Sei sulla pagina 1di 188

CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA

COZINHA ITALIANA
2015/1
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Sumário
INTRODUÇÃO ........................................................................................................................................ 6
PIEMONTE ........................................................................................................................................... 10
VITELLO TONNATO ALLA PIEMONTESE ................................................................................................... 19
RISOTTO CON FEGATINI DI POLLO E SALVIA ............................................................................................ 21
BONET PIEMONTESE ............................................................................................................................... 22
BAGNA CAODA ....................................................................................................................................... 23
LOMBARDIA......................................................................................................................................... 24
CREMA DI ASPARAGI ALLA MILANESE ..................................................................................................... 31
OSSOBUCO ALLA MILANESE CON GREMOLATA E RISOTTO ALLO ZAFFERANO ....................................... 32
ZABAIONE GRATINATO ALLE FRAGOLE E AMARETTI ............................................................................... 35
VENETO ............................................................................................................................................... 36
CARPACCIO DI CIPRIANI .......................................................................................................................... 44
RISOTTO NERO ........................................................................................................................................ 45
BACCALÀ MANTECATO ........................................................................................................................... 46
COSTINE DI MAIALE CON CAVOLO VERZA ............................................................................................... 48
LIGURIA ............................................................................................................................................... 49
MINESTRONE ALLA LIGURE ..................................................................................................................... 56
GNOCCHETTI DI RICOTTA AI FUNGHI ...................................................................................................... 57
BAVETTE CON PESTO .............................................................................................................................. 59
CONIGLIO CON LE OLIVE ......................................................................................................................... 60
TROFIE CON SALSA DI NOCI..................................................................................................................... 61
STOCCAFISSO ALLA MARINARESCA ........................................................................................................ 62
TOTANI RIPIENI CON PROSCIUTTO ......................................................................................................... 63
PESCHE RIPIENE CON AMARETTI ............................................................................................................ 65
TORTA PASQUALINA ............................................................................................................................... 67
EMILIA ROMAGNA ............................................................................................................................... 71
PIADINA .................................................................................................................................................. 83
TORTELLI DI ZUCCA ALLE MANDORLE ..................................................................................................... 84
CREMA DI LENTICCHIE CON MALTAGLIATI E VONGOLE .......................................................................... 85
ZAMPONE E COTECHINO CON LENTICCHIE ............................................................................................. 88
PARMIGIANO PASTELLATO AL BALSAMICO ............................................................................................ 89
RAVIOLO ALL’UOVO CON BURRO TARTUFATO ....................................................................................... 91
LASAGNA VERDE CON RAGÙ ALLA BOLOGNESE ..................................................................................... 93
PANNA COTTA AI FRUTTI DI BOSCO ........................................................................................................ 96
TOSCANA ............................................................................................................................................. 97
BRUSCHETTA COL POMODORO ............................................................................................................ 105
PANZANELLA......................................................................................................................................... 106
PAPPA AL POMODORO ......................................................................................................................... 107
PAPPARDELLE CON RAGÙ DI CONIGLIO ................................................................................................ 108
TRIPPA CON FAGIOLI CANNELLINI E PARMIGIANO ............................................................................... 110
CANTUCCINI DI PRATO ......................................................................................................................... 112

2
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

LAZIO ................................................................................................................................................. 113


MINESTRA DI CECI E COSTINE DI MAIALE .............................................................................................. 120
SPAGHETTI ALLA CARBONARA .............................................................................................................. 121
SALTIMBOCA ALLA ROMANA ................................................................................................................ 122
PORCHETTA ALLA ROMANA ................................................................................................................. 124
CAMPANIA......................................................................................................................................... 126
MOZZARELLA IN CARROZZA .................................................................................................................. 133
LINGUINE AI FRUTTI DI MARE ............................................................................................................... 134
CANNELLONI ALLA SORRENTINA .......................................................................................................... 136
PASTIERA DI GRANO ............................................................................................................................. 139
TORTA CAPRESE .................................................................................................................................... 141
FRITTO MISTO DI MARE ........................................................................................................................ 142
GATTÒ DI PATATE ................................................................................................................................. 143
PASTA AL FORNO CON POLPETTINE ...................................................................................................... 144
STRUFFOLI ............................................................................................................................................ 146
ZEPPOLE DI SAN GIUSEPPE ................................................................................................................... 148
PUGLIA .............................................................................................................................................. 150
COZZE GRATINATE ................................................................................................................................ 156
PANZEROTTI CON SCAMORZA E POMODORO ...................................................................................... 157
ORECCHIETTE CON ACCIUGHE E CIME DI RAPE ..................................................................................... 159
TARALLO .............................................................................................................................................. 161
CRUSTOLI .............................................................................................................................................. 163
SICILIA................................................................................................................................................ 164
CARPACCIO DI TONNO CON INSALATA DI FINOCCHIO ED ARANCE ....................................................... 172
CAPONATA ........................................................................................................................................... 174
CAVATELLI ALLA NORMA ...................................................................................................................... 176
SFINCIUNI ............................................................................................................................................. 178
ARANCINI DI RISO CON FUNGHI ............................................................................................................ 180
BUSIATI COL PESTO TRAPANESE ........................................................................................................... 183
PARMIGIANA DI MELANZANE ............................................................................................................... 185
CANNOLI ............................................................................................................................................... 186
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .......................................................................................................... 188

3
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

4
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

5
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

INTRODUÇÃO
A Itália é um país europeu, localizado no sul do continente, ocupando a
totalidade da Península Itálica, além das ilhas da Sardegna e Sicilia. Seu relevo
é marcado pelos Alpes e a planície do rio Pó, ao norte, e pela cadeia
montanhosa dos Apeninos que corta quase toda a sua extensão, de norte a sul.
Sua capital é Roma, maior cidade do país, localizada na região central italiana,
onde está inserido o Vaticano, centro da igreja católica.
Possui o formato aproximado de uma bota e, por esse motivo, os italianos
chamam-na de “lo stivale” (a bota).

Foi terra de importantes civilizações como os etruscos, fenícios, gregos e os


romanos. Durante 3000 anos, experimentou migrações e invasões dos povos
celtas, sarracenos, normandos, árabes, germanos, espanhóis, francos e outros.
Foi palco da maior manifestação cultural da história, o Renascimento, evento
que marca o fim da idade média.

A Itália era formada por muitas cidades-estado independentes, antes da sua


unificação, em 1861, quando foi criada a Itália como um estado-nação. Hoje é
chamada “il Belpaese” (o belo país), devido à beleza e a variedade das suas
paisagens e por ter o maior patrimônio artístico do mundo.

Após a unificação italiana, deu-se início à questão da unidade nacional.


Massimo Dazeglio, escritor e político do primeiro parlamento da recém nascida
nova Itália, disse em 1864: “Fizemos a Itália. Agora temos que fazer os
italianos”. De fato, os “regionalismos”, marcados pela história milenar das
cidades-estado italianas, continuam até hoje, pois, para criar a nação não
bastou unir no mapa o que séculos de história e de culturas diferentes
mantiveram separados. Ainda hoje, cada italiano se sente íntima e

6
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

primeiramente cidadão da sua região. Considera-se piemontês, veneto,


lombardo, siciliano, etc. e só em seguida italiano.
Cada pequena cidade tem sua história que se encaixa na história do país.
Desde a idade média, todas representavam um pequeno estado que se
desenvolveu, autonomamente, do ponto de vista político, social, cultural e
linguístico, e é por isso que a Itália conta uma riquíssima cultura estampada na
arquitetura, nas artes, no grande número de dialetos e na incrível gastronomia.

Em nenhum outro lugar as características gastronômicas são tão marcadas e


diversas como na Itália. Algumas podem ser mais amplas, como a divisão em
relação ao uso da gordura: de origem animal, manteiga, no norte, e de origem
vegetal, azeite, no centro e sul. Outras são muito mais restritas, como o uso de
alguns ingredientes ou preparações limitadas a pequenas cidades, mesmo que
hoje algumas já tenham se espalhado por todo o território italiano, bem como
pelo mundo, como é o caso da pizza ou da mortadella.

Apesar das diferenças, o amor pela comida é comum a todo italiano. Na Itália
fala-se sobre a comida o tempo todo. Nenhum assunto é tão importante. No
café da manhã discute-se o que comer no almoço e, no almoço, o que comer
no jantar. No entanto, quando falam sobre comida, não estão falando
simplesmente sobre ingredientes ou receitas, mas sobre fórmulas mágicas!

Já disseram que o homem é aquilo que come, e isso é uma premissa


indiscutível sobre o povo italiano. Para ele, o prazer de comer é elevado a níveis
inimagináveis e deflagra discussões sem fim. O orgulho que sentem da sua
região é expresso pelas receitas e ingredientes vindos da sua cidade natal, da
sua família.

Os italianos discordam sobre tudo entre si, no entanto, a paixão e orgulho pela
sua comida é um elemento de união.

7
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Um dos pontos que todos concordam é em relação ao frescor e a qualidade dos


alimentos. Carnes ou peixes congelados, nem pensar. O italiano foge de
produtos congelados, como o diabo foge da cruz. Verduras, legumes e frutas
são consumidos na sua época, e por isso têm sabor muito mais marcante e
concentrado. Não são encontrados em outros meses. São produtos sazonais e
ponto final, nada de importações ou plantios em estufas. Eles esperam ansiosos
pelo momento em que poderão usufruir de determinado produto, no seu tempo
certo. O grau de maturação dos queijos e embutidos são levados em conta para
a preparação em que serão empregados. Nas cozinhas de restaurantes mais
refinados, que aceitam o uso de produtos de outras regiões, são usados azeites
de diferentes locais da Itália, para valorizar características dos ingredientes
empregados.

A cozinha italiana em geral é muito simples, calcada na valorização do


ingrediente, do produto in natura. Um peixe pode levar apenas azeite, alho, sal
e manjericão na sua preparação. Simples assim, mas o sabor é intenso, devido
à qualidade dos produtos. O mesmo produto, como azeite ou tomates,
dependendo da região de procedência, tem sabor completamente diverso. O
terroir na Itália é muito importante e isso é muito valorizado. Cebola de Tropea,
tomate de Pachino, azeitona da Liguria, tartufo de Alba, mozzarella da
Campania, massa de Gragnano, pão da Toscana, chocolate de Torino, orégano
da Sicilia, pistache de Bronte, mortadella de Bologna, presunto de Parma,
mostarda de Cremona, pimenta da Calabria, bottarga da Sardegna, aceto
balsamico de Modena. Existe uma infinidade de especialidades de cada região,
de cada cidade.
Muitos desses produtos derivam do uso que os italianos fazem de tudo que
pode ser consumido, seja dos animais ou dos vegetais. Nada é desperdiçado ou
jogado fora. Cabeça, língua, tendões, pulmões, coração, fígado, rabo, cérebro,
lábios, úbere, rins, pâncreas, estômago, intestino, testículos. Usam tudo com
inteligência e delicadeza, transformando-os em especialidades incríveis.

8
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Apesar desse imenso prazer pela comida, ao contrário do que se possa


imaginar, o povo italiano não é obeso. São adeptos, principalmente na região
central e sul da Itália, da cozinha rápida e leve, saborosa e perfumada, gostosa
e nutritiva, a chamada dieta mediterrânea, que tem como pilares o uso de
verduras, legumes, frutas, massas e pães, carnes magras, peixes, azeite e
vinho, ricos em polifenóis, que previnem doenças cardiovasculares e alguns
tipos de câncer. Devido à sua vasta costa marítima e ao seu grande número de
lagos, os italianos, depois dos japoneses, são os maiores consumidores de
peixes de todo o mundo, com o consumo por habitante de 25 kg por ano.
Possuem 500 variedades de peixes, 70 de crustáceos e 30 de cefalópodes. Os
chamados peixes azuis, sardinha e anchovas por exemplo, que contém o
aclamado Ômega 3, que combate o colesterol, são consumidos em rápidas
preparações, salgados ou crus, garantindo maior absorção desse componente.

Ingerem grandes quantidades de legumes e verduras cruas, até mesmo


ervilhas ou alcachofras, normalmente consumidas cozidas, obtendo assim a
ingestão da totalidade das suas vitaminas e outros nutrientes. As massas
devem ser cozidas al dente, porém, se por algum descuido, cozinharam um
minuto a mais, não podem ter outro destino que o lixo. Desprezam a junk-food
americana!

Resumindo, a cozinha italiana foi definida pela contribuição de séculos de


domínios e influências de outras culturas e povos, bem como do clima e
geografia, determinando características extremamente regionais. Hoje a
gastronomia tem forte importância na economia da Itália, sendo o turismo
enogastronômico o maior produto italiano.

9
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

PIEMONTE

OBJETIVOS DA AULA

Conhecer características históricas, geográficas e gastronômicas da Itália


e do Piemonte;
Relacionar as principais diferenças gastronômicas entre o norte e o sul
da Itália;
Conhecer o tartufo bianco d’Alba;
Utilizar técnicas italianas para o preparo do risotto;
Identificar os principais produtos da região.

TERMOS CHAVE:

Tartufo d’Alba
Funghi
Arroz Arbório
Tostatura
Mantecatura

10
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

11
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Literalmente, Piedemonte, “ao pé das montanhas”, região entre os Alpes e os


Apeninos. Onde se destacou a Casa Savóia, dinastia que, a partir de 1040,
dominou a área que correspondia ao território do Piemonte e parte da França,
depois, em 1720, foram proclamados reis da Sardegna e, após a unificação da
Itália, em 1861, Vitorio Emanuelle II tornou-se rei da Itália, domínio que durou
até 1922, quando Mussolini instaurou o fascismo, porém continuaram como reis
até a proclamação da república, em 1946.

Terra dos tartufos e funghi, avelãs e caças, queijos e arroz, da Fiat e Olivetti,
Ferrero e Martini. A região do Piemonte é a mais ocidental da Itália e faz divisa
com a França a oeste, com o Vale d’Aosta e a Suíça ao norte, com a Lombardia
ao leste e com a Liguria e a Emilia Romagna, ao sul.

A cozinha piemontesa sofreu influência francesa e a influenciou, resultando em


elegância, refinamento e sobriedade dos piemonteses, refletindo na cozinha
camponesa que eleva seus pratos a verdadeiras obras de arte. Suas
especialidades passam da Bagna Caoda, espécie de fondue de legumes
banhados com molho quente de anchovas, alho e azeite, aos famosos queijos
Castelmagno e Gorgonzola, gordos e imponentes, feitos de leite de vaca e
curados em cavernas.

Apesar do reconhecimento mundial do Gorgonzola ou dos seus vinhos Barbera,


Barbaresco, Barolo e Moscato D’Asti, nada é mais cultuado que os preciosos
Tartufi Bianchi D’Alba. Os romanos, apreciadores da iguaria, acreditavam que
eles cresciam no sopé das árvores atingidas pelos raios de Júpiter, o senhor das
forças da natureza.
O tartufo, trufa em português, é algo intermediário entre um fungo e um
tubérculo que não pode ser cultivado e deve ser “caçado” com o auxílio de cães
treinados que chegam a custar 20 mil euros. Antes eram usados porcos, mas
foram substituídos, pois estes comiam os tartufos quando eram encontrados. É
uma iguaria muito cara, pois, além de não poder ser cultivada, desenvolvem-se

12
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

apenas em algumas regiões da Itália e França. Porém, os mais famosos e


apreciados, por seu aroma inebriante e muito intenso, são os da cidade de
Alba, no Piemonte.
Brillat-Savarin em seu livro “A Fisiologia do Gosto” defini o tartufo, apesar do
seu aspecto disforme, como o diamante da cozinha.
Além do tartufo bianco, que chega a custar 6500 euros o quilo, existe também
o tartufo nero, que é mais barato, pois possui aroma bem menos intenso.
Devem ser consumidos em até 10 dias depois de encontrados para que se
aproveite ao máximo seu sabor e perfume singulares.
São utilizados crus em finas lâminas sobre polentas, ovos, massas com
manteiga ou fonduta, creme de queijo, e também são produzidos muitos
produtos com os tartufos, usado como agente aromatizante: conservas,
cremes, molhos, mel, queijos, salames, manteiga, azeites, vinagres, massas,
etc.

Apesar da riqueza que seus dois produtos mais valorizados oferecem, os


piemonteses convivem com um dilema: tartufo bom, vinho ruim, e vive e versa.
Esse lamento acontece porque o tartufo necessita de um verão chuvoso para
desenvolver-se no outono, enquanto o vinho de um verão seco e quente para
que a uva amadureça proporcionando excelentes resultados.

Torino, capital do Piemonte, cujo nome tem origem em uma tribo chamada
Taurini que foi dizimada pelos Celtas no século IV a.C., é sem dúvida a capital
do chocolate na Itália, onde foi inventado o chocolate doce na Europa, ao
contrário do que dizem os Suíços, e, em Alba, é onde está localizada a fábrica
da Ferrero, criadora e produtora do viciante creme de chocolate e avelãs, a
Nutella, inventada para combater a americana manteiga de amendoim. No
nome foi usado o radical Nut, nozes em inglês, e adicionaram Ella para
“italianar”!

13
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Outros pratos importantes da cozinha piemontesa são:

Bollito Misto
Feito com sete cortes de carne e sete miúdos de espécie bovina característica
da região, sete vegetais e sete molhos diversos para acompanhar.

Panissa
Risotto com feijão e carne de porco.

Grissini
Criados no ano de 1668 em Torino para o Duque de Savoia que, devido a
problemas digestivos, tinha na sua dieta restrição ao miolo de pão,
necessitando de um pão que fosse pura casca.

Agnolotti
Um tipo de ravioli, recheado com carne e couve moídas e especiarias.

Zabaione
Creme de gemas e vinho.

Biscoitos Amaretti e Savoiardi

14
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

RISOTTO

Mais um produto importante da região é o arroz. Seu extenso cultivo é feito nas
planícies alagadas do rio Pó, não só no Piemonte, mas em todo o norte da
Itália. Teve início na idade média, após a Peste Negra que abalou a Europa,
mas foi intensificado a partir do século XIX. Foram construídos canais para
permitir a irrigação das plantações, fato que elevou a Itália a maior produtor de
arroz da Europa, com 1300 toneladas anuais, seguido pela Espanha. A maior
zona produtora concentra-se nas regiões de Vercelli e Novara, províncias
piemontesas, em Pavia, província de Milano, no Veneto e em Oristano,
província da Sardegna.

O arroz é um cereal da família das gramíneas, que é semeado na primavera e


após 6 meses pode ser colhido.
Os gregos o chamavam de “o estranho trigo que nasce entre os rios” e os
romanos o utilizavam como especiaria ou medicamento. A partir do sec. IX, por
intermédio dos árabes, que o cultivo do arroz na Europa se intensificou, a partir
da Espanha, França e Itália.

O arroz italiano é arredondado e tem sua origem dos grãos japoneses. Sua
tipologia divide-se em 4 categorias:
• Riso Comune: é muito pequeno, tem cocção rápida e é bastante usado
para sopas e doces.
• Riso Semi Fino: um pouco maior que o comum e mais arredondado, é
mais usado na região do Veneto. Tem muito amido e boa absorção de
líquidos. O mais conhecido é o Vialone Nano.
• Riso Fino: é alongado e estreito. Tem menos amido e é usado para
saladas ou pilaf. O mais difundido é o Sant’Andrea.

15
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

• Riso Super fino: tem mais amido, são maiores e o percentual de


quebra é bem mais baixo. O mais utilizado na Itália é o Carnaroli, que
resiste mais tempo à cocção, não perdendo o ponto “al dente”. O
Arbório, mais difundido fora do território italiano, tem mais amido e é
mais fácil de “mantecar”. Outros tipos: Roma e Baldo.

Pode ser chamada de risotto, a produção em que o arroz, no processo de


cocção, libera a amilopectina, amido encontrado no exterior do grão, que
propicia um resultado cremoso. Qualquer produto comestível pode dar sabor ao
risotto: queijo, peixes, carnes, aves, verduras, legumes ou, até mesmo, frutas.
As variedades são incontáveis: o Risotto alla Piemontese é feito com Barolo e
Funghi, o de Vercellli é usada a rã, Alla Milanese entra o açafrão.
O processo de preparação do risotto exige tempo e atenção. A verdade é que
não existe prato em que a cumplicidade entre a comida e o cozinheiro seja
maior!

Como preparar um risotto perfeito:


• Fazer um excelente fundo, sem salgá-lo, que deve sempre estar em
simmer para a produção do risotto. Deve ter sabor muito delicado, pois,
como acontecerá uma grande evaporação do mesmo, seu sabor poderá
ficar muito acentuado no final do processo e mascarar o sabor dos
ingredientes principais.
• Em uma panela de fundo amplo e grosso, para que haja uma cocção
uniforme do arroz, suar a cebola, ou outros aromáticos, na manteiga
e/ou azeite, em fogo brando, para liberar o sabor e perder sua acidez.
• Tostatura: aumentar a intensidade do fogo e adicionar o arroz. Mexer
constantemente até que ele fique bem brilhante. Esse processo cria uma
proteção nos grãos e permite que eles cozinhem sem que se quebrem ou
se desfaçam, além de começar a liberar seu amido. Ainda evita que
grudem no fundo da panela durante o processo de cocção.

16
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

• Colocar o vinho e evaporá-lo bem, até que o arroz quase grude no fundo
da panela.
• “Molhar” o arroz com o fundo, somente até cobrí-lo, sempre com o fogo
alto, mexendo constantemente, mas não a todo o momento,
acrescentando mais fundo assim que for necessário. O líquido da panela
deve ser sempre denso e cremoso, e não muito líquido ou muito seco.
Se não for feito esse processo de cocção, o resultado poderá ser bom,
mas não terá a liberação suficiente de amido e não poderá ser chamado
de risotto.
• Adicionar um pouco de sal após 3 ou 4 minutos de cocção.
• Depois de aproximadamente 14 a 18 minutos do começo da adição de
fundo, dependendo do seu tipo, o arroz deverá estar “al dente”,
resistente à mordida, ou, como dizem os italianos, ter a “alma bianca”,
ou seja, um ponto branco no centro do grão. Neste momento inicia-se o
processo de “mantecatura” que é a adição de gordura, normalmente
manteiga fria, e do queijo parmesão bem envelhecido, misturando
freneticamente o risotto, para emulsionar o líquido. Deve ser feita fora
do fogo.
• Esperar 1 ou 2 minutos antes de servir, não mais!
• O resultado deve ser cremoso e com grãos íntegros e bem visíveis.
Lembre-se: à mesa, as pessoas esperam o risotto e nunca o contrário!

Algumas dicas:
• Dependendo do tipo de restaurante, você pode optar por fazer uma pré-
cocção do arroz, utilizando um fundo neutro, resfriá-lo rapidamente e
finalizá-lo no momento do pedido, ao invés de fazê-lo do começo, no
momento do serviço.

17
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

• Em grandes eventos, para muitas pessoas, risottos não são uma boa
opção para o cardápio porque são difíceis de administrar a relação
tempo de cocção x serviço, porém, se optar por fazê-lo, use várias
panelas para fazer o risotto, começando sua produção com intervalos de
5 minutos, assim, sempre terá risotto perfeito para ser servido.
• Para risottos à base de peixe, proceder a mantecatura com azeite e com
pouco ou nenhum queijo.
• Se os ingredientes escolhidos para dar sabor ao risotto forem muito
“pedaçudos”, pode ser mais difícil de mantecar, para resolver este
problema pode-se usar alternativas como, por exemplo, num risotto de
alcachofra, ao invés de colocar toda a quantidade de alcachofra em
pedaços, coloque uma parte em forma de purê.
• Uma boa alternativa para o uso de sobra de risotto é fazer o riso al salto
ou o arancino siciliano.
• Use um aro para servir o risotto, o resultado será mais bonito e elegante.
Mas cuidado, o risotto não pode ficar enformado, ele deve escorrer de
forma regular devido à sua cremosidade.

18
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

VITELLO TONNATO ALLA PIEMONTESE


(Vitelo com Molho de Atum)

Vitello
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Cenoura 60 Gramas
Cebola Pera 60 Gramas
Salsão 80 Gramas
Patinho de Vitelo 220 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Modo de Preparo:
1. Preparar um fundo de vegetais com a cenoura, a cebola e o salsão
cortados rusticamente.
2. Após 20 minutos acrescentar a carne temperada e deixar cozinhar por
cerca de 20 minutos ou até estar macia.
3. Retirar a carne do caldo, escorrer, resfriar e cortar em fatias muito finas.
Reservar.

Molho e Finalização

Ingredientes Quantidade Unidade de Medida


Atum em Óleo 120 Gramas
Alcaparras 30 Gramas
Filés de Anchova 04 Unidades
Maionese 100 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Rúcula Selvagem 1/6 Maço
Azeite Extra Virgem 10 Mililitros

19
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Modo de Preparo:
1. Preparar o molho processando o atum, metade das alcaparras, as
anchovas e a maionese, alongando com um pouco do fundo.
2. Distribuir as fatias de vitelo sobre o prato.
3. Dispor o molho sobre a carne.
4. Decorar com as alcaparras restantes e a rúcula temperada com azeite e
sal.

20
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

RISOTTO CON FEGATINI DI POLLO E SALVIA


(Risoto com Fígado de Frango e Sálvia)
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Fígado de Frango 40 Gramas
Conhaque 20 Mililitros
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Manteiga Integral Sem Sal 30 Gramas
Cebola Pera 40 Gramas
Arroz Arbório 150 Gramas
Vinho Tinto Seco 50 Mililitros
Sálvia Fresca Q.B. Maço
Fundo Escuro Bovino 01 Litro
Manteiga Integral Sem Sal 40 Gramas
Queijo Grana Padano 50 Gramas
Modo de Preparo:
1. Limpar os fígados e cortá-los finamente. Marinar no conhaque por alguns
minutos.
2. Temperar e saltear com um pouco de manteiga. Reservar.
3. Numa panela de fundo grosso, colocar a manteiga, suar a cebola em
brunoise fina e tostar o arroz.
4. Aromatizá-lo com o vinho até a evaporação.
5. Adicionar os fígados e metade da sálvia picada.
6. Continuar a cocção, adicionando pouco a pouco o fundo escuro fervente,
até obter o cozimento al dente.
7. Desligar o fogo, realizar a mantecatura com a manteiga gelada em cubos
e o queijo ralado. Cobrir com a outra metade da sálvia.
8. Servir imediatamente.

