Sei sulla pagina 1di 89

Momentos de Saúde

de Joanna de Ângelis
Médium : Divaldo
Franco
1. Decisão de ser feliz
O psiquismo divino flui través de mim, Deus sustenta-me e
conduz-me em todos os dias da minha vida.
Há um fluxo e refluxo de força que me percorre o ser e
impulsiona-me ao prosseguimento.
De mim depende coordenar os movimentos, eleger a meta e
avançar.
Submetendo-me a essa força vital tudo se me torna acessível,
e poderei chegar ao bom termo das minhas aspirações em paz.
A vida é bênção, e deve ser
mantida
saudável, alegre, promissora,
mesmo quando
sob a injunção libertadora de
provas e
1 DECISÃO DE SER FELIZ
Empenha-te ao máximo para tornar tua vida agradável a ti mesmo e aos outros.
É importante que, tudo quanto faças, apresente um significado positivo, motivador
de novos estímulos para o prosseguimento da tua existência, que se deve caracterizar
por experiências enriquecedoras.
Se as pessoas que te cercam não concordarem com a tua opção de ser feliz, não te
descoroçoes, e, sem qualquer agressão, continua gerando bem-estar.
És a única pessoa com quem contarás para estar contigo, desde o berço até o
túmulo, e depois dele, como resultado dos teus atos…
Gerar simpatia, produzindo estímulos otimistas para ti mesmo, representa um
crescimento emocional significativo, a maturidade psicológica em pleno desabrochar.
É relevante que o teu comportamento produza um intercâmbio agradável,
caricioso, com as demais pessoas. No entanto, se não te comprazer, tranformar-se-á
em tormento, induzindo-te a atitudes perturbadoras, desonestas.
Tuas mudanças e atitudes afetam aqueles com os quais convives. É natural,
portanto, que te plenificando, brindem-te com mais recursos para a geração de alegrias
em volta de ti.
*
Todos os grandes líderes da Humanidade lutaram até lograr sua meta – alcançar o
que haviam elegido como felicidade, como fundamental para a contínua busca.
Buda renunciou a todo conforto principesco para atingir a iluminação.
Maomé sofreu perseguições e permaneceu indômito até lograr sua meta.
Gandhi foi preso inúmeras vezes, sem reagir, fiel aos planos da não-violência e da
liberdade para o seu povo.
E Jesus preferiu a a cruz infamante à mudança de comportamento fixado no amor.
Todos quantos anelam pela integração com a Consciência Cósmica geram simpatia
e animosidade no mundo, estando sempres a braços com os sentimentos
desencontrados dos outros, porém fiéis a si mesmos, com quem sempre contam, tanto
quanto, naturalmente, com Deus.
Quando se elege uma existência
enriquecida de paz e bem-estar, não se está
eximindo ao sofrimento, às lutas, às
dificuldades que aparecem. Pelo contrário, eles
sempre surgem como desafios perturbadores,
que a pessoa deve enfrentar, sem perder o
rumo nem alterar o prazer que experimenta na
preservação do comportamento elegido.
Transforma, dessa maneira, os estímulos
afligentes em contribuição positiva, não se
lamentando, não sofrendo, não desistindo.
Quem, na luta, apenas vê sofrimento,
possui conduta patológica, necessitando de
tratamento adequado.
A vida é bênção, e deve ser mantida
saudável, alegre, promissora, mesmo quando
sob a injunção libertadora de provas e
expiações.
Tornando tua vida agradável, serão
frutíferos e ensolarados todos os teus dias.
2. Liberdade de escolha
O pensamento divino concedeu-me liberdade de poder
realizar todo bem que deseje.
Ser feliz ou desventurado é-me opção voluntária.
Sou escravo da Lei, que me enseja progredir
sem interrupção no tempo.
O que eu sou ou o que serei, depende de mim.
A inspiração superior nunca me falta, porém,
sintonizar com ela será aspiração pessoal.
Construindo as estruturas existenciais na mente,
torná-las-ei realidade no percurso carnal.
Há pessoas que preferem a queixa e a lamentação,
armazenando o pessimismo em que se realizam. Negociam
o carinho que pretendem receber com as altas quotas de
padecimentos que criam psiquicamente.
Ninguém se sente bem ao
lado de criaturas que elegem o
infortúnio como falsa solução
para os seus conflitos
existenciais.
2 LIBERDADE DE ESCOLHA
És livre para imprimir na tua existência o padrão de felicidade ou de aflição com o
qual desejes conviver.
A liberdade é lei da vida, que faz parte do concerto da harmonia universal.
Os imperativos inamovíveis e deterministas são vida e morte, no que diz respeito
aos equipamentos orgânicos, mesmo assim, sob o fatalismo de incessantes
transformações.
Submetido à ordem da ação, que desencadeia reações correspondentes, és o que
de ti próprio faças, movimentando-te no rumo que eleges.
Há pessoas que preferem a queixa e a lamentação, armazenando o pessimismo
em que se realizam. Negociam o carinho que pretendem receber com as altas quotas
de padecimentos que criam psiquicamente.
Ao lado de outras, que chantageiam os afetos, mediante a adoção de sofrimentos
irreais, estabelecem como metas a conquista de atenções e carícias que lhes são
sempre insuficientes, não se dando conta que, dessa forma, farão secar a fonte
generosa que as oferece.
Ninguém se sente bem ao lado de criaturas que elegem o infortúnio como falsa
solução para os seus conflitos existenciais.
Essa coação emocional termina por produzir amizades falsas, situações
constrangedoras, mais insegurança.
Podes e deves ser feliz. Esta é a tua liberdade de escolha.
Se te encontras atrelado ao carro das aflições, porfia construindo o bem e te
libertarás.
A dificuldade de agora é o efeito da insensatez do passado.
A vida renova-se a cada momento.
Situações funestas alteram-se para melhor, à semelhança de paisagens
ensombradas que rapidamente vestem-se de Sol.
Não dês trégua à desdita, à ociosidade, aos queixumes.
És senhor do teu destino, e ele tem para ti, como ponto de encontro, o infinito.
É necessário que te envolvas com
o programa divino. Todo aquele que se
não envolve positivamente, nunca se
desenvolve.
Se preferires sofrer, terás
liberdade para a experiência até o
momento em que te transfiras para a
opção do bem-estar.
Desse modo, não transformes
incidentes de pequena monta, coisas e
ocorrências corriqueiras, em tragédias.
Ninguém tem o destino do
sofrimento. Ele é resultado da ação
negativa, jamais a causa.
*

