Sei sulla pagina 1di 102

REGULAMENTO INTERNO

2011/2013
Regulamento Interno 2011/2013

Índice
PREÂMBULO …………………………………………………………………………………………………………………................... 9

CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS ………………………………………………………………………..………………………. 9


Artigo 1º - Objecto……………………………………………………………………………………………….… 9
Artigo 2º - Âmbito de aplicação………………………………………………………………………………. 9
Artigo 3º - Princípios orientadores e objectivos ……………………………………………………… 9

CAPÍTULO II - REGIME DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DO AGRUPAMENTO ………………………………… 10


SECÇÃO I - ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO …………………………………………………………………….. 10
Artigo 4º - Incompatibilidade ………………………………………………………………………………... 10
SUBSECÇÃO I - CONSELHO GERAL ……………………………………………………………………………………… 10
Artigo 5º - Definição ………………………………………………………………………………………………. 10
Artigo 6º - Composição ………………………………………………………………………………………..… 11
Artigo 7º - Competências ………………………………………………………………………………………. 11
Artigo 8º - Designação dos representantes …………………………………………………………… 12
Artigo 9º- Eleições …………………………………………………………………………………………………. 12
Artigo 10º - Mandato …………………………………………………………………………………………….. 12
Artigo 11º - Funcionamento …………………………………………………………………………………… 12
SUBSECÇÃO II - DIRECTOR …………………………………………………………………………………………………. 13
Artigo 12º - Definição …………………………………………………………………………………………….. 13
Artigo 13º - Subdirector e adjuntos do director …………………………………………………….. 13
Artigo 14º - Competências ……………………………………………………………………………………. 13
Artigo 15º - Recrutamento …………………………………………………………………………………….. 14
Artigo 16º - Procedimento concursal ……………………………………………………………………… 15
Artigo 17º - Eleição ………………………………………………………………………………………………… 15
Artigo 18º - Posse ………………………………………………………………………………………………….. 15
Artigo 19º - Mandato …………………………………………………………………………………………….. 16
Artigo 20º - Assessoria da direcção ………………………………………………………………………… 16
SUBSECÇÃO III - CONSELHO PEDAGÓGICO ………………………………………………………………………. 17
Artigo 21º - Definição …………………………………………………………………………………………….. 17
Artigo 22º - Composição ………………………………………………………………………………………… 17
Artigo 23º - Competências …………………………………………………………………………………….. 18
Artigo 24º - Mandato …………………………………………………………………………………………….. 18
Artigo 25º - Funcionamento …………………………………………………………………………………… 19
SUBSECÇÃO IV - CONSELHO ADMINISTRATIVO …………………………………………………………………. 19
Artigo 26º - Definição …………………………………………………………………………………………….. 19
Artigo 27º - Composição ………………………………………………………………………………………… 19
Artigo 28º - Competências …………………………………………………………………………………….. 19
Artigo 29º - Funcionamento …………………………………………………………………………………… 19
SECÇÃO II - COORDENAÇÃO DE ESCOLA ………………………………………………………………………………………… 20
Artigo 30º - Competências ……………………………………………………………………………………. 20
Artigo 31º - Mandato …………………………………………………………………………………………….. 20

CAPÍTULO III - ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA …………………………………………………………………………………. 20


SECÇÃO I - ESTRUTURAS DE COORDENAÇÃO E SUPERVISÃO PEDAGÓGICA ………………………………… 20
SUBSECÇÃO I - DEPARTAMENTOS CURRICULARES …………………………………………………………… 21
___________________________________________________________________________________________2
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 32º - Definição …………………………………………………………………………………………….. 21


