Sei sulla pagina 1di 20

Página 1

 
Canadian Journal of Pentecostal-Charismatic Christianity 1 (2010) 31-64.
 
Acadêmico e Pentecostal:
Uma apreciação de Roger Stronstad
Martin W. Mittelstadt
Evangel University
Introdução
Lembro-me bem do dia. Recentemente ordenado, eu era agora um
pastor no sul de Manitoba e fora para meu primeiro Pentecos
tal conferência. A “Conferência Pentecostal de 1993
Liderança ”(COPL) em Toronto me daria uma oportunidade
portunidade para conhecer o estimado Roger Stronstad. Eu tinha fin-
fiz minha residência de doutorado na Marquette University e
estava nos estágios iniciais da minha proposta de dissertação. Minhas
interesse na convergência do Espírito e sofrimento em
Lucas-Atos me levou a envolver uma série de importantes pentecostais
parceiros de diálogo, especialmente Roger Stronstad. Porque ele
estava no programa da conferência, solicitei meia hora
com ele. Conforme nossa entrevista se aproximava, minha ansiedade em
conhecer um acadêmico respeitado da Colúmbia Britânica criado
várias perguntas em minha mente: ele me levaria a sério
ously? Pode vir alguma coisa boa de Manitoba? Seria
ele respeita minhas idéias? E se ele os achasse dignos, poderia
ele os roubou? Bem em nosso diálogo de duas horas, comecei
para se desculpar por gastar seu valioso tempo. Sem hesita-
ção, ele respondeu: “Relaxe! Se eu quisesse sair de
essa conversa, eu teria me livrado de você há muito tempo
atrás." Eu registro este breve testemunho porque os pentecostais
descaradamente compartilhar de "nomeações divinas" em nada

Página 2
Canadian Journal of Pentecostal-Charismatic Christianity 
32
locais selecionados. Meu primeiro encontro com Roger não apenas em
fortaleceu meu projeto de dissertação, mas me proporcionou um novo
exemplo marcante do que significa ser acadêmico e
Pentecostal. Hoje, tenho o prazer de chamar Roger de meu
amigo e honrado em apresentar esta apreciação de sua vida
e bolsa de estudos.
Eu ofereço o seguinte curso: 1) Eu ofereço uma breve narração
ção da jornada de Stronstad em direção à propriedade pessoal de
uma rica herança pentecostal; 2) Eu forneço um resumo de
Magnum opus de Stronstad , o inovador The Char-
Teologia ismática de São Lucas ; 3) Eu me mudo para o Stronstad
desenvolvimento posterior da vocação cristã como o
A missão profética de todos os crentes ; 4) Eu abordo o estrutural
design de um comentário de um volume coeditado com
French Arrington; e 5) Eu ofereço uma revisão seletiva de Stron-
a participação do stad em um debate pentecostal contínuo
a respeito da interpretação bíblica. Concluo com comemoração
temas sobre a realização vocacional de Stronstad de Christian
discipulado não apenas como um estudioso, mas na arena mais ampla
da vida.
Assumindo a propriedade de uma herança pentecostal
Dada a curta história do pentecostalismo, não é surpreendente
descobrir na história pessoal de Stronstad um rico Pente-
herança costeira de conexões intrincadas. 1 Roger nasceu
em 15 de novembro de 1944 para Melvin e Edith Stronstad de
Turner Valley, Alberta, que na época eram pastores de
Coletei as informações pessoais para esta seção por meio de

Curriculum Vitae de Stronstad e correspondência por e-mail com Roger


Stronstad de 22 a 30 de janeiro de 2010. Todas as citações de Stronstad vêm
da correspondência de e-mail, a menos que seja indicado o contrário.

Página 3
Roger Stronstad: Acadêmico e Pentecostal
33
a congregação PAOC em Royalties, AB. Melvin Stron-
stad era um canadense de primeira geração nascido com apenas um ano
depois que a família Stronstad emigrou da Noruega em 1909
e começou a cultivar em várias comunidades a sudeste de
Edmonton. Criado em um "sal genuinamente devoto, piedoso de
a família luterana da terra ”, Melvin veio para o pentecostal
ismo através da influência de um aposentado norueguês Lu-
um missionário que foi batizado no Espírito em
no final do século XIX, enquanto na China. No outro
lado da família, a mãe de Roger, nascida Edith Bendiksen,
cresceu com raízes suecas luteranas. Seu imediato
família se estabeleceu em Alberta em 1897 (embora dois tios avós
imigrou para os Estados Unidos e estava entre um pequeno
grupo de suecos que compareceu ao encontro da Rua Azusa
ings). Quando menina, Edith começou a frequentar um pequeno Pen-
igreja tecostal em Vancouver antes de seus pais; dela
família eventualmente seguiria e viria para o pentecostal
experiência. Após o casamento, Melvin e Edith se mudaram
para uma vida de serviço pastoral com o PAOC.
Roger cresceu em um ambiente pentecostal clássico
e seguiu um caminho não incomum para muitos jovens e
intelectuais pentecostais inquiridores: "Na época, eu era um
adolescente, eu havia aprendido anedoticamente que havia
cristãos em outras igrejas que não tinham as mesmas crenças
ou experiências sobre o Espírito Santo que fizemos. ” 2 Ele é
gan ouvir sobre as hostilidades dirigidas aos pentecostais e posteriormente
Stronstad, "The Charismatic Theology of St. Luke: Revisited" em

Definindo questões no pentecostalismo: clássico e emergente em Steven


M. Studebaker, ed. Série de estudos teológicos McMaster (Eugene,
OR: Pickwick, 2008) 101.

Página 4
Canadian Journal of Pentecostal-Charismatic Christianity 
34
ao entrar no Western Pentecostal Bible College
(WPBC - agora Summit Pacific College) recebeu seu primeiro
exposição acadêmica à divisão acadêmica e experiencial
sões entre pentecostais e outros protestantes, em particular
particularmente em torno da pneumatologia. 3 Foi também durante seu
anos no WPBC em que Stronstad participou de uma série de palestras
reuniões oficiais de domingo à noite na Broadway Pentecostal
Igreja com evangelista convidado Zelma Argue. Durante estes
reuniões, Stronstad recebeu seu batismo pessoal no
Espírito e seguiu uma chamada para se preparar para min- credenciado
istry. Após a formatura do WPBC em 1971 e após um
curto prazo pastoral, Stronstad matriculado no Regent College
e dificilmente poderia ter percebido que sua formação subsequente
seria fundamental para o desenvolvimento de uma
geração de florescentes pensadores pentecostais.
Stronstad começou a trabalhar em um MCS em teologia na Regent
Faculdade com um propósito específico: “Eu queria escrever um
tese (ambição estranha?). Mas nenhuma tese! eu queria
escrever uma tese na qual eu poderia refutar o anti-
Clichês pentecostais que caracterizaram os protestos evangélicos
estantismo durante os anos sessenta e setenta… Na verdade, eu
comecei meus estudos na Regent com um resumo de quarenta páginas de
minha tese já deu certo. ” Stronstad tinha lido re-
obras sobre o Espírito Santo lançadas recentemente, incluindo A The-
ologia do Espírito Santo por Frederick Dale Bruner, Bap-
tismo no Espírito Santo por James DG Dunn, e em um
nível mais popular, O Batismo e Plenitude do Santo
Stronstad passou dois anos na University of British Columbia

antes de "ceder à direção do Senhor" e se transferir para a Western


Pentecostal Bible College.

