
a
a
31
32
a 33

+ a 13 .det

21 22 a 23 31 32 a a 31 32 a 33 + a 1 3

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

15

Determinante

Desenvolvimento de Laplace

• Assim, det A = a 11 11 + a 12 12 + a 13 13

• Onde

ij = (-1) i+j |A ij | = cofator e A ij é a submatriz da matriz inicial, retiradas a i-ésima linha e j-ésima coluna

• Para matrizes de ordem n:

det A nxn = Σ j=1 n a ij ij

d e t A nxn = Σ j=1 n a ij ∆ ij Prof. Carlos Alexandre

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

16

Determinante

Desenvolvimento de Laplace

• Exemplo:

 
 

1

-2

3

 

|A| =

2

1

-1

= -2.12 + 1.22 + (-1)32

-2

-1

2

2 + 1. ∆ 2 2 + (-1) ∆ 3 2 -2 -1 2 …. Prof.

….

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

17

Determinante

Desenvolvimento de Laplace

• O desenvolvimento de Laplace é uma

fórmula de recorrência que permite calcular

o determinante de uma matriz de ordem n,

a partir dos determinantes das submatrizes quadradas de ordem n-1

dos determinantes das submatrizes quadradas de ordem n-1 Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

18

Matriz Adjunta

Dados todos os possíveis cofatores de A (ij ), podemos montar uma matriz cujos elementos são esses cofatores (A)

uma matriz cujos elementos são esses cofatores (A) • Lembrando que ∆ i j = (-1)

Lembrando que ij = (-1) i+j |A ij |

• A matriz adjunta de A e a transposta da matriz dos cofatores de A

( A )’

Teorema: A.A’ = A.(adj A) = (det A).I n

de A ( A )’ Teorema: A.A’ = A.(adj A) = (det A).I n Adjunta de

Adjunta de A

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

= (det A).I n Adjunta de A Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br Matriz identidade

Matriz identidade de ordem n

= (det A).I n Adjunta de A Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br Matriz identidade

19

Matriz Inversa

• Definição: Dada uma matriz quadrada A de ordem n, chamamos de inversa de A a uma matriz B tal que A.B – B.A = I n , onde I n é a matriz identidade de ordem n

Escrevemos A -1 para indicar a inversa de A

de ordem n Escrevemos A - 1 para indicar a inversa de A Prof. Carlos Alexandre

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

20

Matriz Inversa

• Exemplo: Se A = inversa de A

Matriz Inversa • Exemplo: Se A = inversa de A , encontre a Ou seja, queremos

, encontre a

Ou seja, queremos encontrar

A -1 =

de A , encontre a Ou seja, queremos encontrar A - 1 = tal que A.A

tal que A.A -1 = A -1 .A = I 3

A - 1 = tal que A.A - 1 = A - 1 .A = I

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

21

Matriz Inversa

Matriz Inversa a b c d = 1 0 0 1 Temos assim: Resolvendo o sistema
a b c d
a
b
c
d

=

1 0 0 1
1
0
0
1

Temos assim:

Resolvendo o sistema encontramos:

6a + 2c 6b + 2d

= 1

= 0

a = 2

11a + 4c = 0 11b + 4d = 1

b = -1

c = -11/2

 

d = 3

= 0 11b + 4d = 1 b = -1 c = -11/2   d =

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

22

Matriz Inversa

• Observações:

Se A e B são matrizes quadradas de mesma ordem, (AB) -1 = B -1 .A -1 Se A é uma matriz quadrada e existe uma matriz B tal que BA = I, então A é inversível e B = A -1 Nem toda matriz tem inversa

inversível e B = A - 1 Nem toda matriz tem inversa Prof. Carlos Alexandre Barros
inversível e B = A - 1 Nem toda matriz tem inversa Prof. Carlos Alexandre Barros

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

23

Matriz Inversa

• Teorema: Uma matriz quadrada A tem inversa se, e somente se, det A 0

A -1 = (1/det A).(adj A)

• Exemplo:

det A ≠ 0 A - 1 = (1/det A).(adj A) • Exemplo: • Exemplo: Prof.
det A ≠ 0 A - 1 = (1/det A).(adj A) • Exemplo: • Exemplo: Prof.

