Sei sulla pagina 1di 10

Ciência Forense - Perito criminal

Perito Criminal em local de crime

PERITOS, em sentido amplo, são pessoas físicas entendidas e experimentadas em


determinados assuntos e que, designadas pela Justiça, recebem a incumbência de ver e
referir fatos de natureza permanente, cujo esclarecimento é de interesse no processo. A
convocação para o papel de Perito é uma forma de reconhecimento de competências,
decorrente em grande medida da autoridade científica do próprio Perito.

PERITO CRIMINAL é o policial a serviço da justiça, especializado em encontrar ou


proporcionar a chamada prova técnica ou prova pericial, mediante a análise científica de
vestígios produzidos e deixados na prática de delitos. As atividades periciais são
classificadas como de grande complexidade, em razão da responsabilidade e formação
especializada revestidas no cargo.
O Perito Criminal estuda o corpo (ou objeto envolvido no delito), refaz o mecanismo do
crime (para saber o que ocorreu), examina o local onde ocorreu o delito e efetua exames
laboratoriais, entre outras coisas. Nos estados onde a Polícia Científica é desvinculada da
Polícia Civil, o Perito Criminal, na qualidade de detentor de autoridade científica, atua
como Chefe de Polícia Científica.

INGRESSO
O ingresso na carreira é obtido obrigatoriamente por concurso público, que pode ser de
provas ou de provas e títulos. Embora o Código de Processo Penal não faça
diferenciações entre os tipos de Peritos, comumente nas Polícias Civis dos estados eles
são divididos em Perito Criminal e Perito Legista.
O cargo de Perito Criminal ou Criminalístico (podendo ser estadual ou federal) exige
formação de nível superior em qualquer área do conhecimento, sendo que algumas
Polícias exigem formação específica, como por exemplo, Biologia, Farmácia, Química,
Biomedicina, Engenharias, Física, Matemática, dentre outras. Já o cargo de Perito Legista
geralmente subdivide-se em Perito Médico-Legista (cargo privativo de médico) e Perito
Odonto-Legista (cargo privativo de dentista). Os Peritos Criminais geralmente trabalham
em locais de crime e nos Institutos de Criminalística, enquanto os Legistas geralmente
trabalham nos Institutos Médicos Legais (IMLs).
PROVA PERICIAL

A PERÍCIA CRIMINAL, requisitada pela Autoridade Policial, Ministério Público e


Judiciário, é a base decisória que direciona a investigação policial e o processo criminal. A
prova pericial é indispensável nos crimes que deixam vestígio, não podendo ser
dispensada sequer quando o criminoso confessa a prática do delito.
A perícia é uma modalidade de prova que requer conhecimentos especializados para a
sua produção, relativamente à pessoa física, viva ou morta, implicando na apreciação,
interpretação e descrição escrita de fatos ou de circunstâncias, de presumível ou de
evidente interesse judiciário.
O conjunto dos elementos materiais relacionados com a infração penal, devidamente
estudados por profissionais especializados, permite provar a ocorrência de um crime,
determinando de que forma este ocorreu e, quando possível e necessário, identificando
todas as partes envolvidas, tais como a vítima, o criminoso e outras pessoas que possam
de alguma forma ter relação com o crime, assim como o meio pelo qual se perpetrou o
crime, com a determinação do tipo de ferramenta ou arma utilizada no delito.
Apesar de o laudo pericial não ser a única prova, e entre as provas não haver hierarquia,
ocorre que, na prática, a prova pericial acaba tendo prevalência sobre as demais. Isto
se dá pela imparcialidade e objetividade da prova técnico-científica enquanto que as
chamadas provas subjetivas dependam do testemunho ou interpretação de pessoas,
podendo ocorrer uma série de erros, desde a simples falta de capacidade da pessoa em
relatar determinado fato, até o emprego de má fé, onde exista a intenção de distorcer os
fatos.
A perícia criminal encontra-se atualmente em processo de expansão no Brasil, com início
de valorização por parte das autoridades, mas em curso demasiadamente lento, o que faz
com que o Perito Criminal ainda seja visto através de uma fachada de filmes de
Hollywood, o que não se aplica à realidade brasileira.
A execução das perícias criminais é de competência exclusiva dos Peritos Criminais.
Essa afirmação é reforçada pelo Art. 25 da Lei Geral da Polícia Civil (Projeto de Lei
1949/07), que caracteriza a figura do Perito Criminal como essencial para o
funcionamento da Polícia Judiciária ou da Polícia Científica, nos estados onde esta estiver
em operação.

