Sei sulla pagina 1di 21

GUIA PARA ORIENTAÇÃO DO

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO


CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Volta Redonda, 2009


2

DAURO PEIXOTO ARAGÃO


Presidente da Fundação Oswaldo Aranha

JESSÉ DE HOLANDA CORDEIRO JÚNIOR


Reitor do Centro Universitário de Volta Redonda

CLAUDIA YAMADA UTAGAWA


Pró-Reitora Acadêmica

PAULO ANDRÉ DIAS JÁCOME


Coordenador do Curso de Engenharia Elétrica
3

Comissão de Elaboração

Organizadores:

1. MSc. Paulo André Dias Jácome


2. MSc. Mário Arthur de Souza Fontes

Professores Colaboradores:

1. MSc. Sérgio Luiz Taranto de Reis – Coordenador do Curso de Engenharia Civil


2. MSc. Péricles Guedes Alves
3. MSc. Maurício Ferreira Haddad

Secretaria do Curso:

1. Ivana Valéria Ramos


2. Priscila dos Santos Miranda
4

Este guia de orientação foi elaborado, com o objetivo de


orientar os alunos e os professores do Curso de Engenharia
Elétrica da UniFOA, envolvidos com o desenvolvimento do
Trabalho de Conclusão de Curso.
5

SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO ............................................................................................................................ 6
2 DEFINIÇÕES GERAIS ................................................................................................................ 7
2.1 Projeto ou Trabalho Técnico Profissional .............................................................................. 7
2.2 Trabalho Acadêmico Científico ............................................................................................. 7
2.3 Escolha do Assunto ................................................................................................................ 7
2.4 Apresentação .......................................................................................................................... 8
2.5 Conteúdo ................................................................................................................................ 8
2.5.1 Cronograma físico das atividades ................................................................................... 8
2.6 Encaminhamento das Orientações ......................................................................................... 9
2.7 Critérios de Avaliação ............................................................................................................ 9
2.7.1 Avaliação Parcial do TCC............................................................................................... 9
2.7.2 Avaliação Final do TCC ................................................................................................. 9
2.7.3 Os critérios de julgamento dos projetos serão: ............................................................. 10
3 ORGANIZAÇÃO DO PROJETO OU TRABALHO ACADÊMICO ....................................... 11
3.1 Etapas de Construção do Trabalho....................................................................................... 11
4 ORIENTAÇÕES GERAIS ......................................................................................................... 13
4.1 Participação de Cliente (caso haja) ...................................................................................... 13
4.2 Geração da Documentação................................................................................................... 13
4.3 Legibilidade / Clareza do Projeto......................................................................................... 13
4.4 Caso desenvolva software aplicativo para a prática em micro – computador ..................... 13
5 APRESENTAÇÃO DAS DOCUMENTAÇÕES ...................................................................... 14
5.1 Projeto ou trabalho técnico profissional............................................................................... 14
5.1.1 Documentação para análise da Banca Técnica: ............................................................ 14
5.1.2 Apresentação TCC para Banca Técnica........................................................................ 15
5.1.3 Documentação para Registro Acadêmico e Arquivo na Biblioteca Central do UniFOA:
................................................................................................................................................ 15
5.2 Formatação da Documentação ............................................................................................. 16
5.3 Ilustrações da Documentação............................................................................................... 16
5.4 Referencias Bibliográficas ................................................................................................... 17
5.4.1 Utilizada na Documentação (exemplos) ....................................................................... 17
5.4.2 Referencia Bibliográfica para documentos eletrônicos (exemplos) ............................ 17
6 ANEXOS .................................................................................................................................... 18
6

