Sei sulla pagina 1di 9

DEMOCRACIA E O FIM

POR

PANTÃO DE DM.

" Democracia ", diz Lord Haldane , " governa o dia, e aqueles que
são sábios aceitam os fatos e se alegram neles. Afinal, as
democracias nem sempre são sábias: a voz do povo nem
sempre é a voz de Deus. Mas com o que você substituiria a
voz do povo? Eu, da minha parte, não sei . " É um fato espantoso
que essa perplexidade perturbadora do estadista moderno,
inconsciente ou incrédulo da Pedra cortada sem Mãos, tenha sido
predita há 2.500 anos, numa visão vista ao longo do tempo. Para
quando Israel a realeza pereceu em Babilônia e o judeu havia
perdido o reino, Jeová levou diante de um imperador gentio, o
primeiro a quem ele havia cometido a suprema potência mundial,
a visão de um colossal Homem. " Seu brilho " - a glória do mundo
- " era excelente, e o aspecto disso " - a força crua da
humanidade - " era terrível " ( Dan. 2: 31 ): uma visão
primorosamente graduada, revelando os assentos sucessivos
da política força, e sua deterioração de qualidade, em uma
imagem de glória terrível e poder aterrorizante. Pois os
próprios materiais do Colosso são o registro de sua
decadência . A cabeça - absolutismo; o imperialismo
amadurecido; as coxas - monarquia militar; as pernas - o
domínio imperial, em última análise (nos pés) misturado
com a democracia : ouro, prata, latão, ferro e barro - o império
se deteriorando em metal, isto é, em concentração e
intensidade e diminuindo em gravidade específica * , isto é, em
estabilidade e dinâmica . A visão revelou que haveria quatro
grandes impérios do homem; ** que haveria apenas quatro; que
a última fase seria democrática; e que o quinto império
seria divino . O cumprimento preciso e surpreendente de todos,
exceto o Apocalipse, nos traz hoje ao limiar do Fim.
[ * Ouro, 19,3; prata, 10,51; latão, 8,5; ferro, 7,6; argila, 1.9. É a
qualidade e a força intensiva do poder, e não a sua imensidão de regras,
que é indicada: no mínimo, os últimos domínios (como na própria
imagem) eram mais volumosos que os anteriores; e todos tinham o título,
embora nenhum a realidade, de regra universal.

* * Babilônia, Nedo - Pérsia, Grécia e Roma foram aceitas como os quatro


impérios pela maioria dos "pais", por todos os expositores da Idade Média
depois de Strabo , e pela maioria dos evangélicos modernos.
comentaristas.]

" Tu, ó rei Nabucodonosor, és a cabeça de ouro ." O poder


absoluto nas mãos da bondade incorruptível e influenciado
pela sabedoria adequada é a perfeição do governo : Deus
deu ao Império Babilônico em sua forma mais pura e perfeita. * "
Todos os povos, nações e línguas tremiam e temiam diante dele
quem ele mataria, e quem ele manteria vivo "( Dan. 5: 19 ). Em
termos de título, Deus deu a Nabucodonosor o mundo: nenhum
poder na terra poderia frustrar o progresso de seus braços. Mas o
experimento foi rapidamente desastroso. A auto-deificação, ou
césar-culto, o apogeu do pecado humano, fez sua aparição
imediata ( Dan. 3: 1 ): a primeira disciplina Divina sobre um
imperador, transformando uma autocracia em loucura, falhou em
advertir seu sucessor: a noite foi morto o rei caldeu de Belsazar ,
e Dario, o medo, recebeu o reino "( Dan. 5: 30 ).
[ * Uma cabeça pertence à imagem em todo: Babilônia é a fonte de todo o
poder mundial e o Homem colossal só aparecerá inteiro no final.]

Um império composto seguiu, o persa, de autocracia inferior. "