CARACTERÍSTICAS PROCESSUAIS DOS PERITOS


• São órgãos estáticos, à semelhança dos Juízes;
• São órgãos dotados de formação universitária plena;
• São órgãos vinculados a entidades de classe (CRQ, CREAA, CRP, CRM), ao
contrário dos Juízes que não estão filiados à OAB;
• Transformam-se em órgãos dinâmicos, quando regularmente requisitados por
autoridade competente (policial, policial militar, judiciária penal, judiciária militar),
como os Juízes, ao receberem a denúncia ou a queixa.

ATRIBUIÇÕES LEGAIS
São atribuições legais dos Peritos Criminais:
• Supervisionar, coordenar, controlar, orientar e executar perícias criminais em geral;
• Planejar, dirigir e coordenar as atividades científicas;
• Fornecer elementos esclarecedores para a instrução de inquéritos policiais e
processos criminais;
• Promover o trabalho especializado de investigação e pesquisa policial;
• Executar atividades técnico-científicas de nível superior de análises e pesquisas na
área forense;
• Proceder a levantamentos topográficos e fotográficos e a exames periciais,
laboratoriais, odonto-legais, químico-legais e microbalísticos;
• Emitir parecer sobre trabalhos criminalísticos;
• Produzir laudos periciais;
• Elaborar estudos estatísticos dos crimes em relação à criminalística;
• Praticar atos necessários aos procedimentos das perícias policiais criminais;
• Executar as atividades de identificação humana, relevantes para os procedimentos
pré-processuais judiciais;
• Desempenhar atividades periciais relacionadas às atribuições legalmente
reservadas às classes profissionais a que pertencem.

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS
As atividades desenvolvidas pelos Peritos são de grande complexidade e de natureza
especializada, tendo por objeto executar com exclusividade os exames de corpo de delito
e todas as perícias criminais necessárias à instrução processual penal, nos termos das
normas constitucionais e legais em vigor, exercendo suas atribuições nos setores periciais
de: Acidentes de Trânsito, Auditoria Forense, Balística Forense, Documentoscopia,
Engenharia Legal, Perícias Especiais, Fonética Forense, Identificação Veicular,
Informática, Local de Crime Contra a Pessoa, Local de Crime Contra o Patrimônio, Meio
Ambiente, Multimídia, Papiloscopia, dentre outros.

REMUNERAÇÃO
O salário médio de um Perito Criminal em início de carreira no Brasil é de R$ 4492,52 -
sendo o menor salário o pago pelo Estado do Espírito Santo (R$ 2363,11) e o maior
salário o pago pela Polícia Federal (R$ 12992,70).
Por ser uma carreira de nível superior tanto quanto a de Delegado de Polícia, há tempos
os Peritos Criminais defendem a isonomia salarial e funcional entre as carreiras.
Atualmente quatro Polícias brasileiras possuem o mesmo salário para as carreiras de
Perito e Delegado: a Polícia Federal, a Polícia Civil do Distrito Federal, a Polícia Civil de
Rondônia e a Polícia Civil de São Paulo.
• ES - R$ 2363,11 (referência: 12/2005)
• MS - R$ 2580,08 (referência: 01/2008)
• MA - R$ 2608,94 (referência: 07/2006)
• RS - R$ 2771,96 (referência: 07/2008)
• PE - R$ 2806,73 (referência: 08/2006)
• PA - R$ 2965,88 (referência: 04/2007)
• RJ - R$ 3026,84 (referência: 11/2008)
• RR - R$ 3243,00 (referência: 03/2003)
• AM - R$ 3290,00 (referência: 09/2005)
• PI - R$ 3380,00 (referência: 04/2006)
• SC - R$ 3683,28 (referência: 06/2008)
• CE - R$ 3787,55 (referência: 03/2006)
• PB - R$ 3839,64 (referência: 10/2008)
• PR - R$ 3986,38 (referência: 05/2007)
• TO - R$ 4011,17 (referência: 11/2007)
• MT - R$ 4042,09 (referência: 01/2008)
• RN - R$ 4500,00 (referência: 10/2007)
• AC - R$ 4620,00 (referência: 11/2007)
• SP - R$ 4635,52 (referência: 11/2008)
• MG - R$ 4892,92 (referência: 07/2008)
• GO - R$ 5200,00 (referência: 05/2008)
• RO - R$ 5600,00 (referência: 11/2003)
• DF - R$ 12992,70 (referência: 12/2008)
• PF - R$ 12992,70 (referência: 12/2008)

