Sei sulla pagina 1di 17

Sistemas Computacionais

1 – Sistema Informatizado

1

1.1

-Definições Básicas Importantes

1

Processamento De Dados

1

Dado

1

Informação

1

O Valor da Informação

2

Conhecimento

2

Tecnologia de Informação

2

Sistema de Informação

2

Sistema de Informações com Tecnologia de Informação

2

Sistemas de Numeração

2

2 – O que é computador?

3

2.1

– Funcionamento básico de um Computador:

3

3 – Computadores Digitais :

4

4- Hardware

4

Placa mãe Placa de Vídeo Placa de Som Placa de Rede

Placa de Fax-Modem 4.1- Periféricos de Entrada 4.1.1- Teclado

4.1.3

4.1.4

4.1.5 - Leitora de Código de Barra

- Scanner - Câmera digitais

4.2- Periféricos de saída -

Impressoras

4.2.1

4.2.2 - Monitor de Vídeo:

4.3 – Unidades de Entrada e saída:

Disquetes, Disco Rígido, Zip-Drive, CD – Rom e Cd – RW

4.3.1 – Modem

4.4 - Unidade Central de Processamento - CPU – (Central Processing Unit)

4.5 – Memórias - Unidades de armazenamento 4.5.1 Registradores

4.5.2

4.5.3

4.5.5

- Memória Principal ou Interna - Memória Cache - Memória Auxiliar, Secundária ou Externa

4.5.5.1 - Discos Flexíveis

4.5.5.2 - Discos Rígidos

4.5.5.3 - CD-ROM

4.5.5.4 – Zip drive

4.5.4.5 - DVD (Digital Versatile Disk)

4.5.4.5 – Pen Drive Medindo Informações:

4

5

5

5

5

6

6

7

7

7

8

8

8

9

9

9

10

10

11

11

12

13

14

14

14

15

15

15

16

16

Sistemas Computacionais

Conceitos básicos de Informática

A natureza dos serviços prestados por um sistema de computador varia muito em função das

características particulares da empresa; ambiente de uso; nível procurado de transformação dos

sistemas manuais ou mecânicos em sistemas informatizados.

Para acompanhar as implicações do uso e entender as aplicações de computadores, é necessário que

se tenha um conhecimento mínimo de seus componentes e da integração entre eles.

SISTEMA

   

Integração entre:

 

Hardware

Software

 
 
 
 
 
 
 

Usuários/pessoas

 

Suporte Técnico

   

contexto maior de aplicação desses

1 – Sistema Informatizado

(sistema

de

processamento

de

– máquina;

Software – programas;

Usuários/pessoas ,

Suporte,

dados)

que por sua vez estão inseridos em um

recursos: empresa; organização, profissional liberal ou um ambiente qualquer com objetivo de

realizar um determinado serviço.

1.1 -Definições Básicas Importantes

Processamento De Dados

Processar dados significa transformar informações iniciais (chamadas de dados iniciais ou de entrada) em resultados (chamados de dados finais ou de saída), através de procedimentos pré- definidos. Processar dados significa muito mais do que apenas calcular. Pode ser considerado um cálculo, uma ordenação de informações, uma classificação de forma conveniente, uma comparação, uma listagem (relatório), etc

Dado

É todo elemento conhecido que serve de base à resolução de um problema. No ambiente da

informática, são informações usadas na forma digital.

É entendido como um elemento da informação, um conjunto de letras, números ou dígitos, que

tomado isoladamente, não contém nenhum significado claro. Não transmite por si só nenhum conhecimento.

Informação

É um conjunto organizado e estruturado de dados.

Sistemas Computacionais

É todo dado trabalhado, útil, tratado, com valor significativo atribuído ou agregado a ele e com um

sentido natural e lógico para quem usa esta informação.

O Valor da Informação

Pode conferir poder, pois está presente em todas as atividades que envolvem processos, sistemas,

recursos financeiros, tecnologias etc

realizada com custo menor, com menos recursos, em tempo reduzido e com resultado melhor.

Na medida em que se sedimenta, qualquer atividade pode ser

Conhecimento

É uma informação valiosa da mente humana resultante de reflexão, análise, contextualização e

síntese.

É a informação trabalhada por pessoas e/ou por recursos computacionais, possibilitando a geração

de cenários, simulações e oportunidades. Às vezes a tarefa de transformar dados em informações pode não ser tão simples, pode ser lenta,

pode ter alto custo e até pode exigir mão-de-obra especializada, um exemplo são as eleições presidenciais, o censo da população, a apuração da sena, etc.

Tecnologia de Informação

É todo e qualquer dispositivo que tenha a capacidade para tratar dados e/ou informações, tanto de

forma sistêmica como esporádica, quer esteja aplicada ao produto ou ao processo. Hardware, Software e Sistemas de Telecomunicações. Tecnologia de Informação pode ser definida como o complexo tecnológico que envolve computadores, softwares, redes de comunicação eletrônica: públicas e privadas, rede digital de serviços, tecnologias de telecomunicações, protocolos de transmissão de dados e outros serviços.

Sistema de Informação

Todo sistema que manipula, trata ou processa dados usando ou não recursos de Tecnologia de Informação (TI). Os resultados podem ser: relatórios empresariais, relatos de processos e normas para apoio à tomada de uma decisão ou até a própria decisão.