Artigo 33º - Composição ………………………………………………………………………………………… 21
Artigo 34º - Competências …………………………………………………………………………………….. 22
Artigo 35º - Coordenação ………………………………………………………………………………………. 23
Artigo 36º - Funcionamento ………………………………………………………………………………….. 24
SUBSECÇÃO II - ÁREAS DISCIPLINARES ………………………………………………………………………………. 24
Artigo 37º - Subcoordenação …………………………………………………………………………………. 24
Artigo 38º - Funcionamento …………………………………………………………………………………… 24
SUBSECÇÃO III - CONSELHOS DE ANO ……………………………………………………………………………….. 25
Artigo 39º - Conselho de Ano (1º ciclo) ………………………………………………………………… 25
Artigo 40º - Composição ………………………………………………………………………………………… 25
Artigo 41º - Competências …………………………………………………………………………………….. 25
SECÇÃO II - ESTRUTURAS DE ORGANIZAÇÃO DAS ACTIVIDADES DA TURMA ………………………………… 26
SUBSECÇÃO I - COORDENAÇÃO DE TURMA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ……………………… 26
Artigo 42º - Competências do educador de infância ……………………………………………… 26
SUBSECÇÃO II - COORDENAÇÃO DE TURMA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO ………….……. 27
Artigo 43º - Competências do docente Titulares de Turma ……………………………………. 27
SUBSECÇÃO III - COORDENAÇÃO DE TURMA NO 2º/3º CICLO DO ENSINO BÁSICO………..…. 28
Artigo 44º - Composição ………………………………………………………………………………………… 28
Artigo 45º - Competências ……………………………………………………………………………………. 28
Artigo 46º - Funcionamento ………………………………………………………………………………….. 29
SUBSECÇÃO IV - DIRECTOR DE TURMA ……………………………………………………………………………… 30
Artigo 47º - Designação …………………………………………………………………………………………. 30
Artigo 48º - Competências do Director de Turma ………………………………………………….. 30
Artigo 49º - Mandato …………………………………………………………………………………………….. 31
SUBSECÇÃO V - CONSELHO DE DIRECTORES DE TURMA …………………………………………………… 31
Artigo 50º - Composição ………………………………………………………………………………………… 32
Artigo 51º - Competências …………………………………………………………………………………….. 32
Artigo 52º - Funcionamento …………………………………………………………………………………… 32
Artigo 53º - Mandato …………………………………………………………………………………………….. 32
SUBSECÇÃO VI - COORDENADOR DOS DIRECTORES DE TURMA ………………………………………. 32
Artigo 54º - Competências …………………………………………………………………………………….. 32
SECÇÃO III - OUTRAS ESTRUTURAS ………………………………………………………………………………………………… 33
SUBSECÇÃO I - EQUIPA DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR …………………………………………………… 33
Artigo 55º - Definição ……………………………………………………………………………………………. 33
Artigo 56º - Composição ……………………………………………………………………………………….. 34
Artigo 57º - Objectivos ………………………………………………………………………………………….. 34
Artigo 58º - Mandato …………………………………………………………………………………………….. 34
Artigo 59º - Competências …………………………………………………………………………………….. 34
Artigo 60º - Regime de Funcionamento ………………………………………………………………… 34
SUBSECÇÃO II - EQUIPA DE SUPERVISÃO DAS ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO
CURRICULAR E ACTIVIDADES DE APOIO À FAMÍLIA ………………………………………………………………………. 35
Artigo 61º - Definição ……………………………………………………………………………………………. 35
Artigo 62º - Composição ………………………………………………………………………………………… 35
Artigo 63º - Objectivos …………………………………………………………………………………………… 35

___________________________________________________________________________________________3
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 64º - Mandato …………………………………………………………………………………………… 35


