Sei sulla pagina 1di 1

BELÉM, SÁBADO, 8 DE OUTUBRO DE 2011

magazine@oliberal.com.br Tel.: 3216-1126

SHOW CULTURA GENTE Eita, mulher difícil! Rock e reggae agitam a noite Em "Fina Estampa",
SHOW
CULTURA GENTE
Eita, mulher difícil!
Rock e reggae agitam a noite
Em "Fina Estampa", Griselda não quer saber de
casar com Guaraci, o português bonitão. Página 7.
Festival de música e arte popular é opção no Círio
de Nazaré na praça da República. Página 2.
• • Mendes
Mendes
OLIBERAL
OLIBERAL

OLIBERAL

OLIBERAL
OLIBERAL
OLIBERAL

Hoje é dia de festa profana

O Arraial do Pavulagem faz cortejo com muita música, paz e alegria pelas ruas. À noite, o movimento LGBT promete surpresas na Festa das Filhas da Chiquita

N ão há como negar que o pa- raense comemora o natal antecipadamente. O mês de

outubro transforma Belém. É como se os moradores da cidade respirassem outro ar. As casas decoradas, as novenas diárias, os arcos na avenida Nazaré. Os dias que antecedem o segundo domingo de outubro, dia do Cí- rio de Nossa Senhora de Nazaré, retratam as manifestações cul- turais que só a cidade tem. Depois de uma noite regada ao lúdico e profano retratado no Auto do Círio, as homena- gens continuam neste sábado. Primeiro, ocorre o Arrastão do Círio - a tradicional homena- gem do Instituto Arrastão do Pavulagem à padroeira dos pa-

raenses. A noite é a vez da Festa da Chiquita entrar em cena.

O Instituto Arraial do Pa-

vulagem, apresenta na manhã

de hoje (8), a partir das 10h, o Arrastão do Círio. O cortejo espera a chegada da imagem peregrina de Nossa Senhora de Nazaré, que aporta no cais da escadinha da Estação das Do- cas, logo após a Romaria Flu- vial. Quando a santa passa em direção a avenida Presidente Vargas, os brincantes prestam sua homenagem com a execu- ção do hino do Círio “Vós Sois

o Lírio Mimoso” ao de som

mazurca, um dos ritmos da Marujada de Bragança. Em seguida, o cortejo segue outro destino: a praça do Car- mo, no bairro da Cidade Velha, onde a banda Arraial do Pavu- lagem e convidados encerram com o um show a programação do Arrastão do Círio. A concen- tração do cortejo será a partir das 10h, nas proximidades da praça dos Estivadores, entre a

Presidente Vargas e a avenida Boulevard Castilhos França. Este ano, em sua 11ª edição,

o Arrastão do Círio inova na

visualidade. Nos anos anterio- res, uma enorme cobra de mi- riti ilustrava o cortejo. Ela dará

lugar para 50 girândolas. De acordo com um dos ide- alizadores e fundador do Ins- tituto Arraial do Pavulagem, Júnior Soares, o tradicional Arrastão do Círio vai trazer novidades aos participantes. “Vamos fazer uma síntese dos outros arrastões que aconte-

De cima para baixo: Arraial do Pavulagem e sua homenagem à Virgem em dois momentos
De cima para
baixo: Arraial
do Pavulagem e
sua homenagem
à
Virgem em
dois momentos
da irreverência
e
da alegria da
tradicional festa
profana das Filhas
da Chiquita
diretamente envolvidas no Ar-
rastão do Círio deste ano.
CHIQUITA
PAMPLONA/ O LIBERAL. HENRIQUE FELÍCIO O /LIBERAL.ELIVALDO
SIDNEY OLIVEIRA O/ LIBERAL

cem durante o ano, apresen- tando vários ritmos. Está é nossa homenagem a Nossa Se- nhora de Nazaré e ao mesmo tempo uma mostra da nossa

cultura, genuinamente para- ense”, diz Júnior. O cortejo é formado pelas bandeiras, estandartes, cabe- çudos, convidados do interior

,dançarinos, boi-bumbá, mú- sicos e pelo batalhão das ban- deiras coloridas, organizados nessa ordem durante o corte- jo. Cerca de 300 pessoas estão

Há mais três décadas, no segundo sábado de outubro, acontece a Festa das Filhas da Chiquita, a mais tradicional homenagem do grupo LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, tra- vestis e transexuais) a Nossa

Senhora de Nazaré. São ho- mens e mulheres, independen- temente da opção sexual, can- tando, dançando, reunidos no mesmo espaço - a rua da Paz, ao lado do Teatro da Paz. Em sua 33ª edição, a Festa das Filhas da Chiquita intitu- lada “Além do arco-íris - Um Show contra a Homofobia” vai fazer sua manifestação pací- fica contra o preconceito. Se- gundo o idealizador da festa,

Eloy Iglesias, a noite será reple- ta de surpresas. “O ponto alto da Chiquita será a premiação, representada pelo troféu Vea- do de Ouro, que daremos ao deputado federal Jean Wyllys, maior expressão na luta contra

a homofobia”, diz. Eloy destaca: “O diferen- cial da Chiquita em relação às outras ações profanas que homenageiam a Virgem é a surpresa. Não ensaiamos na- da, tudo flui naturalmente. A festa é uma manifestação feita pelo público”. Além da premiação, haverá uma programação cultural, com show de Eloy e convida- dos. No repertório, algumas canções selecionadas: “Mãezi- nha de Nazaré”, “Pecados de Adão” e o Hino Nacional, com

um arranjo preparado especial- mente para a Chiquita. O grupo de Carimbó Borboletas do Mar também estará presente. Em 2004, o Instituto de Pa- trimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) incluiu a Festa da Chiquita no processo de tombamento do Círio co- mo patrimônio imaterial da humanidade.

