Sei sulla pagina 1di 9

FADE IN

As cenas de 1 a 8 equivalem ao prefácio (Cena 1) até metade do


capítulo 1. Pode parecer bem pouco, mas num roteiro é sempre
importante dar a introdução ao mundo do personagem. Segundo
Jospeph Campbell, estudioso que escreveu o livro “O Mito do Herói”
(praticamente uma Bíblia que cria uma relação sobre os personagens
famosos da literatura, desde Édipo até os mais atuais), esse momento
se quebra quando acontece o “chamado à aventura”, que no caso de
Bella seria o primeiro dia de aula, quando ela conhece o Edward. Até
esse momento, é a apresentação do universo do personagem, para que
o leitor/espectador se acostume com esse mundo e veja que vampiros
não são algo diário da vida dela.

Cena 1 – EXTERIOR - FLORESTA TROPICAL, OLYMPIC NATIONAL PARK,


WASHIGNTON

Cobertas de musgo. Coberto pelas sombras. Troncos tortos de


árvores enrolam-se para cima, buscando a rara luz do sol.

BELLA (V.O. = Narração)


Eu nunca pensei em como morreria.

Essa é uma escolha bem interessante da roteirista, usar o voice over


como recurso narrativo. Era algo esperado, visto que o livro já é contado
do ponto de vista da Bella. È extremamente complicado adaptar livros
com narrador em primeira pessoa, e Crepúsculo oferece um desafio a
mais pelo fato de tratar muito de conflitos internos, como se apaixonar
por um vampiro e todas as sensações do primeiro amor. Harry Potter,
para dar um exemplo mais recente (e perdão pela comparação de
praxe, mas é inevitável) é um livro que não chega a ser narrado em
primeira pessoa, mas sim possui um narrado onipresente. Isso se torna
mais fácil, depende claro, e muito, da atuação dos atores exprimir esses
sentimentos que muitas vezes só o narrador do livro sabe.
É nesse caminho que muitas vezes as adaptações se perdem, os
sentimentos descritos em palavras podem se tornar difíceis de transpor
para a tela. É de se esperar que New Moon sofra muito com isso, visto
que muita coisa do livro só acontece na mente da Bella. A narrativa de
Stephenie Meyer quase exigia o recurso do voice over, mas outra opção
poderia ter sido feita. Felizmente, Stephenie escreve de um modo muito
visual, o que certamente auxilia.
A opção de manter o prefácio é algo que poderia ter sido facilmente
suprimida. Mas como Melissa decidiu mantê-lo, o voice over parece uma
boa opção narrativa. Tornar isso presente em todo o filme pode acabar
transformando o voice over num problema, já que é um recurso que
normalmente corta o impacto visual e empobrece a imagem
(normalmente, mas existem exceções).

De repente cada criatura da floresta estava mortalmente


silenciosa. Nem um pássaro, nem uma fera ou inseto fizeram
barulho. Um predador estava perto.
Então à distância eu pude ouvir um fino ESTALIDO - galhos se
quebrando. Abruptamente nós estávamos nos movendo. Rápido.

PONTO DE VISTA DESCONHECIDO - SE MOVENDO


Supõe-se que seja o Edward. Provavelmente é aquela imagem que já
saiu no trailer. É uma boa escolha, mostrar ele caçando, demonstrando
suas qualidades como predador. Apesar de que o prefácio do livro fala
da sala escura de ballet. Também a escolha de não mostrar que é ele,
apenas um predador qualquer. Para os que não leram o livro deixar de
certo modo um suspense sobre quem é esse predador.
As árvores passavam por nos a uma velocidade estonteante. Os
galhos estão se esquivando em uma agilidade sobrenatural. Nós
estamos acelerando, perseguindo algo. Isso é emocionante.
Assustador. Finalmente, à frente, chegamos ao primeiro
vislumbre da nossa presa --
UM VEADO
-- correndo por sua vida enquanto se lança através do
labirinto da floresta. Ele corre a toda velocidade, mas nós
ganhamos dele. Além do veado, SE VÊ a margem da floresta à
frente, a luz branca do sol brilhando contra as árvores. O
veado corre para a luz. Nós estamos bem atrás dele, quase
emergindo das sombras escuras.