AUTONOMIA HIERÁRQUICA
Como conseqüência dos protestos, bem como da supracitada valorização das carreiras
envolvidas na perícia criminal, muitos estados separaram suas Polícias Científicas das
Polícias Civis, resultando em autonomia funcional e hierárquica para os Peritos e seus
subordinados.
Exemplificando-se, no Instituto de Polícia Científica da Paraíba, cabe aos Peritos executar
atividades técnico-científicas de nível superior, de direção, coordenação, planejamento
e de controle técnico-administrativo, em conformidade com o Artigo 236 da Lei
Complementar nº. 85 de 12/08/2008, publicada no Diário Oficial do Estado em 13/08/2008
(Lei Orgânica da Polícia Civil da Paraíba).
"Ao delegado de polícia de carreira compete a direção da polícia judiciária, a ele ficando
subordinados hierarquicamente os escrivães e os agentes de polícia".
"À polícia técnico-científica compete auxiliar a polícia judiciária, realizando as perícias e
demais providências probatórias por esta requisitadas, mas sem vínculo de
subordinação hierárquica em relação aos seus integrantes".
Assim, a subordinação hierárquica entre o Perito Criminal e a Autoridade Policial
(Delegado de Polícia) é inviável, já que diversos estados adotam uma instituição distinta
da Polícia Judiciária para a realização das perícias (as chamadas Polícias Científicas) e
noutros, onde não há Peritos Oficiais suficientes, estes devem ser nomeados "ad hoc"
(Peritos Louvados).
A ausência de hierarquia não significa que os Peritos não devem respeitar seus deveres
funcionais, assim elaborações de laudos periciais requisitados pela Autoridade Policial
devem ser prontamente atendidas, sob o risco de responsabilidade administrativa (no
caso de Perito Oficial) e criminal. O mesmo serve aos Delegados de Polícia, por exemplo,
quanto à preservação de locais de crime, já que o Perito tem a possibilidade de lançar no
laudo qualquer alteração na cena do crime, trazendo isto responsabilidade criminal e
administrativa ao responsável, ou seja, ao Delegado de Polícia.
Uma observação importante é que o Perito é considerado pela Justiça como uma figura
detentora de autoridade científica, mas essa autoridade não tem qualquer semelhança
com a autoridade de funções típicas de estado, como o Delegado de Polícia (Autoridade
Policial) e o Juiz de Direito (Autoridade Judiciária). O termo autoridade denota diversos
sentidos, tendo como principais a demonstração de poder e a especialização em uma
determinada área, sendo pertinente ao Perito Criminal a segunda definição.

GENÉTICA E BIOLOGIA FORENSE

O que é?
A genética e biologia forense é uma das áreas da ciência
forense, que utiliza os conhecimentos e as técnicas de
genética e de biologia molecular, para apoiar e auxiliar a
justiça, a deslindar casos sob investigação policial e/ou do
Ministério Público. Esta área é também conhecida com DNA
Forense.

Para que serve?