Página 5
Roger Stronstad: Acadêmico e Pentecostal
35
Espírito do influente pregador britânico John Stott 4 Para
Stronstad, esses estudiosos inspiraram um acadêmico ao longo da vida
jornada na intersecção da pneumatologia, Lucas-Atos
(particularmente ao lado da literatura paulina), e hermeneu-
tiques. Com uma sólida experiência experiencial em Pen-
tecostalismo, bem como um encorajador e exploratório
ambiente acadêmico no Regent College, Stronstad com
completou sua tese de mestrado com o que ele chamou de "o mun-
dane title ”do Espírito Santo em Lucas-Atos . 5 dez anos
mais tarde, esta mesma tese recebeu um novo título e seu impacto
foi substancial.
Stronstad reflete afetuosamente sobre seu ex-aluno do Regent College
experiência: “Na providência do Senhor eu tinha o perfeito
conselheiro sis no Dr. W. Ward Gasque. Ele era o perfeito
conselheiro para mim no sentido de que ele nunca tentou
moldar minhas percepções bíblicas e teológicas que eu, como um
Pentecostal, trazido para o projeto. ” Para meados dos anos 1970,
isso prova mais do que incidental e Gasque concorda: “Ele
foi um dos meus primeiros alunos na Regent e bastante con
cientes do fato de que ele se formou em um inédito
tinha (na época) Escola Bíblica, mas muito ansiosa para aprender
4 Frederick Dale Bruner, A Teologia do Espírito Santo: The Pen-
Experiência tecostal e o testemunho do Novo Testamento (Grand Rapids:
Eerdmans, 1970); James DG Dunn, Batismo no Espírito Santo: A
Reexame do Ensino do Novo Testamento sobre o Dom do
Espírito em relação ao Pentecostalismo Hoje (Londres: SCM Press,
1970); John RW Stott, O Batismo e Plenitude do Espírito Santo
(Downers Grove, IL: Inter-Varsity Press, 1964).
5 Stronstad, “Charismatic Theology: Revisited,” 101.

Página 6
Canadá
36
mais (e certamente dotado de uma boa mente). ” 6 como tese
consultor, Gasque reflete não apenas na inicial de Stronstad
trabalho, mas no desenvolvimento de um jovem estudioso.
Eu estava convencido de que ele estava no caminho certo em ambos
sua abordagem e conclusões ... Fiquei emocionado que seu-
irmã foi publicada e, ao longo dos anos, tenho levado muito
prazer no fato de que continuou a vender e permanecer em
imprimir ao longo das décadas desde sua publicação; e de
curso, influenciou várias gerações de alunos de
Lucas-Atos ... É raro que qualquer livro de tendência erudita
tem as vendas [de] A Teologia Carismática de São Lucas
e interesse continuado ... Seu livro [mais tarde], The
A missão profética de todos os crentes me convenceu totalmente: o
o reconhecimento desta verdade bíblica negligenciada parecia como
revolucionário como a recuperação da doutrina do sacerdote
capuz dos leigos.
A tese ligeiramente revisada está agora em seu vigésimo quinto
ano e décima impressão e, de acordo com Stronstad,
“Parece confirmar que Ward e eu fomos um bom acadêmico
par. Estou eternamente em dívida com ele (e grato) a ele
por sua assessoria sempre sábia e solidária. ” 7
Por fim, devo chamar a atenção para a influência de Clark
Pinnock. Stronstad lembra: “Na época em que eu estava realmente
aliado no processo de escrita, o Dr. Clark Pinnock juntou-se
o corpo docente da Regent e também provou ser um sábio, estelar
suporte para mim. Ambos os mentores permaneceram vivos
6 Gasque e eu trocamos vários e-mails de 14 a 17 de janeiro,
2010. Todas as citações retiradas desta correspondência, salvo indicação em contrário
erwise.
7 Stronstad estima que 20.000 cópias foram vendidas.

Página 7
37
amigos de longa data. ” O influente Pinnock acabaria
escrever o prefácio da Teologia Carismática e oferecer uma
introdução profética à carreira de Stronstad e outros
teólogos pentecostais arrogantes. Com flare ousado, Pinnock
anuncia:
Cuidado, vocês, evangélicos - os jovens estudiosos pentecostais são
vindo! ... Não podemos considerar o pentecostalismo uma aberração
nascido de excessos experimentais, mas a 20 ª renascimento século de New
Teologia e religião do testamento. Não só restaurou a alegria e
poder para a igreja, mas uma leitura mais clara da Bíblia também. assim
com alegria de coração eu digo, 'Bem-vindo a este livro e paz para
as comunidades pentecostais. ' Devíamos deixar Stronstad nos ajudar
crescer juntos na unidade da fé no Filho de Deus.
A assinatura da Teologia Carismática de Stronstad era mesmo-
publicado recentemente por Hendrickson em 1984, também um monu-
descoberta mental para os pentecostais. 8 Eu me volto agora para o
texto.
Um clássico em construção:
A Teologia Carismática de São Lucas
A dissertação revisada de James Dunn, Batismo no Espírito,
mexeu com os pentecostais de uma forma que ele dificilmente poderia ter
imaginado; seu subtítulo, Um Reexame do Ensino do NT
sobre o Dom do Espírito em relação ao Pentecostalismo
Hoje , deixa claro seu desacordo com o clássico Pente-
costais. Publicado em 1970, este trabalho passou por nu-
meras impressões e lançou não só sua carreira, mas também
atraiu os pentecostais para o mundo da erudição crítica.
Dunn tipifica a comunidade evangélica mais ampla e é
8  Stronstad procurou um editor por quase dez anos.

Página 8
Canadian Journal of Pentecostal-Charismatic Christianity 
38
vem o principal parceiro de conversa para pentecostais
em um movimento adolescente procurando "se juntar ao grande
ligas. ” 9 estudiosos emergentes como Roger Stronstad, James
Shelton e Howard Ervin respondem (diretamente ou indi-
retamente) para Dunn e, consequentemente, trazer o teol pentecostal
ogia e a práxis no mercado acadêmico. 10 Dunn’s
conclusões sobre o batismo do Espírito dão origem a mais
interesse em torno da hermenêutica e as doenças prevalentes
posição dos evangélicos e fundamentalistas em relação à ces-
sacionismo.
Os primeiros pentecostais olharam de forma consistente para as narrativas de Lucas

para evidências e afirmação das experiências carismáticas de seus


participantes, a padronização da doutrina primária e navegação
do movimento através da dissidência. Gerações subsequentes de pregação
professores e professores dentro do pentecostalismo clássico, então trabalharam duro para
preservar os ensinamentos para aplicação contemporânea. Eles escreveram uma miríade
panfletos e devocionais para fiéis e livros didáticos para alunos
preparando-se para o ministério. Eles demonstraram pouco interesse na escola
as primeiras batalhas que marcam o século XX. A chegada de Dunn's
dissertação prova fundamental.
Como também estamos comemorando as contribuições de Ronald Kydd, eu
compartilhar uma vívida memória de meus dias como seu aluno em Central Pente-
Costal College em Saskatoon (agora Horizon College). Em um curso sobre
Atos, lembro-me de Kydd lamentando que "ninguém ainda tinha respondido
para Jimmy Dunn. ” Fiz este curso em 1984, no mesmo ano em Stronstad
publicou a Teologia Carismática. Logo após a formatura, procurei
o Batismo no Espírito de Dunn e, eventualmente, deparei com Stron-
trabalho do stad. Suponho que Kydd tomou conhecimento do trabalho de Stronstad
logo após sua publicação.
10 Sobre as respostas a Dunn, ver William Atkinson, “Pentecostal Re-

patrocina o Batismo no Espírito Santo de Dunn : Lucas-Atos ” JPT 6


(1995): 87-131 e "Pentecostal Responses to Dunn's Baptism in the
Espírito Santo : Literatura Paulina ” JPT 7 (1995): 49-72 e minha leitura
Lucas-Atos na Tradição Pentecostal (JPTSS. Dorset, Reino Unido: Deo
Publicação, a publicar, Primavera de 2010).

