Sei sulla pagina 1di 11

Página 1

Veja discussões, estatísticas e perfis de autor para esta publicação em: https://www.researchgate.net/publication/320842222

Identidade e a forma da teologia pentecostal


Artigo · Janeiro de 2017
CITAÇÕES
0
LEIA
229
1 autor:
Shane Clifton
A universidade de Sydney
25 PUBLICAÇÕES 88 CITAÇÕES      
VER PERFIL
Todo o conteúdo que segue esta página foi carregado por Shane Clifton em 25 de abril de 2019.
O usuário solicitou aprimoramento do arquivo baixado.

Página 2
4
Australian Pentecostal Studies 19 (2017)
Editorial: Identidade e a forma da teologia pentecostal
Shane Clifton
Exatamente o que constitui identidade pentecostal, se houver, tem sido um tópico
de reflexão e debate dos avivamentos pentecostais iniciais na virada do
20 th século. Nesta edição da revista, Mark Hutchinson assume
esta questão novamente, com base na experiência australiana do carismático
avivamentos para perguntar se o movimento carismático está devidamente identificado
como uma "nova reforma do século vinte?" Não é minha função roubar
O trovão de Hutchinson, exceto para afirmar sua premissa de que as definições de identificação
são contestados, e que termos como pentecostal e carismático “estão sujeitos
às diferenças de opinião histórica sobre definição, ideologia e aplicação. ”
Mesmo a escolha de usar letras maiúsculas (Pentecostal / pentecostal 1 )
torna-se uma questão complicada, porque a identificação de definições molda o futuro.
Hutchinson é um historiador e sociólogo, e há pouco que posso acrescentar ao seu
análise aprofundada dos significados e consequências do carismático
movimento. Em vez disso, neste ensaio editorial, aproveito a oportunidade para pensar
ao lado de Hutchinson, usando uma disciplina diferente e um conjunto de fontes para perguntar
se e como a identidade pentecostal pode moldar a reflexão acadêmica de um
teólogo pentecostal.
Reavivamento Pentecostal e a rejeição de distintivos
Nos primeiros dias do avivamento pentecostal, a maioria dos participantes
entendeu o movimento como uma renovação da igreja mais ampla, e assim sem sua
eclesiologia e teologia próprias. Dessa perspectiva, o movimento não
existem por si só, e os debates sobre a identidade derrotam os propósitos. Na Austrália,
1. Na maioria das vezes, vou rotular o pentecostalismo sem a letra maiúscula "P", já que levo o rótulo para
referencie um movimento em vez de uma igreja ou denominação específica.

Página 3
Clifton, identidade e forma da teologia pentecostal
5
por exemplo, a fundadora do movimento pentecostal incipiente, Sarah
Lancaster, insistiu que a Apostolic Faith Mission (AFM) não era “outra
IGREJA (grifo dela) ”, 2 e por muitos anos as assembléias que ela liderou, e
aqueles em relacionamento com ela, não tinham pastores formais, declaração doutrinária ou
estruturas intereclesiais. E a posterior formalização do AFM foi
julgou uma concessão às pressões contextuais (incluindo crítica externa de
liderança feminina). As opiniões de Lancaster não eram únicas entre as
Fundadores pentecostais. Para dar mais um exemplo, Lewi Pethrus, o líder da
o Movimento Pentecostal Sueco (SPM) para a maioria da primeira metade do 20 º
século, lamentou o fato de que o pentecostalismo global se tornou um movimento
para os pentecostais e não para toda a igreja. 3 Ele rejeitou consistentemente
Denominacionalismo pentecostal e quaisquer estruturas formalizadas que controlassem
a relação entre as assembléias pentecostais locais. Para ele, o SPM era
uma comunhão espiritual de igrejas locais independentes cuja existência não era
fundamentado na estrutura denominacional e identidade, mas na unidade do Espírito
que não conheceu limites e que constitui a verdadeira igreja ecumênica.
Uma visão pentecostal não auto-identificada era um ideal digno, mas era
não muito antes do pentecostalismo na Austrália e na Suécia, como em outros lugares,
funcionava da mesma forma que qualquer outra denominação. 4 Como Weber's
teoria comumente referenciada sobre a rotinização de predições de carisma, o
o crescimento e a difusão do movimento resultaram na promulgação do Pentecostal
distintivos e a instigação de estruturas eclesiais formais. 5 e seus
2. Shane Clifton, Pentecostal Churches in Transition: Analyzing the Developing Ecclesiology of
as Assembléias de Deus na Austrália , ed. A. Davies e W. Kay (Leiden, Holanda:
Brill, 2009), 58.
3. Tommy H. Davidsson, Lewi Pethrus 'Ecclesiological Thought, 1911-1974: A
Transdenominational Pentecostal Ecclesiology (Leiden; Boston: Brill, 2015), 214.
O livro de Davidsson é revisado posteriormente neste jornal.
4. Clifton, Pentecostal Churches in Transition , 2009, cap. 2; Davidsson, Lewi Pethrus '
Ecclesiological Thought, 1911-1974 , 106.
5. Max Weber, Economy and Society: An Outline of Interpretive Sociology (Califórnia:
University of California Press, 1978).

