Sei sulla pagina 1di 5

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO

O USO DE AULAS EXPERIMENTAIS DE FÍSICA E O ENSINO COM EXENPLOS DO

COTIDIANO

André Luis Brito Querino¹ [andreluis1010@gmail.com]

¹Graduando em Licenciatura Plena em Física

Resumo

Este artigo tem por objetivo discutir o uso de experimentos na sala de aula com alunos

do ensino médio para aproveita a curiosidade do aluno, trabalhando com conceitos e

fenômenos físicos presentes em seu cotidiano. Abordando a física de forma mais

intuitiva para que o aluno possa construir o seu conhecimento por meio desses

experimentos, contribuindo para o entendimento dessa disciplina, que precisa ser

ensinada tanto na teoria quanto na pratica e deve ser contextualizada com a realidade.

Palavras-chaves: Ensino da física, Uso do cotidiano, Experimentos.

Introdução

Nas escolas do ensino médio é muito comum se deparar com professores de

física com dificuldades em construir um conhecimento físico em suas classes, de forma

prazerosa, contextualizada e funcional. A física é vista como uma disciplina difícil de ser

ensinada, provocando desinteresse dos alunos e muitas dificuldades na aprendizagem

dos conteúdos, tendo como principal causa a não assimilação dos conceitos físicos no decorrer dos conteúdos.

Não se consegui ensinar de forma conceitual com aulas exclusivamente expositivas que exigem cada vez mais do professor aulas dinâmicas e criativas que despertem o interesse dos educandos.

Dificuldades no Ensino da Física

A educação em geral, e o ensino de Física em particular, deveriam, nesta virada de século, levar em consideração as profundas e irreversíveis alterações introduzidas no cotidiano de cada indivíduo pelo progresso tecnológico.

Quando o aluno aprende a física na escola ele não consegue associar o conhecimento que aprendeu com a sua realidade, com isso, ele não assimila os conceitos e conseqüentemente não aprendi o conteúdo, segundo Vagner e

Marilei(2005,p.1),

Atualmente, o ensino é visto como um objeto abstrato, longe da realidade dos alunos, o qual gera um desinteresse total pelo trabalho escolar. Os alunos preocupam-se apenas com a nota e com a promoção, os assuntos estudados são logo esquecidos e aumentam os problemas de disciplina.

Isso agrava também aos professores refletindo-se diretamente no aumento da problemática que se enfrenta no ensino médio. Alunos cada vez mais desinteressados estão bloqueados, o raciocínio lógico não foi desenvolvido de uma maneira satisfatória, e aí o problema se agrava.

Existe a necessidade de uma aprendizagem mais conceitual que pode ser proporcionada com a experimentação que desperta a analise critica e a pesquisa no aluno, além de aprender os conteúdos de forma mais consistente, pois ele construiu aquele conhecimento.

A física no Cotidiano

Com o objetivo de aproximar a Física dos estudantes, os professores podem desenvolver atividades que envolvam a física no cotidiano, ou seja, a física do dia a dia do aluno. Pode ser o movimento dos carros, funcionamento de algum equipamento elétrico ou alguma reportagem cientifica, segundo Vagner e Marilei (2005, p.1).

O ato de experimentar no ensino de Física é de fundamental importância no processo ensino-

aprendizagem e tem sido enfatizado por muitos autores. Esta ênfase por um ensino experimental adiciona-se importantes contribuições da teoria da aprendizagem em busca da contribuição do conhecimento.

Atividades junto a alunos das séries do Ensino Médio para a experimentação, aproximar os estudantes da Física desde a etapa inicial do processo de escolarização, possibilitando uma maior identificação destes estudantes com esta ciência. Tal distanciamento entre a Física e os estudantes vem sendo apontado como uma das possíveis causas pelo rendimento insatisfatório destes estudantes nesta disciplina escolar.

A introdução da física, através da experimentação de fácil compreensão, pode dar aos alunos a motivação para aprenderem essa disciplina, além de colocá-los em contato com a ciência, despertando o pensamento crítico e aperfeiçoando a percepção dos fenômenos por meio da observação. Mas é fundamental a utilização de estratégias metodológicas adequadas, que privilegiem a reflexão e a formulação de hipóteses por parte dos alunos. Segundo Araújo e Abib (2003, p.190),

a utilização adequada de diferentes metodologias experimentais, tenham elas a natureza de

demonstração, verificação ou investigação, pode possibilitar a formação de um ambiente propício

ao

aprendizado de diversos conceitos científicos sem que sejam desvalorizados ou desprezados

os

conceitos prévios dos estudantes. Assim, mesmo as atividades de caráter demonstrativo, ( )

que visam principalmente à ilustração de diversos aspectos dos fenômenos estudados, podem contribuir para o aprendizado dos conceitos físicos abordados, na medida em que essa

modalidade pode ser empregada através de procedimentos que vão desde uma mera

observação de fenômenos até a criação de situações que permitam uma participação mais ativa dos estudantes, incluindo a exploração dos seus conceitos alternativos de modo a haver maiores

possibilidades de que venham a refletir e reestruturar esses conceitos.

O desafio é por manter a curiosidade e o poder de investigação e indagação presentes dos alunos, possibilitando um constante crescimento na forma como os jovens observam e se relacionam com o mundo. Neste sentido, a opção é por desenvolver atividades experimentais de modo a emergir os fenômenos e conceitos relacionados à Física a partir da própria vivencia da criança em seu cotidiano.

Considerações finais

A física é uma disciplina que precisa ser ensinada tanto na teoria quanto na pratica e deve ser contextualizada com a realidade. Sua abordagem deve ser a forma investigativa em que observamos o que esta em nossa volta e tentamos explica utilizando o nosso conhecimento em física.

Essa nova abordagem faz com que os alunos consigam contextualizar o conhecimento que estão aprendendo e interagindo ao mesmo. Fazendo de alunos que somente recebe informação para alunos que construir seu próprio conhecimento, as aulas provavelmente serão mais proveitosas e interativas alem do professor esta contribuindo para a formação de pessoas mais criticas do conhecimento que aprende e provavelmente, futuros pesquisadores.

Referências:

ALVES,Vagner Camarini e STACHAK, Marilei. A Importância de Aulas Experimentais no Processo de Ensino-Aprendizagem em Física: Eletricidade. XVI Simpósio Nacional de Ensino de Física.Rio de Janeiro,2005.

ARAÚJO, M.S.T.; ABIB, M.L.V.S. Atividades Experimentais no Ensino de Física:

Diferentes Enfoques, Diferentes Finalidades. Revista Brasileira de Ensino de Física, vol. 25, no. 2, Junho,2003.

CARVALHO, A. M. P. Introduzindo os alunos no universo das ciências. In: Jorge Werthein; Célio da Cunha. (Org.). Educação Científica e Desenvolvimento: O que pensam os cientistas. Brasília: UNESCO, 2005, v., p. 61-67.

THOMAZ, M.S.A. A experimentação e a formação de professores de ciências: uma reflexão. Caderno Catarinense de Ensino de Física, v.17, n.3, PP.360 -369, 2000.