1 INTRODUÇÃO

Esse trabalho foi desenvolvido com a finalidade de fornecer subsídios ao corpo discente
do Curso de Engenharia Elétrica do UniFOA, na elaboração do projeto integrado e de seus
trabalhos acadêmicos de forma padronizada, de acordo com as orientações da ABNT e de acordo
com as recentes publicações do assunto em questão.
O Trabalho de Conclusão de Curso - TCC é item obrigatório para obtenção do grau de
Engenheiro como determina as Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Engenharia –
Resolução n.º 11, de 11 de Março de 2002 do Conselho Nacional de Educação / Câmara de
Educação Superior.
O TCC tem por objetivo o desenvolvimento pelos alunos do curso, individualmente, de
um trabalho ou projeto técnico de acordo com as metodologias e normas de qualquer trabalho
técnico profissional ou de produção científica.
Para a escolha por um projeto ou trabalho técnico profissional será necessário desenvolver
um caso real, sendo finalizado com apresentação da proposta a um cliente contendo um memorial
descritivo técnico, o projeto ou trabalho desenvolvido como produto e a análise de custos
envolvidos incluindo os impostos incidentes, inclusive a margem de lucro de mercado. Esse
projeto tem a perspectiva interdisciplinar, pois abrange diversas disciplinas apresentadas no
curso, por isso estabelece a união de diversos conhecimentos em torno de um único trabalho.
Já no trabalho de produção científica, o termo pesquisa é um procedimento formal, com
método de pensamento reflexivo que requer um tratamento científico e se constitui no caminho
para conhecer a realidade ou para descobrir verdades parciais (Lakatos, 2003).
As pesquisas podem ser classificadas com base nos objetivos ou nos procedimentos
técnicos utilizados. Quanto aos objetivos identificam-se três grandes grupos: a) exploratórias; b)
descritivas; e c) explicativas.
Com relação aos procedimentos técnicos utilizados, inserem-se as pesquisas: a)
bibliográfica; b) experimental; c) levantamento; e d) estudo de caso.
7

2 DEFINIÇÕES GERAIS

2.1 Projeto ou Trabalho Técnico Profissional

O projeto ou trabalho técnico profissional deve se basear em um caso real e, terá que
haver uma referência do solicitante que prestará as informações necessárias no desenvolvimento
do projeto, outro aspecto importante é que o projeto poderá ser realizado para atender uma ação
social comunitária por indicação da Pró-reitoria de Extensão à Coordenação do Curso e em
comum acordo com os órgãos governamentais da região sócio-econômica do Curso, orientadores
e alunos. Podendo ficar a cargo da coordenação do curso convidar ou não os clientes ou a
comunidade na etapa de apresentação do projeto.
A Banca Técnica poderá ou não ficar aberta ao público, esta decisão é da Coordenação do
Curso em comum acordo com os orientadores.

2.2 Trabalho Acadêmico Científico

Trabalho desenvolvido pelo corpo discente, para atender as exigências pedagógicas do


Curso, terá como objetivo atuar de forma integrada aos conceitos desenvolvidos nas disciplinas, e
terá que ser configurado segundo a ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas,
utilizando a Norma NBR 14724:2002. O documento ora produzido deverá ser estruturado sob a
supervisão de um professor orientador.
Na elaboração dos trabalhos acadêmicos do UniFOA, não é necessário que o resumo seja
desenvolvimento em língua estrangeira “Abstract”.

2.3 Escolha do Assunto

A escolha é livre, podendo ser uma aplicação técnica, comercial, financeira,


administrativa ou científica.
8

2.4 Apresentação

A apresentação do projeto deverá ser realizada nas instalações físicas do UniFOA para
apreciação da Banca Técnica de Professores, comunidade envolvida e convidados.
A apresentação deverá ser em mídia no Power-Point com auxílio de Datashow, retro-
projetor ou outro recurso compatível. A criatividade do aluno pode e deve ser utilizada, sem
qualquer restrição, desde a escolha do tema até a forma de apresentação.

2.5 Conteúdo

O conteúdo do projeto deve ser limitado pelo aluno em comum acordo com o seu
orientador, a fim de que o prazo final do projeto seja factível com a apresentação do projeto para
a Banca Técnica, seguindo o calendário escolar e o cronograma proposto abaixo:

2.5.1 Cronograma físico das atividades

ATIVIDADES MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV
A - Preparação do material do projeto;
B - Seminário I – Apresentação do tema escolhido do
trabalho;
C - Revisão da pesquisa bibliográfica;
D – Base teórica, leituras, cálculos, ensaios, visitas;
E – Seminário II – Apresentação do desenvolvimento
do trabalho;
F - Digitação, desenhos, projetos;
G - Revisão geral e arte final do projeto;
H - Entrega do trabalho de projeto final para a banca
examinadora;
I - Preparação para o exame da banca;
J – Seminário III – Apresentação Final.
K – Correções caso haja e entrega final e/ou
reapresentação para banca.
9

2.6 Encaminhamento das Orientações

As orientações aos projetos serão utilizadas de três formas básicas, a saber:

 Apresentação de alguns tópicos de grande importância ao projeto e de


esclarecimento de dúvidas gerais;
 Atendimento ao aluno com planejamento prévio e presença obrigatória, sendo
importante que o aluno planeje e organize suas dúvidas;
 Aula de esclarecimento de dúvidas por aluno. (relacionado ao projeto ou de uso
inadequado da técnica).