Sistema de Informações com Tecnologia de Informação

Conjunto de software, hardware, sistema de telecomunicações, recursos humanos (peopleware ou humanware) e os respectivos procedimentos que antecedem e sucedem o software que tem por objetivo gerar informações oportunas e funcionais para clientes, usuários e/ou patrocinadores. A principal finalidade da Tecnologia da Informação é desenvolver os Sistemas de Informação para que estes possam auxiliar a empresa no seu negócio, nos seus processos e nas suas atividades . Entender e participar de projetos que envolvam aplicações de Tecnologia da Informação requer algum conhecimento sobre o hardware, o software, o sistemas de telecomunicações e a gestão dos dados e das informações por parte dos analistas de negócios

Sistemas de Numeração

As primeiras representações de quantidades eram feitas primitivamente pelo uso dos dedos das mãos, etc. Na representação utilizando os dedos, surgia um problema quando a quantidade era maior que dez. As pessoas tinham que usar a criatividade para contornar este problema. Diante da necessidade surgiram os primeiros algarismos, sendo que cada povo representava seus números de acordo com o padrão adotado. A padronização pelos algarismos arábicos ocorreu na Europa na época da Idade Média, quando um pouco da cultura árabe foi trazida do Oriente Médio,

Sistemas Computacionais

que era muito avançada na área da matemática. Por isso os algarismos arábicos são utilizados como

padrão universal para representação dos números até os dias de hoje. Os números são representados por uma série de sinais chamados algarismos. Para trabalhar com números podemos usar diversos sistemas, cada um com seu conjunto de sinais. Existem diversos sistemas de representação numérica e, para cada um, existe uma respectiva base (número de diferentes algarismos usado por um sistema de numeração). No nosso dia a dia usamos o sistema decimal e em computação utilizamos o sistema binário e o sistema hexadecimal. Também há muitas possibilidades de se padronizar códigos para representações de caracteres alfanuméricos (números, símbolos e letras), porém as mais utilizadas, por convenção, são o padrão ASCII (American Standard Code Information Interchange) e EBCDIC (Extended Binary Coded Decimal Interchange Code).

Sistema Decimal - O sistema decimal emprega 10 digitos ( 0 a 9); a base usada é 10. É o sistema que o homem está acostumado a usar.

Sistema Binário - O sistema binário emprega 2 dígitos (0 e 1); usa base 2. Utilizado nos computadores eletrônicos pois representa adequadamente os possíveis estados de um componente eletrônico: ligado (passando corrente elétrica) ou desligado (não passando corrente elétrica). Utiliza 8 bits para representar um caractere.

2 – O que é computador?

Conjunto de dispositivos eletrônicos interligados, os quais conseguem executar automaticamente um determinado trabalho, orientado por um programa e em grande velocidade. Computadores possuem capacidade de tratar informações com rapidez e precisão. Eles vêm sendo utilizados, desde a década de 60, em sistemas de controle de contas bancárias e de reservas de companhias aéreas. Por um bom tempo, os computadores foram privilégios apenas de grandes empresas. Naquela época, utilizar um deles significava dispor de um grande espaço físico, devidamente refrigerado, e dezenas de funcionários trabalhando em tempo integral na sua manutenção. A criação de microcomputadores pessoais de baixo custo permitiu que os computadores também se tornassem um equipamento de uso doméstico e uma ferramenta indispensável no dia a dia das pessoas.

2.1 – Funcionamento básico de um Computador:

Em linhas gerais, o funcionamento de um computador divide-se em quatro tarefas:

• ler os dados a serem processados (entrada de dados);

• armazenar os dados lidos (memória);

• efetuar os cálculos necessários (processamento);

• fornecer os resultados (saída de dados). Memória Principal O computador funciona executando o programa
• fornecer os resultados (saída de dados).
Memória
Principal
O computador
funciona
executando
o
programa ou as seqüências de operações que estão
armazenadas na
sua memória.
Entrada
Saída
CPU
Profa. Maria Altimira
Página 3
18/03/08

Memória

Auxiliar

Sistemas Computacionais

3 – Computadores Digitais :

São os mais encontrados em residências, escolas, comércio, etc processamento extremamente grande, daí sua grande aplicação comercial.

Características:

Possuem

velocidade

de

Processam matematicamente e efetuam resultados em forma de caracteres;

Processo é efetuado por meio de dígitos binários;

Manipulação do sinal elétrico do tipo digital;

Programados por meio de linguagem de programação.

4- Hardware

O hardware é o equipamento em si. Aquilo que podemos tocar. Corresponde a parte física do

computador.

O hardware de um computador é formado por algumas partes simples: um gabinete e vários

periféricos. O gabinete contém todos os principais componentes de um sistema de computador, que permitem a ele processar e armazenar informações.

Gabinete

O Gabinete nada mais é do que a grande peça metálica que fica geralmente ao lado do monitor do

usuário, e que serve única e exclusivamente para “guardar” todas as peças internas do computador, aquelas que fazem realmente o trabalho de funcionamento.

O gabinete possui uma unidade de fonte elétrica e locais de encaixe para as placas. A fonte de

alimentação elétrica deve ter uma potência adequada para a quantidade de periféricos que se pretende instalar no microcomputador. Quanto mais componentes se deseja instalar mais potência será necessária. Para ajudar a dissipar o calor gerado pela fonte elétrica, o microcomputador possui um ventilador acoplado, que joga o calor para fora pela parte de trás do gabinete. Na parte da frente do gabinete existem aberturas para os encaixes dos drives. Dentro dele são instaladas as placas, grupos de circuitos eletrônicos que servem para comandar o microcomputador e seus periféricos. As principais placas já vêm instaladas quando se compra o microcomputador, mas, outras podem ser instaladas, para melhorar a performance, tais como placa aceleradora de vídeo ou placa de som.

Placa mãe

A placa mãe (motherboard) é a placa de circuito impresso onde reside toda a principal parte

eletrônica do computador. Os componentes elétricos/eletrônicos ligados à placa-mãe são os seguintes:

o microprocessador;

o co-processador;

a memória do computador;

os slots de expansão e as placas especiais de expansão que são encaixadas neles;

chips especiais, chamados de chips ROM;

a BIOS;

outros circuitos de suporte e comunicação.

