Sei sulla pagina 1di 155

MASSAGEM

TERAPÊUTICA
AULA 1
ORIGEM DA MASSAGEM
Massoterapia

■ A palavra massagem vem do grego “masso” que significa “amassar” e o termo


terapia vem da palavra “therapy”.
■ A história da massagem é muito antiga. Já diziam que as civilizações antigas
(300 A.C) praticavam o ritual da massagem para aliviar as dores e proporcionar o
bem-estar, além de aliviar as tensões e infecções.
■ A massagem era realizada de uma forma bem diferente daquela que é realizada
hoje.
■ Os chineses desenvolveram ao longo dos tempos, técnicas e a reconheceram com
suas propriedades curativas, buscando na fricção das mãos o alívio para doenças e
males emocionais.
O que é massagem?

■ Uma das definições é:

ato de friccionar com as mãos ou por meio de aparelhos específicos as partes do corpo
proporcionando o bem-estar, alívio de dores musculares, das tensões e do sistema
emocional de forma terapêutica, relaxante, desportiva e estética.
Tipos de massagens

■ Desportivas: é a massagem usada para recuperação de lesões em atletas;


■ Relaxante: é a massagem indicada para o relaxamento físico e mental, aliviando o
estresse e a correria de um dia bem agitado;
■ Estética: alívio para as dores e expressões do rosto, ajuda no envelhecimento
precoce, é indicado no tratamento de celulite, estrias e gordura localizada, além de
ajudar na retenção de líquido.
■ Terapêutica: é a massagem é indicada para alívio das dores musculares, tensões e
fins curativos;
Tipos de massagens

■ É certo que a massagem tem as suas especificações e finalidades distintas, o que


não signifca que as técnicas não podem ser feitas em conjunto.

■ IMPORTANTE: De certo modo, toda massagem é terapêutica.


■ A nomenclatura serve apenas para o profissional definir qual técnica vai usar.
■ Terapia Manual não é apenas massagem!
MASSAGEM
TERAPÊUTICA
Massagem Terapêutica

■ A massagem terapêutica é um conjunto de manobras que, a partir do toque,


desempenham a função de estimular no organismo humano eventos fisiológicos
que influenciam os estados emocionais e físicos do paciente.
■ Sua prática regular e contínua relaxa e trata o corpo como um todo, ajudando a
prevenir vários problemas que podem ocorrer devido ao excesso de tensão.
■ A massagem pode estimular ou acalmar o sistema nervoso – dependendo de cada
caso – e, sendo assim, ajuda a diminuir o cansaço, reduz as dores, tensões e
recupera o corpo.
Efeitos fisiológicos da massagem

■ Aumento da circulação sanguínea e linfática;


■ Aumento do fluxo de nutrientes;
■ Remoção dos produtos catabólicos e metabólicos;
■ Melhora/Redução de edemas;
■ Aumento da elasticidade do tecido conjuntivo;
■ Alívio da dor;
■ Aumento dos movimentos das articulações;
■ Estimulação da atividade muscular;
■ Estimulação/Melhora das funções viscerais;
■ Promoção do relaxamento local e geral.
Alívio da dor

■ A massagem facilita o processo de relaxamento dos músculos de várias maneiras.


Quando você amassa os músculos, melhora a circulação e a distribuição do sangue,
até porque o calor provocado pela fricção dilata os vasos. O músculo fica mais bem
nutrido e relaxado, e a dor é aliviada.
■ A maioria dos clientes que procuram a massagem por dor e/ou tensão muscular.
■ A escolha da técnica, o tempo de massagem, o tempo dedicado a cada parte do
corpo e o ambiente influenciam no tratamento.
Benefícios da massagem

■ Controle do estresse;
■ Diminuição da ansiedade;
■ Alívio da tensão e das dores musculares;
■ Melhora da circulação sanguínea, elasticidade da pele e sistema imune;
■ Diminuição da pressão arterial no caso de pacientes hipertensos;
■ Alívio das dores de cabeça;
■ Diminuição do cansaço;
■ Estimulação e equilíbrio do sistema intestinal;
■ Eliminação de toxinas e resíduos metabólicos;
■ Diminuição das insônias.
Cinesiologia