O veado SALTA para a luz num arco alto, pairando (de repente
SLOW MOTION) contra a claridade do sol...então BAM!
O veado abruptamente apruma-se para fora do frame num ângulo
não natural, deixando a luminosidade branca preencher a tela.
SEGURAR NO BRANCO –

BELLA (V.O.)
Mas morrer no lugar de alguém que
eu amo parece um bom jeito de ir...
Aqui surge uma metáfora interessante talvez, pode ser uma escolha da
Melissa fazer algo como uma comparação entre a Bella e a o veado, a
suposta presa fácil. Nota-se também que ela mudou a opção favorita de
alimentação do Edward (na realidade é preciso esperar para ver se ele
muda mesmo ou se o veado foi escolhido apenas por algum sentido
metafórico).

-- Então dentro da CLARIDADE BRANCA surge a face de ISABELLA


SWAN, 17 anos. –
Ela está com os olhos fechados contra a entrada da luz do
sol, absorvendo os raios. Ela possui cabelos longos e
escuros, que enquadram a pele branca como alabastro. Ela é
vulnerável, introvertida e de uma beleza imperfeita.

BELLA
...Então eu não posso me culpar
pela decisão que me trouxe aqui
para morrer...

O plano de fundo entra em foco de forma que percebemos que


estamos agora dentro de –

Cena 2 – EXTERIOR - SCOTTSDALLE, ARIZONA - DIA.


Essa cena foi criada pela Melissa, um modo de deixar a Bella mais
natural dentro do seu mundo. Apresentar melhor o universo para dar um
contraste com Forks. A opção de mudar a cidade é um mistério. Isso
pode acontecer por opção narrativa, talvez uma cidade com grandes
mansões e muitos ricos fosse melhor para comparar com Forks. Além de
que o fato de ser à beira de um deserto certamente dá uma sensação
de muito calor que a chuvosa Forks vai realçar, mas também pode ter
sido uma opção de produção, porque seria mais fácil rodar essas cenas
em Scottsdale do que em Phoenix.

Bella está no fim de um beco sem saída, na borda do deserto.


O sol brilha atrás dela-- ela se abaixa e coloca
cuidadosamente um minúsculo CACTUS BARRIL dentro de um pote
de argila.

BELLA (V.O.)
A decisão de sair de casa.

Ela olha fixamente para o cacto num estado de devaneio, até


que...

LOIRA #1 (O.S.)
Tchau, Bella!

Bella olha para o outro lado da rua: do seu ponto de vista é


possível ver grandiosas mansões. Três garotas bronzeadas,
atléticas e loiras saltam para dentro de um Mercedes
conversível. A beleza sem defeitos delas, do tipo que parece
comprada, contrasta com a pele naturalmente pálida de Bella.
Elas acenam.
Uma opção curiosa da Melissa, demonstrar outros amigos de Bella.
Ainda mais loiras bronzeadas. Provavelmente para ilustrar a diferença
da Bella das outras jovens da sua idade. Porém, estraga um pouco
aquela sensação que temos no início de Crepúsculo de que Bella não
tinha de quem sentir saudades. Apesar de serem amigas superficiais,
imaginaria a Bella tendo amigas menos “fúteis”.

LOIRA #1
Boa sorte na sua nova escola!

Elas IMPROVISAM votos superficiais de boa sorte, “Não esqueça


de escrever;” “Sentiremos sua falta.”, etc. Bella acena de
volta, docemente, mas sem entusiasmo, enquanto caminha para o
meio fio.

BELLA
Tenham uma boa…

Ela tropeça. Quando se levanta, elas já foram embora.


Um bom jeito de ilustrar o quão desastrada a Bella é, mas pode deixar o
filme meio Três Patetas.
BELLA
...vida.

Obviamente, não eram grandes amigos. O comportamento adulto e


a inteligência natural de Bella se tornam aparente quando
RENEÉ, MÃE DE BELLA, cerca de 30 anos, sai da casa
(relativamente barata para um bairro tão elegante). Reneé é
descolada, dispersa, ansiosa, é uma melhor amiga mais do que
uma mãe. Ela joga um celular para Bella.

RENEÉ
Não está funcionando de novo,
querida.

BELLA
Você colocou em espera.

RENEÉ
Coloquei?

BELLA
Olhe. Você também ligou para o
México.

Reneé empurra Bella de maneira brincalhona, elas riem.

RENEÉ
Eu vou descobrir. Você tem que
conseguir encontrar a mim e ao Phill na
estrada – eu amo dizer isso - na estrada.