21
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

BONET PIEMONTESE
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Leite Integral 200 Mililitros
Café Solúvel 01 Gramas
Chocolate Meio Amargo 20 Gramas
Ovo Tipo Extra 02 Unidades
Açúcar Refinado 40 Gramas
Cacau em Pó 20 Gramas
Rum Escuro 10 Mililitros
Biscoito Amaretto 50 Gramas
Para o Caramelo:
Açúcar Refinado 100 Gramas
Água 50 Mililitros
Modo de Preparo:
1. Fazer um caramelo com 100g de açúcar e 50ml de água e untar os
ramequins. Reservar.
2. Aquecer o leite e o café até a fervura. Fora do fogo, acrescentar o
chocolate picado finamente. Misturar bem para homogeneizar e reservar.
3. Em um bowl, misturar com o fouet 40 gramas de gemas (02 unidades)
com o açúcar, acrescentar o cacau, o rum e os amarettos triturados e
misturar novamente.
4. Bater em neve, não muito firme, 45 gramas de claras (1,5 unidades).
5. Juntar o leite morno ao composto de gemas. Acrescentar as claras em
neve, misturando delicadamente.
6. Colocar o creme nos ramequins untados com o caramelo.
7. Assar em banho Maria, em forno pré-aquecido a 160ºC, por cerca de 45
minutos.
8. Depois de frio, desenformar e servir.

22
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

BAGNA CAODA (Para toda a turma)


Bagna Caoda
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Alho in Natura 05 Cabeças
Filés de Anchova 250 Gramas
Azeite Extra Virgem 400 Mililitros
Manteiga Integral sem Sal 100 Gramas
Modo de Preparo:
1. Cortar o alho em brunoise fina e os filés de anchova rusticamente.
2. Numa panela, colocar o azeite, a manteiga, o alho e os filés de anchova.
3. Levar ao fogo brando e cozinhar por cerca de 20 minutos, sem que ferva
e o alho doure. Reservar.

Acompanhamento e Serviço
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Filé Mignon Bovino Limpo 300 Gramas
Pimentão Vermelho 01 Unidade
Pimentão Amarelo 01 Unidade
Cebola Pera 02 Unidades
Beterraba 01 Unidade
Abobrinha Italiana 02 Unidades
Erva Doce Fresca 02 Unidades
Pão Italiano em Filão 1/3 Unidade
Modo de Preparo:
1. Limpar e cortar o filé mignon em fatias finas.
2. Cortar os vegetais conforme orientação do chef.
3. Cozinhar o pimentão vermelho e a cebola. Assar a beterraba. Grelhar a
abobrinha. Cortar o pão em cubos e tostar levemente no forno.
4. Servir a Bagna Caoda quente com os acompanhamentos.

23
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

LOMBARDIA

OBJETIVOS DA AULA

Conhecer características históricas, geográficas e gastronômicas da


Lombardia;
Identificar os principais cultivos e criações do norte da Itália;
Conhecer a produção do queijo Grana Padano;
Reconhecer as denominações italianas para o gado bovino;
Identificar os principais produtos da região.

TERMOS CHAVE:

Gremolata
Manteiga
Arroz Carnaroli
Grana Padano
Vitello

24
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

25
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Lombardia, nome herdado dos lombardos, que em alemão - Langbärte – quer


dizer “longas barbas”. Foi um povo bárbaro vindo do norte da Europa, da
Escandinávia, que em 569 derrotaram os bizantinos e dominaram a região por
2 séculos. Quando se revoltaram contra a igreja, indo contra o papa, este se
uniu aos Francos, que dominaram a região. Desde esse momento a igreja teve
papel importante e decisivo na história da região e de toda a Itália, “vendendo-
a” para quem mais lhe interessasse. O governo dos Francos desenvolveu o
sistema de feudos, que dominaria a Europa no período medieval. A partir do
século XV, a Lombardia passou por vários domínios: francês, espanhol,
austríaco, novamente francês com Napoleão, mais uma vez austríaco, até que
em 1859 conseguiu expulsar os estrangeiros e voltou a ser independente.

Após os problemas que passou com a peste negra, no século XVIII, hoje é a
região mais desenvolvida e rica da Itália. Milano é um grande centro comercial,
industrial e financeiro, com sedes de empresas como a Pirelli, Alfa Romeo,
Campari, Telecom. Muito importante pelo seu patrimônio artístico, além de ser
considerada a capital mundial da moda, junto com Paris e Nova York. Centro
econômico do país, é a segunda cidade mais populosa da Itália, depois de
Roma, com 1.300.000 habitantes.

A Lombardia possui uma das mais variadas cozinhas da Itália, devido às


fronteiras que faz com a Suíça ao norte, o Piemonte a oeste, a Emilia-Romagna
ao sul e o Veneto a leste, além das influências dos povos que a dominaram,
porém, não é tão conhecida ou renomada como de outras regiões. A ausência
das oliveiras e os grandes pastos, e consequentes criações de gado, fizeram
com que sua cozinha fosse calcada no uso da manteiga e não do azeite. A
cozinha lombarda adquiriu aspectos da cozinha dos Alpes, muito protéica e
gorda, bem como a de planícies, com o uso de carboidratos – massa e,
principalmente, arroz. Consomem muito o ossobuco e pratos à base de tripas. A
cozinha de mar é a grande lacuna, por não ter costa marítima, apesar de hoje
em dia, com o importante mercado de peixes de Milano, muitos restaurantes

26
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

fazerem-na com maestria, no entanto, ainda não pode ser dita como
tradicional. Porém, a região dos lagos - Maggiore, Como, Garda e Lecco -
denota uma cozinha de peixes de água doce muito importante, fritos ou em
vinagre e ainda secos, usados também na preparação de risottos.

Existe, ainda, reflexos em sua cozinha da influência francesa, em pratos como a


cassoela, semelhante ao pot-au-feu francês, um prato substancioso tipicamente
invernal, composto por vários cortes de carnes de porco (orelhas, pele, pé,
rabo, focinho, costelas), que são cozidos junto com repolho, cenoura, salsão e
cebola. Determinante, também, foi a presença dos espanhóis, que dominaram a
região nos séc. XVI e XVII, e deixaram a herança do açafrão, influenciando o
Risotto alla Milanese, enquanto os austríacos, que a governaram nos séc. XVIII
e XIX, trouxeram a preparação que ficou conhecida como Cotoletta alla
Milanese. Os milaneses contestam dizendo que a sua é que influenciou a
austríaca. Por ser uma cidade cosmopolita, hoje Milano possui restaurantes
étnicos de todas as partes do mundo, com destaque para os restaurantes
chineses, presentes a mais de 60 anos.

A vida frenética dos milaneses faz com que a sua alimentação seja diferente do
resto da Itália, feita de forma rápida e frenética. Certa vez disse Enrico
Bertolino, famoso artista italiano: “alguns lombardos só alimentam-se porque os
remédios anti stress precisam do estômago cheio”. Ao contrário do que
acontece na Toscana, com a bisteca alla Fiorentina – imenso pedaço de carne
assada na brasa -, os lombardos fazem a tagliata, carne cortada em fatias finas,
cozidas por 2 minutos, que não é nem preciso mastigar. Conhecida como a
cidade das polpettas, os milaneses desenvolveram grandes pratos a partir das
sobras do dia anterior, como os Mondeghili, polpettas de carne cozida ou
assadas, e o Riso Al Salto, usando restos de risotto.

A imensa produção de arroz, a mais importante da Itália, e por consequência


da Europa, se deu em grande parte pelo sistema de irrigação desenvolvido por

27
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Leonardo Da Vinci, usando as águas dos rios Ticino e Pó. O principal arroz
utilizado é o Carnaroli, considerado o “rei dos arrozes”, de grão grande, rico em
amilopectina e, principalmente, em amilose.

Devido à grande criação de gado bovino, a maior parte da produção de queijos


na Lombardia é feita a partir de leite de vaca. Dois são os mais importantes: o
Grana Padano, que faz frente ao irmão da Emilia-Romagna, o Parmigiano
Reggiano, e o Gorgonzola, criado na cidade homônima. Os queijos azuis na
Itália, caso do Gorgonzola e Castelmagno, são chamados de Formaggi
Erborinati – erborin, em dialeto lombardo, quer dizer salsinha, daí a origem da
nomenclatura.

Muitas são as terminologias para a carne bovina utilizadas nas receitas italianas,
nas quais são encontradas expressões como:
• Bovino: normalmente o animal bovino em geral, independentemente do
sexo e da idade.
• Vitello da Latte: animais com 70 dias.
• Vitello: animais com 120 dias de idade.
• Vitellone: macho não castrado, de idade até 18 meses.
• Toro: macho não castrado, em idade adulta, com mais de 4 anos.
• Bue: o animal castrado, de idade superior aos 4 anos. Possui a carne
mais gorda. O boi, sendo mais manso e menos nervoso, tem a carne um
pouco mais macia que do “toro”.
• Manzo: são as fêmeas com idade entre 1 e 3 anos, que ainda não
tiveram cria.
• Vacca ou Mucca: fêmea do bovino adulta, que já teve cria. O termo
“mucca” indica mais especificadamente a vaca que produz leite.

28
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Uma nota particular merece a carne de cavalo, carne não consumida no Brasil,
mas bastante popular na Itália, importada da Espanha e dos países do leste
europeu em cerca de 170 mil animais por ano, o equivalente a um quilograma
para cada italiano.
Os homens se nutrem da carne de cavalo desde a Idade da Pedra, no entanto
esta carne assumiu, nos séculos seguintes, uma colocação na sociedade como
carne de segunda qualidade. Porém ela é grande fonte de proteínas, seu nível
da gordura é muito baixo e contém, a cada 100 gramas, 4 miligramas de ferro,
facilmente assimilável pelo nosso organismo e portanto útil para dietas que
requerem este mineral. A carne de cavalo se diferencia entres as outras carnes
pelo seu sabor um pouco adocicado.
São consumidas além da carne do cavalo adulto, do “puledro” (potro).

Outro produto lombardo importante é a Mostarda di Cremona, feita a partir de


frutas cozidas em calda de açúcar com grãos de mostarda, resultando em um
composto doce e picante, maravilhoso para o Bollito ou caças. É produzida em
outras cidades, porém a mais conhecida é da cidade homônima, Cremona, que
reivindica a invenção de outro célebre produto, o torrone.

O Panettone é uma criação milanesa. No séc. XI já existia algo semelhante,


mas somente no final do séc. XIII é que foi criada a receita natalina utilizada
até hoje. O nome deriva do dialeto milanês para aumentativo de pane (pão). A
colomba é a versão pascal do panettone de Pavia.

Mais alguns pratos da cozinha lombarda:

Nervitt
Tendões e pés de vitello, cozidos e cortados em cubos, servidos com
condimentos picantes.

29
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Casonsei di Bergamo e Brescia


Massa recheada de lingüiça ou espinafre e ovos, uvas passas e grana padano.

Zuppa Pavese
Caldo com ovos e pão amanhecido.

Gnocchetti Alla Lariana


Bolinhas de massa feitas com pão amanhecido, ovos, queijo e manteiga.
Servidos com brodo de carne.

Minestrone Alla Milanese


Substanciosa sopa feita com vários vegetais e arroz.

Risotto con le Lumache


Risotto feito com caracóis.

Risotto con Gamberi, Funghi e Piselli


Risotto feito com camarões de água doce, cogumelos e ervilha.

Polenta Taragna
Feita com farinha de granoturco e grão saraceno.

Pan dei Morti


Feito com amaretti, uvas passas, figo seco, amêndoas, clara de ovo e cacau. É
servido no dia dos mortos desde a idade média, data que é celebrada nos EUA,
chamada halloween.

30
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

CREMA DI ASPARAGI ALLA MILANESE


(Creme de Aspargos)
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Manteiga Integral sem Sal 50 Gramas
Farinha de Trigo 30 Gramas
Leite Integral 300 Mililitros
Fundo Claro de Ave 300 Mililitros
Aspargos Verdes Frescos 200 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Pão Italiano 01 Fatia
Ovo Tipo Extra 01 Unidade
Queijo Grana Padano 20 Gramas
Creme de Leite Fresco 50 Mililitros
Modo de Preparo:
1. Fazer um roux amarelo com 30g de manteiga e a farinha. Adicionar o
leite e o fundo e cozinhar por alguns minutos.
2. Adicionar os aspargos, cortados em pedaços pequenos, e deixar cozinhar
até estar estarem macios, mexendo frequentemente.
3. Processar e passar o creme pela peneira, transferindo-o para uma panela
limpa. Acertar o nappé e os temperos.
4. Tostar as fatias de pão, cortadas em cubos pequenos, no forno a 200ºC
por cerca 05 minutos ou até dourar.
5. Em um bowl, misturar as gemas, a manteiga restante, o grana padano
ralado e o creme de leite. Acrescentar ao creme de aspargos fazendo a
temperagem. Cozinhar por alguns minutos para que engrosse, com
cuidado para que não talhe.
6. Servir o creme com os cubos de pão.

31
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

OSSOBUCO ALLA MILANESE CON GREMOLATA E


RISOTTO ALLO ZAFFERANO
(Ossobuco com Gremolata e Risoto de Açafrão)

Ossobuco

Ingredientes Quantidade Unidade de Medida


Ossobuco de Vitello 02 Unidades
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Farinha de Trigo 20 Gramas
Manteiga Clarificada 40 Gramas
Cebola Pera 70 Gramas
Cenoura 40 Gramas
Salsão 40 Gramas
Vinho Branco Seco 50 Mililitros
Fundo Escuro Bovino 01 Litro
Tomilho Fresco Q.B. Maço
Louro Seco Q.B. Unidade
Manteiga Integral sem Sal 30 Gramas
Modo de Preparo:
1. Preparar e amarrar o ossobuco com barbante.
2. Temperar com sal e pimenta e aplicar o singer com a farinha. Selar em
uma panela com manteiga clarificada. Reservar.
3. Na mesma panela, suar os aromáticos cortados em brunoise e retornar o
ossobuco, cuidando para que não tenha excesso de gordura. Adicionar o
vinho branco e reduzir. Acrescentar um pouco do fundo, as ervas e
cozinhar, tampando a panela, por aproximadamente 90 minutos,
acrescentando o fundo quente aos poucos quando necessário, até que a
carne esteja macia.
4. Retirar a carne e reduzir o líquido. Acrescentar a gremolata, cozinhar por
mais 1 minuto e montar o molho com a manteiga, se necessário.

32
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Gremolata
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Alho in Natura 01 Dente
Limão Siciliano 01 Unidade
Salsa Fresca Q.B. Maço
Modo de Preparo:
1. Misturar o alho em brunoise fina, as raspas de limão e a salsa finamente
picadas, cuidando para que tenham a mesma proporção em volume.

Risotto
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Manteiga Integral Sem Sal 20 Gramas
Cebola Pera 40 Gramas
Arroz Carnaroli 150 Gramas
Vinho Branco Seco 50 Mililitros
Açafrão em Pistilo 01 Envelope
Fundo Escuro Bovino 01 Litro
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Manteiga Integral Sem Sal 40 Gramas
Queijo Grana Padano 50 Gramas

33
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Modo de Preparo:
1. Numa panela de fundo grosso, colocar a manteiga, suar a cebola cortada
em brunoise fina, tostar o arroz e aromatizá-lo com vinho branco até a
evaporação.
2. Adicionar o açafrão hidratado em 50 ml de água morna.
3. Dar continuidade a cocção, adicionando pouco a pouco o fundo escuro,
até obter o cozimento al dente.
4. Retirar do fogo e realizar a mantecatura com a manteiga gelada em
cubos e o grana padano ralado.

Montagem:
1. Servir o ossobuco acompanhado com o risotto.

34
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

ZABAIONE GRATINATO ALLE FRAGOLE E AMARETTI


Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Ovo Tipo Extra 02 Unidades
Açúcar Refinado 30 Gramas
Vinho Marsala 20 Mililitros
Morango in Natura 100 Gramas
Biscoito Amaretto 15 Gramas
Para a Finalização:
Açúcar de Confeiteiro 20 Gramas
Modo de Preparo:
1. Em um bowl, colocar as gemas, o açúcar e o vinho e levar ao fogo, em
banho Maria, batendo com o fouet, até que adquira uma consistência
muito cremosa. Reservar.
2. Higienizar e cortar os morangos em pedaços pequenos. Quebrar
rusticamente os biscoitos.
3. Colocar os morangos e os biscoitos na taça de creme brûlée. Cobrir com
o zabaione.
4. Polvilhar com o açúcar de confeiteiro e gratinar com o maçarico.

35
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

VENETO

OBJETIVOS DA AULA

Conhecer características históricas, geográficas e gastronômicas do


Veneto;
Avaliar as diferenças entre os diferentes tipos de arrozes italianos;
Conhecer como trabalhar com risottos em escala comercial;
Identificar os principais produtos vindos da América introduzidos na
alimentação dos italianos;
Identificar os principais produtos da região.

TERMOS CHAVE:

Carpaccio
Polenta
Arroz Vialone Nano
Especiarias

36
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

37
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Região do nordeste da Itália que faz divisa com o Friuli-Venezia Giulia e com o
Mar Adriático ao leste, com a Áustria e o Trentino-Alto Adige ao norte, com a
Lombardia ao oeste e a Emilia-Romagna ao sul.

Graças ao seu patrimônio natural, histórico, artístico e arquitetônico, a região é


a mais visitada da Itália e recebe 60 milhões de turistas por ano. É rica em
lugares muito bonitos e conhecidos internacionalmente, como a incomparável
Venezia, os mil encantadores lugares nas Dolomitas - as famosas montanhas
rosadas -, Cortina d’Ampezzo, e cidades históricas, como Verona, onde foi
ambientada, por Shakespeare, a história de Romeu e Julieta, e Padova. Além
do turismo, outra fonte de renda é a agricultura, a vinicultura – destaque para
o Prosecco - e a indústria, como a Benetton por exemplo.

A cozinha da região do Veneto é diversificada e muito calcada na utilização dos


legumes e hortaliças, tendo como principal estrela o Radicchio di Treviso, que é
servido assado, grelhado ou recheado, além de aspargos e funghi. Os risottos,
feitos com o arroz Vialone Nano, estão muito presentes, sendo muito
apreciados com peixes e frutos do mar na cidade de Venezia ou abóbora,
radicchio ou aspargos em outras cidades. O arroz também aparece em pratos
como o Risi e Bisi - arroz com ervilhas tenras, novas e doces -, e o uso das
leguminosas na Pasta e Fagioli - massa com feijão.

O arroz, desde 1500, foi cultivado nas planícies de Roverchiara e Palù, na


região da cidade de Verona, onde há uma interessante produção da qualidade
“vialone nano veronese”, tutelada com a garantia de proveniência DOP. Os
motivos que fazem deste arroz uma espécie especial é a composição do
terreno, as águas de nascentes que vêem do subsolo rico de rochas alcalinas e
um cultivo exclusivamente natural, sem agrotóxicos e sem nenhuma
intervenção do homem, a não ser para o plantio inicial.
Certamente o prato mais consumido na região é a polenta. Muito antes da
descoberta da América, período no qual foi introduzido o milho, pelos

38
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

espanhóis, ela era feita de farinha de feijão, cevada ou trigo sarraceno. Com a
chegada do milho, a polenta tomou conta do paladar dos venetos e tornou-se o
símbolo da comida caseira, em que todos esperam impacientes pelo fumegante
e borbulhante prato, que pode ser também grelhado, frito ou assado, servido
sozinho, com carnes, peixes ou queijos.

Em nenhuma cidade da Itália a influência das águas é tão presente como em


Venezia. É a cidade onde se consome maior número de pescados por habitante
e tem o maior mercado de peixes e frutos do mar da Itália. O bacalhau é muito
importante e consumido desde a época das navegações. Constata-se a
presença da pimenta-do-reino, da canela, do cravo da Índia, da uva passa. As
especiarias, cujo comércio era dominado pelos venezianos, foram usadas para
criar diversos pratos como a Sarde in Saor, sardinhas fritas e marinadas em
azeite e vinagre, adicionadas de uvas passas.

Assim como na Espanha, com o Tapeo, os venezianos adoram petiscar, fazendo


o Giro de Ombre, quando saem para fazer um tour por bares e osterias atrás
dos petiscos e bebidas mais apreciadas.

As fritelle, doces típicos dos carnavais venezianos, são massas doces fritas em
banha de porco e polvilhadas de açúcar. Bolo natalício muito apreciado e
conhecido é o Pandoro, parente do Panettone milanês. Possui uma massa
muito leve e fofa, em forma de estrela, polvilhado com açúcar baunilhado.

39
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Outros pratos famosos:

Carpaccio di Cipriani
Criado em homenagem ao pintor homônimo, no Harry’s Bar. São fatias finas de
carne, temperadas com molho à base de maionese e outros condimentos.

Baccalà alla Vicentina


Bacalhau preparado com cebola, alho, salsinha, anchova, leite e parmigiano,
servido tradicionalmente com polenta frita ou grelhada.

Sarde ou Sardelle in Saor


Sardinhas enfarinhadas e fritas, depois marinadas numa espécie de escabeche
feito com cebolas refogadas em azeite, banhadas de vinagre, açúcar, pinoli e
uva passa.

Seppie al Nero
Lulas guisadas com alho, azeite, vinho branco, salsinha e a tinta do cefalópode.
É servida tradicionalmente com polenta branca.

Bigoli
Massa que tem a aparência de spaghetti grossos e rústicos, preparados com
um especial instrumento de cobre, chamado bigolaro. Diferentemente dos
spaghetti, é preparada com farinha de trigo tenro, geralmente integral, água e
sal. Os Bigoli são cozidos em caldo de frango e condimentados com Pocio (ragù
de carne de pura vitela ou misturada com porco), Rovinazzi (ragù com miúdos
de frango) ou ragù di Anatra (Pato).

Polenta Bianca
Polenta de farinha de milho branco. É considerada mais delicada que a farinha
amarela e combina muito bem com pratos à base de peixe.

40
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Risi e Bisi
Densa sopa de arroz (Riso) e ervilhas (Bisi), feita com um caldo preparado com
as próprias cascas das ervilhas frescas.

Fegato alla Veneziana


Fatias finas de fígado de vitela refogadas e cozidas lentamente com cebola,
manteiga e azeite.

Baìcoli
Clássicos biscoitos venezianos à base de farinha, fermento, açúcar, leite e ovos.
A massa é dividida, formando quatro ou cinco pães de forma alongada. Depois
de assados, devem descansar por dois dias, no mínimo, quando então são
cortados em fatias finas que serão novamente levadas ao forno para tostar.

41
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

A CIDADE DE VENEZIA

Após a queda do Império Romano, no século V, começaram as invasões bár-


baras. No Veneto, os habitantes das aldeias nos arredores da laguna, que se
tornaria Venezia, não podendo edificar muros de defesa, devido ao terreno
semelhante ao um brejo, que não agüentaria o peso das construções,
resolveram se mudar para as ilhas lagunares, usando o mar como defesa
natural contra os invasores.

Em 568, em ocasião da conquista Lombarda da Itália do norte, verificou-se uma


separação mais marcada entre a “Venezia marítima” e a “Venezia interna”,
ficando a primeira sob o domínio Bizantino, enquanto a restante ficou
Lombarda. Grande parte da população se mudou da terra firme para os centros
lagunares.

A “Venezia marítima”, desde a sua fundação, já tinha desenvolvido um bom


conhecimento das técnicas de navegação e foi por causa dos Bizantinos que os
venezianos começaram a enriquecer. Os Bizantinos, que, contrariamente a que
se pensa, de bárbaros não tinham nada, gostavam muito da seda, das
especiarias, das jóias e dos produtos do Oriente de que eram originários, mas
não sendo grandes navegadores e devendo cuidar do Império, encontravam
muita dificuldade para ir buscar estes produtos em países tão longínquos, por
via terra. A estas necessidades dos vizinhos, os venezianos, contando com uma
boa frota, começaram suas viagens rumo ao Oriente, onde compravam todos
os tipos de mercadoria, que em seguida vendiam a altos preços aos Bizantinos.
Logo, devido à nova riqueza, as cabanas e as modestas casas de Venezia foram
substituídas por luxuosos palácios, nos quais cada mercador fazia questão de
demonstrar sua nova condição social.

42
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Nas frequentes viagens ao Oriente, os mercadores ficavam tão maravilhados


pela arquitetura das cidades que visitavam que quiseram reproduzir elementos
arquitetônicos daqueles países em seus novos palácios. Isto enquanto no resto
da Itália imperavam os estilos românico e gótico.

Esta fusão deu vida à cidade resultando em beleza incomparável que podemos
admirar até hoje. Um dos exemplos mais significativos desta mistura de modos
arquitetônicos se pode admirar na Basílica de São Marco. Este estilo está
presente em 90% dos palácios de Venezia, tornando-a única no mundo.

43
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

CARPACCIO DI CIPRIANI
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Filé Mignon Bovino Limpo 150 Gramas
Gema Pasteurizada 25 Gramas
Azeite Extra Virgem 70 Mililitros
Óleo de Milho 130 Mililitros
Creme de Leite Fresco 40 Mililitros
Mostarda Amarela Q.B. Gramas
Molho Inglês Q.B. Mililitros
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Rúcula Selvagem 1/6 Maço
Modo de Preparo:
1. Limpar e cortar o filé mignon em fatias finas. Dispor num prato em uma
camada harmonioza.
2. Fazer uma maionese com a gema, o azeite e o óleo misturados.
3. Acrescentar à maionese o creme de leite fresco, a mostarda, o molho
inglês e temperar com sal e pimenta.
4. Temperar a carne, aplicar o molho e decorar com a rúcula.