Sistemas Computacionais

Esses circuitos determinam todas as características da personalidade do computador: como ele funciona, como ele reage ao acionamento de cada tela, e o que ele faz.

É a principal. Possui um conjunto de circuitos integrados (chip set) que reconhecem e gerenciam o

funcionamento do hardware e nela fica acoplado o processador.

Na

placa mãe reside o BIOS (Basic Input Output System), que é o sistema básico de entrada e saída

de

informações. O BIOS controla o trânsito de informações entre o equipamento e os programas,

além de ser o responsável pelo autoteste inicial do sistema (POST - Power On Self Test). Após o autoteste, o BIOS faz o chamado "boot", que consiste em carregar o programa do sistema operacional, que está arquivado no disco rígido, para a memória principal. Com o sistema operacional carregado, o microcomputador está pronto para executar os comandos e carregar outros programas. Também é na placa-mãe que fica acoplada a unidade de processamento, ou processador, ou CPU

(do inglês central processing unit) - que é o circuito eletrônico que faz o processamento dos dados - e a memória cache, que armazena temporariamente as informações de uso mais imediato.

O processador se comunica com outros circuitos e placas que são encaixadas nas fendas - slots ou

conectores da placa-mãe. O caminho pelo qual se dá essa comunicação entre o processador e as outras placas é denominado de barramento. Os padrões de barramentos mais comuns são do tipo

ISA (Industry Standard Architecture) e PCI (Peripheral Component Interconnect).

Na placa mãe que fica a controladora IDE (Integrated Device Eletronics) que controla os periféricos

acopladas ao microcomputador e gerencia os dispositivos de entrada e saída: porta serial Com 1 ("Mouse"), porta serial Com 2 (Fax-Modem), porta paralela (impressora), porta SCSI (permite a conexão de até sete acessórios) e a interface USB ("Universal Serial Bus"), um tipo de conector universal que suporta a conexão de muitos acessórios. Nos computadores mais modernos o BIOS possui um sistema denominado de plug-and-play, que detecta automaticamente qualquer novo periférico, facilitando a sua instalação.

Placa de Vídeo

A Placa de Vídeo é responsável por transmitir os sinais e convertê-los em imagem para que possa

ser visualizada no Monitor de vídeo. Sua função então é fornecer ao Monitor a imagem.

Placa de Som

A Placa de som, que geralmente faz parte de um Kit Multimídia ( Kit Multimídia é um pacote que

contém: Drive de CD, Caixas de som e a Placa de som ), possibilita a execução de som no computador. É responsável pela saída e Entrada de Som no computador. Tudo o que é ligado a som, passa por esta placa.

Placa de Rede

Tem a finalidade de interligar um computador a outro, e assim sucessivamente. Rede são várias máquinas interligadas para que todas elas possam compartilhar equipamentos e informações.

Placa de Fax-Modem

O fax modem é uma placa que permite ao usuário comunicar-se com o mundo através da

INTERNET. O princípio de funcionamento da placa de fax é que ele faz com que o computador

possa “conversar” com outro computador através da linha telefônica. É um dispositivo que conecta

os computadores às linhas telefônicas. São imprescindíveis para o acesso a serviços de informação on-line. A palavra modem é formada dos termos Modular/Demodulador. O Fax-Modem também podem receber e enviar fax.

Sistemas Computacionais

Slot de Expansão - É um soquete na placa-mãe onde são conectadas as placas de expansão.

Placas de Expansão - As placas de expansão permitem que se acrescente novos recursos ao computador, aumentando a sua capacidade. Por exemplo, uma placa de som pode adicionar som com qualidade de CD, uma placa de vídeo para capturar imagens de TV, etc.

Portas - A porta é um soquete, na parte traseira do computador, onde são ligados os dispositivos externos. Isso permite que instruções e dados sejam transmitidas entre o computador e os periféricos. As portas são também chamadas de interface de transmissão

Periférico é o nome dado às unidades de entrada e/ou saída de dados do computador, como uma impressora, um teclado ou um monitor de vídeo. Os periféricos se dividem em três tipos:

Periféricos de Entrada

Periféricos de Saída

Periféricos de Entrada e Saída ou Armazenamento

4.1- Periféricos de Entrada

Todo periférico que faz parte do sistema (ou pode fazer) e que é utilizado para entrada de dados no computador: Os principais são teclado, mouse e scanner, máquina fotográfica/câmera digital

4.1.1- Teclado

Por seu intermédio passamos as ordens para o computador executar tarefas. Pode ser dividido em 4 partes:

Alfanumérico : corresponde às teclas centrais do teclado. Baseia-se nas antigas máquinas de escrever.

Numérico : Corresponde as teclas do lado direito do teclado. Baseia-se em uma simples calculadora.

Funcional : Corresponde as 12 teclas (F1 a F12) localizadas na parte superior do teclado. Sua finalidade varia de acordo com o programa/ aplicativo que esteja executando.

Movimentação : Contem as teclas que efetuam a movimentação do cursor.

As teclas mais importantes são:

ENTER ou RETURN: Utilizada para confirmar alguma ordem que você quer que seja executada. ESC (ESCAPE): É usada geralmente para voltar a uma situação anterior ou sair do programa. BARRA DE ESPAÇO : Espaços entre as palavras. NUM LOCK : Ativa o teclado numérico. Quando aceso, podemos acessar os números. Quando apagado executa as funções que estão abaixo dos números. CAPS LOCK : Habilita as letras maiúsculas. Se estiver aceso, todos os caracteres sairão em letras maiúsculas SHIFT : Executa a Segunda função das teclas. Por exemplo, para digitar o sinal de %, você deverá pressionar simultaneamente a tecla SHIFT e a tecla com o número5.

