Sei sulla pagina 1di 9

A relação entre desamparo e trauma na metapsicologia freudiana: contribuições para as formas de “mal-estar” contemporâneo.

Marina Gregório Menita 1 Marco Antônio Rotta Teixeira 2

Este trabalho é fruto de uma Pesquisa de Iniciação Cientifica em andamento junto ao Departamento de Psicologia da Universidade Estadual de Maringá. Nosso interesse neste trabalho é compreender os destinos conferidos a noção de desamparo na metapsicologia freudiana e suas relações com a teoria de trauma. As leituras de autores da atualidade têm apontado para a condição de desamparo como problemática fundamental da subjetividade e do “mal-estar” contemporâneo. Dessa forma, a nossa expectativa é que este estudo contribua, a partir da compreensão do papel da noção de desamparo e do conceito de trauma na estruturação do psiquismo, para o enriquecimento dos estudos sobre as patologias atuais. A metodologia empregada refere-se a uma investigação epistemológica dos processos que regem a construção de conceitos e teorias, por meio da leitura, da pesquisa e da análise textual e conceitual nas obras de Freud delimitadas ao tema de investigação e de seus comentadores atuais.

O desamparo constitui para Freud uma noção importantíssima para a metapsicologia, uma vez que permite a compreensão de outros conceitos importantes da psicanálise, assim como alguns aspectos da estruturação do psiquismo. Além disso, alguns autores, como Birman (2006) e Kehl (2002) têm realizado uma articulação entre o desamparo e algumas formas de subjetivação contemporânea. Segundo esses autores, este é o caminho para se compreender o pânico, as adições e a depressão. Estas são denominadas de “patologias atuais”, que expressam um “mal-estar” presentes na contemporaneidade. Assim, temos que a condição humana de desamparo, noção articulada na metapsicologia freudiana, vem recebendo cada vez mais atenção em função das novas configurações sintomatológicas, cujas formas de expressão estão vinculadas a contextos específicos da contemporaneidade (BIRMAN, 2006).

1 Graduanda do curso de psicologia da Universidade Estadual de Maringá. 2 Psicólogo, Docente do departamento de Psicologia da Universidade Estadual de Maringá-UEM e Doutorando do Programa de Pós-graduação em Psicologia da Unesp-Assis.

De acordo de Birman (2006, p. 65-96)

a tese fundamental sobre o mal-estar na modernidade se condensou agora em torno da experiência psíquica do desamparo. A presença trágica desta

experiência na subjetividade moderna e os destinos terroríficos construídos por esta subjetividade para lidar com o desamparo conduziram as individualidades insofismavelmente para o narcisismo, a violência, a

Além disso, o discurso freudiano destacou a

presença do desamparo no fundamento da subjetividade moderna. Entre os impasses do desejo e a severidade do supereu, a subjetividade ficaria numa condição de desamparo, que lhe conduzia inevitavelmente ao mal-estar. Este podia assumir seja a forma das perturbações do espírito seja a da violência e das destrutividades crescente. Estas seriam, portanto, defesas da subjetividade moderna em face do desamparo progressivo que a caracterizava.

crueldade e a destruição. [

]

Assim, a partir da perspectiva apresentada acima - do desamparo como fundamento das subjetividades e do mal-estar decorrente de seu tempo – se faz necessário o estudo da evolução do conceito de trauma e da noção de desamparo na metapsicologia freudiana, procurando articulá-los. Freud nunca chegou a definir em termos conceituais a questão do desamparo. Esta questão foi muito trabalhada em sua obra, porém não obteve uma formalização em termos de um conceito definido. Em outras palavras, Freud apresenta o assunto do desamparo em todo o decorrer de sua obra, atingindo enorme prestigio em “Inibições, sintomas e angústia” (1926) 3 (PEREIRA, 1999). Mendlowicz (2006), afirma que foi a partir desse texto, que o termo em questão passou a ser fundamental na teorização freudiana. Antes disso, por exemplo, Freud buscava na teoria das pulsões, embasamento teórico para a questão da angústia. A partir disso, a relação com o objeto passou a ser crucial no constituinte da estruturação psíquica. Inicialmente, a concepção do desamparo em Freud, era permeada pela objetividade, conforme encontramos em Laplanche e Pontalis (2001), em que a situação de insuficiência psicomotora do bebê, faz que com ele dependa integramente do outro, principalmente da figura materna, a fim de atender as suas necessidades vitais, garantindo assim, a sua sobrevivência. Ou seja, nessa perspectiva, o desamparo provinha unicamente do estado de imaturidade psicomotora do bebê frente as suas necessidades não satisfeitas. Mais

