Sei sulla pagina 1di 25

4

Saudação inicial: 5
Em nome do Pai, e e do Filho e do Espírito Santo.
Admonitor:
Encontramo-nos em santa vigília, santa, porque junto d'Aquele
que é Santo. É um momento de encontro espiritual, interior, com
Aquele que nos habita, mas que só conhecemos na medida em
que Lhe abrirmos o coração. Quem é este Deus que nos ama tanto
em Seu Filho Jesus Cristo? Pelo canto dos salmos, pela meditação
da palavra da Igreja, pela escuta atenta do Verbo Eterno de Deus
no Santo Evangelho, diante do Santíssimo Sacramento, aprendamos
a conhecer o Senhor, a amá-l'O, a servi-l'O. Sim, Deus é quase
sempre diferente d'Aquele que imaginamos. A oração permite-nos
conhecê-l'O, tal como É verdadeiramente.
No silêncio desta noite, no silêncio do nosso coração, acolhamos
a Palavra Eterna de Deus, saboreemo-l'A, adoremo-l'A, pois é o
Senhor entregue por nós.
Cantemos:
     P. C. Silva
             
Meu Deus, eu
    
crei - o, a - do - ro, es - pe - ro
  
e
         
 
   
   
a - mo - Vos. Pe - ço - Vos per - dão pa - ra os que não
     
             
crê - em, não a - do - ram, não es - pe - ram e não Vos a - mam.
Oração do Anjo
Santíssima Trindade,
Pai, Filho e Espírito Santo,
adoro-Vos profundamente
e ofereço-Vos o preciosíssimo Corpo,
Sangue, Alma e Divindade de Jesus Cristo,
presente em todos os sacrários da terra,
em reparação dos ultrajes,
sacrilégios e indiferenças,
com que Ele mesmo é ofendido.
E pelos méritos infinitos do seu Santíssimo Coração
e do Coração Imaculado de Maria,
peço-Vos a conversão dos pobres pecadores.
6
CÂNTICO: DAS FONTES DA SALVAÇÃO

     
P. M. Luís

 
         
        
Das fon - tes da sal - va - ção sa - ci - ai - vos na a - le -
   
              
    

gri - a! Sa - ci - ai - vos na a - le - gri - a.

 Isaías 12
 
     
Deus é o meu

Sal - va - dor,
  
 
    
tenho confian - - - ça e na - da te - mo.
  
     
meu lou - vor.

O Senhor é a minha força e o

  

 

 
Ele é a mi - - - nha sal - va - ção.

Tirareis água, com alegria, das fontes da salvação.


Agradecei ao Senhor, invocai o seu nome.
Anunciai aos povos a grandeza das suas obras,
proclamai a todos que o seu nome é santo.

Cantai ao Senhor, porque Ele fez maravilhas,


anunciai-as em toda a terra.
Entoai cânticos de alegria e exultai, habitantes de Sião,
porque é grande no meio de vós o Santo de Israel.

Tempo de silêncio.
7
Admonitor:
No salmo 102 destaca-se o contraste entre a misericórdia de Deus
e a precaridade da nossa vida. O Senhor conhece bem a nossa fragili-
dade, os nossos pecados, mas não guarda ressentimento. Continua
sempre aberto à misericórdia, cheio de paciência, até que voltemos
para Ele.
Cantemos a dois coros:

      P. M. Luís

ANT.              
 
O Se - nhor é cle - men -te e com-pas - si - vo, chei - o
     
             
de mi - se - ri - cór - di - a pa - ra com to - dos.

 Salmo 102 
  
nhor

Bendiz, ó minha alma, o Se - -

 

  
e todo o meu ser bendiga o seu no - me san - to.
 
   
Bendiz, ó minha alma, o Se nhor,

- -

  

 
e não esqueças nenhum dos seus be - ne - fí - cios.

O Senhor é clemente e compassivo, *


paciente e cheio de bondade.
Não está sempre a repreender *
nem guarda ressentimento.

Não nos tratou segundo os nossos pecados *


nem nos castigou segundo as nossas culpas.
Como a distância da terra aos céus, *
assim é grande a sua misericórdia para os que O temem.
8 Como o Oriente dista do Ocidente, *
assim Ele afasta de nós os nossos pecados.
Como um pai se compadece de seus filhos, *
assim o Senhor Se compadece dos que O temem.

Ele sabe de que somos formados *


e não Se esquece que somos pó da terra.
Os dias do homem são como feno: V
ele desabrocha como a flor do campo, *
mal sopra o vento desaparece V
e não mais se conhece o seu lugar.