Página 4
6
Australian Pentecostal Studies 19 (2017)
existência como sendo para a igreja mais ampla foi ainda mais prejudicada pela corrente principal
rejeição da espiritualidade pentecostal, e a intransigência concomitante e
divisão que se tornaria uma característica infeliz do pentecostalismo no
20 th século. Na verdade, como os pentecostais formaram suas próprias assembléias e
redes intereclesiais, eles disputavam entre si sobre a teologia e
prática do batismo do Espírito, e sobre as doutrinas fundamentais (como entre trinitaristas
e Pentecostais Unicistas). A própria eclesiologia se tornou uma questão de disputa, e
disputas locais e entre igrejas seguiram seu curso. 6 Inevitavelmente, aqueles que
emergiu com poder decidido assuntos, e identidade pentecostal tomou
forma institucional.
Historiadores e sociólogos definem pentecostalismo
Exatamente o que constitui essa identidade tem sido de interesse por muito tempo
para a academia pentecostal. Em 1993, Pneuma: the Journal of the Society of
Pentecostal Studies dedicou uma edição da revista “à busca de um
Identidade pentecostal. ” 7
De importância foi o artigo “Para onde
Pentecostalismo? ” pelo então presidente da Sociedade de Estudos Pentecostais,
David W. Faupel. Sua leitura da história pentecostal inicial era que suas origens
deviam ser encontrados no pietismo, não - como muitas vezes se presume - conservador
evangelicalismo, e que sua ênfase na espiritualidade experiencial significava que
liberalismo e pentecostalismo eram gêmeos fraternos. 8 De sua perspectiva,
o pentecostalismo surgiu como uma crítica ao fundamentalismo emergente. Faupel vai
em argumentar que, rejeitados pela igreja, eles tentaram reviver e reformar,
pentecostais criaram suas próprias instituições eclesiais, e então "tomaram emprestado o
linguagem de seus oponentes para estabelecer sua legitimidade. ” Ao fazer isso, eles
6. Não há melhor descrição dessas jogadas de poder do que aquela fornecida por Grant Wacker, Heaven
Abaixo: Early Pentecostals and American Culture (Londres: Harvard University Press, 2001).
7. Murray W. Dempster, "The Search for Pentecostal Identity", Pneuma 15, no. 1 (1 de janeiro,
1993): 1–8, doi: 10.1163 / 157007493X00013.
8. David W. Faupel, “Whither Pentecostalism? 22ª Sociedade de Endereços Presidenciais para
Pentecostal Studies, 7 de novembro de 1992, ” Pneuma 15, no. 1 (1993): 16.

Página 5
Clifton, identidade e forma da teologia pentecostal
7
abraçaram o estreito fundamentalismo que procuraram reformar. 9 Faupel
concluiu afirmando que o pentecostalismo chegou a uma encruzilhada, um em
que precisava para decidir a forma de sua identidade; seja como um subgrupo de
fundamentalismo / evangelicalismo, ou - no espírito de seus fundadores - como um
movimento espiritual experiencial com horizontes abertos e inclusivos.
Outros dois artigos se destacam na edição de 1993 da Pneuma . Harvey Cox,
olhando de fora para dentro, destacou os impulsos positivos de
pentecostalismo; seu centro experiencial, espiritualidade autêntica, comemorativa
adoração e tipo “deste mundo” de cristianismo prático. Mas ele também
identificou o lado negro da identidade pentecostal histórica e contemporânea; Está
espírito sectário, tendência a aquiescer acriticamente ao status quo do
cultura vigente, biblicismo ingênuo e dogmático, e cooptação pelo político
forças da direita religiosa (sua análise de 1993 presciente para pentecostal
igrejas em 2017, cooptadas como muitas foram por políticas de direita
forças em todo o mundo). 10 Por dentro, o historiador pentecostal Cecil Robeck
resumiu a identidade do movimento como sendo ecumênico, globalmente
multicultural e evangelístico, mas ele também destacou a miríade de maneiras de
que, ao longo dos 20 th século, suas ações tinham desmentiu estes
identificando traços. Em resposta, ele apelou ao arrependimento, pedindo que “olhemos
além de nós mesmos e nossos paroquialismos, sejam eles teológicos, denominacionais,
cultural, ou regional, e se tornam participantes ativos na obra de Deus para
alguma forma de unidade visível no mundo. ” 11 O apelo de Robeck ao arrependimento foi
essencialmente um desafio para retornar ao espírito original dos avivamentos pentecostais;
não tanto uma rejeição da identidade pentecostal in toto , mas uma vontade de manter
essa identidade vagamente por causa da obra do Espírito na igreja mais ampla.
Embora Cox e Robeck tenham uma visão global, o debate sobre
a relação do pentecostalismo com o evangelicalismo foi em grande parte norte-americana,
9. Ibid., 21-23.
10. Harvey Cox, "Some Personal Reflection on Pentecostalism", Pneuma 15, no. 1 (1993): 29–34.
11. Cecil M Jr Robeck, “Taking Stock of Pentecostalism: The Personal Reflections of a Retiring
Editor, ” Pneuma 15, no. 1 (1993): 58.

Página 6
8
Australian Pentecostal Studies 19 (2017)
e está confuso hoje com a incerteza que cerca a identidade evangélica em
o Ocidente (incluindo debates entre os chamados evangélicos conservadores e
neo-evangélicos). Para uma compreensão da identidade pentecostal global, o
o rigoroso trabalho histórico de Allan Anderson se destaca. Acima de tudo, sua obra
apresenta um desafio à tendência dos estudos anteriores de definir
pentecostalismo por seu contexto norte-americano. Para facilitar a disciplina de
estudos pentecostais, Anderson descreve quatro abordagens principais para definir
o movimento: 1. A abordagem tipológica diferencia entre os clássicos
Pentecostais (aqueles com ligações históricas com os primeiros 20 th revivals do século), mais velhos
igrejas independentes e espirituais (como encontradas na China, Índia e África),
Carismáticos (aqueles em igrejas tradicionais impactados pelo carismático
renovação), e igrejas neopentecostais e neo-carismáticas (independentes
mega-igrejas e assim por diante); 2. A abordagem científica social busca identificar
características ou fenômenos comuns (como a categorização de David Martin
do pentecostalismo como "um protestantismo entusiástico indígena e extensão
do Metodismo ”, ou“ um dinamismo fissíparo de religiosidade não ensinada ” 12); 3. O
abordagem histórica traça as raízes múltiplas de igrejas que identificam
se como pentecostal / carismático (neste caso, o pentecostalismo é um
rótulo heurístico dado conteúdo por estudo histórico); e 4. O teológico
abordagem define pentecostais como aqueles que compartilham uma pneumatologia e outras
aspectos da cosmovisão teológica considerados essenciais. 13 o próprio Anderson
considera se é melhor falar de uma série de pentecostalismos - assumindo
que o movimento é muito diverso para identificar traços comuns - mas conclui
que é apropriado usar o termo "pentecostalismo" para descrever "igrejas e
movimentos globais que enfatizam a operação dos dons do Espírito. ” Ele
também observa que uma definição mais ampla "deve enfatizar a capacidade do pentecostalismo
12. David Martin, Pentecostalism: The World their Parish (Oxford: Blackwell, 2002), 18.
13. Allan Anderson, "Varieties, Taxonomies, and Definitions," in Studying Global
Pentecostalism: Theories and Methods , ed. Allan Anderson et al. (Berkeley: University of
California Press, 2010), 16-25.