Página 9
Roger Stronstad: Acadêmico e Pentecostal
39
Em The Charismatic Theology of St. Luke , Stronstad
não desafia Dunn ponto a ponto, mas claramente mantém
As conclusões de Dunn em vista. Já que Dunn iguala o de Luke
visão do batismo do Espírito com regeneração, e dado Pen-
adesão tecostal à experiência pós-conversão do Espírito
batismo, Dunn se torna um alvo inevitável para Pentecos-
resposta tal. Stronstad observa o uso singular de Paul do
frases "batismo no Espírito" (1 Coríntios 12:13) e "cheio
com o Espírito ”(Ef 5:18) em comparação com doze referem-se
referências às mesmas duas frases de Lucas ("preenchido com o
Espírito Santo ”[9X] Lucas 1:15, 41, 67; Atos 2: 4; 4: 8, 31;
9:17; 13: 9; 13:52 e "batismo no Espírito Santo" [3X]:
Lucas 3:16; Atos 1: 5; 11:16) e acusa Dunn (e outro
ers) de uma transferência ilegítima de identidade que silencia a
pneumatologia. 11 Stronstad presta muita atenção ao Luke’s
o uso desses termos e, ao contrário de Dunn, não permite
A pneumatologia de Lucas para funcionar de maneira iniciática,
mas sim como carismático, vocacional e profético. 12
Stronstad utiliza o termo carismático como experiência (s) de
o Espírito Santo, que permitem que as pessoas falam pro-
11 Stronstad, Charismatic Theology , 9. Ver mais Stronstad’s
“Terminologia 'Cheios do Espírito' em Lucas-Atos” no Novo e no Antigo
Questões no Pentecostalismo. Artigo apresentado na reunião anual do
Society for Pentecostal Studies. Fresno, Califórnia, de 16 a 18 de novembro
1989. Reimpresso nas páginas 1-14 em O Espírito Santo nas Escrituras
e a Igreja: ensaios apresentados a Leslie Thomas Holdcroft em seu
65  th aniversário , Roger Stronstad e Laurence M. Van Kleek, eds.
(Clayburn, BC: Western Pentecostal Bible College, 1987).
12 Veja mais Stronstad “Unidade e Diversidade: Lucan, Johannine,

e as Perspectivas Paulinas sobre o Espírito Santo ”, Paráclito 23 (verão


1989): 15-28. Uma revisão posterior aparece em Espírito, Escritura e Teologia
ogy: A Pentecostal Perspective (Baguio City, Filipinas: Asia Theo-
Logical Seminary Press, 1995), 169-192.

Página 10
Canadian Journal of Pentecostal-Charismatic Christianity 
40
fisicamente e assim cumprir sua vocação como ministros de
a palavra.
De acordo com Stronstad, os propósitos multicamadas de Luke
siga a tradição da Septuaginta e ressoe com
as metodologias didáticas dos editores e cronistas
da história sagrada de Israel. 13 Ele enraíza a pneumatologia de Lukan
para o pano de fundo do AT da transferência do carismático
Espírito de líder a sucessor (es), como Moisés aos mais velhos
(Nm 11: 14-17, 25) e posteriormente a Josué (Nm
27: 16-20; Dt 34: 9), Elias para Eliseu (2 Rs 2: 9, 15), e
o relato preocupante de Saul (1 Sam 10:10) para Davi (1
Sam 16: 13-14). Conforme Lucas se move para sua própria era, o mesmo
Espírito para descansar sobre Jesus (Lucas 4: 18-21) e capacitar Je-
toda a missão de sus é transferida por Jesus aos discípulos
no Pentecostes. 14 Esta transferência do dom do carismático
Espírito no dia de Pentecostes se torna um paradigmático
experiência para o povo escatológico de Deus. Acordo-
em Stronstad, esses relatos também incluem vários
sinais , ou seja, um motivo lukan que autentica e garante
tees para os leitores que a mão de Deus repousa sobre a liderança escolhida
ers. Vários fenômenos, seja uma voz do céu ou
vento e fogo, línguas, louvor e / ou profecia, fornecem
13 Stronstad incorpora material de: “The Influence of the Old
Testamento sobre a Teologia Carismática de São Lucas, ” Pneuma 2
(Spring 1980): 32-50. Stronstad encontra continuidade entre a maioria
de verbos usados por Lucas e tradutores gregos das Escrituras Hebraicas
para descrever a atividade carismática do Espírito. Além disso, este ter-
minologia está em contraste com os distintos terrenos paulinos e joaninos
minologia. Stronstad conclui que o termo pneumatológico de Lucas
a tecnologia é desprovida de temas de iniciação ou incorporação (44-45).
14 Stronstad, Charismatic Theology , 45, 52.

Página 11
Roger Stronstad: Acadêmico e Pentecostal
41
testemunha visível e / ou audível da capacitação do Espírito (Lucas
3:22; Atos 2: 1-4; 8:18; Atos 10:45; Atos 15: 8; Atos 19: 6).
Stronstad enfatiza ainda que o Jesus Lukan
funciona não apenas como o homem consumado do Espírito
mas também instrui os discípulos sobre as promessas futuras
do Espírito Santo para o avanço da missão de Jesus
além da ascensão. Promessa e encorajamento de Jesus
sobre a confiança no Espírito Santo durante as dificuldades
vezes (Lucas 11:13; 12:12; 21: 14-15; Atos 1: 4-5; e 1: 8)
encontra realização contínua através do poderoso testemunho de
os apóstolos, Estevão e Paulo. 15 Stronstad enfatiza
que a capacitação do Espírito, disponível para todos os cristãos, inclui
a capacidade de realizar milagres, envolver-se em persuasão e
testemunha ousada (Atos 2:41; 4:31), profetizar por meio de invasão
discursos de adoração, testemunho e julgamento, receber orientações
visão através de visões e sonhos, bem como sabedoria e
fé (Atos 6: 3, 5; 11:24).
Finalmente, as conclusões radicais de Stronstad abrem o caminho
para futuros avanços metodológicos. No início do carismático
Teologia , Stronstad baseia-se no desenvolvimento hermenêutico
mentos que tomam forma na década de 1970. Stronstad argumenta por-
persuasivamente para uma nova abordagem crítica que liberta Luke
do papel principal de historiador que faz a leitura
Paul mais fácil; em vez disso, Lucas serve como um "teólogo em sua
direito próprio." 16 Por meio desta emergente declaração hermenêutica
15 Ver também Stronstad, Signs on the Earth Beneath: A Commentary
em Atos 2: 1-21 (Springfield: Life Publishers International, 2003), 23.
16 Stronstad, Charismatic Theology , 7-9. Stronstad se inclina fortemente

sobre I. Howard Marshall, Lucas: Historiador e Teólogo (Exeter: Pa-


ternoster Press, 1970) e Martin Hengel, Acts and the History of
Earliest Christianity (Londres: SCM Press, 1979).