2.7 Critérios de Avaliação

2.7.1 Avaliação Parcial do TCC

Será de acordo com a Banca Técnica (Seminários I e II) e com o andamento / rendimento
do aluno, ficando a cargo do(s) orientador(es) a avaliação individual.
A execução de testes ou provas de rendimento individual, poderão também ser aplicados
em qualquer instante, para sanar dúvidas de participação do aluno.

2.7.2 Avaliação Final do TCC

Ao final do projeto, cada aluno efetuará uma apresentação formal do seu trabalho para
uma Banca Técnica (Seminário III).
Após a apresentação do projeto ou trabalho a Banca Técnica fará perguntas ao aluno, que
poderá consultar a documentação do projeto para responder.
10

2.7.3 Os critérios de julgamento dos projetos serão:

a) Visão geral do problema: Percepção do impacto do cliente, para solução dos seus
problemas e benefícios obtidos com o projeto.
b) Cumprimento da Metodologia: Análise e verificação do encadernamento das atividades
segundo orientação definidas pelo curso. O presente manual não impede que o aluno
tenha criatividade, pois este é o essencial na média geral dos projetos.
c) Clareza e coerência: É o uso da simplicidade, concisão e bom senso na exposição do
projeto; compatibilidade no conteúdo e a integração das várias etapas de desenvolvimento
do projeto.
d) Apresentação: Além do valor estipulado pelo conteúdo do projeto ou trabalho e do
envolvimento do aluno no seu desenvolvimento também será computado a padronização
do documento e a mídia apresentada; a organização do aluno; a desenvoltura na exposição
do projeto e o grau de aprofundamento no conteúdo.
e) Conceito Final: Haverá um conceito da apresentação que será único para o aluno sendo a
média das avaliações dos orientadores do projeto conforme avaliação individual no que se
refere ao desenvolvimento (Anexo A-01).
f) Integração com outras disciplinas do Curso: O projeto ou trabalho terá envolvimento
diretamente e indiretamente com diversas disciplinas do curso.
11

3 ORGANIZAÇÃO DO PROJETO OU TRABALHO


ACADÊMICO

Segundo a Norma Brasileira NBR 14724:2002, os trabalhos acadêmicos - similares


(trabalho de conclusão de curso – TCC, trabalho de graduação interdisciplinar - TGI, trabalho de
conclusão de curso de especialização e/ou aperfeiçoamento e outros): Documento que representa
o resultado de estudo, devendo expressar conhecimento do assunto escolhido, que deve ser
obrigatoriamente emanado da disciplina, módulo, estudo independente, curso, programa e outros
ministrados. Deve ser feito sob a coordenação de um Orientador.
A estrutura de tese, dissertação ou de um trabalho acadêmico compreende: elementos pré-
textuais, elementos textuais e elementos pós-textuais.
A estrutura dos trabalhos científicos compreende os seguintes elementos: pré-textuais,
textuais e pós-textuais.

3.1 Etapas de Construção do Trabalho

Capa (obrigatório)
Lombada (opcional)
Folha de Rosto (obrigatório)
Folha de Aprovação (obrigatório)
Dedicatória (opcional)
Agradecimento (opcional)
Epígrafe (opcional)
1ª Fase - Pré-textuais Resumo em língua vernácula (opcional)
Lista de ilustrações (de acordo com as necessidades do Projeto)
Lista de tabelas (de acordo com as necessidades do Projeto)
Lista de abreviaturas e siglas (de acordo com o Projeto)
Lista de símbolos (de acordo com o Pojeto)
Sumário (obrigatório)
12

Introdução Revisão Bibliográfica


Metodologia Análise de Requisitos
2ª Fase - Textuais Desenvolvimento Base Teórica
Conclusão Modelamento
Implementação e testes
Resultados e correlações

Referências Bibliográficas
3ª Fase - Pós-textuais Apêndice (s)
Anexo (s)
Índice
13

4 ORIENTAÇÕES GERAIS

4.1 Participação de Cliente (caso haja)

O papel do cliente no desenvolvimento e aprovação do projeto é fundamental para a


qualidade do projeto, certifique-se do seu real interesse pelo sistema e da sua disponibilidade
para as diversas entrevistas, reuniões e apresentações do produto.
Registrar as reuniões com o cliente em atas, a fim de resguardar a modelagem do Escopo
do Projeto solicitado pelo cliente.