Faze uma avaliação honesta


da tua existência, sem consciência de
culpa, sem pieguismo desculpista, sem
coerção de qualquer natureza, e logo
depois desperta para o que deves
produzir de bom, de útil, de
construtivo, empenhando-te na
realização da tua liberdade de ser feliz.
3. Fenômenos renovadores
A presença divina apóia-me nos processos de
rescimento e renovação.
Cada momento constitui-me oportunidade nova para
vançar ou corrigir erros.
As transformações que a vida opera são fases de
esenvolvimento.
A poda renova; a dor desperta; a provação educa;
alteração de comportamento propõe esforço.
Estou fadado à felicidade, que lograrei mediante
enovação e luta, pois que sou filho de Deus.
Diante dos afetos que diminuíram de intensidade; dos
comportamentos que se alteraram; das situações que
sofreram mudanças; dos amigos que fizeram novas opções;
do entusiasmo que arrefeceu ou passou para outra área; dos
desafios novos, não te insurjas pela depressão ou violência.
São fenômenos, estes, de mudança que a vida impõe.
Aceita-os com calma…
Ninguém há que se encontre
fadado à desdita.
Renovando-se, altera-se-lhe a
paisagem para o futuro,
mediante o que elabore na área
dos desejos mentais.
3 FENÔMENOS RENOVADORES
A vida é um incessante mecanismo de transformações. Nada permanece
inalterável. A mudança é fenômeno natural do processo renovador. Tudo quanto não se
renova, morre, impondo um normal efeito de desenvolvimento. O repouso é
interpretação equivocada em torno de ocorrências não detectadas.
Desse modo, emoções, organização fisiológica, comportamentos humanos,
encontram-se sujeitos aos imperativos de alterações necessárias, variando de acordo
com ocorrências, circunstâncias, ocasiões.
Essas alterações na criatura humana procedem de estados diferenciados de
consciência, de padrões mentais diversos, de filosofias existenciais variadas.
Conforme se pensa, assim se procede.
A mente, exteriorizando os níveis psicológicos, é responsável pelas atitudes, por
expressar a realidade espiritual de cada um.
O processo que precede à ação é de natureza mental. Portanto, tudo quanto se
afirma, ou se nega mentalmente, passa a exercer preponderância que se materializa
no campo da realidade objetiva.
O cultivo das idéias pessimistas, geradoras de enfermidades e dissabores,
angústias e tragédias, deve ser substituído pelos pensamentos saudáveis, produtivos,
responsáveis pelos bens da vida.
Ninguém há que se encontre fadado à desdita. Renovando-se, altera-se-lhe a
paisagem para o futuro, mediante o que elabore na área dos desejos mentais.
Os teus pensamentos seguem a linha direcional das tuas aspirações. O que anelas
na emoção, elaboras na construção mental. Sucederá, portanto, conforme o queiras.
Certamente experimentarás, no transcurso da existência física, provas e
expiações, que decorrem de pensamentos e atitudes passadas, ora retornando ao
proscênio do ser como mecanismos de reparação, resgate, reeducação.
Houvesses agido de forma diferente e
enfrentarias outras situações cármicas.
Não obstante tais efeitos, a lei de renovação
propele-te à modificação da estrutura dos dias
porvindouros, mediante a tua conduta presente.
Revisa, quanto antes, os teus planos de ação.
Submete-os a uma análise tranqüila e considera
as tuas possibilidades atuais, refazendo
programas e estabelecendo metas novas.
Se te parecem corretos, amplia-os. Se te
manifestam insuficientes ou perturbadores,
corrige-os. Renova-te, porém, alterando sempre
para melhor as tuas disposições de crescimento,
seja como for que te encontres.
*
Não exijas que as pessoas sejam-te iguais,
sempre as mesmas, com repetitivos hábitos,
expressando-te idênticos sentimentos.
Diante dos afetos que diminuíram de
intensidade; dos comportamentos que se
alteraram; das situações que sofreram mudanças;
dos amigos que fizeram novas opções; do
entusiasmo que arrefeceu ou passou para outra
área; dos desafios novos, não te insurjas pela
depressão ou violência. São fenômenos, estes, de
mudança que a vida impõe. Aceita-os com calma
e em paz, continuando com os ideais nobres e
evoluindo sempre, sem retentivas com a
retaguarda nem ansiedades em relação ao futuro.
4. Liberação
A força divina perpassa pela minha mente e meu corpo.
Renasci em situação penosa para treinamento
da evolução.
As pessoas são conforme se comprazem, mas, eu
sou uma busca perene de harmonia.
O mal que me fizeram, tornarei um bem para mim. Não
era intenção deles estigmatizar-me. Sucede que, a seu turno,
foram vítimas e não sabiam fazer melhor.
Assim, eu os amo e serei livre para conquistar as
metas da perfeição.
Dá-te a oportunidade de
provar a ti mesmo quanto
possuis, e conseguirás
produzir.
És uma gema bruta por lapidar. Se,
exteriormente, a ganga é impura, tens no íntimo o
brilho das estrelas, que te cumpre liberar. Começa
agora o novo processo da tua vida.
4 LIBERAÇÃO
As cargas mentais negativas possuem a nefasta força de desorganizar as
engrenagens psicológicas e físicas do ser. Acostumando-se-lhes, será necessário
ingente esforço para destrinçá-las, nos sutis emaranhados dos campos de energia
geradora da vida.
Recordações desagradáveis, pensamentos perturbadores, idéias viciosas, frases
deprimentes do ontem, ressumam como necessidades de queixas, ressentimentos
guardados, iras conservadas, depreciação de si mesmo, desamor, num conjunto de
ingredientes destrutivos, que terminam por desorganizar o ser que se lhes permite
vitimar.
Não se pode evitar o haver nascido em um lar agressivo, entre pessoas hostis, sob
injunções sócio-morais e econômicas penosas. Tal acontecimento faz parte do passado
e a lamentação somente complica-o, ao invés de eliminá-lo.
Submeter-se às reminiscências deploráveis torna-se uma forma de infeliz
masoquismo, que vitaliza o que não se tem como eliminar, embora os recursos de que
se dispõe para sobrepô-las e esquecê-las.
Toda vez que alguém se apóia à autocompaixão diante do insucesso da existência
planetária, acomoda-se ao sucedido e preserva-o por conformismo. Faz-se, então,
inadiável, a decisão para ser feliz, revertendo o ocorrido.
*
A reencarnação conduziu-te a um lar que consideras inadequado para o teu
progresso, e que te faz sofrer. Talvez, tu mesmo o hajas elegido para adaptar-te desde
cedo ao processo reparador.
Cada um se vincula aos seres de que necessita para a evolução. Permanecer,
porém, ergastulado a esses eventos afligentes é atitude acomodatícia com o negativo
e perturbador, quando dispões de valiosos meios para a libertação.
Problemas existem, para serem solucionados.
Dificuldades são testes para desafiar os valores latentes do conhecimento, da
capacidade de luta de cada um.
O ressentimento, o medo, a queixa, a
reclamação do passado, mais te farão dependente
do acontecido, no qual inconscientemente te apóias
a fim de não lutares pela restauração da paz, e o
logro da alegria.
Não podes, nem deves incorporar à existência
os vaticínios danosos que te fizeram, as expressões
chulas que te dirigiram, as frase deprimentes que te
endereçaram, as agressões verbais, morais e físicas
de que foste vítima. Isso já passou e não tens como
fazer, para que não houvessem sucedido. Desviar-
lhes, porém, os efeitos daninhos, sim, cabe-te
realizá-lo.
Sabes que não és o que te acusaram. Mas, se
por infortúnio da tua fragilidade psicológica,
incorporaste à personalidade as investidas aleivosas
e te crês conforme te definiram, rompe as algemas
e ensaia a tua libertação.
*
És uma gema bruta por lapidar. Se,
exteriormente, a ganga é impura, tens no íntimo o
brilho das estrelas, que te cumpre liberar.
Começa agora o novo processo da tua vida.
Dá-te a oportunidade de provar a ti mesmo
quanto possuis, e conseguirás produzir.
Experimenta o prazer de construir o teu futuro
e, de pronto, começarás a ser uma pessoa ditosa.
5. Saúde e bem-estar
O auxílio divino invade-me durante os dias da minha vida e
encoraja-me.
Empenho-me em abandonar a acomodação e o desânimo,
revigorando-me na prece e trabalhando pela conquista dos
recursos superiores.
As sombras que me envolvem permanecem, porque
as sustento com o pensamento.
Serei o sol do esforço pessoal e banhado pela divina
luz me restaurarei, sendo feliz.
Não basta pedires a Deus
ajuda, porém, deves fazer a tua
parte, sem o que, pouco ou
nada conseguirás. Saúde ou
doença, bem ou mal-estar
dependem de ti.
Não te atenhas aos atavismos infelizes,
revivendo-os, comentando-os, reestruturando-os nos
campos mental e verbal. Eles não te abandonarão,
enquanto não os deixes.
5 SAÚDE E BEM-ESTAR
O planejamento de qualquer projeto responde pela qualidade da futura realização.
Previsões e detalhes, cálculos e referenciais, organograma e execução, constituem a
base do labor, do qual decorrem os êxitos ou insucessos.
Da planificação até a concretização do empreendimento, quaisquer alterações têm
que ser estudadas, a fim de serem introduzidas sem prejuízo para o conjunto ou
excesso de gastos não previstos.
Na mesma linha de raciocínio, uma cuidadosa sementeira de cardos, com
adubação freqüente, outra colheita não resultará, senão de espinhos e acúleos.
A criatura humana torna-se o que pensa, o que sustenta mentalmente e
desenvolve até a fixação.
Lamentavelmente, porém, expressiva maioria de indivíduos somente acalenta
idéias negativas, lucubra pessimismo, agasalha mal-estares. Como resultado,
enfraquecem-se-lhe as resistências morais, debitam-se-lhe os valores espirituais e
alimenta-se da própria insânia.
Há determinadas provações que são inevitáveis, por procederem de desmandos de
outras existências. Podem, entretanto, através de construções mentais e humanas
edificantes, ser alteradas, atenuadas e até liberadas, pois que os atos saudáveis
granjeiam mérito para superar aqueles que são danosos.
*
Não te atenhas aos atavismos infelizes, revivendo-os, comentando-os,
reestruturando-os nos campos mental e verbal. Eles não te abandonarão, enquanto não
os deixes.
Queixas-te de insucessos, dissabores, enfermidades, desamor; e, no entanto,
aferras-te a eles de tal forma que perdes o senso de avaliação da realidade, rotulando-
te como infeliz e estacionando aí, sem qualquer esforço de renovação.
Afirma a sabedoria popular com propriedade: Pedra que rola não cria limo,
sugerindo alteração de rota, movimento, realização.
Esforça-te por desconsiderar as ocorrências desagradáveis, perturbadoras.
Planeja o teu presente, estabelece metas para o futuro e põe-te a trabalhar sem
desfalecimento, sem autocomiseração, sem amargura.
Podes e deves alterar para melhor o clima que respiras, o ambiente no qual te
encontras.
Não basta pedires a Deus ajuda, porém, deves fazer a tua parte, sem o que, pouco
ou nada conseguirás. Saúde ou doença, bem ou mal-estar dependem de ti.
*
Narra-se que um sábio caminhava com os discípulos por uma via tortuosa, quando
encontraram um homem piedoso que, ajoelhado, rogava a Deus o auxiliasse a tirar do
atoleiro o carro em que seguia.
Todos olharam o devoto, sensibilizaram-se e prosseguiram.
À frente, alguns quilômetros vencidos, havia um outro homem, que tinha,
igualmente, o carro atolado num lamaçal. Este, porém, esbravejava reclamando, mas
tentava com todo empenho liberar o veículo.
Comovido, o sábio propôs aos discípulos ajudá-lo.
Reunidas todas as forças, logo o transporte foi retirado e, após agradecimentos, o
viajante prosseguiu feliz.
Os aprendizes surpresos, indagaram ao mestre: - O primeiro homem orava, era
piedoso e não o ajudamos. Este, que era rebelde e até vociferava, recebeu nosso apoio.
Por que?
Sem perturbar-se, o nobre professor elucidou: - O que orava, aguardava que Deus
viesse fazer a tarefa que a ele competia. O outro, embora desesperado por ignorância,
empenhava-se, merecendo auxílio.
Será, pois, ideal, que sem reclamar e pensando corretamente te disponhas a
retirar do paul o carro da tua existência, a fim de seguires feliz adiante com saúde e
bem-estar.
6. Amor acima de tudo
O amor divino inunda-me de paz.
Sua presença conduz-me ao próximo, que passo a amar.
Descubro-me em falta para com Deus e para com o meu irmão.
Por fim, amo-me e renovo-me, pleno, regozijando-me no amor,
que é a meta essencial da vida.
Avalia com serenidade a tua conduta em relação a Deus, ao próximo e a

