Sei sulla pagina 1di 1

CURSO DE EDUCAÇÃO E DE FORMAÇÃO DE ADULTOS – SOCIEDADE, TECNOLOGIA E CIÊNCIA

Formando:

Objectivos Legenda: MI (Muito Avaliação da


Identificada), ID
Competências Critérios (Sociedade, Tecnologia e Ciência) formação
(Identificada); PI (Pouco
De Evidência Tipo I – Identificação ministrada entre / /
Escola Tipo II – Compreensão
Identificada);
Identificada).
NI (Não

Secundária Preencher com X


2008 e / /2008
Tipo III – Intervenção
de Emídio Unidade de MI ID PI NI
Navarro Competência 7
 Actuar de modo eficaz
Sociedade Observação directa dos
Matriz / Grelha de em processos de integração formandos. Realização de
análise e avaliação de  Identificar, Glossários, fichas de trabalho,
social dos elementos de uma Tipo I – Identificar a diversidade de características individuais dos trabalhos de projecto e
competências compreender e agir elementos que compõem uma sociedade a partir de variáveis com sexo, a anteprojectos.
dada sociedade, idade, a etnia ou a escolaridade.
criticamente em Serão valorizados aspectos
Nível Secundário compreendendo o conceito de como: a utilização adequada
questões
Núcleo Gerador: acção social (no sentido Tipo II - Aplicar a contextos de diversidade sociocultural ( por exemplo, da informação recolhida; a
relacionadas com a constituídos por pessoas de diferentes etnias), princípios de igualdade, clareza e correcção na
Saberes weberiano) como atribuição de intolerância entre os indivíduos com diferentes características sociais, expressão escrita e oral e a
visão científica do
Fundamentais sentido as prática e compreendendo o conceito de acção social. capacidade de síntese e
indivíduo, da Tipo III - Explorar modos de integração no colectivo de indivíduos em analise reflexiva aos temas
Data: características individuais. situações de exclusão social ou alvo de discriminação por serem portadores abordados.
sociedade e do
de características especificas ( exemplo: idosos, indivíduos portadores de
universo. deficiência, ex- reclusos, toxicodependentes, etc.)
 Actuar ao nível da intervenção Duração:
Os Formadores: Tecnologia
da tecnologia na compreensão Tipo I – Identificar contextos de análise de DNA (por exemplo, em
criminologia, análises de paternidade ou em doenças hereditárias).
Domínio de ou utilização das estruturas
Tipo II – Compreender a análise de DNA em termos de sequência de Creditação
Referência: elementares (por exemplo, o constituintes básicos, como processo de identificação única de seres
Contexto privado O formando deverá
papel do protão na imagiologia humanos, realizada a partir de diferentes suportes (cabelo, sangue, saliva,
DR1 etc.). atingir pelo menos dois
por NMR, utilizações Tipo III – Explorar as potencialidades do conhecimento da sequenciação objectivos para obter o
O ELEMENTO correntes de analises de DNA, genética na determinação de paternidade, doenças hereditárias, etc. reconhecimento da
etc). Ciência competência, no âmbito
O Mediador:  Mobilizar o saber Tipo I – Identificar o DNA como a chave do património genético dos seres de cada critério de
vivos em geral, relacionando a variedade biológica com aspectos da teoria evidência.
formal para o  Actuar no sentido de combinatória.
reconhecimento do Tipo II – Relacionar os constituintes e a estrutura da molécula de DNA com Avaliação final:
compreender a base científica a transferência da informação genética e manutenção das características
elemento como uma de diferentes estruturas hereditárias (por exemplo, papel das 4 bases azotadas como “ letras” do O formando evidencia
unidade estrutural e código a ser transcrito e traduzido); compreender que com 4 bases se obtém as competências
elementares (por exemplo, o um sistema de codificação e representação muito rico. necessárias para serem
organizativa núcleo atómico, o átomo, a validadas e
molécula, o DNA, a célula, a reconhecidas.
Tipo III – Explorar o papel das mutações genéticas na geração de diferenças
unidade como principio e na evolução e adaptação do homem e utilizar a Teoria das Probabilidades
formador dos números, os para estabelecer a probabilidade de um descendente possuir uma
determinada característica.
processos geradores de
sequências, etc).