Depois de ti se levantará outro reino inferior a ti ." Dois braços -
o medo e o persa - mas um seio: de prata, não de ouro; pois a
monarquia, não mais absoluta, foi refreada por poderosos
nobres. A quem ele quis, Nabucodonosor manteve vivo; mas
Dario, embora seu coração estava pronto para libertar Daniel, "
trabalhou até o pôr do sol para resgatá-lo " ( Dan. 6: 14 ) em
vão. o Império persa reuniu os maiores exércitos que o mundo já
viu: no entanto, nenhuma concentração de poder deu a seus
vinte satrapias um absolutismo puro, uma cabeça de ouro. Era
agora governado pelas " leis dos medos e persas " , e não pela
autocracia de um. Cada oportunidade de domínio sem pecado
diminuía à medida que Deus se tornava menos capaz de confiar
as monarquias do mundo ao poder supremo.
O Império Grego, " o terceiro reino de bronze ", seguido ", que
deve governar toda a terra ", * O bronze, pela dureza,
distingue-se muito da prata e do ouro: assim , só pela
conquista, Alexandre tornou um império tão universal que ele
chorou por outros mundos para conquistar; e o jugo sobre as
nações tornou-se mais militar e cruel com o lapso de cada
império. O império macedônio era a exaltação do intelecto: o
grego era inigualável em arte e letras; Há vestígios do
pensamento humano em que ele nunca deixou de ser supremo.
Mas novamente o poder era decadente e dissolvente: feito pela
força das armas, decompôs-se rapidamente na morte de
Alexandre e se dividiu em quatro reinos governados por seus
quatro generais. O poder soberano decaiu pari passu com a
decadência da justiça nacional.
[ * " Os lombos de Grécia realizada em conjunto a barriga de Ásia , no
entanto, não poderia lhe conferir sua própria atividade. Como a parte
mais ativa do corpo, o centro de sua força, movimento, poder de girar,
está mais próximo do que é transportado, então, no reino do Alexander
eram as pessoas então mais surpreendentes e auto-adaptáveis com o
mero leste passivo . " Hofman , citado pelo Dr. Pusey , Lecrures on Daniel
, p. 65.]

O último Império, o Romano, surgiu como ferro: " como o ferro


quebra em pedaços " - batendo ou esmagando - " e subjugando
" - martelando como o estanho, tão imperial Roma Engolindo todo
o império anterior, balançou um cetro universal. Os códigos
romanos têm sido a base da lei do mundo: sua administração de
ferro - dura, destrutiva, invencível - correu seus caminhos até os
confins da terra. A figura se divide em duas pernas e se subdivide
em dez dedos. * De 800 dC até a queda de Constantinopla em
1453 dC - por seis séculos e meio - dois impérios, em Roma e
Constantinopla, reinaram imediatamente; ainda simbolizado na
águia de duas cabeças, olhando para o leste e oeste, dos braços
da Rússia e da Áustria. Assim, as pernas de ferro continuaram,
em última análise, num paralelo do domínio imperial, por catorze
séculos. **
[ * O primeiro império é um; o segundo é duplo; o terceiro se divide em
quatro; o quarto se torna dez: a divisão perpétua do poder é sua
própria inevitável decadência .]

** Cada império, por seu próprio período, manteve o mundo no título,


mas não de fato . Muitas décadas se interpuseram entre a queda da
Pérsia e a ascensão da Grécia, e assim entre o Império Grego e o Romano,
e seis séculos se passaram sem um imperador mundial: mas em cada
período não é permitido o surgimento de um domínio universal ; um
fato teimoso revelou a Aníbal, Maomé e Napoleão . Assim, a duração
dos impérios mundiais corresponde aproximadamente às proporções da
imagem. Cabeça e pescoço, 12inches - Babylon - BC 913 a 539, 374 anos;
Mama, incluindo braços, 6 polegadas - Medo -Persia - 539 a 331, 208
anos; Estômago, 9 polegadas - Grécia - 331 a 27, 304 anos; Pernas, do
quadril ao tornozelo, 41 polegadas - Roma para a Revolução Francesa - 27
a 1789 AD, 1816 anos; Pés, 4 polegadas - Democracia - 1789 a [ tempo
presente ], 313 anos ( + 60 anos aproximadamente desde que este
trecho foi escrito ) . Se sim, quão perto do fim ! ? ]