ti mesmo.
6 AMOR ACIMA DE TUDO
Jesus recomendou que o amor deve ser a pedra angular de todas as construções.
Considerou-o como o mandamento maior e sintetizou toda a Lei e os profetas no
amor a Deus acima de todas as coisas e ao próximo com a si mesmo.
Nessa diretriz de aspecto tríplice estão presentes todas as realizações humanas,
suas ambições e metas.
O amor a Deus significa o respeito e a ação preservadora da vida em todas as
suas expressões, tornando-se o ser parte integrante dele, consciente do conjunto
cósmico.
A responsabilidade perante a Natureza, não a agredindo nem a vilipendiando,
antes contribuindo para o seu desenvolvimento e harmonia, expressa o amor que
contribui para a obra divina, homenageando-lhe o Autor.
O amor ao próximo é conseqüência daquele que se dedica ao Genitor,
demonstrando a fraternidade que a todos deve unir, por Lhe serem filhos diletos que
marcham de retorno ao Seu seio.
Sem este sentimento para com o seu irmão, eis que se desnorteia na solidão e
enfraquece-se, descoroçoando-se nas atividades iluminativas.
O amor a si mesmo sem a paixão ególatra eleva-o à culminância da plenitude,
auxiliando-o no desenvolvimento dos ignorados tesouros que lhe jazem adormecidos.
Esse amor se manifesta como forma de preservar e dignificar a existência física,
harmonizando-se com o conjunto geral, tornando-se um pólo de irradiação de alegria,
paz e bem-estar que a todos impregna.
*
Observa se te encontras na condição de cumpridor da recomendação do Mestre.
Nessa síntese perfeita defrontas todas as necessidades para a tua atual existência e a
solução para todos os teus problemas.
Avalia com serenidade a tua conduta em relação a Deus, ao próximo e a ti mesmo.
Caso te encontres em falta com algum dos postulados da tríade superior, propõe-
te em corrigir a deficiência, em alterar a conduta para a plenificação.
Certamente descobrirás a necessidade
de amar o Pai Celeste e o próximo
conforme as tuas possibilidades. No
entanto, tens restrições ou paixões com
referência a ti mesmo.
Em uns períodos detesta-te, enquanto
que noutros justificas-te, confessando-te
vítima dos outros.
Necessário que te ames com retidão.
*
Dedica-te à meditação salutar em
torno das tuas deficiências, para corrigi-las,
e dos teus valores, para ampliá-los. Usa de
severidade sem crueza e de amor sem
pieguismo, para te colocares em rota de
equilíbrio, de crescimento.
Amar-se é a maneira de aprimorar-se
em espírito, em emoção e em corpo. Sem
nenhum desprezo por qualquer
componente do conjunto harmônico que
és, ama-te, lutando com tenacidade para te
superares cada dia mais, estabelecendo
novas diretrizes e alvos promissores que
lograrás, sendo generoso, ativo e
perseverante no bem, em relação a ti
mesmo.
7. Posses
O poder divino enriquece-me do necessário a uma
existência feliz.
O que me falta, certamente não é importante,
não me faz falta.
Diante das pessoas encarceradas na insatisfação,
que possuem coisas inúteis embora disputadas, eu disponho
dos recursos do discernimento para a conquista da saúde
e da paz.
A posse real nunca me será tomada. Esta eu a
deverei lograr.
O que tens passa, deixas de possuir; mas o que és,
permanece, não se consome.
1 POSSES
O verdadeiro possuidor é sempre o melhor doador.
O que se tem, deve-se. Quando se oferece, possui-se.
Na contabilidade da vida, a verdadeira posse apresenta-se como o bem que se
esparze e proporciona alegria, ao invés de significar o recurso que se armazena,
permanecendo inútil.
A verdadeira doação enriquece aquele que a faz, certamente beneficiando quem a
recebe.
Convencionalmente, a pessoa que economiza e guarda valores amoedados torna-
se rica. Quase sempre, porém, amesquinha-se, apaixonando-se pelos haveres de que
se faz prisioneira.
Há, em conseqüência, sistemas que se encarregam de amealhar e ensinar a
poupar, gerando as cirandas de investimentos, que permitem auferir lucros e
vantagens.
Os que assim tornam-se ricos, vivem em constante ansiedade em relação às
oscilações do câmbio, das bolsas, dos títulos, pobres de sentimentos elevados, vítimas
da ganância financeira.
A riqueza, em si mesma, não é boa, nem é má, dependendo de quem a usa e de
como é utilizada.
Com facilidade gera o apego e o medo de perdê-la; empobrece outros indivíduos,
enquanto dorme nos cofres da usura, permitindo que a miséria se generalize.
*
Aprende a repartir, a fim de melhor compartires.
O que tens passa, deixas de possuir; mas, o que és, permanece, não se consome.
Reflete em torno da transitoriedade da existência física e compreenderás quão é
urgente aproveitá-la com propriedade.
A sucessão inexaurível do tempo demonstra a fragilidade das coisas diante dele e
a sua inexorabilidade, no que diz respeito à consumpção de tudo quanto é terreno.
Somente as conquistas intelecto-morais têm sabor de eternidade.
incontáveis fatores degenerativos que
se te fixaram à personalidade e são
responsáveis por problemas, doenças,
insatisfações, que te afligem.
Não mais disputarás vaidades, nem te
afetarão agressões, que são de nenhuma
importância. Tuas aspirações serão mais
elevadas.
Não te sentirás maior ou menor de
acordo com o jogo das enganosas
referências, das inúteis competições do
palco terrestre. Tuas conquistas não serão
mensuráveis por aplausos ou apupos.
Viverás tranqüilo, e disporás de tudo
quanto é necessário, sem o tormento
dispensável do supérfluo.

A vida te dá tudo, bastando o esforço


para consegui-lo. Também toma-o, sem
que ninguém possa reter os bens que lhe
não pertencem.
Saúde, paz, alegria, trabalho e auto-
realização sejam-te as raras moedas de
que necessitas para a jornada humana,
que te abrirão as portas do futuro no rumo
da imortalidade – a tua meta final e única.
8. Insatisfação e utopias
O estímulo divino emula-me ao avanço.
As leis de incessante mudanças funcionam em toda
parte, ensinando-me renovação e progresso.
Sou acionado por uma energia superior que me propele
para as cumeadas da vida.
O vale é sombra, e a montanha conquistada é luz.
Satisfeito, saudável e pleno, sou estimulado a vencer
e a crescer.
A fuga de ti mesmo não leva a
lugar algum, porquanto jamais te
dissociarás da tua realidade.
8 INSATISFAÇÃO E UTOPIAS
A insatisfação responde pela presença de muitos males e sofrimentos no
organismo social, gerando desequilíbrios que poderiam perfeitamente ser evitados.
Utilizando-se de mecanismos de evasão, a criatura evita assumir a própria
realidade, elaborando modelos de fictícia felicidade, para os quais transfere as
aspirações, produzindo os estados de inconformismo, de desgosto, a que se aferra,
perdendo as excelentes ocasiões de conhecer-se e plenificar-se.
Tais padrões passam então a ser-lhe metas, sempre improváveis de
concretizarem-se, e mesmo quando consegue alcançar os patamares próximos, porque
os seus são objetivos fantasiosos, mantém-se no mesmo estado de morbidez, de
desajuste.
Pequenas características tornam-se-lhe fundamentais, e detalhes que o
diferenciam do que considera belo, saudável, estético e feliz adquirem alta
importância, assim mantendo o condicionamento de desditoso.
De caráter rebelde e conduta perturbadora, despreza os recursos preciosos que
dispõe, anelando somente pelo que gostaria de ser, de ter, de parecer.
Aguarda, nesse clima de inconformação, um milagre que jamais lhe ocorrerá de
fora para dentro, sem realizar o notável esforço de transformação de conceito, bem
como a mudança de atitude de dentro para fora.
*
Aprofunda-te no autoconhecimento, redescobrindo-te.
És conforme te elaboraste na sucessão do tempo.
As tuas matrizes encontram-se no passado espiritual que não mais alcançarás.
Entretanto, através de novos comportamentos alterarás a ritmo e as ocorrências da
vida.
Examina-te e tem a coragem de enfrentar como te encontras, elaborando
paradigmas e propostas reais que conseguirás alcançar.
A fuga de ti mesmo não leva a lugar algum, porquanto jamais te dissociarás da tua
realidade.
A nada, a ninguém culpes pelo que
consideras insucessos.
A pessoa irresponsável, quando não se
esforça para alterar o que pode ser
modificado, transfere a responsabilidade
para as circunstâncias que acredita más, as
pessoas, ou culpa-se a si mesmo, preferindo
a queixa e a comiseração ao esforço
profícuo. O tempo, o lugar, a sociedade, o
governo, a inveja alheia, a competição
malsã, a má sorte ou a sua fraqueza são os
ingredientes para justificar a acomodação,
o falso sofrimento de que se diz objeto.