Artigo 65º - Competências …………………………………………………………………………………… 36
Artigo 66º - Regime de Funcionamento ……………………………………………………………….. 36
SUBSECÇÃO III - COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INTERNA ……………….. 36
Artigo 67º - Objectivos …………………………………………………………………………………………… 36
Artigo 68º - Composição ………………………………………………………………………………………… 37
Artigo 69º - Designação …………………………………………………………………………………………. 37
Artigo 70º - Mandato …………………………………………………………………………………………….. 37
Artigo 71º - Competências …………………………………………………………………………………….. 37
Artigo 72º - Regime de funcionamento ………………………………………………………………….. 37
Artigo 73º - Regimento ………………………………………………………………………………………….. 38
SUBSECÇÃO IV - PLANO TECNOLÓGICO DA EDUCAÇÃO …………………………………………………….. 38
Artigo 74º - Equipas PTE ……………………………………………………………………………………….. 38
Artigo 75º - Funções ……………………………………………………………………………………………… 38
Artigo 76º - Composição ……………………………………………………………………………………….. 39
SUBSECÇÃO V - COORDENAÇÃO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO (CEF) ………… 40
Artigo 77º - Objectivos ………………………………………………………………………………………….. 40
Artigo 78º - Director do Curso de Educação e Formação ……………………………………….. 40
Artigo 79º - Competências …………………………………………………………………………………….. 40
SUBSECÇÃO VI - PROJECTOS DE DESENVOLVIMENTO EDUCATIVO …………………………………… 41
Artigo 80º - Coordenação ………………………………………………………………………………………. 41
Artigo 81º - Competências …………………………………………………………………………………….. 41
Artigo 82º - Composição ……………………………………………………………………………………….. 41
Artigo 83º - Designação …………………………………………………………………………………………. 41
Artigo 84º - Mandato …………………………………………………………………………………………….. 41
Artigo 85º - Funcionamento ………………………………………………………………………………….. 42
SUBSECÇÃO VII - COORDENAÇÃO DA EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE ……………………………………. 42
Artigo 86º - Composição ………………………………………………………………………………………… 42
Artigo 87º - Competências …………………………………………………………………………………….. 42
SUBSECÇÃO VIII - COORDENAÇÃO DAS NOVAS ÁREAS CURRICULARES NÃO
DISCIPLINARES ……………………………………………………………………………………………………………………………….. 43
Artigo 88º - Composição ………………………………………………………………………………………… 43
Artigo 89º - Competências …………………………………………………………………………………….. 43
SECÇÃO IV- SERVIÇO ESPECIALIZADO DE APOIO EDUCATIVO ………………………………………………………… 43
SUBSECÇÃO I - NÚCEO DE APOIO EDUCATIVO ………………………………………………………………….. 43
Artigo 90º - Definição …………………………………………………………………………………………….. 43
Artigo 91º - Composição ………………………………………………………………………………………… 43
Artigo 92º - Competências …………………………………………………………………………………….. 44
SUBSECÇÃO II -UNIDADE DE MULTIDEFICIÊNCIA ……………………………………………………………… 46
Artigo 93º - Definição …………………………………………………………………………………………….. 46
Artigo 94º - Composição ………………………………………………………………………………………… 46
Artigo 95º - Competências …………………………………………………………………………………….. 46
Artigo 96º - Localização………………………………………………………………………………………….. 46
Artigo 97º - Horário ……………………………………………………………………………………………….. 47
SECÇÃO V - ESTRUTURA DE PARTICIPAÇÃO DE ALUNOS ……………………………………………………………….. 47

___________________________________________________________________________________________4
Regulamento Interno 2011/2013

SUBSECÇÃO I - DELEGADO E SUBDELEGADO DE TURMA …………………………………………………… 47


Artigo 98º - Eleição ………………………………………………………………………………………………… 47
Artigo 99º - Competências …………………………………………………………………………………….. 48
SUBSECÇÃO II - ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES …………………………………………………………………. 48
Artigo 100º - Definição …………………………………………………………………………………………… 48
Artigo 101º - Constituição ……………………………………………………………………………………… 48
Artigo 102º - Funcionamento ……………………………………………………………………………….. 48
Artigo 103º - Competências ………………………………………………………………………………….. 48

CAPÍTULO IV - PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE EDUCATIVA ………………………………………………………. 49


