Sei sulla pagina 1di 1

DICA DO MÊS – Março de 2009 – Dr. Marcos Janson

Correção da Curva de Spee I

A curva de Spee está presente na maioria das más oclusões e sua planificação é considerada uma das seis

chaves de oclusão, necessárias para se atingir o posicionamento ideal dos dentes. Se houver falha na sua correção, é improvável que se atinja o relacionamento ideal de Classe I nos caninos e também os trespasses horizontal e vertical adequados. Muitas vezes a correção é uma tarefa árdua e demorada e na dica de hoje

falarei sobre as atitudes clínicas que utilizo para chegar ao objetivo almejado.

Foto 1
Foto 1
Foto 2 Foto 2
Foto 2 Foto 2

Dois tipos de curva de Spee podem ser evidenciados clinicamente:

Tipo I A curvatura se extende continuamente do segundo ou terceiro molar aos incisivos (foto 1) Tipo 2 Existem dois planos definidos, o posterior (molares e prémolares) e o anterior (incisivos e caninos) (foto 2) A mecânica utilizada ara a corre ão da curva de S ee consiste de três detalhes básicos 1 ) Sem re bandar os segundos molares inferiores; 2) observar a altura da colagem dos bráquetes nos dentes anteriores e posteriores e 3) a forma do arco (fotos 3 e 4). A bandagem dos segundos molares se justifica por este dente estar envolvido na formação da curva (no tipo I) e pelo maior apoio posterior que se obtém para exercer a força na região anterior. Quando a planificação se mostra demasiadamente lenta e ineficaz, o problema pode estar na colagem dos bráquetes pois, inconscientemen te, principalmente na Classe II, colamos os bráquetes dos incisivos e caninos mais cervical, no intuito de ev itar o contato oclusal. Quando for diagnosticado este problema, somente a recolagem ou os degraus no fio podem resolvê lo (fotos 5 e 6).

p

ç

p

:

p

a
a

t

ti

I

N

f t

4

t

fi

é

Foto 4
Foto 4

l

t

i

Foto 3 a) Essas são as duas formas de arco que utilizo para resolver a curva de Spee. Na foto 3, o arco apresenta uma curvatura continua e uniforme, desde o segundo molar até os incisivos. Esta forma é utilizada para resolver os região anterior, permanecendo plano na posterior. Esta forma é utilizada na resolução de curvas do tipo II.

casos que apresen am curva po .

a o o , no a se que o o p ano e a curva reversa apresen a se ma s na

MSF Foto 5
MSF
Foto 5
Foto 6
Foto 6

Fotos 5 e 6) Dobras realizadas entre canino e pré molar e entre prémolar e molar com o objetivo de potencializar os efeitos do fio. Essas dobras podem ser realizadas no fio retangular e além delas está presente também a curva reversa no fio. São utilizadas quando há problemas de altura na colagem ou quando o movimento apresentase muito resistente. Por enquanto é isso, continuaremos esse assunto em abril. Se vc tiver alguma sugestão que gostaria de ver abordada aqui, me escreva (jansonm@uol.com.br). Um grande abraço. Marcos Janson

Interessi correlati