Sei sulla pagina 1di 8
RESUMO: CULINÁRIA NA ESCOLA* Elisete Brizola¹ Eliana do Pilar Rocha² O presente informe científico defende

RESUMO:

CULINÁRIA NA ESCOLA*

Elisete Brizola¹

Eliana do Pilar Rocha²

O presente informe científico defende a importância de se implantar a culinária como disciplina dentro das escolas, pois acredita-se que tal disciplina ofereça um momento de descontração e aproximação entre professores e alunos no momento da aprendizagem e, ao mesmo tempo, possibilita o trabalho de forma multidisciplinar, pois engloba vários conteúdos escolares como higiene, leitura, linguagem, matemática, ciências, entre outras. A matemática é trabalhada através das medidas e quantidades contidas na receita, a leitura e a linguagem através da leitura e interpretação da receita. Além de trabalhar história e geografia, através da origem da receita e cultura daquela região. Pode-se também fazer estudos sobre a imigração a partir de uma receita de origem estrangeira.

Palavras-chave: conteúdo escolar, culinária, mustidisciplinaridade.

*Texto produzido na disciplina de Metodologia de Pesquisa em Educação, no curso de Pedagogia da Faculdade Modelo – FACIMOD, Curitiba – PR. ¹ Graduanda do curso de Pedagogia, Faculdade Modelo – FACIMOD, Curitiba – PR. 2 Orientadora. Mestre em Antropologia Social, docente dos cursos de Pedagogia e Ciências Contábeis, Faculdade Modelo – FACIMOD, Curitiba – PR. E-mail eliana-rocha@ig.com.br

Ano I Vol. 01 N° 02 – janeiro-junho/2007

74

Introdução:

A aula de culinária possibilita oportunidade para que o aluno conviva socialmente

com os seus colegas, faz com que ele também desperte o seu lado afetivo, ensina as crianças a respeitarem os colegas, e conhecerem seus limites. Eleva a auto-estima da criança, pois ela vai sentir-se útil ao estar preparando uma receita que depois vão degustar juntos. Com a receita pronta pode-se trabalhar volume, textura, cores, ardor, além de oferecer outras possibilidades de aprendizagem. Além disso, propicia exploração de fatos, como enfatizar cuidados de higiene

necessários para ter uma vida saudável – como lavar as mãos sempre que chegar da rua ou ir ao banheiro, e na hora da alimentação – e cuidados na hora de preparar os alimentos, considerando que se deve lavar bem os alimentos antes do preparar, o que deve fazer para que não aconteça nenhum acidente, como sempre deve prepará-los na presença de um adulto.

Através da culinária podem-se também trabalhar os resíduos sólidos, o que são resíduos recicláveis, o que é resíduo orgânico, fazendo a separação do mesmo, trabalhando ainda os rótulos, as datas de fabricação, os componentes dos alimentos industrializados, entre outros. No entanto antes de começar esse trabalho com as crianças, é precisa organizar uma reunião com os pais e colocar para eles porque se deve trabalhar a culinárias com os alunos, falar dos benefícios que este aprendizado pode trazer para a criança, mostrar para os pais que através da culinária pode-se trabalhar vários conteúdos escolares, como a matemática, a língua portuguesa, a geografia, a historia e noções de química. Além disso é importante esclarecer que os alunos não correrão riscos de acidentes, pois não utilizarão objetos que ofereçam riscos, nem fogo, e além da professora, os alunos serão supervisionados por uma cozinheira.

Concepção da culinária como disciplina escolar:

A educação escolar infantil precisa oferecer o espaço e tempo para a criança iniciar

sua imersão no mundo social. Saindo do mundo privado, que é a família, a criança se sente

Ano I Vol. 01 N° 02 – janeiro-junho/2007

75

como fazendo parte de um mundo mais amplo, diversificado, diferente, desconhecido, mas ao mesmo tempo alegre, acolhedor, afetuoso, desafiante. Deve entrar neste mundo pelas mãos confiantes dos pais que, ao delegarem ao professor e à equipe pedagógica o direito de partilhar o cuidado e a educação dos seus filhos, dá segurança à criança para enfrentar esta nova experiência. Ampliar a visão do mundo, oferecer diferentes e diversificadas possibilidades de olhá-lo e agir sobre ele; de perceber-se como ser único e ao mesmo tempo como parte de um grupo que tem desejos e interesses às vezes diferentes e conflitantes; perceber, aprender e a respeitar as regras de convívio social; apropriar-se e reconstruir saberes e a cultura, são propostas intencionais dos profissionais que trabalham a culinária na educação. Ao vivenciar experiências físicas, sensoriais, de pensamento ou de ação, a criança conhece cada vez mais a si mesma, o grupo com o qual convive e o mundo onde vive. As possibilidades de vir a amar, cuidar e preservar o que se conhece é maior do que com relação àquilo que se desconhece ou ignora. Em respeito às crianças, à concepção de educação e ao comprometimento com a formação de cidadãos críticos, cooperativos, responsáveis, ativos, justos, é preciso os cursos de formação de professores prepará-los de forma que possam trabalhar a culinária como conteúdo escolar, não só quanto à competência de saberes ligados aos conteúdos acadêmicos, como também quanto à competência em refletir sobre sua prática, em trabalhar em equipe, em manter coerência entre seu discurso e sua ação, em como promover a aprendizagem de seus alunos. Consideramos sala de aula todos os espaços onde as crianças trabalham, vivem, utilizam: classe, pátios, parques, banheiros, biblioteca, cozinha pedagógica, quintal, sala de artes, viveiros de animais, corredores, laboratório de informática e de ciências.Em todos estes espaços, as crianças vivem experiências de aprendizagem: recebem informações, aprendem a perguntar e a fazer relações, procuram soluções para problemas e conflitos, aprendem a cuidar e a observar, levantam hipóteses, testam hipóteses, inventam e criam fantasias. A participação das crianças no processo ensino-aprendizagem não se limita apenas a estar na escola ou a fazer as atividades que as professoras propõem: dão idéias e sugestões