SECÇÃO I – ALUNOS ……………………………………………………………………………………………………………………….. 49
SUBSECÇÃO I - DIREITOS E DEVERES …………………………………………………………………………………. 49
Artigo 104º - Direitos …………………………………………………………………………………………….. 49
Artigo 105º - Deveres ……………………………………………………………………………………………. 51
Artigo 106º - Dever de Assiduidade ……………………………………………………………………… 52
Artigo 107º - Outras Regras de Conduta ……………………………………………………………… 53
Artigo 108º - Processo individual do Aluno …………………………………………………………. 53
SUBSECÇÃO II – FALTAS ……………………………………………………………………………………………………. 53
Artigo 109º - Faltas justificadas ……………………………………………………………………………. 53
Artigo 110º - Faltas injustificadas …………………………………………………………………………. 54
Artigo 111º - Efeito das faltas ……………………………………………………………………………….. 54
Artigo 112º - Efeito da ultrapassagem do limite de faltas injustificadas ……………….. 55
SUBSECÇÃO III - REGIME DISCIPLINAR …………………………………………………………………………….. 56
Artigo 113º - Qualidade da infracção …………………………………………………………………….. 56
Artigo 114º - Determinação da medida disciplinar …………………………………………………. 57
Artigo 115º - Medidas Correctivas …………………………………………………………………………. 57
Artigo 116º - Medidas disciplinares sancionatórias ……………………………………………….. 58
Artigo 117º - Cumulação de medidas disciplinares ………………………………………………… 59
Artigo 118º - Medidas correctivas e medidas disciplinares sancionatórias das
actividades de enriquecimento curricular do 1º ciclo …………………………………………………………. 59
SUBSECÇÃO IV - TUTORIAS ……………………………………………………………………………………………….. 60
Artigo 119º - Tutorias …………………………………………………………………………………………….. 60
SUBSECÇÃO V – PRÉMIO DE MÉRITO ……………………………………………………………………………….. 61
Artigo 120º - Prémio de Mérito ………………………………………………………………………………………….. 61
SECÇÃO II - PESSOAL DOCENTE ……………………………………………………………………………………………………… 61
SUBSECÇÃO I - DIREITOS E DEVERES …………………………………………………………………………………. 61
Artigo 121º - Direitos …………………………………………………………………………………………….. 62
Artigo 122º - Deveres …………………………………………………………………………………………….. 63
SUBSECÇÃO II - AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE …………………………… 64
Artigo 123º - Âmbito ……………………………………………………………………………………………… 64
Artigo 124º - Calendarização …………………………………………………………………………………. 65
Artigo 125º - Apreciação dos pais e encarregados de educação …………………………… 65
Artigo 126º - Comissão de Coordenação da Avaliação de Pessoal Docente …………. 65
SECÇÃO III - PESSOAL NÃO DOCENTE …………………………………………………………………………………………… 65
SUBSECÇÃO I - DIREITOS E DEVERES …………………………………………………………………………………. 65
Artigo 127º - Direitos ……………………………………………………………………………………………. 65
___________________________________________________________________________________________5
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 128º - Deveres …………………………………………………………………………………………….. 66


SUBSECÇÃO II - AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE …………………………… 69
Artigo 129º - Conselho Coordenador da Avaliação ………………………………………………… 69
SECÇÃO IV - ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO …………………………………………. 69
SUBSECÇÃO I - DIREITOS E DEVERES …………………………………………………………………………………. 69
Artigo 130º - Direitos …………………………………………………………………………………………….. 69
Artigo 131º - Deveres ……………………………………………………………………………………………. 70
Artigo 132º - Direitos e deveres dos encarregados de educação ………………………….. 70
SECÇÃO V - AUTARQUIA E OUTRAS ENTIDADES ……………………………………………………………………………. 71
Artigo 133º - Direitos …………………………………………………………………………………………….. 71
Artigo 134º - Deveres ……………………………………………………………………………………………. 71
Artigo 135º - Competências ………………………………………………………………………………….. 72