4.2 Geração da Documentação

Cada aluno deve no decorrer do desenvolvimento do projeto ou trabalho, gerar a


documentação do projeto e suas alterações.
É aconselhável o uso de softwares licenciados disponíveis no UniFOA e processador de
texto devido a grande necessidade de alteração na documentação.
As bibliografias utilizadas durante o desenvolvimento deverão ser registradas
automaticamente, pois o seu esquecimento poderá trazer prejuízos posteriores.

4.3 Legibilidade / Clareza do Projeto

A abordagem do projeto deve tanto no conteúdo do projeto como também na apresentação


dos diagramas e descrições. O aluno deve ter sempre em mente que o projeto ou trabalho
será entregue aos profissionais da engenharia, portanto, o mesmo, deverá esclarecer vários
pontos dentro de sua concepção, visando à compreensão do processo com um todo.

4.4 Caso desenvolva software aplicativo para a prática em micro –


computador

Será necessário apresentar os seguintes quesitos:


14

• Acesso ao Sistema (amigabilidade do sistema e segurança ao acesso);


• Esquema geral padronizado:
- de ajuda ao sistema (Help);
- de campo;
- de mapa;
- de teclas / icones programáveis e
- de acesso.
• Esquema de navegação do sistema;
• Atualização de dados;
• Consulta de dados atualizados.

5 APRESENTAÇÃO DAS DOCUMENTAÇÕES

5.1 Projeto ou trabalho técnico profissional

5.1.1 Documentação para análise da Banca Técnica

Uma cópia do trabalho encadernado com espiral disponibilizado para cada um dos
avaliadores da banca examinadora – de acordo com a metodologia e as orientações deste manual,
contendo:

• Visão geral do problema;


• Motivação do desenvolvimento do projeto / trabalho;
• Metodologia empregada;
• Normas pertinentes;
• Alternativas de implementação;
• Alternativa escolhida e sua justificativa;
• Tabelas, gráficos, esboços necessários ao desenvolvimento do projeto;
• Foto da situação que gerou o problema;
15

• Apresentação de relatórios;
• Diagrama de Componentes;
• Requisitos de Segurança;
• Memorial Descritivo;
• Planejamento e cronograma físico-financeiro;
• Manual de utilização de pós-entrega;
• Formulários de impostos a serem recolhidos;
• Relação de documentos de aceitação do cliente e de conclusão dos serviços;
• Projeto o trabalho desenvolvido (Material de Pesquisa);
• Análise dos custos, incluindo os impostos incidentes e a proposta de lucro com
base no mercado.

5.1.2 Apresentação TCC para Banca Técnica

Cada aluno deverá expor o projeto ou trabalho no espaço de tempo de 20 a 30 minutos e


após a exposição terá o tempo que a Banca Técnica julgar necessário para responder os
questionamentos. Os pontos a serem abordados devem estar de comum acordo entre o aluno e o
Orientador do projeto.
A duração da apresentação da parte prática deverá ocorrer de forma dinâmica, e o projeto
ou trabalho será apresentado até a sua conclusão, sendo argüido somente após a conclusão da
apresentação para a Banca Técnica.