44
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

RISOTTO NERO
(Risoto Negro)
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Lula Inteira Fresca 200 Gramas
Limão Siciliano 1/2 Unidade
Alho in Natura 01 Dente
Azeite Extra Virgem 100 Mililitros
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Cebola Pera 40 Gramas
Arroz Vialone Nano 150 Gramas
Fumet de Peixe 01 Litro
Nero di Seppia 01 Envelope
Tomate San Marzano 80 Gramas
Salsa Fresca Q.B. Maço
Modo de Preparo:
1. Limpar a lula, cortá-la em anéis e mariná-la com o suco do limão e o
alho cortado em brunoise fina por alguns minutos.
2. Saltear a lula com um pouco do azeite. Temperar e reservar.
3. Numa panela de fundo grosso, suar a cebola cortada em brunoise fina
em um pouco de azeite, acrescentar o arroz e realizar a tostatura.
4. Adicionar o fumet de peixe, pouco a pouco, mexendo sempre.
5. Na metade da cocção, acrescentar o nero di seppia. Continuar colocando
fumet e mexendo até o arroz estar al dente.
6. Acertar os temperos e adicionar o tomate em concassé cortado em
cubos pequenos e metade das lulas salteadas.
7. Realizar a mantecatura com o azeite.
8. Servir o risotto com o restante das lulas por cima e polvilhar com a salsa
finamente picada.

45
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

BACCALÀ MANTECATO

Bacalhau
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Lombo de Bacalhau Gadus Morhua 200 Gramas
Leite Integral 700 Mililitros
Azeite Extra Virgem 150 Mililitros
Cebola Roxa 25 Gramas
Salsa Fresca Q.B. Maço
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Modo de Preparo:
1. Cozinhar o bacalhau no leite, em fogo brando, por alguns minutos.
Retirar o pescado e reservar o líquido.
2. Soltar o bacalhau em lascas, eliminando a pele e as espinhas, e colocá-lo
em uma panela com um pouco do leite. Cozinhar até que ele absorva
parte do líquido e fique cremoso.
3. No liquidificador, processar o bacalhau e adicionar o azeite em fio,
acrescentando um pouco do leite da cocção, se necessário. O resultado
deve ser bem cremoso e não deve escorrer azeite dessa emulsão.
4. Misturar ao composto a cebola cortada em brunoise fina e a salsa
finamente picada. Acertar os temperos.

Polenta e Montagem
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Farinha para Polenta Pré-Cozida Italiana 100 Gramas
Manteiga Integral sem Sal 50 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas

46
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Modo de Preparo:
1. Fazer uma polenta utilizando de 500 a 600 ml de líquido (pode ser usada
parte do leite da cocção do bacalhau). Temperar e, no momento de
servir, com o fouet, adicionar a manteiga gelada cortada em cubos.
2. Servir o bacalhau frio sobre a polenta quente.

47
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

COSTINE DI MAIALE CON CAVOLO VERZA


(Costela de Porco com Repolho)
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Costela de Porco Fresca 300 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Azeite Extra Virgem 50 Mililitros
Cebola Pera 300 Gramas
Vinagre de Vinho Branco 100 Mililitros
Repolho Branco 1/4 Unidade
Fundo de Vegetais Q.B. Mililitros
Modo de Preparo:
1. Numa panela de fundo grosso, dourar as costelas de porco, temperadas
com sal e pimenta, no azeite. Reservar.
2. Eliminar o excesso de gordura, adicionar a cebola em julienne e dourá-
las muito bem em fogo brando.
3. Retornar as costelas à panela e deglacear com o vinagre.
4. Acrescentar o repolho cortado em julienne fina e adicionar fundo de
vegetais até cobrir metade da carne.
5. Tampar a panela e cozinhar em simmer até a carne estar macia,
acrescentando fundo de vegetais, se necessário.
6. Reduzir bem o molho, ajustar os temperos e servir.

48
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

LIGURIA

OBJETIVOS DA AULA

Conhecer características históricas, geográficas e gastronômicas da


Liguria;
Identificar as principais rotas marítimas dos lígures na antiguidade;
Reconhecer a importânica do sal na idade média;
Identificar o processo de produção dos azeites italianos;
Diferenciar as características organolépticas dos queijos italianos
segundo o tipo de leite com que são produzidos;
Identificar os principais produtos da região.

TERMOS CHAVE:

Pesto
Focaccia
Stoccafisso
Pecorino
Minestrone

49
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

50
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Região a noroeste da Itália, faz divisa com a França ao oeste, com o Piemonte
e a Emília Romagna ao norte e com a Toscana ao leste. É totalmente banhada
pelo Mar Mediterrâneo, que aqui é chamado de Mar Lígure.

O turismo é uma das atividades econômicas mais importantes da Liguria. O


clima ameno, as paisagens e os lugares famosos como Portofino, Cinque Terre,
Portovenere, Sanremo, Genova, entre outros, atraem turistas italianos e
estrangeiros.

Em seus mais de 300 quilômetros de costa, a região alterna praias de areia com
outras de cascalho, recortadas por belíssimas encostas rochosas em forma de
penhascos. Além da faixa litorânea, recheada por pitorescas cidades de
pescadores, existe uma cadeia montanhosa que permeia toda a região.
Por essas características geográficas, a Liguria conta com uma grande
influência dos pescados e de animais de pequeno porte na sua gastronomia.
Podemos chamá-la de cozinha de mar e terra. Graças ao seu clima úmido, as
ervas, verduras e legumes existem em abundância e assumem um papel
importante nas suas ricas e diversificadas produções culinárias.
No entanto, a costa lígure não é muito propicia para a pesca, fazendo com que
os habitantes tenham que aventurar-se em alto mar, em longas viagens, para
obter peixes e frutos do mar. Terra de pescadores e navegadores desde
sempre, algumas produções culinárias, como peixes secos, salgados ou
conservados em azeite – as acciughes, chamadas de “pratas do mar”-, tiveram
importância fundamental.
Porém, o fato de serem navegadores, também deu força à cozinha da terra, já
que os pescadores sonhavam em retornar para casa e voltar a comer produtos
frescos, não suportando mais os pescados, consumidos meses a fio, esperando
por pratos em que eram utilizados ingredientes como verduras, espinafre,
funghi, queijo fresco (usado na famosa focaccia di Recco) e ricota. A cebola era
muito usada, pois, com seu poder bactericida, ajudava a combater possíveis

51
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

doenças trazidas das longas viagens em alto mar. A abundância de vegetais,


rendeu aos lígures a fama de produzirem belos recheios, sejam para massas,
como os tortelli de espinafre, ou para carnes. As tortas recheadas eram pratos
que as mulheres dos pescadores preparavam para esperar os maridos, já que
podiam ser feitas e assadas com antecedência.

Ao lado da pizza napolitana, talvez a mais emblemática produção da panificação


italiana seja a focaccia. Foi criada como alternativa do povo da Liguria aos pães
de baixa qualidade que produziam. Pela proximidade com o mar, o ar salgado e
úmido impedia a ação do fermento, resultando em pães murchos, de crosta
pouco crocante e de interior úmido. Eles resolveram o problema fazendo um
pão achatado, com crosta muito crocante, em virtude da abundância de azeite,
e salgados ao final da cocção, com a adição do sal grosso. Sobre as focaccias
colocavam-se peixes secos, no começo golfinhos, que foram proibidos, depois o
atum e as anchovas, ou o pesto, além da clássica versão com alecrim.
Usada até os dias atuais, uma lei medieval para a produção da focaccia, diz que
deve-se ter pelo menos 6% de azeite na constituição da massa, fermentar por
no mínimo 8 horas, ter uma cor dourada na superfície e esbranquiçada nos
seus “buracos”.
Existe ainda uma espécie de focaccia feita com farinha de grão de bico, a
Farinata.

Juntamente com Pisa, Venezia e Amalfi, Genova era uma cidade portuária
importantíssima na antiguidade. Seu mais ilustre navegador foi Cristovão
Colombo, descobridor da América. A alimentação nas longas viagens que fazia
era muito calórica, em torno de 4000 calorias por dia, onde eram consumidos
normalmente as “gallette”, uma espécie de pão achatado seco, que durava por
muito tempo, e que eram umedecidas com água ou azeite e consumidas com
carne de porco salgada, feijões e favas, peixes frescos, salgados ou secos, além
do vinho.

52
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

O stoccafisso e o bacalhau, que foram trazidos dos países no norte da Europa e


introduzidos na alimentação lígure, são dois métodos usados para a
conservação do peixe, sem perder seu valor nutritivo. O primeiro é seco ao ar
livre, com ação do vento, e o segundo é salgado depois seco. Ambos são feitos
com peixes da família do merluzo.

Na antiguidade, o sal era muito importante, mais que o açúcar, sendo símbolo
de poder. Os romanos pagavam por serviços com o sal, em vez de dinheiro,
que depois começou a ser adotado, mas o nome “salário” continuou. Além
disso, “salumeria”, denominação usada para embutidos em italiano, e “salsa”,
molho, também são da mesma origem.
Vindo da Sicilia, com os navegadores genoveses, o sal era exportado da Liguria
pela “via salária”, que cortava o Piemonte, França e Alemanha.
Logo, o sal teve papel fundamental para o desenvolvimento econômico da
região, sobretudo em Genova. Outro fator importantíssimo para a valorização
do sal na Liguria, é que, por alimentarem-se com uma dieta mediterrânea, rica
em verduras e legumes, não existia a absorção natural de sódio, presente na
alimentação extremamente protéica do norte da Europa, e este supria essa
deficiência.

Povo mais humilde, os camponeses contribuíram com duas características muito


importantes para a culinária local: o pouco uso de ovos na composição das
massas e a falta de especiarias nos seus pratos, já que eram itens caros. Com
isso, o uso das ervas tornou-se tão importante para a alimentação, além de
verduras, alcachofras, limões, pêssegos e damascos e muitos outros produtos
provenientes da terra.

O pesto genovês, que vem do verbo “pestare” que significa triturar, foi criado
para conservar a abundante produção de manjericão do verão, por todo o
outono e inverno, com a adição de azeite. O queijo adicionado era o Pecorino
Sardo, vindo da Sardegna com as navegações.

53
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

A produção de azeite, apesar de extensa, é muito dificultada pelos terrenos


montanhosos da região, entretanto, é de extrema qualidade e delicadeza,
porque a colheita mecânica das azeitonas, da variedade taggiasche, é quase
impossível, tendo que ser feita manualmente, resultando em uma melhor
seleção dos frutos maduros e sem a oxidação provida pelas colheitadeiras,
como acontece em algumas regiões do sul.
Com a abundância de azeite, a fritura é muito consumida, desde pescados e
frutos do mar, a verduras e legumes, sejam sozinhas ou em “pastella”.

Algumas produções gastronômicas:

Capon Magro
Salada à base de peixe e verdura, condimentada com um molho verde
preparado com anchovas, alho, pinoli, alcaparras, azeitonas, salsinha, azeite e
vinagre.

Bianchetti
Filhotes de peixe azul, feitos fritos ou cozidos.

Acciughe di Monterosso
Considerada a melhor produção de anchovas de toda a Itália.

Sardenara
Variação lígure da Pissaladière provençal. Espécie de pizza, mais alta,
guarnecida de anchovas, cebolas, azeitonas, alcaparras, alho e tomate.

Torta Pasqualina
Torta de massa folhada com beterraba ou espinafre cozido, ricota fresca,
parmigiano reggiano e pecorino.

54
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Corzetti
Discos decorados de massa, condimentados com molho de mangerona e pinoli,
ou salmão fresco, cebola e nozes.

Seppie in Zimino
Lulas ensopadas com bieta (variedade de beterraba cultivada por suas folhas) e
outras ervas.

Fricasse di Agnello com Carciofi


Guisado de cordeiro com alcachofras.

Asado
Peito de vitello cozido por 7 horas.

Stoccafisso Accomodato
Stoccafisso cozido com funghi, pinoli e tomates.

Preboggion
Mescla de verduras, geralmente selvagens, cuja composição varia dependendo
da estação do ano. É usado como recheio de massas, omeletes ou sopas.

Pandolce
Doce natalino, semelhante ao Panetone milanês, porém mais compacto,
aromatizado com sementes de anis, água de flor de laranjeira e vinho Marsala.

55
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

MINESTRONE ALLA LIGURE


Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Cebola Pera 50 Gramas
Salsão 50 Gramas
Cenoura 50 Gramas
Azeite Extra Virgem 30 Mililitros
Feijão Branco 30 Gramas
Batata Monalisa 80 Gramas
Abobrinha Italiana 80 Gramas
Vagem Macarrão 50 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Crosta de Grana Padano 20 Gramas
Alho in Natura 01 Dente
Pesto Genovês Q.B. Gramas
Modo de Preparo:
1. Em uma panela, suar a cebola, o salsão e a cenoura, cortados em cubos
pequenos, no azeite.
2. Acrescentar o feijão, cobrir com água e cozinhar até estar levemente
macio.
3. Adicionar a batata e a abobrinha cortadas em cubos pequenos, a vagem
cortada em rodelas de 06 mm, temperar com sal, e cozinhar mais um
pouco.
4. No final da cocção, acrescentar a crosta do grana padano cortada em
cubos pequenos e o alho em brunoise fina.
5. Servir com um pouco do pesto por cima.

56
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

GNOCCHETTI DI RICOTTA AI FUNGHI


(Gnocchi de Ricota e Cogumelos)

Gnocchi
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Ricota Fresca 200 Gramas
Farinha de Trigo 50 Gramas
Queijo Grana Padano 30 Gramas
Ovo Tipo Extra 01 Unidade
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Noz Moscada Q.B. Gramas
Para modelar:
Farinha de Trigo 60 Gramas
Modo de Preparo:
1. Passar a ricota por uma peneira.
2. Em um bowl, misturar muito bem a ricota, a farinha, o queijo ralado e a
gema. Temperar com sal, pimenta e noz moscada.
3. Cortar um pedaço da massa e fazer um cilindro longo com cerca de 1 cm
de diâmetro. Cortar o cilindro em pedaços de 1 cm e enrolar, fazendo
bolinhas. Reservar.

57
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Cogumelos e Finalização
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Cogumelo Porcini Seco 10 Gramas
Cogumelo Pleurotus Branco Fresco 100 Gramas
Cogumelo Portobelo Fresco 100 Gramas
Manteiga Integral Sem Sal 20 Gramas
Azeite Extra Virgem 30 Mililitros
Sal refinado Q.B. Gramas
Alho in Natura 01 Dente
Vinho Branco Seco 40 Mililitros
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Salsa Fresca Q.B. Maço
Queijo Grana Padano 15 Gramas
Modo de Preparo:
1. Hidratar os funghi porcini em água quente até que estejam macios.
Cortar em pedaços pequenos. Fatiar os cogumelos frescos.
2. Em uma sautoir, saltear os cogumelos na manteiga misturada com o
azeite. Acrescentar o alho em brunoise fina, cozinhar por alguns minutos
e adicionar o vinho branco.
3. Temperar com sal e pimenta e salpicar com a salsa finamente picada.
4. Cozinhar os gnocchi em abundante água fervente e salgada. Assim que
subirem à superfície, retirá-los da água com uma escumadeira e colocá-
los nos cogumelos.
5. Saltear por alguns minutos, alongando com um pouco da água da
cocção, se necessário.
6. Servir com o queijo ralado.

58
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

BAVETTE CON PESTO


Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Batata Monalisa 40 Gramas
Vagem Macarrão 40 Gramas
Manjericão de Folhas Largas 40 Gramas
Alho in Natura 01 Dente
Azeite Extra Virgem 80 Mililitros
Pinoli 25 Gramas
Queijo Pecorino 40 Gramas
Queijo Grana Padano 40 Gramas
Bavette di Grano Duro 100 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Modo de Preparo:
1. Cortar as batatas em cubos médios e cozinhá-las. Reservar.
2. Eliminar as pontas das vagens, cortá-las em 3 partes e branqueá-las,
deixando-as al dente. Reservar.
3. Eliminar os talos do manjericão, lavar as folhas e secá-las com papel
absorvente.
4. Pilar ou processar o manjericão, o alho e metade do azeite.
5. Acrescentar o restante do azeite, o pinoli e os dois queijos ralados bem
finos e continuar a pilar até obter um composto homogêneo.
6. Cozinhar a massa em abundante água fervente e salgada.
7. Misturar à massa o pesto, as batatas e as vagens aquecidas.
8. Servir imediatamente.

OBS.: Reservar um pouco do pesto para usar no Minestrone Alla


Ligure.

59
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

CONIGLIO CON LE OLIVE


(Coelho com Azeitonas)
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida

Coxa e Sobrecoxa de Coelho 01 Unidade

Sal Refinado Q.B. Gramas

Azeite Extra Virgem 40 Mililitros


Cebola Pérola 04 Unidades

Alho in Natura 04 Dentes

Pimenta Malagueta Seca Inteira 01 Unidade

Tomate San Marzano 80 Gramas

Espumante Moscatel 120 Mililitros


Sálvia Fresca Q.B. Maço

Azeitona Preta 40 Gramas


Modo de Preparo:
1. Temperar o coelho com sal e selá-lo no azeite.
2. Acrescentar as cebolas inteiras e descascadas, os dentes de alho inteiros
com casca, a pimenta malagueta seca e saltear por alguns minutos.
3. Adicionar o tomate concassé em cubos médios e o espumante.
4. Colocar a sálvia e as azeitonas inteiras, tampar a panela e cozinhar até
estar macio.
5. Reduzir bem o molho, acertar os temperos e servir.

60
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

TROFIE CON SALSA DI NOCI


(Trofie com Molho de Nozes)

Massa
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Farinha de Trigo 150 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Água Q.B. Mililitros
Modo de Preparo:
1. Fazer a massa dando o ponto com a água.
2. Modelar conforme instrução do chef.

Molho e Finalização
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Nozes Sem Casca 100 Gramas
Pinoli 40 Gramas
Alho in Natura 01 Dente
Salsa Fresca Q.B. Maço
Creme de Leite Fresco 150 Mililitros
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Queijo Grana Padano 30 Gramas
Manteiga Integral sem Sal 20 Gramas
Modo de Preparo:
1. No processador de alimentos, triturar as nozes, o pinoli, o alho e a salsa.
2. Fora do processador, acrescentar o creme de leite e temperar.
3. Cozinhar a massa e temperá-la com o molho, o queijo ralado e a
manteiga derretida. Misturar bem.
4. Servir imediatamente.

61
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

STOCCAFISSO ALLA MARINARESCA


Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Lombo de Bacalhau Gadus Morhua 400 Gramas
Louro Seco 01 Folha
Limão Siciliano 1/4 Unidade
Tomate San Marzano Maduro 150 Gramas
Azeitona Verde com Caroço 30 Gramas
Azeitona Preta com Caroço 30 Gramas
Filé de Anchova 02 Unidades
Alho in Natura 01 Dente
Salsa Fresca Q.B. Maço
Azeite Extra Virgem 30 Mililitros
Alcaparra 15 Gramas
Pinoli 15 Gramas
Vinho Branco Seco 50 Mililitros
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Modo de Preparo:
1. Cozinhar o bacalhau em água com a folha de louro e 1/4 de limão.
Eliminar a pele e soltar em lascas, extraindo todas as espinhas. Reservar.
2. Cortar o tomate concassé em cubos médios e as azeitonas em filetes.
Reservar.
3. Fazer um batutto com os filés de anchova, o alho e a salsa.
4. Em uma panela, adicionar o azeite e suar o batutto. Assim que
desprender o aroma, juntar as alcaparras e o tomate. Cozinhar por
alguns minutos.
5. Adicionar as lascas de bacalhau, os pinolis e as azeitonas. Banhar com o
vinho branco e cozinhar por cerca de 15 minutos, alongando com um
pouco de água quente, se necessário.
6. Corrigir os temperos com sal e pimenta e servir.

62
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

TOTANI RIPIENI CON PROSCIUTTO


(Lula Recheada com Presunto Cru)
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Pão Italiano 02 Fatias
Leite Integral 40 Mililitros
Lula Inteira 04 Unidades
Alho in Natura 02 Dentes
Cebola Pera 40 Gramas
Cenoura 20 Gramas
Salsão 20 Gramas
Salsa Fresca Q.B. Maço
Presunto Cru em Peça 80 Gramas
Manjericão Verde Folha Pequena Q.B. Maço
Manteiga Integral Sem Sal 20 Gramas
Azeite Extra Virgem 40 Mililitros
Cognac 40 Mililitros
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Ovo Tipo Extra 1/2 Unidade
Queijo Grana Padano 40 Gramas
Tomate Pelado 400 Gramas
Modo de Preparo:
1. Cortar o pão em cubos grandes e umedecer com o leite. Reservar.
2. Limpar as lulas, separando a cabeça e eliminando a pele. Cortar os
tentáculos em pedaços pequenos.
3. Misturar os tentáculos com 01 dente de alho, a cebola, a cenoura e o
salsão cortados em brunoise fina e a salsa finamente picada. Reservar.
4. Cortar o presunto em brunoise e picar finamente o manjericão.
5. Em uma sautoir, saltear a mistura de tentáculos com os vegetais, na
manteiga misturada com um pouco de azeite, por alguns minutos.

63
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

6. Adicionar o presunto e o manjericão e saltear por mais algum tempo.


Banhar com o cognac e flambar. Temperar com sal e pimenta. Reservar.
7. Em um bowl, misturar muito bem os tentáculos salteados com o pão, o
ovo e o queijo ralado.
8. Rechear as lulas com essa misturar, sem que fique muito cheia, e fechar
com um palito de dente. Temperar com sal e pimenta.
9. Na mesma sautoir em que foi salteado o recheio, fazer um molho de
tomate com o azeite, 01 dente de alho em brunoise fina e o tomate
pelado picado. Cozinhar por 10 minutos.
10. Acrescentar as lulas recheadas no molho, tampar e cozinhar por 20
minutos, pingando água quente se necessário.
11. Servir.

64
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

PESCHE RIPIENE CON AMARETTI


(Pêssegos Recheados com Biscoito Amaretto)
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Pêssego Fresco Grande 01 Unidades
Avelãs Sem Casca 25 Gramas
Biscoito Amaretto 40 Gramas
Crema Pasticcera 75 Gramas
Licor de Amaretto Disarono 08 Mililitros
Açúcar de Confeiteiro 30 Gramas
Espumante Moscatel 80 Mililitros
Modo de Preparo:
1. Lavar o pêssego e cortá-lo pela metade, no sentido do comprimento.
Eliminar o caroço e retirar um pouco da polpa com auxílio de uma colher.
Cortá-la grosseiramente e reservar.
2. Tostar as avelãs no forno e retirar a pele. Reservar 02 unidades para a
decoração.
3. Triturar grosseiramente as avelãs e os biscoitos amaretti. Acrescentar a
polpa do pêssego, a crema pasticcera e o licor de amaretto, misturando
bem.
4. Rechear as metades do pêssego com a mistura acima, decorar com as
avelãs reservadas e polvilhar com metade do açúcar de confeiteiro.
5. Em uma forma colocar o pêssego, adicionar o espumante e levar ao
forno pré-aquecido a 180ºC por cerca de 10 minutos.
6. Servir frio com a outra metade do açúcar de confeiteiro polvilhado por
cima.

65
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Crema Pasticcera (Para toda a turma)


Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Leite Integral 500 Mililitros
Fava de Baunilha 1/2 Unidade
Açúcar Refinado 120 Gramas
Manteiga Integral Sem Sal 50 Gramas
Ovo Tipo Extra 08 Unidades
Amido de Milho 40 Gramas
Modo de Preparo:
1. Ferver o leite (reservar um pouco para as gemas) com a fava de
baunilha aberta, metade do açúcar e a manteiga.
2. À parte, bater as gemas com o restante do açúcar, o leite reservado e o
amido de milho.
3. Fazer uma temperagem com a mistura de gemas e parte do leite
fervente, voltar ao fogo e cozinhar até soltar do fundo da panela,
mexendo sempre.
4. Resfriar em banho-maria de gelo, coberto com filme plástico.

66
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

TORTA PASQUALINA (Para toda a turma)


Massa
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Farinha de Trigo 00 800 Gramas
Sal Refinado 15 Gramas
Azeite Extra Virgem 40 Mililitros
Água Morna 450 Mililitros
Modo de Preparo:
1. Em um bowl, colocar a farinha e fazer um buraco no centro.
2. Adicionar o sal, acrescentar a água morna, aos poucos, dando o ponto.
Juntar o azeite.
3. Trabalhar muito bem a massa para desenvolver o glúten.
4. Dividir a massa em 08 partes iguais, bolear e descansar, em superfície
enfarinhada, coberta com cross hatch umedecido, por 30 minutos.

Recheio de Verduras
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Escarola 01 Maço
Espinafre Higienizado 500 Gramas
Funghi Porcini Seco 40 Gramas
Fundo de Alcachofra 150 Gramas
Azeite Extra Virgem 30 Mililitros
Alho in Natura 02 Dentes
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Salsa Fresca Q.B. Maço
Manjerona Fresca Q.B. Gramas
Queijo Grana Padano 50 Gramas
Ovo Caipira 02 Unidades

67
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Farinha de Rosca Q.B. Gramas


Modo de Preparo:
1. Escaldar a escarola e o espinafre, separadamente, em abundante água
fervente por alguns minutos.
2. Em um espremedor de batatas, colocar as verduras e espremer para
eliminar toda a água. Picar muito bem e reservar.
3. Hidratar o funghi em água quente por alguns minutos, até que esteja
macio. Cortá-lo finamente. Reservar.
4. Picar os fundos de alcachofra e misturá-los com as verduras e o funghi.
5. Em uma sautoir, colocar um pouco de azeite, o alho em brunoise fina e
suar por alguns minutos. Acrescentar as verduras e saltear um pouco.
Temperar com sal e pimenta, adicionar a salsa finamente picada e as
folhas de manjerona. O resultado deverá ser bem seco.
6. Adicionar o queijo ralado, os ovos e um pouco de farinha de rosca para
secar qualquer excesso de umidade. Reservar.