Ruma na direção das estrelas.


Impõe novos conceitos à vida e trabalha
por vivenciá-los de forma edificante.
Quem tem piedade de si mesmo, nega-
se a receber ajuda do seu próximo.
O insatisfeito, além de ingrato, é rebelde
e preguiçoso, que prefere as sombras da
reclamação e do atraso, às claridades do
progresso libertador.
Não te permitas utopias existenciais,
partindo para a conquista de realizações
legítimas.
9. Perante a consciência
A Consciência Divina irriga-me com paz.
Os meus equívocos são elucidados, e acalmo-me,
considerando as imensas possibilidades de equilíbrio que
estão ao meu alcance.
Diante de mim o presente, elaborando o futuro.
O passado são as lições aprendidas e as vantagens do
conhecimento servido-me de suporte para o crescimento interior.
Confio e renovo-me, tranqüilizando-me no Bem.

MEDITE
Pensa, portanto, com
correção, liberando-te das
idéias malsãs que te gerarão
consciência de culpa.
9 PERANTE A CONSCIÊNCIA
Entre os flagelos íntimos que vergastam o ser humano, produzindo inomináveis
aflições, a consciência de culpa ganha destaque.
Insidiosamente instala-se e, qual ácido destruidor, corrói as engrenagens da
emoção, facultando a irrupção de conflitos que enlouquecem
Decorrente da insegurança psicológica no julgamento das próprias ações, abre um
abismo entre o que se faz e o que se não deveria haver feito, supliciando, com crueza,
aquele que lhe sofre a pertinaz perseguição.
Considerando a própria fragilidade, o indivíduo se permite comportamentos
incorretos que lhe agradam às sensações, para, logo cessadas, entregar-se ao
arrependimento autopunitivo, com o qual pretende corrigir a insensatez. De imediato,
assoma-lhe a consciência de culpa, que o perturba.
Perversamente, ela pune o infrator perante si mesmo, porém, não altera o rumo da
ação desencadeada, nem corrige aquele a quem fere. Ao contrário, não obstante
cobradora inclemente, desenvolve mecanismos inconscientes de novos anseios,
repetidas práticas e sempre mais rigorosa punição...
Atavismo de comportamentos religiosos, morais e sociais hipócritas, que não
hesitavam em fazer um tipo de recomendação com diferente ação, deve ser eliminada
com rigor e imediatamente.
*
O que fizeste, não mais podes impedir ou evitar.
Disparado o dardo, ele segue o rumo.
Avaliza, desse modo, seus efeitos e repara-os, quando negativos.
Se a tua foi uma ação reprochável, corrige-a, logo possas, mediante novas
atividades reparadoras.
Se resultou em conflito pessoal a tua atitude, que não corresponde ao que crês,
com és, treina equilíbrio e põe-te em vigília.
Fraco é todo aquele que assim se
considera, não desenvolvendo o esforço para
fortalecer-se.
Quando justificas o teu erro com
autoflagelação reparadora, logo mais
retornarás a ele.
Propõe-te encarar a existência conforme é
e as circunstâncias se te apresentam.
Erradica da mente as idéias que consideras
impróprias, prejudiciais, conflitivas. Substitui-as
vigorosamente por outras saudáveis,
equilibradas, dignificantes. Quando não dispões
de um acervo de pensamentos superiores para
a reflexão, vais colhido pelos de caráter venal,
pueris, perniciosos, que se te fazem familiares,
impulsionando-te à ação correspondente.
Toda realização se inicia na mente.
Desenhada no plano mental vem materializar-
se ao primeiro ensejo.
Pensa, portanto, com correção, liberando-te
das idéias malsãs que te gerarão consciência
de culpa.
*
Sempre que errares, recomeça com o
entusiasmo inicial. A dignidade, a harmonia, o
equilíbrio entre consciência e conduta têm um
preço: a perseverança no dever. Se, todavia,
tiveres dificuldade em agir corretamente, em
razão da atitude viciosa encontrar-se arraigada
10. A verdade libertadora
A verdade divina penetra-me e transforma-me.
Ao deixar-me impregnar, renovo-me, e todas acusações
que me fazem os frívolos e maus não me atingem,
não me perturbam.
Permito-me seguir a trilha da libertação com entusiasmo
e paz.
A verdade divina inunda-me a consciência.
Penso e ajo com correção.
Desincumbe-te dos compromissos, sem
preocupação com aquilo que os outros pensam
sobre ti, tuas ações, tua vida. És livre para
agir, assim como te tornarás escravo do que
faças, colhendo conforme semeies. O mais, não
tem importância, exceto se preferes valorizá-lo.
10 A VERDADE LIBERTADORA
O mundo está repleto de verdades. Conceitos frágeis, filosofias esdrúxulas, idéias
estapafúrdias, pensamentos sem estrutura de lógica apresentando-se como verdades,
são acolhidos com esmero.
Ao lado desses e outros mais, estranhos, incoerentes, pululam as verdades de
cada um em aguerridas lutas de facções, de classes, de correntes que desejam
dominar.
A verdade, porém, paira sobranceira, imperturbável, acima das paixões
dissolventes, aguardando brindar-se àqueles que aspiram as concepções elevadas e
entregam-se à estesia, ao conhecimento, à razão, ao mergulho no seu conteúdo
iluminativo.
Tudo quanto aflige, apaixona, agrilhoa, da verdade sequer possui aparência,
porquanto essas expressões somente ferreteiam o ser, levando-o a paradoxismos e
alucinações.
A verdade liberta, acalma e dulcifica.
A união do ser com os seus conteúdos dá-se em regime de entrega e paz. Opera-
se com lentidão, segurança e reflexão, produzindo a transformação interior daquele
que se lhe facultou conquistar.
*
O que resolvas, sem aprofundamento de análise, considerar como verdade, em tal
se converte.
Acreditando que é legítimo, torna-se-te real.
Necessitas, no entanto, submeter as tuas crenças ao crivo da razão, verificando
quanto resistem ao escalpelo da lógica, do bom-senso.
Por isso, as críticas e admoestações que te fazem, não te devem perturbar,
levando-te a desequilíbrios.
Antes de mais nada, elabora o teu programa de ação, dispõe-te a executá-lo e,
escudando-te no ideal que esposas, segue em frente.
Não debatas com os donos da verdade do mundo os teus planos e aspirações,
A maioria deles é constituída por combatentes apaixonados das suas verdades
transitórias, que não cedem, porque ainda não estão convencidos delas. Por isso,
tornam-se críticos severos, vigias agressivos, lutadores contundentes contra os outros.
Não lhes dês atenção. Sem considerar-lhes as opiniões contra ti, as referências
aleivosas e os comentários ácidos, eis que perdem o sentido, não te alcançando jamais.
Valorizando-os, tornam-se verdades que te incomodam e perturbam a marcha,
embora tenhas um destino a objetivar.
A verdade dá equilíbrio, estimula a ordem e o respeito às idéias dos demais.