3 Na edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, o título deste livro é traduzido como “Inibições, Sintomas e Ansiedade”. Entretanto considera-se aqui como correto, a tradução “Inibições, Sintomas e Angústia”, conforme indicado no vocabulário de psicanálise de Laplanche e Pontalis

(2001).

precisamente, o que de fato proporciona o estado de desamparo no bebê é esta percepção da sua incapacidade em satisfazer, por suas próprias forças, as exigências das suas necessidades vitais. A partir disso, o bebê quando não seguro em relação ao cuidado do outro, vê-se abandonado a sua própria sorte ante a sua condição de desamparo (PEREIRA, 1999). Esta perspectiva objetivante é conseqüência da forma de pensar de Freud, que no início de sua teoria, ainda no Projeto (1985), se pautava no paradigma positivista, fundamentando-se assim, pela ciência biológica. Com o passar do tempo, encontramos uma importante mudança à cerca da noção de desamparo, que é decorrente das próprias mudanças ocorridas na teoria psicanalítica. Foi principalmente, a partir de seus estudos sobre angústia, que Freud percebe que o desamparo vai além da condição de incapacidade biológica do bebê, e o concebe como o fundamental para o funcionamento psíquico (PEREIRA, 1999). Essa nova concepção a cerca do desamparo, vai além de um estado objetivo de impotência do bebê, refere-se assim a uma vivência da perda do amor, principalmente, do amor objetal, que segundo Freud, deixará marcas na estruturação psíquica do individuo (MENDLOWICZ,

2006).

A evolução teórica de Freud, em “Inibição, sintoma e angústia” (1926), ante a questão do desamparo, confere-lhe um estatuto de dimensão fundamental da vida psíquica que indica os limites e as condições de possibilidade do próprio processo de simbolização (PEREIRA, 1999). Além de discutir a questão do desamparo na criança, bem como à estruturação do psiquismo a partir desta condição, Pereira avança também sobre o aspecto do plano simbólico frente ao desamparo do homem (Outeiral e Godoy, 2003). Assim, Freud, já no fim da sua obra, compreende que a falta de certezas do homem frente às suas questões existenciais, estão relacionadas à sua própria condição de desamparo. Percebe também que a criação de Deuses busca aliviar essa condição. Em “O homem Moisés e o monoteísmo” (1939), Freud diz que quando o homem, inevitavelmente, se vê abandonado por tudo e todos, inclusive pelos próprios deuses criados por ele, se depara com o seu desamparo mais radical, o do lugar vazio do fiador último da sua história simbólica. “Freud que chega até o ponto de ver na Hiflosigkeit 4 a condição ultima de falta de garantias do funcionamento psíquico, que o homem tem de enfrentar quando se livra de todas as ilusões protetoras que cria para si mesmo” (PEREIRA, 1999, p. 130). Devemos ressaltar, contudo, que a condição de desamparo nunca é completamente superada pelo individuo (PEREIRA, 1999). Esta condição passa a ser a situação existencial humana. Conduto, apesar de nunca ser

4 Hiflosigkeit, em sua tradução, é um substantivo que designa o estado ou condição de alguém que se encontra “sem ajuda”, “desamparado”.

completamente superado, o individuo através do amadurecimento, obtém recursos psíquicos que tornam possível sua existência perante essa condição (OUTEIRAL e GODOY, 2003).

Nesse trabalho buscamos compreender tanto a concepção do desamparo, bem como suas relações. Na metapsicologia freudiana, a noção de desamparo tem sido freqüentemente articulada, por vários autores, com o conceito de trauma (OUTEIRAL e GODOY, 2003). Assim, foi necessário compreendermos o conceito de trauma, para em seguida, compreender esta relação. O trauma, diferentemente do desamparo, recebeu o estatuto de conceito por Freud. Masud Khan (1977), ao propor sua teoria do “trauma acumulativo”, divide as formulações sobre o trauma em Freud em cinco momentos.

Na primeira fase (1885-1905), o trauma, baseado na teoria da sedução, era visto como

uma situação concreta e real, geralmente de cunho sexual (abuso) cuja energia libidinal resultante da situação “invade” um ego ainda não suficientemente estruturado para agüentar,

descarregar ou elaborar (MASUD KHAN,1977). Posteriormente, ainda na primeira fase, em 1897, Freud abandona a teoria da sedução, por perceber que o trauma não era real, mas

psíquico. Substituindo a realidade objetiva da sedução traumática, pela realidade das fantasias inconscientes e dos desejos (OUTEIRAL e GODOY, 2003).