Página 7
Clifton, identidade e forma da teologia pentecostal
9
encarnar o evangelho em diferentes formas culturais ”, 14 e insiste que global
o pentecostalismo é de um caráter diferente daquele tipicamente visto no Norte
América. Enquanto os pentecostais clássicos ocidentais geralmente identificam
por referência à doutrina do batismo do Espírito, globalmente
“O pentecostalismo é visto mais corretamente em um contexto muito mais amplo como um
movimento preocupado principalmente com a experiência do trabalho do Santo
Espírito e a prática dos dons espirituais. ” 15 Minha leitura da insistência de Anderson
que o pentecostalismo não é americano ou ocidental é que ele não está apenas expandindo
nossa visão da história do movimento, mas narrando a história para sustentar um modelo
do movimento que não é restringido pelo evangelicalismo conservador
tendências dogmáticas. E ao fazer isso, ele mostra que há uma escolha sobre
como identificamos o pentecostalismo moderno, e também uma escolha sobre o tipo de
movimento que pode se tornar à medida que avança no século XXI .
Identidade e teologia
O fundamental para escolher essa identidade são as diferentes suposições sobre
teologia pentecostal que conduz a caminhos teológicos divergentes. Dentro do contexto de
estudos bíblicos, muitos seguiram o exemplo de gigantes como Gordon Fee,
baseando-se no método histórico que predomina entre os evangélicos para
explorar tópicos pentecostais; A presença capacitadora de Deus de Fee , que estuda
cada passagem que faz referência ao Espírito no Novo Testamento, como o
exemplar. 16
Tomando essa abordagem, estudiosos pentecostais têm debatido
evangélicos sobre as construções bíblicas do batismo no Espírito Santo, também
como outros tópicos de preocupação pentecostal, tomando emprestadas as regras evangélicas de
14. Allan Anderson, Uma Introdução ao Pentecostalismo: Cristianismo Carismático Global
(Cambridge: Cambridge University Press, 2004), 14–19.
15. Ibidem, 18.
16 Gordon D. Fee, Presença Capacitadora de Deus: O Espírito Santo nas Cartas de Paulo , Reimpressão
edição (Grand Rapids, Mich .: Baker Academic, 2009).

Página 8
10
Australian Pentecostal Studies 19 (2017)
noivado. 17 Seguindo uma trajetória diferente estão os estudiosos que buscaram
descrever a hermenêutica pentecostal em seus próprios termos, enfatizando a
envolvimento para explicar a leitura criativa e não histórica da Bíblia que
predomina no pastorado pentecostal. Para este fim, tais estudiosos utilizam
estratégias alternativas de leitura, muitas vezes referenciando desenvolvimentos em semiótica,
análise narrativa, crítica da resposta do leitor e outras
teorias hermenêuticas (embora às vezes sem a crítica ideológica
que é central para a teoria pós-moderna). 18 Tomado em conjunto, há uma
consenso de que a hermenêutica pentecostal envolve uma interação entre o
Espírito, a comunidade e as Escrituras, que geram leituras bíblicas que
moldar a vida histórica e compartilhada de comunidades cheias do Espírito. Neste contexto,
as percepções da exegese histórico-crítica evangélica podem formar um dos
vozes da comunidade, mas outras interpretações também são devidas, como o
O espírito se move.
Se levantarmos nosso olhar da hermenêutica bíblica para a disciplina mais ampla de
teologia, novamente nos deparamos com caminhos divergentes. Para muitos, sob a influência
do evangelicalismo conservador, teologia é teologia bíblica; uma tarefa que
envolve sistematizar a mensagem da Bíblia e basear-se na
tradição e o contexto contemporâneo principalmente por uma questão de tradução, então
que os pentecostais podem comunicar a única mensagem verdadeira do (cheio do Espírito)
17. James DG Dunn, Batismo no Espírito Santo: Um Reexame do Novo Testamento
Ensinando sobre o Dom do Espírito em relação ao Pentecostalismo Hoje (Londres: SCM, 1970);
R. Stronstad, The Charismatic Theology of St. Luke (Massachusetts: Hendrickson, 1984);
Roger Stronstad, O Profeta de Todos os Crentes: Um Estudo da Teologia Carismática de Lucas
(Sheffield: Sheffield Academic Press, 1999); William W. Menzies e Robert P. Menzies,
Spirit and Power: Foundations of Pentecostal Experience (Zondervan, 2011).
18. Kenneth J. Archer, A Pentecostal Hermeneutic: Spirit, Scripture And Community , unknown
edição (Cleveland, Tenn .: CPT Press, 2009); Jacqueline Gray, Three's a Crowd:
Pentecostalism, Hermeneutics, and the Old Testament (Eugene, Or .: Pickwick, 2011); John
Christopher Thomas, “'Where the Spirit Leads' - the Development of Pentecostal
Hermenêutica, ” Journal of Beliefs & Values 30, no. 3 (1 de dezembro de 2009): 289–302,
doi: 10.1080 / 13617670903371589; Kenneth J. Archer e L. William Oliverio Jr, eds.,
Constructive Pneumatological Hermeneutics in Pentecostal Christianity , 1ª ed. Edição 2016
(Nova York: Palgrave Macmillan, 2016).