Francisco Corte-Real, vice-presidente do INML (Instituto de
Medicina Legal) e especialista em genética e biologia forense afirma que, esta área do
saber é" muitíssimo importante para ajudar a deslindar casos que, de outro modo, jamais
seriam resolvidos".
No caso de um homicídio, por exemplo, equipas de especialistas do INML deslocam-se
ao local do crime, recolhem vestígios considerados importantes, como fragmentos de pele
do agressor, pêlos, cabelos, manchas de sangue, entre outros, protegendo tudo o que
possa ser passível de destruição.
O papel do INML , lembra Francisco Corte-Real, "não é o de acusar criminosos ou atribuir
responsabilidades por quaisquer atos praticados". Os técnicos da genética e biologia
forense "limitam-se a analisar fatos, com base nos conhecimentos e rigor científico, e a
elaborar relatórios para apreciação dos tribunais, que decidirão depois de confrontados
outros meios de prova.
Ao serviço de genética e biologia forense compete-lhe a realização de perícias e exames
laboratoriais de:
• hematologia forense;
• vestígios orgânicos como manchas de sangue encontradas nos locais dos crimes,
de sêmen deixado nas vítimas de crimes de natureza sexual, de pêlos ou cabelos
suspeitos de pertencerem a criminosos);
• identificação biológica de parentesco(identificação de paternidade ou maternidade,
entre outros);
• identificação genética individual (identificação de um corpo ou fragmentos de um
corpo);

História...

A Genética e biologia Forense teve origem aquando das


primeiras utilizações das características genéticas para fazer
testes de paternidade, ajudando a justiça.
A fase moderna da Genética Forense dá-se na década de 1980
quando investigadores descobrirem regiões altamente variáveis
do ADN, capazes de individualizar uma pessoa.

Em 1985, Sir Alec Jeffreys apelida as características únicas do


DNA de uma pessoa de "impressões digitais do DNA".
No decorrer da década de 1990, com a popularização da PCR, desenvolvem-se técnicas
cada vez mais sensíveis, capazes de identificar a origem de amostras biológicas com
muito pouco DNA.
Graças aos avanços da tecnologia, esta área da ciência forense tem-se desenvolvido
bastante, em todo o mundo. Isso verifica-se pela abundância de laboratórios, que existem
EM PORTUGAL e não só, que realizam exames de paternidade e maternidade, exames
de identificação genética individual entre outros; mostrando grande aderência por parte
das pessoas.

GENÉTICA E BIOLOGIA FORENSE


O que é?
É a área científica em que através de técnicas e de conhecimentos sobre genética e
biologia molecular se auxilia a justiça e se desvendam crimes. Também é conhecida por
DNA Forense.
O DNA como instrumento de identificação humana pode ser utilizado em diversas
situações, tais como:
• Na identificação e vinculação de suspeitos ao crime;
• Na distinção de crimes isolados de crimes em série;
• Para inocentar pessoas falsamente acusadas;
• Na identificação de restos mortais.

Em que consiste?
A atividade desta área consiste:
Na recolha de vestígios orgânicos encontrados no local do crime como: fragmentos de
pele, pêlos e cabelos do agressor, manchas de sangue, sêmen, dentes, ossos, saliva e
urina (que podem ser recolhidos nos mais diversos tipos de substratos como roupas,
garrafas, talheres, pontas de cigarro, selos e preservativos.
Na análise dos mesmos, elaborando-se relatórios para apreciação dos tribunais.

OBJETIVOS
-Identificação genética no âmbito da criminalística biológica.
-Identificação biológica de parentesco (casos de filiação);
-Identificação genética individual (identificação de um corpo ou fragmentos de um corpo);

VANTAGENS DA ANÁLISE FORENSE POR DNA


-Pode ser feita em qualquer fonte de material biológico.
-Sensibilidade do exame.
-Estabilidade perante aos factores ambientais devido à robustez da molécula de DNA e à
sua resistência a ácidos e bases.
-Possibilidade de separar o DNA de uma célula espermática de qualquer outro DNA
celular, o que acontece nos casos de violação onde há presença de sémen e outros
líquidos corporais.

FACTOS HISTÓRICOS:
A Genética e Biologia Forense nasce quando se começam a realizar testes de
paternidade em visa de apoiar a justiça.
-Em 1980 descobrem-se regiões do DNA, capazes de individualizar uma pessoa.
-Depois da descoberta dos grupos sanguíneos, este fator foi utilizado em exames de
paternidade. (exemplo: um pai O não poderia ter um filho AB)
-Em 1984,na Inglaterra, o médico Alec Jeffreys, elaborou um método de identificar as
pessoas por meio de fragmentos do seu material genético.
-Em 1985, no Reino Unido, foi pela primeira vez efetuada a análise do DNA com aplicação
médico -legal.
-Em 1988 o FBI realiza casos através do DNA.
-Na década de 90,houve uma grande a evolução tecnológica e científica que levou à
popularização da técnica da PCR e um desenvolvimento de técnicas cada vez mais
sensíveis, capazes de identificar a origem de amostras biológicas com pouco DNA.
Dentro de poucos anos, os cientistas esperam obter a partir do material genético dados
sobre a aparência de um suspeito que permitam montar um retrato fiel.