Recheio de Ricota
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Ricota Fresca 750 Gramas
Ovo Caipira 02 Unidades
Queijo Grana Padano 50 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Noz Moscada Q.B. Gramas
Modo de Preparo:
1. Bater a ricota na batedeira, com o globo, por alguns minutos, até que se
torne um creme. Colocar em um bowl.
2. Adicionar dois ovos, o queijo ralado e temperar com sal, pimenta e noz
moscada. Reservar.

68
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Montagem
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Azeite Extra Virgem 100 Mililitros
Manteiga Integral Sem Sal 30 Gramas
Ovo Caipira 07 Unidades
Sal Refinado Q.B. Gramas
Queijo Grana Padano 50 Gramas
Modo de Preparo:
1. Untar uma forma redonda com azeite. Reservar.
2. Abrir as bolinhas de massa com um rolo até conseguir o resultado mais
fino possível. Usando as costas das mãos, abrir ainda mais as folhas de
massa até que fiquem finas como uma folha de papel (seguir orientação
do chef).
3. Colocar uma folha de massa no fundo da assadeira, deixando que as
bordas caiam para fora, sem cortá-las, e pincelar com azeite.
4. Abrir outra massa e colocar sobre a primeira, pincelando com azeite
novamente.
5. Proceder desta forma até que se completem 4 camadas de massa.
6. Colocar o recheio de verduras sobre a massa, espalhando em uma
camada uniforme.
7. Por cima, colocar o recheio de ricota, tendo uma camada verde por baixo
e uma branca por cima.
8. Fazer 7 buracos, não muito fundos, no creme de ricota e depositar em
cada uma deles um pouco de manteiga e uma gema de ovo. Salpicar a
gema com sal.
9. Polvilhar com o queijo ralado.
10. Cobrir o recheio com uma camada de massa, pincelar com azeite,
colocar outra camada, pincelar com azeite novamente e proceder desta
forma até que se completem 4 camadas de massa.

69
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

11. Cortar o excesso de massa pendente sobre as laterais da forma,


deixando 2 cm. Fechar a torta, enrolando as 08 camadas de massa
sobrepostas.
12. Pincelar com azeite.
13. Assar em forno pré-aquecido a 170ºC por cerca de 45 minutos.
14. Servir a torta morna.

70
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

EMILIA ROMAGNA

OBJETIVOS DA AULA

Conhecer características históricas, geográficas e gastronômicas da


Emilia-Romagna;
Identificar as características das massas frescas e secas, com ênfase
para a ação da farinha de trigo, da semolina, da clara e da gema na sua
composição;
Reconhecer a importância dos produtos da Emilia na identidade
gastronômica italiana;
Conhecer a produção do aceto balsamico;
Identificar os principais produtos da região.

TERMOS CHAVE:

Pasta fresca
Prosciutto
Parmigiano Reggiano
Aceto Balsamico
Al dente

71
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

72
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Situada ao norte da Itália, a região faz divisa ao norte com a Lombardia e o


Veneto, a oeste com o Piemonte e a Liguria, ao sul com a Toscana, com Marche
e com a República de São Marino, e ao leste é banhada pelo Mar Adriático.

Talvez a região gastronômica mais rica da Itália e que, junto com a Campania,
mais popularizou a comida italiana pelo mundo.

Formada por duas zonas características, de diferenças gastronômicas enormes.


A Emilia, região símbolo de sobriedade e dos gostos refinados, oferece as
massas frescas all’uovo, carnes bovinas e suínas e laticínios, além do vinho
Lambrusco. Suas terras são constituídas por planícies, por isso a criação de
gado bovino e de suínos é muito desenvolvida. A Romagna, com a cozinha
simples de camponeses, apresenta ervas, caças e animais de pequeno porte e
peixes de água doce do rio Pó e do mar Adriático, além dos vinhos Sangiovese
e Trebbiano.

As causas de tais diversidades se devem à história de cada uma das regiões.


A Emilia viveu quase oito séculos em uma situação de autonomia antes da
unidade da Itália, com um esplendor nos séculos XIV e XV, durante a
Renascença, devido à presença no território emiliano de potentes famílias que
contribuíram, através da preparação de banquetes aos quais eram convidados
cozinheiros de excelente fama, a desenvolver uma rica gastronomia. Também é
sinônimo de uma cozinha de abundância e fartura.
De outro lado, a Romagna viveu um longo período de dominação do Estado da
Igreja, que não puderam dar uma contribuição à cozinha local.
Algumas produções importantes da Romagna são as piadinas, um tipo de pão
achatado e grelhado, comido com os mais variados ingredientes, e massas a
base de ovos como maltagliati, tagliolini e garganelli.

73
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Na Emilia, muitas são as províncias com seus produtos gastronômicos


importantes e reconhecidos artistas: Parma se orgulha do fantástico presunto
cru, do culatello, do parmigiano reggiano e da mais famosa fábrica de massa, a
Barilla. Também é cidade natal de um dos maiores compositores italianos,
Giuseppe Verdi; Bologna é criadora do mais incrível embutido, a mortadella, da
lasanha e dos tortellini; Piacenza, cidade dos tortelloni e da coppa; Ferrara, dos
vários embutidos; Rimini, apesar de não ter nenhuma especialidade
gastronômica difundida pelo mundo, é muito visitada por ser terra natal do
cineasta italiano mais famoso, Federico Fellini; Modena é a cidade do zampone
(pé de porco recheado), do cotechino (lingüiça de pele de porco e
condimentos) e do aceto balsamico. Modena também é muito conhecida por ser
terra natal de Enzo Ferrari, dono da indústria automobilística mais cultuada do
mundo.

O aceto balsamico, nasceu no período medieval como uma substância


medicinal, daí o nome balsâmico, e começou a ser usado como condimento na
cozinha de Modena depois de 1400.
Os verdadeiros vinagres balsâmicos, chamados tradizionale, não as misturas
industriais de vinagre, caramelo e aromatizantes, são feitos em cantinas ou
sótãos nos quais são envelhecidos sob variações climáticas intensas, do inverno
rígido ao verão abafado e úmido.
Feito a partir do mosto de uvas brancas Trebbiano, que é cozido, concentrado e
depois misturado a uma parte de vinagre antigo, a madre. O aceto é
acondicionado e transferido em vários barris de diversas madeiras, de
diferentes tamanhos, conforme sua evaporação, e são acrescentadas, ou não,
algumas especiarias como cravo, noz moscada, canela ou alcaçuz, dependendo
da receita de cada acetaia, nome do local onde é produzido. É envelhecido por
no mínimo 12 anos, podendo chegar a 50! Um vidro de 100 ml desse néctar
pode custar mais de 150 euros. Esse líquido de incrível consistência viscosa e
sabor agridoce é usado para condimentar as mais variadas produções, desde
saladas, molhos e carnes a sobremesas.

74
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

A Emilia-Romagna é a região italiana que possui o maior número de fábricas de


produtos alimentícios, seja para atender o consumo interno, seja para o
externo. Junto com a Puglia e a Campania, é a maior produtora de produtos
agrícolas como tomate, beterraba para açúcar, feijões e ervilhas.

Paraíso das massas, onde também são feitas as de grano duro, as pastas
frescas all’uovo são as mais presentes, fato de origem histórica que denota a
riqueza da região. A fantasia dos seus habitantes não tem limite e a quantidade
de massas, sejam recheadas ou não, são mais de 300. Feitas com a farinha
mais fresca possível, com a adição de ovos ou somente gemas. Ravioli,
tortellini, agnolini, cappelletti, tortelli, agnolotti, garganelli, passatelli,
strozzapreti.

Bologna cultua a comida gorda e de preparo prolongado, a boa comida. Comida


de dieta é considerada intragável. Massas, presunto, derivados de suínos,
laticínios. Comer bem para os bolonheses é uma prioridade. Por mais
contraditório que possa parecer no nosso mundo moderno, dizem que as
mulheres mais bonitas e elegantes de toda a Itália são encontradas em
Bologna.

75
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Mais alguns exemplos de pratos da Emilia-Romagna:

Ravioli
Massa recheada com assado de carne e parmigiano ou com miolo de pão, ovo e
verduras.

Gnocchi Fritti
Gnocchi fritos.

Crespelle
Massa similar ao crepe, recheado de espinafre e ricota fresca.

Tagliatelle Verdi con Prosciutto


Massa fresca com ovos e espinafre, cortada em tiras, condimentada com
presunto cru em cubos salteados na manteiga.

Chizze
Focaccia recheada de parmigiano e frita em banha de porco.

Densissime
Sopa feita com 10 variedades de peixes.

76
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

MASSA SECA E FRESCA

Os italianos são os maiores consumidores de massa do mundo, com uma média


de 28 kg ano por habitante. No sul o consumo é ainda maior, 40 kg! Na Itália, a
“pasta”, assim como as sopas, risottos e a polenta, faz parte dos chamados
“primi piatti”, primeiros pratos. É servida após os antepastos, ou entradas, e
antes dos pratos à base de carnes. Em alguns jantares importantes, em que
são servidos diversos pratos, entre eles mais de uma massa, estas devem ser
servidas em ordem crescente de sabor, ou seja, das mais suaves para as de
sabor mais intensos.

Existem controvérsias sobre a origem da massa. Alguns dizem que é originária


da China e foi trazida para a Itália pelo navegador veneziano Marcopolo.
Outros, que foi introduzida na Sicília, no século XII, durante a dominação
árabe, que utilizavam a técnica de secar a massa de trigo e água para consumi-
las na travessia de desertos. O nome “maccarone”, que no sul ainda pode ser
usado para nomear qualquer tipo de massa, deriva da palavra “maccari” que
significa “amassar o empasto com força”. Os primeiros documentos históricos
que descrevem a massa são de 1154, que diz que na cidade de Trabia, a 30 km
de Palermo, capital da Sicilia, existiam muitos moinhos onde eram feitos uma
massa de trigo e água, chamada Itrya, que, depois de seca, era exportada para
toda a região do mediterrâneo, seja para os povos muçulmanos, seja para os
católicos. No entanto, existem, ainda, os que acreditam que ela surgiu na
antiga Roma, com o chamado laganum, semelhante ao tagliatelle.
A verdade é que a forma como a massa é apresentada hoje, que nada tem que
ver com as massas orientais, foi um processo de evolução que aconteceu em
diversas regiões da Itália, inicialmente na Sicilia, Napoli e Genova, e depois em
todo o norte e na Puglia.

77
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

A pasta, como é chamada na Itália, é, portanto, o resultado do processo de


mistura e sova da farinha, de trigo ou sêmola, com algum elemento líquido,
seja água ou ovos, até a obtenção de uma massa lisa e uniforme, que deve ser
cortada no formato desejado, recheada ou não, seca ou não, e depois cozida
em abundante água fervente e salgada.

TIPOS DE FARINHA

Antes de falar sobre a preparação da massa, devemos conhecer os tipos de


farinha adequados para sua preparação. Obs: essa é a nomenclatura existente
na Itália.
• Grano Tenero (macio) 00: contém mais glúten, é mais refinada e mais
clara.
• Grano Tenero 0: é mais refinada e um pouco mais úmida.
• Grano Tenero Smart: tem muito menos glúten, bem mais refinada e
menos úmida.
• Grano Duro (sêmola): contém pouquíssimo glúten.
• Grano Duro Smart: mais refinada.

Para obter-se a farinha, deve-se moer os grãos de trigo e peneirá-los. O


primeiro produto obtido é a farinha 00, que por ser mais fina, tem menos
nutrientes do trigo, tendo assim maior porcentagem de glúten. O restante, a
segunda farinha, é a 0, que é menos fina, tendo assim maior quantidade de
outros componentes, sendo mais rica em nutrientes, porém mais pobre em
glúten. A sêmola é obtida da mesma forma, mas a planta é um pouco diferente
do trigo, mais alta e amarelada.
Para a produção de massas, o glúten não é tão importante quanto para os
pães, logo o ideal é usar a farinha 0 ou a sêmola ou, ainda, balanceando a
combinação das duas. A sêmola dá sabor e textura, resistência, para massas
secas enquanto a 0, de grão macio, é boa para massas frescas e recheadas.

78
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

OVO

Para a produção de massas, é importante sabermos qual a ação que a gema e


a clara tem sobre o produto final.
• Gema: sabor, maciez e coloração.
• Clara: rigidez.

Logo, para massas secas, o uso do ovo deve ser pouco ou nulo e para massas
frescas, deve ser usado o ovo, com quantidade maior de gemas para massas
recheadas em relação às frescas sem recheio, que necessitam de maior
resistência.

MASSA SECA

Representa ¾ da produção de massa na Itália. São feitas com farinha de grano


duro (semolina) e água. Em alguns casos podem ser acrescentados ovos. São
feitas com auxílio de máquinas, sendo quase impossível sua confecção à mão,
pois é uma massa muito dura, seca e difícil de trabalhar. Usam-se secadoras
para que a umidade da massa, depois de confeccionada, chegue a 7% e se
conserve por muito tempo.

São divididas em algumas categorias:

Massas longas
Redondas: vermicelli, spaghetti;
Furadas: bucatini, ziti;
Retangulares ou lente: trenette, linguine;
Largas: lasagne, reginette;
Largas em ninhos: pappardelle;
Finas em ninhos: capellini, tagliolini, fettuccine.

79
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Massas curtas
Longas: rigatoni, sedani, fusilli, penne, garganelli;
Médias: pipe, conchiglie, ditali, orecchiette;
Para sopas: stelline, ditalini.

São divididas, ainda, em mais duas categorias:


Lisas, mais leves;
Rigate (estriadas) que retêm maior quantidade de molho.

Consideradas também características da produção:


Feitas com moldes de aço, que deixa a massa mais lisa;
Feitas com moldes de bronze, ficando mais porosa, possibilitando maior
absorção do molho.

MASSA FRESCA

São consideradas massas frescas com ovos, quando feitas com pelo menos 4
ovos por quilo de farinha. São produzidas à mão ou com auxílio de masseiras,
neste caso a quantidade de ovos pode ser diminuída. A regra básica é a
utilização de um ovo para cada cem gramas de farinha de trigo, porém existem
inúmeras variações em relação à quantidade de gemas presentes na sua
composição. Pode-se, ainda, colorir a massa utilizando açafrão, nero di seppia,
ervas ou purê de vegetais, como cenoura, beterraba, tomate, espinafre. Existe
também a massa fresca sem a adição de ovos, feita com água.

No caso de massas recheadas, este deve ser sempre bem enxuto, controlando
a umidade, se necessário, com farinha de rosca, purê de batata desidratado ou
ainda arroz.
O melhor método de conservação da massa fresca recheada é fazer uma pré-
cocção, resfriar, untar com alguma gordura e refrigerar ou congelar.

80
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Deve-se tomar cuidado com a espessura da massa no momento da produção,


pois, quando cozida, ela aumenta consideravelmente. Normalmente, as massas
frescas necessitam de 4 vezes menos tempo de cozimento do que as secas.
Alguns exemplos: tortellini, ravioli, agnolotti e cannelloni.

Curiosidades:
• O gnocchi não é considerado uma massa, pois o ingrediente principal
não é a farinha e sim a batata. A farinha é um ingrediente que serve
para unificar e dar um pouco de consistência à preparação.
• As massas secas devem ser sempre al dente, resistentes à mordida, ao
contrário, as massas frescas são leves e devem “flutuar” na boca, o que
não quer dizer que devam ser cozidas demais, isso deve-se ao fato de
terem abundante quantidade de ovos na massa, que dá a característica
de maciez.
• Massa engorda? Não! 100g de massa seca crua tem 325 calorias,
enquanto a fresca tem 365. O molho é que deve ser considerado para
quem está de dieta. A massa com um molho de baixo teor calórico pode
ser considerada um prato de dieta. Do ponto de vista nutricional, é um
alimento completo, já que é grande fonte de carboidrato, e os lipídios,
vitaminas e proteínas são complementados pelos molhos que a
condimentam.

COMO COZINHAR MASSA

A receita é muito simples: para cada 100g de massa, deve ser colocado 1 litro
de água e 10 gramas de sal. Porém, nunca use menos de 3 litros de água,
mesmo para pequenas quantidades de massa, pois ela deve ter espaço para se
movimentar e ter uma cocção uniforme, além disso, nunca cozinhe mais que
um quilo na mesma panela. A água deve ser salgada depois que entrar em
ebulição e a massa deve ser adicionada depois que voltar a ferver. Ao colocar a
massa, tampe a panela para que a água volte a ferver rapidamente, depois

81
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

continue a cocção com a panela destampada. Assim que a massa for colocada
na panela, ela deve ser mexida para não grudar e, depois, deve-se mexer de
vez em quando. Massas longas, como spaghetti ou pappardelle, nunca,
NUNCA, devem ser quebradas ou cortadas, seja no momento da cocção, seja
no prato. A cocção deve realizar-se sempre com fogo bem alto para que a água
ferva sempre. Dependendo do tamanho da massa, ou se é fresca ou seca,
precisará de um determinado tempo de cozimento, o importante é que ela
esteja sempre, SEMPRE AL DENTE!

O MOLHO CERTO PARA CADA TIPO DE MASSA

Esse é um ponto em que vários cozinheiros discordam, porém em alguns


pontos são unânimes:
• Massas frescas recheadas necessitam de molhos muito leves, como
manteiga e sálvia, ou de tomates frescos, para que não mascarem o
sabor do recheio. Devem no máximo complementarem-se.
• Massas frescas longas e finas, como tagliollini, levam, também, molhos
leves que não “afoguem” a massa. As mais largas, como tagliatelle,
podem receber molhos mais encorpados e pedaçudos.
• As massas secas são muito mais versáteis, devido à neutralidade do seu
sabor. Devemos respeitar, porém, algumas regras: quanto maior a
capacidade de reter molho, maior deverá ser a quantidade de molho
usado. Normalmente são usadas em molhos nos quais é utilizado o
azeite.

82
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

PIADINA
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Farinha de Trigo 250 Gramas
Sal Refinado 05 Gramas
Bicarbonato de Sódio 01 Grama
Água 140 a 170 Mililitros
Banha de Porco 35 Gramas
Para abrir a massa:
Farinha de Trigo 50 Gramas
Recheio:
Mortadela Italiana 200 Gramas
Provolone Meio Picante 200 Gramas
Rúcula Selvagem Q.B. Maço
Azeite Extra Virgem 10 Mililitros
Sal Refinado Q.B. Gramas
Modo de Preparo:
1. Em um bowl, colocar a farinha, o sal e o bicarbonato e fazer um buraco
no centro.
2. Misturar a massa, adicionando água até dar o ponto. Acrescentar a
banha e misturar mais um pouco.
3. Trabalhar a massa na bancada para desenvolver o glúten.
4. Dividir a massa em 7 partes iguais, bolear e descansar por 15 minutos.
5. Abrir a massa bem fina, com o auxílio de um rolo, com cerca de 25cm de
diâmetro.
6. Aquecer grelha e colocar a massa. Fazer alguns furos com um garfo para
que ela asse por igual.
7. Assim que estiver ligeiramente dourada, virar e dourar do outro lado.
8. Rechear com fatias de mortadela e de provolone e dobrar ao meio.
Retornar à grelha para que aqueça, fique crocante e o queijo derreta.
9. Adicionar as folhas de rúcula temperadas com azeite e sal.

83
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

TORTELLI DI ZUCCA ALLE MANDORLE


(Tortelli de Abóbora com Molho de Amêndoas)

Massa
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Farinha de Trigo 100 Gramas
Ovo Tipo Extra Caipira 01 Unidade
Sal Refinado Q.B. Gramas
Modo de Preparo:
1. Fazer massa usando a farinha e o ovo.
2. Rechear e modelar.

Recheio
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Abóbora Moranga 400 Gramas
Azeite Extra Virgem 10 Mililitros
Biscoito Amaretto 15 Gramas
Queijo Parmigiano Reggiano 20 Gramas
Mostarda di Cremona 20 Gramas
Noz Moscada Q.B. Gramas
Canela em Pó Q.B. Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Modo de Preparo:
1. Retirar a casca da abóbora, cortá-la em pedaços grandes e levar ao
forno, em forma untada com o azeite, até ficar macia, cuidando para que
não resseque muito. Amassar bem com um garfo e resfriar.
2. Juntar à abóbora o biscoito amaretto triturado, o queijo ralado, a
mostarda em brunoise e os temperos.

84
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Molho e Finalização
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Amêndoas Inteiras sem Casca 20 Gramas
Manteiga Integral sem Sal 50 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Modo de Preparo:
1. Retirar a pele das amêndoas e cortá-las em lâminas finas.
2. Em uma sauteuse, derreter a manteiga, acrescentar as amêndoas e
deixar que dourem ligeiramente. Acertar o sal.
3. Adicionar a massa cozida e salteá-la.
4. Servir imediatamente.

Obs.: trazer máquina de macarrão.

85
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

CREMA DI LENTICCHIE CON MALTAGLIATI E


VONGOLE
(Creme de Lentilha com Maltagliati e Vôngole)

Massa
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Farinha de Trigo 100 Gramas
Ovo Tipo Extra Caipira 01 Unidade
Sal Refinado Q.B. Gramas
Modo de Preparo:
1. Fazer uma massa com a farinha, o ovo e o sal.
2. Descansar refrigerada por alguns minutos e modelar os maltagliati
conforme demo do chef.

Creme de Lentilha
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Cebola Pera 50 Gramas
Salsão 25 Gramas
Cenoura 25 Gramas
Pimenta Malagueta Seca Inteira 1/2 Unidade
Presunto Cru 30 Gramas
Azeite Extra Virgem 20 Mililitros
Tomate Pelado Italiano 50 Gramas
Lentilha 100 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas

86
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Modo de Preparo:
1. Preparar um batutto com a cebola, o salsão, a cenoura, a pimenta
malagueta seca e o presunto cru.
2. Em uma panela, adicionar o azeite e suar o batutto por alguns minutos.
Acrescentar o tomate pelado cortado na ponta da faca e cozinhar mais
um pouco.
3. Adicionar as lentilhas, cobrir com água e cozinhar, em simmer, até que
estejam macias.
4. Liquidificar muito bem, até obter um creme bem liso, e retornar à
panela, corrigindo o nappé com água quente, se necessário. Temperar
com sal.

Finalização e Montagem
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Azeite Extra Virgem 30 Mililitros
Vôngole Vivo com Concha 200 Gramas
Vinho Branco Seco 30 Mililitros
Sal Refinado Q.B. Gramas
Salsa Fresca Q.B. Maço
Modo de Preparo:
1. Em uma sautoir com um pouco de azeite, adicionar os vôngoles e o
vinho, tampar e cozinhar até que abram. Reservar na sautoir.
2. Cozinhar os maltagliati em abundante água fervente e salgada. Adicioná-
los à sautoir com os vôngoles, polvilhar com a salsa finamente picada e
saltear por alguns minutos.
3. Servir o creme de lentilha com a massa e os vôngoles por cima. Finalizar
com um fio de azeite extra virgem.

87
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

ZAMPONE E COTECHINO CON LENTICCHIE


(Para toda a turma) (Zampone e Cotechino com Lentilha)
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Zampone 01 Unidade
Cotechino 01 Unidade
Cebola Pera 100 Gramas
Cenoura 50 Gramas
Salsão 50 Gramas
Azeite Extra Virgem 50 Mililitros
Lentilha 250 Gramas
Louro Seco 01 Folha
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Mostarda di Cremona 100 Gramas
Modo de Preparo:
1. Cozinhar o zampone e o cotechino em água por cerca de 30 minutos.
Reservar aquecido.
2. Cortar a cebola, a cenoura e o salsão em brunoise fina.
3. Em uma panela, colocar o azeite e suar os vegetais.
4. Acrescentar as lentilhas e envolver na gordura, cozinhando por alguns
minutos.
5. Cobrir com água, adicionar a folha de louro e cozinhar até que estejam
macias, acrescentando mais água quente, se necessário.
6. Temperar com sal e pimenta.
7. Fatiar o zampone e o cotechino com 01 cm de espessura.
8. Em uma travessa, fazer uma “cama” com as lentilhas e colocar as fatias
dos embutidos por cima. Servir acompanhado da mostarda de Cremona.

88
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

PARMIGIANO PASTELLATO AL BALSAMICO


(Parmigiano Empanado ao Balsâmico)

Pastella
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Ovo Tipo Extra 01 Unidade
Sal Refinado Q.B. Gramas
Farinha de Trigo 70 Gramas
Vinho Branco Seco 40 Mililitros
Modo de Preparo:
1. Com o fouet, bater o ovo temperado com sal, adicionar a farinha
peneirada aos poucos e acrescentar o vinho branco até obter a
consistência de creme de leite fresco.
2. Reservar.

Redução de Aceto Balsamico


Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Aceto Balsamico 100 Mililitros
Açúcar Refinado 50 Gramas
Modo de Preparo:
1. Em uma panela pequena, levar o aceto e o açúcar ao fogo médio e
deixar reduzir até que adquira uma consistência de mel.
2. Reservar.

89
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Finalização
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Queijo Parmigiano Reggiano 100 Gramas
Para Fritar:
Óleo de Milho 01 Litro
Para Decorar:
Salsa Crespa Q.B. Maço
Modo de Preparo:
1. Cortar o queijo em cubos de 1,5 cm.
2. Banhar o parmigiano na pastella e fritar por imersão em óleo quente.
3. Servir com a redução e decorar com um ramo de salsa crespa.

90
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

RAVIOLO ALL’UOVO CON BURRO TARTUFATO


(Raviolo com Gema e Manteiga Trufada)

Massa
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Farinha de Trigo 150 Gramas
Ovo Tipo Extra Caipira 08 Unidades
Sal Refinado Q.B. Gramas
Modo de Preparo:
1. Fazer a massa usando 150g de farinha e 8 gemas.
2. Modelar o raviolo conforme demonstração do chef.