Página 9
Clifton, identidade e forma da teologia pentecostal
11
Escrituras para o mundo moderno. 19 O problema com esta abordagem não é assim
muito que espelha o evangelicalismo conservador, mas ao fazê-lo não consegue
apreciar até que ponto a tradição cristã e o contexto contemporâneo
moldaram sua teologia bíblica. E porque confunde seu contexto
cosmovisão com "a Palavra de Deus", tende a ser tacanha e
dogmático.
Não há nada de errado em aprender método com os outros, que é o
única maneira de desenvolver conhecimentos em uma disciplina (especialmente métodos exegéticos,
visto que a Bíblia é o texto histórico). E se o pentecostalismo é um movimento de
e para a igreja mais ampla, deve fazer teologia com outras tradições, ambas
em relação ao conteúdo e método. Meu treinamento formativo foi em um católico
Universidade, e eu recorri especialmente ao Método em Teologia de Bernard
Lonergan em meu trabalho como teólogo. 20 Da perspectiva de Lonergan, método
é baseado nos processos de conhecimento humano e, como tal, precede (ou
transcende) qualquer tradição eclesial particular. Assim, não há pentecostal
método per se, mas, em vez disso, o teólogo pentecostal aplica
ferramentas metodológicas para o conteúdo da teologia e práxis pentecostal. Mas
deve a identidade pentecostal fazer mais do que fornecer os dados teológicos
reflexão? Deve informar uma epistemologia única que também molda a teologia
método?
James Smith responde que sim; que “é inadequado e inautêntico
para os pentecostais simplesmente adotarem opções "prontas para uso" nas áreas teológicas e
discussão filosófica. ” 21 Embora ele reconheça o valor de aprender com o
sabedoria de outros, ele argumenta que a espiritualidade pentecostal contém "um único
19. A ilustração clássica dessa abordagem é J. Rodman Williams, Renewal Theology: Systematic
Teologia de uma perspectiva carismática , três volumes em uma edição (Grand Rapids,
Mich: Zondervan, 1996); Também William W. Menzies e Stanley M. Horton, Bible Doutrines:
A Pentecostal Perspective (EUA: Logion Press, 2012).
20. Bernard JF Lonergan, Method in Theology (Londres: Darton, Longman & Todd, 1972).
21. James KA Smith, Thinking in Tongues: Pentecostal Contributions to Christian Philosophy
(Grand Rapids, Michigan: Eerdmans, 2010), xiv.

Página 10
12
Australian Pentecostal Studies 19 (2017)
'gênio' teológico ”que é um presente para a igreja católica”, e, portanto, que
estudiosos pentecostais devem ter a coragem hermenêutica de ser
assumidamente pentecostal. 22 Em termos de identidade, Smith abre uma
definição de pentecostalismo, enfatizando a abertura radical às operações de
o Espírito, ao invés de distintivos denominacionais. Ele então define um
cosmovisão pentecostal como abrangente:
(1) uma posição de abertura radical a Deus e, em particular, a Deus
fazer algo diferente ou novo; (2) uma teologia "encantada" de
criação e cultura; (3) uma afirmação não dualística de incorporação e
materialidade; (4) uma epistemologia narrativa afetiva; e (5) um
orientação escatológica para missão e justiça. 23
Mas o que significa dizer que o Espírito nos ajuda a "saber?" Smith
destaca a suposição pentecostal de que o conhecimento humano não é apenas
consciente e deliberativo, mas também precognitivo e afetivo. Ele discute
que o pentecostalismo eleva o significado epistemológico da experiência
do Espírito, mais plenamente simbolizado na adoração pentecostal, onde o Espírito está
entendido para transformar o núcleo emocional de uma pessoa para que ela afirme "saber"
a voz divina. 24 É difícil ver exatamente como a elevação deste
o conhecimento experiencial, afetivo e precognitivo pode impactar na teologia
método, visto que esta é uma disciplina pública, e portanto necessariamente consciente e
avaliativo. Mas Smith continua destacando a importância que os pentecostais colocam
no testemunho para o discernimento espiritual, concluindo que a narrativa é central para
conhecimento pentecostal. Em um aparte digno de nota, ele sugere que "a memória é
o gênero teológico pentecostal consumado ”(uma afirmação que pode redimir meu
trabalho teológico como - pelo menos implicitamente - metodologicamente pentecostal 25)
22. Ibid., 22.
23. Ibid., 32-33.
24 . Ibid., 75.
25. A história, incluindo o livro de memórias, é fundamental para meu trabalho recente sobre deficiência, Shane Clifton, Husbands
Deve não quebrar: uma memória sobre a busca da felicidade após uma lesão na medula espinhal
(Eugene, Or .: Resource Publications, 2015); Shane Clifton, “Grieving My Broken Body: An

Página 11
Clifton, identidade e forma da teologia pentecostal
13
Mais amplamente, uma epistemologia pentecostal incorpora o esforço para discernir o
obra do Espírito no mundo, especialmente em lugares surpreendentes. O vento do
O Espírito sopra onde deseja (João 3: 8), e a graça espiritual está sempre em ação
onde menos se espera. Smith, portanto, mantém essa abertura para a criatividade de
o Espírito - uma estética pentecostal - é um traço central do pentecostal
visão de mundo, e gera a capacidade de imaginar um mundo novo e melhor
futuro. 26
Ao fazer referência à imaginação, Smith está recorrendo a muitos
publicações de Amos Yong, cujo principal projeto tem sido desenvolver e
aplicar uma teologia pentecostal que ele rotula de "imaginação pneumatológica",
qual é:
a teologia como particular, mas aspirando ao universal; de
a teologia como local e, ainda assim, afirmando ser global; da teologia como
ocasional e ainda assim transmitido de uma vez por todas; da teologia como
narrativista e também metanarrativista; da teologia como
conservador e ainda novo; da teologia como moderna e ainda
pós-moderno; e assim por diante. Esta é uma teologia que segue o Espírito,
refletindo a tentativa de “viver” e “andar segundo” o Espírito.
Eu chamo isso de pneumatologia da busca - uma dinâmica, dialética e
teologia perspicaz da questão, impulsionada por um “pneumatológico
imaginação." 27
Yong postula uma estrutura triádica para teologia que "inclui três
momentos: o do Espírito (práxis, experiência, ato de interpretação), o da Palavra
(pensamento, objeto, dado de interpretação), e da Comunidade (contexto,
Relato Autoetnográfico de Lesão da Medula Espinhal como uma Experiência de Luto ”, Deficiência e
Reabilitação 36, no. 21 (2014): 1823–29; Minha eclesiologia anterior também estava baseada na
história da igreja pentecostal na Austrália, Clifton, igrejas pentecostais em transição ,
2009.
26. Smith, Thinking in Tongues , 28.
27. Amos Yong, The Spirit Poured Out on All Flesh: Pentecostalism and the Possibility of Global
Teologia (Grand Rapids, Michigan: Baker, 2005), 10.