■ Entender como funciona a musculatura esquelética e como as tensões são


formadas, é essencial para a boa aplicação da massoterapia.
■ É importante conhecer a composição do músculo, disposição das fibras, localização
e sua ação.
■ Conhecer a rotina do paciente e entender como a sua musculatura se comporta no
dia a dia faz parte da sua avaliação e pode determinar o modo como você vai tratar
essa pessoa.
Contraindicações

Em alguns casos, a massagem pode não ser um procedimento seguro e, por isso, deve
ser evitado:
■ distúrbios hemorrágicos;
■ febre;
■ gripe ou infecções virais;
■ feridas abertas;
■ câncer;
■ outras condições médicas que possam ser agravadas com a massagem.
BIOSSEGURANÇA
Biossegurança

■ É de fundamental importância a proteção de nossa saúde enquanto terapeutas e,


em especial, à segurança, saúde e conforto dos clientes que atendemos.
■ Devemos conhecer os riscos a que estamos submetidos ao aplicarmos técnicas
de massagem, e precisamos utilizar normas específicas para nos prevenirmos
desses riscos.
■ “A biossegurança consiste em um conjunto de processos funcionais e operacionais
de fundamental importância em serviços de saúde e beleza, não só por abordar
medidas de controle de infecções para proteção da equipe de profissionais e
usuários dos serviços”. (RAMOS, 2009, p. X)
Cuidados com o ambiente

■ Sala arejada;
■ Parede azulejada;
■ Ambiente limpo;
■ Sala privativa;
■ Pia disponível;
■ Higienização de maca a cada paciente;
■ Lençol descartável;
Cuidados com os materiais

■ Toalhas e lençois precisam ser trocados a cada paciente;


■ Os acessórios precisam ser esterilizados;
■ Somente uma porção do creme deve ser utlizada;
■ Higienizar cubetas após o uso;
■ Disponibilizar touca e avental descartáveis.
Cuidados com o terapeuta

■ Higienização das mãos;


■ Cabelos presos;
■ Unhas curtas;
■ Máscara e luva*;
■ Usar roupas leves;
■ Ter uma boa postura e movimentação durante o atendimento.
ANAMNESE
Anamnese

■ Todo atendimento deve surgir de uma avaliação.


■ Somente avaliando o cliente é possível identificar se há contraindicação e também,
qual técnica você vai escolher.
■ Além disso, essa é a garantia de que entregará ao cliente a conduta que ele espera.
■ Ter ficha de avaliação e de controle de sessões é preciso.
Ficha de Avaliação
EQUIPAMENTOS
MACA

▪ Pode ser dobrável;


▪ As ajustaveis são melhores;
▪ Boa qualidade para suportar pelo menos 200kg;
LENÇOL

▪ Evita deixar a maca muito fria;


▪ Deve ser trocado com frequência;
▪ Dê preferência às cores claras;
LENÇOL DESCARTÁVEL

Rolo de Papel Lençol de tecido (TNT)


TRAVESSEIRO

▪ O cliente precisa se sentir confortável;


▪ Apoiar a cabeça evita gerar tensões durante a
massagem;
▪ O tamanho deve se adequar a cada cliente
▪ Precisam estar cobertos com material
descartável.
CREME NEUTRO

▪ Prefira cremes de uso profissional;


▪ O creme sem perfumes evita alergias;
▪ Nunca use as mãos para retirar o creme do pote;
ÓLEO PARA MASSAGEM

▪ O óleo pode ser mais prático para o deslizar das mãos;


▪ São melhores para peles secas;
▪ Pode-se misturar creme com óleos;
▪ Alguns óleos tem ativos para dor
CUBETAS

▪ Só transfira o creme com a espátula;


▪ Escolha materiais que sejam fáceis de higienizar;
▪ Tenha mais que uma.
ROLO DE POSICIONAMENTO

▪ Para melhorar o posicionamento na maca;


▪ Pode ser utilizado em diversas partes do corpo;
▪ Evita gerar tensões durante a massagem.
COBERTOR

▪ Durante a massagem o corpo tende a resfriar;


▪ Ótimo para os dias mais frios;
▪ Utilize sobre um lençol para evitar o contato
direto com o corpo do cliente.
TOUCA DESCARTÁVEL

Ofereça para o cliente para evitar o contato do


creme/óleo com os cabelos
BIANCA RODRIGUES AZARIAS
Fisioterapeuta – Saúde da Mulher
CREFITO3/ 294691F
fisio.biancarodrigues@hotmail.com
Instagram: @fisiobiancarodrigues
MASSAGEM
TERAPÊUTICA
AULA 2
MANOBRAS DE
MASSAGEM
Manobras de Massagem