A segunda fase (1905-1917) é caracterizada pela busca em compreender o

desenvolvimento infantil e conseqüentemente, a sexualidade infantil. Dentro deste contexto,

da sexualidade infantil, a situação traumática estaria envolvida com a castração, ansiedade de separação, cena originaria, e o complexo de Édipo. Vemos assim, que a situação traumática é permeada pela realidade psíquica das fantasias inconscientes. (MASUD KAN, 1977)

Na terceira fase (1917-1926), temos o sentido econômico do trauma, em que Freud

(1916) passa a considerar o trauma como sendo uma experiência cuja energia mental vai além das possibilidades do psiquismo, isto é, quando a mente recebe um acréscimo de estímulo excessivamente poderoso para ser manejado ou elaborado por aquela estruturação psíquica.

Em “Além do principio do prazer” (1920) o conceito de trauma adquire um referencial exclusivamente intersistêmico e pulsional, dado a partir da hipótese da dualidade das pulsões, da compulsão a repetição, e, mais tarde, a definição de estruturas como id, ego e superego (MASUD KHAN, 1977).

Na quarta fase (1926-1939), temos a contribuição do importante texto de Freud,

“Inibição sintoma e angústia” (1926), no qual Freud distinguiu as situações traumáticas das situações de perigo. Strachey (2006, p.85), em sua nota introdutória à “Inibições, sintomas e angústia” (1926) nos oferece aspectos dessa diferenciação:

O determinante fundamental de uma ansiedade automática é a ocorrência de

uma situação traumática, e a essência disto é uma experiência de desamparo por parte to ego, diante de um acumulo de excitação, quer de origem externa quer interna, com que não se pode lidar. A ansiedade ‘como um sinal’ é a resposta do ego à ameaça da ocorrência de uma situação traumática. Tal ameaça constitui uma situação de perigo. Os perigos internos modificam-se com o período da vida, mas possuem características comuns, a saber, envolver a separação ou perda de seu amor- uma perda ou separação que poderá de várias maneiras conduzir a um acumulo de desejos insatisfatórios e dessa maneira a uma situação de desamparo (STRACHEY, 2006, p. 85).

Dentro dessa perspectiva, o papel da figura materna frente ao desamparo é fator central no conceito de trauma. É por isso que, na quinta fase (1939 até hoje), a relação mãe-bebê alterou o referencial para a discussão da situação traumática (MASUD KHAN 1977). Estas formulações não se referem a Freud, mas a teóricos pós-freudianos, como Winnicott. Portanto, como focamos nesse trabalho os aspectos da teoria freudiana, não adentraremos nas formulações desta última fase.

De uma forma geral, podemos considerar o trauma a partir da definição de Laplanche

e Pontalis (2001), estudiosos de conceitos em Freud, como um

Acontecimento da vida do sujeito que se define pela sua intensidade, pela incapacidade em que se encontra o sujeito de reagir a ele de forma adequada, pelo transtorno e pelos efeitos patogênicos duradouros que provoca na

Em termos econômicos, o traumatismo caracteriza-

se por um afluxo de excitações que é excessivo em relação à tolerância do

organização psíquica.(

)

sujeito e a sua capacidade de dominar e de elaborar psiquicamente estas excitações. (LAPLANCHE e PONTALIS, 2001, p. 522)

Outeiral e Godoy (2003) contribuem para a compressão do trauma, a partir da idéia do rompimento do escudo protetor, representado pelos recursos egóicos maternos, a partir de

quantidades excessivas de excitação que incidem sobre o aparelho mental, em outras palavras,

a situação de perigo, considerada aqui como traumática, é representada pela superestimulação

do aparelho mental. Feita a definição sobre a noção de desamparo e sobre o conceito de trauma na obra de Freud, podemos agora partir para a questão da relação entre essas duas importantes questões da teoria psicanalítica e o mal-estar contemporâneo. Partimos do pressuposto fundamental, segundo a afirmação de Mendlowicz (2006), de que o estado de desamparo é resultante das vivências de perda, principalmente a de perda objetal – teríamos assim, o a vivência de desamparo como o protótipo da situação traumática. Sob o aspecto da relação, Outeiral e Godoy (2003, p.7), concordam com Mendlowicz (2006),

no sentido de que o desamparo é o protótipo da situação traumática, uma vez que afirmam que frente

a uma reação ao perigo, a angústia localizada no ego assume a função de

proteger o psiquismo contra um acumulo de excitação- de origem interna ou externa- com o qual não pode lidar. Ou seja, a angústia sinaliza uma situação

traumática, definida exatamente pela experiência de desamparo por parte do

ego ante este acúmulo de excitação. (

] [

)