Recheio
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Alho in Natura 1/2 Dente
Azeite Extra Virgem 10 Mililitros
Espinafre in Natura 50 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Ricota Fresca 100 Gramas
Queijo Parmigiano Reggiano 40 Gramas
Noz Moscada Q.B. Gramas
Ovo Tipo Extra Caipira 05 Unidades
Modo de Preparo:
1. Em uma sauteuse, dourar o alho inteiro, com a casca, no azeite e
adicionar as folhas de espinafre. Temperar com sal e pimenta, eliminar o
alho e picar bem o espinafre. Esfriar.
2. Em um bowl, colocar o espinafre, a ricota, o parmigiano ralado e
temperar com sal, pimenta e noz moscada.
3. Reservar os ovos para uso na modelagem.

91
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Molho e Finalização
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Manteiga Integral sem Sal 30 Gramas
Sálvia Fresca Q.B. Maço
Sal Refinado Q.B. Gramas
Manteiga Trufada 15 Gramas
Modo de Preparo:
1. Em uma sauteuse, derreter a manteiga integral, adicionar a sálvia e
temperar com sal. Aquecer para que a manteiga doure.
2. Cozinhar a massa em abundante água fervente e salgada, conforme
orientação do chef.
3. Saltear a massa rapidamente no molho, acrescentar a manteiga trufada,
esperar um minuto para que derreta e desprenda os aromas e servir
imediatamente.

Obs.: trazer máquina de macarrão.

92
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

LASAGNA VERDE CON RAGÙ ALLA BOLOGNESE


Massa
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Espinafre In Natura 100 Gramas
Ovo Tipo Extra Caipira 02 Unidades
Farinha de Trigo 300 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Modo de Preparo:
1. Branquear o espinafre, eliminar o excesso de líquido e processá-lo com
os ovos.
2. Fazer a massa com 250g farinha e os ovos batidos com o espinafre. Abrir
e cortar em retângulos de 20 x 10 cm.
3. Branquear a massa em abundante água fervente e salgada, dando
choque térmico em água fria.

Ragù
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Alcatra Moída 300 Gramas
Lombo de Porco Fresco Moído 150 Gramas
Azeite Extra Virgem 40 Mililitros
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Cebola Pera 50 Gramas
Salsão 25 Gramas
Cenoura 25 Gramas
Pancetta 30 Gramas
Vinho Tinto Seco 70 Mililitros
Tomate Pelado Italiano 400 Gramas
Tomilho Fresco Q.B. Maço

93
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Louro Seco 01 Folha


Cravo da Índia Inteiro 02 Unidades
Noz Moscada Q.B. Gramas
Modo de Preparo:
1. Em uma panela de fundo grosso, selar as carnes no azeite e temperar
com sal e pimenta. Reservar.
2. Fazer um battuto com os vegetais e a pancetta e suá-lo na mesma
panela. Retornar a carne e deglacear com o vinho, reduzindo em 50%.
3. Adicionar os tomates bem picados, um sachet com o tomilho, o louro e
os cravos, temperar com noz moscada e cozinhar por algumas horas.
4. Ajustar o sal e pimenta.

Salsa Besciamella
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Farinha de Trigo 30 Gramas
Manteiga Clarificada 30 Gramas
Leite Integral 600 Mililitros
Cebola Pérola 1/2 Unidade
Louro Seco 1/2 Folha
Cravo da Índia Inteiro 01 Unidade
Sal Refinado Q.B. Gramas
Noz Moscada Q.B. Gramas
Modo de Preparo:
1. Em uma panela, fazer um roux branco.
2. Adicionar o leite aos poucos, mexendo com um fouet, até que seja todo
incorporado. Juntar a cebola piqué e cozinhar até que fique com um
nappé pesado.
3. Eliminar a cebola e temperar com sal e noz moscada.

94
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Montagem e Finalização
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Queijo Parmigiano Reggiano 70 Gramas
Modo de Preparo:
1. Em um forma pequena, colocar um pouco de ragù no fundo, uma
camada de massa, mais uma camada de ragù e abundante parmigiano
ralado.
2. Repetir a operação mais algumas camadas e finalizar com a salsa
besciamella e o parmigiano ralado.
3. Levar ao forno por alguns minutos e gratinar na salamandra, se
necessário.

Obs.: trazer máquina de macarrão.

95
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

PANNA COTTA AI FRUTTI DI BOSCO


Panna Cotta
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Creme de Leite Fresco 500 Gramas
Açúcar Refinado 100 Gramas
Fava de Baunilha 1/2 Fava
Gelatina Incolor em Folha 05 Gramas
Modo de Preparo:
1. Em uma panela colocar o creme de leite, o açúcar e a fava de baunilha e
levar ao fogo até levantar fervura.
2. Reidratar a gelatina em água fria e adicioná-la ao creme quente, fora do
fogo.
3. Colocar o creme em forminhas ou taças e levar para gelar até que fique
bem firme.
4. Servir a panna cotta com a salsa de frutas vermelhas.

Salsa de Frutas Vermelhas (Para toda a turma)


Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Frutas Vermelhas 700 Gramas
Açúcar Refinado Q.B. Gramas
Modo de Preparo:
1. Fazer uma salsa com as frutas vermelhas e o açúcar no liquidificador.
Outra opção é macerar as frutas com o açúcar por alguns minutos ou
cozinhá-las com 1/3 do seu peso de açúcar.
2. Reservar refrigerado.

96
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

TOSCANA

OBJETIVOS DA AULA

Conhecer características históricas, geográficas e gastronômicas da


Toscana;
Conhecer a importância do Renascimento no contexto gastronômico
italiano e europeu;
Analisar a influência de Caterina di Medici no cenário pós medieval
francês;
Reconhecer o começo das características mediterrâneas na alimentação
meridional italiana;
Identificar os principais produtos da região.

TERMOS CHAVE:

Bruschetta
Lardo
Pão
Vinho Santo

97
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

98
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

A Toscana é uma das maiores, importantes e lindas regiões italianas, pelo seu
patrimônio histórico, artístico, econômico, cultural e paisagístico. Berço da
língua italiana.

Situada na Itália central, faz fronteira ao noroeste com a Liguria, ao norte com
a Emilia-Romagna, ao leste com Marche e Umbria, e ao sul com o Lazio.

A beleza da terra toscana. Começo das características mediterrâneas. Colinas


doces trabalhadas geometricamente em vinhedos e plantações, casas de
camponeses, extremamente corteses, que parecem obras de arte. Tudo é
simples, preciso, linear e belo. Os toscanos são bem humorados e prestativos,
muito diferentes da diplomacia dos torineses. Possuem um amor pela sua terra
e tradições difícil de encontrar em outras regiões, apesar de marca onipresente
em todas. Esse sentimento gerou a maior rivalidade entre as cidades que se
possa imaginar. Os habitantes de Pisa odeiam os de Livorno e Firenze. Os de
Livorno odeiam os Pisanos e Fiorentinos... e os de Firenze... também, claro.

Terra de origem do movimento cultural que marca o fim da idade média, o


Renascimento. Associado ao humanismo, teve o interesse crescente entre os
acadêmicos europeus pelos textos clássicos, em grego e latim, das civilizações
da Grécia e da antiga Roma, dos períodos anteriores ao triunfo do Cristianismo
na cultura européia e das invasões bárbaras.
No século XVI encontramos, paralelamente ao interesse pela civilização clás-
sica, um menosprezo pela Idade Média, associada a expressões como
“barbarismo”, “ignorância”, “escuridão”, “gótico” ou “sombrio”. A vida cultural
deixou de ser controlada pela Igreja Católica e foi influenciada por estudiosos
da antiguidade greco-romana. Os três mais influentes artistas renascentistas
foram Leonardo da Vinci, Michelangelo Buonarroti e Rafael Sanzio. Hoje, a
Toscana, é o local com maior concentração de obras de arte renascentistas -
pinturas, esculturas e impressionantes preciosidades arquitetônicas.

99
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Na gastronomia, servir refeições criativas e bonitas passou a ser uma


obrigação. Passa-se a usar maciçamente a carne cortada – o que embeleza os
pratos e garante certa fineza e delicadeza -, principalmente a de boi e vitela,
menos usada no período medieval. Os chefs renascentistas tinham verdadeira
paixão pelos miúdos, tanto de aves como de animais de grande porte, além de
peixes (ovas). Tudo é aproveitado e transformado em iguarias gastronômicas
refinadas, o que claramente separa os grandes cozinheiros da época de seus
antecessores medievais – passa-se a aproveitar as cabeças especialmente de
novilho, peru e cabrito, dos quais se usa praticamente tudo: língua, focinho,
miolos, bochechas, orelhas, o céu da boca e finalmente os olhos. O uso maciço
de molhos, agora mais refinados, à base de frutas e de ervas aromáticas,
engrossados com pão moído ou pão torrado, farinhas, amêndoas trituradas ou
ovos, e perfumados com misturas comedidas de especiarias. Há uma grande
quantidade de cozidos e guisados ao lado do florescimento extraordinário das
massas. Frutas e cítricos são usados como elementos aromatizantes básicos, e
a fruta in natura, de forma geral, adquirirá uma posição proeminente entre as
comidas servidas como entrada e saladas.

A cozinha do Renascimento foi marcada pelo cuidado com os detalhes, pela


valorização da harmonia, tal como ocorria com as outras artes. Isto implicava,
dentre outras reações, na rejeição aos banquetes extravagantes da Idade
Média e ao exagero no uso de especiarias. Não se vê, por exemplo, receitas
com pássaros exóticos e purês com múltiplos sabores, mas cortes de carne
mais bem definidos, assados ou preparados em cozimento lento, reduções à
base dos sucos obtidos na cocção e fundos aromatizados com cogumelos,
amêndoas e trufas. Começaram a aparecer os livros de culinária e, em fins do
século XVI, cozinheiros italianos espalharam-se pelo mundo divulgando essa
arte.

100
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

A Família Medici teve grande influência na Toscana entre os sec. XV e XVII,


com 4 papas e duas rainhas da França. Em 1533, quando Caterina di Medici foi
para a França casar-se com Enrico II, levou consigo uma grande quantidade de
cozinheiros. Ela era cética quanto à cozinha francesa, que acreditava que
ingredientes caros e exóticos eram melhores e mais nobres que aqueles
regionais e frescos, e ainda se baseavam na ideologia medieval gastronômica.
Os pratos eram extremamente condimentados, cozidos e elaborados ao ponto
de ninguém saber ao certo o que se estava comendo. Sua chegada mudou
completamente esse cenário gastronômico. Ela introduziu a seqüência de pratos
- entrada, primo, secondo, etc -, mudando o cenário atual de servir-se tudo, até
os doces, ao mesmo tempo. Levou elegância e bom tom à mesa. Introduziu
delicados copos de vidro veneziano, pratos de cerâmica e também o garfo.
Inseriu pratos refinados como guisados, braseados, galantines e sorbês, além
de verduras e alcachofras. Quem queria seguir os bons costumes na França,
seguia Caterina. A ela se devem os princípios de uma cultura gastronômica de
grande influência.

Apesar da influência do Renascimento e do desenvolvimento da cozinha


toscana, proporcionados por famílias ricas e importantes, hoje ela é
rusticamente simples, baseada na cozinha camponesa, mas muito exigente
quanto se trata de matéria prima e métodos de cocção. Aqui tudo se faz na
brasa, mas não é qualquer brasa. Para cada tipo de alimento, usam-se
diferentes tipos de lenhas, que conferem sabores específicos. Cozinha-se desde
a Bisteca alla Fiorentina a peixes do rio Arno, passando por funghi. Amam tudo
que é aromático e fresco, que chega ao prato ainda crocante, cru. As ervas são
usadas em abundância em pratos que são regados com óleo de oliva. Óleo que
é considerado dos melhores desde a antiguidade. Os Medici, que governaram
Firenze, obrigavam que todos os anos algumas oliveiras fossem plantadas nos
olivários. Considerando que essas árvores vivem 400 anos ou mais, até hoje
usufruímos dos frutos desse período. As características do azeite dependem
muito do terroir. Nas regiões onde o clima é temperado, normalmente próximas

101
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

ao mar, ele é mais delicado e redondo, enquanto em locais de colina, com


temperaturas mais baixas, que não permitem um total amadurecimento das
azeitonas, seu sabor é forte, frutado e levemente amargo.

A cozinha toscana não apresenta gordura animal, molhos, recheios, especiarias,


nem mesmo sal em algumas preparações. As ervas são utilizadas em
abundância nos pratos, tanto para temperar, como para fins medicinais. O
pecorino, queijo também encontrado na Toscana, tem sabor especial devido à
abundante alimentação com ervas feita pelas ovelhas. As verduras têm um
papel de primeiro plano. A variedade de funghi é enorme e existe até mesmo
tartufo que faz frente ao de Alba.

A Bisteca alla Fiorentina, famoso corte bovino com pelo menos 450 gramas,
chegando a 1,5 kg, não tem sal e leva apenas azeite, sendo rapidamente selada
sobre a brasa, e consumida quase crua, tamanha a maciez. A ausência do sal é
marca da época, no século XII, em que, no auge da rivalidade entre Pisa e
Firenze, os pisanos proibiram a entrada de sal para os fiorentinos. O pão sem
sal é insípido, mas faz ressaltar a sapidez dos embutidos, queijos e presuntos
crus. Os toscanos amam o pão como em nenhum outro lugar da Itália. Comem-
no pela manhã, embebido no café com leite, antes do almoço fazem a
Bruschetta - chamada de Fettunta na região - com tomates, pasta de azeitonas,
fígado de frango ou simplesmente azeite. A Panzanella é uma salada em que o
pão é o ingrediente principal, a Ribollita e a Pappa al Pomodoro são caldos
engrossados com pão. Até o doce típico de Siena se chama pão, o Panforte de
Siena, redondo, cheio de especiarias, mel, frutas secas, amêndoas e frutas
cristalizadas. O pão também é usado como acompanhamento para massas,
carnes e sopas. Aliás, diferente de outras regiões italianas, o pão é a mais
importante fonte de carboidrato, sendo que a massa e o arroz vêm em segundo
plano.

102
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

A carne de boi tem destaque, mas o cordeiro tem papel fundamental, sendo
difícil encontrá-lo com tamanha qualidade em outros lugares. O porco também
é extremamente utilizado devido à sua criação muito simples, seja ao ar livre,
seja confinado. São feitos salames especiais, presuntos crus e o maravilhoso
lardo di Colonnata. As carnes de caça estão bastante presentes, como a de
lebre, coelho, pombo, faisão e javali.

A costa marítima tem grande importância na gastronomia, como na cidade de


Livorno, onde existe o Cacciuco, sopa feita com diversos tipos de peixes, frutos
do mar, tomates, servido sobre uma fatia de pão tostado.

Mais algumas produções da Toscana:

Pappardelle Aretine
Massa de largo formato, condimentada com molho de pato. Existem também
versões com pedaços de peixes.

Trippa alla Fiorentina


Estômago cortado em fatias finas, cozido com azeite, ervas, tomate e
manjericão.

Tonno Del Chianti


Apesar do nome, de atum (tonno) não tem nada. É feito com carne de vitello,
cozido em vinho e depois submerso em azeite. Por incrível que pareça, a
produção tem um sabor de peixe intenso.

Tordelli
Massa em forma de meia lua, recheada com carne de vitela, queijo pecorino,
ovos e especiarias. Geralmente são temperados com um ragù de vitela.

103
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Ribollita
Sopa densa de feijões, pão, cavolo nero. Seu nome significa cozida pela
segunda vez, pois é preparada na véspera para que adquira maior sabor e
fervida novamente antes de ser consumida.

Triglie alla Livornese


Trilhas com azeite, alho, salsinha, tomates, aipo, sal e pimenta.

Agnello alla Cacciatora


Guisado de cordeiro cortado em pedaços e cozido com azeite, alho, cebolas,
tomates e vinho branco.

Castagnaccio
Espécie de torta à base de farinha de castanhas, água e pouco azeite.
Geralmente é recheada com pinoli, uva passa e alecrim.

Cavalluci
Biscoitos em forma de losangos típicos de Siena, à base de farinha, nozes, zests
cristalizados de laranja, anis e canela.

104
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

BRUSCHETTA COL POMODORO (Fettunta)


(Bruschetta com Tomate)
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Tomate Cereja 150 Gramas
Cebola Roxa 70 Gramas
Manjericão Verde Folha Pequena Q.B. Maço
Azeite Extra Virgem 40 Mililitros
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Pão Italiano 03 Fatias
Alho In Natura 01 Dente
Modo de Preparo:
1. Cortar os tomates em 4 pedaços, juntar a cebola em brunoise, o
manjericão, o azeite, sal e pimenta.
2. Tostar o pão na grelha, aplicar um fio de azeite e esfregar o dente de
alho.
3. Colocar os tomates sobre a fatia de pão e servir imediatamente.

105
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

PANZANELLA
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Pão Italiano 03 Fatias
Tomate Cereja 100 Gramas
Alho in Natura 02 Dentes
Cebola Roxa 70 Gramas
Pepino Japonês 70 Gramas
Pimentão Amarelo 70 Gramas
Azeite Extra Virgem 70 Mililitros
Vinagre de Vinho Tinto 20 Mililitros
Filés de Anchova 03 Unidades
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Manjericão Verde Folha Pequena Q.B. Maço
Alcaparra em Conserva 10 Gramas
Modo de Preparo:
1. Cortar o pão em cubos grandes e tostá-lo no forno.
2. Cortar os tomates em 04 partes, o alho em brunoise fina, a cebola em
julienne, o pepino e o pimentão em cubos médios e adicioná-los ao pão.
3. Fazer uma emulsão com o azeite, o vinagre, os filés de anchova
esmagados, o sal e a pimenta. Acrescentar ao pão com os legumes e
finalizar com o manjericão e as alcaparras, misturando muito bem.

106
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

PAPPA AL POMODORO
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Cebola Pera 200 Gramas
Salsão 100 Gramas
Cenoura 100 Gramas
Pão Italiano 200 Gramas
Azeite Extra Virgem 50 Mililitros
Alho in Natura 02 Dentes
Tomate Pelado Italiano 800 Gramas
Manjericão Verde Folha Pequena Q.B. Maço
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Açúcar Refinado Q.B. Gramas
Modo de Preparo:
1. Preparar um fundo de vegetais com a cebola, o salsão e a cenoura.
2. Cortar o pão em cubos de cerca de 1,5cm. Reservar.
3. Em uma panela, colocar um pouco de azeite e suar o alho cortado em
brunoise fina. Adicionar os tomates cortados grosseiramente e cozinhar
por 10 minutos. Passar pelo moullin e voltar à panela.
4. Acrescentar o pão, metade do manjericão, o fundo de vegetais e
temperar com sal, pimenta e açúcar. Cozinhar por 10 minutos, mexendo
frequentemente, para que forme uma “pappa”. Corrigir os temperos.
5. Servir com abundante manjericão e azeite extra virgem.

107
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

PAPPARDELLE CON RAGÙ DI CONIGLIO


(Pappardelle com Ragù de Coelho)
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Coxa e Sobrecoxa de Coelho 01 Unidade
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Azeite Extra Virgem 40 Mililitros
Presunto Cru 70 Gramas
Cebola Pera 80 Gramas
Salsão 50 Gramas
Cenoura 80 Gramas
Salsa Fresca Q.B. Maço
Vinho Branco Seco 100 Mililitros
Tomate Pelado Italiano 400 Gramas
Manteiga Integral sem Sal 30 Gramas
Noz Moscada Q.B. Gramas
Pappardelle di Grano Duro 120 Gramas
Queijo Grana Padano 40 Gramas
Modo de Preparo:
1. Temperar a coxa e sobrecoxa do coelho com sal e pimenta e, em uma
panela de fundo grosso, selar no azeite. Reservar.
2. Fazer um battuto com o presunto, a cebola, o salsão, a cenoura e a
salsa. Suá-lo na panela do coelho.
3. Retornar o coelho e deglacear o fundo da panela com o vinho. Quando
tiver evaporado, acrescentar o tomate bem picado e deixar cozinhar
lentamente, acrescentando água sempre que necessário, de modo que o
molho mantenha-se abundante.
4. Após 30 minutos de cocção, aproximadamente, retirar a carne. Cortar
em pedaços finíssimos, picando. Devolver a carne ao molho, acrescentar
a manteiga e um pouco de noz moscada ralada.

108
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

5. Cozinhar o pappardelle em abundante água fervente e salgada, saltear


no molho, polvilhar o queijo ralado.

109
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

TRIPPA CON FAGIOLI CANNELLINI E PARMIGIANO


(Bucho com Feijão Branco e Parmigiano) (Para toda a
turma)
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Feijão branco pré-cozido:
Feijão Branco 300 Gramas
Cebola Pera 01 Unidade
Louro Seco 02 Unidades
Bucho:
Bucho Casinha de Abelha 600 Gramas
Laranja Pera 01 Unidade
Cravo da Índia Inteiro 02 Unidades
Louro Seco 02 Unidades
Sal refinado Q.B. Gramas
Cebola Pera 200 Gramas
Salsão 100 Gramas
Cenoura 100 Gramas
Pancetta 100 Gramas
Azeite Extra Virgem 40 Mililitros
Vinho Branco Seco 80 Mililitros
Tomate Pelado Italiano 400 Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Finalização:
Azeite Extra Virgem 30 Mililitros
Queijo Grana Padano 80 Gramas
Modo de Preparo:
1. Em uma panela de pressão, cozinhar o feijão branco com a cebola
cortada na metade e as folhas de louro até que estejam quase cozidos.
2. Reservar o feijão e seu líquido.

110
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

3. Cortar o bucho em tiras de 5 cm de comprimento por 0,5 cm de largura


e lavar bem.
4. Escaldar em água por 30 minutos. Escorrer.
5. Colocar o bucho numa panela de pressão, cobrir com água, adicionar a
casca da laranja inteira, os cravos, as folhas de louro e o sal. Tampar a
panela, levar ao fogo alto e, quando pegar pressão, abaixar o fogo.
Cozinhar por cerca de 40 minutos, até que esteja macio.
6. Eliminar o líquido e os aromáticos, reservando apenas o bucho.
7. Cortar a cebola, o salsão e a cenoura em brunoise e a pancetta em
julienne.
8. Em uma panela, colocar o azeite e suar os aromáticos e a pancetta.
Adicionar o vinho branco e evaporar por alguns minutos. Acrescentar o
tomate bem picado, cozinhando por mais alguns minutos.
9. Juntar o bucho, cobrir com o líquido do cozimento do feijão e cozinhar
por 30 minutos. Acrescentar o feijão, previamente cozido, e cozinhar até
que forme um caldo grosso.
10. Acertar os temperos com sal e pimenta.
11. Servir com um fio de azeite e o queijo ralado.

111
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

CANTUCCINI DI PRATO (Para toda a turma)


Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Manteiga Integral sem Sal 50 Gramas
Açúcar Refinado 180 Gramas
Farinha de Trigo 230 Gramas
Fermento Químico 06 Gramas
Sal Refinado 01 Grama
Limão Siciliano 02 Unidades
Ovo Tipo Extra 02 Unidades
Essência de Baunilha 15 Mililitros
Amêndoas Inteiras Sem Casca 80 Gramas
Pistache sem Casca e Sem Sal 50 Gramas
Para Acompanhar:
Vinho Santo 375 Mililitros
Modo de Preparo:
1. Na batedeira, com a raquete, bater a manteiga e o açúcar até ficar
homogêneo. Acrescentar os ovos (sem a película das gemas), sempre
batendo. Adicionar a farinha, o fermento e o sal peneirados, além das
zestes dos limões e a essência de baunilha.
2. Colocar as amêndoas com a pele e os pistaches, inteiros, e misturar.
3. Transferir a massa para uma assadeira com papel manteiga ou silpat,
dando a forma cilíndrica.
4. Assar em forno pré-aquecido a 160ºC por 20 minutos, até estar firme ao
toque.
5. Retirar do forno e esfriar por aproximadamente 10 minutos, somente
para amornar.
6. Com uma faca de serra, cortar em fatias diagonais de 1cm de espessura.
7. Retornar à assadeira e voltar ao forno a 90ºC por mais 30 minutos, de
cada lado, até que estejam dourados e crocantes.
8. Servir o cantuccini em temperatura ambiente com o vinho santo.

112
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

LAZIO

OBJETIVOS DA AULA

Conhecer características históricas, geográficas e gastronômicas do


Lazio;
Conhecer a influência e importância do império romano para a cultura e
gastronomia italiana e européia;
Reconhecer a valorização da matéria prima, seja de origem animal ou
vegetal, dentro da dieta italiana;
Identificar os principais produtos da região.

TERMOS CHAVE:

Quinto Quarto
Hortaliças
Alcachofras
Bartolomeo Scappi

113
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

114
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Região central cuja capital é Roma, que também é capital da Itália. Faz divisa
ao noroeste com a Toscana, ao norte com a Umbria, ao nordeste com Marche,
ao leste com Abruzzo e Molise, ao sudeste com a Campania e ao oeste com o
mar Tirreno. Dentro da região Lazio há o pequeno território do Estado do
Vaticano.

Diferente do que se possa imaginar, fora de Roma, a região é pobre e


desprovida de riquezas naturais.
A gastronomia do Lazio se manteve inalterada nos últimos séculos, preservando
muito sua originalidade, e está baseada na cozinha da cidade de Roma. Ao
contrário do que aconteceu em regiões como a Toscana, que elaborou novos
pratos a partir de ingredientes e técnicas diversas, Roma manteve-se apegada
às tradições culinárias antigas, baseadas em produtos exclusivos da região, e
influenciada pelo estado papal.

Porém, a história antiga de Roma é diferente. Antes do Império Romano, os


habitantes de Roma consumiam basicamente algo semelhante a uma papa feita
de cereais muito cozidos até se desmancharem, aos quais eram acrescentados
cebola e alho. Ovos, queijos, carne suína e de aves eram os pontos altos das
poucas famílias mais ricas.