CAPÍTULO V - ORGANIZAÇÃO E NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS ESPAÇOS ESCOLARES E


SERVIÇOS ……………………………………………………………………………………………………………………………………… 72
SECÇÃO I - SERVIÇOS DE APOIO À COMUNIDADE ESCOLAR ………………………………………………………… 72
SUBSECÇÃO I - BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS ………………… 72
Artigo 136º - Definição …………………………………………………………………………………………. 72
Artigo 137º - Funcionamento ……………………………………………………………………………….. 73
Artigo 138º - Empréstimo Interbibliotecas …………………………………………………………. 74
Artigo 139º - Competências do Professor Bibliotecário ………………………………………… 75
SUBSECÇÃO II - SALA DE INFORMÁTICA …………………………………………………………………………… 75
Artigo 140º - Gestão e Funcionamento ………………………………………………………………… 75
SUBSECÇÃO III - INSTALAÇÕES DESPORTIVAS …………………………………………………………………. 76
Artigo 141º - Gestão e Funcionamento ……………………………………………………………….. 76
Artigo 142º - Funcionamento das Aulas de Educação Física e das Actividades do
Desporto Escolar ……………………………………………………………………………………………………………… 77
Artigo 143º - Equipamento………………………………………………………………………………….. 78
Artigo 144º - Material …………………………………………………………………………………………. 78
Artigo 145º - Segurança de Valores …………………………………………………………………….. 78
Artigo 146º - Saída das Instalações ……………………………………………………………………… 79
SUBSECÇÃO IV - ACTIVIDADES DE COMPLEMENTO CURRICULAR …………………………………. 79
Artigo 147º - Clubes Escolares e Projectos de Inovação Pedagógica …………………….. 79
SUBSECÇÃO V - APOIO AO ESTUDO ……………………………………………………………………………… 79
Artigo 148º - Aula de Apoio Pedagógico Acrescido ……………………………………………….. 80
Artigo 149º - Sala de estudo ………………………………………………………………………………….. 80
SUBSECÇÃO VI - DESPORTO ESCOLAR ……………………………………………………………………………. 82
Artigo 150º - Organização ……………………………………………………………………………………… 82
Artigo 151º - Níveis de Desenvolvimento ………………………………………………………………. 82
Artigo 152º - Objectivos ………………………………………………………………………………………… 83
Artigo 153º - Normas …………………………………………………………………………………………….. 83
SECÇÃO II - SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E TÉCNICO PEDAGÓGICOS …………………………………………. 84
Artigo 154º - Organização………………………………………………………………………………………. 84
Artigo 155º - Objectivos e Funcionamento …………………………………………………………… 84
SUBSECÇÃO I - PESSOAL ADMINISTRATIVO …………………………………………………………………… 84
Artigo 156º - Chefe de Serviços de Administração Escolar ……………………………………… 84
___________________________________________________________________________________________6
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 157º - Assistente Técnico ……………………………………………………………………………. 85