*
Desincumbe-te dos compromissos, sem preocupação com aquilo que os outros
pensam sobre ti, tuas ações, tua vida. És livre para agir, assim como te tornarás
escravo do que faças, colhendo conforme semeies. O mais, não tem importância,
exceto se preferes valorizá-lo.
A verdade felicita sempre. Assim, deixa-te penetrar pela sua força dominadora e
segue tranqüilo, amparado por ela.
11. A Tragédia do ressentimento
O perdão divino dulcifica-me, acalma-me. Dá-me dimensão do
poder terapêutico do amor. Passo a ver o mundo e as pessoas de
maneira diferente, correta, positivamente.
Supero os ressentimentos, que me martirizavam.
Começo a mover-me sem as algemas que me prendiam ao passado.
Recupero a alegria de viver e ser natural, amando todos com
ternura, mesmo aqueles que me não correspondem
ao sentimento de afetividade.
Tudo agora está bem comigo, porque eu estou de bem com a vida.
11 A TRAGÉDIA DO RESSENTIMENTO
As pressões psicossociais, sócio-emocionais, econômicas e de outras origens
desencadeiam distúrbios variados, nos quais mergulha uma larga faixa da sociedade.
Provocando medo, ansiedade, amargura, desarmonizam o sistema nervoso dos
seres humanos, conduzindo a neuroses profundas que, quase sempre somatizadas, são
responsáveis por enfermidades alérgicas, digestivas, do metabolismo em geral,
facultando a instalação de processos degenerativos.
Os temperamentos frágeis, sob pressão, procuram realizar mecanismos de fuga,
caindo em estados fóbicos e depressivos ou recorrendo à violência como forma de
afirmação e defesa da personalidade.
Muitos resíduos psicológicos se lhes instalam no campo emocional e mental, dando
lugar a perturbações de comportamento e a doenças diversas, que permanecem sem
diagnose adequada.
Pessoas mais sensíveis, que não conseguem suportar e superar esses fenômenos
das pressões constritoras, refugiam-se em ressentimentos que as infelicitam e
predispõem-nas a reagir sempre, desferindo dardos venenosos contra aqueles que se
lhe transformam em inimigos reais ou imaginários.
Algumas intoxicam-se de mágoas e fenecem. Outras, inconscientemente, tornam-
se vítimas de insucessos afetivos, financeiros e sociais. Diversas fracassam na auto-
estima, desvalorizando-se e fazendo o jogo da autodestruição.
O ressentimento é responsável por muitas das tragédias do cotidiano.
*
O ressentimento é tóxico que mata aquele que o carrega. Enquanto vibra na
emoção, destrambelha os equipamentos nervosos mais sutis e produz disritmia,
oscilação de pressão, disfunções cardíacas.
Não vale a pena deixar-se envenenar pelo ressentimento.
Nem sempre ele se manifesta com expressões definidas, camuflando-se nas
fixações mentais, e, às vezes, passando despercebido.
Há pessoas ressentidas que se não dão conta.
Um auto-exame enérgico auxiliar-te-á a identificá-los nos refolhos da alma. Logo
depois, prosseguindo na sua busca e análise, descobrirás as suas raízes, quando teve
ele início e por que se te instalou no ser, passando a perturbar-te.
Verificarás, surpreso, que és responsável por lhe dares guarida e o vitalizares,
deixando-te por ele consumir.
Os indivíduos que te foram cruéis, familiares, conhecidos, mestres, na infância e
durante a vida, não tinham nem têm dimensão do que fizeram ou estão a fazer. Sequer
se aperceberam dos seus desmandos e incoerências em relação a ti. A seu turno,
sofreram as mesmas agressões, quando crianças, e apenas reagem conforme haviam
feito outros em relação a eles.
O teu primeiro passo será compreendê-los, considerando-os sem responsabilidade
nem esclarecimentos, sem má intenção em relação a ti. Mediante tal recurso os
compreenderás e os perdoarás posteriormente, liberando-te.
*
Arrancada a causa injusta do ressentimento, despertarás de imediato em
paisagem sem sombras, redescobrindo a vida e desarmando-te em relação às outras
pessoas, que antipatizavas ou das quais te mantinhas em guarda.
Ademais, o mal que te façam, somente te perturbará, se o permitires, acolhendo-o.
Em caso contrário, tornará à sua origem.
Vive, pois, sem mágoas.
Depura-te. Ressentimentos, nunca.
12. Percepção Extrafísica
O psiquismo divino abre-me os penetrais do infinito e
deslumbro-me.
Saio da limitação, na qual me asfixio e estertoro, para a
grandiosidade da vida, onde me expando.
Mergulho no mundo interior e vejo, ouço, percebo a realidade
sem barreiras, sem névoa, de onde procedo e para onde retornarei.
Identifico-me com meu Pai, liberto-me.
Fazendo silêncio interior,
moralizando-te, sintonizarás com
os Espíritos Nobres que te guiam e
desejam partilhar contigo a
sabedoria e o amor que possuem,
facilitando-te a marcha ascensional.
12 PERCEPÇÃO EXTRAFÍSICA
Há uma imperiosa necessidade de vida interior, a fim de lograr-se identificação
com a realidade.
O mundo dos sentidos físicos, face ao seu significado e às suas finalidades de pôr o
ser em contato com as manifestações exteriores, afasta-os das percepções profundas,
ao mesmo tempo sutis, da vida plena.
Fixando-o no campo das manifestações objetivas, bloqueia-lhe a capacidade de
ampliar os registros paranormais, que lhe abrem as portas para captar o infinito campo
das causalidades.
Mergulhado no oceano das vibrações, da energia, da mente, envolto por ondas e
pensamentos incessantes, deve dilatar a capacidade psíquica para inundar-se dos
conteúdos extrafísicos, que o afetam, mesmo quando lhe são ignorados.
Possuidor de antenas transceptoras, é instrumento inconsciente de forças
complexas que o propelem a atitudes surpreendentes, e que poderia modificar,
facultando-se agir em consonância com o que lhe apraz, ao invés se ser-lhes
instrumento dócil e sem vontade própria.
Nessa imensa gama de ocorrências parafísicas, destacam-se as faixas da telepatia,
da intuição, da clarividência e da clariaudiência, da inspiração, da precognição, da
retrocognição, de indiscutíveis bênçãos, ao alcance de todo aquele que se lhe adentre
as áreas com elevação e consciência.
*
És instrumento de intercâmbio psíquico permanente, mesmo sem que te dês
conta.
Emites e captas vibrações, idéias, energias mentais, sem cessar. Conforme
direciones o pensamento, sintonizarás com outros da mesma qualidade, produzindo
afinidade.
Vives no mundo vibratório que eleges pelas tuas preferências psíquicas e
emocionais, atraindo como repelindo ondas correspondentes. De acordo com o padrão
cultivado, és envolvido por idênticas respostas psíquicas.
Educando-te interiormente, captar-
lhes-ás os pensamentos, mantendo
comunicação produtiva, que te capacitará,
desde agora, para o futuro, quando te
despojares do invólucro material.
Sem que o saibas, eles interferem na
tua existência: ora ajudando-te, quando
são bons, ora perturbando-te, quando
maus.
Por serem as almas dos homens que
viveram na Terra, preservam os seus
valores, às vezes sofrendo e fazendo
sofrer demoradamente, por ignorância ou
perversidade, acomodação ou inveja.
Fazendo silêncio interior, moralizando-
te, sintonizarás com os Espíritos Nobres
que te guiam e desejam partilhar contigo
a sabedoria e o amor que possuem,
facilitando-te a marcha ascensional.
Penetrarás assim, em regiões de luz
imperecível, experimentando emoções