Sistemas Computacionais

BACKSPACE: É utilizada para apagar um texto digitado. Ela apaga os caracteres da esquerda para

a direita.

SETAS : São utilizadas para movimentar o cursor na tela. INSERT : Permite inserção de caracteres entre dois caracteres já digitados, sem apagá-los. DEL : Apaga os caracteres à direita da posição do cursor ou os que estiverem sob o cursor. HOME : Posiciona o cursor no canto esquerdo da linha que está sendo digitada. END : Posiciona o cursor no final da linha onde está o cursor. PAGEUP : Move o cursor para a página acima na tela. PAGEDOWN : Move o cursor para a página abaixo na tela.

4.1.2 - Mouse

Dispositivo para controlar o cursor na tela, para selecionar opções do menu e acionar outros dispositivos exibidos. Em geral, seu funcionamento consiste em posicionar o cursor sobre o dispositivo desejado, exibido na tela, e dar um ou dois “cliques” em um dos botões. Muitas de suas funções podem ser executadas através do teclado. Normalmente o botão da esquerda do mouse é utilizado para efetuar a seleção de algo na tela do computador, definir ações, arrastar objetos, etc O botão da direita, normalmente é usado para efetuar resumos de ações (menus), evitando desta forma um caminho maior para executar a mesma operação.

Existem diversos tipos de mouse:

Caneta

Trackball – utilizado em notebooks

Sem fio – (infravermelho)

Touch pad - também utilizado em notebooks

4.1.3 - Scanner

É um periférico que tem a finalidade de digitalizar fotografias e transferi-las para um micro. Um scanner é capaz de transformar uma imagem de livro, uma foto, um RX, um diapositivo (slide), em uma imagem digital. Em alguns casos, é necessário que o scanner possua uma tampa especial para captar certas imagens, como RX e slide.

4.1.4 - Câmera digitais

Podemos obter a foto diretamente na forma de um arquivo gráfico, usando uma câmera digital. Fotografamos as imagens desejadas, transferimos os arquivos resultantes para o PC, e podemos então fazer a sua inserção em documentos gerados por editores, processadores de texto e programas para editoração eletrônica em geral. Mesmo levando em conta o custo mais elevado, a fotografia digital é vantajosa quando o objetivo principal for colocar as fotos dentro do computador.

4.1.5 - Leitora de Código de Barra

Funcionamento semelhante ao Scanner. Muito utilizada em supermercados e lojas automatizadas.

Neste caso “scanner” emite um raio ou feixe de raios para a leitura de código de barras e envia para

o terminal de vendas.

Sistemas Computacionais

- Outros: Câmara para vídeo conferência; drive DVD; Joysticks, etc

4.2- Periféricos de saída

Todo e qualquer elemento que compõe o computador e que tem a finalidade de saída de dados.

4.2.1 - Impressoras

Não é parte integrante do computador, pois ele pode funcionar sem ela, mas precisamos dela para imprimirmos os trabalhos em papel.

Tipos:

Matricial ou Impacto: O nome impacto vem do fato de a impressão ser efetuada por intermédio de agulhas que batem em uma fita de tecido contendo tinta que, em contato com

o papel, transfere, na forma de pontos de tinta, a imagem criada pela batida das agulhas no

formato de letras, números, símbolos, etc. Em geral são robustas, fazem barulho demais, a qualidade de impressão não é muito boa e são lentas. Sua velocidade é expressa em CPS (Caracteres por Segundo).

Jato de tinta: A tinta é espirrada no papel, na forma de um jato, um minúsculo pingo. Por meio do calor provocado por uma resistência que aquece instantaneamente a tinta e faz com

que esta seja aplicada gota a gota no papel, formando os caracteres. É mais silenciosa, rápida

e apresenta uma boa qualidade de impressão. Imprime somente em uma via, custam mais caro que as matriciais e os cartuchos de tinta também são caros.

Laser: O computador envia para a impressora laser a informação a ser impressa. Uma vez recebida a informação, o feixe de raios laser inicia o trabalho, fazendo com que partículas de um pó químico e preto denominado “toner” sejam depositadas sobre um cilindro que possui uma superfície lisa, existente na impressora. Estas partículas assumirão o formato dos caracteres a serem impressos, quando o papel passar pelo cilindro. Sua velocidade é medida em PPM (PÁGINA POR MINUTO). Sua qualidade é medida em DPI ( density per inchi), também conhecida de velocidade por polegada. Qualidade de impressão excelente; preço superior as demais; o toner utilizado é caro.

Impressoras térmicas: Utilizadas para impressão de código de barras e logotipos. Sua tinta tem como base, plástico ou cera sobre uma película de filme que, quando aquecida nas regiões determinadas, liberam a tinta.

Plotter: É um traçador gráfico utilizado em aplicações de engenharia, para desenhos e projetos. Usa canetas ou penas de tinta, requer dados em formato de gráfico vetorial, que constrói imagem como uma série de linhas ponto a ponto.

4.2.2 - Monitor de Vídeo:

Periférico básico e essencial em um sistema; constitui o principal canal de comunicação entre a máquina e o usuário, mantendo visível o registro de tudo o que é digitado no teclado, além de qualquer outra informação (ícones, barra de atalho, menus, etc.,) que se faça necessário para seu funcionamento. Tudo o que é mostrado no vídeo é levado por meio da placa de vídeo para o microprocessador.

Sistemas Computacionais

Todo monitor, quando não monocromático, é RGB (Red/Green/Blue) ou seja, efetua uma composição das três cores: vermelho, verde e azul, podendo ter uma variação de milhões de cores – por ex.: 16,7 milhões de cores. Pode ser encontrado em diversos tamanhos: 14”; 16” , 21”, etc.