5.1.3 Documentação para Registro Acadêmico e Arquivo na Biblioteca Central do UniFOA

Após a aprovação da banca examinadora o aluno terá que entregar a documentação


completa (01 cópia) do trabalho em capa dura de cor preta e letras em ouro (que será
disponibilizado para a Biblioteca do UniFOA). – de acordo com a metodologia e as orientações
deste manual e um CD contendo os arquivos utilizados no projeto e resumo a ser publicado no
“Cadernos UniFOA”.
16

5.2 Formatação da Documentação

a) O trabalho será em folha formato A4 digitado em fonte Times New Roman, tamanho 12
para todo o corpo do texto, observando as exceções específicas indicadas no presente trabalho
(citações, pré-textuais e pós-textuais);
b) As margens do trabalho serão definidas: Superior: 3 cm; Esquerda: 3 cm; Direita: 2 cm;
e Inferior: 2 cm.
c) O espaçamento entre linhas será de 1,5, exceto na ementa (folha de rosto);
d) Citações conforme a NBR 10520:2002;
e) Os parágrafos serão recuados em 1,5cm;
f) A numeração das seções do documento será progressiva conforme a 6024:2003;
e) Segundo a NBR 14724:2002, todas as folhas do trabalho, a partir da folha de rosto,
devem ser contadas seqüencialmente, mas não numeradas. A numeração é colocada, a partir da
primeira folha da parte textual, em algarismos arábicos, no canto superior direito da folha, a 2 cm
da borda superior, ficando o último algarismo a 2 cm da borda direita da folha. No caso de o
trabalho ser constituído de mais de um volume, deve ser mantida uma única seqüência de
numeração das folhas, do primeiro ao último volume. Havendo apêndice e anexo, as suas folhas
devem ser numeradas de maneira contínua e sua paginação deve dar seguimento à do texto
principal.

5.3 Ilustrações da Documentação

Qualquer que seja seu tipo (desenhos, esquemas, fluxogramas, fotografias, gráficos, mapas,
organogramas, plantas, quadros, retratos e outros) sua identificação aparece na parte inferior,
precedida da palavra designativa, seguida de seu número de ordem de ocorrência no texto, em
algarismos arábicos, do respectivo título e/ou legenda explicativa de forma breve e clara,
dispensando consulta ao texto, e da fonte. A ilustração deve ser inserida o mais próximo possível
do trecho a que se refere, conforme o projeto gráfico.
17

5.4 Referências Bibliográficas

5.4.1 Utilizada na Documentação (exemplos)

MARCONI, Mariana de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia


científica. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2003.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: informação e
documentação: referências: elaboração: Rio de Janeiro, ago 2002.
__________.NBR 10520: informação e documentação: citações em documentos: apresentação
Rio de Janeiro, ago 2002.
__________.NBR 14724: informação e documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação: Rio
de Janeiro, ago 2002.
RUDIO, Franz Victor. Introdução ao projeto de pesquisa científica. 31. ed. Petrópolis: Vozes,
2003.
SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 22. ed. São Paulo: Cortez,
2003.

5.4.2 Referencia Bibliográfica para documentos eletrônicos (exemplos)

CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UFPe, 4., 1996, Recife. Anais eletrônicos...


Recife: UFPe, 1996. Disponível em: <http://www.propesq.ufpe.br/anais/anais.htm>. Acesso em:
21 jan. 1997.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria do Meio Ambiente. Tratados e organizações ambientais em


matéria de meio ambiente. In: _____. Entendendo o meio ambiente. São Paulo, 1999. v. 1.
Disponível em: <http://www.bdt.org.br/sma/entendendo/atual.htm>. Acesso em: 8 mar. 1999.

KELLY, R. Electronic publishing at APS: its not just online journalism. APS News Online, Los
Angeles, Nov. 1996. Disponível em: <http://www.aps.org/apsnews/1196/11965.html>. Acesso
em: 25 nov. 1998.
18

6 ANEXOS

FICHA PARA CONTROLE DE ORIENTAÇÃO – TCC (A-01)

I) Nome prof.(ª)orientador(a):__________________________________________________________

II) Nome(s) e matrícula(s) do(s) aluno(s) orientando(s):

Nome: ______________________________________________ Matrícula:___________________

III) Título do trabalho/ pesquisa:


___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________

IV) Dia(s) e Horário(s) para orientação:


a) Dia da Semana: __________________Horário:____________
b) Dia da Semana: __________________Horário:____________
c) Dia da Semana: __________________Horário:____________

ATA DE CONTROLE/ PASSOS DA ORIENTAÇÃO – AÇÕES

SUGERIDAS REALIZADAS NÃO REALIZADAS

Data: Data: Data:

Data: Data: Data:

Data: Data: Data:

Data: Data: Data:

SUGERIDAS REALIZADAS NÃO REALIZADAS


19

Data: Data: Data:

Data: Data: Data:

Data: Data: Data:

Data: Data: Data:

Data: Data: Data:

Data: Data: Data:

V) Grau referente às orientações realizadas nos bimestres:

Nome: ___________________________________________ Matrícula:___________________

1º Seminário =________2º Seminário = ________3º Seminário = ___________ MÉDIA FINAL = ___________

Prof.(ª) Orientador(a)

Em, Volta Redonda _____/_____/2009.