■ Direção
Os movimentos da massagem podem ser realizados em qualquer direção. A escolha
dependerá da finalidade de cada movimento. As direções quanto ao fluxo sanguíneo
pode ser: centrípeta; ocorre na direção do fluxo venoso e linfático. Centrífuga; ocorre na
direção das artérias.
■ Pressão
A pressão exercida varia, dependendo da finalidade específica do movimento e do
problema físico. A pressão profunda promove forte estimulação e pode ocorrer
aumento de tensão e dor, enquanto pressão mais branda pode promover relaxamento.
Manobras da Massagem

■ Velocidade e Ritmo
A maioria dos movimentos de massagem são realizados de forma relativamente lenta,
embora algumas técnicas são realizadas de forma mais rápida. Movimentos realizados
lentamente tendem a ser relaxantes, enquanto o inverso, mais estimulantes.
■ Duração
A sessão dura em média 50 minutos, mas se for utilizada junto a outra técnica ou
dentro de uma sessão de fisioterapia pode levar de 5 a 15 minutos a depender da área
a ser tratada.
Manobras de Massagem

■ Deslizamento
Superficial: Essa é indiscutivelmente a mais natural e instintiva de todas as técnicas de
massagem. É usado no começo de todas as rotinas de massagem e tem diversas
aplicações, mas talvez a mais importante seja o contato inicial que propicia com o
paciente.
Envolve receptores nos tecidos superficiais que, quando estimulados pelo toque,
produzem uma resposta de relaxamento por meio do sistema nervoso parassimpático
Deslizamento Superficial
Manobras de Massagem

■ Deslizamento
Profundo: Em termos de reflexos, os impulsos nervosos que chegam da coluna aos
terminais neuromusculares (junções nervosas) também são inibidos pela pressão profunda
e, como resultado, as contrações são mais fracas e os músculos relaxam. Além disso a
pressão forte é transmitida aos tecidos mais profundos, melhorando, portanto, a circulação
venosa e a drenagem linfática nessas estruturas.
■ Amassamento
Manobras de amassamento também são chamadas de manipulações do tecido mole. Esses
movimentos de amassamento exercem intensa ação mecânica e afetam os tecidos
profundos. A direção básica do movimento é circular: primeiro pressionar, depois liberar a
pressão. O efeito essencial da compressão é alongar o tecido muscular e a fáscia adjacente.
Deslizamento Profundo
Amassamento
Manobras de Massagem

■ Beliscamento
O tecido a ser tratado é agarrado e levantado por toda a mão com o polegar em abdução e
a pressão é realizada em movimento circular na direção dos tecidos. Deve ser lento,
contínuo e rítmico, sendo tratado todo o ventre do músculo, da origem a inserção.
■ Torcedura
O terapeuta levanta e comprime os tecidos alternadamente entre os dedos e o polegar. Esse
movimento assemelha-se à torcedura de uma toalha. As mãos movimentam-se
alternadamente, operando transversalmente. No movimento de torcedura, a pressão deve
ser razoável e regulada para não beliscar o paciente grosseiramente.
Beliscamento
Torcedura
Manobras de Massagem

■ Percussão
O termo comum utilizado para técnicas do tipo percussivo é tapotagem. Eles também
estimulam os terminais nervosos, o que resulta em pequenas contrações musculares e
em aumento generalizado do tônus.
■ Fricção
Usando a ponta dos dedos ou o polegar, os tecidos mais superficiais são mobilizados. A
manobra de fricção pode ser efetuada em diversas direções: circular, transversal (entre
as fibras) ou em uma linha reta ao longo das fibras, a lubrificação deve ser mínima.
Liberam aderências entre camadas de tecidos, como entre a fáscia e os músculos,
entre a fáscia e o osso e entre fibras musculares, e ajudam o tecido fibroso a ceder e a
se alongar.
Percussão
Fricção
MANOBRAS NÃO
NOMEADAS
Mãos fechadas

■ Técnica utilizada em
áreas maiores (coxas e
dorso), aumentam a
pressão mas não geram
dor e tendem a ser muito
relaxantes.
Alongamentos

■ Relaxam o corpo,
promovem alívio da dor e
mantém a flexibilidade.
Mobilizações

■ Ajudam nas contraturas,


lubrificam as articulações
e ajudam na dor.
Trações

■ Alivia dores, ajuda nos


tratamentos em que os discos
estão comprimidos e relaxam.
Uso dos cotovelos

■ Exercem uma pressão maior


e pode ser mais dolorido
para o paciente, é indicado
para liberar tensões e
pontos gatilhos.
PONTOS GATILHOS
O que são Pontos Gatilhos?