Glória ao Pai e ao Filho *


e ao Espírito Santo
como era no princípio, *
agora e sempre. Amen.

Antífona.
Tempo de silêncio.

Admonitor:
O Santo Padre, Bento XVI, em palavras simples mas tão seguras,
ensina-nos que Deus nos amou primeiro ao entregar o Seu Filho, por
nosso amor. A Igreja nasceu à sombra da Santíssima Eucaristia.
Ouçamos um pequeno trecho da encíclica do Papa.

DA ENCÍCLICA "SACRAMENTUM CARITATIS",


DO SANTO PADRE, BENTO XVI (Nº 14):
9

Tempo de silêncio.

Admonitor:

A súplica do justo, no salmo 16, é também a nossa, qundo injus-


tamente acusados, nos momentos mais dramáticos da vida, ou nos
simples acontecimentos. Unidos a Cristo Sacerdote, obediente e so-
fredor, dirijamos a Deus esta oração de confiança.

Cantemos a dois coros:


            
10 S. Cordeiro, SCS

ANT.              
Te-nho con - fi - an - ça no Se - nhor e na - da te - mo:

          ‹  
A - le - lu - ia.
          
         
Deus é a mi-nha sal -va - ção. A - le - lu - ia.
Salmo 16
  
     

Ouvi, Senhor, uma cau - sa jus - ta,
  
    
atendei a mi - nha súpli - ca.

Escutai a minha oração, *


feita com sinceridade.

Sede Vós a fazer o meu julgamento, *


pois vossos olhos vêem o que é recto.
Se prescrutais o meu coração, se o examinais à noite, *
ainda que o proveis com o fogo V
não encontrareis em mim iniquidade.

Minha boca não cometeu desmandos à maneira dos homens; *


seguindo as vossas palavras, evitei os caminhos da violência.
Firmai os meus passos nas vossas veredas *
para que não vacilem os meus pés.

Eu Vos invoco, ó Deus, respondei-me, *


ouvi-me e escutai as minhas palavras.
Mostrai a vossa admirável misericórdia, *
Vós que salvais dos agressores V
quem se acolhe à vossa direita.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo, *


como era no princípio, agora e sempre. Amen.
Admonitor: 11
Todos somos chamados a viver por Cristo, com Cristo e em Cristo.
Nisso consiste a obra da redenção, pelo amor que o Pai nos tem.
Continuemos a adorar Jesus no Santíssimo Sacramento da Euca-
ristia e ouçamos as palavras da Igreja.

DA Constituição Dogmática do Concílio Vaticano II,


"Lumen Gentium" (nº 3):
Veio pois o Filho, enviado pelo Pai, que n'Ele nos elegeu antes
de criar o mundo, e nos predestinou para sermos seus filhos de a-
dopção, porque Lhe aprouve reunir n'Ele todas as coisas (cfr. Ef 1,
4-5.10). Por isso, Cristo, a fim de cumprir a vontade do Pai, deu
começo na terra ao Reino dos Céus e revelou-nos o seu mistério,
realizando, com a própria obediência, a redenção. A Igreja, ou seja,
o Reino de Cristo já presente em mistério, cresce visivelmente no
mundo pelo poder de Deus. Tal começo e crescimento exprimem-
-nos o sangue e a água que manaram do lado aberto de Jesus cru-
cificado (cfr. Jo. 19,34) e preanunciam-nos as palavras do Senhor
acerca da Sua morte na cruz: «Quando Eu for elevado acima da terra,
atrairei todos a Mim» (Jo. 12,32). Sempre que no altar se celebra o
sacrifício da cruz, na qual «Cristo, nossa Páscoa, foi imolado»
(1 Cor. 5,7), realiza-se também a obra da nossa redenção. Pelo sa-
cramento do pão eucarístico, ao mesmo tempo é representada e se
realiza a unidade dos fiéis, que constituem um só corpo em Cristo
(cfr. 1 Cor. 10,17). Todos os homens são chamados a esta união
com Cristo, luz do mundo, do qual vimos, por quem vivemos, e
para o qual caminhamos.
Admonitor:
De pé, aclamemos a Palavra do Verbo Eterno de Deus:
12
EVANGELHO Jo 3, 13-17
Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo segundo S. João
Deus não enviou o Seu Filho ao mundo para condenar o mundo,
mas, para que o mundo seja salvo por Ele.
Ninguém subiu ao Céu a não ser Aquele que desceu do céu, o Filho
do Homem que está no Céu. Assim como Moisés levantou a serpente no
deserto, assim também tem que ser levantado o Filho do Homem, a fim
de que todo aquele que n'Ele crer tenha a vida eterna. Tanto amou Deus
o mundo que lhe deu o seu Filho Unigénito, para que todo o que n'Ele
crer não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus não enviou o Seu
Filho ao mundo para condenar o mundo, mas, para que o mundo seja
salvo por Ele.
Cantemos:
          
F. Silva

        

Can - ta - rei
 
ao Se - nhor por tu - do o que E - le
    
         
    
fez por mim. Can - ta - rei ao Se - nhor por
        
tu - do o que E - le fez por mim.