transcendentes, que te farão feliz.
Desenvolvendo a percepção
parafísica, deixarás de ser um limitado
prisioneiro, para estares planando em
esferas de vida estuante, consciente dos
recursos que Deus confere para a tua
plenificação de criatura eterna.
13. Recurso da Oração
A Fonte Divina de energia é alcançada através da oração.
Penetro-lhe o fulcro, enquanto oro, e revigoro-me com as forças
que me invadem.
A energia superior restaura-me o equilíbrio, e o campo vital se
recompõe sustentando-me o ser.
Oro e elevo-me a Deus, assim pairando embora por momentos,
acima das misérias humanas.
Por mais te sintas pleno, não
percas o hábito da oração, a fim de
te manteres equilibrado.
13 RECURSO DA ORAÇÃO
A oração é o recurso mirífico mais acessível para permitir à criatura comunicação
com o Criador.
Ponte invisível de energias sutis, faculta a união da alma com o Genitor Divino, por
cujo meio esta haure as forças e a inspiração para os cometimentos difíceis da
existência.
Não altera o campo de lutas, nem impede os testemunhos que favorecem a
evolução. Entretanto, brinda resistências para os embates, encorajando e vitalizando
sempre.
Amplia a visão da realidade, ao tempo em que robustece o entusiasmo de quem se
lhe entrega.
Modifica a compreensão e o modo de encarar-se os acontecimentos, produzindo
sintonia com o Divino Pensamento, que tudo governa.
Quem ora, supera tensões e penetra-se de paz.
A oração cria as condições e as circunstâncias para a meditação, que projeta o
psiquismo nas esferas elevadas, assim equilibrando a saúde e as aspirações, por
melhor orientar o sentido da existência e a programática da reencarnação.
Ela prepara o santo, sustenta o herói, inspira o pesquisador, mantém a vida,
enquanto projeta luz nas paisagens em sombra ou enevoadas, que se apresentam
ameaçadoras.
*
Por mais te sintas pleno, não percas o hábito da oração, a fim de te manteres
equilibrado.
Atravessando dificuldades ou enfrentando provas rudes e severas expiações,
recorre-lhe ao concurso, e constatarás os benefícios que te advirão.
Para manter o ritmo de trabalho e conservar o ideal, ela é o meio mais eficaz, de
ação duradoura, de que podes dispor com facilidade. Não somente te preservará as
forças morais e espirituais, como atrairá a presença dos Bons Espíritos, que se fazem
instrumentos de Deus para a solução de muitos problemas humanos.
Quem ora, renova-se e ilumina-se, pois
acende claridades íntimas que se
exteriorizam mediante vibrações especiais.
Quando consigas experimentar o bem-
estar e a alegria que derivam da oração,
busca-la-ás com freqüência, tornando-se-te
linguagem poderosa de comunicação com a
Vida Estuante.
Envolto nas suas irradiações, diluirás
todo mal que se te acerque, beneficiando os
maus que de ti se aproximem.
De tal maneira te sentirás, que passarás
a orar constantemente, tornando tua
existência um estado de prece.
*
Recorre à oração em todos os
momentos da vida. Na saúde e na doença,
na alegria e na tristeza, na riqueza e sem
recursos, no êxito e no fracasso, ora
confiante na resposta divina.
Orando, elevar-te-ás, e na energia da
prece receberás tudo quanto se te tornará
necessário para prosseguires lutando e
lograres a vitória.
A criatura busca Deus pela oração e Ele
responde-lhe mediante a intuição do que
fazer, de como fazer e para que, fazendo,
seja feliz.
14. Dias de Sombra
A luz divina envolve-me, e rompe as trevas exteriores
que teimavam sitiar-me na amargura.
Deixo-me clarear, e todas as dificuldades se desfazem,
ensejando-me ver melhor o programa da existência.
O pessimismo desaparece e a irritação se acaba.
Estou destinado ao êxito, que buscarei com a mente
enriquecida de entusiasmo.
Banho-me de luz externa e sou luz interior.
Nesses dias sombrios, que
acontecem
periodicamente, e às
vezes se tornam
contínuos, vigia mais e
reflexiona com cuidado.
14 DIAS DE SOMBRA
Coincidentemente, há dias que se caracterizam pela sucessão de ocorrências
desagradáveis. Nada parece dar certo. Todas as atividades se confundem, e os fatos se
apresentam deprimentes, perturbadores. A cada nova tentativa de ação, outros
insucessos ocorrem, como se os fenômenos naturais transcorressem de forma
contrária.
Nessas ocasiões as contrariedades aumentam, e o pessimismo se instala nas
mentes e na emoção, levando-as a lembranças negativas com presságios deprimentes.
Quem lhe padece a injunção tende ao desânimo, e refugia-se em padrões
psicológicos de auto-aflição, de infelicidade, de desprezo por si mesmo.
Sente-se sitiado por forças descomunais, contra as quais não pode lutar, deixando-
se arrastar pelas correntes contrárias, envenenando-se com o mau humor.
São esses, dias de provas, e não para desencanto; de desafio, e não para a
cessação do esforço.
Quando recrudescem as dificuldades, maior deve ser o investimento de energias, e
mais cuidadosa a aplicação do valor moral na batalha.
Desistindo-se sem lutar, mais rápido se dá o fracasso, e quando se vai ao
enfrentamento com idéias de perda, parte do labor já está perdido.
*
Nesses dias sombrios, que acontecem periodicamente, e às vezes se tornam
contínuos, vigia mais e reflexiona com cuidado.
Um insucesso é normal, ou mesmo mais de um, num campo de variadas
atividades. Todavia, a intérmina sucessão deles pode ter gênese em fatores espirituais
perniciosos, cujas personagens se interessam em prejudicar-te, abrindo espaços
mentais e emocionais para intercâmbio nefasto contigo, de caráter obsessivo.
Quanto mais te irritares e te entregares à depressão, mais forte se te fará o cerco
e mais ocorrências infelizes tomarão forma.
Não te debatas até a exaustão, nadando contra a correnteza. Vence-lhe o fluxo,
contornando a direção das águas velozes.
Há mentes espirituais maldosas, que te
acompanham, interessadas no teu fracasso.
Reage-lhes à insídia mediante a oração, o
pensamento otimista, a irrestrita confiança em Deus.
Rompe o moto-contínuo dos desacertos,
mudando de paisagem mental, de forma que não
vitalizes o agente perturbador.
Ouve uma música enriquecedora, que te leve a
reminiscências agradáveis ou a planificações
animadoras.
Lê uma página edificante do Evangelho ou de outra
Obra de conteúdo nobre, a fim de te renovares
emocionalmente.
Afasta-te do bulício e repousa; contempla uma
região que te arranque do estado desanimador.
Pensa no teu futuro ditoso, que te aguarda.
Eleva-te a Deus com unção e romperás as cadeias
da aflição.
*
Há sempre Sol brilhando além das nuvens
sombrias, e, quando ele é colocado no mundo íntimo,
nenhuma ameaça de trevas consegue apagar-lhe, ou
sequer diminuir-lhe a intensidade da luz. Segue-lhe a
claridade e vence o teu dia de insucessos, confiante e
tranqüilo.
15. Vida renovada
A energia divina dá origem à vida em toda parte e domina-me.
Indefinível, o ato de viver e pensar, sentir e amar,
alcança o clímax, no ser humano.
Essa energia poderosa em mim induz-me à captação de
novos recursos para o crescimento e à auto-realização.
Escolho a opção da felicidade. Não cederei ao marasmo,
às injunções perturbantes a que me acostumei.
Sou vida em desdobramento.
Reergo-me, e adquiro novos padrões de pensamento,
de ação, para tornar-me pleno.