■ Trigger Point (Ponto Gatilho)


Um ponto gatilho é uma área de facilitação local de nervo com músculo ou tecido
conectivo associado, que cria pequenas áreas de tensão ou micro espasmo (contração
involuntária da musculatura).
Como surgem os Pontos Gatilhos

■ A definição exata de ponto-gatilho é uma região extremamente irritada em certo


tecido que forma um pequeno nódulo. Ao apalpar o ponto nosso paciente sentirá
dor, porém essa dor pode ser aliviada através da liberação.
■ Os pontos são gerados pela tensão muscular, portanto mesmo alguém com uma
patologia muito bem definida apresentarão os mesmos.
■ A tensão muscular que levou a um ponto-gatilho vem de causas variadas. Antes de
começar a trabalhar com seu paciente é interessante tentar descobrir, mesmo que
vagamente, sua origem.
Causas da formação de PG

■ Falta de movimento: uma área que perdeu sua mobilidade por qualquer motivo ficará
bastante tensa. Vemos isso com frequência em patologias onde o paciente deixa de se
movimentar por causa da dor. Essa tensão levará à formação de pontos-gatilhos, que
leva a mais dor.
■ Esforço repetitivo: conhecemos diversas patologias que são geradas pelo esforço
repetitivo para o qual o corpo não estava preparado. Muitas vezes o esforço gera tensão
muscular e, consequentemente, pontos-gatilho.
■ Estresse: o estresse psicológico também possui reflexos físicos, como pontos de tensão
nas musculaturas e fáscias.
■ Trauma direto: quando essa é a causa o aluno provavelmente saberá te indicar qual foi o
trauma que iniciou a dor, ajudando a identificar o local exato do ponto.
■ Postura: uma postura ruim é fonte de tensões musculares, que eventualmente se
tornarão dores no corpo do aluno.
Tipos de Ponto Gatilho

■ Ponto gatilho ativo


Esse é o ponto que gera dor aguda. O ponto gatilho ativo gera dor mesmo sem ser
estimulado. Como a região está hipersensível e muito tensionada ele diminui o
alongamento do músculo, diminuindo a mobilidade local.
■ Ponto gatilho latente
Ele só se torna ativo quando é apalpado, o que não diminui sua importância num
tratamento. Apesar de não causar dor, ele influencia a região onde está localizado de
maneira similar ao ponto ativo. A tensão impede o alongamento apropriado da
musculatura, diminuindo a flexibilidade e enfraquecendo o músculo.
Tipos de Ponto Gatilho

■ Ponto gatilho satélite


Quando existem pontos-gatilhos com dor referida, eles criam outros pontos nessa
região. Esses são conhecidos como pontos-gatilhos satélite.
Eles existem na região da dor referida, mas não são a principal causa da dor. É
importante saber identificar o ponto principal que gera o desconforto, para conseguir
aliviar a dor de maneira eficiente.

* Dor referida: é sentida pela pessoa num local diferente daquele onde é produzido o
estímulo que causa a dor.
Bianca Rodrigues Azarias
Fisioterapeuta – Saúde da Mulher
CREFITO-3/294691F
Fisio.biancarodrigues@hotmail.com
Instagram: @fisiobiancarodrigues
MASSAGEM
TERAPÊUTICA
AULA 3
MEMBROS INFERIORES
Massagem nos pés

■ Primeiro contato com o paciente;


■ É uma parte com bastante tensão;
■ Comece com deslizamentos e use bastante o polegar;
■ Solte a fáscia plantar;
■ Faça tração no tornozelo;
Massagem nos pés
Massagem nos pés
Massagem nos pés
PÉS EM DV
Massagem nas pernas

■ As laterais da perna geralmente são mais doloridas;


■ Evite usar o polegar sobre a tíbia;
■ Separe um tempo para o joelho;
■ Voltar as mãos para os pés traz a sensação de continuidade;
■ Na parte posterior a pressão pode ser mais profunda;
■ Cuidando com a zona poplítea (linfonodo, cisto de Baker)
PERNAS
PERNAS
PERNAS EM DV
PERNAS EM DV
PERNAS EM DV
COXAS