Ano I Vol. 01 N° 02 – janeiro-junho/2007

76

que são colocadas no coletivo da classe, e sob a supervisão da professora, são discutidas, e avaliadas. Estudando e conhecendo as fases de desenvolvimento das crianças, como pensam, o que necessitam, o que deveriam aprender ou desenvolver, os conhecimentos que já trazem do seu universo familiar e social, pode-se oferecer espaços para que novas aprendizagens aconteçam ou que outras sejam ampliadas. Trabalhar com jogos, desde o jogo do faz-de- conta até os jogos com regras tem possibilitado o início de um aprendizado amplo e complexo: conhecer-se, conhecer o outro, respeitar as diferenças, respeitar as regras estabelecidas, argumentar, propor mudanças, aceitar o consenso, mesmo que sua idéia ou escolha não seja a aceita, aprender a perder, aprender a ganhar, lidar com quem trapaceia, elaborar estratégias, aceitar desafios, persistir.Perceber que ter prazer em aprender é a melhor coisa que existe. O trabalho com culinária na educação, com as crianças oferece alguns problemas a serem resolvidos.Como separar a clara da gema sem misturá-las? Quanto é meia xícara, o que pode colocar antes e que colocar por ultimo, e por que.Questões da matemática, da física, da química, ou do dever do cidadão de deixar limpo o lugar que ocupou, de

economizar água

Pintar, recortar, colar, confeccionar brinquedos, reaproveitar sucata, desenhar, escrever.São atividades contextualizadas em projetos e no fazer diário. É fazendo que se aprende a fazer. É pensando que se aprende a refletir sobre as coisas e a perceber que este mundo é muito complexo e que o saber será sempre provisório. Trabalhos sobre higiene, interpretação de textos através das descrições das receitas, construção de receitas para as famílias das crianças. Através da culinária é possível trabalhar historia regional, pode-se escolher uma receita, e trabalhar com os alunos como ela surgiu, por que, quem era as pessoas que viviam naquele local o que faziam, e outras coisas a respeito dos produtos alimentícios, como dadas de fabricação, validade, valor monetário.

São

refletidas e vividas nestes momentos.

Ano I Vol. 01 N° 02 – janeiro-junho/2007

77

Uma pesquisa realizada pela pedagoga, Theodora M. Mendes de Almeida, que realizou um projeto sobre culinária com seus alunos, mostra que as crianças se contagiaram com as aulas oferecidas e a possibilidade de fazer um bolo, por exemplo. Segundo ela, a criança de 11 e 12 anos não tem prática nem condições intelectuais para entender o pensamento científico. Portanto as crianças precisam de pesquisa realizada diretamente no ambiente, precisa ver as transformações que podem ocorrer, para interpretar os resultados. Ainda segundo a Pedagoga, em sala de aula pode-se trabalhar também o que é uma alimentação saudável, quais são os alimentos que fazem bem e quais não são recomendáveis. Mostrar para o aluno porque é preciso ter uma alimentação adequada, que inclua frutas, verduras, leite, e falar dos benefícios que a alimentação saudável traz para o ser humano, além de abordar temas como a obesidade, e anemia. Conforme se apresenta, pode-se fazer um projeto com os alunos sobre variadas receitas, escolher receitas que tenham uma história, permitindo a construção individual de um livro de receitas que entregarão para suas mãe, além de permitir que durante a realização desse projeto, seja trabalhada a leitura e interpretação de textos, busque-se desenvolver a sociabilidades entre eles, a cooperação mutua, e desperte-se a curiosidade dos alunos.

Questionário sobre culinária na educação respondido pela professora Silvana que dá aula para 1° série na Escola municipal Marumbi.

1) Porque você escolheu trabalhar culinária com seus alunos?