Página 12
14
Australian Pentecostal Studies 19 (2017)
tradição, público de interpretação). ” 28
Rejeitando explicitamente qualquer singular
princípio hermenêutico, como sola Scriptura , Yong prevê a teologia que é
biblicamente fundamentado, mas que lê as Escrituras por meio de uma grade hermenêutica
informado pela experiência do Espírito em Lucas-Atos. Nessa narrativa,
Pentecostes não é um evento único, mas o modelo para um evento aberto e criativo
discernimento do Espírito em interpretações imaginativas da Bíblia e da
comunidade; interpretações que procuram transformar o mundo. Wolfgang
Vondey rotula o que emerge como "uma teologia do jogo imaginativo", que é
bíblica, poética, histórica, crítica e construtiva, e oferece uma “
alternativa ao estabelecimento ortodoxo. ” 29
Mesmo sendo criativa, a teologia pneumatológica de Yong não é divorciada
da cristologia e da fé cristã ortodoxa; “A pneumatologia fornece a
dinâmica orientadora, ... Cristologia fornece seu foco temático. ” 30 pentecostais
tradição sempre foi centrada em Jesus, uma vez que o Espírito Santo é o Espírito de
Cristo. E apesar dos debates pentecostais sobre a doutrina do
Trinity (re Pentecostalismo unicista), a imaginação pneumatológica de Yong
também é deliberadamente trinitário e ortodoxo porque pretende ser
ecumênico. Mesmo assim, é crítico das tradições teológicas que subordinam e
minimiza o Espírito, e entende a Pneumatologia como tendo
alcance, e assim busca a obra do Espírito além da igreja.
Sob esta luz, o entendimento de "comunidade" de Yong é deliberadamente amplo
abrangendo, e não restrito ao movimento pentecostal, a tradição cristã,
ou a igreja ecumênica. Yong argumenta que "apenas um pneumatológico
a imaginação é capaz de sustentar a tarefa dialógica da teologia de uma forma pluralista
mundo, ... apenas a imaginação inspirada e capacitada pneumatologicamente é
28. Amos Yong, "The Hermeneutical Trialectic: Notes Toward A Consensual Hermeneutic And
Método Teológico ”, The Heythrop Journal 45, no. 1 (1 de janeiro de 2004): 23,
doi: 10.1111 / j.1468-2265.2004.00240.x.
29. Wolfgang Vondey, Beyond Pentecostalism: The Crisis of Global Christianity and the Renewal
da Agenda Teológica , Manifestos Pentecostais (Grand Rapids, Mich .: Eerdmans, 2010),
41
30. Yong, The Spirit Poured Out , 27.

Página 13
Clifton, identidade e forma da teologia pentecostal
15
capaz de ouvir as muitas vozes, mas também discernir criticamente seus
contribuições. ” 31 Yong procurou aplicar a imaginação pneumatológica para
fazer teologia em diálogo com comunidades raramente abordadas (e
às vezes explicitamente rejeitado) por outros pentecostais. Um exemplo é o seu longo
projeto de longo prazo no desenvolvimento de uma teologia pneumatológica das religiões, que
busca discernir a presença, atividade e ausência do Espírito Santo em outras
tradições religiosas. 32 A abertura de Yong para o trabalho e a voz do Espírito em
outras religiões, bem como em outras disciplinas (como estudos sobre deficiência e
ciência contemporânea), indica que ele está trabalhando a partir de uma compreensão de
identidade pentecostal que imagina como seria o movimento se permitisse sua
orientação à criatividade do Espírito para ter o seu caminho, contra e contra a sua
impulso fundamentalista. 33
Porque o Espírito sopra onde quer, o pneumatológico
a imaginação quebra barreiras religiosas, culturais, de gênero e outras barreiras,
capacita as pessoas marginalizadas e permite a capacidade de ouvir e
falar em línguas e testemunhos de estranhos. 34 Arrisca novas conversas,
novas (e antigas) formas de pensar, novos relacionamentos e novas práticas para
por uma questão de missão, porque o Espírito é o primeiro fruto / depósito do futuro.
Embora a imaginação pneumatológica seja um método pentecostal, não é
apenas para pentecostais, mas pretende oferecer um caminho a seguir para a teologia cristã
31. Amos Yong, The Dialogical Spirit: Christian Reason and Theological Method in the Third
Millennium (Cascade Books, 2014), 284.
32. Amos Yong, Discerning the Spirit (s): A Pentecostal-Charismatic Contribution to Christian
Teologia das Religiões , 1 edição (Sheffield: Bloomsbury T&T Clark, 2000); Amos Yong,
Além do Impasse: Rumo a uma Teologia Pneumatológica das Religiões (Grand Rapids,
Michigan: Baker, 2003); Amos Yong e Clifton Clarke, eds., Global Renewal, Religious
Pluralism, and the Great Commission (Lexington, Ky: Emeth Press, 2011).
33. Amos Yong, Teologia e Síndrome de Down: Reimagining Disability in Late Modernity
(Waco, Tex .: Baylor University Press, 2007); Amos Yong, O Espírito da Criação: Moderno
Ciência e ação divina na imaginação pentecostal-carismática (Grand Rapids, Mich .:
Eerdmans, 2011).
34. Yong, The Dialogical Spirit , 16.