PIXELS: ou ponto é a menor unidade lógica que pode ser usada para construir uma imagem na tela. Um pixel é criado com diversos pontos de luz adjacentes. Quanto menos pontos de luz usados para criar um pixel, maior a resolução do monitor.

RESOLUÇÃO: determina a quantidade de informação que o monitor pode exibir. Ela é medida pelo número de pixels que o monitor pode exibir na horizontal e na vertical.

A maioria dos monitores, juntamente com o adaptador de vídeo

Suportam diversas resoluções. Resoluções mais baixas fazem com que as imagens na tela fiquem maiores.

640

x 480

800

x 600

1024

x 768

1280

x 1024

Imagens maiores

x 600 1024 x 768 1280 x 1024 Imagens maiores Imagens menores 4.3 – Unidades de

Imagens menores

4.3 – Unidades de Entrada e saída:

Existem periféricos que exercem as duas funções: entrada e saída de dados. Os principais são:

Discos Flexíveis - disquetes;

Disco Rígido;

Zip-Drive;

CD – Rom; Cd – RW;

Monitor de Video Touch screen;

Modem

Disquetes, Disco Rígido, Zip-Drive, CD – Rom e Cd – RW

também são unidades de armazenamento e falaremos especifamente sobre eles no tópico 4.5

4.3.1 – Modem

O MODEM (Modulador/Demodulador) é um periférico capaz de, interligar um computador a outro,

utilizando as linhas telefônicas. O único problema encontrado para que os computadores se comunicassem por meio da linha telefônica era a linguagem. Os computadores utilizam uma linguagem de comunicação binária, que é uma seqüência de números "zero" e "um", enquanto a linha telefônica transmite ondas sonoras. Essa barreira de comunicação foi resolvida com a invenção do modem. Ao enviarmos dados, o modem converte os bits do computador para a forma de onda sonora para que possam ser transmitidos pela linha telefônica - ou seja, ele modula os dados. Quando estamos recebendo uma transmissão, o modem converte a forma de ondas que chega em bits, para que o computador possa entender a mensagem - ele demodula os dados. Portanto, esse periférico converte os dados do computador em sinais telefônicos e vice-versa, possibilitando a conversação dos sistemas.

Sistemas Computacionais

4.4 - Unidade Central de Processamento - CPU – (Central Processing Unit)

É o chip principal de interpretação de comandos de um computador; é ela que processa as

instruções, que executa os cálculos e que gerencia o fluxo de informações pelo computador. Podemos dizer que a CPU é o cérebro do computador; ela executa as instruções do programa e coordena o fluxo das informações inseridas para os outros equipamentos ou periféricos funcionarem.

É nesta unidade fundamental ,o processador, em que ocorrem as mudanças requeridas pelos

programas nos seus dados fornecidos e, é ele quem determina a velocidade e a qualidade das operações realizadas. Executa operações lógicas (e, ou, não, etc.) e aritméticas (adição, subtração, etc.). Executa milhões de cálculos por segundo e executa milhares de tarefas diferentes. A velocidade da CPU é medida em megahertz (MHZ) ou GigaHertz(GHZ). As máquinas costumam ser designadas de acordo com esta peça: no mundo dos IBM-compatíveis (também conhecidos por PC, ou personal computers).

Suas principais funções são:

ler e escrever informações na memória;

reconhecer e executar os comandos;

controlar todas as operações entre o processador, memória e periféricos

O Processador possui duas unidades:

Unidade de Controle (UC) e

Unidade Lógica e Aritmética (ULA).

Unidade de Controle (UC) - Controla a E/S (entrada e saída, I/O, ou input/output) de informações, executa operações e comanda o funcionamento da ULA (ALU). Informa às demais unidades o que fazer e quando fazer.

Unidade Lógica e Aritmética (ULA) - Executa operações lógicas (E, OU, NÃO, etc.) e aritméticas (adição e subtração) requeridas pelos programas. É a calculadora do microprocessador.

Co-processador - Processa em paralelo com o microprocessador original, auxiliando na tarefa de processamento, tornando mais rápido a obtenção de resultados. O tipo de co-processador que se pode obter para a maioria dos PCs é um co-processador matemático, esse chip permite a execução de operações matemáticas mais complexas e muito mais rapidamente.

4.5 – Memórias - Unidades de armazenamento

Unidade de armazenamento de caracteres do computador. A principal fica dentro do computador e armazena os programas (instruções - sistema operacional ou outro qualquer) e os dados que estão sendo ou serão processadas pela CPU. Os novos dados gerados pelo processamento, juntamente com os programas, devem ser armazenados fora do computador, em memória auxiliar, salvos. Uma vez a cada novo processamento a memória é reorganizada e quando o computador é desligado, mesmo que momentaneamente, todo o seu conteúdo é perdido, pois os dados armazenados na memória principal são voláteis, isto é, desaparecem quando o computador é desligado; o que não acontece com a memória auxiliar.

Sistemas Computacionais

As primeiras tecnologias utilizadas em memórias foram as memórias de núcleos magnéticos, hoje apenas uma curiosidade. As memórias modernas são compostas por circuitos semicondutores, com novas tecnologias sendo criadas a cada ano permitindo que grandes quantidades de células de memória sejam encapsuladas em pequenas pastilhas.

A quantidade de memória também determina a rapidez com que seus programas vão operar.

A MP não é o único dispositivo de armazenamento de um computador. Em função de características

como tempo de acesso, capacidade de armazenamento, custo, etc., podemos estabelecer uma hierarquia de dispositivos de armazenamento em computadores.