Artigo 158º - Tesoureiro ……………………………………………………………………………………….. 86
Artigo 159º - Gestores de Processos (Área alunos/ Sase) …………………………………….. 86
Artigo 160º - Gestores de Processos (Área pessoal/ vencimentos) ……………………….. 86
SUBSECÇÃO II - SERVIÇOS DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR …………………………………………………. 87
Artigo 161º - Definição e composição ……………………………………………………………………. 87
Artigo 162º -Competências ……………………………………………………………………………………. 87
Artigo 163º - Subsídios de Estudo ………………………………………………………………………….. 87
Artigo 164º - Transportes ………………………………………………………………………………………. 88
Artigo 165º - Seguro Escolar ………………………………………………………………………………….. 88
Artigo 166º - Leite Escolar ……………………………………………………………………………………… 89
SECÇÃO III - ASSITENTE OPERACIONAL ……………………………………………………………………………………… 89
Artigo 167º - Encarregado de Coordenação de Pessoal Auxiliar de Acção Educativa 89
Artigo 168º - Assistentes Operacionais ………………………………………………………………….. 90
SECÇÃO IV - ACESSO E CIRCULAÇÃO NOS RECINTOS ESCOLARES DO AGRUPAMENTO ……………….. 91
Artigo 169º - Portaria …………………………………………………………………………………………….. 91
Artigo 170º - Recepção ………………………………………………………………………………………….. 92
SECÇÃO V - OUTROS SERVIÇOS DE APOIO À ACÇÃO EDUCATIVA ………………………………………………. 93
SUBSECÇÃO I - REPROGRAFIA / PAPELARIA ………………………………………………………………….. 93
Artigo 171º - Gestão e funcionamento …………………………………………………………………. 93
SUBSECÇÃO II – BUFETE …….……………………………………………………………………………………………… 93
Artigo 172º - Gestão e Funcionamento ………………………………………………………………… 93
SUBSECÇÃO III – REFEITÓRIO ……………………………………………………………………………………….. 94
Artigo 173º - Gestão e Funcionamento ………………………………………………………………… 94

CAPÍTULO VII - FUNCIONAMENTO GERAL DO AGRUPAMENTO ………………………………………………….. 95


SECÇÃO I - VISITA DE ESTUDO …………………………………………………………………………………………………… 95
Artigo 174º - Organização ……………………………………………………………………………………… 95
Artigo 175º - Participação ……………………………………………………………………………………… 96
Artigo 176º - Execução …………………………………………………………………………………………. 96
Artigo 177º - Normas …………………………………………………………………………………………….. 97
SECCÇÃO II - ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ……………………………………………….. 97
Artigo 178º - Definição …………………………………………………………………………………………… 97
Artigo 179º - Organização ……………………………………………………………………………………… 97
Artigo 180º - Funcionamento ………………………………………………………………………………… 97
SECÇÃO III - COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ………………………… 98
Artigo 181º - Definição …………………………………………………………………………………………… 98
Artigo 182º - Organização ……………………………………………………………………………………… 98
Artigo 183º - Funcionamento ……………………………………………………………………………….. 98
SECÇÃO IV – NORMAS ……………………………………………………………………………………………………………… 98
Artigo 184º - Inventários ……………………………………………………………………………………….. 98
Artigo 185º - Faltas ……………………………………………………………………………………………….. 99
Artigo 186º - Actas ………………………………………………………………………………………………… 99
Artigo 187º - Livros de Ponto ………………………………………………………………………………. 99
Artigo 188º - Reuniões ………………………………………………………………………………………….. 100

___________________________________________________________________________________________7
Regulamento Interno 2011/2013

CAPÍTULO VIII - DISPOSIÇÕES FINAIS…………………………………………………………………………………………… 100


Artigo 189º - Regimentos ………………………………………………………………………………………. 100
Artigo 190º - Divulgação do Regulamento Interno ………………………………………………… 101
Artigo 191º - Revisão do Regulamento Interno ……………………………………………………… 101
Artigo 192º - Omissões …………………………………………………………………………………………. 101
Artigo 193º - Entrada em vigor ………………………………………………………………………………. 102

___________________________________________________________________________________________8
Regulamento Interno 2011/2013

PREÂMBULO

Ao agrupamento de escolas do Teixoso está confiada uma missão de serviço público, que consiste
em dotar todos e cada um dos cidadãos das competências e conhecimentos que lhes permitam explorar
plenamente as suas capacidades, integrar-se activamente na sociedade e dar um contributo para a vida
económica, social e cultural do concelho e do País.
O agrupamento de escolas do Teixoso tem necessidade de que, todos quantos nele trabalham,
prestem a sua colaboração leal e interessada para que se atinjam os objectivos inerentes ao processo
educativo. Para a consecução desses objectivos há necessidade de regulamentar a vida escolar.