EM PORTUGAL:
Devido aos avanços científicos, esta área tem-se desenvolvido bastante em todo o
mundo. Em Portugal há inúmeros laboratórios que realizam testes de paternidade,
exames de identificação genética, etc.

Ciência forense e probabilidade


A ciência forense é uma área de estudo que se ocupa da análise científica das evidências
de um crime. Em geral, um estudo forense envolve áreas do conhecimento como a física
(balística de projéteis), a química (análise de sangue, gota de saliva, fio de cabelo etc), a
biologia (análise de DNA) e até a matemática.
Apesar de a nossa impressão digital ser única, uma digital achada no local de um crime
pode não ser suficientemente clara para identificar a pessoa de forma única. Imagine uma
situação em que o confronto da digital encontrada no local do crime com 1 milhão de
digitais do banco de dados da polícia indique três suspeitos. Qual é a probabilidade de
coincidência da digital encontrada com a de alguém que é inocente?
Dos três suspeitos, dois são inocentes e um é culpado, o que indica que a probabilidade
de coincidência da digital encontrada com a de uma pessoa inocente é 2/1.000.000, ou
seja, 0,0002%. Será que essa probabilidade baixa constitui uma prova convincente para
incriminar uma pessoa que tenha digital igual à encontrada?
A resposta é não. Do ponto de vista do direito de cada cidadão, a probabilidade
condicional relevante não é a de coincidência da digital com a de um inocente, mas sim a
de uma pessoa ser inocente, dado que a digital encontrada tenha coincidido com a sua.
Nesse caso, duas em três pessoas são inocentes, o que representa uma probabilidade de
cerca de 67%.
Ou seja, na ausência de outras evidências, a coincidência de digitais pode não constituir
prova de acusação. O exemplo evidencia a importância de uma análise criteriosa do que
se pode concluir, de fato, a partir do cálculo de uma probabilidade condicional.
Se você gostou do campo de atuação da ciência forense, fique atento, porque química
forense é um dos cursos abertos pela USP, com 20 vagas, em Ribeirão Preto.