A Festa das Filhas da Chi-

quita foi retrata no documen- tário “As Filhas da Chiquita” (2006), dirigido por Priscilla

Brasil. Em 52 minutos são

mostrados, por vários pontos

e ângulos, os personagens que

compõem a festa, desde a pro-

dução até os participantes. Pas- so a passo. Exibido em vários cantos do Brasil e do mundo,

o documentário recebeu dois

prêmio no Mix Brasil: Melhor

Filme pelo júri popular e Men- ção Honrosa pelo júri oficial.

O documentário está dis-

ponível no site: http://www.

greenvision.com.br/filhasda-

chiquita/.

SERVIÇO:

Arrastão do Círio e Festa das Filhas da Chiquita Arrastão do Círio, hoje (7) a partir das 10h, saída da praça dos Estivadores em direção à praça do Carmo, no bairro da Cidade Velha. Festa das Filhas da Chiquita:

hoje à noite, após a procissão da Trasladação, na rua da Paz (ao lado do Teatro da Paz). Programação aberta ao público.

Exposições retratam aspectos do Círio de Nossa Senhora

Em alusão ao Círio de Naza- ré, o Museu de Arte de Belém (Mabe), abre duas exposições “Divino Manto”, em homena- gem a Virgem de Nazaré e “Ja- nelas do passado, espelhos do presente: Belém do Pará, arte, imagem e história”, na reaber- tura do Salão Verde. O público paraense vai conferir as mos- tras até o dia 30 deste mês, sempre de terça a sexta, das 10h às 18h e sábados, domin-

gos e feriados das 9h às 13h. As visitas podem ser agendadas no setor de Ação Educativa do MABE, pelo telefone (91) 3114- 1028. A entrada é gratuita.

A mostra “O Divino Man-

to” expõem 16 mantos da Vir-

gem de Nazaré pertencentes às tradicionais famílias para- enses e confeccionadas por estilistas e artistas de nossa região, além de três mantos oficiais e dez cartazes tam- bém oficiais de Círios. Entre eles destaca-se o manto con- feccionado por Carlos Amil- car Pereira. Com um metro de extensão, bordado a mão com pedrarias, cristais e se- mijoias, retrata a figura da Igreja Católica. De acordo com o presiden- te da Fundação Cultural de Belém (Fumbel) e expositor, Carlos Amilcar Pereira, a ex-

posição mostra a tradição e fé paraense. “A exposição ‘O

Manto Divino’ aborda a histó- ria, a importância e tradição da confecção do manto para a Virgem de Nazaré entre as fa-

mílias da cidade. Por isso faze- mos um link entre os mantos oficiais e os familiares”, diz.

Já a “Janelas do passado, es-

pelhos do presente: Belém do Pará, arte, imagem e história”, conta a história artística do Mu- seu de Arte de Belém - MABE. Está à mostra todo seu acervo, com cerca de 1.680 obras entre pinturas, desenhos, gravuras, esculturas, mobiliário de épo- ca, fotografias, construções

artísticas, objetos de interior, e cerâmicas.

A exposição “O Divino

Manto” segue aberta até o dia 30 deste mês. Já a “Janelas do passado, espelhos do presente:

Belém do Pará, arte, imagem e história”, ficarão abertas até o dia 30 de outubro, na Sala The- odoro Braga, piso térreo do Pa-

lácio Antônio Lemos. Após um longo período fechado para recuperação, o Museu de Arte de Belém, reabre seu mais importante salão de exposição, o Salão Verde - ou Sala Domenico De Angelis. A reabertura, o MA- BE apresenta a exposição de longa duração, “Janelas do passado, espelhos do presen- te: Belém do Pará, arte, ima-

gem e história”, que refaz o

percurso artístico de quase quatro séculos de história. Criado em 1991, o Mabe é o único museu da Região Norte e Nordeste ganhador do Prêmio de Pesquisa de Acervos Artísticos, que o Mi-

nistério da Cultura e a Funda- ção Nacional de Arte promo- veram no final do ano passa- do. O museu foi contemplado através do Edital Moderniza- ção de Museus 2008/2009 do IPHAN/MINC.

SERVIÇO:

“O Divino Manto” e “Janelas do passado, espelhos do presente: Belém do Pará, arte, imagem e história”. Até o dia 30 de outubro, no Museu de Arte de Belém - Mabe

Visitação, sempre, de terça a sexta, das 10h às 18h e sábados, domingos e feriados das 9h às

13h.

Informações: (91) 3114.1028. Entrada gratuita.