Com as conquistas de novas regiões pelo Império Romano, novos hábitos


alimentares foram assimilados. Da Sicília, que fora colônia grega, os romanos
aprenderam a dieta mediterrânea e a arte grega dos banquetes. Foram os
pioneiros na figura do chef de cozinha. Ter um bom cozinheiro era símbolo de
ascensão social e, para tal, costumavam contratar excelentes cozinheiros
sicilianos para incríveis banquetes.

115
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

A valorização dos ingredientes era enorme e a gastronomia muito rica. De


maneira geral, pode-se dividir a alimentação dos romanos em duas categorias:
no almoço, era feita uma alimentação mais frugal, baseada em legumes,
verduras e frutas - a defesa da frugalidade baseava-se na valorização simbólica
de certos alimentos, relacionados a uma vida saudável e, por extensão, a uma
sociedade menos viciosa. A agricultura era considerada como marco
civilizatório: o homem produzia seus próprios alimentos, graças ao processo de
domesticação das plantas, controlando a natureza, o que se opunha à caça e à
pecuária, próprias do espaço selvagem, da natureza.
Já no jantar, ocorriam grandes eventos, muitas vezes de escala gigantesca e
teatral, onde se consumiam alimentos vindos de toda a Itália, da Grécia, do
Oriente Médio, do Egito e da Índia. Os mais ricos cultivavam plantas e criavam
animais de origem estrangeira, sempre visando suprir, com essas matérias
primas, seus enormes banquetes.

Como povo conquistador de terras, os romanos traziam mais riquezas para


Roma, o que aumentava também os excessos à mesa. Um banquete se
compunha de três partes: na primeira era servido o gustatio, composto de
saladas e pequenos pratos equivalentes aos antipastos de hoje; em seguida,
servia-se o mensae primae, etapa principal composta dos pratos mais
consistentes; por último, servia-se o mensae secundae, composto de doces,
bolos, frutas frescas e secas. Nas mesas romanas era comum aparecer frangos,
patos, gansos, galinhas d’angola e pavões, pássaros silvestres como codornas,
perdizes, gralhas, avestruzes, flamingos e garças, além de peixes, rãs,
mexilhões, ouriços e ostras.

Durante os banquetes romanos, os convidados comiam tanto que ficavam


indispostos, por isso era preparada uma sala especial a que chamavam
vomitório. Depois de esvaziado o estômago, voltavam para a sala de jantar e
continuavam a comer!

116
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Utilizavam muito o “garum” que era uma espécie de molho obtido a partir da
fermentação, feita ao sol (durante cerca de dois meses), dos interiores de
peixes, de preferência atum e cavala, aos quais eram adicionados sal. Era
usado em praticamente todos os pratos. Nota: Este produto não possui
qualquer equivalente na moderna cozinha européia. Considera-se que os
molhos de peixe da culinária do sudeste asiático possam ser aquilo que mais se
assemelha ao antigo “garum”.

Nestes banquetes romanos já observavam-se rigorosas regras de precedência


entre os convidados. O anfitrião sentava-se ao centro da mesa e, à sua direita,
o convidado de honra, como ainda hoje é praxe em nossas mesas. Foi o início
dos princípios de etiqueta.

Já a alimentação dos habitantes comuns de Roma, era muito parecida com a de


hoje em dia, baseada em vinho, pães, carnes e legumes.
Pela proibição do fogo dentro de casa, devido ao medo de incêndios, era
comum o consumo de pratos frios ou o hábito de alimentar-se em tavernas.
Além disso, com o tempo, a cidade se tornou uma imensa população de
visitantes e, como em pouquíssimos lugares, o número de homens era muito
maior que o de mulheres, logo, muitos locais se especializaram em fornecer
pratos prontos que eram vendidos a essas pessoas, originando assim o serviço
de buffet.

O maior nome da cozinha romana, apesar da sua origem do Veneto, foi


Bartolomeo Scappi, cozinheiro que transformou a cozinha do vaticano, como
chef do Papa Julio III, em 1549, usando as normas ditadas pelo novo
renascimento. Lançou uma obra de seis volumes que até hoje é cultuada e
usada pelos cozinheiros italianos.

117
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Com a expansão do cristianismo, pratos foram criados e servidos para atender


os viajantes e peregrinos nas muitas tavernas que surgiram: Bavette alla
Carretiere, Spaghetti alla Puttanesca, Spaghetti all’Amatriciana, Spaghetti alla
Carbonara. Os muitos matadouros da cidade fornecem o que os comensais
chamam de o “quinto quarto”, ou seja, os interiores, vísceras ou partes menos
nobres dos animais com os quais são preparados diversos pratos, como a Coda
alla Vaccinara (rabo de boi) ou o Rigatoni alla Paiata, feita com os intestinos do
vitello.

Hoje, os romanos têm verdadeira adoração pelas massas, mais que em


qualquer lugar da Itália. São fanáticos por alcachofras, consumindo suas muitas
variedades de diversas formas: recheadas, cozidas, cruas e fritas – estas,
influência da cozinha judaica -, agridoces, com alho e hortelã ou recheadas de
carne de porco. Amam as chicórias recheadas de anchovas, aliás, todas as
hortaliças, que são consumidas em forma de saladas. Adoram as sopas ricas
com carnes e leguminosas, como a minestra de grão de bico com costela de
porco.

Ao contrário do norte, em que a gordura predominante é a manteiga, e do sul,


que é o azeite, em Roma é muito usada para a fritura a banha de porco.

Roma continua sendo uma das cidades mais visitadas da Itália, por isso é onde
existem, ao menos, 10 vezes mais bares que em qualquer outro lugar. O
cappuccino é consumido somente de manhã, mas se um turista desavisado
resolver tomá-lo depois do almoço, à tarde ou à noite, o barman fará, com
muita má vontade, mas fará.

Algumas produções da cozinha laziale:


Fiori di Zucca Farciti
Flores de abóbora recheadas com mozzarella, farinha de rosca e anchovas,
depois passadas em pastella e fritas.

118
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Gnocchi alla Romana


Gnocchi feitos com uma polenta de semolina, à qual, depois de fria, são
incorporados manteiga, ovos e queijo. Corta-se então a polenta em formato de
discos que são colocados sobrepostos em uma forma, polvilhados de parmesão
e levados ao forno para gratinar.

Stracciatella
Sopa preparada com caldo fervente, ao qual é adicionada uma mistura de ovos
batidos com parmigiano e noz moscada, de modo que se coagule formando fios
solidificados.

Baccalà in Guazzetto
Filés de bacalhau enfarinhados e fritos, cujo cozimento é completado em molho
de tomates com anchovas, pinoli e uvas passas.

Abbacchio alla Romana ou Abbacchio alla Cacciatora


Provavelmente o prato mais renomado da cozinha da região: cordeiro de leite
cozido com alho, alecrim, vinho branco, anchovas e pimenta vermelha.

Puntarelle con Salsa di Acciughe


Salada preparada com os jovens brotos da catalonha que se formam na parte
interna do maço. Servida crua, com molho à base alho, vinagre ou limão, sal,
pimenta e anchovas.

Crostata
Torta de massa doce assada com uma camada de geleia, geralmente de um
tipo de cereja denominadas visciole.

119
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

MINESTRA DI CECI E COSTINE DI MAIALE


(Sopa de Grão de Bico e Costelinha de Porco)
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Costela de Porco Fresca 350 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Azeite Extra Virgem 40 Mililitros
Pancetta 50 Gramas
Cebola Pera 70 Gramas
Batata Monalisa 150 Gramas
Grão de Bico Demolhado 250 Gramas
Tomate Pelado Italiano 100 Gramas
Queijo Grana Padano 40 Gramas
Modo de Preparo:
1. Numa panela de fundo grosso, selar as costelas de porco, temperadas
com sal e pimenta, em um pouco de azeite. Reservar.
2. Eliminar o excesso de gordura da panela, adicionar a pancetta cortada
em cubos pequenos e dourar levemente. Juntar a cebola em brunoise e
suar. Acrescentar a batata em cubos médios, o grão de bico, o tomate
cortado rusticamente, retornar as costelas e cobrir com água. Temperar
com sal e pimenta.
3. Cozinhar até que a costela esteja macia. Retirá-la da panela, separar a
carne do osso, eliminando-o, e cortá-la em pedaços pequenos.
4. Processar 1/3 da sopa. Retornar à panela, juntamente com a carne da
costela.
5. Acrescentar 30g de queijo ralado, ajustar o sal e a pimenta.
6. Servir com um fio de azeite extra virgem e o restante do queijo ralado.

120
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

SPAGHETTI ALLA CARBONARA


Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Pancetta 40 Gramas
Azeite Extra Virgem 10 Mililitros
Ovo Tipo Extra Caipira 03 Unidades
Queijo Pecorino Romano 25 Gramas
Queijo Grana Padano 25 Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Spaghetti di Grano Duro 120 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Modo de Preparo:
1. Numa panela, dourar levemente a pancetta cortada em julienne no
azeite. Reservar na panela, eliminando o excesso de gordura.
2. Num bowl, bater as gemas com os queijos ralados e um pouco de
pimenta picada finamente.
3. Cozinhar o spaghetti em abundante água fervente e salgada até estar al
dente.
4. Na panela com a pancetta, fora do fogo, colocar a massa escorrida e
quente, adicionar a mistura de gemas e misturar vigorosamente,
colocando um pouco da água do cozimento da massa para ajustar a
consistência do molho, que deve ser cremoso, tomando muito cuidado
para não coagular as gemas.
5. Servir imediatamente com mais um pouco de pimenta por cima.

121
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

SALTIMBOCA ALLA ROMANA


Purê de Batata
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Batata Monalisa 350 Gramas
Leite Integral 80 Mililitros
Sal Refinado Q.B. Gramas
Manteiga Integral sem Sal 100 Gramas
Modo de Preparo:
1. Cozinhar as batatas com casca a partir de água fria.
2. Descascar as batatas, espremer e passá-las pela peneira.
3. Numa panela, colocar o purê e acrescentar o leite para que fique
cremoso. Temperar com sal. Reservar.
4. No momento de servir, montar com a manteiga em cubos.

Saltimboca e Montagem
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Patinho de Vitelo 200 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Sálvia Fresca Q.B. Maço
Presunto Cru em Fatias 30 Gramas
Farinha de Trigo 40 Gramas
Manteiga Clarificada 20 Gramas
Vinho Branco Seco 70 Mililitros

122
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Modo de Preparo:
1. Limpar e cortar o vitelo em escalopes. Bater com o batedor de carne,
entre sacos plásticos, a fim de obter uma espessura mais fina e um
diâmetro maior. Temperá-los com sal e pimenta.
2. Colocar sobre um lado da carne uma folha de sálvia e uma fatia de
presunto cru. Bater novamente com o batedor de carne para que a fatia
de presunto fixe bem. Aplicar o singer.
3. Numa sauteuse com manteiga, saltear os escalopes começando do lado
do presunto. Virar e saltear do outro lado. Reservar aquecido.
4. Na mesma sauteuse, adicionar o vinho, deglacear e reduzir.
5. Servir o saltimboca e seu molho com o purê de batatas.

123
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

PORCHETTA ALLA ROMANA (Para toda a turma)


Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Erva Doce Fresca 01 Unidade
Alecrim Fresco Q.B. Maço
Tomilho Fresco Q.B. Maço
Alho in Natura 02 Cabeças
Limão Siciliano 05 Unidades
Azeite Extra Virgem 250 Mililitros
Vinho Branco Seco 200 Mililitros
Porchetta com 06 Quilos 01 Unidade
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta Calabresa Seca em Flocos Q.B. Gramas
Erva Doce em Semente Q.B. Gramas
Pancetta em Fatias Finas 300 Gramas
Linguiça Suina Fresca 1,5 Quilo
Para servir:
Pão Italiano em Filão 01 Unidade
Limão Siciliano 05 Unidades
Modo de Preparo:
1. Fazer um tempero processando as ervas, o alho, as raspas e o suco dos
limões, metade do azeite e do vinho branco.
2. Temperar a parte interna da porchetta com o sal, a pimenta, a erva doce
em semente e cobrir com o tempero de ervas.
3. Adicionar as fatias de pancetta e a carne da linguiça bem desmanchada.
4. Enrolar a porchetta e amarrar com barbante.
5. Colocar em uma GN, acrescentar o restante do azeite e do vinho branco,
temperar por fora com sal e marinar na câmara fria.
6. Colocar a porchetta sobre uma grade de forno, dispor a assadeira com o
líquido da marinada por baixo e levar para assar em forno pré-aquecido

124
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

a 140ºC por cerca de 03 horas, até que a carne esteja cozida e a pele
crocante.
7. Servir com as fatias de pão italiano grelhadas e gomos de limão.

125
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

CAMPANIA

OBJETIVOS DA AULA

Conhecer características históricas, geográficas e gastronômicas da


Campania;
Verificar características da dieta mediterrânea e conhecer suas origens;
Reconhecer a importância de Napoli e suas produções no cenário
gastronômico internacional;
Conhecer a produção da mozzarella di bufala campana;
Identificar a influência da cultura árabe na confeitaria napolitana;
Realizar a finalização de massas, emulsionando o molho;
Identificar os principais produtos da região.

TERMOS CHAVE:

Magna Grécia
Grano Duro
Tomate
Pizza

126
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

127
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Napoli, capital da Campania, região sul da Itália, foi fundada pelos Gregos, no
período da Magna Grécia, no século VIII a.C.. Após esse período, no século III
a.C., os romanos dominaram a cidade, que depois foi dominada pelo império
bizantino, no século VI. Mais tarde, entre 1500 e 1700, a cidade foi dominada
pelos espanhóis e depois pelos franceses, até que se tornou parte do estado
italiano em 1861 com a unificação italiana.

Hoje, a cidade, com quase 1 milhão de habitantes, é conhecida por ser


barulhenta, colorida, caótica, linda. Ao pé do vulcão Vesúvio, o povo vive com
uma alegria e amor por sua cidade pouco vista em outro lugar. Concentra os
melhores alfaiates e sapateiros do mundo, herança da época em que foi um
grande reino, uma grande corte. É terra de grandes escritores e poetas,
juntamente com Palermo, na Sicilia. Exageradamente temperamentais e
hospitaleiros, os napolitanos são intensos em tudo que fazem. A vida é simples
e mais difícil que no norte da Itália, mas de uma vivacidade que deixa para trás
qualquer problema.

Esse estilo de vida tem reflexo em sua cozinha vigorosa, saborosa e simples,
reconhecida como o maior expressão da cozinha italiana. Os produtos de sabor
inigualáveis usados em seus pratos, devido à fertilidade da terra, que mescla a
lava do vulcão e as algas do mar, dispensam o uso de muitos ingredientes que
mascarem defeitos ou complementem falta de sabor. Possuem peixes e frutos
do mar espetaculares, além de grande variedade de moluscos bivalves. O trigo
de grão duro é usado para a produção de massas secas, as melhores de todo o
mundo. Região que desde os tempos antigos forneceu itens agrícolas para a
capital Roma, propiciando seu desenvolvimento.

Disso tudo, nasceu a maravilhosa cozinha napolitana, à base de legumes e


verduras, peixes e frutos do mar. Com seus incríveis tomates, que crescem ao
sopé do Vesúvio, e a inebriante mozzarella di bufala, foram criados os dois
pratos mais emblemáticos de toda a Itália: o spaghetti al pomodoro e a pizza!

128
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

O tomate chegou à Itália vindo da América, com os espanhóis, no século XVI,


porém, durante 200 anos, foi usado apenas como planta ornamental e era
considerado fruto venenoso. Após a constatação do seu sabor é que o tomate
começou a ser usado na cozinha napolitana das mais variadas formas, como
saladas, recheado, guisado, porém nenhuma outra maneira mostra melhor suas
características que na forma de molho.

Hoje na Campania, cultivam-se inúmeras variedades de tomates, porém o mais


famoso é, sem dúvida, o San Marzano, fruto alongado, com polpa firme e
adocicada. Como são colhidos apenas no verão, para garantir sua presença nas
mesas italianas por todo o ano, desenvolveram formas de conservas dos mais
variados tipos: tomate pelado, concentrado de tomate, passata de tomate ou
polpa de tomate. Só a província de Salerno, ao lado de Napoli, processa
1.250.000 toneladas de tomates por ano. Hoje, ao lado da Emilia Romagna, a
Campania é o maior produtor e exportador desses produtos em todo o mundo.

Na província de Gragnano existem os melhores moinhos de trigo de grão duro,


com os quais são produzidas as fantásticas massas secas e pães de casca
rústica e miolo ácido, que se mantêm macios por muito tempo.

Muito se diz em relação à criação do seu prato mais famoso, a pizza. Alguns
acreditam que é herança do tempo do império do romano, no qual existia um
pão achatado chamado picea. Outros, que nasceu em Genova, no ano de 1490.
Seu nome deriva do latim pinsa, verbo passado de pinsere, que significa
amassar. O fato é que demorou muito tempo para que, em torno de 1700, os
napolitanos transformassem aquele pão na verdadeira pizza, com molho de
tomate e anchovas, que em 1850 popularizou-se conquistando adeptos até
mesmo entre os reis. Após a unificação italiana, iniciada em 1861, o pizzaiolo
Raffaele Esposito, em sua pizzaria Brandi, em ocasião da visita do rei Umberto I
e da rainha Margherita, em 1889, criou a pizza Margherita, usando tomate,

129
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

mozzarella e manjericão, - vermelho, branco e verde, cores da Itália -, para


homenagear a rainha homônima.
Curiosamente a pizza não teve sua expansão rápida por toda a Itália como se
imagina. Inicialmente ela se popularizou nos EUA, a partir de 1902 com a
inauguração da primeira pizzaria napolitana no país, e depois, só nos anos 70, é
que ela se espalhou por toda a Itália, porém sempre foi muito consumida em
Napoli. Onde, aliás, come-se com as mãos, dobrando-a em 4, engolida em 4
mordidas.
Os sabores mais tradicionais são a mozzarella, margherita, marinara, alici, 4
formaggi, napoletana, capricciosa, quattro stagioni, sempre com o uso de
ingredientes locais, aberta com as mãos e assada em forno a 485ºC. Hoje são
encontradas algumas variações mais modernas, com abacaxi ou batata frita por
exemplo, para desespero dos verdadeiros apreciadores da redonda napolitana.

Nada se compara em termos de excelência que a verdadeira mozzarella di


bufala da Campania. O gado é de búfalo e não bovino, pois se adaptaram muito
melhor aos terrenos alagados da região. Queijo de sabor suave e marcante ao
mesmo tempo, textura macia e suculenta, leitoso, levemente salgado e
adocicado, lembra o seio materno. Seus vários tamanhos e formas garantem
satisfação total: as ciliegine de 25 gramas, os bocconcini de 50 gramas, até a
aversana de 500 gramas, além das tranças. Deve ser consumida no mesmo dia
da produção para que se tenha o total esplendor das suas características, por
isso, é inevitável que se consuma na região. As melhores são feitas entre as
cidades de Salerno, Eboli e Paestum. Outros queijos também são produzidos,
como a mozzarella de leite de vaca, chamada Fior di Latte, a provola, que é a
mozzarella defumada, com um maravilhoso tom dourado por fora e branca por
dentro, e o caciocavallo, que pode ser conservado por até um ano.

Os peixes, camarões e frutos do mar são parte importante da alimentação dos


napolitanos. Os peixes são vendidos quase vivos, mostrando todo seu frescor, e
a variedade de camarões é impensável. Os moluscos bivalves existem em

130
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

enorme quantidade e espécies. São vôngoles, mexilhões, ostras, ouriços, todos


fresquíssimos, consumidos de forma muito simples, salteados com azeite e
alho, com spaghetti ou, ainda, crus com um pouco de suco de limão.

Capri e a Costiera Amalfitana nos brinda com belíssimas receitas à base de


peixes e frutos do mar, tomates fresquíssimos e ervas muito perfumadas, com
destaque para o manjericão. Em Capri temos a conhecida Salada Caprese, com
mozzarella di bufala, tomate e manjericão, além de muitos pratos à base de
coelho. Em Sorrento e Amalfi existe uma grande produção do licor feito com
limão siciliano, o Limoncello.

Como se tudo isso não bastasse, a Campania, juntamente com a Sicilia, tem a
doçaria mais importante da Itália, com seus Babàs, de origem
polonesa/francesa, a Pastiera di Grano, doce típico de Páscoa, a Sfogliatella,
nas versões frola e riccia, e o Susamielli e Struffoli, típicos do Natal. Os doces
são uma verdadeira paixão napolitana. Logo pela manhã se consome um belo
copo de leite de amêndoas acompanhado de uma sfogliatella. Melhor forma de
começar o dia não existe!

Algumas produções de origem da Campania:


Crostini alla Napoletana
Fatias de pão espalmado de manteiga, cobertos de mozzarella, tomates frescos,
anchovas e orégano, assadas no forno.

Gattò di Patate
Espécie de torta feita com purê de batatas misturado com ovos, salame,
provolone e parmesão, assada no forno.

Zucchine a Scapece
Escabeche de abobrinhas fritas em azeite e marinadas numa mistura de água e
vinagre, alho, pimenta e hortelã.

131
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Ravioli alla Napoletana


Massa em formato de meia lua, recheada com mozzarella, ricota, presunto cru
e salsinha, condimentados com molho de tomate ou ragù.

Minestrone alla Napoletana


A diferença desta sopa de verduras, em relação àquelas das demais regiões, é
a presença da abóbora e de alguma massa curta.

Alici Ammollicate
Anchovas frescas ao forno com alho, vinho branco, salsinha e farinha de rosca.

Polpi alla Luciana


Pequenos polvos cozidos e temperados com azeite, alho, salsinha, pimenta e
limão.

Braciole di Maiale alla Napoletana


Bifes à rolê feitos com carne de porco, recheados com um composto de
alcaparras, presunto cru, farinha de rosca, uvas passas e pinoli. São cozidos em
molho de tomate com pouca pimenta vermelha.

Pastiera di Grano
Torta doce recheada com ricota, trigo cozido em leite e banha, água de flor de
laranjeira, fruta cristalizada, ovos e especiarias.

Babà al Rum
Doce de massa levedada embebido em calda de açúcar e rum.

132
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

MOZZARELLA IN CARROZZA
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Filés de Anchova 02 Unidades
Pão de Forma Sem Casca 04 Unidades
Mozzarella di Bufala Bola 200 Gramas
Manjericão Verde Folha Larga Q.B. Maço
Farinha de Trigo 100 Gramas
Ovo Tipo Extra 02 Unidades
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Azeite Extra Virgem 150 Mililitros
Modo de Preparo:
1. Amassar os filés de anchova e espalhar sobre o pão.
2. Colocar a mozzarella em fatias e o manjericão em julienne e fechar como
um sanduíche, apertando bem.
3. Cortar do formato desejado, passar na farinha de trigo, no ovo
temperado com sal e pimenta e fritar no azeite dos dois lados.
4. Servir imediatamente.

133
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

LINGUINE AI FRUTTI DI MARE


(Linguine com Frutos do Mar)
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Vôngole Vivo com Concha 150 Gramas
Mexilhão Vivo com Concha 50 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Camarão 25/1 03 Unidades
Lula Inteira Fresca 02 Unidades
Alho in Natura 01 Unidade
Pimenta Malagueta Seca Inteira 1/2 Unidade
Salsa Fresca Q.B. Maço
Tomate Sweet Grape Maduro 50 Gramas
Azeite Extra Virgem 50 Mililitros
Vieira com Coral 02 Unidades
Vinho Branco Seco 30 Mililitros
Linguine di Grano Duro 120 Gramas
Modo de Preparo:
1. Colocar os vôngoles e os mexilhões em água com abundante sal por 30
minutos, para eliminar eventuais resíduos de areia. Escorrer, lavar bem e
reservar.
2. Limpar os camarões, eliminando as cascas e cabeças e cortá-los em 03
pedaços. Limpar e cortar as lulas em anéis, reservando também as
cabeças.
3. Picar finamente o alho, a pimenta malagueta e a salsa. Cortar os
tomates em 4. Reservar.
4. Temperar os frutos do mar com sal.
5. Em uma sautoir, saltear os frutos mar, um por vez, exceto as conchas, e
reservá-los.

134
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

6. Adicionar um pouco mais de azeite, se necessário, e acrescentar os


aromáticos picados. Aquecer um pouco para desprender o aroma, sem
que o alho queime.
7. Juntar os tomates e saltear por alguns segundos. Adicionar as conchas, o
vinho branco e cozinhar com a tampa até que abram.
8. Cozinhar o linguine em abundante água fervente e salgada até estar al
dente.
9. Escorrer a massa cozida e colocá-la no molho. Juntar os frutos do mar
reservados.
10. Montar com azeite. Servir imediatamente.

135
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

CANNELLONI ALLA SORRENTINA


Massa
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Semolina Italiana 200 Gramas
Ovo Tipo Extra Caipira 02 Unidades
Sal Refinado Q.B. Gramas
Modo de Preparo:
1. Fazer uma massa usando a semolina e os ovos.
2. Abrir a massa e cortar em retângulos de 10 x 15 cm.
3. Cozinhar em abundante água fervente e salgada, deixando al dente, e
dar choque térmico em água gelada. Reservar.

Recheio
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Queijo Scamorza Defumado 80 Gramas
Mozzarella di Bufala Cerejinha 100 Gramas
Presunto Cozido 80 Gramas
Ricota Fresca 100 Gramas
Queijo Grana Padano 40 Gramas
Salsa Fresca Q.B. Maço
Ovo Tipo Extra 01 Unidade
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Noz Moscada Q.B. Gramas
Modo de Preparo:
1. Cortar a scamorza, a mozzarella e o presunto em cubos pequenos.
Misturá-los com a ricota, metade do grana ralado, a salsa finamente
picada e o ovo.
2. Temperar com sal, pimenta e noz moscada. Reservar.