Agora está revelado nos pés a ascensão da DEMOCRACIA . O


barro se mistura com o ferro: " enquanto viste o ferro misturado
com barro de lodo " - barro quebradiço, facilmente estremecido -
" eles " - os monarcas e estadistas - " se misturam " - como em "
rei [ / rainha ] " senhores "e" comuns ", um governo -" com a
semente dos homens ", o Povo. Dezessete séculos atrás, um
comentarista preliminar previu a ascensão da democracia nas
palavras de Daniel: " Esses eventos ", diz Hipólito , " estão no
futuro, quando os Dez Dedos da Imagem se tornarão tantas
democracias ". A primeira Dieta do Japão e a primeira Duma
russa, dois dos inúmeros trabalhos da democracia, revelam
graficamente a mistura estratégica do ferro e da argila. Em 12 de
fevereiro de 1890, na Dieta de Tokio . " Os pares e os comuns ",
diz Sir Edwin Arnold, que estava presente, " com as testas no
chão, ajoelhou-se em dois hemisférios antes do mikado, quando
o marquês Ito entregou a Sua Majestade o primeiro discurso do
trono durante uma dinastia de dois. mil anos ". A primeira Duma
é assim descrita: " Havia 460 deputados à esquerda da sala do
trono: enquanto em frente ficavam os senadores em escarlate e
ouro, almirantes e generais em seus uniformes deslumbrantes, o
conselho de estado e os governadores das cidades. Pálidas,
calvas, gordas e elaboradamente vestidas em muitas cores,
como crianças senis, estavam ali: opostas estavam os deputados
camponeses - magros, alertas e queimados de sol, com cabeças
pardas e mortas, vestidas como a humanidade comum, o
símbolo da nova era . " Até mesmo o Oriente, o lar imemorial do
Ferro não-misturado, cede às crescentes incursões do Barro. "
Nenhum axioma da política internacional ", diz Lord Cirzon , "
teria sido aceito com menos disputa do que a crença de que a
devoção ao absolutismo era tão inata e profundamente enraizada
em uma instituição no Oriente que qualquer mudança de governo
poderia Isso não tomaria a forma de um governo representativo
ou de instituições democráticas.A mudança produzida foi
enorme.No prazo de sete anos da eclosão da Guerra Russo-
Japonesa , vimos os turcos na Europa e os persas na Ásia
destronando um monarca absoluto e a criação de uma Câmara
Parlamentar, os egípcios clamando por uma instituição similar, os
nacionalistas indianos adotando como seu programa declarado
autogoverno em linhas parlamentares, os siameses iniciando
uma agitação em Bangkok: os filipinos já manipulando com
entusiasmo as instituições conferidas a eles por Os Eslavos
Riussianos (que na aceitação da autocracia tinham sido mais
orientais que o Oriente) exigindo uma Duma ; e todas - as
maiores de todas as maravilhas - a China iniciando assembleias
provinciais e comprometendo-se a convocar um Parlamento
dentro de alguns anos . " Mesmo o Xá, o último dos monarcas
absolutos de Irã , de quem Dario foi o primeiro, foi obrigado,
resistindo desesperadamente, a ceder um parlamento. Todos os
estratos da humanidade são assim sucessivamente
testados com poder : a democracia trará o reino da justiça? "
Não devemos ", diz Sir Robertson Nicoll , um crítico muito
amigável da democracia, " entenda-se que Demos usará
necessariamente seus poderes com sabedoria e com justiça. Ele
fará o muito contrário se ele se separar do governo de Cristo.
Uma democracia irreligiosa terminará em um estado de
sociedade pior do que jamais foi testemunhado em uma
civilização cristã . ** Nunca houve uma necessidade maior do
trabalho e influência da Igreja Cristã do que existe hoje . O
esmagamento da Imagem revela a iniquidade invariável de todas
as estratificações, todas as formas governamentais, todas as
épocas do domínio humano.
[ * As chamadas democracias de Grécia não eram melhores que as
oligarquias entre as tropas de escravos: diz-se que americano República ,
com todo privilégio erradicado, foi a primeira democracia real na história
do mundo.]

** A maioria das guerras modernas é a criação, não de diplomatas ou


estadistas, mas de rajadas irresistíveis de paixão popular.]

Pois, mesmo do ponto de vista cívico, é uma amalgamação do


inconfundível e uma fonte de lutas incessantes. " Haverá
nele " - o estágio democrático; " da força do ferro " - força do
império, dura, destrutiva, autocrática, - imperialismos
empunhando exércitos mais vastos e naves mais potentes do que
o mundo jamais conheceu: ainda " o reino será em parte forte e
em parte frágil "; pois o ferro do imperialismo, forçosamente
fundido em todos os estados com o barro da democracia, é
constantemente controlado e contido e o Estado ameaçado de
extinção. O Ferro é uma metralhadora , servida por um mero
punhado de artilheiros treinados: o Clay é a população
desarmada, espalhando-se em um momento das praças públicas
aos milhares, tão facilmente quebrada quanto cerâmica frágil.
Duas soberanias, latentes hostis, destroem todos os estados: a
soberania do trono ou do exército e a soberania do povo - " os
senhores de ambas as casas ", nas palavras do sr. AJ Balfour, "
que, pela admissão de políticos de todas as escolas, são e
devem ser os árbitros finais dos nossos destinos nacionais
". Mas a clivagem é irreconciliável : toda dinastia oscilará nos
equilíbrios até o fim, porque " não se ligarão uns aos outros,
assim como o ferro não se mistura com o barro ". Fraqueza
desastrosa, gerada pela luta democrática interna e incessante, *
desmoraliza as nações até o fim. O Homem Colossal terá assim
sido testado em todas as partes: absolutismo, oligarquia,
militarismo, democracia - todas as classes e classes terão
recebido, e maltratado, o poder mundial : e, pela
iniqüidade de todos, o todo colapsa em ruína irrecuperável
- " como a palha do emaranhado de verão; e o vento os levou
embora, que nenhum lugar foi encontrado para eles. " **
[ * O hebraico para " dividido " ( verso 41 ) " sempre significa divisão não
natural ou violenta que surge da desarmonia interna ou discórdia " ( Keil
).]