MEDITE
Emanação divina,
a vida é a presença
do psiquismo
superior
manifestando-se em
toda parte.
15 VIDA RENOVADA

A dádiva mais extraordinária que existe é a vida. Manifesta-se de formas variadas,


obedecendo a ciclos rítmicos, com objetivos estabelecidos.
Não há como evitá-la, sequer procrastiná-la no seu cadenciado fatalismo, no rumo
da perfeição.
A vida renova-se sem cessar, e esse fenômeno faz parte do seu processamento. O
que se não renova, morre, transforma-se, perturba o mecanismo existencial.
Especialmente, a vida humana é um dom supremo, que deve ser preservada e
utilizada com eficiência, dilatando-a ao máximo, a fim de se recolherem os benefícios
que faculta.
Emanação divina, a vida é a presença do psiquismo superior manifestando-se em
toda parte.
Aspirar e inundar-se dessa energia vital é ato de inteligência, aplicado à
preservação de conquistas e ampliação delas.
Nesse incessante fluxo de energias eclodem as possibilidades inatas no ser, e ele
apercebe-se da glória e da alegria de viver.
*
Para que a vida estue em abundância em ti, faze-lhe uma cuidadosa avaliação de
como te sentes, como estás e que tens conseguido.
Tem coragem para proceder a uma auto-análise consciente, responsável,
enriquecedora, de forma que ao constatares os resultados negativos te disponhas ao
enfrentamento revolucionário da mudança de crenças, pensamentos, hábitos,
comportamentos, tudo quanto constitua obstáculo ao teu desenvolvimento, à
valorização da vida e suas realizações.
Velhos hábitos arraigados, pensamentos viciosos, vontade enfraquecida,
atavismos perniciosos, ressentimentos conservados, conspirarão contra o teu programa
de renovação.
Constatarás a necessidade de mudanças, porém, todas as fixações da tua
Dentre os muitos fatores negativos que tentarão manter-te na postura de
sofrimento ou de paralisia, há o medo do que dirão os outros, de como te verão os
demais, do que te sucederá...Outros mecanismos perturbadores emergirão do
inconsciente, pretendendo conservar-te no patamar em que estagias.
Acreditar-te-ás cansado, idoso, jovem, desequipado de vontade, sem força moral,
incapaz de enfrentar situações novas, e cederás à tentação de permanecer como te
encontras: com problemas, angústias, insatisfação, insucessos...
Começa, assim mesmo, o teu programa, renovando as tuas velhas crenças,
aquelas que te foram impostas por pessoas incapacitadas para educar-te, embora
generosas, com suas opiniões depreciativas, seus conceitos servis, suas previsões
funestas.
És capaz de superar o pessimismo e a falta de auto-estima que te foram
impingidos e aceitaste sem relutância. Este é o teu momento, e não mais tarde, ou
nunca mais.
Muda os teus pensamentos e raciocínios, direcionando-os para o êxito, que deves
acreditar, e, empenhando-te, conseguirás.
Logo depois, passa à ação renovadora.
*
Os velhos hábitos criam fortes resistências e lutarão contra as tuas disposições de
mudança.
Trata-se de um novo programa, que vivenciarás passo a passo, firmando-se, a
pouco e pouco, até o momento dos bons resultados.
Não desistas, nunca, de te renovares para melhor, porquanto a vida não retorna às
mesmas condições, circunstâncias e tempo, embora nunca cesse de manifestar-se e
oferecer ensejos.
16. Em Serenidade
A serenidade divina invade-me após o cumprimento dos deveres.
Compreendo a minha responsabilidade no conjunto da vida
em que me encontro e desligo-me dos conflitos.
Lúcido, avanço, passo a passo, na conquista da consciência
e harmonizo-me, integrando-me no conjunto da Obra de Deus.
Sereno e confiante, nada de mal me atinge.
A pessoa serena é feliz, porque superou
os apegos e os desapegos, a ilusão e os
desejos, mantendo-se em harmonia em
qualquer situação. Equilibrada, não se faz
vítima de extremos, elegendo o caminho do
meio com decisão firme, inquebrantável.
16 EM SERENIDADE
A serenidade é pedra angular das edificações morais e espirituais da criatura
humana, sem a qual muito difíceis se tornam as realizações. Resulta de uma conduta
correta e uma consciência equânime, que proporcionam a visão real dos
acontecimentos bem como facultam a identificação dos objetivos da vida, que
merecem os valiosos investimentos da existência corporal.
Na atormentada busca do prazer, desperdiça-se o tesouro da cultura, que se
converte em serva das paixões inferiores, perturbadoras, de conseqüências negativas.
Quanto mais se frui do gozo, mais necessidade surge de experimentá-lo, renovando
sensações que se disfarçam de emoções.
A serenidade é o estado de anuência entre o dever e o direito, que se harmonizam
a benefício do indivíduo.
Quando se adquire a consciência asserenada, enfrenta-se toda e qualquer situação
com equilíbrio, nunca se permitindo desestruturar. As ocorrências, as pessoas e os
fenômenos existenciais são considerados nos seus verdadeiros níveis de importância,
não se tornando motivo de aflição, por piores se apresentem.
A pessoa serena é feliz, porque superou os apegos e os desapegos, a ilusão e os
desejos, mantendo-se em harmonia em qualquer situação. Equilibrada, não se faz
vítima de extremos, elegendo o caminho do meio com decisão firme, inquebrantável.
*
A serenidade não é quietação exterior, indiferença, mas, plenitude da ação,
destituída de ansiedade ou de receio, de pressa ou de insegurança.
Jesus, no fragor de todas as batalhas, na eloqüente epopéia das bem-aventuranças
ou sendo crucificado, manteve a serenidade, embora de maneiras diferentes,
impertérrito e seguro de si mesmo, com irrestrita confiança em Deus.
Buda, meditando em Varanasi, onde apresentou as suas Quatro Nobres
Verdades ou açodado por terríveis perseguições que lhe moveram os brâmanes, seus
inimigos apaixonados, permaneceu em serenidade, totalmente entregue à paz.
Jan Huss, pregando a desnecessidade de
intermediários entre Deus e os homens, ou
ardendo nas chamas implacáveis da fogueira a
que foi condenado, manteve-se fiel, sereno,
sabendo que ninguém o poderia aniquilar.
Os mártires conheceram a serenidade que
o ideal lhes deu, em todas as áreas nas quais
pugnaram, e, por isso mesmo, não foram
atingidos pela impiedade, nem pela
perseguição dos maus.
A serenidade provém, igualmente, da
certeza, da confiança no que se sabe e se faz e
se é.
Âncora de segurança, finca-se no solo e
sustenta a barca da existência, dando-lhe
tempo para preparar-se e seguir adiante.
Age sempre conforme a consciência
lúcida, a fim de não caíres em conflito,
perdendo a serenidade.
Estuda-te e ama-te, elegendo o melhor, o
duradouro para os teus dias, e nunca recuarás.
No entanto, se errares, se te comprometeres,
se te arrependeres, antes que te perturbe a
culpa, recompõe-te, refaz o equívoco,
recupera-te e reconquista a serenidade. Sem
ela, experimentarás sofrimentos que poderias
evitar, e te impedem o avanço.
Serenidade é vida.
17. Encontro com a Realidade