136
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Sugo di Pomodoro
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Azeite Extra Virgem 20 Mililitros
Alho in Natura 02 Unidades
Tomate Italiano Pelado 400 Gramas
Louro Seco Q.B. Folha
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Manjericão Verde Folha Pequena Q.B. Maço
Modo de Preparo:
1. Numa panela, colocar o azeite e dourar levemente o alho cortado em
brunoise.
2. Acrescentar os tomates bem picados, com seu suco, o louro e cozinhar
por 45 minutos, adicionando água quente se necessário.
3. Temperar com sal e pimenta e juntar o manjericão. Reservar.

Salsa Besciamella
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Farinha de Trigo 30 Gramas
Manteiga Clarificada 30 Gramas
Leite Integral 600 Mililitros
Cebola Pérola 1/2 Unidade
Louro Seco 1/2 Folha
Cravo da Índia Inteiro 01 Unidade
Sal Refinado Q.B. Gramas
Noz Moscada Q.B. Gramas

137
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Modo de Preparo:
1. Em uma panela, fazer um roux branco.
2. Adicionar o leite aos poucos, mexendo com um fouet, até que seja todo
incorporado. Juntar a cebola piqué e cozinhar.
3. Eliminar a cebola e temperar com sal e noz moscada.

Montagem e Finalização
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Queijo Grana Padano 50 Gramas
Modo de Preparo:
1. Rechear os cannelloni conforme instrução do chef.
2. Em uma assadeira, colocar metade do sugo di pomodoro no fundo,
dispor os cannelloni lado a lado, cobrir com o restante do sugo e a salsa
besciamella. Finalizar com o queijo grana padano ralado.
3. Levar ao forno por alguns minutos e gratinar na salamandra, se
necessário.

Obs.: trazer máquina de macarrão.

138
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

PASTIERA DI GRANO (Para toda a turma)


Massa
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Açúcar Refinado 100 Gramas
Manteiga Integral sem Sal 100 Gramas
Ovo Tipo Extra 01 Unidade
Farinha de Trigo 300 Gramas
Limão Siciliano 1/2 Unidade
Modo de Preparo:
1. Na batedeira, usando o globo, bater o açúcar com a manteiga.
2. Juntar o ovo e bater mais.
3. Fora da batedeira, juntar a farinha de trigo peneira e as raspas de limão.
Misturar.
4. Embalar em filme e deixar descansar na geladeira por 30 minutos.

139
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Recheio e Finalização
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Ricota Fresca 500 Gramas
Ovo Tipo Extra 04 Unidades
Açúcar refinado 150 Gramas
Frutas cristalizadas 50 Gramas
Uvas Passas Brancas 50 Gramas
Farinha de Trigo 20 Gramas
Água de flor de laranjeira Q.B. Mililitros
Essência de Baunilha 20 Mililitros
Canela em pó Q.B. Gramas
Sal refinado 02 Gramas
Limão siciliano 1/2 Unidade
Trigo Cozido para Pastiera 250 Gramas
Modo de Preparo:
1. Em uma batedeira, com o globo, bater a ricota, as gemas dos ovos e o
açúcar até formar um creme homogêneo.
2. Adicionar as frutas cristalizadas picadas e as uvas passas hidratadas
(ambas envoltas em farinha de trigo), a água de flor de laranjeira, a
essência de baunilha, a canela, o sal, as raspas de limão e o trigo em
grão cozido.
3. Acrescentar, delicadamente, as claras em neve em picos médios.
4. Forrar uma assadeira redonda de fundo removível de 23 x 5 cm com a
massa, colocar o recheio e cobrir com tiras de massa, como se fosse
uma treliça.
5. Assar a uma temperatura de 170ºC em forno pré-aquecido por
aproximadamente 50 minutos.
6. Depois de frio, desenformar.

140
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

TORTA CAPRESE (Duas por turma)


Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Amêndoas sem Casca 200 Gramas
Chocolate Amargo 150 Gramas
Manteiga Integral sem Sal 200 Gramas
Açúcar Refinado 200 Gramas
Ovo Tipo Extra 04 Unidades
Para Untar:
Manteiga Integral Sem Sal Q.B. Gramas
Farinha de Trigo Q.B. Gramas
Para Polvilhar:
Açúcar de Confeiteiro 50 Gramas
Modo de Preparo:
1. Retirar a pele das amêndoas. Aquecer no forno e triturá-las ainda
quentes.
2. Cortar o chocolate em pedaços pequenos e derreter em banho Maria.
3. Fora do fogo, adicionar a manteiga e o açúcar. Misturar até incorporar
bem.
4. Adicionar as amêndoas e as gemas, misturando bem.
5. Bater as claras em neve (picos médios) e misturar, delicadamente, ao
creme de chocolate.
6. Colocar em uma forma untada com manteiga e enfarinhada e assar em
forno pré-aquecido a 170ºC por cerca de 25 a 30 minutos.
7. Desenformar a torta morna e servir em temperatura ambiente polvilhada
com o açúcar de confeiteiro.

141
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

FRITTO MISTO DI MARE


Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Lula Inteira Fresca 02 Unidades
Trilha Inteira Fresca 01 Unidade
Camarão 25/1 150 Gramas
Limão Siciliano 02 Unidades
Manjuba Inteira Fresca 100 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Azeite Extra Virgem 100 Mililitros
Óleo de Milho 01 Litro
Alho in Natura 02 Dentes
Farinha de Trigo 200 Gramas
Modo de Preparo:
1. Limpar as lulas, cortá-las em anéis, reservando as cabeças. Filetar a
trilha. Limpar os camarões e cortá-los ao meio longitudinalmente. Cortar
1/2 limão em rodelas de 1mm de espessura. Reservar.
2. Temperar os pescados com sal e pimenta.
3. Em uma panela, colocar o azeite, o óleo e os dentes de alho amassados.
Levar ao fogo e, assim que aquecer, eliminar o alho.
4. Passar os pescados na farinha, eliminar o excesso e fritar por imersão
até que estejam dourados e tenros. Empanar, também, as fatias de
limão e fritá-las. Escorrer em papel absorvente.
5. Servir quente acompanhado de quartos de limão.

142
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

GATTÒ DI PATATE
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Batata Baraka 800 Gramas
Manteiga Integral sem Sal 120 Gramas
Queijo Grana Padano 120 Gramas
Ovo Tipo Extra 02 Unidades
Presunto Cru em Peça 120 Gramas
Salsa Fresca Q.B. Maço
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Farinha de Rosca 50 Gramas
Provolone Meio Picante 80 Gramas
Mozzarella di Bufala Bola 150 Gramas
Para Untar:
Manteiga Integral sem Sal Q.B. Gramas
Modo de Preparo:
1. Cozinhar as batatas inteiras e com casca a partir de água fria.
2. Descascar as batatas quentes, cortar em pedaços pequenos
rusticamente e colocar em um bowl.
3. Juntar 80g de manteiga e amassar as batatas com um garfo a fim de
obter um purê rústico.
4. Acrescentar o grana padano ralado, os ovos, o presunto cru triturado, a
salsa finamente picada e temperar com sal e pimenta. Misturar bem.
5. Untar muito bem uma forma redonda com manteiga e polvilhar com a
farinha de rosca.
6. Colocar metade das batatas na forma e cobrir com as fatias de provolone
e de mozzarella di bufala.
7. Cobrir com a outra metade das batatas, polvilhar farinha de rosca e
colocar pedaços da manteiga restante.
8. Assar em forno pré-aquecido a 220ºC até que esteja bem dourado.

143
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

PASTA AL FORNO CON POLPETTINE

Polpettine
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Pão de Forma sem Casca 02 Fatias
Leite Integral 30 Mililitros
Alcatra Moída 200 Gramas
Pernil Suíno Moído 50 Gramas
Alho in Natura 01 Dente
Salsa Fresca Q.B. Maço
Queijo Grana Padano 20 Gramas
Ovo Tipo Extra 01 Unidade
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Azeite Extra Virgem 100 Mililitros
Modo de Preparo:
1. Hidratar o pão rasgado no leite. Reservar.
2. Misturar as carnes com o pão umedecido, o alho em brunoise fina, a
salsa finamente picada, o queijo ralado e o ovo. Misturar muito bem.
3. Temperar com sal e pimenta.
4. Modelar os polpettine com 1 cm de diâmetro.
5. Fritar em azeite por alguns minutos até dourarem. Reservar.

Sugo di Pomodoro
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Azeite Extra Virgem 30 Mililitros
Alho in Natura 02 Dentes
Passata di Pomodoro 690 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Manjericão Verde Folha Pequena Q.B. Maço

144
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Modo de Preparo:
1. Em uma panela alta, colocar o azeite e o alho em brunoise fina, levar ao
fogo e cozinhar até o alho desprender seu aroma. Adicionar a passata de
tomate.
2. Acrescentar as polpettine.
3. Cozinhar em fogo lento por 30 minutos, adicionando água quente se
necessário.
4. Ajustar o sal, adicionar o manjericão e cozinhar por mais 2 minutos para
liberar o aroma.

Finalização
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Penne Rigate 250 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pecorino 80 Gramas
Mozzarella di Bufala Cerejinha 250 Gramas
Mortadella Italiana 100 Gramas
Modo de Preparo:
1. Cozinhar o penne em abundante água fervente e salgada.
2. Misturar a massa com o molho, metade do pecorino ralado, metade da
mozzarella cortada ao meio e a mortadela em julienne.
3. Em uma assadeira média, colocar o penne e cobrir com o restante da
mozzarella e do pecorino.
4. Levar ao forno pré-aquecido a 220ºC até que o queijo esteja bem
gratinado.

145
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

STRUFFOLI (Para toda a turma)

Massa
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Farinha de Trigo 500 Gramas
Ovo Tipo Extra 05 Unidades
Açúcar Refinado 70 Gramas
Manteiga Integral sem Sal 80 Gramas
Laranja Pera 1/2 Unidade
Limão Siciliano 1/2 Unidade
Conhaque 30 Mililitros
Sal Refinado 01 Grama
Para Fritar:
Óleo de Milho 01 Litro
Modo de Preparo:
1. Em um bowl, colocar a farinha e fazer um buraco no centro.
2. Adicionar os ovos, o açúcar, a manteiga, as raspas dos cítricos, o
conhaque e o sal. Misturar bem e trabalhar a massa, sobre a bancada,
até obter uma massa bem lisa e homogênea.
3. Cobrir com filme plástico e descansar refrigerado por 30 minutos.
4. Abrir a massa em cilindros de 0,5 cm de espessura e cortar em pedaços
de 0,5 cm.
5. Fritar os struffoli em óleo até estarem dourados.
6. Colocar em papel absorvente para eliminar o excesso de óleo. Reservar.

146
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Calda e Finalização
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Mel 300 Gramas
Frutas Cristalizadas 200 Gramas
Confeitos Prateados 50 Gramas
Granulado Colorido 50 Gramas
Modo de Preparo:
1. Em uma sautoir, colocar o mel e derreter em fogo baixo.
2. Adicionar as frutas cristalizadas picadas e acrescentar os struffoli,
misturando bem.
3. Depois de frio, juntar os confeitos prateados e os granulados coloridos e
misturar.
4. Servir os struffoli em um prato, formando um “monte”.

147
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

ZEPPOLE DI SAN GIUSEPPE (Para toda a turma)

Massa
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Água 250 Mililitros
Manteiga Integral sem Sal 70 Gramas
Farinha de Trigo 150 Gramas
Açúcar Refinado 40 Gramas
Sal refinado 01 Grama
Limão Siciliano 1/2 Unidade
Ovo Tipo Extra 03 Unidades
Para Fritar:
Óleo de Milho 02 Litros
Modo de Preparo:
1. Em uma panela, colocar a água e a manteiga. Levar ao fogo baixo e,
assim que ferver e a manteiga estiver derretida, colocar a farinha de
uma só vez, mexendo vigorosamente a fim de formar uma massa
homogênea.
2. Cozinhar a massa, mexendo sempre, por alguns minutos, até que se
forme uma fina película de massa no fundo da panela.
3. Colocar a massa em uma batedeira com a raquete e bater até amornar.
4. Acrescentar o açúcar, o sal, as raspas de limão.
5. Adicionar os ovos, um a um, batendo bem até formar uma massa
homogênea.
6. Colocar a massa em um saco de confeitar, usando o bico estrela, e
modelar as zeppole conforme demo do chef.
7. Fritar as zeppole em óleo a 170ºC até que estejam bem douradas.
8. Retirar da fritura e colocar em papel absorvente.

148
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Recheio - Crema Pasticcera


Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Leite Integral 500 Mililitros
Fava de Baunilha 1/2 Unidade
Açúcar Refinado 120 Gramas
Manteiga Integral Sem Sal 50 Gramas
Ovo Tipo Extra 08 Unidades
Amido de Milho 40 Gramas
Limão Siciliano 1/4 Unidade
Modo de Preparo:
1. Ferver o leite (reservar um pouco para as gemas) com a fava de
baunilha aberta, metade do açúcar e a manteiga.
2. À parte, bater as gemas com o restante do açúcar, o leite reservado, o
amido de milho e as raspas do limão.
3. Fazer uma temperagem com a mistura de gemas e parte do leite
fervente, voltar ao fogo e cozinhar até soltar do fundo da panela,
mexendo sempre.
4. Resfriar em banho-maria de gelo, coberto com filme plástico.

Finalização
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Amarena 150 Gramas
Açúcar de Confeiteiro 100 Gramas
Modo de Preparo:
1. Rechear as zeppole com a crema pasticcera.
2. Decorar com uma amarena e polvilhar com o açúcar de confeiteiro.

149
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

PUGLIA

OBJETIVOS DA AULA

Conhecer características históricas, geográficas e gastronômicas da


Puglia;
Identificar o uso do pão como matéria prima para outras produções;
Modelar à mão massas frescas tradicionais do sul da Itália;
Conhecer biscoitos típicos italianos;
Identificar os principais produtos da região.

TERMOS CHAVE:

Orecchiette
Trabucchi
Burrata
Panzerotti

150
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

151
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

É o salto da bota! Bari, Foggia, Polignano a Mare, Gargano, Vieste, Gallipoli,


Lecce. Região, como todo o sul da Itália, mais pobre, que por vezes enfrentou
dificuldades. Esse fato caracterizou a cozinha da Puglia como simples e de
sabores marcantes, calcados na simplicidade de saborosos ingredientes.

Com seus quase oitocentos quilômetros de costa marítima, desde a antiguidade


a região foi uma “ponte” para o oriente, cobiçada e dominada por povos como
gregos, romanos, góticos, bizantinos, longobardos, normandos, venezianos,
espanhóis e franceses.

Ao lado da Campania, a Puglia destaca-se como o celeiro do trigo de grão duro


da Itália. Por isso, suas massas caseiras, os orecchiette e cavatelli por exemplo,
e os pães, rústicos e das mais variadas formas possíveis, como o pão de
Altamura, têm papel tão importante na alimentação dos seus habitantes. Em
segundo lugar em importância vêm as verduras, legumes e leguminosas -
escarola, catalonha, chicória, couve, couve flor, brócolis, alcachofra, berinjela,
abobrinha, lampascioni (pequenas cebolas típicas), espinafre, pimentão, batata,
grão de bico, lentilha, fava e feijões -, em terceiro, o azeite, sendo o maior
produtor da Itália, com 40% de toda a produção, e 15% da produção mundial,
é extremamente intenso e frutado. Produzem, ainda, 500 mil toneladas de uva
de mesa, resultando em uma quantidade enorme de vinho popular. Consomem
muito carne de cordeiro e cabrito.

Os peixes, pegos com os trabucchi, são preparados assados ou em crosta de


sal, e os frutos do mar, como ostras, vôngoles, polvos, principalmente do Golfo
de Taranto, são consumidos salteados, gratinados ou crus. Todos esses peixes
eram usados como moeda de troca com os camponeses da região que davam
aos pescadores seus queijos e ricota. Pode-se destacar como queijo típico a
Burrata, uma mozzarella recheada de creme de leite ou mascarpone.

152
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

A abundância em todos esses produtos se deve ao fato da Puglia ser uma


grande planície, fácil de cultivar. Tais ingredientes tornaram a alimentação na
Puglia muito nutritiva, exemplo da dieta mediterrânea, inspirada nos gregos, da
época em que fazia parte da Magna Grécia.

Quanto à preparação dos pratos, um fato merece destaque. Na antiguidade, o


governo da Puglia proibia a construção de fornos nas casas, pelo perigo de
incêndios, deixando para si a construção de fornos públicos. Porém, isso
acarretava em gastos para a população, que tinha que pagar pelo seu uso. Daí,
começaram a aparecer fornos clandestinos no interior, fora dos limites da
cidade, que a qualquer momento, aparecendo algum fiscal, eram derrubados.
Esses fornos foram de fundamental importância para a construção da cozinha
pugliesa, resultando em fantásticos assados de carne, pães excelentes,
panzerotti, que são pastéis recheados de tomate, mozzarella, anchovas e
cebola. Outra produção muito utilizada eram as Tiella, potes de cerâmica em
que eram colocados os alimentos e depois levados aos fornos.

Algumas produções da Puglia:

Cruschill
Bruschetta de pão integral.

Focaccia di Patate
Focaccia cuja massa é feita com batatas amassadas em purê, farinha,
fermento, sal e azeite.

Pomodori Secchi Sott'olio


Tomates secos ao sol e conservados em azeite com alcaparras, alho e outros
temperos.

153
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Cavatelli
Pequenos gnocchi feitos com farinha de grão duro e água, presentes tanto na
Puglia quanto na Basicata, em Molise, na Calabria e na Sicilia. Os condimentos
dessa massa variam, mas um dos mais típicos é o soffritto à base de azeite,
alho e anchovas.

Maccheroni di Fuoco
Massa longa, do tipo dos bucatini, temperada com um pesto feito com muita
pimenta vermelha seca refogados em alho e azeite.

Orecchiete
Sem dúvida a massa mais conhecida da Puglia, feita com semolina e água. Com
a massa são formadas pequenas conchas, com a ajuda do polegar ou com a
ponta de uma faca. As orecchiette tradicionais são condimentadas com cime di
rapa, inflorescências de uma espécie de nabo (Brassica campestris), que podem
ser substituídas por brócolis, refogadas em alho, azeite, pimenta vermelha e, às
vezes, anchovas. A massa costuma ser cozida na água de cozimento da cime di
rapa. Muito popular também é o uso do ragù barese, feito com involtini de
vitello.

La Ciambotta
Massa condimentada com sugo de peixe.

Pancotto con Rucola e Patate


Sopa de fatias de pão amanhecido mergulhadas na água de cozimento das
batatas e da rúcula, condimentado com um sofritto de alho, azeite e pimenta
vermelha.

154
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Alici Arracanate
Anchovas frescas dispostas em camadas em uma forma, alternadas com uma
mistura de farinha de rosca, parmesão, hortelã, alcaparras, orégano e azeite, e
assadas no forno.

Agnello alla Carbonara


Picadinho de cordeiro cozido no forno com cogumelos locais, chamados
Cardoncelli, e aromatizado com azeite, alho e pimenta vermelha.

Brasciole alla Barese


Bifes de vitela enrolados, recheados com presunto cru, salsinha, queijo pecorino
e cozidos lentamente com azeite, alho, tomates e ervas aromáticas.

Panvinesco
Doce de mosto cozido e semolina. Depois de cozido o creme é despejado em
pequenas formas, desenformado e polvilhado com pequenos confetes doces
coloridos.

Castagnedde
Biscoitos feitos com amêndoas moídas, farinha, raspas de limão e açúcar. Com
a massa se fazem pequenas bolinhas que, depois de assadas, são cobertas com
uma calda de cacau.

155
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

COZZE GRATINATE
(Mexilhões Gratinados)
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Mexilhão Vivo com Concha 300 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pão Italiano 02 Fatias
Alho in Natura 02 Dentes
Salsa Fresca Q.B. Maço
Limão Siciliano 01 Unidade
Azeite Extra Virgem 70 Mililitros
Modo de Preparo:
1. Deixar os mexilhões submersos em água salgada por 30 minutos.
Descartar os que não fecharem ao toque. Escorrer e limpá-los bem,
eliminando o “bigode” e eventuais resíduos de areia.
2. Colocar os mexilhões em uma sautoir, tampar e levar ao fogo. Retirar
uma das conchas, descartando-a, deixando o mexilhão em meia concha.
3. Processar o pão italiano e misturá-lo com o alho em brunoise fina, a
salsa finamente picada, as raspas de limão siciliano e o azeite, a fim de
obter uma farofa úmida. Corrigir o sal.
4. Colocar um pouco da mistura de pão sobre cada mexilhão e levar ao
forno para dourar.

156
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

PANZEROTTI CON SCAMORZA E POMODORO


(Panzerotti com Queijo Scamorza e Tomate)

Massa
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Farinha de Trigo 200 Gramas
Fermento Biológico Fresco 10 Gramas
Água Morna 80 Mililitros
Leite Integral 60 Mililitros
Azeite Extra Virgem 10 Mililitros
Sal Refinado 05 Gramas
Para fermentar e abrir a massa:
Farinha de Trigo 50 Gramas
Modo de Preparo:
1. Em um bowl, colocar a farinha e fazer um buraco no centro.
2. Acrescentar o fermento, a água e o leite mornos.
3. Misturar os ingredientes, adicionar o azeite e o sal e trabalhar a massa
na bancada para desenvolver o glúten, formando uma massa lisa e
homogênea.
4. Em um bowl com um pouco de farinha, colocar a massa, cobrir com
filme plástico e fermentar até dobrar de volume.
5. Dividir a massa em pedaços de 40g, bolear e, com um rolo de macarrão,
abrir com 3 mm de espessura.

157
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Recheio e Fritura
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Tomate Sweet Grape 150 Gramas
Queijo Scamorza Defumado 200 Gramas
Filés de Anchova 04 Unidades
Azeite Extra Virgem 30 Mililitros
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta Malagueta Seca em Flocos Q.B. Gramas
Orégano Seco Q.B. Gramas
Para fritar:
Óleo de Milho 01 Litro
Modo de Preparo:
1. Cortar os tomates em 04, o queijo em cubos médios e os filés de
anchova em pedaços pequenos.
2. Em um bowl, misturar os ingredientes acima e temperar com azeite, sal,
pimenta malagueta seca em flocos e orégano seco.
3. Rechear os discos de massa e fechar bem, umedecendo a borda com
água e apertando com os dentes de um garfo.
4. Fritar por imersão até que fiquem dourados.
5. Escorrer em papel toalha e servir imediatamente.

158
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

ORECCHIETTE CON ACCIUGHE E CIME DI RAPE


(Orecchiette com Filés de Anchova e Brócolis)

Massa
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Semolina Italiana 200 Gramas
Água Morna Q.B. Mililitros
Sal Refinado Q.B. Gramas
Modo de Preparo:
1. Fazer uma massa de macarrão com a semolina dando o ponto com a
água morna, até ficar bem lisa e homogênea.
2. Modelar conforme demo do chef.

Molho e Finalização
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Brócolis 1/2 Maço
Azeite Extra Virgem 20 Mililitros
Filés de Anchova 02 Unidades
Alho in Natura 02 Dentes
Pimenta Malagueta Seca em Flocos Q.B. Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Queijo Pecorino 50 Gramas
Modo de Preparo:
1. Limpar e cortar os brócolis em floretes. Branqueá-los e reservar.
2. Em uma sautoir, colocar um pouco do azeite e os filés de anchova. Em
fogo brando, aquecer, mexendo e esmagando os filés até obter uma
pasta.
3. Adicionar o alho em brunoise e a pimenta.
4. Com a massa cozida al dente, escorrer e colocá-la no molho. Saltear por
2 minutos, acrescentando um pouco da água do cozimento da massa, se
necessário, para montar o molho.

159
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

5. Juntar os brócolis e saltear. Verificar o sal.


6. Finalizar com o queijo ralado e servir imediatamente.

160
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

TARALLO (Para toda a turma)


Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Farinha de Trigo 500 Gramas
Fermento Biológico Fresco 10 Gramas
Água Morna 170 Mililitros
Ovo Tipo Extra 01 Unidade
Sal Refinado 10 Gramas
Azeite Extra Virgem 100 Mililitros
Variação com Pimenta e Amêndoas:
Pimenta do Reino Preta 03 Gramas
Amêndoas sem Casca 25 Gramas
Variação com Erva Doce:
Erva Doce em Semente Q.B. Gramas
Para untar:
Azeite Extra Virgem 50 Mililitros
Modo de Preparo:
1. Cortar a pimenta em mignonette. Retirar a pele das amêndoas e triturá-
las. Reservar.
2. Em um bowl, colocar a farinha e fazer um buraco no centro.
3. Adicionar o fermento, juntar um pouco da água morna e misturar.
4. Acrescentar o ovo, o sal, o azeite e misturar bem. Adicionar um pouco
mais de água para dar o ponto.
5. Separar a massa em duas partes. Adicionar a pimenta e a amêndoa em
metade da massa. Na outra metade, acrescentar a erva doce.
6. Trabalhar a massa na bancada até que fique lisa e homogênea.
7. Untar uma superfície com azeite, colocar a massa, cobrir com filme
plástico e deixar fermentar por alguns minutos.
8. Modelar os taralli em anéis, conforme demo do chef, e fermentar por
mais 15 minutos.

161
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

9. Em uma panela grande com água fervente, escaldar os taralli, eliminar o


excesso de água e colocá-los em uma assadeira bem untada.
10. Assar em forno pré-aquecido a 160ºC por cerca de 20 minutos ou até
que esteja bem crocante e levemente dourado.
11. Servir em temperatura ambiente.