BELLA
Muito romântico.

PHILL, 31 anos, boa aparência, com um corpo atlético, sai da


casa, carregando as três malas de Bella com facilidade.
Uma opção curiosa da roteirista: mostrar o Phill. Em Crepúsculo, ele se
torna meio que um personagem-fantasma até mais além na série. De
novo, mostrar o universo do personagem. Seria menos impactante
visualmente se Bella simplesmente aparecesse em Forks sem nunca
vermos como a vida dela era diferente. No livro contamos com as
descrições e afirmações de Bella, seria difícil colocar isso visualmente
sem esses minutos iniciais.

PHILL
Se você chama motéis horríveis,
riachos, cidades e cachorros-quentes
de estádios, de romântico.

Ele coloca seu chapéu do Phoenix Desert Dogs de baseball na


cabeça de Reneé com um beijo. O amor de Phill por Reneé
tranqüiliza Bella. Phill vai até a velha cabine para carregar
a picape com a bagagem enquanto Reneé coloca seu braço nas
costas de Bella, agarrando-se a ela enquanto caminham para o
carro.

RENEÉ
Agora se você mudar de idéia eu
irei correr de volta pra cá onde quer
que o jogo seja.

Mas a estranha expressão no rosto de Reneé nos diz que grande


sacrifício isso seria. Bella força um sorriso.

BELLA
Eu não vou mudar de idéia, mãe.

RENEÉ
Você deveria. Você sempre odiou Forks.

BELLA
Não é sobre Forks, é sobre o papai.
Quer dizer, duas semanas por ano a gente
mal conhece um ao outro.
(Reneé continua com o olhar preocupado)
Mãe eu quero ir. Ficarei bem.

Mas Reneé abraça Bella, vemos a verdade na FACE DE BELLA:


medo, dúvida, lamentação. Por fora, Bella luta para manter a
fachada enquanto sobe no banco de trás do carro.

COMEÇAM OS CRÉDITOS INICIAIS.

Cena 3 - PONTO DE VISTA DA BELLA, OLHANDO PELA JANELA DO


CARRO – SCOTTSDALE - DIA

Bella com fones de ouvido do iPod, vê passando os shoppings


reluzentes, lojas de etiqueta, jardins com cactos
decorados...
Acho que essa cena das lojas, jardins e mansões é para demonstrar o
quanto tudo isso será diferente na nova cidade. E o iPod é uma boa
opção para demonstrar a importância que a música tem na obra de
Stephenie e na vida dos personagens.

O carro ESTACIONA e a câmera SAI até percebermos que estamos


em SCOTTSDALE.

Cena 4 - ACIMA DE SCOTTSDALE (VISTA AÉREA) – DIA

As grandes mansões vão ficando menores à medida que a câmera


SEGUE RÁPIDO através do asfalto super aquecido, fritando
debaixo do sol quente. Além das casas, é possível VER o
rochoso e seco deserto, se estendendo por quilômetros...

No ALTO, e cada vez mais alto, a câmera sobe, até que estamos
suspensos no céu claro, azul e perfeito, somente com uma
nuvem ocasional...
Se torna uma transição interessante, a câmera subindo, ficando nublado
e começar o clima meio de “terror” que Forks assume.

Devagar, as nuvens começam a aumentar, ficando maiores e mais


escuras... até que nós estamos completamente imersos nelas...
o sol desaparecendo. Finalmente, a câmera SAI das nuvens para
achar lá embaixo a cidade de Forks.

Cena 5 – EXTERIOR - ESTADO DE WASHINGTON – PENÍNSULA OLÍMPICA


(VISTA AÉREA) – DIA
Nada além de profundas, escuras e verdes florestas por
milhas. A CÂMERA MOVE-SE RAPIDAMENTE PARA BAIXO, encontrando
o assustadoramente dramático Lago Crescente. Acima de tudo
paira a neblina do sempre presente céu cinzento e nublado.
Tudo está molhado e embebido em tons de verdes...

ESTAMOS NA RODOVIA DE MÃO DUPLA ao longo da qual anda uma


VIATURA DE POLÍCIA. A câmera APROXIMA-SE pelo acostamento até
chegar na JANELA do lado do passageiro, onde está Bella
olhando para fora, fitando os novos arredores sombrios.

FIM DOS CRÉDITOS.