A realidade divina desperta-me para que me conheça, assim


descobrindo-me e identificando-me.
A minha busca já não se veste de ilusão, mas, sim, de certeza
do próximo encontro com a realidade.
Sou o que sou, caminhando para um ser ideal.
Aceito-me e aprimoro-me, a ninguém nada exigindo, a todos
amando e, a mim, deixando-me dominar pela Realidade.
Sem agressividade nem
pieguismo, ou ânsia de
confissões injustificáveis,
desvela-te aos teus irmãos,
aos teus amigos, a fim de
que eles se descontraiam e
se te apresentem como são.
Não pretendas ser o censor
das vidas, perturbando os
jogos das pessoas com a
apresentação das tuas
verdades. Se lhes tiras o
suporte de sustentação, tens o
que oferecer-lhes em termo de
comportamento e segurança?
17 ENCONTRO COM A REALIDADE
O ego iludido busca sobreviver, utilizando-se de inúmeros mecanismos de fuga da
realidade, e expressa-se usando variadas máscaras, a fim de não se deixar identificar.
No inter-relacionamento pessoal apresenta-se disfarçado, ora exigente em relação
aos outros ou excessivamente severo para consigo mesmo, projetando os seus
conflitos ou introjetando as suas aspirações não realizadas. Subconscientemente possui
conceitos incorretos sobre si mesmo, não se dispondo à coragem de enfrentar a
realidade, superando-a, quando negativa, ou aprimorando-a, se favorável.
Fixando-se na ilusão dos conflitos, cuida de apresentar-se de forma conciliadora –
a atitude subconsciente com o que gostaria realmente de ser e a aparência
conveniente - expressando-se como pessoa feliz, realizada.
Em razão do desgaste dos valores éticos na sociedade, o medo de desvelar-se a
outrem gera reações e subterfúgios, nos quais procura compensações psicológicas, que
não são plenificadoras. Porque os seus alicerces são frágeis, logo ruem as
construções de bem-estar que se aparenta possuir, tombando-se em angústias
reprimidas e agressões, por transferência emocional, para compensação íntima.
*
Há uma gama expressiva de atitudes humanas, que estão longe de serem
legítimas e resultam de posturas opostas à sua realidade.
Ressalvadas algumas exceções, que ocorrem nos idealistas não apaixonados nem
extremistas, a maioria dos que vociferam contra, seja o que for, mascara desejos
subconscientes, que reprime por falta de valor moral para expressá-los com nobreza.
O indivíduo puritano, que fiscaliza a má conduta alheia, projeta o estado interior
que procura combater noutrem, porque não se dispõe a fazê-lo em si.
O crítico mordaz, persistente, de olhar clínico para os erros e misérias dos outros,
é portador de insegurança pessoal, mantendo um grande desprezo por si próprio e
compensando-se na agressão.
Quem se identifica normalmente com as
dores e aflições, a humildade exagerada,
portanto inautêntica, exterioriza,
inconscientemente, um estado paranóico, ao
lado de insopitável desejo de chamar a atenção
para si.
Aquele que sempre racionaliza todas as
ocorrências, encontrando justificativas para os
próprios insucessos e erros, teme-se, sem
estrutura emocional para libertar-se dos
conflitos.
*
Sem agressividade nem pieguismo, ou
ânsia de confissões injustificáveis, desvela-te
aos teus irmãos, aos teus amigos, a fim de que
eles se descontraiam e se te apresentem com
são.
Não pretendas ser o censor das vidas,
perturbando os jogos das pessoas com a
apresentação das tuas verdades. Se lhes tiras o
suporte de sustentação, tens o que oferecer-
lhes em termo de comportamento e segurança?
Vigia-te, pois, e descontrai-te, deixando-te
identificar pelos valores grandiosos e pelas
deficiências, assim facilitando aos que
convivem contigo o mesmo ato de
desvelamento e confiança.
Somente com pessoas que conhecemos,
podemos sentir-nos realmente bem.
18. A Bênção da Saúde
A vitalidade divina se derrama sobre
mim e hauro-a em excelente disposição emocional.
Liberto-me das cargas tóxicas do desgaste
psicológico: mágoas, ódios, ciúmes, vinganças,
invejas, amarguras.
Sou de procedência saudável. A doença
é acidente de percurso, que me não impede
a marcha.
Sadio e confiante avanço, vitalizado
pelo hálito da Fonte Geradora de vida.
Planeja-te saudável e útil,
antevendo-te recuperado
e operoso no convívio
familiar e social como
instrumento valioso da
comunidade.
18 A BÊNÇÃO DA SAÚDE
A saúde resulta de vários fatores que se conjugam em prol da harmonia psicofísica
da criatura humana. Procedente do espírito, a energia elabora as células e sustenta-as
no ministério da vida física, assim atendendo à finalidade a que se destinam.
Irradiando-se através do perispírito, fomenta a preservação do patrimônio
somático, ao qual oferece resistência contra os agentes destrutivos, em cuja agressão
se engalfinha em luta sem cessar.
Quando essas forças se desorganizam, aqueles invasores microbianos vencem a
batalha e instalam-se, dando origem e curso às enfermidades.
Na área dos fenômenos emocionais e psíquicos, face à delicada engrenagem do
aparelho pelos quais se expressam, a incidência da onda energética do espírito, nesses
tecidos sutis, responde pelo desequilíbrio, mais grave se tornando a questão dos
desconcertos e aflições alienantes.
Nesse capítulo, as estruturas profundas do ser, abaladas pelas descargas mentais
perniciosas, além dos desarranjos que provocam, facultam a sintonia com outros
espíritos perturbadores e vingativos, que se homiziam nos campos psíquicos,
produzindo infelizes obsessões.
A preservação da saúde exige cuidados preventivos constantes, e terapêuticos
permanentes, pela excelência de que se reveste, para as conquistas a que está
destinada durante a reencarnação.
*
Diante das inumeráveis patologias que atribulam o ser humano, a manutenção do
equilíbrio psíquico e emocional é de fundamental importância para a sustentação da
saúde.
Desse modo, visualiza-te sempre saudável e cultiva os pensamentos otimistas,
alicerçado no amor, na ação dignificante, na esperança.
Liberta-te de todo entulho mental, que te pode constituir fonte de intoxicação e
estímulo às vidas microbianas perturbadoras, conservando-te em paz íntima.
Se a enfermidade te visita, aproveita-lhe a
presença para reflexões valiosas em torno do
comportamento e da reprogramação das
atividades.
Pensa na saúde e deseja-a ardentemente,
sem imposição, sem pressão, mas com nobre
intenção.
Planeja-te saudável e útil, antevendo-te
recuperado e operoso no convívio familiar e
social como instrumento valioso da
comunidade.
Vincula-te à Fonte Generosa de onde
promanam todas as forças e haure os recursos
necessários ao reequilíbrio.
Reabastece o departamento mental com
pensamentos de paz, de compaixão, de
solidariedade, de perdão e de ternura,
envolvendo-te, emocionalmente, com a Vida,
de forma a te sentires nela integrado,
consciente e feliz.
*
Doença, em qualquer circunstância, é
prova abençoada, exceto quando, mutiladora,
alienante, limitadora, constitui expiação
oportuna de que as Soberanas Leis se utilizam
para promover os calcetas que, de alguma
forma, somos quase todos nós.
Saudável, aproveita o ensejo para te
preservares, produzindo mais e melhor.
19. Compreensão
A compreensão divina paira sobre mim
e toma-me.
Dulcifico-me e acalmo-me.
Percebo o mundo e as criaturas de forma
positiva e fraternal.
Torno-me mais criativo e saudável,
relacionando-me bem com o meu próximo.
Dilata-se-me o entendimento e vivo em
paz comigo e com os outros.
Fala-se muito sobre nada e
dialoga-se em demasia sobre
coisa nenhuma, resolvendo-se
uma larga fatia de problemas,
que permanecem…
19 COMPREENSÃO
A compreensão é faculdade que melhor contribui para o êxito do relacionamento
humano, por facultar à outra pessoa a vigência dos seus valores positivos e
perturbadores. Ela reflete o grande desenvolvimento espiritual pelo que concede a
quem lhe busca apoio, orientação, quando em conjunturas difíceis.
A compreensão abre o leque da fraternidade ensejando recursos terapêuticos
necessários, conforme o caso que lhe chegue ao conhecimento. Sem anuir a todas
propostas, ou sem rejeição adrede estabelecida, favorece a percepção do que se
apresenta, na forma como se manifesta.
Levado pelo instinto gregário, e porque sociável, o ser humano necessita de
convívio, intercâmbio saudável, a fim de receber e propiciar estímulos que levam ao
desenvolvimento.
Por inúmeros fatores, a compreensão humana em torno das limitações e
problemas dos outros diminui, escasseia, tornando-se necessária e sendo rara.
Na imperiosa ânsia de estabelecer comunicação, os indivíduos buscam-se para o
relacionamento e anseiam por desvelarem-se uns aos outros. No entanto, grassa nos
corações um grande medo de se deixarem identificar. O que são, constitui-lhes tesouro
afligente e temem vê-lo atirado fora. A forma de ser difere da imagem que
exteriorizam e receiam perdê-la, naturalmente porque não se esperam receber
compreensão.
*
O mundo está repleto de pessoas surdas que conversam; de convivências
mudas, que se expressam.
Fala-se muito sobre nada e dialoga-se em demasia sobre coisa nenhuma,
resolvendo-se uma larga fatia de problemas, que permanecem...
Quando alguém se te acerque e fale, procura ouvi-lo e registrar-lhe a palavra.
Talvez não tenhas a forma ideal para dar-lhe, nem disponhas do que ele espera de ti.
Muitas vezes, ele não aguarda muito e somente fala por falar.
Concede-lhe atenção e o estimularás, facultando-lhe sentir-se alguém que
Se ele resolve confiar em ti e se desvela,
respeita-lhe a problemática e ajuda-o, caso
tenhas como fazê-lo.
Por tua vez, vence o medo de te revelares.
Certamente, não abdicarás da prudência nem
do equilíbrio; no entanto, é saudável dialogar,
descerrar painéis escondidos pelo ego ou
mascarados para refletirem imagens irreais.
Na tua condição de criatura humana frágil,
a convivência honesta com outras pessoas
contribuirá eficazmente para a tua
harmonização íntima.
Assim, torna-te compreensivo, paciente,
um terapeuta fraternal.
Não cries estereótipos, nem fixes pessoas a
imagens que resultam de momentos.
Todos estamos em contínuas
transformações, e nem sempre se é hoje o que
ontem se aparentava. Novas experiências e
lições vieram juntar-se à pessoa de antes, qual
ocorre contigo. É o inexorável imperativo do
progresso em ação.
*
Compreendendo o teu próximo e
relacionando-te com ele, serás mais bondoso
para contigo; percebendo-lhe a fragilidade,
serás mais atencioso para com os teus limites e
buscarás crescer, amando e amando-te mais.
20. Amadurecimento psicológico
O equilíbrio divino mantém-me em harmonia.
Penetro-me para conhecer-me.
Exteriorizo-me para oferecer.
Há uma necessidade de ser generoso
em relação a mim mesmo, ao próximo e à Vida.
O equilíbrio divino tocou-me suavemente como
a Primavera rociando o botão de rosa,
e fez-me desabrochar totalmente.
Nas pessoas realizadas,
saudáveis, a conduta
permanece sem surpresas,
porque há uma interação da
sua vivência interior com a
exterior, verdadeiro
amadurecimento psicológico.
20 AMADURECIMENTO PSICOLÓGICO
O relacionamento interpessoal revela o comportamento dos indivíduos em função
de si e dos outros. Nos primeiros tentames oculta a realidade, na grande preocupação
da aparência. À medida que estreita os vínculos, a postura de guarda cede lugar ao
relaxamento emocional, e, pouco a pouco, a máscara cai.
Esse fenômeno é resultado da aproximação que o tempo proporciona à relação.
Nas pessoas realizadas, saudáveis, a conduta permanece sem surpresas, porque
há uma interação da sua vivência interior com a exterior, verdadeiro amadurecimento
psicológico. Após o autoconhecimento, que proporciona a auto-aceitação, explora-se o
exterior, abrindo-se a experiências, a vivências novas e enriquecedoras. A linha do
equilíbrio demarca a personalidade, sem excentricidades nem bruscas mudanças como
ocorre entre a exaltação e a depressão.
Quem assim age, encontra-se plenificado, irradiando esse estado de conquista
como pessoa humana.
No comportamento alterado, em que o júbilo e a tristeza, a confiança e a suspeita,
o amor e a animosidade se confundem, o autodescobrimento, a imaturidade programa
estados de instabilidade, de desdita, conduzindo a enfermidades emocionais que são
somatizadas, reaparecendo na área orgânica com caráter destruidor.
Tais reflexos, no relacionamento, geram desequilíbrios que se agravam, na razão
direta que se fazem vítimas para estados obsessivos-compulsivos ou depressivos.
Na sua ânsia de crescimento experimenta a tua realidade íntima em confronto
com a externa.
Não te permitas perturbar pelos indivíduos reagentes, que se encontram de mal
com eles próprios e vomitam mau humor contra os demais. Permanece cortês, para
que não seja o seu estado bilioso a dizer como te comportares.
Por tua vez, não te transformes em personalidade reatora, aquela que está sempre
reagindo, quando poderia e deveria agir.
A tua ação e reação traduzem com és interiormente, bem como sentes e vês em
realidade o que se passa em teu mundo íntimo.
Assim, não desperdices energias mascarando-te, antes aplica-as

em contínuo trabalho de auto-aprimoramento, de crescimento

interior até exteriorizares as conquistas em simpatia, cordialidade

e amor.

Qualquer pretensão de modificar o mundo e fazê-lo


girar como te aprouver é alucinação. Porém, se te
dedicares à transformação íntima, que reflita em
alteração de outros comportamentos para melhor,
lograrás alcançar a verdadeira meta de
amadurecimento psicológico.

Com esse aprofundamento no eu espiritual, a saúde


plena será tua amiga na grande proposta que te leva
Jesus nunca se amesquinhou diante dos falsamente
poderosos ou de classe e economia mais
expressivas. Tampouco se tornou prepotente diante
dos fracos e sofredores. A linha de equilíbrio entre o
Seu interior e o exterior, demonstrou a Sua
superioridade moral, espiritual e intelectual, que O
torna Modelo sob todos os aspectos para todos nós,
exemplo de perfeita maturidade psicológica, porque
plenificadora.
Salvador Bahia
0XX 71 3393 2855
Mansão do
Caminho

Copyright 1992 by
Centro Espírita Caminho
Da Redenção
Rua Jayme Vieira Lima,104
Pau da Lima
41235-000
Salvador-Bahia-Brasil

Imagens do acervo particular


do autor (Printartist).
Som wave sob pesquisa Internet