Página 12
Canadian Journal of Pentecostal-Charismatic Christianity 
42
velopment, Stronstad fornece aos pentecostais uma
base confiável para sua teologia e experiência.
O que os pentecostais acreditavam e praticavam desde o início
final do século XX não podia mais ser ignorado
nos círculos acadêmicos; A análise histórica de Lucas inclui
dimensões didáticas e teológicas. Assim, Lucas escreve
não apenas para narrar os eventos relativos à origem do
Cristianismo, mas também para instruir Teófilo e todos os
outro leitor que posteriormente constituirá seu público.
Lucas complementa a dimensão histórica com um teo-
lógico, uma narrativa projetada para oferecer instruções sobre
assuntos como cristologia, soteriologia, missiologia e
mais importante para os pentecostais, pneumatologia. Considerando a
triunfo atual da crítica literária, o método de Stronstad
avanços lógicos podem não parecer tão monumentais. Stron-
esforços de stad na década de 1970, no entanto, colocaram-no bem
à frente da curva. A influência duradoura de Charis-
teologia matemática demonstra a natureza pioneira de sua
trabalhos.
A importância pastoral do trabalho de Stronstad torna-se im-
mediamente aparente. Através da ênfase no poder divino
capacidade, Stronstad argumenta que a compreensão de Luke sobre
A recepção do Espírito é destituída de conotação soteriológica
sugestões Dunn e Bruner. 17 Em vez disso, a igreja de-
escrito por Lucas torna-se uma comunidade carismática,
chamados e capacitados para a missão por meio do Espírito. 18
Stronstad, Charismatic Theology , 63-69.
17 

Mais uma vez, Stronstad enraíza o uso de Luke do motivo vocação em


18 

a tradição da Septuaginta ( Teologia Carismática , 23). Por exemplo,


artesãos e artesãos são cheios do Espírito para trabalhar no Taber-
nacle (Ex 28: 3; 31: 3; 35:31) e durante o período dos Juízes, o

Página 13
Roger Stronstad: Acadêmico e Pentecostal
43
Dada a teologia carismática de Lucas, Stronstad apela
Pentecostais para revisitar a doutrina e a experiência do
Spirit: “Pentecostais e carismáticos devem lembrar
que o dom do Espírito não é apenas uma bênção espiritual; isto
é uma responsabilidade. Seu significado se estende além da oração
sala e o culto de adoração a um mundo que precisa
ouvir uma voz profética em conjunto com a demonstração
do poder do Espírito. ” 19 eu acredito que este trabalho permanece
crítico. Embora muitos líderes pentecostais permaneçam com-
dedicados à instrução de distintivos pneumatológicos, eles
luta para encontrar recursos valiosos. Eu proponho que este
o trabalho fornece um recurso incomparável. No outro
lado, certos líderes pentecostais têm narrado propositalmente
remo e / ou ênfase reduzida no batismo do Espírito para em
pelo menos dois motivos: 1) muitos estão descontentes e / ou
ferido devido a ensino e experiência abusivos; 2) outro
ers acham a mensagem condescendente e citam pentecostais
orgulho e exclusivismo, particularmente um entusiasmo exagerado
phasis em línguas. Os leitores não encontrarão aqui um pesado
abordagem manual ou condescendente; Stronstad paga muito
pouca atenção às línguas ou evidências iniciais e, portanto,
força os leitores a lutarem com o quadro mais amplo, ou seja,
Teologia carismática de Lucas.
Vinte e cinco anos impressos para um movimento jovem
pode não ser monumental para um católico romano ou um Lu-
theran, mas certamente merece atenção no pentecostal
tradição. Eu uso este trabalho não só na graduação e
O Espírito capacita vários líderes com proezas militares (Otniel [3:10],
Gideão [6:34]; Jefté [11:29]; e Sansão [14: 6, 19; 15:14]).
19 Ibid, 83.

Página 14
Canadian Journal of Pentecostal-Charismatic Christianity 
44
cursos de seminário sobre Lucas-Atos, mas também na igreja local
contextos. Muitos leitores com uma longa história no pentecostal
ismo ecoa um refrão comum: “Por que nunca estivemos
exposto a este trabalho? ” 20 Na verdade, eu também posso testemunhar a sua
importância em minha jornada pessoal e acadêmica; isto
trabalho veio em um momento em que eu estava lutando com a minha
e identidade experiencial, seja para abraçar pentecostal
ismo ou seguir em frente. Quando muitos alunos apaixonados do
As Escrituras lutam para encontrar recursos de qualidade no Santo
Espírito, este trabalho continua acessível não só para os alunos
e estudiosos, mas uma ampla variedade de leitores pesquisadores; pas-
tores, professores e paroquianos igualmente encontram este trabalho enli-
vening e refrescante. Aqueles familiarizados com pentecostal
ensinando sobre a vida cheia do Espírito, encontre análises para novas
flexão e exploração, enquanto aqueles não familiares recebem um
gentil, mas desafiadora exortação à vida no Espírito.
Dada a proclamação pentecostal de que o carismático e
o trabalho vocacional do Espírito permanece normativo para todos
Cristãos, não posso recomendar um melhor texto bíblico e teo-
recurso lógico. É um clássico pentecostal? Se ainda não é
apenas uma questão de tempo. 21
Por esta razão, veja meu recente “Comenda para um Pentecostal
20 

Clássico: A Teologia Carismática de São Lucas, de Roger Stronstad ”, em


The Pentecostal Testimony (novembro de 2009): 13, 32.
21 Stronstad continua revisitando sua tese inicial. Em um artigo recente

de volta, batizado e cheio do Espírito Santo (Springfield, MO: Vida


Serviços de treinamento teológico da Publishers International e da África,
2004), Stronstad inclui não apenas um compêndio teológico de pré-
conclusões muito baseadas, mas também uma visão valiosa sobre sua
experiência do Espírito Santo.

Página 15
Roger Stronstad: Acadêmico e Pentecostal
45
Ampliando a Visão da Reforma
Em The Prophethood of All Crievers, Stronstad estende
o axioma da Reforma "sacerdócio de todos os crentes" para um
Pentecostal / carismático. 22
De acordo com Stronstad,
A história de Lucas sobre Jesus e a comunidade em Atos estabelecida
conclui o teológico, funcional e experiencial
“A missão profética de todos os crentes”. Publicado em 1999, Stron-
stad baseia-se em seu trabalho anterior, argumentando que a visão de Lucas
religião do povo escatológico de Deus posiciona o
nova comunidade como herdeiros do antigo povo de Deus,
que eram uma nação de padres, mas agora funcionam como uma
comunidade manent, embora apenas parcialmente restaurada, de
profetas individuais e coletivos.
Stronstad enraíza esta tese no "desejo sincero" de Moisés
que todo o povo de Deus seria profeta. Moisés encontra o
Os israelitas dificilmente lideram e distribuem sua liderança
entre setenta anciãos israelitas. Com esta transferência de chumbo-
liderança, Deus também fornece transferência crítica do Espírito.
Seguindo a profecia de dois anciãos, Moisés responde por
expressando seu desejo sincero de que Israel não seja apenas um
reino de sacerdotes, mas, mais idealmente, de profetas.
Stronstad, The Prophethood of All Crievers : A Study in Luke’s
22 

Teologia Carismática (JPTSS 16; Sheffield: Sheffield Academic


Press, 1999). Stronstad apresenta esta tese em artigos anteriores:
“Profetas e Pentecostes”, no Testemunho Pentecostal 57 (março
1976): 5; “A missão profética de todos os crentes: um estudo em Lucas
Teologia Carismática ”em Pentecostalismo em Contexto: Ensaios em
Honra de William W. Menzies , Wonsuk Ma e Robert Menzies, eds
JPTSS 11; (Sheffield: Sheffield University Press, 1997), 60-79; e
em seu discurso presidencial na anual Society for Pentecostal Stud-
reunião em Wheaton, Illinois, de 10 a 12 de novembro de 1994. O endereço
aparece como "Afirmando a diversidade: o povo de Deus como uma comunidade de
Profetas ”, e publicado em Pneuma 17, no. 2 (1995): 145-57.