■ A coxa é uma área maior que pode receber maior pressão;


■ Use os polegares no meio do músculo;
■ Pode usar as mãos fechadas;
■ Técnicas de deslizamento, amassamento, torcedura e fricção..;
■ As laterais também tendem a ser mais doloridas;
■ Na parte posterior a pressão pode ser mais profunda;
■ Nas mulheres que optarem por usar calcinha/biquíni pode-se soltar a região
dolorosa do ciático
■ Para os homens, podemos usar a pressão digital ou cotovelos.
COXAS
COXAS
COXAS
COXAS
COXAS EM DV
COXAS EM DV
MEMBROS
SUPERIORES
Massagem nas mãos

■ São extremamente relaxantes;


■ Algumas técnicas sugerem que a massagem nas mãos ajudam na insônia;
■ É uma área com bastante tensão;
■ Tracione os dedos;
■ Utilize pouco creme/óleo;
■ Pressione as palmas das mãos;
Massagem nas mãos
MÃOS
MÃOS
MÃOS EM DV
ANTEBRAÇO

■ Carregam bastante tensão;


■ É bem dolorido;
■ Use o polegar para soltar a fáscia da membrana interóssea;
■ Alongue os punhos passivamente;
■ Voltar para as mãos gera sensação de continuidade;
■ Mesmo em DV a pressão deve ser mais leve.
ANTEBRAÇO
ANTEBRAÇO
ANTEBRAÇO
ANTEBRAÇO EM DV
BRAÇOS

■ Possuem bastante pontos gatilho;


■ Pacientes com disfunções no ombro e cervical referem dor no braço;
■ Pode ser bem dolorido;
■ Importante soltar bem a região do ombro;
■ Aproveite para alongar passivamente.
■ Em DV, abuse da região próxima a escápula.
BRAÇOS
BRAÇOS
BRAÇOS EM DV
BRAÇOS EM DV
ABDOMÊN?
Abdomên

■ A massagem no abdomên geralmente é feita para ajudar no trânsito intestinal ou


na drenagem linfática.
■ Na massagem terapêutica é pouco realizada por não ser uma área tensa;
■ Caso o paciente apresente a necessidade podemos realizar algumas manobras
ABDOMÊN
ABDOMÊN
Bianca Rodrigues Azarias
Fisioterapeuta – Saúde da Mulher
CREFITO-3/294691F
Fisio.biancarodrigues@hotmail.com
Instagram: @fisiobiancarodrigues
MASSAGEM
TERAPÊUTICA
AULA 4
CERVICAL
CERVICAL

■ Uma das áreas que carrega mais tensão no corpo;


■ É a maior queixa no consultório;
■ O trapézio é repleto de pontos gatilho que podem ser acionados por tensão
muscular, estresse ou má postura.
■ Mobilizar a região é uma forma de iniciar a massagem na cervical;
■ Alongamentos passivos são muito bem vindos;
■ Podem melhorar dores de cabeça.
■ Invista em trações, mas lembre-se de avaliar e calcular os riscos!!
CERVICAL
CERVICAL
CERVICAL
CERVICAL (esternocleidomastóideo)
CERVICAL
CERVICAL (trapézios)
CERVICAL EM DV
CABEÇA
CABEÇA

■ Muito relaxante!
■ Na cabeça também tem pontos gatilhos, os mais comuns ficam próximos ao osso
occiptal;
■ O couro cabeludo tem a tendência de ficar tensionado;
■ A face também tem dificuldade de relaxar;
■ Retire o excesso de creme das mãos para massagear a face;
■ Alguns pacientes apresentam disfunções temporomandibulares e orofaciais que
dependem da terapia manual para tratar.
(O tratamento precisa ser feito por um especialista!)
CABEÇA
CABEÇA
CABEÇA
CABEÇA (face)
CABEÇA EM DV
DORSO
DORSO

■ Talvez a parte mais esperada da massagem;