[ Quão imprudente, portanto, quão perigoso, para um discípulo [


de Cristo ], se intrometer naquilo que deve tão cedo sofrer um
julgamento aniquilador ! Contribuímos para o apoio do Estado (
ROM. 13: 7 ), submeter-se às suas ordenanças ( 1 Pedro 2: 13, 14
), e interceder por seus governantes ( 1 Tim. 2: 1 ), e, portanto,
tirar certas vantagens legais de cidadania passiva ( Atos 21:39 ): "
nossa cidadania está NO CÉU ; de onde também esperamos por um
Salvador, o Senhor Jesus Cristo " ( Filipenses 3: 20 ). Um governo
justo , com condições sociais perfeitas , está próximo; mas entre nós e
isso reside um amplo e negro cinturão de julgamentos vindouros .]

Agora finalmente chega o Fim: O próprio Deus retoma o supremo


poder mundial, e estabelece, NESTA TERRA , um reino de
justiça, na pessoa do verdadeiro Homem, o FILHO DO
HOMEM . Uma pedra - um mineral também, então um
império tão literal quanto os outros impérios - desce em
uma súbita [ descida ] do céu: colide com a imagem em colisão
afiada e esmagadora : * a majestade colossal da grandeza
humana, todo o tecido do poder humano, desaparece como
palha; e a pedra, então, cresce grandemente e preenche
toda a terra . É um reino universal , pois substitui todos os
outros reinos; um reino na terra, pois está " debaixo de todo o
céu " ( Dan. 7: 27 ), " e encheu toda a terra "; um reino literal
, pois " todos os povos, nações e línguas o servirão " ( Dan.
7: 14 ): é a quinta monarquia do mundo. " Eis que veio " - não
com os panos do berço, mas - " com as nuvens do céu uma
como a um filho do homem " ( Dn 7: 13 ). Não é o Primeiro
Advento - que chegou nos primeiros dias das Pernas, e quando
as Pernas eram de ferro, enquanto que a Pedra fere a Imagem
em seus pés mirrados ( Dan. 2: 34 ): " nos dias daqueles reis
" - os dias da amalgamação desesperada do ferro e do
barro - " o Deus do céu estabelecerá um reino ", inaugurado
pelo Segundo Advento . " O Deus do céu estabelecerá um
reino ", não apenas introduzirá um rei : não é uma profecia do
primeiro advento, quando Cristo veio para salvar, não para
destruir; mas o dia de uma violenta colisão entre o
Altíssimo e os grandes Poderes do mundo . A Imagem
desaparece totalmente a partir do momento de sua colisão
com a Pedra : um fato por si só decisivo de que não é a
primeira vinda de nosso Senhor, depois da qual Império
Romano atingiu o seu apogeu. Não é o silencioso advento
do Cordeiro manso e sofredor , mas o súbito apocalipse do
Leão descendo, com poder esmagador, a iniqüidade
tronada e a injustiça democrática . A tentativa, feita sob
mil formas, de erguer a Quinta Monarquia sem o [Divino]
Monarca - uma constante ilusão de miríades de crentes [
regenerados de hoje ] - está na raiz do mundanismo do
povo de Deus . * As potências mundiais estavam no título,
mas nunca de fato, absolutamente universais: essa Pedra "
enche toda a terra ". Não é uma conversão gradual, mas
substituição instantânea : não é transmutação de metais,
mas a substituição do terreno pelo celestial : não é luta
pela supremacia, mas reajustamento súbito e onipotente ,
quando " os reinos deste mundo se tornam os reinos de
fora". Senhor e de seu Cristo , e Ele reinará para sempre e
sempre "( Apocalipse 11: 15 ). " Naqueles dias daqueles reis ."
** - Palavras abençoadas! Quão logo, ó meu Salvador, nós
veremos a Ti; e seja como tu; e estar com Ti para sempre?
[ * " Quebrado em pedaços com um só golpe " ( Keil no verso 35 ). Os
rabinos judeus reconhecem que a Pedra é o Messias .]

[ ** O governo de Cromwell, provavelmente a única captura e controle de


um estado por homens convertidos que o mundo já conheceu, foi
confundido com o Reino de Cristo pelos " homens da quinta monarquia ",
que logicamente recorreram à força. Rapidamente desiludidos,
tornaram-se uma cama quente de sedição e foram todos
capturados e mortos. ]

-------