Página 16
Canadá
46
Stronstad se volta para a narrativa do nascimento de Lukan e muda para
O movimento inicial de Lucas em direção ao cumprimento da visão de Moisés
por meio de numerosos oráculos proféticos que anunciam o
chegada de João Batista e Jesus, o profeta real.
Entre a recepção de Jesus do Espírito em seu batismo e
A liberação do Espírito de Jesus no dia de Pentecostes, todo
coisa que Jesus diz e faz funciona como trabalho e palavras
de um ungido pelo Espírito, cheio do Espírito e capacitado pelo Espírito
profeta. No Pentecostes, o Jesus Lucas transfere o Espírito
aos discípulos reunidos em Jerusalém. Palavras proféticas por
o Jesus ressuscitado (Lucas 24:48 e Atos 1: 4-5, 8) assinou
o desejo de Lucas de estabelecer uma nova comunidade de profetas
ets que proclamarão Jesus até os confins da terra. Dentro
cumprimento da profecia de Joel, uma pequena comunidade de
profetas crescem em uma nação nova e escatológica de
profetas.
Stronstad argumenta que o segundo volume de Lucas mapeia o
viagens de seis profetas carismáticos que tipificam e ilustram
tratar vários componentes do ministério do
a missão profética de todos os crentes. Peter estabelece o padrão para
ministério profético e está ao lado de Paulo como o de Lucas
grande herói da comunidade profética em ação. Peter não
apenas experimenta o Espírito de profecia, mas proclama o
disponibilidade universal do Espírito. Ele oferece um espirito inspirado
ness não só em Jerusalém, mas em Samaria e em toda
Judea, particularmente as comunidades ocidentais de Lydda e
Joppa. Como Pedro, Paulo é "cheio do Espírito Santo"
(Atos 9:17; 13: 9, 52) e identificado como um profeta (13: 1)
que realiza “sinais e maravilhas” semelhantes (14: 3). Ac-
de acordo com Stronstad, Lucas discute profetas carismáticos

Página 17
47
em pares. Pedro e Paulo, os dois apóstolos carismáticos,
ministro em conjunto com dois diáconos carismáticos, Stephen
e Philip. Sob a direção do Espírito, Stephen primeiro
serve o povo de Deus, trazendo unidade para um
comunidade e então fala com uma sabedoria que
funda os oponentes do evangelho. Com o mártir de Estêvão
dom, Luke coloca Stephen em boa companhia; Stephen morre
em continuidade com uma longa linha de profetas rejeitados e
mais recentemente, o profeta rejeitado Jesus. Como Stephen,
Filipe não só funciona como um diácono carismático, mas
dá testemunho inspirado em Samaria e na Etiópia. O terceiro
par consiste em Barnabé e Ágabo. Luke começa com
Barnabé, um líder entre os "profetas e mestres" em
a igreja de Antioquia. Ao lado de Paulo, Barnabé embarca
em um ministério evangelístico e de ensino de sucesso. Fi-
finalmente, Ágabo entra na história como um agente de justiça social.
Por meio do Espírito, Ágabo prevê uma grande fome e em
fazer isso lança um projeto de alívio à fome por meio de um discípulo
ples de Antioquia.
Em suma, Lucas narra uma história em que o povo de Deus
funcionar como uma comunidade escatológica sobre a qual Je-
sus agrada liberalmente o Espírito de profecia. Desejo de Moisés
(representante de vários profetas, incluindo Isaías,
Elias e Eliseu) encontra cumprimento em Jesus, o “profeta
poderoso em palavras e ações à vista de Deus e de todos os
pessoas ”e se estende de Jesus aos discípulos. Como em Char-
Teologia ismática , Stronstad oferece
inscrição; ele implora que os leitores adotem a visão de Lucas
para o dia atual. Por um lado, Stronstad lamenta
que a igreja muitas vezes abraçou a cessação do profético

Página 18
Canadian Journal of Pentecostal-Charismatic Christianity 
48
vida e ministério; ele anseia pela restauração do
a missão profética de todos os crentes. Por outro lado, Stronstad
comemora a chegada dos pentecostais e carismáticos
movimentos como resgate de uma herança profética. Mas ele
não se abstém de criticar outros pentecostais.
Mais uma vez, Stronstad lamenta a trivialização excessivamente zelosa
e comercialização de experiência egoísta, emoção
ção e bênção privada em contraste com o espírito profético
ness e serviço imaginado por Luke. 23
Comentário do Novo Testamento da Vida no Espírito:
Um desafio para a cronologia canônica
Embora o próprio Stronstad nunca embarque em um completo
comentários sobre Lucas, Atos ou Lucas-Atos, ele e
French Arrington (Igreja de Deus, Cleveland) joga um
papel crítico como editores de Life in the Spirit de um volume
Comentário do testamento . 24
Em um movimento sem precedentes,
23 Veja o ensaio de revisão crítica de Max Turner intitulado “Does Luke Be-
lieve Recepção do 'Espírito de Profecia' Faz todos os 'Profetas'?
Inviting Dialogue with Roger Stronstad, ” Journal of the European
Pentecostal Theological Association 20 (2000): 3-24. Embora ele
encontra concordância geral com a ênfase de Stronstad na dinâmica
natureza do Espírito em Lucas-Atos, Turner sugere que Stronstad
“A missão profética de todos os crentes” se estende além da visão de Lucas para
vida fética e ministério.
24 Comentário sobre a Vida no Espírito do Novo Testamento (Grand Rapids:

Zondervan, 1999) Para este volume Stronstad produz seu único ven-
fora de uma carreira prolífica nos Evangelhos e Atos. Ele contribui
utes o comentário sobre 1 e 2 Pedro e Judas. Em 1 Peter, Stronstad
também escreve a obra pouco conhecida, Modelos para a vida cristã: A
Comentário sobre a Primeira Epístola de Pedro (Vancouver, BC: CLM
Sociedade Educacional, 1983).
Stronstad e Arrington também atuam na equipe editorial da
Companheiro Bíblia de Estudo de Vida Completa . Editor Donald Stamps (Grand Rap-

Página 19
Roger Stronstad: Acadêmico e Pentecostal
49
Stronstad e Arrington reordenam a sequência canônica e
produzir um comentário começando com João, Mateus,
Marcos, Lucas, Atos e Romanos. 25 No prefácio, eles oferecem
o seguinte raciocínio: “(1) ligar Lucas e Atos a-
juntos, para que possam ser vistos como um contínuo unificado
conta ...; (2) para reter Atos adjacentes ao let-
ters; e (3) para manter os Evangelhos Sinópticos juntos. ” 26
Como Stronstad, Arrington é um especialista em Lukan e
contribui com um dos primeiros esforços em um contínuo
Comentário de Lucas-Atos. 27 Em sua introdução a Lucas, Ar-
rington, com a ajuda de Stronstad, oferece o seguinte
esboço de ing:
ids: Zondervan, 1993); Republicada como a Bíblia de Estudo de Vida no Espírito ,
2003
25 Arrington, “Luke,” 375-534 e “Atos”, 535-693.