Primeiro contato com a Ciência Forense


Novas profissões e nichos de mercado surgem em função de novas necessidades,
enquanto outras profissões simplesmente se renovam.
Novas profissões e nichos de mercado surgem em função de novas necessidades,
enquanto outras profissões simplesmente se renovam. Isso vem ocorrendo com os
profissionais de perícia técnica, o que têm despertado enorme interesse dos jovens
estudantes e também dos experientes profissionais de tecnologia da informação.
Entretanto, antes de falar mais diretamente sobre Prática Forense é preciso entender o
conceito e o contexto em que o termo se aplica.
Ciência Forense é uma área interdisciplinar que aplica um amplo espectro de ciências
com o objetivo de dar suporte - respondendo perguntas - às investigações relativas ao
sistema legal, mais precisamente ligadas à justiça civil e criminal. Entre seus desafios
está a identificação do crime, o rastreamento das etapas que o precederam, a localização
e preservação de evidências e a geração de documento de suporte legal.
Dentro do contexto eletrônico, também chamada de Forense Digital ou Computer
Forensics, podemos descrevê-la como a ciência que realiza inspeções sistemáticas em
sistemas de computador e suas informações para evidenciar ou suportar a evidência de
crime. Forense Digital requer conhecimento especializado passando pela simples coleta
de dados e a preservação de provas. Estamos necessariamente falando de ambientes
eletrônicos, redes de computadores, sistemas operacionais e aplicações que exigem do
perito, além de conhecimento especializado, ferramentas que o auxilie nas diferentes
etapas da investigação, assim como o que ocorre com a perícia criminal tradicional, que
lança mão de luvas, lupas, microscópios e demais aparatos para identificar trajetórias,
digitais e outros elementos de investigação.
Alguns dos cenários comuns onde se aplica a prática forense digital:
• Abuso de Internet por funcionários
• Acesso não autorizado a dados e informações sigilosas
• Dano a ativos
• Espionagem industrial
• Crime de fraude
• Roubo de identidade
• Investigação de Pedofilia
Em geral os trabalhos se iniciam com a identificação de acessos não autorizados,
atividades proibidas ou reguladas, uso ilegal de sistemas e informações, e para isso,
realizam inspeções em discos rígidos, mídias removíveis, bancos de dados e qualquer
outra potencial fonte de informação pericial.
Podemos dividir as etapas da Forense Digital da seguinte forma:
• Identificação de fontes de informação e evidência/prova
• Preservação da evidência/prova
• Análise da evidência/prova
• Documentação de atividades de descobertas e conclusões
O exercício desta prática precisa encontrar o equilíbrio entre a abordagem puramente
técnica e a abordagem puramente legal, pois precisa estar aderente aos padrões de
evidência reconhecidos pela lei usando a técnica como instrumento.
Muitas são as ferramentas utilizadas na prática forense digital, onde se destacam as
seguintes categorias:
• Duplicadores de mídia
• Coletores de log
• Identificadores de configuração
• Rastreadores de dados e strings
• Copiadores de memória
• Duplicadores de sistema operacional
• Mapeadores de rota de conexão
• Extratores de inventário
• Recuperadores de dados
• Decriptadores ou decifradores de código
• Analisadores de esteganografia
• Testadores de sistema
O famoso detetive Sherlock Homes que nos perdoe, pois diante da criatividade dos
criminosos e da necessidade de tantos aparatos, já não se consegue fazer praticamente
nada com a velha dupla: cachimbo e lupa.
Este tema tem consumido ultimamente boa parte das minhas horas de estudo e pesquisa,
mais precisamente focadas nos campos de fraude eletrônica e contra-espionagem. É,
sem dúvida, um nicho de grande potencial profissional, motivado pelo fértil momento em
que os setores público e privado discutem os riscos da informação de forma integrada,
colocando os aspectos legais e técnicos em igual condição de importância.
Marcos Sêmola (marcos@semola.com.br) é Diretor de Operações de Information Risk da
Atos Origin em Londres, CISM, BS7799 Lead Auditor, PCI Qualified Security Assessor;
Membro fundador do Institute of Information Security Professionals of London. Professor
da FGV com especialização em Negociação e Estratégia pela London School, autor de
livros sobre gestão da segurança da informação e inteligência competitiva.
Visite www.semola.com.br.

Bibliografia:
http://jn.sapo.pt/2005/09/07/sociedade/genetica_forense_servico_justica.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Gen%C3%A9tica_forense
http://vestibular.uol.com.br/ultnot/resumos/ult2774u40.jhtm
http://medicina.med.up.pt/legal/IntroducaoML.pdf
Anexo:
ESPECIALIZAÇÃO EM CIÊNCIA FORENSE
APRESENTAÇÃO
O Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Ciência Forense, na modalidade de
Educação a Distância pela Internet, tem como objetivo principal oferecer uma visão
teórico-prática sobre a aplicação das ciências na produção de provas materiais que
poderão ser utilizadas em investigações cíveis e criminais.
O curso inicia-se com uma abordagem sobre a cena do crime, descrevendo o
comportamento adotado por um perito criminal no levantamento dos vestígios, os
cuidados com sua coleta, identificação e transporte. Sempre contextualizando o
conhecimento apresentado com situações reais, as grandes áreas de conhecimento da
ciência forense são abordadas de modo multidisciplinar, desenvolvendo um raciocínio
crítico e habilidades para solucionar problemas, juntamente com a oferta de uma sólida
fundamentação teórica em biologia, química, documentoscopia e balística aplicadas.
Associada à teoria, práticas simulando casos forenses reais serão oferecidas ao final de
algumas disciplinas. Nas aulas práticas o estudante utilizará os conhecimentos
construídos para solucionar litígios cíveis e crimes simulados.
Além da abordagem multidisciplinar contextualizada na cena do crime, o curso
apresenta os seguintes diferenciais:
1. Seu quadro de professores-tutores é formado por peritos criminais expoentes nas suas
respectivas áreas de atuação, com pelo menos quatorze anos de experiência.
2. A carga horária para atividades práticas é superior a dos demais cursos oferecidos na
modalidade de educação à distância.
3. Seu formato tem potencial de atrair profissionais da área que desejam aprimorar seus
conhecimentos.
4.
PÚBLICO-ALVO