PRECES
Na verdade, Deus é Pai Misericordioso e Bom. Vai à procura dos
que se afastam e sofrem. Participantes deste desejo do Senhor,
oremos, cantando:
   

    P. M. Luís
        
     

Dai - nos a

  
Vos -

sa mi - se - ri - cór - dia:
             
  
de Vós a es - pe - ra - mos, Se - nhor.
13
– Pela santa Igreja de Deus, para que seja congregada na unidade da
mesma fé, em torno da Santíssima Eucaristia: Dominum oremus.

– Para que os governantes e autoridades sirvam sempre o bem comum


dos cidadãos, promovam a liberdade religiosa e lutem pela dignidade
de todos os seres humanos: Dominum oremus.

– Pelos fiéis cristãos, particularmente pelos mais jovens e pelos esposos,


para que busquem e encontrem no Santíssimo Sacramento o manancial
inesgotável da sua vida interior: Dominum oremus.

– Para que todos os Consagrados tenham a coragem de ser sinal do


Amor e Misericórdia do Pai, na oração e na vida, tornando-se
generosos, capazes de testemunhar o primado da caridade, o maior
e o mais santo de todos os Carismas: Dominum oremus.

– Pelos que não têm o pão de cada dia, para que Deus dê alimento
a todos os homens e mostre o seu rosto de bondade a quantos O
invocam em suas necessidades: Dominum oremus.

– Pelos jovens que procuram um sentido para a vida, para que, à luz
da Palavra de Deus, se deixem interpelar e acolham com fidelidade
o desafio que Deus lhes propõem: Dominum oremus.

– Pelos idosos, doentes e moribundos, para que sintam que Deus


os trata como filhos, que os toma em seus braços e os atrai com
o seu Amor: Dominum oremus.

– Para que o Pai de misericórdia, por intermédio da Virgem Santa Maria,


envie à Igreja, à nossa Diocese, muitas e santas vocações para o minis-
tério sacerdotal, e para a vida religiosa: Dominum oremus.
Praeceptis salutaribus moniti, et divina institutione formati,
audemus dicere:
14

Deus nosso Pai, que nos revelais a vossa bondade e misericórdia,


humildemente Vos pedimos que, rejeitando o alimento impuro do pecado,
nos saciemos sempre no banquete da Eucaristia, para sermos transformados
em Cristo, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

      
       
Ben - di - ga - mos ao Se - nhor.
  
    
Gra - ças a Deus.

d
Ofício de Leitura 15
Música defA VÉÜwx|ÜÉ? ává
V. Abri, Senhor, os meu lábios.
R. E a minha boca anunciará o vosso louvor.
Invitatório  
      
ANT             

    

V IN - DE, a - do - re - mos o Pão da
  
vi -

    
      
 
  
da: Je - sus Cris - to, Se - nhor.
Salmo 99

Schola (a capella)


          
Vin - - - de:
 Coro
  
     
 

Aclamai o Senhor,
 
ter - ra in - tei - ra,
     

 

servi o Senhor com
 
a - le - gri - a
     
 
vinde a Ele com cânti - cos de júbi - lo.
Sabei que o Senhor é Deus, *
Ele nos fez, a Ele pertencemos, V
somos o seu povo, ovelhas do seu rebanho. Ant.ª

Entrai pelas suas portas dando graças, *


penetrai em seus átrios com hinos de louvor, V
glorificai-O, bendizei o seu nome. Ant.ª

Porque o Senhor é bom, *


eterna é a sua misericórdia, V
a sua fidelidade estende-se de geração em geração. Ant.ª
16
17
Salmodia
        
     
ANT. 1
  

D  
I - ZEI aos con - vi - da - dos: tu -do es - tá

pre - pa -
         ‹   
   
ra - do, vin - de ao ban - que - te. A - le - lu - ia.

Salmo 22
 
     
O Senhor é meu pastor: na - da me fal - ta.

     
 

Leva_me a descansar em ver - des pra - dos;

     
conduz_me às águas re - fres - can - tes
   
   
e reconfor - - - ta a mi - nha al - ma.