26 Stronstad e Arrington ( Vida no Espírito Novo Testamento

Comentário ) mover o evangelho de João para a frente com o seguinte


comentário: “À medida que alcançamos esses objetivos, John mudou para
fique primeiro. Este local é apropriado, pois seu prólogo abre com
a preexistência de Cristo ”(vii).
27 Outras dicas iniciais de interesse em um comentário de Lucas-Atos vêm

de J. Ramsey Michaels, "Luke-Acts" no Dicionário de Pentecostes


e Movimentos Carismáticos (eds. Stanley Burgess, Gary McGee e
Patrick Alexander; Grand Rapids: Zondervan, 1988), 544-561. o
decisão dos editores de combinar o Terceiro Evangelho e Atos marca
no início, uma abordagem literária em dois volumes.
Mais ou menos na mesma época, veja as influentes análises literárias de
Robert C. Tannehill, The Narrative Unity of Luke-Acts: A Literary
Interpretação (2 vols. Filadélfia: Fortress Press, 1986 e 1990) e
Charles H. Talbert, Reading Luke: A Literary and Theological Com-
mentary on the Third Gospel (New York: Crossroad, 1982) e Read-
ing Atos: Um Comentário Literário e Teológico sobre os Atos do
Apostles (Nova York: Crossroad, 1997).

Página 20
Canadian Journal of Pentecostal-Charismatic Christianity 
50
Os Atos de Jesus (conteúdo)
Os Atos dos Apóstolos (con
barraca)
As Narrativas de Jesus (gênero) As Narrativas dos Apóstolos
(gênero)
1. Prefácio (1: 1-4
Prefácio (1: 1-11
2. As Origens do Espírito-
Cristo ungido
2. As Origens do Espírito-
Comunidade batizada (2: 42-6: 7
3. O Ministério do Espírito-
Profeta Ungido: Cristo em
Galiléia (4: 1-9: 50)
3. Os Atos do Espírito-batizado
Comunidade (2: 42-6: 7)
———
4. Os Atos dos Seis Espíritos-
Líderes Preenchidos (6: 8-12: 24)
4. Narrativa de viagem: The Jour-
ney de Jesus para Jerusalém (9: 51-
19:44)
5. Narrativa de Viagem: Os Atos de
Paul: um itinerante, cheio de espírito
Profeta (12: 25-22: 21)
5. Jesus: Profeta-Rei Rejeitado
(19: 45-21: 38)
———
6. O julgamento, a morte e o ressurgimento
direção de Jesus (22: 1-24: 53)
6. A prisão e os julgamentos de Paulo
(22: 22-26: 32)
———
7. Paulo é enviado a Roma (27: 1-
28:31) 28
Arrington também produz vários paralelos estruturais
com fortes conexões com o trabalho anterior de Stronstad: (1)
os prefácios com dedicação a Teófilo (Lucas 1: 1-4;
Atos 1: 1-5); (2) enchimentos comparáveis com o Espírito como
inauguração do ministério (Lucas 3: 21-22; Atos 2: 1-4); (3)
períodos de quarenta dias de preparação e ministério (Lucas 4: 2;
Atos 1: 3); (4) homilias inaugurais (Lucas 4: 16-30; Atos
2: 14-40); (5) várias palavras e atos que provocam conflito,
incredulidade e rejeição (Lucas 4: 31-8: 56; Atos 3: 1-12: 17);
(6) evangelização dos gentios (Lucas 10: 1-12; Atos 13: 1-
28  Arrington, “Luke,” 386-392.

Página 21
Roger Stronstad: Acadêmico e Pentecostal
51
19:20); (7) as longas viagens de Jesus e Paulo (Lucas
9: 51-22: 53; Atos 19: 21-21: 26). 29
Embora este projeto receba relativamente pouca atenção
de estudiosos pentecostais, merece atenção pelo menos
duas razões. Dado o interesse pentecostal na continuidade
entre o Jesus conduzido pelo Espírito e capacitado pelo Espírito
comunidade, a visão de Stronstad e Arrington deve pavimentar
o caminho para futuros acadêmicos e editores considerarem o
necessidade de comentários completos de Lucas-Atos. No
por outro lado, embora os pentecostais atualmente colham a divisão
dotes da crítica literária, eles também devem envolver a atração
de análise canônica. Em outras palavras, como Stron-
stad (e outros) abordam a função recontextualizada de
Lucas e Atos via separação canônica? Como pode/
deve a inserção do evangelho de João entre Lucas e
Atos impactam a interpretação pentecostal? O que poderia Pen-
tecostais coletados da ordem canônica do bíblico
texto? 30
Debate Hermenêutico
Ao estruturar este artigo, lutei com o posicionamento
desta seção. Por um lado, a maioria dos alunos e alunos
ars familiarizados com Stronstad, dirijam-se imediatamente ao público
cátions discutidos acima. Por outro lado, Stronstad's
o sucesso se deve em grande parte à sua participação constante
em debates hermenêuticos em torno do surgimento de
Ibid, 385.
29 

Ver David E. Smith, The Canonical Function of Acts: A Com-


30 

Análise parativa (Collegeville, MN .: Liturgical Press, 2002); A-


thony B. Robinson e Robert W. Wall, Chamados para ser Igreja: O
Livro de Atos para um Novo Dia (Grand Rapids: Eerdmans, 2006).

Página 22
Canadian Journal of Pentecostal-Charismatic Christianity 
52
crítica literária, especificamente, seu emprego por Pente-
costais. Desde Stronstad dedicou atenção significativa a
várias questões hermenêuticas, parece prudente desenhar
atenção a várias discussões importantes. 31
Primeiro, em uma avaliação inicial dos pentecostais e seus
meneutics, Stronstad oferece uma visão histórica da inter-
tendências pretativas por meio da seguinte trajetória: a
Abordagem "pragmática" de Charles Parham e Carl Brum-
atrás, a abordagem de “gênero” de Gordon Fee, o “pneu-
abordagem matemática de Howard Ervin, e a abordagem “holística”
proach de William Menzies. Stronstad reconhece valor em
a busca Pentecostal pela experiência do primeiro século e
empoderamento, ênfase de Fee no gênero distinto
de Lucas-Atos, a capacidade de Ervin de trazer experiência para o
processo interpretativo e combinação de Menzies de
níveis dutivo, dedutivo e de verificação. 32
Em ensaios subsequentes, conforme Stronstad começa a avaliar
componentes específicos dessas abordagens, Fee surge como
Alvo principal de Stronstad. Embora Fee certamente seja
o mais conhecido representante pentecostal para o Evan-
comunidade gélica, Stronstad acusa Fee de limitar o
“Valor normativo ou precedente da narrativa histórica”. 33
restrições de comprimento requerem representação selecionada. Por mais
31 As 

a história completa desse debate, veja meu Reading Luke-Acts .


32 Stronstad, "Trends in Pentecostal Hermeneutics", Paraclete 22,

não. 3 (1988): 12. Reimpresso em Spirit, Scripture and Theology , 11-30.