O curso é destinado, principalmente, a profissionais graduados nas áreas de biologia,


química, farmácia, biomedicina, medicina, odontologia e afins.
Para um bom aproveitamento do curso, recomenda-se como pré-requisito
conhecimento em genética, biologia molecular, química analítica e estatística em nível de
graduação.
Profissionais de outras áreas podem participar do processo seletivo e uma vez
selecionados terão indicações de referências bibliográficas contemplando o conhecimento
considerado pré-requisito.

CARGA HORÁRIA
O curso tem carga horária total de 436h, assim distribuídas:
• 360 horas correspondentes às disciplinas, das quais 312 horas serão realizadas a
distância e 48 horas realizadas presencialmente por meio de atividades práticas em
laboratório;
• 60 horas voltadas à elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso;
• 16 horas referentes aos encontros presenciais de abertura e de encerramento.

ENCONTROS PRESENCIAIS E ATIVIDADES PRÁTICAS


Em virtude do caráter teórico-prático do curso, são realizados quatro encontros
presenciais, com finalidades específicas, a saber:
• Encontro presencial de abertura do curso: tem como objetivo preparar os estudantes para
o início do curso. Inclui a apresentação institucional, levantamento do perfil e das
expectativas dos estudantes em relação ao curso, apresentação da metodologia e do
conteúdo do curso, apresentação de informações sobre os serviços da Secretaria
Acadêmica e treinamento no ambiente virtual de aprendizagem. Este encontro poderá ser
realizado na Universidade Católica de Brasília ou nos Pólos de Educação a Distância, de
acordo com a escolha do estudante no ato da inscrição.
• Segundo encontro presencial (carga horária de 24h distribuídas em três dias): visa à
realização de atividades práticas e aplicação de avaliações da disciplina Biologia e DNA
Forense. Este encontro será realizado na Universidade Católica de Brasília.
• Terceiro encontro presencial (carga horária de 24h distribuídas em três dias): visa à
realização de atividades práticas e aplicação de avaliações da disciplina Química
Forense. Este encontro será realizado na Universidade Católica de Brasília.
• Encontro presencial de encerramento: é realizado após a conclusão do estudo das
Unidades de Estudo Autônomo, para que os estudantes possam apresentar o Trabalho de
Conclusão de Curso à banca examinadora e realizar a Avaliação Final Supervisionada.
Este encontro poderá ser realizado na Universidade Católica de Brasília ou no respectivo
Pólo de Educação a Distância.
É importante destacar que o segundo e o terceiro encontros serão realizados somente
na Universidade Católica de Brasília. Portanto, os estudantes deverão se organizar para
se deslocarem para Brasília nas datas a serem informadas no início do curso. Todas as
despesas de deslocamento, hospedagem, alimentação e transporte são de
responsabilidade dos estudantes.

PROGRAMA
O material didático do curso é organizado em seis Unidades de Estudo Autônomo
(UEAs), que são as disciplinas, constituídas de hipertexto e disponibilizadas por meio da
internet.
• A Cena de Crime – 30h
• Documentoscopia Forense – 60h
• Biologia e DNA Forense – 90h (66h a distância e 24h presenciais para práticas)
• Balística Forense – 90h
• Química Forense – 90h (66h a distância e 24h presenciais para práticas)
• Metodologia da Pesquisa Científica – 60h voltadas à elaboração da monografia.
Além das disciplinas do curso, o estudante tem a possibilidade de cursar uma disciplina
optativa: Metodologia do Ensino Superior. Para cursá-la, o aluno deverá arcar com o ônus
financeiro equivalente a uma disciplina regular do curso, de acordo com os valores
vigentes à época da solicitação de matrícula.