• Exemplo:

0 A - 1 = (1/det A).(adj A) • Exemplo: • Exemplo: Prof. Carlos Alexandre Barros

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

24

Procedimento para Inversão de Matrizes

(A : I) (I : A -1 )

• Exemplo

A =

de Matrizes (A : I) → (I : A - 1 ) • Exemplo A =
de Matrizes (A : I) → (I : A - 1 ) • Exemplo A =

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

25

Procedimento para Inversão de Matrizes

• Exemplo

21 00 1 0 0 0 1 0 -1 1 0 1 0 0 01
21
00
1
0
0
0
1
0
-1
1
0
1
0
0
01
11
0
0
1
0
-1
0
0
3
0
0
0
1
1 0 1 0 0 01 11 0 0 1 0 -1 0 0 3 0

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

26

Procedimento para Inversão de Matrizes

• Exemplo (cont.)

Procedimento para Inversão de Matrizes • Exemplo (cont.) 1 0 -1 1 0 1 0 0
1 0 -1 1 0 1 0 0 21 00 1 0 0 0 01
1
0
-1
1
0
1
0
0
21
00
1
0
0
0
01
11
0
0
1
0
-1
0
0
3
0
0
0
1

L 2 = -2.L 1 + L 2 L 3 = L 3 L 4 = L 1 + L 4

1 + L 2 L 3 = L 3 L 4 = L 1 + L

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

27

Procedimento para Inversão de Matrizes

• Exemplo (cont.) 1 0 -1 1 0 1 0 0 0 1 2 -2
• Exemplo (cont.)
1
0
-1
1
0
1
0
0
0
1
2
-2
1
-2
0
0
0
1
1
10
01
0
0
0
-1
4
0
1
0
1

L 1 = L 1 L 3 = -1.L 2 + L 3 L 4 = L 4

1 = L 1 L 3 = -1.L 2 + L 3 L 4 = L

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

28

Procedimento para Inversão de Matrizes

• Exemplo (cont.) 1 0 -1 1 0 1 0 0 0 1 2 -2
• Exemplo (cont.)
1
0
-1
1
0
1
0
0
0
1
2
-2
1
-2
0
0
0
0
-1
3
-1
2
1
0
0
0
-1
4
0
1
0
1

L 3 = -1.L 3 L 1 = L 3 + L 1 L 2 = -2.L 3 + L 2

3 L 1 = L 3 + L 1 L 2 = -2.L 3 + L

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

L 4 = L 3 + L 4

29

Procedimento para Inversão de Matrizes

• Exemplo (cont.) 1 0 0 -2 1 -1 -1 0 0 1 0 4
• Exemplo (cont.)
1
0
0
-2
1
-1
-1
0
0
1
0
4
-1
2
-2
0
0
0
1
-3
1
-2
-1
0
0
0
0
1
1
-1
-1
1

L 4 = L 4 L 1 = 2.L 4 + L 1 L 2 = -4.L 4 + L 2

L 1 = 2.L 4 + L 1 L 2 = -4.L 4 + L 2

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

L 3 = 3.L 4 + L 3

30

Procedimento para Inversão de Matrizes

• Exemplo (cont.) 1 0 0 0 3 -3 -3 2 0 1 0 0
• Exemplo (cont.)
1
0
0
0
3
-3
-3
2
0
1
0
0
-5
6
2
-4
0
0
1
0
4
-5
-4
3
0
0
0
1
1
-1
-1
1
6 2 -4 0 0 1 0 4 -5 -4 3 0 0 0 1 1

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

31

Exercícios Sugeridos

4

6

8a

9a

12

4 • 6 • 8a • 9a • 12 Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

32

A Seguir

• O Espaço… Vetorial

A Seguir • O Espaço… Vetorial Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br 3 3
A Seguir • O Espaço… Vetorial Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br 3 3

Prof. Carlos Alexandre Barros de Mello cabm@cin.ufpe.br

33