33 Stronstad, "The Hermeneutics of Lucan Historiography," Para-

clete 22, no. 4 (1988): 9. Reimpresso em Espírito, Escritura e Teologia ,


31-52. Fee desenvolve sua posição no capítulo 6 de Como ler o
Bíblia com todo o seu valor: Um Guia para Compreender a Bíblia , Gordon
D. Fee e Douglas Stuart, eds. (Grand Rapids: Zondervan 1982; 3ª
Edição, 2003) e “Batismo no Espírito Santo: The Issue of Separa-

Página 23
Roger Stronstad: Acadêmico e Pentecostal
53
Stronstad demonstra que, “para Lucas, narração histórica
tiva pode e tem um propósito didático ou instrucional
intencionalmente." 34 Lucas apresenta os principais temas teológicos
e então restabelece, ilustra e reforça aqueles
temas através de novos episódios históricos. 35 Como em Char-
Teologia ismática , Stronstad argumenta que Lucas modela seu
narrativa às narrativas históricas do Antigo Testamento;
ambos são "episódicos e funcionam, individualmente ou em
combinação, como exemplar, tipológica, programática
e elementos paradigmáticos na história. ” 36
Em ainda outro ensaio, Stronstad aborda a conversão
gência de "Experiência Pentecostal e Hermenêutica" e
admite algumas das preocupações inerentes dirigidas a
certos pentecostais para ostentação acrítica e emocional
bility and Subsequence, ” Pneuma 7 (1985): 87-100. Veja Stronstad’s
avaliação adicional: "Pentecostal Hermeneutics: A Review Essay of
Gordon D. Fee, Gospel and Spirit: Issues in New Testament Herme-
neutics (Peabody, MA: Hendrickson, 1991) ” Pneuma 15 (1993): 215-
222.
34 Stronstad, Spirit, Scripture and Theology , 41. Stronstad cita

FF Bruce: (“O Primeiro Historiador da Igreja” em Church, Word, e


Spirit , James E. Bradley e Richard A. Muller, eds. [Grand Rapids:
Eerdmans, 1987] 1-14) “A escrita da história na antiguidade tinha uma didática
qualidade e objetivo ”(13); David Aune ( O Novo Testamento em sua literatura
ary Environment [Philadelphia: Westminster Press, 1987]), “Luke-
Atos forneceram definição histórica e identidade, bem como teológica
legitimação para a concepção do autor do cristianismo normativo ”
(137).
35 Stronstad, "Hermeneutics of Lucan Historiography," 16. Ver

também "O Precedente Bíblico para Precedente Histórico" em Beber


de nossos próprios poços. Artigo apresentado na reunião anual da SPS.
Seminário Teológico Assembléias de Deus: Springfield, Mo., Novem-
12-14 de dezembro de 1992.
36 Stronstad, Spirit, Scripture and Theology, 42.

Página 24
Canadian Journal of Pentecostal-Charismatic Christianity 
54
de experiência. Por exemplo, ele responde a Donald Car-
a depreciação do pentecostalismo por filho como um triunfalismo puro.
Embora Carson acuse os pentecostais de exegese seus
própria experiência, Stronstad sugere que Carson e cer-
muitos críticos evangélicos (particularmente cessacionistas) simi-
larly exegete sua não experiência. 37 Stronstad se esforça para
equilibrar o papel do "pressuposto experiencial carismático
ções ”e“ verificação experiencial ”na hermenêutica
processo. Ele implora que os companheiros pentecostais utilizem o
papel complementar da exegese histórico-gramatical
e experiência contemporânea. 38
O que pode ser mais perceptível em todo este herme-
o debate neutro pode ser o público-alvo. Enquanto que
Teologia Carismática e Profeta abordam principalmente
Pressuposições interpretativas evangélicas e conclusões
representadas por Dunn, os ensaios acima enfocam
sobre audiências pentecostais e demonstrar que herme-
questões neutras permanecem críticas para a teologia pentecostal
e práxis. Sem dúvida, a atenção criativa ao bíblico
a hermenêutica continua sendo essencial para o desenvolvimento de
Teologia pentecostal e continuará a lucrar com a
37 Stronstad, "Pentecostal Experience and Hermeneutics," Para-
clete 26 (Winter 1992): 14-30. Este artigo parece revisado e
ampliado em Espírito, Escritura e Teologia. 53-78. Veja a crítica de
Pentecostais por Donald A. Carson em Mostrando o Espírito: Uma Teologia
Cal Exposition of 1 Corinthians 12-14 (Grand Rapids: Baker, 1987),
12
38 Stronstad, “Pentecostalism, Experiential Presuppositions and
Hermenêutica, ” Continuity and Change in the Pentecostal and Char-
Movimentos ismáticos . Artigo apresentado na reunião anual do So-
ciety for Pentecostal Studies. Dallas, Tex., Novembro de 1990.

Página 25
Roger Stronstad: Acadêmico e Pentecostal
55
debate não só entre pentecostais e evangélicos
mas também discussões internas em andamento.
Celebrando a Vida e a Bolsa
de Roger Stronstad
Roger Stronstad certamente é um estudioso por excelência
não apenas entre os pentecostais canadenses, mas também entre os pentecostais
acadêmicos em todo o mercado acadêmico. Como observado
acima, Stronstad abre a porta para os pentecostais entrarem
para o mundo acadêmico mais amplo. Enquanto os pentecostais frequentemente
falam abertamente sobre sua experiência, eles costumam aceitar
acusado de exegese injustificável. Stronstad surge como um
muito necessário construtor de ponte trazendo credibilidade para Pente-
teologia e práxis costais. 39
Por exemplo, agrimensores da geração anterior de
Estudiosos de Lukan dão pouco reconhecimento ao emergente Pente-
estudiosos costais, exceto Stronstad, o primeiro pentecostal
acadêmico a aparecer em tais coleções. Gasque (1989) e
então Mark Alan Powell (1989 e 1991) incluem Stron-
a teologia carismática de stad como a única pentecostal con
tributação. Embora François Bovon, autoridade atual em
a história da interpretação de Lucas-Atos, sinaliza que Pente-
estudiosos costais parecem prontos para ir das margens para
bolsa Lukan convencional, ele é rápido em reconhecer
Gasque, Uma História da Interpretação dos Atos dos Apóstolos
39 

tles (Peabody: Hendrickson, 1975; revisado em 1989) e Mark Allan


Powell, o que eles estão dizendo sobre Luke? (Nova York: Paulista
Press, 1989) e o que eles estão dizendo sobre os atos? (Nova York: Pau-
list Press, 1991).

Página 26
Canadá
56
limite sua surpresa. 40 Em sua pesquisa mais recente de Lukan
bolsa (2006), Bovon inclui um capítulo intitulado
“Lucas o Teólogo de 1980-2005”, onde reflete
sobre as tendências atuais e retira conclusões que datam
de volta a 1976:
Como uma primeira conclusão para estas páginas sobre o Espírito, observo que o
número de livros publicados marca a chegada dos escolares pentecostais
ars no campo da bolsa de estudos do Novo Testamento. Como uma segunda con
conclusão, lamento não ter investigado se esta
onda de publicação representa o verdadeiro progresso acadêmico. Na minha sur-
vey publicado em 1976, eu sugeri que o estudo de Lukan pneu-
matologia havia chegado ao fim. Eu estava errado? 41
Enquanto topógrafos anteriores como Gasque e Powell deram
referência mínima ao surgimento de escolares pentecostais
ars, Bovon oferece um reconhecimento lento, mas seguro de um gradual
despertar para a erudição pentecostal, particularmente com
respeito às contribuições sobre o papel do Espírito Santo em
Lucas-Atos. Na época de sua edição de 2006, Bovon reconheceu
nizes as contribuições não só de Stronstad, mas também
James Shelton e John Michael Penney (ao lado de dia-
parceiros de logue James Dunn e Max Turner) sob o
40 Em três edições sucessivas publicadas em 1975, 1983 e 2005,
Bovon demonstra amplitude incomparável na proliferação de
bolsa de estudos em Lucas-Atos: Luc le théologien: Vingt-cing ans de re-
Cherches (1950-1975) (Paris: Delachaux et Niestle, 1978); Luke o
Teólogo: trinta e três anos de pesquisa (1950-1983) , trad. K.
McKinney; PTMS 20; Allison Park: Pickwick Publications, 1987);
Lucas, o Teólogo Cinquenta e cinco anos de pesquisa (1950-2005) (3 rd
ed .; Waco: Baylor University Press, 2006).
41 Bovon ( Lucas, o Teólogo Cinquenta e Cinco Anos , 540) reflete

sobre suas conclusões anteriores de "Orientations atuelles des études


lucaniennes ”, RTP 26 (1976): 173.