Tipo

Registrador

Memória Cache Memória Principal Memória Auxiliar

Capacidade Velocidade

Bytes

Kbytes

Mbytes

Gbytes

muito alta

alta

média

baixa

Custo Localização Volatilidade muito

alto

alto

médio

baixo

UCP

Volátil

UCP/placa

Volátil

Placa

Volátil

Externa

Não Volátil

A UCP vê nesta ordem e acessa primeiro a que está mais próxima. Subindo na hierarquia, quanto

mais próximo da UCP, maior velocidade, maior custo, porém menor capacidade de armazenamento.

4.5.1 Registradores

Registradores são dispositivos de armazenamento temporário, localizados na UCP, extremamente rápidos, com capacidade para apenas um dado (uma palavra). Devido a sua tecnologia de

construção e por estar localizado como parte da própria pastilha ("chip") da UCP, é muito caro. O conceito de registrador surgiu da necessidade da UCP de armazenar temporariamente dados intermediários durante um processamento. Por exemplo, quando um dado resultado de operação precisa ser armazenado até que o resultado de uma busca da memória esteja disponível para com ele

realizar

operação.

uma

nova

4.5.2 - Memória Principal ou Interna

Armazenamento imediato. O computador armazena na memória principal os dados que está processando no momento. A memória Principal é dividida em memória ROM e memória RAM.

Memória ROM - ROM significa Read-Only Memory, ou seja, memória somente de leitura. São informações armazenadas em chips que não podem ser alteradas por computadores comuns. O microprocessador pode ler a partir da ROM, mas não pode escrever ou fazer modificações. A ROM é permanente, isto é, seu conteúdo não é perdido quando o computador é desligado. Ela contém instruções especiais e informações que são constantes para o computador. Normalmente são instruções que devem ser executadas sempre da mesma forma. Ex.:

inicialização (boot), configuração da máquina, etc.

Sistemas Computacionais

Ex.: Bios (Basic Intput-Output System) - Além do microprocessador e da memória, o computador precisa de algumas instruções que lhe indiquem o que fazer. Essas instruções estão gravadas em um chip de memória ROM especial chamado BIOS, que significa basic input/output system. A função da BIOS é comunicação, ela permite que o microprocessador controle outras partes do computador. A BIOS (Basic Intput-Output System ou Sistema Básico de Entrada e Saída) é que inicializa o computador. Após uma série de testes internos procura pelo sistema operacional.

Memória RAM - RAM significa Random-Access Memory, ou seja, memória de acesso aleatório (randômico). Refere-se aos chips de memória capazes de armazenar informações, nos quais o microprocessador pode facilmente ler e escrever. Seu conteúdo é perdido quando o computador é desligado. É a memória conhecida como memória de trabalho do computador. A memória RAM pode ser dividida em: memória convencional, superior, estendida e expandida.

Os tamanhos típicos de memória RAM são 8, 16, 32, 64, 128, 256, 512 Mb, 1 Gb, 2Gb e assim por diante. Na escolha do seu micro, esta especificação é quase tão importante quanto a da CPU. Muitas vezes, a simples adição de mais memória pode deixar o seu computador mais rápido, sem que haja a necessidade de trocá-lo por um modelo mais moderno.

4.5.3 - Memória Cache

Com o desenvolvimento da tecnologia de construção da UCP, as velocidades foram ficando muito mais altas que as das memórias, que não tiveram a mesma evolução de velocidade (o aperfeiçoamento das memórias se deu mais no fator capacidade). Desta forma, os tempos de acesso às memórias foram ficando insatisfatórios e a UCP ao buscar um dado na memória precisa ficar esperando muitos ciclos até que a memória retorne o dado buscado ("wait states"), configurando um gargalo ("bottleneck") ao desempenho do sistema. Por esse motivo, desenvolveram-se outras arquiteturas de memória privilegiando a velocidade de acesso. A arquitetura da memória cache é muito diferente da arquitetura da memória principal e o acesso a ela é muitas vezes mais rápido (p.ex: 5 ns contra 70 ns). No entanto, o custo de fabricação da memória cache é muito maior que o da MP. Desta forma, não é econômico construir um computador somente com tecnologia de memória cache. Criou-se então um artifício, incorporando-se ao computador uma pequena porção de memória cache, localizada entre a UCP e a MP, e que funciona como um espelho de parte da MP. Desenvolveram-se ainda algoritmos que fazem com que, a cada momento, a memória cache armazene a porção de código ou dados (por exemplo, uma sub-rotina) que estão sendo usados pelas UCP. Esta transferência (MP <--> Cache) é feita pelo hardware: ela independe do software, que ignora se existe ou não memória cache, portanto ignora essa transferência; nem o programador nem o sistema operacional têm que se preocupar com ela. A memória cache opera em função de um princípio estatístico comprovado: em geral, os programas tendem a referenciar várias vezes pequenos trechos de programas, como loops, sub- rotinas, funções e só tem sentido porque programas executados linearmente, seqüencialmente, são raros. Desta forma, algoritmos (chamados algoritmos de cache) podem controlar qual parte do código ficará copiado na cache, a cada momento. Quando a MP busca um determinado trecho de código e o encontra na cache, dá-se um "cache hit" , enquanto se o dado não estiver presente na cache será necessário requisitar o mesmo à MP, acarretando atraso no processamento e dá-se um "cache miss" ou "cache fault". O índice de cache hit ou taxa de acerto da cache é geralmente acima de 90%.

Sistemas Computacionais

Memórias cache também são VOLÁTEIS, isto é, dependem de estar energizadas para manter gravado seu conteúdo.