Temos, portanto, até aqui, uma possível relação na qual a condição de desamparo, situada como possibilidade do funcionamento psíquico, seria o fator primordial, para a situação traumática. Retomemos agora, a questão das referidas “patologias atuais”. Joel Birman (2006) afirma com plena convicção que a produção fundamental da modernidade é o desamparo. Este se apresenta como sintoma e como fonte permanente da produção de perturbações psíquicas, nomeadas de patologias atuais. Assim, temos que o desamparo, como condição de existência da era moderna, já se encontra enraizado sendo resultante de um processo histórico que transformou radicalmente a forma de ser do sujeito no mundo. Devemos compreender então este processo histórico, que transformou a natureza, principalmente, das relações vivenciadas atualmente. As novas formas de subjetivação na modernidade -patologias da atualidade- devem ser pensadas dentro de uma perspectiva apontada por Lash (1979) e Debord (1992): a existência da “cultura do narcisismo” e “a sociedade do espetáculo”, respectivamente. Anteriormente, a subjetividade tinha seus eixos constitutivos nas noções de interioridade e reflexão. Contudo, o que vemos agora é a valorização da exterioridade e o autocentramento. O outro serve apenas como instrumento para o incremento da auto-imagem, podendo ser eliminado a qualquer momento. O que importa para a individualidade é a exaltação gloriosa do próprio eu. O sujeito vale por aquilo que ele parece ser. Vive-se assim para a exibição e para a exaltação do eu (BIRMAN, 2007). Maia (2005) ao discutir sobre “a sociedade do espetáculo” proposta por Debord, afirma que no espetáculo existe uma espécie de aprisionamento e devastação de partes da experiência existencial humana. Aprisionado no do mundo do aparecer, sua força desejante e sua vida como um todo sofre um esvaziamento de sentido. Além disso, Bauman (1998) também contribui com a compreensão desta natureza quando faz uma diferenciação entre os mal-estares modernos e pós-modernos, nos dizendo que os mal-estares da modernidade provinham de uma espécie de segurança, mas que esta era

um empecilho para a liberdade na busca da felicidade individual. Ao contrário, nos diz que os mal-estares da pós-modernidade 5 provém de uma espécie de liberdade de procura do prazer, mas não oferece segurança aos indivíduos. Veremos adiante a quão esta falta de segurança produz implicações nas subjetividades atuais. Bauman (2001) nos apresenta uma nova forma de descrever a natureza da modernidade. Ele correlaciona esta com aspectos da física quanto aos estados sólidos e líquidos. Metaforicamente, coloca que os líquidos não mantêm sua forma com facilidade; e por isso estão constantemente prontos, e propensos à mudança. Temos, portanto, a idéia associada a uma modernidade leve, sem peso, móvel e sujeita á inconstância. A esta o autor deu o nome de “modernidade líquida”. Com o “derretimento dos sólidos”, isto é, com o estado líquido da nossa natureza social, não é possível manter a questão da ordem. Na leveza e na inconstância, perdem-se as referencias coletivas, que permeiam as nossas referencias individuais. Nessa perspectiva, o individuo perde sua própria identidade. Ele precisa despir-se de suas histórias, identificações e idéias para se tornar mais contingente e flexível. (BAUMAN, 2001) Na contemporaneidade, os laços afetivos, isto é, o outro, precisa gerar prazer imediato. A qualquer ameaça de sofrimento, de não-prazer, este outro é descartado, preservando a ilusória sensação de felicidade e bem-estar (MAIA, 2005). É nesse contexto que o desamparo aparece como forma de mal-estar, pois, o homem que sobrevive nessa realidade padece da falta de referentes estáveis, relações sinceras, laços afetivos seguros. Dessa forma, a atualidade é o tempo da incerteza, pois sem referências, permeada pela inconstância, a vida particular deixa de ser determinada pelas construções, e passa a ser, em sua totalidade, uma incerteza quanto ao próprio sentido do mundo, da existência. Agravando esse quadro, não temos algo que é fundamental: a certeza, mesmo que ilusória, de continuidade na existência (MAIA, 2005). Outro ponto fundamental encontrado no mito de Totem e Tabu, descrito por Freud em 1914, nos apresenta a condição do homem moderno, que perde a proteção oferecida pelo Pai. Tira o amparo que este oferecia aos filhos em relação à falta de ser. Temos indivíduos assim, livres e desamparados - livres porque desamparados - carentes do Pai simbólico. Ressaltando que, com a morte deste, temos irmãos sem proteção quanto às violências pulsionais. O Pai fornecia uma identidade ao filho, uma certeza na continuidade da existência. Aparecem na