MENSAGEM AOS PROFESSORES ORIENTADORES


20

I- O QUE TRANSFORMA UM PROFESSOR NUM ORIENTADOR?

Primeiro o interesse de construir novos conhecimentos sendo o meio colaborador de


seu(s) aluno(s) orientando(s), formalizando o processo de ensino e aprendizagem, priorizando a
competência e capacitando suas habilidades, possibilitando a ambos reconstruir conhecimentos
como também atuar de maneira real e prática na inter-relação professor/orientador e
aluno(s)/orientando(s), mediado pelo conteúdo do estudo proposto.

Esta formação continuada, cíclica e permanente, deve ser buscada pelo


professor/profissional conhecedor, atuante e capacitado, quanto o aluno em fase de formação e
transformação em um futuro profissional e como tal também servirá como referência.

II- ORIENTAR SIGNIFICA BASICAMENTE:

a) Qualificar o assunto/ tema, o problema e/ou a questão do estudo;


b) Junto com o orientando delimitar o assunto (especificando o tema), justificar a pesquisa,
traçar os objetivos e comprovar as relevâncias social, científica e profissional do estudo;
c) Nortear/ sugerir a literatura atualizada e contextualizada com a(s) questão(es) do estudo
(referência bibliográficas e autores);
d) Elaborar um plano sólido traçando o seguinte:
d.1) Os prováveis capítulos, títulos e subtítulos da pesquisa (o quê não poderia ficar de
fora do texto e do contexto? Pois sem os mesmos o trabalho ficaria incompleto);
d.2) Definir o tipo de pesquisa e sua descrição metodológica;
d.3) Identificar/ classificando:
i. população/ universo, amostra/ grupo de controle, estudo de caso e etc;
ii. Instrumento(s) e material(is), métodos (protocolos), instalações e etc;
iii. Situar a pesquisa no aspecto temporal/ cronológico.
e) Formalizar encontros periódicos para as orientações, tomadas de decisões, cumprimentos
de tarefas academicamente propostas, passos/ rumos e prováveis intervenções;
f) Construir as bases para as futuras discussões dos resultados obtidos no decorrer da
pesquisa, norteado pela questão(es) do estudo, passando pela literatura e possibilitando
21

um posicionamento do autor(es) em “COMPROMETIMENTO” com o professor/


orientador, para que cheguem as considerações finais.

III- SEGUNDO DEMO, P. (2000, p.99), ORIENTAR RESUMIDAMENTE SIGNIFICA:

a) motivar o aluno a questionar e a reconstruir conhecimento, cada vez com maior


originalidade e autonomia;
b) indicar pistas de pesquisa, chamar a atenção para alternativas teóricas e práticas, discutir
literatura;
c) estimular para a auto-suficiência, não para a dependência; não se pode oferecer receita
pronta, leitura encurtada, respostas feitas;
d) questionar o aluno, para instigá-lo a abrir horizontes; a cada pergunta do aluno, o
orientador, em vez de respostas facilitadas ou arranjadas, acrescenta outras;
e) acompanhar a evolução da pesquisa e da elaboração própria, de preferência em fases
cumulativas, para permitir maior controle e organização;
f) avaliar sobretudo pela capacidade produtiva, mesmo que não concluída de todo, mas
denotativa de competência em visível formação.

IV- RECOMENDAÇÕES FINAIS:

O processo para a construção do conhecimento se legitima pelas possibilidades do HOMEM


em USAR, CRIAR e POSICIONAR sobre os mesmos. E que na graduação não buscamos
trabalhos e temas originais e inéditos, mas sim a confirmação e aprofundamento do(s) saber(es) e
de verdades temporárias, hoje aceitas pela comunidade acadêmica.

Paulo André Dias Jácome – M.Sc.