OBS.: Cache de disco não é a mesma tecnologia da memória cache. Trata-se do emprego do mesmo conceito da memória cache, para acelerar a transferência de dados entre disco, MP e UCP, usando um programa (um software, por ex.: SmartDrive) para manter um espelho do conteúdo de parte do disco (a mais provável de ser requisitada a seguir pela UCP) gravado em uma parte da Memória Principal. Recentemente, as unidades de disco passaram a incorpor em sua interface chips de memória - tipicamente 32 a 64 Kbytes - para acelerar a transferência de dados, utilizando um algoritmo de cache.

4.5.4 - Memória Intermediária ou Buffer

Área de armazenamento da memória, que guarda as informações que estão indo de um lugar para outro — estão sendo processadas — até que o dispositivo que as vai receber esteja pronto para aceitá-las. Pode ser considerada, também um pequeno banco de memória física, utilizada quando um periférico tem velocidade de transmissão de dados diferente da CPU ou de outro periférico, compatibilizando a velocidade, ou seja, retendo as informações temporariamente e mandando devagar para o periférico mais lento (buffer de impressão, buffer de teclado, etc.).

4.5.5 - Memória Auxiliar, Secundária ou Externa

A

memória auxiliar tem uma grande capacidade de armazenamento e preserva seu conteúdo quando

o

computador é desligado. São dispositivos de gravação física.Ex.: winchesters (disco rígido),

disquetes, fitas, etc. Se um dado ou programa estiver na memória auxiliar, ele deve primeiro ser carregado para a memória principal (RAM), para depois ser processado.

Disquetes (floppy) 3 1/2 1.44 Mbyte Hard Disc” (HD) - Disco rígido ou "Winchester" - 20/40/60/… GBytes Zip drive – 100 / 400 Mbutes CD-R - Compact Disc Recordable (650 MB) CDRW Compact Disc Rewritable (650 MB) DVD Digital Versatile Disk (4,7 GBytes)

Obs. Drives - É o local, no gabinete do computador, onde colocamos os disquetes, CDs, DVDs, etc Os disquetes e os discos rígidos possuem processo de armazenagem muito similar em alguns aspectos, a saber:

Mecanismo de criação da linguagem binária, que nem sempre é comum nos diferentes equipamentos;

Esquema determinante na organização dos dados no disco, determinado em sua maioria por

meio do Sistema Operacional; Todo disco deve ser formatado antes de qualquer operação, caso isto não ocorra, ele não servirá para nada. A formatação consiste em criar um mapa dividindo-o em trilhas (círculos concêntricos) e em setores (fatias). É exatamente o número de trilhas e setores que determina a capacidade de armazenamento deste disco.

Sistemas Computacionais

- Memória Virtual: Esse tipo de memória se caracteriza por fazer uso de um espaço do disco rígido como complemento da memória RAM DO SISTEMA. As aplicações do MS-DOS não fazem uso deste recurso. A memória virtual é utilizada tipicamente em ambientes multitarefa para armazenar dados e programas que não são necessários imediatamente, mas que deverão estar disponíveis a qualquer momento.

4.5.5.1 - Discos Flexíveis

Os discos flexíveis ou disquetes são dispositivos de armazenamento que podem variar de capacidade. Não faz muito tempo, era muito comum encontrar disquetes com capacidade de 360Kb; eles mediam 5 1/4". Para se ter uma idéia do que isto representa, podia-se armazenar entre 100 e 120 páginas de texto num único disco. Atualmente contamos com disquetes menores em seu tamanho (31/2"), mas com capacidade de 1,44Mb (quatro vezes maior que o antigo 360Kb). Atualmente, a maioria dos disquetes de 3 1/2, já vem formatados ao comprarmos.

Formatação:

Trilhas São circunferências concêntricas dentro do disco. Ou seja têem o mesmo centro. Uma pequena HD pode ter milhares de trilhas, pois elas ficam muito próximas uma das outras. O crescimento da tecnologia em termos de capacidade do disco deve-se ao fato de cada vez conseguirem diminuir mais os tamanhos das trilhas, diminuir a distância entre as mesmas e as informações poderem ser lidas e gravadas em minúsculas trilhas com muita precisão. Setores Dentro do disco as trilhas são divididas em setores. Esses são na verdade "fatias" do disco. Ao falarmos em setores pense em uma pizza. Pode parecer engraçado, mas a idéia é a mesma. Cada

setor equivale a uma fatia da pizza. Uma hd tem cerca de 63 setores. Tanto os setores como as trilhas, não são possíveis de serem vistos a olho nu. Essas estruturas são apenas lógicas, não físicas. Cluster

A combinação de uma trilha e um setor é um cluster. O cluster também é chamado de bloco ou

unidade de alocação.

A capacidade de armazaneamento de cada cluster é definido pelo sistema operacional. O MS-DOS

define cada cluster com 512 bytes. Não importa que um arquivo precise apenas de 20 bytes

Não importa que um arquivo precise apenas de 20 bytes 4.5.5.2 - Discos Rígidos 0 disco

4.5.5.2 - Discos Rígidos

0 disco rígido que fica internamente no gabinete do computador e não pode ser removido (a não ser por um técnico especializado, ou os de gaveta).

É conhecido também por HD (Hard Disk) ou Winchester (em homenagem aos rifles utilizados no

final do século passado nos EUA, pois seu poder de fogo era muito maior que o dos demais ) Com relação à capacidade de armazenamento, facilmente hoje encontramos HDs de alguns Gb (incorremos no risco de escrever hoje e já estar desatualizado amanhã).

4.5.5.3 - CD-ROM

Sistemas Computacionais

CD-ROM (Compact Disk - Ready Only Memory ) A capacidade de armazenamento em um CD-ROM é algo em torno de 650 Mbytes de dados. Estas unidades de disco são periféricos de leitura e gravação que permitem armazenar grandes quantidades de dados, utilizando uma tecnologia semelhante a dos CDs (Compact Disk - musicais).