Página 14
16
Australian Pentecostal Studies 19 (2017)
como um todo. 35 Desta forma, ele retorna ao impulso mais antigo do pentecostal
revivalismo. Embora seja improvável que muitos dos pentecostais de primeira geração
reconheceria o conteúdo da teologia de Yong, ele está, mesmo assim, carregando
encaminhar seu espírito. Yong desenvolve uma teologia pentecostal que transcende
pentecostalismo para o bem da igreja mais ampla. Para ele, identidade pentecostal
não é o foco das atenções. Mesmo a igreja ecumênica é muito pequena para uma
objeto de uma teologia revivida pela imaginação pneumatológica. Em vez,
a teologia renovada olha para o Deus transcendente e discerne o iminente
presença do Espírito em locais, histórias e comunidades surpreendentes.
Não há, de fato, nada exclusivamente pentecostal na área pneumatológica
imaginação, que é como deveria ser. Sua estrutura tripla reflete o comum
suposições sobre fontes teológicas, e sua ênfase na afetividade
experiência e narrativa são centrais para o texto bíblico (especialmente o dramático
história do evangelho). E embora os teólogos muitas vezes se preocupem
com proposições em vez de história, tem havido um aumento
reconhecimento da importância da narrativa para o sentido teológico. 36
Nem pode a imaginação pneumatológica substituir outros teológicos
métodos, dado que os processos e limitações do conhecimento humano precedem
culturas e tradições particulares. Em vez disso, pode funcionar como uma sobreposição, um
orientação para o Espírito criativo que adiciona caráter e vida à disciplina
rigor. Se tomarmos as especialidades funcionais de Lonergan como exemplo, o
imaginação pneumatológica abraça fontes de pesquisa além do tradicional
autoridades, trazendo vozes diversas e marginais para o primeiro plano. 37 dentro
35. Amos Yong e Jonathan A. Anderson, Renewing Christian Theology: Systematics for a
Cristianismo global (Baylor University Press, 2014).
36. Hans W. Frei, Theology and Narrative: Selected Essays , ed. William C. Placher e George
Hunsinger, primeira edição (New York: Oxford University Press, 1993); Kevin J.
Vanhoozer, Faith Speaking Understanding: Performing the Drama of Doctrine (Louisville,
Kentucky: Westminster John Knox Press, 2014).
37. Os próprios estudiosos de Lonergan falaram da importância do Espírito Santo para
O método de Lonergan e do fato de que ele abre amplas fontes de pesquisa, Robert M.
Doran, "Functional Specialties for a World Theology", Lonergan Workshop 24 (2013): 99–
111

Página 15
Clifton, identidade e forma da teologia pentecostal
17
além de usar métodos disciplinares na interpretação dessas fontes (como
exegese histórica e sócio-crítica), permite espaço para brincadeiras imaginativas, e
por atender à inspiração, não apenas de autores, mas de leitores e ouvintes.
E uma vez que a imaginação pneumatológica também implica discernir o Espírito
ausência (ou o demoníaco), há espaço para atender à experiência e
crítica ideológica de feministas e outros intérpretes pós-coloniais de
textos oficiais - muitas vezes ignorados pelos estudos evangélicos conservadores.
Os julgamentos feitos sobre a história das ideias teológicas, sobre o que é
avançando ou retrocedendo na redenção ou declínio, pode ser despertado para
encantamento, às mudanças operadas pela presença do Espírito, para
materialidade e afins. Há uma tendência na análise teológica de tomar uma
preconceito de esquerda (por um bom motivo, dada a preocupação do evangelho com a justiça social),
mas a imaginação pneumatológica tem uma mente aberta sobre pessoal e
empoderamento social, prosperidade e florescimento aqui e agora. 38 o
conflitos que surgem na análise dialética , e a posição que se assume para e
contra alternativas, é da mesma forma inevitavelmente influenciada por
cosmovisão (seja pentecostal ou outra), mas também está aberta à revisão, pois a
processo de aprendizagem é autocorretivo. 39 Lonergan descreve este processo de
aprendizagem em termos de conversão; intelectual, moral e religioso. Intelectual
a conversão pode ser um produto da subjetividade autêntica - do diligente
aplicação aos processos de aprendizagem e busca da verdade - mas pode
também começa como um dom do Espírito, que nos orienta para o amor à beleza, o desejo
para o bem e a busca da verdade. 40
E quanto à imaginação? Lonergan trata a imaginação como um dos
38. Smith, Thinking in Tongues , 11; Shane Clifton, "Pentecostal Approaches to Economics", em
The Oxford Handbook of Christianity and Economics , ed. Paul Oslington (Oxford; Novo
York: Oxford University Press, 2014).
39. Lonergan, Method in Theology , 141. Existem oito especialidades funcionais, mas espero ter
feito o suficiente para fazer o ponto.
40. Neste parágrafo, segui as primeiras quatro especialidades funcionais de Lonergan. São oito
no total, mas fiz o suficiente para deixar isso claro. Lonergan, Method in Theology .