Página 27
57
categoria de Lucas e do Espírito Santo, Matthias Wenk un-
der Luke e a justiça social. Em termos de uma academia maior
emy, não é exagero sugerir que a inicial e
sucesso futuro imediato da bolsa pentecostal
dentro de Lukan os estudos estão diretamente na base de Stronstad
carreira nacional.
Nos parágrafos finais, gostaria de prestar homenagem a
outros domínios da carreira estelar de Stronstad, especificamente
esferas de influência muitas vezes esquecidas pelo acadêmico
comunidade. Primeiro, Stronstad exemplifica o modelo pas-
tor / professor. Ele começou sua carreira de professor no WPBC em
1974 e se aposentará no final deste ano acadêmico; poucos
estudiosos podem igualar sua longevidade, especialmente em um local
ção. Ao longo do caminho, ele ocupou o cargo de Acadêmico
Dean (1985-2005). Embora Stronstad nunca tenha completado um
doutorado oficial (recebeu um doutor honorário
of Divinity do Christian Bible College [Rocky Mount,
NC] em 2004), isso de forma alguma reflete uma sonolenta aca-
jornada democrática, mas exatamente o oposto; em um acadêmico
mundo que normalmente celebra o avanço cruel,
Stronstad manteve um compromisso firme com um forte
carga de ensino e responsabilidades administrativas consideráveis
em uma pequena instituição orientada para o ensino. Gasque reflete
sobre a carreira de seu aluno.
Roger tem sido, desde o início de nosso relacionamento, um modelo de
o erudito cristão; ele estava ciente de seus dons, mas humilhado
pelo pensamento de que quaisquer presentes que ele tinha eram apenas isso, presentes de
Deus. E ele tem sido um bom administrador desses presentes por meio de seu
escrita, sua orientação de jovens estudiosos e pastores através
anos de serviço fiel ao Summit Pacific College.

Página 28
Canadian Journal of Pentecostal-Charismatic Christianity 
58
O compromisso de Stronstad com a educação ministerial de
jovens pensadores pentecostais e a Assembleia Pentecostal
blies do Canadá excede as possibilidades de quantificação.
Além de suas responsabilidades como professor e
administrador, Stronstad cumpriu inúmeras palestras
compromissos em diversos contextos, como Assembléias de
God Theological Seminary (1987), Regent College
(1989), Seminário Teológico Asiático (1993),
Holmes College of the Bible (1993), Southwestern As-
semblies of God University (2004) e Church of God
Seminário Teológico (2004). Ele apresentou trabalhos
regularmente na Society for Pentecostal Studies e serviu
como presidente da sociedade em 1994. 42 Stronstad também
foi chamado para representar os pentecostais em vários
rum, incluindo o Congresso de 1993 sobre Líder Pentecostal
navio ("The Prophethood of All Believers"), o 2001 Pen-
Conferência Mundial tecostal em Los Angeles (“Baptism in
o Espírito Santo: Subseqüência e Evidência ”) e recente
conferências inaugurais, especificamente, o Canadian Pente-
Costal Symposium organizado pela Trinity Western University
em 2006 (“Línguas de Fogo: João Batista, Judaísmo e
os Sinais do Pentecostes ”) e a Divindade McMaster
School Pentecostal Forum in 2007 (“Charismatic Theol-
ogy of Luke-Acts: Revisited ”). Claramente, Stronstad bal-
influencia bem a combinação de estudioso, professor e aluno
tor.
Os seguintes canadenses também serviram como presidente da Sociedade
42 

for Pentecostal Studies: Don Argue (1976), Ron Kydd (1988),


Murray Dempster (1991) e Blaine Charette (2006).

Página 29
Roger Stronstad: Acadêmico e Pentecostal
59
Concluo com uma história comovente da vida de Stronstad
compromisso com sua esposa Laurel. Como estudiosos emergentes
aventurar-se em carreiras acadêmicas produtivas, a atração do aca-
notoriedade dêmica muitas vezes leva à diminuição de outras con
cerns. Com o potencial para tal tentação diante dele,
Stronstad não vacilaria em sua atuação mais importante
compromisso sonal. Durante seu tempo como estudante na Regent
Faculdade, ele e Laurel começaram a abordar o primeiro
deslizar para baixo em depressão, uma condição que ela tem
lutou com sua vida inteira. Embora doenças médicas recentes
coberturas trouxeram temporadas de alívio, as dificuldades de Laurel
a jornada continua e inclui uma grande recaída recente
nos últimos quatro anos. Stronstad reflete sobre Laurel
condição: “[Ela] só agora está começando a encontrar um pequeno
aparência de uma vida normal. Devo acrescentar que é preciso muito
fé e coragem para enfrentar e encarar a depressão. Lau-
rel tem esse tipo de fé e coragem. Então, este foi um
desafio para mim também. ” 43 A respeito de IM profissional
complicações, Stronstad teve que recusar várias oportunidades
tunidades e, ocasionalmente, cancelar a participação em eventos (
incluindo uma reunião SPS ocasional) para cuidar de Laurel.
Ele reflete mais: "Mas, é claro, fiz isso com
sem arrependimentos, porque ela é minha primeira prioridade. ” Mais uma vez, eu
compartilhe as palavras do mentor de Stronstad, Ward Gasque:
Roger tem sido um modelo de marido fiel para sua querida esposa
cuja saúde os impediu de longas viagens para qualquer
pesquisa ou prazer. Juntos, eles serviram ao Senhor e sua
pessoas de uma forma exemplar. Portanto, qualquer impacto que eu possa
43 Nesta seção final, as reflexões de Stronstad e Gasque vêm

da correspondência de e-mail citada anteriormente.

Página 30
Canadian Journal of Pentecostal-Charismatic Christianity 
60
teve Roger como um de seus primeiros professores, ele teve um
impacto igual sobre mim como um exemplo de um mordomo fiel de "o
mistério de piedade.
Mais uma vez, em um mundo acadêmico, muitas vezes inclinado para cima
mobilidade, Stronstad modela a ternura de Cristo.
O futuro brilhante da bolsa pentecostal
vance mais rápido e com análises mais certas por causa do
carreira profética de Roger Stronstad. Ele deu muitos
de nós coragem de acreditar que a bolsa é necessária
forma de testemunha. Pentecostais canadenses celebram aqui, em
o contexto de toda a comunidade acadêmica, nosso
irmão, um estudioso e discípulo modelo, que está no
despertar da literatura reveladora de Lucas e antes de um com
muitos comentadores pentecostais