■ Tem muitos pontos gatilhos;
■ Ainda que o paciente esteja com dor, é extremamente relaxante;
■ Sendo a região maior e musculosa, pode-se pesar na pressão das mãos (de acordo
com a resistência do paciente).
■ É sempre interessante começar e terminar com os deslizamentos
DORSO
Manobra de “rolinho” para liberar fáscia!
DORSO
DORSO
Bianca Rodrigues Azarias
Fisioterapeuta – Saúde da Mulher
CREFITO-3/294691F
fisio.biancarodrigues@hotmail.com
Instagram: @fisiobiancarodrigues
MASSAGEM
TERAPÊUTICA
AULA 5
COMO PREPARAR UMA
SESSÃO DE MASSAGEM
Escolha de Técnicas

■ Relaxante x Terapêutica
Toda massagem É terapêutica, o que muda é a técnica a ser utilizada
Na massagem mais relaxante, utilizamos mais deslizamentos e focamos em grupos
musculares mais relaxantes. O que não significa que não vamos tratar pontos gatilhos
e eliminar tensões.

Na massagem terapêutica o foco é na dor e utilizamos mais digito-pressão e técnicas


mais vigorosas.
Preparação do Ambiente

■ A luz do ambiente revela o que o paciente deve esperar da sessão;


■ A sala deve ser climatizada;
■ Aposte em cobertores, rolos de posicionamento e acessórios para massagem;
■ Use músicas calmas e/ou músicas que o paciente goste;
■ Tenha apoio para os materiais e deixe tudo à mão;
■ Pode-se utilizar aromaterapia.
Luz do ambiente
Climatização
Acessórios para massagem
Suporte
Preparação do paciente

■ Anamnese;
■ Solicitar que o paciente retire brincos, colares, aneis..;
■ Solicitar que o celular fique no silencioso;
■ Oferecer material descartável (touca, avental);
■ Proporcionar todo conforto necessário;
Bolsa Térmica
Preparação do terapeuta

■ Manter as unhas curtas;


■ Cuidar da higiene e evitar transmissões cruzadas;
■ Usar roupas leves;
■ Usar o corpo para realizar as pressões durante a massagem;
■ Ter uma boa rotina de cuidado com o próprio corpo;
■ Verificar altura da maca.
Preparação da maca

■ Álcool 70% no estofado;


■ Lençol térmico (se houver necessidade);
■ Lençol convencional;
■ Lençol ou papel descartável;

Acessórios na maca: travesseiro, rolo de posicionamento, cobertor, toalha.


DURAÇÃO E
FREQUÊNCIA
Duração da sessão

■ Geralmente dura em torno de 50 minutos;


■ Quando associada a outras técnicas, pode durar de 5 a 15 minutos;

Quanto o tempo em cada parte do corpo


■ Em massagens mais relaxantes cada parte leva em média 5 minutos e a região do
dorso leva 10 minutos.
■ Em massagens mais terapêuticas o tempo varia, fazendo-se necessário o foco na
região de dor por mais tempo.
Frequência de sessões

■ É indicado realizar 1 sessão por semana durante a fase aguda


■ Para manutenção do estado físico pelo menos a cada 15 dias.

Lembre-se: propor uma frequência para o paciente em sessões de massagem é


subjetivo e de livre escolha!
Dentro dos atendimentos de fisioterapia, a terapia manual é muito utilizada e o número
de sessões se adequa ao tratamento.
O QUE NÃO FAZER
O que não fazer durante a sessão

■ Puxar assunto com o paciente;


■ Utilizar roupas de manga comprida;
■ Utilizar sapatos que provoquem ruídos;
■ Preparar o ambiente de acordo com a sua vontade sem pensar no paciente;
■ Usar celular ou outros dispositivos;
■ Causar qualquer tipo de desconforto ao cliente.
POSTURA NO
ATENDIMENTO
Terapeuta

■ Ser respeitoso e paciente;


■ Não utilizar palavras de baixo calão;
■ Evitar assuntos polêmicos durante a sessão;
■ Perguntar sobre as partes do corpo que o paciente autoriza o toque;
■ Não causar constrangimento
PACIENTE

■ Em nenhum momento o paciente deve pensar que tem livre acesso ao corpo do
terapeuta!
■ Ao menor sinal de desrespeito, finalize o atendimento!
■ O paciente não deve se despir completamente;
■ As mãos do paciente devem estar próximas ao corpo dele e ser manipuladas
apenas pelo terapeuta.
As mãos são um portal de entrada e saída de energia. Através
delas tratamos, reabilitamos e indicamos o caminho de cura.
MUITO OBRIGADA!