Página 16
18
Australian Pentecostal Studies 19 (2017)
processos de consciência que contribuem para o insight, ajudando a fazer sentido
do significado dos dados e do fluxo de significado ao longo da história. Ele também
afirma que a conversão afeta a imaginação de uma pessoa (entre outras coisas), por
liberando símbolos que penetram nas profundezas da psique. Mas imaginação
recebe um significado mais amplo na obra de Yong. Em seu sentido mais amplo, nosso conhecimento
do mundo é construído imaginativamente e, além disso, o imaginário pode
transformar criativamente o mundo. Como Shakespeare observou:
E conforme a imaginação surge
As formas das coisas desconhecidas, a pena do poeta
Transforma-os em formas e não dá nada ao ar
Uma habitação local e um nome.
Esses truques têm imaginação forte
Que, se apenas apreendesse alguma alegria,
Compreende algum portador dessa alegria. 41
A imaginação pneumatológica, então, é um convite ao teológico
criatividade que é tão raramente encontrada na religião dogmática, mas que é essencial para
justiça redentora. Em argumento ressonante de Atos 2, Martha Nussbaum
descreve a capacidade da imaginação narrativa para,
nos permitem compreender os motivos e escolhas de pessoas diferentes
de nós mesmos, vendo-os não como proibitivamente estranhos e outros, mas como
compartilhando muitos problemas e possibilidades conosco. Diferenças de religião,
gênero, raça, classe e origem nacional tornam a tarefa de compreensão
mais difícil, uma vez que essas diferenças moldam não apenas as escolhas práticas que as pessoas
rosto, mas também seu "interior", seus desejos, pensamentos e formas de olhar
no mundo. Aqui, as artes desempenham um papel vital, cultivando poderes de
imaginação que são essenciais para a cidadania. 42
41. Shakespeare, um sonho de uma noite de verão, Ato 5, Cena 1, referenciado por Hart, "Creative
Imaginação ", p.5
42. Martha Nussbaum, Cultivando a Humanidade: Uma Defesa Clássica da Reforma no Liberal
Education (Cambridge, Mass .: Harvard University Press, 1997), 85.

Página 17
Clifton, identidade e forma da teologia pentecostal
19
Da mesma forma, a imaginação pneumatológica se preocupa com
fala em outras línguas, não para controlar e sequestrar vozes diversas, mas para que
podemos ver a presença do Espírito em contextos muito diferentes do nosso.
Conclusão
Refletir sobre a identidade pentecostal serve como um lembrete de que os teólogos
muitas vezes esquecemos que a teologia se destina a ser prática, bem como profunda, aberta
bem como verdadeiro, este mundano bem como transcendente, radical e bíblico,
mais generoso do que crítico, mais histórico do que proposicional, mais espiritual
do que religioso, mais aberto do que cuidadosamente definido, mais dialógico do que
dogmático, e desperto para a fluidez e diversidade da obra do Espírito no
mundo. E mesmo sabendo que a teologia pode dizer muito pouco sobre o
Deus transcendente, e essa teologia pentecostal continua a ser feita no
margens, uma imaginação pneumatológica contém a promessa do Pentecostes;
que coisas aparentemente insignificantes podem ser usadas pelo Espírito para transformar o
mundo.
Para além das formalidades do método, a afirmação de uma abordagem pneumatológica
a imaginação certamente visa inspirar teólogos - teólogos práticos
mais do que metafísicos abstratos - ter sonhos inspirados pelo Espírito e
visões. Que a imaginação é mais ativa na escuridão da noite, ou
quando os olhos estão fechados em meditação ou oração, fala com a presença de
o Deus que dá vida em dificuldades e terror (uma realidade muitas vezes esquecida por
modernos pentecostais), mas também inspirando a alegria de novos mundos imaginários. 43 It
é um convite para sonhar com um mundo, uma teologia, uma igreja, uma comunidade que
é atualmente impensável.
Nos últimos dias, Deus diz, derramarei meu Espírito sobre todas as pessoas.
Seus filhos e filhas profetizarão, seus jovens terão visões,
43. Devo essa ideia à correspondência com Lauren McGrow.

Página 18
20
Australian Pentecostal Studies 19 (2017)
seus velhos terão sonhos.
Mesmo com meus servos, tanto homens quanto mulheres,
Eu derramarei meu Espírito naqueles dias, e eles profetizarão (Atos
2: 17-18).
Referências
Anderson, Allan. Uma introdução ao pentecostalismo: carismático global
Cristianismo . Cambridge: Cambridge University Press, 2004.
———. “Variedades, taxonomias e definições.” Em estudo global
Pentecostalism: Theories and Methods , editado por Allan Anderson,
Michæl Bergunder, Andre F. Droogers e Cornelis van der Laan,
13–29. Berkeley: University of California Press, 2010.
Archer, Kenneth J. Uma Hermenêutica Pentecostal: Espírito, Escritura E
Comunidade . Edição desconhecida. Cleveland, Tenn .: CPT Press, 2009.
Archer, Kenneth J. e L. William Oliverio Jr, eds. Construtivo
Pneumatological Hermeneutics in Pentecostal Christianity . 1ª ed.
Edição de 2016. Nova York: Palgrave Macmillan, 2016.
Clifton, Shane. “Pentecostalismo Australiano: Origens, Desenvolvimentos e
Tendências. ” No Cristianismo Global Renewal: Asia and Oceania Spirit-
Empowered Movements: Past, Present, and Future , editado por Amos
Yong e Vinson Synan. Lake Mary, Flórida: Charisma House, 2016.
———. “Luto por meu corpo quebrado: uma explicação autoetnográfica da coluna vertebral
Lesão do cordão como uma experiência de luto. ” Deficiência e reabilitação
36, não. 21 (2014): 1823–29.
———. Maridos não devem quebrar: uma memória sobre a busca de
Felicidade após lesão da medula espinhal . Eugene, Or .: Resource
Publicações, 2015.
———. Igrejas Pentecostais em Transição: Analisando o Desenvolvimento
Eclesiologia das Assembléias de Deus na Austrália . Editado por A.
Davies e W. Kay. Leiden, Holanda: Brill, 2009.