Ele me guia por sendas direitas *


por amor do seu nome.
Ainda que tenha de andar por vales tenebrosos, *
não temerei nenhum mal, porque Vós estais comigo: V
o vosso cajado e o vosso báculo me enchem de confiança.

Para mim preparais a mesa *


à vista dos meus adversários;
Com óleo me perfumais a cabeça *
e meu cálice transborda.

A bondade e a graça hão-de acompanhar-me *


todos os dias da minha vida:
e habitarei na casa do Senhor. *
para todo o sempre.
18

   
          
ANT. 2
     
S E al - guém tem se - de, ve -nha a Mim e be - ba na
   
        
fon - te da vi - da e - ter - na.


  
Salmo 41
 
     
Como suspira o veado pelas cor -
 
ren - tes das á - guas,
     
 

 
assim minha alma suspira por Vós, Se - nhor.
Minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo: *
quando irei contemplar a face de Deus?

Dia e noite as lágrimas são o meu pão, *


enquanto me repetem todo o dia: V
«Onde está o teu Deus?»

A minha alma estremece ao recordar *


quando passava em cortejo para o templo do Senhor,
entre as vozes de louvor e de alegria *
da multidão em festa.

Porque estás triste, minha alma, e desfaleces? *


Espera em Deus: ainda O hei-de louvar, V
meu Salvador e meu Deus.

A minha alma está desolada: *


no vale do Jordão e do Hermon e no pequeno monte V
me lembro de Vós.
Abismo atrai abismo no fragor das águas revoltas: *
vossas torrentes e vagas passaram sobre mim.

De dia, mande-me o Senhor a sua graça; *


de noite, canto e rezo ao Deus da minha vida.
19
Digo a Deus: Sois o meu protector, /
porque Vos esqueceis de mim? *
Porque hei-de andar triste, sob a opressão do inimigo?
Quebram-se meus ossos, quando os inimigos me insultam, *
ao repetirem todo o dia: «Onde está o teu Deus»?

Porque estás triste, minha alma, e desfaleces? *


Espera em Deus: ainda O hei-de louvar, V
meu Salvador e meu Deus.

      
  
ANT. 3
       
O SE - NHOR a - li - men - tou - nos
 
com
 
a
  
             

 
flor da fa - ri - nha e sa - ci - ou - nos com o
        
mel dos ro - che - dos.
Salmo 80
     
      
   
A - cla - mai a Deus, nos - sa for - ça,
    
   
    
   
a - plau - di ao Deus de Ja - cob.

Entoai cânticos ao som do tamboril, *


da cítara harmoniosa e da lira.
Fazei ressoar a trombeta na lua nova *
e na lua cheia, dia da nossa festa.

É uma obrigação para Israel, *


é um preceito do Deus de Jacob,
lei que Ele impôs a José, *
quando saiu da terra do Egipto.
20
Ouço uma língua desconhecida: *
«Aliviei os teus ombros do fardo V
e soltei as tuas mãos dos cestos.
Gritaste na angústia, e Eu te libertei, *
do meio do trovão te respondi: V
punha-te à prova junto das águas de Meriba.

Escuta, meu povo, a minha advertência, *


assim, Israel, me prestes ouvidos:
Não terás contigo um deus alheio, *
nem adorarás divindades estranhas.
Eu, o Senhor, sou o teu Deus, V
que te fiz sair da terra do Egipto. *
Abre a tua boca e enchê-la-ei.

Mas o meu povo não ouviu a minha voz, *


Israel não me quis obedecer.
Por isso os entreguei à dureza do seu coração *
e eles seguiam os seus caprichos.

Ah! Se o meu povo me escutasse, *


se Israel seguisse os meus caminhos,
num instante esmagaria os seus inimigos, *
deixaria cair a mão sobre os seus adversários.

Os inimigos do Senhor obedeceriam ao meu povo, *


tal seria para sempre o seu destino.
Alimentaria o meu povo com a flor da farinha *
e saciá-lo-ia com o mel dos rochedos».

Versículo

 
     
A Sabedoria construiu a sua casa. A - le - lu - ia.
 