Cena 6 – INTERNA - CARRO DA POLÍCIA – DIA – ESPERANDO POR LUZ

Bella senta próximo ao seu pai uniformizado, chefe de polícia


Swan, 40 anos. Taciturno e introvertido como a Bella. O
silêncio entre eles é hostil comparado com o relacionamento
com a sua mãe.

CHARLIE
Seu cabelo está maior.

BELLA
Cortei desde a última vez que nos
vimos.

CHARLIE
Creio que cresceu de novo.

Ela apenas balança a cabeça. Silêncio.

CHARLIE
Como está sua mãe?

BELLA
Bem.

Dá para sentir a presença do diálogo que Stephenie fez e a sensação de


que os dois realmente não gostam de falar muito ou de que eles
simplesmente não conhecem um ao outro o suficiente.
Mais silêncio. Sons de contrariedade. Eles passam uma placa:
“A cidade de Forks lhe dá boas vindas – Pop. 3246”. Bella
suspira.
Cena 7 - EXTERIOR - CIDADE DE FORKS, WASHINGTON – DIA

À medida que o carro de polícia se move, Bella percebe que


está numa cidade cheia de lenha - as fachadas de todas as
lojas possuem entalhes em madeira.

Eles passam por uma placa, do Timber Museum (Museu da


Madeira), que é dois lenhadores serrando um tronco. Não existe
no livro, mas é mais uma parte da cenografia do ambiente mesmo.
A ESTAÇÃO DE POLÍCIA é um prédio pequeno de madeira ao lado
da Prefeitura.

Cena 8 - EXTERIOR - CASA DE CHARLIE – DIA

O carro de polícia alcança uma casa de dois andares. É


possível ver um depósito de madeira cheio de lenha. Parece até
que o Charlie é lenhador... Há um pequeno barco na garagem, uma
vara de pescar e uma bóia velha. Bella sai para ir para a
casa.

Cena 9 - INTERIOR DA CASA DE CHARLIE – DIA

Bella e Charlie levam sua bagagem para dentro. A casa não é


elegante (a única coisa nova é a TV de tela plana), mas é
confortável, com vida. Várias lembranças de pescaria na sala;
fotos de Charlie pescando com o índio Quileute BILLY BLACK.
Cartões feitos à mão para o "Papai" e fotos de Bella. Ela
olha para si mesma, aos sete anos, em um tutu, sentada no
chão, com cara de teimosa.

CHARLIE
Eu coloquei a mesa velha do Vovô
em seu quarto. E liberei algumas
prateleiras no banheiro.

BELLA
(fazendo careta)
Certo. Um banheiro.

Os olhos de Bella param numa FOTO com um Charlie bem mais


novo e Renée, de férias, apaixonados.

CHARLIE
Eu vou colocar isso no seu
quarto...
BELLA
Eu posso fazer isso...

Ambos pegam as malas, se esbarrando um no outro sem jeito.


Bella recua, deixando Charlie levar as malas para cima.
Essa cena ficou bem parecida com a original do livro. A mudança maior
foi o fato de que a caminhonete de Bella não é dada agora e temos mais
uma demonstração da desastrez dela.

Cena 10 - INTERIOR DO QUARTO DE BELLA – DIA

Uma antiga mesa está em um dos cantos. O quarto está cheio de


lembranças de infância que já tiveram dias melhores. Enquanto
ela pega seu porta-CD, a solidão finalmente a acomete. Ela se
senta pesadamente em cima da cama, lágrimas ameaçando cair...
Uma descrição meio ampla, não descreve as partes do quarto de Bella
como no livro, só resta torcer para que a diretora de arte pegue o livro e
faça isso pela roteirista. Ficam faltando as divagações de Bella sobre a
pele e o fato dela ser tão diferente das pessoas de Phoenix (o que
remete que talvez esse seja o motivo das garotas loiras da cidade natal
dela).

Então, ela ouve uma BUZINA do lado de fora. Bella corre pelo
hall e olha através da janela para ver DO LADO DE FORA – UMA
CAMINHONETE VERMELHA DESBOTADA, CIRCA 1960, estaciona.
Billy e Jake vêm entregar pessoalmente a caminhonete. Apresenta os
personagens (provavelmente origina daquela foto do calendário dos 4
ao lado da Chevy) e dá atenção ao Jake, que vai se tornar mais
importante mais além, como todos já sabemos.