Página 19
Clifton, identidade e forma da teologia pentecostal
21
———. Igrejas Pentecostais em Transição: Analisando o Desenvolvimento
Eclesiologia das Assembléias de Deus na Austrália . Leiden, o
Holanda: Brill, 2009.
Cox, Harvey. “Alguma reflexão pessoal sobre o pentecostalismo”. Pneuma 15, no.
1 (1993): 29–34.
Davidsson, Tommy H. Lewi Pethrus 'Ecclesiological Thought, 1911-1974: A
Eclesiologia Pentecostal Transdenominacional . Leiden; Boston:
Brill, 2015.
Dempster, Murray W. “The Search for Pentecostal Identity.” Pneuma 15, no. 1
(1 de janeiro de 1993): 1–8. doi: 10.1163 / 157007493X00013.
Doran, Robert M. “Functional Specialties for a World Theology.” Lonergan
Workshop 24 (2013): 99-111.
Dunn, James DG Batismo no Espírito Santo: Um Reexame do Novo
Ensino do Testamento sobre o Dom do Espírito em Relação a
Pentecostalismo hoje . Londres: SCM, 1970.
Faupel, David W. “Whither Pentecostalism? 22ª Sociedade de Endereços Presidenciais
for Pentecostal Studies, em 7 de novembro de 1992 ”. Pneuma 15, no. 1 (1993):
9–27.
Fee, Gordon D. Presença Capacitadora de Deus: O Espírito Santo nas Cartas de
Paul . Edição de reimpressão. Grand Rapids, Mich .: Baker Academic, 2009.
Frei, Hans W. Teologia e Narrativa: Ensaios Selecionados . Editado por William C.
Placher e George Hunsinger. Edição da primeira edição. Nova york:
Oxford University Press, 1993.
Gray, Jacqueline. Três é uma multidão: Pentecostalismo, Hermenêutica e o
Antigo Testamento . Eugene, Or .: Pickwick, 2011.
Hart, Trevor A. "Creative Imagination and Moral Identity." Estudos em
Ética Cristã 16, no. 1 (1 de abril de 2003): 1–13.
doi: 10.1177 / 095394680301600101.
Lonergan, Bernard JF Method in Theology . Londres: Darton, Longman &
Todd, 1972.
Martin, David. Pentecostalismo: O mundo, sua paróquia . Oxford: Blackwell,

Página 20
22
Australian Pentecostal Studies 19 (2017)
2002
Menzies, William W. e Stanley M. Horton. Doutrinas da Bíblia: um pentecostal
Perspectiva . EUA: Logion Press, 2012.
Menzies, William W. e Robert P. Menzies. Espírito e poder: fundamentos
da Experiência Pentecostal . Zondervan, 2011.
Nussbaum, Martha. Cultivando a Humanidade: Uma Defesa Clássica da Reforma em
Educação Liberal . Cambridge, Mass .: Harvard University Press,
1997.
Robeck, Cecil M Jr. “Taking Stock of Pentecostalism: The Personal
Reflexões de um editor aposentado ”. Pneuma 15, no. 1 (1993): 35–60.
Shane Clifton. “Pentecostal Approaches to Economics.” Em Oxford
Handbook of Christianity and Economics , editado por Paul Oslington.
Oxford; Nova York: Oxford University Press, 2014.
Smith, James KA Thinking in Tongues: Pentecostal Contributions to
Filosofia Cristã . Grand Rapids, Michigan: Eerdmans, 2010.
Stronstad, R. A Teologia Carismática de São Lucas . Massachusetts:
Hendrickson, 1984.
Stronstad, Roger. A missão profética de todos os crentes: um estudo em Lucas
Teologia Carismática . Sheffield: Sheffield Academic Press, 1999.
Thomas, John Christopher. “'Onde o Espírito Conduz' - o Desenvolvimento de
Hermenêutica pentecostal ”. Journal of Beliefs & Values 30, no. 3
(1 de dezembro de 2009): 289–302. doi: 10.1080 / 13617670903371589.
Vanhoozer, Kevin J. Faith Speaking Understanding: Performing the Drama of
Doutrina . Louisville, Kentucky: Westminster John Knox Press, 2014.
Vondey, Wolfgang. Além do Pentecostalismo: A Crise do Cristianismo Global
e a Renovação da Agenda Teológica . Manifestos Pentecostais.
Grand Rapids, Mich .: Eerdmans, 2010.
Wacker, Grant. Céu abaixo: primeiros pentecostais e cultura americana .
Londres: Harvard University Press, 2001.
Weber, máx. Economy and Society: An Outline of Interpretive Sociology .
Califórnia: University of California Press, 1978.

Página 21
Clifton, identidade e forma da teologia pentecostal
23
Williams, J. Rodman. Teologia da Renovação: Teologia Sistemática de um
Perspectiva Carismática . Três volumes em uma edição. Grande
Rapids, Mich: Zondervan, 1996.
Yong, Amos. Além do impasse: em direção a uma teologia pneumatológica de
Religiões . Grand Rapids, Michigan: Baker, 2003.
———. Discernindo o (s) Espírito (s): Uma Contribuição Pentecostal-Carismática para
Teologia Cristã das Religiões . 1 edição. Sheffield: Bloomsbury
T&T Clark, 2000.
———. O Espírito Dialógico: Razão Cristã e Método Teológico em
o terceiro milênio . Cascade Books, 2014.
———. “The Hermeneutical Trialectic: Notes Toward A Consensual
Método Hermenêutico e Teológico. ” The Heythrop Journal 45,
não. 1 (1 de janeiro de 2004): 22–39. doi: 10.1111 / j.1468-
2265.2004.00240.x.
———. O Espírito de Criação: Ciência Moderna e Ação Divina no
Imaginação pentecostal-carismática . Grand Rapids, Mich .:
Eerdmans, 2011.
———. O Espírito Derramado sobre Toda a Carne: Pentecostalismo e o
Possibilidade de Teologia Global . Grand Rapids, Michigan: Baker,
2005.
———. Teologia e Síndrome de Down: Reimaginando a deficiência tardiamente
Modernidade . Waco, Tex .: Baylor University Press, 2007.
Yong, Amos e Jonathan A. Anderson. Renovando a Teologia Cristã:
Sistemática para um Cristianismo Global . Baylor University Press, 2014.
Yong, Amos e Clifton Clarke, eds. Renovação Global, Pluralismo Religioso,
e a Grande Comissão . Lexington, Ky: Emeth Press, 2011