     
Preparou o vinho e pôs a mesa. A - le - lu - ia.
21
PRIMEIRA LEITURA

Do Livro do Êxodo 24, 1-11

Viram a Deus, e comeram e beberam

Naqueles dias, o Senhor disse a Moisés: «Sobe até junto do Senhor,


com Aarão, Nadab, Abiú e setenta dos anciãos de Israel e prostrai-vos à
distância. Mas só Moisés se aproximará do Senhor; os outros não se apro-
ximarão, nem o povo com eles».
Moisés veio comunicar ao povo todas as palavras do Senhor e todas
as suas leis. O povo inteiro respondeu a uma voz: «Faremos tudo quanto
o Senhor ordenou». Moisés escreveu todas as palavras do Senhor. No
dia seguinte, levantou-se muito cedo, construiu um altar no sopé do
monte e ergueu doze pedras pelas doze tribos de Israel. Depois mandou
a alguns jovens israelitas oferecerem holocaustos e imolarem novilhos,
como sacrifícios pacíficos em honra do Senhor.
Moisés recolheu metade do sangue, deitou-o em vasilhas e derramou
a outra metade sobre o altar. Depois tomou o Livro da Aliança e leu-o
em voz alta ao povo, que respondeu: «Faremos quanto o Senhor disse
e a tudo obedeceremos». Então Moisés tomou o sangue, aspergiu com
ele o povo, dizendo: «Este é o sangue da aliança que o Senhor concluiu
convosco, mediante todas estas palavras».
Moisés subiu com Aarão, Nadab, Abiú e setenta dos anciãos de
Israel. Viram o Deus de Israel: debaixo dos pés tinha uma espécie de
pavimento de safira, límpido como o próprio céu. Deus não estendeu
a mão contra os eleitos dos filhos de Israel que assim puderam contem-
plar a Deus, depois comeram e beberam.

RESPONSÓRIO Jo 6,48.49.50.51.52

R. Eu sou o pão da vida. Os vossos pais comeram o maná no


deserto e morreram. Este é o pão que desce do Céu: * Se alguém
comer deste pão, viverá eternamente.
V. Eu sou o pão vivo que desci do Céu. * Se alguém comer
deste pão, viverá eternamente.
22
SEGUNDA LEITURA
Das Obras de S. Tomás de Aquino, presbítero
(Opusculum 57, In festo Corporis Christi, lect. 1-4) (Séc. XIII)
Oh precioso e admirável banquete!
O Unigénito Filho de Deus assumiu a nossa carne para nos tornar
participantes da divindade, fez-Se homem para fazer dos homens deuses.
Tudo quanto assumiu da nossa condição humana, tudo contribuiu para
nossa salvação: ofereceu em sacrifício a Deus Pai o seu Corpo no altar
da cruz para nossa reconciliação, e derramou o seu Sangue como preço
do nosso resgate e purificação de todos os nossos pecados.
Mas para que em nós se conservasse perenemente a memória de tão
grande benefício, deixou aos seus fiéis, sob as aparências do pão e do
vinho, o seu Corpo como alimento e o seu Sangue como bebida.
Oh precioso e admirável banquete, salutar e cheio de toda a suavida-
de! Que há de mais precioso que este banquete? Já não é a carne de
touros e cabritos que se nos oferece a comer, como na antiga Lei, mas
o próprio Cristo, verdadeiro Deus, que se nos dá em alimento. Que há
de mais salutar e admirável que este sacramento? Nele se purificam os
nossos pecados, aumentam as virtudes e se nutre a alma com a abun-
dância dos dons espirituais.
É oferecido na Igreja pelos vivos e pelos mortos para que a todos
aproveite, já que para todos foi instituído como remédio de salvação.
Ninguém seria capaz de exprimir a suavidade deste sacramento, no
qual se pode saborear a doçura espiritual na sua própria fonte e em que
celebramos a memória daquele imenso e inefável amor que Cristo nos
mostrou na sua paixão.
Para que a imensidade deste amor se gravasse profundamente no
coração dos fiéis, quando ia passar deste mundo para o Pai, Cristo, na
última Ceia, celebrada a Páscoa com os seus discípulos, instituiu este
sacramento como memorial perene da sua paixão, como o cumprimen-
to perfeito das antigas figuras e a mais admirável das suas obras.

RESPONSÓRIO
R. Reconhecei neste pão Aquele que esteve pregado na cruz;
reconhecei neste cálice o Sangue que brotou do seu lado.
Tomai e comei o Corpo de Cristo; tomai e bebei o Sangue de Cristo.
* Agora sois membros de Cristo.
V. Para não vos desagregardes, comei o vínculo da vossa união;
para não vos desprezardes, bebei o preço da vossa redenção.
* Agora sois membros de Cristo.
HINO 23
24
25
26

Oremos
Senhor Jesus Cristo, que neste admirável sacramento
nos deixastes o memorial da vossa paixão, concedei-nos a
graça de venerar de tal modo os mistérios do vosso Corpo
e Sangue, que sintamos em nós os frutos da vossa redenção.
Vós que sois Deus, com o Pai, na unidade do Espírito Santo.

V. Bendigamos ao Senhor.
R. Graças a Deus.

+
Servi Christi Sacerdotis
2011
27