162
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

CRUSTOLI (Para toda a turma)


Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Farinha de Trigo 500 Gramas
Açúcar Refinado 80 Gramas
Fermento Químico em Pó 05 Gramas
Banha de Porco 15 Gramas
Manteiga Integral sem Sal 15 Gramas
Ovo Tipo Extra 04 Unidades
Licor Anisette 50 Mililitros
Limão Siciliano 01 Unidade
Para Fritar:
Óleo de Milho 02 Litros
Finalização:
Açúcar Refinado Q.B. Gramas
Canela em Pó Q.B. Gramas
Modo de Preparo:
1. Misturar os secos. Acrescentar a banha e a manteiga e misturar bem.
2. Adicionar os ovos, o licor e as raspas do limão e trabalhar a massa até
ficar bem lisa e homogênea.
3. Com uma máquina de macarrão, abrir a massa em tiras finas.
4. Modelar de acordo com demo do chef.
5. Fritar os crustoli por imersão em óleo a 180ºC. Escorrer em papel
absorvente.
6. Servir em temperatura ambiente.
7. Se desejar, polvilhar com açúcar e canela, enquanto quente.

Obs.: trazer máquina de macarrão.

163
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

SICILIA

OBJETIVOS DA AULA

Conhecer características históricas, geográficas e gastronômicas da


Sicilia;
Identificar as influências e contribuições culturais e gastronômicas dos
povos que dominaram a região ao longo de 2000 anos;
Conhecer a importância da Sicilia para a gastronomia italiana e européia;
Aprofundar-se nos pilares da dieta mediterrânea;
Reconhecer a valorização da confeitaria siciliana;
Identificar os principais produtos da região.

TERMOS CHAVE:

Pasta
Granita
Sal
Vinho
Doçaria

164
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

165
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Maior ilha do mar Mediterrâneo, ao sul da Itália, separada do continente pelo


estreito de Messina. Terra de contrastes e cruzamentos culturais. Povo cortês e
prestativo. Cozinha variada e agridoce, rica em sabores fortes e perfumes.
Palermo, Catania, Agrigento, Siracusa, Taormina, Trapani, Erice, Messina,
Ragusa!

A Sicília, devido à sua posição geográfica, sempre teve um papel de importância


nos eventos históricos que tiveram como protagonistas os povos do
Mediterrâneo. A vizinhança de múltiplas civilizações enriqueceu a Sicília de
assentamentos urbanos, de monumentos e de vestígios do passado que fizeram
da região um lugar privilegiado onde a história pode ser revista através de
imagens que o tempo não apagou.

Os vários povos que passaram por lá nos últimos dois milênios deixaram sua
marca na gastronomia. Os gregos levaram o vinho, pães e azeite. Os romanos
introduziram a criação de gansos. Os bizantinos ensinaram a arte de fazer
pratos recheados e agridoces. Os árabes deram a maior contribuição
gastronômica com inúmeros produtos: pêssego, açúcar, cítricos (trazidos da
China, Japão e Índia), arroz, açafrão, uva passa, noz moscada, cravo, canela,
pimenta do reino, figo, amêndoa, pistache. Os normandos ensinaram
elaborados pratos de carne e trouxeram o bacalhau e o stoccafisso. Os
espanhóis contribuíram com cores vivas e produtos do novo mundo: tomate,
batata, milho, cacau, abóbora. Os franceses introduziram a arte do serviço e a
paixão pela cebola. Com tudo isso a gastronomia na Sicilia é certamente a mais
antiga, complexa e criativa de toda a Itália, que conta com o primeiro livro de
culinária que se tem notícia, do século V a.C..

Na Sicilia existem restaurantes com pratos elaboradíssimos e, também,


excelente comida de rua a preços populares. Deve-se notar que uma das
característica da cozinha siciliana é que um mesmo prato pode ser preparado,
em função da disponibilidade dos ingredientes, em uma versão mais modesta e

166
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

outra mais rica. Pasta alla Norma, pasta con le sarde, panelle (espécie de
polenta de grão de bico frita), pane con la milza (pão recheado com rim e
pulmão de vitello, com ou sem queijo caciocavallo). O uso da manteiga é quase
nulo, prevalecendo o azeite e com o uso da banha de porco para alguns doces.

Muitos são os produtos que enriquecem a região. A vivacidade das frutas e


legumes. Lentilhas, grão de bico, favas. As berinjelas usadas na produção da
fantástica caponata, unida a pimentões, cebola, alho, azeitonas, alcaparras.
Incontáveis variedades de cítricos. Figos da Índia introduzidos da América. A
exuberância dos peixes, em especial o espada e o atum, servidos com
alcaparras, alho, azeitonas, laranja, limão e farinha de rosca condimentada ou
cebolas roxas agridoces. A bottarga, ovas de peixe secas. Crustáceos, mariscos,
camarões e ouriços do mar, consumidos crus. Os melhores pistaches do
mundo, de Bronte. As amêndoas de Agrigento, usadas na riquíssima pasticceria
(confeitaria) e no latte di mandorla. As alcaparras de Lipari. A ricota de ovelha
usada em pratos salgados, mas sobretudo nos doces. A abundância de ervas
como o manjericão, orégano, salsa, hortelã, alecrim, sálvia e, sobretudo, o
finocchietto selvatico (o equivalente às nossas folhas da erva doce). Numerosos
tipos de pães e o sfincione, similar a uma pizza, porém mais alta e macia,
condimentada com tomate, alho, filés de anchova e orégano.

A origem de alguns pratos famosos se deu pelo antigo sistema hereditário


siciliano que dizia que as terras, de sistema feudal, fossem passadas para o
primogênito, restando aos outros filhos e filhas a pobreza ou o clero. Nos
monastérios foram criados os arancini (bolinhos de arroz com açafrão,
recheados de ragù de carne e ervilhas, queijo ou espinafre, além de muitas
outras versões, depois empanados e fritos), as azeitonas recheadas com carne,
empanadas e fritas, os cannelloni.
Sua doçaria foi muito influenciada pelos árabes, resultando nos doces mais
fantásticos de toda a Itália, com história milenar, como a pasta reale e fruta di
Martorana, a cassata siciliana e o cannoli, doce preferido dos mafiosos.

167
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Durante muito tempo a Sicilia abasteceu a Itália com o trigo e com suas
massas, introduzidas pelos árabes. A qualidade da pasta e do couscous é
excelente. Seus vinhos tiveram fundamental importância, não só para a Itália,
mas para toda a Europa, pois fora o mercado fornecedor da bebida para todo o
continente quando a praga Phylloxera devastou todo o continente. São
inúmeros e excelentes, com destaque para os vinhos de sobremesa, o Marsala
e os passitos.

O sal siciliano de Trapani era exportado pelos navegadores da Liguria para


todos os cantos da Europa, assegurando a riqueza aos proprietários das salinas
semelhante aos que detém o petróleo atualmente. Após os métodos modernos
de conservação de alimentos, como resfriamento, congelamento, pasteurização
e esterilização, a indústria do sal entrou em crise.

Os sicilianos atribuem a si a invenção do sorvete. Primeiro o sorbet, que ainda


hoje existente, chamada granita, muito consumida nos sabores limão, amêndoa
ou café. Esta era feita com a neve do vulcão Etna, armazenada em cavernas,
durando até o verão, acrescentada de suco de fruta e mel. Depois começou-se
a introduzir o creme de leite e ovos. Um siciliano chamado Procópio Del Coltelli
foi o primeiro a abrir uma sorveteria em Paris, que fez estrondoso sucesso e
existe até hoje, 400 anos após sua inauguração.

Mais algumas produções sicilianas:

Caponata
Verduras refogadas e temperadas em agridoce. Existem inúmeras versões que
podem incluir: berinjelas, cebolas, pimentões, tomates, azeitonas, manjericão,
pinoli, cravo da Índia, amêndoas, fatias de pera, açúcar e vinagre. Algumas
receitas chegam a incluir cacau amargo.

168
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Millassata
Grande fritada aromatizada com alho, salsinha, fundos de alcachofra e aspargos
selvagens.

Olive Farcite
Azeitonas, geralmente verdes, recheadas com alcaparras e anchovas e
conservadas em azeite.

Sarde a Beccafico
Sardinhas limpas e sem cabeça, dispostas abertas em uma forma untada de
azeite e cobertas com farinha de rosca, anchovas, pinoli, canela e uva passa.
Temperadas com suco de laranja e limão, são levadas ao forno.

Cuscuso
Prato evidentemente de origem árabe. Segue o mesmo procedimento do
Couscous do Norte da África, mas o caldo é geralmente à base de peixes e o
acompanhamento consiste em berinjelas fritas, frango ou um ensopado de
cordeiro.

Pasta alla Norma


Massa seca, geralmente spaghetti ou penne, condimentada com molho de
tomate, manjericão fresco, ricota salgada e coberta de fatias de berinjelas
fritas.

Pasta con le Sarde


Bucatini cozidos em água aromatizada com folhas de erva doce fresca e
condimentados com um composto de sardinhas, alcaparras, anchovas
amassadas, cebola picada, pinoli, uva passa, pimenta do reino e folhas de erva
doce. Pode incluir também o açafrão. Essa massa não é acompanhada de
queijo mas de farinha de rosca condimentada com alho e anchova.

169
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Maccu
Sopa muito densa feita com favas secas amassadas em purê, aromatizadas com
folhas de erva doce selvagem e azeite extra virgem de primeira qualidade.

Pesto Siciliano ou Trapanese


É preparado esmagando no pilão pinoli, alho, tomates sem pele nem sementes,
manjericão, salsinha, azeite, sal e pimenta do reino. Existe uma versão que
substitui os pinoli por amêndoas.

Acciughe all'Arancia
Anchovas frescas dispostas em camadas, em uma forma, alternadas com
azeitonas, alcaparras, fatias de limão, cozidas no forno, aromatizadas com suco
de laranja.

Tunnina Fritta
Fatias de atum passadas na panela e temperadas com limão e orégano.

Grassatu
Picadinho de carne magra de cordeiro e cabrito, guisado com vinho tinto,
batatas e cebolas refogadas, aromatizado com alho, salsinha e, no final do
cozimento, caciocavallo e pecorino ralado. É usado também para condimentar
massas.

Insalata Turca
Verduras grelhadas servidas frias, temperadas com azeite extra virgem, alho,
sal e pimenta do reino.

Insalata di Arancia
Salada de laranja com azeite, sal e pimenta. Podem ser adicionadas azeitonas
pretas e fatias de cebola roxa.

170
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Pitaggio
É um guisado de ervilhas frescas, favas e corações de alcachofras. Geralmente
acompanha linguiças grelhadas.

Cassata Siciliana
Pão-de-ló recheado de ricota batida com açúcar, pedaços de chocolate,
baunilha, fruta cristalizada, licor Maraschino e coberta com marzipã à base de
pistache e fondant. Decorada com frutas cristalizadas.

171
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

CARPACCIO DI TONNO CON INSALATA DI


FINOCCHIO ED ARANCE
(Carpaccio de Atum com Salada de Erva Doce e Laranja)

Carpaccio de atum
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Limão Siciliano 1/2 Unidade
Azeite Extra Virgem 40 Mililitros
Sal Refinado Q.B. Gramas
Açúcar Refinado Q.B. Gramas
Filé de Atum Fresco 200 Gramas
Modo de Preparo:
1. Preparar uma emulsão com o suco do limão, o azeite, o sal e o açúcar.
Reservar.
2. Limpar o filé de atum e cortar em fatias finas com uma faca bem afiada.
Reservar refrigerado, coberto com filme plástico.

Salada de Erva Doce e Laranja


Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Erva Doce Fresca com Folhas 1/4 Unidade
Laranja Pera 02 Unidades
Azeitona Preta com Caroço 80 Gramas
Cebola Roxa 1/2 Unidade
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Azeite Extra Virgem 30 Mililitros

172
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Modo de Preparo:
1. Cortar o bulbo da erva doce em julienne, reservando as folhas.
2. Preparar as laranjas de acordo com orientação do chef.
3. Cortar as azeitonas pretas em filetes e a cebola em fatias finas.
4. Misturar os ingredientes da salada e temperar com sal, pimenta em
mignonette, folhas de erva doce picadas e azeite.
5. Refrigerar por alguns minutos para que resfrie bem.

Finalização e Montagem:
1. Em um prato raso, dispor o carpaccio de atum e temperar com a
emulsão de limão e azeite.
2. Por cima, colocar a salada de erva doce e laranja, decorando com as
folhas da erva doce.
3. Servir imediatamente.

173
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

CAPONATA - Optar por uma versão


Versão 01 (Sabor mais suave)
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Berinjela Média 250 Gramas
Cebola Pera 100 Gramas
Salsão 40 Gramas
Pimentão Vermelho 100 Gramas
Pimentão Amarelo 100 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Óregano Seco Q.B. Gramas
Azeite Extra Virgem 40 Mililitros
Alho in Natura 02 Dentes
Azeitonas Verdes com Caroço 40 Gramas
Pinoli 20 Gramas
Alcaparra 20 Gramas
Uva Passa Branca 30 Gramas
Vinagre de Vinho Branco 50 Mililitros
Açúcar Refinado 20 Gramas
Modo de Preparo:
1. Cortar os vegetais em cubos médios.
2. Dispor em uma assadeira e temperar com sal, pimenta, orégano, azeite
e o alho em brunoise. Juntar as azeitonas, o pinoli, as alcaparras e as
uvas passas. Cobrir com papel alumínio e levar ao forno até ficarem
macios.
3. Retirar do forno e acrescentar o vinagre com o açúcar. Misturar bem.
4. Servir frio.

174
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Versão 02 (Sabor mais intenso)


Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Berinjela Média 250 Gramas
Cebola Pera 100 Gramas
Salsão 40 Gramas
Pimentão Vermelho 100 Gramas
Pimentão Amarelo 100 Gramas
Óleo de Milho 500 Mililitros
Azeite Extra Virgem 40 Mililitros
Tomate Pelado Italiano 150 Gramas
Alho in Natura 02 Dentes
Azeitonas Verdes com Caroço 40 Gramas
Pinoli 20 Gramas
Alcaparra 20 Gramas
Uva Passa Branca 30 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Óregano Seco Q.B. Gramas
Vinagre de Vinho Branco 50 Mililitros
Açúcar Refinado 20 Gramas
Modo de Preparo:
1. Cortar a berinjela em cubos grandes e os outros vegetais em cubos
médios.
2. Fritar a berinjela por imersão no óleo e reservar.
3. Numa sautoir, colocar um pouco de azeite e caramelizar os vegetais, um
por vez. Acrescentar os tomates cortados em cubos pequenos e dourar
um pouco. Adicionar a berinjela e misturar bem.
4. Acrescentar os outros ingredientes e saltear por alguns minutos. Acertar
os temperos e finalizar com a mistura de vinagre e açúcar. Servir frio.

175
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

CAVATELLI ALLA NORMA


Massa
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Semolina Italiana 200 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Água Q.B. Mililitros
Modo de Preparo:
1. Fazer uma massa de macarrão com a semolina e o sal dando o ponto
com a água, até ficar bem lisa e homogênea.
2. Embalar em filme plástico e reservar por cerca de 15 minutos.
3. Modelar os cavatelli conforme demo do chef. Reservar.

Molho e Finalização
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Berinjela 250 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Óleo de Milho 500 Mililitros
Azeite Extra Virgem 30 Mililitros
Cebola Pera 1/2 Unidade
Alho in Natura 02 Dentes
Tomate Italiano Pelado 300 Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Manjericão Verde Folha Pequena Q.B. Maço
Ricota Fresca 100 Gramas
Ricota Defumada 50 Gramas

176
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Modo de Preparo:
1. Cortar a berinjela conforme orientação do chef. Polvilhá-las com
abundante sal e deixar que sorem por cerca de 1 hora.
2. Lavar as berinjelas, espremer para retirar o excesso de água e fritar em
abundante óleo, até que fiquem bem douradas. Reservar.
3. Em uma sautoir, colocar o azeite e saltear a cebola cortada em julienne e
o alho cortado em lâminas, até que fiquem levemente dourados.
4. Acrescentar os tomates picados na ponta da faca e cozinhar por cerca de
15 minutos, alongando com água quente, se necessário.
5. Temperar com sal e pimenta.
6. Cozinhar o cavatelli em abundante água fervente e salgada.
7. Adicionar as folhas de manjericão ao molho e juntar a massa. Saltear por
alguns minutos.
8. Acrescentar a ricota e as berinjelas fritas, reservando um pouco para a
decoração, e misturar delicadamente.
9. Empratar, decorando com a ricota e a berinjela reservadas.
10. Servir imediatamente.

177
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

SFINCIUNI (duas por turma)


Massa
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Farinha de Trigo 500 Gramas
Fermento Biológico Fresco 25 Gramas
Água Morna 320 Mililitros
Sal Refinado 10 Gramas
Azeite Extra Virgem 50 Mililitros
Modo de Preparo:
1. Em uma batedeira com o gancho, colocar a farinha e o fermento.
2. Adicionar um pouco da água morna e bater. Juntar o sal, o azeite e
acrescentar o restante da água até dar o ponto.
3. Bater até atingir o ponto de véu.
4. Colocar em um bowl untado com óleo, cobrir com filme plástico e
fermentar até dobrar de volume.

Cobertura e Finalização
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Tomate Sweet Grape Maduro 300 Gramas
Queijo Caciocavallo 250 Gramas
Alho in Natura 10 Dentes
Filé de Anchova 15 Unidades
Azeite Extra Virgem 70 Mililitros
Orégano Seco Q.B. Gramas

178
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Modo de Preparo:
1. Cortar os tomates ao meio, o queijo em cubos médios, o alho em filetes
e os filés de anchova em 3 pedaços.
2. Untar uma assadeira com abundante azeite e abrir a massa sobre ela.
Fermentar até dobrar de volume.
3. Sobre a massa, colocar os itens acima conforme instrução do chef.
4. Polvilhar com orégano e regar com azeite.
5. Assar em forno pré-aquecido a 180ºC por cerca de 20 a 25 minutos.

179
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

ARANCINI DI RISO CON FUNGHI


Risotto
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Manteiga Integral sem Sal 20 Gramas
Cebola Pera 30 Gramas
Arroz Arbório 140 Gramas
Vinho Branco Seco 30 Mililitros
Fundo Claro de Ave 01 Litro
Açafrão em Pistilo 1/2 Envelope
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Base:
Ovo Tipo Extra 1/2 Unidade
Queijo Grana Padano 30 Gramas
Noz Moscada Q.B. Gramas
Modo de Preparo:
1. Fazer um risotto de açafrão usando o procedimento clássico, porém
deixando-o mais seco e sem realizar a mantecatura. Resfriar, espalhando
em uma assadeira.
2. Bater o ovo com o queijo grana padano ralado e a noz moscada e
misturar ao arroz. Reservar.

180
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Recheio
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Funghi Porcini Seco 20 Gramas
Patinho de Vitelo 70 Gramas
Lombo de Porco 70 Gramas
Azeite Extra Virgem 20 Mililitros
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas
Cebola Pera 30 Gramas
Champignon Paris 70 Gramas
Presunto Cozido 15 Gramas
Vinho Branco Seco 20 Mililitros
Farinha de Trigo 10 Gramas
Queijo Caciocavallo 50 Gramas
Modo de Preparo:
1. Hidratar o funghi em água morna. Não dispensar a água, pois será
utilizada no cozimento.
2. Cortar as carnes na ponta da faca e selar no azeite. Temperar com sal e
pimenta e reservar.
3. Na mesma sauteuse, suar a cebola cortada em brunoise, acrescentar os
champignons cortados em lâminas finas, o funghi e o presunto picados
finamente.
4. Retornar as carnes, juntar o vinho e reduzir bem.
5. Acrescentar um pouco da água que foi utilizada para hidratar o funghi e
cozinhar por alguns minutos. Polvilhar um pouco de farinha de trigo para
ajustar a consistência. Resfriar.
6. Cortar o queijo em cubos de 1 cm. Reservar.

181
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Modelagem e Fritura
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Farinha de Trigo 200 Gramas
Ovo Tipo Extra 02 Unidades
Farinha de Rosca 200 Gramas
Para Fritar:
Óleo de Milho 01 Litro
Modo de Preparo:
1. Colocar 02 colheres do arroz na palma da mão, fazer um buraco no
centro, preencher com o recheio, um cubo de queijo, fechar e enrolar.
2. Empanar os arancini na farinha de trigo, passar no ovo batido e na
farinha de rosca.
3. Fritar em óleo aquecido a 160ºC, cuidando para que a farinha de rosca
não queime e dê tempo que o queijo derreta.
4. Servir imediatamente.

182
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

BUSIATI COL PESTO TRAPANESE


Massa
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Semolina Italiana 200 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Água Q.B. Mililitros
Modo de Preparo:
1. Fazer uma massa de macarrão com a semolina e o sal dando o ponto
com a água, até ficar bem lisa e homogênea.
2. Embalar em filme plástico e reservar por cerca de 15 minutos.
3. Modelar os busiati conforme demo do chef. Reservar.

Pesto Trapanese e Finalização


Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Amêndoas sem Casca 100 Gramas
Alho in Natura 01 Dente
Manjericão Verde Folhas Largas 40 Gramas
Azeite Extra Virgem 100 Mililitros
Queijo Pecorino 60 Gramas
Tomate Sweet Grape Maduro 200 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Pimenta do Reino Preta Q.B. Gramas

183
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Modo de Preparo:
1. Retirar a pele das amêndoas e tostar ligeiramente no forno.
2. No processador de alimentos, triturar as amêndoas, o alho em brunoise,
as folhas de manjericão, o azeite, o queijo ralado e metade dos tomates.
3. Em um bowl, misturar o pesto com a outra metade dos tomates cortados
em 04 e temperar com sal e pimenta.
4. Cozinhar a massa em abundante água fervente e salgada.
5. Misturar a massa quente no pesto e servir imediatamente.

184
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

PARMIGIANA DI MELANZANE
(Berinjela à Parmigiana)
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Berinjela 500 Gramas
Sal Refinado Q.B. Gramas
Óleo de Milho 500 Mililitros
Azeite Extra Virgem 20 Mililitros
Alho in Natura 02 Dentes
Tomate Pelado Italiano 400 Gramas
Manjericão Verde Folha Pequena Q.B. Maço
Queijo Caciocavallo 125 Gramas
Queijo Grana Padano 75 Gramas
Modo de Preparo:
1. Cortar as berinjelas com casca, no sentido do comprimento, em fatias de
1 cm de espessura. Temperar com abundante sal e deixar escorrer por
cerca de 02 horas.
2. Lavar a berinjela para retirar o excesso de sal e espremer para eliminar a
água.
3. Em uma sautoir, fritar as fatias de berinjela em óleo, dos dois lados, até
que estejam bem douradas. Colocar em papel absorvente para retirar o
excesso de óleo.
4. Numa panela, colocar o azeite e dourar levemente o alho cortado em
brunoise. Acrescentar os tomates bem picados, com seu suco, e cozinhar
por cerca de 45 minutos, adicionando água quente se necessário.
Temperar com sal e juntar o manjericão. Reservar.
5. Em uma assadeira pequena, colocar um pouco do molho de tomate,
acrescentar 1/3 das fatias de berinjela fritas, cobrir com 1/3 das fatias de
queijo caciocavallo e 1/3 do grana padano ralado.
6. Fazer mais duas camadas da mesma forma e levar ao forno pré-
aquecido a 180ºC até que esteja bem gratinado.

185
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

CANNOLI (Para toda a turma)


Massa
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Farinha de trigo 250 Gramas
Farinha de Semolina Fina 250 Gramas
Açúcar Refinado 20 Gramas
Cacau em Pó 10 Gramas
Banha de Porco 100 Gramas
Vinagre de Vinho Branco 20 Mililitros
Vinho Marsala 50 Mililitros
Essência de Baunilha 05 Mililitros
Água 125 Mililitros
Para Fechar a Massa:
Ovo Tipo Extra 02 Unidades
Para Fritar:
Óleo de Milho 02 Litros
Modo de Preparo:
1. Misturar os secos e peneirá-los.
2. Adicionar a banha e misturar até formar uma farofa.
3. Colocar os líquidos e dar o ponto com a água.
4. Abrir a massa com o cilindro de macarrão, cortar em quadrados de 5 cm
e enrolar nos cilindros de metal para cannoli, fechando as pontas com o
ovo batido.
5. Fritar por imersão em óleo aquecido a 180ºC. Reservar.

186
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Recheio e Montagem
Ingredientes Quantidade Unidade de Medida
Ricota Fresca 700 Gramas
Açúcar Refinado 220 Gramas
Uvas Passas Brancas 100 Gramas
Laranja Pera 1/2 Unidade
Para Finalizar:
Pistache sem Casca e sem Sal 100 Gramas
Açúcar Impalpável 100 Gramas
Modo de Preparo:
1. Na batedeira, bater a ricota com o açúcar por 10 minutos, até obter um
creme liso.
2. Misturar as uvas passas hidratadas e as raspas das laranjas. Reservar.
3. Rechear com saco de confeitar, salpicar pistache moído nas pontas e,
com auxílio de peneira fina, polvilhar o açúcar impalpável.
4. Servir imediatamente.

Obs.: trazer máquina de macarrão.

187
CURSO DE TECNOLOGIA EM GASTRONOMIA
COZINHA ITALIANA

Referências Bibliográficas
Bibliográficas

MEDAGLIANI, Eugenio. STEMPELL, Ruprecht. PIRAS, Claudia. Culinária Itália –


Especialidades Italianas. H.F. Ullmann, 2008.

KOSTIOUKOVITCH, Elena. Perché Agli Italiani Piace Parlare Del Cibo. Sperling &
Kupfer, 2006.

HAZAN, Marcella. Fundamentos da Cozinha Italiana Clássica. São Paulo: Martins


Fontes, 1997.

ZAVAN, Laura. Larousse da Cozinha Italiana. São Paulo: Larousse do Brasil,


2006.

CARLUCCIO, Antonio. Cozinha Italiana Completa. São Paulo: Editora Globo,


2006.

OLIVER, Jamie. A Itália de Jamie. São Paulo: Editora Globo, 2007.

PINTO, Daniel. Manual Didático do Vinho. São Paulo: Editora Anhembi


Morumbi, 2008.

Este Material foi Desenvolvido por:


CURSO SUPERIOR DE GASTRONOMIA
UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI.

188