5 Há controvérsias teóricas quanto ao nome dado ao momento em que nossa sociedade encontra. Não adentraremos nessa discussão. Interessa-nos aqui compreender apenas natureza, a forma de ser, nessa atualidade, seja ela moderna, pós-moderna, moderna – liquida, etc.

modernidade, à crise sobre as certezas do ser, o bem e a verdade. Face contemporânea do desamparo, gerada a partir de uma perda nas relações dos homens com o saber e com a verdade (KEHL, 2002). Ressalta-se que ao se referir ao Pai, estamos falando de da lei, religião, tradições, ou seja, todas as estruturas capazes de fornecer amparo simbólico ao ser. Por exemplo, a tradição situa as pessoas na sociedade em que vivem, fornecem modelos a serem seguidos; a religião produz sentido para a vida e a morte, e orienta as escolhas morais; os mitos explicam por que as coisas são como são (KEHL, 2005). Diferentes construções subjetivas foram necessárias para se evitar o desamparo. Birman (2006) coloca que o masoquismo e a servidão são os meios mais privilegiados na atualidade para que o sujeito possa dominar o seu desamparo. No masoquismo, o corpo é oferecido ao outro para que ele possa satisfazer seus desejos como queira desde que, seja fornecida a proteção para o desamparo. Com isso, de forma radical, na atualidade, o homem foi lançado sem qualquer proteção às agruras do mundo. Foi com a morte do Pai que o desamparo se estabeleceu como base existencial da condição humana. (BIRMAN, 2006) Retomemos um trecho desde trabalho, em que dissemos que quando o homem se vê abandonado por tudo e todos, inclusive pelos deuses- leia-se formas de certezas e segurança-, se depara com o seu desamparo mais radical, o do lugar vazio do fiador último da sua história simbólica. Finalizamos com as palavras de Pereira (1999, p. 310-311), ao comentar um caso de uma paciente com pânico, em seu livro Pânico e Desamparo:

Quem poderia garanti-la contra o desamparo de existir? [

assim, um dos aspectos mais notáveis na clinica dos indivíduos de ataque de

pânico: qualquer instancia de reasseguramento só é válida em sua concretude de presença. Nesse aspecto não há metáforas ou símbolos que substituam a urgência da garantia evidente. O sujeito com pânico anseia pela presença concreta de um fiador que garanta a estabilidade de seu mundo.

Ela evidencia,

]

REFERÊNCIAS

BAUMAN, Z. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998;

Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BIRMAM, J. Arquivos do mal-estar e da resistência. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,

2006.

Mal-estar na atualidade: a psicanálise e as novas formas de subjetivação. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

COSTA, J. A noção psicanalítica de desamparo. In: O risco de cada um: e outros ensaios de psicanálise e cultura. Rio de Janeiro: Gramond, 2007.

KEHL, M. O homem moderno, o desamparo e o apelo a uma ética. In: Sobre ética e psicanálise. São Paulo: Companhia das letras, 2002, p.39-75.

KHAN, M. O conceito de trauma acumulativo. In: Psicanálise: teoria, técnica e casos clínicos. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977.

LAPLHANCHE, J.; PONTALIS. Vocabulário da psicanálise. 4 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

MAIA, M. O ideário contemporâneo de subjetividade e os modos de subjetivação. In. Extremos da alma: dor e trauma na atualidade e clinica psicanalítica. Rio de Janeiro:

Garamond, 2005, p. 61-90.

MENDLOWICZ, E. Trauma e depressão. In: RUDGE, Ana Maria (org). Traumas. São Paulo:

Escuta, 2006.

OUTEIRAL, J.; GODOY, L. Desamparo e Trauma: transferência e contratransferência. Rio de Janeiro: Revinter, 2003.

PEREIRA, M. E. C. Pânico e desamparo: um estudo psicanalítico. São Paulo: Escuta, 1999.

STRACHEY, J. A situação traumática e as situações de perigo. In FREUD, S. (1926). Inibições, sintomas e ansiedade. Rio de Janeiro: Imago, 2006. Vol. XX.