Os sistemas a laser possuem duas vantagens sobre os winchesters e disquetes: além da possibilidade

de armazenar grande quantidade de dados, há a facilidade de transporte e a segurança na guarda das

informações. Obs Não confunda CD-ROM com o termo multimídia . O primeiro é nada mais que um dispositivo de armazenamento de dados, enquanto que multimídia é o uso combinado de vídeo, imagem, som e texto numa só aplicação. Devido à sua grande capacidade de armazenamento, baixo custo e grande portabilidade, os CD-ROM têm sido muito usados na distribuição de aplicações multimídia, daí vindo a confusão. Como dito anteriormente, multimídia é o uso combinado de vídeo, imagem, som e texto em programas de computador. Para que o seu computador possa "ler" estes programas, deve ser, no mínimo, equipado com uma placa capaz de reproduzir som estéreo com qualidade de CD. Como a maioria dos programas que usam recursos de multimídia são distribuídos em CD-ROM, também deve ser adquirido um drive capaz de lê-los. Os kits multimídia são a melhor opção para os interessados em ter estes recursos, pois incluem a placa de som, o drive de CD-ROM, caixas de som portáteis e ainda alguns programas em multimídia (jogos, enciclopédias, entretenimento, etc). Além disso, os componentes são do mesmo fabricante, facilitando a instalação e evitando incompatibilidades. A principal especificação a ser verificada é a velocidade do drive de CD-ROM.

4.5.5.4 – Zip drive

Utiliza uma tecnologia híbrida (magneto-óptica). São capazes de armazenar 100Mb (70 vezes mais que um disquete) ou 400 Mb em cada disco de 3½ polegadas - o mesmo tamanho de um disquete. Este dispositivo possui grandes vantagens em relação aos disquetes convencionais: têm razoável capacidade de armazenamento, maior durabilidade, boa portabilidade, mas a preço ainda não tão baixo.

4.5.4.5 - DVD (Digital Versatile Disk)

Apesar de ter as mesmas dimensões e funcionamento interno do CD-ROM, consegue proporcionar mais capacidade de armazenamento - 4.7 Gigabytes de informação - em cada lado do disco, através de uma maior utilização do espaço disponível do disco. Este aumento aumenta o leque de utilizações deste tipo de tecnologia, podendo armazenar, por exemplo, 133 minutos de vídeo de alta qualidade (compressão MPEG-2) com áudio de alta fidelidade. Outras especificações indicam o uso de duas camadas por lado do disco, o que aumenta, ainda, a capacidade total do DVD para os 17 Gigabytes, 28 vezes maior do que a capacidade máxima de um CD-ROM - 650 Megabytes.

4.5.4.5 – Pen Drive

Pen drive é um dispositivo com memória flash e conector USB que funciona como unidade de armazenamento removível. Basta plugá-la na porta USB do computador para que seja reconhecida como uma nova unidade de armazenamento pronta para ser utilizada.

A memória pen drive também é conhecida por outros nomes: memory key, chaveiro USB, flash

drive, flash memory, mini HD, entre outros. No Brasil é popularmente conhecida pelo nome de pen

drive.

Sistemas Computacionais

A grande vantagem desse dispositivo é ser compacto (tamanho aproximado de um chaveiro) com a

possibilidade de ter uma grande capacidade de armazenamento, você pode transportá-la para qualquer lugar e plugá-la em qualquer computador com uma porta USB. Podemos dizer que a pen

drive tem a função de um mini HD removível.

Medindo Informações:

Bit (Binary DigiT) ou Dígito Binário, pois é baseado somente em dois números:

0 = Desligado

1 = Ligado

O Bit é a menor unidade de informação, mas sozinho não se efetua muita coisa com ele, daí a

necessidade de haver mais bits para poder ler um conjunto de sinais e o que se quer informar. Depois de vários estudos, chegaram a um número suficiente para guardar todos os sinais representados do alfabeto, números e pontuação. Este número é o 8 (oito), sendo oito vias de acesso que conseguem receber os sinais binários e daí formar uma combinação de 256 caracteres ( 2 8 =

256).

A esta combinação de oito bits dá-se o nome de Byte (BinarY Term) ou termo binário, sendo

equivalente a um caractere (letras, números e símbolos). Para controlar estes 256 caracteres, desenvolveu-se uma tabela padrão de armazenamento de cada código e seu correspondente. A esta

tabela dá-se o nome de Tabela ASCII. Ex.

0

0

00000000

d

100

01100100

1

1

00000001

e

101

01100101

2

2

00000010

f

102

01100110

3

3

00000011

A

65

01000001

4

4

00000100

B

66

01000010

5

5

00000101

C

67

01000011

10

10

00001010

D

68

01000100

a

97

01100001

E

69

01000101

b

98

01100010

F

70

01000110

c

99

01100011

     

A quantidade de memória disponível é medida em bytes sendo os seus múltiplos o kilobyte (Kb,

equivale a 1024 bytes), o megabyte (Mb, 1024 Kb) e o gigabyte (Gb, 1024 Mb), o Terabyte (Tb –

1024 Gb)., etc.

1 byte é aproximadamente um caracter – 8 bits ou um caracter.

1 Kbyte (Quilo byte - 1024 bytes (210 = 1024)) é aproximadamente igual a 1000 caracteres ou 1 página de texto.

1 Mbyte (Mega byte – 1024Kbyte) é aproximadamente igual a 1000 Kbyte – aproximadamente

1000 páginas de texto.

1 Gbyte (Giga byte– 1024Mbyte) é aproximadamente igual a 1000 Mbytes ou 1.000.000 de páginas de texto. Os Bytes são usados para tomar referência à memória e à capacidade de dispositivos de armazenamento como disquetes e discos rígidos.