R) Primeiramente porque a aprendizagem se efetiva de forma prazerosa. Os alunos podem

manusear os produtos e posteriormente come-los. Eles podem perceber a textura, o peso

(massa), observar a composição, etc. Depois, porque a produção do alimento, por ele próprio, estimula o ego, e é importante sentir-se útil e capaz.

2) Como foi trabalhar ela em sala de aula, foi fácil ou difícil?

R) Gosto de trabalhar utilizando diferentes recursos, e é claro que alem do trabalho em sala

de aula, utilizamos outros ambientes. De forma geral, foi fácil.

Ano I Vol. 01 N° 02 – janeiro-junho/2007

78

3) Você conseguiu fazer com que todos os alunos participassem?

R) Consegui, este tipo de atividade é muito envolvente. Todos gostam de participar, ate

mesmo aqueles mais tímidos, retraídos, introspectivos.

4) Os objetivos esperados foram alcançados?

R) Certamente.

5) Você teve dificuldade para realizar o trabalho com seus alunos, quais?

R) A maior dificuldade foi quanto ao armazenamento dos potes de sorvetes. Pois na escola,

não há freezer, e as geladeiras são pequenas. Eu tive que levar para casa uns 4 (quatro)

potes para refrigerar.

6) Quais os conteúdos você trabalhou, a partir da culinária?

R) Historia e geografia (pesquisa sobre a historia do sorvete), (o percurso do sorvete desde

a china, Europa e Estados Unidos), etc. Matemática: medidas de capacidade, medida de massa e medida de volume, validade dos alimentos, valor monetário, etc., Língua portuguesa: produção de texto sobre o assunto trabalhado.

7) Você trabalha sempre a culinária, na escola?

R) Sempre que possível.

8) Teve avaliação, como os alunos foram avaliados?

R) Sim. Dentro de cada área trabalhou-se conteúdos e estes foram avaliados formalmente

(avaliação através da produção de textos), etc.

9) Quando você resolveu trabalhar a culinária como conteúdo, você teve apoio do grupo escolar (como diretor/pedagogos)?

R) A culinária norteou os conteúdos programáticos, como eu havia dito, quando se utiliza

um recurso tão agradável e envolvente, se desperta o interesse dos alunos e a efetivação do saber. Dessa forma a equipe pedagógica não se opõe, e apóia o trabalho proposto, dede que bem estruturado. Obs: Os alunos e seus familiares também colaboraram enviando latas de

Ano I Vol. 01 N° 02 – janeiro-junho/2007

79

leite condensado, creme de leite, gelatina e potes vazios de sorvetes. É importante escolher receitas que os alunos gostem, pois eles terão mais prazer em fazer.

Bolo de Chocolate Fácil

Ingredientes:

02

xícaras de farinha de trigo;

02

xícaras de açúcar;

01

xícara de chocolate em pó;

01

colher (sopa) de fermento em pó;

01

xícara (chá) de leite;

04

ovos;

01

pitada de sal

3/4 xícara de azeite;

01 pitada de noz moscada.

Cobertura

01

lata de creme de leite;

04

colheres (sopa) cheia de chocolate em pó;

1/2 xícara de leite;

02 colheres (sopa) cheia de açúcar de confeiteiro;

1/2 colher (sopa) margarina

nozes picadas.

Preparo:

Peneirar os ingredientes secos.Depois acrescentar os ovos, leite, azeite, e bater na batedeira por 8 minutos aproximadamente ou até ver que está tudo bem incorporado. Despeje numa assadeira untada e polvilhada com farinha e leve ao forno.

Cobertura:

junte a margarina o açúcar o chocolate e o leite, leve ao fogo para engrossar fogo e acrescente o creme de leite e as nozes.Jogue sobre o bolo.

Retire do

Ano I Vol. 01 N° 02 – janeiro-junho/2007

80

Sorvete de milho verde

Ingredientes:

01

copo de caldo de milho verde;

01

litro de leite;

10

colheres de açúcar;

canela a gosto.

Preparo: Fazer um mingau não muito duro, nem mole demais, deixe esfriar. Coloque em uma vasilha de plástico ou alumínio leve para congelar. Quando cristalizar bater no liquidificador e voltar ao congelador. Quando congelar estará pronto.

Considerações finais:

Foi muito difícil conseguir materiais para pesquisa, que contribuíssem para com a realização desse estudo, pois não existem muitos documentos que falem sobre a culinária na escola. Mas é um trabalho que pode trazer muitas contribuições para os conteúdos escolares, por isso acredita-se que ela deve estar presente dentro da escola como um método de ensino que vise a multidisciplinariedade. Os estudantes de educação, futuros professores, poderiam fazer mais pesquisas e trabalhos sobre esse assunto, pois acredita-se que a culinária pode ajudar muitos professores no seu trabalho escolar, e alunos com dificuldade de relacionamento com seus colegas e de aprendizagem.

Ano I Vol. 01 N° 02 – janeiro-junho/2007

81