CAPÍTULO I
DISPOSIÇÕES GERAIS

Artigo 1º
Objecto

Este documento define o regime de funcionamento do agrupamento de escolas do Teixoso, de


cada um dos seus órgãos de administração e gestão, das estruturas de orientação e dos serviços
administrativos, técnicos e técnico-pedagógicos, bem como os direitos e deveres dos membros da
comunidade escolar.

Artigo 2º
Âmbito de aplicação

1 – O disposto no regulamento interno aplica-se a todos os elementos da comunidade educativa


dos estabelecimentos de educação e ensino agrupados.
2 – O conceito de comunidade educativa integra os órgãos de administração e gestão, os alunos,
o pessoal docente e não docente, os pais e encarregados de educação, a autarquia, os representantes da
comunidade local e os visitantes em geral.

Artigo 3º
Princípios orientadores e objectivos

O regulamento interno consagra os princípios constantes no projecto educativo e do artigo 4º do


Decreto-Lei nº 75/2008, de 22 de Abril, nomeadamente:
a) Promover o sucesso e prevenir o abandono escolar dos alunos e desenvolver a qualidade do
serviço público de educação, em geral, e das aprendizagens e dos resultados escolares, em particular;
b) Promover a equidade social, criando condições para a concretização da igualdade de
oportunidades para todos;
c) Assegurar as melhores condições de estudo e de trabalho, de realização e de desenvolvimento
pessoal e profissional;
d) Cumprir e fazer cumprir os direitos e os deveres constantes das leis, normas ou regulamentos e
manter a disciplina;

___________________________________________________________________________________________9
Regulamento Interno 2011/2013

e) Observar o primado dos critérios de natureza pedagógica sobre os critérios de natureza


administrativa nos limites de uma gestão eficiente dos recursos disponíveis para o desenvolvimento da
sua missão;
f) Assegurar a estabilidade e a transparência da gestão e administração escolar, designadamente
através dos adequados meios de comunicação e informação;
g) Proporcionar condições para a participação dos membros da comunidade educativa e
promover a sua iniciativa.

CAPÍTULO II
REGIME DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DO AGRUPAMENTO

SECÇÃO I
ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO

Nos termos do regime de autonomia, administração e gestão o regulamento interno identifica


os seguintes órgãos:
a) O conselho geral;
b) O director;
c) O conselho pedagógico;
d) O conselho administrativo.

Artigo 4º
Incompatibilidade

Salvo em casos devidamente fundamentados e mediante parecer favorável do conselho geral,


não pode verificar-se o desempenho simultâneo de mais um cargo ou função sempre que daí resulte a
designação da mesma pessoa em mais de um órgão de administração e gestão.

SUBSECÇÃO I
CONSELHO GERAL

Artigo 5º
Definição

O conselho geral é o órgão de direcção estratégica responsável pela definição das linhas
orientadoras da actividade da escola, assegurando a participação e representação da comunidade
educativa.

___________________________________________________________________________________________10
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 6º
Composição

1 - O conselho geral é composto por vinte e um membros, assim distribuídos:


a) Sete elementos do pessoal docente (onde estarão representados os três níveis de ensino);
b) Dois elementos do pessoal não docente;
c) Seis elementos representantes dos pais e encarregados de educação;
d) Três representante do município;
e) Três representantes da comunidade local;
2 - O director participa nas reuniões do conselho geral, sem direito a voto.

Artigo 7º
Competências

1 – Ao conselho geral compete:


a) Eleger o respectivo presidente, de entre os seus membros;
b) Eleger o director.
c) Aprovar o projecto educativo e acompanhar e avaliar a sua execução;
d) Aprovar o regulamento interno do agrupamento de escolas ou escola não agrupada;
e) Aprovar o planos anual de actividades;
f) Apreciar os relatórios periódicos e aprovar o relatório final de execução do plano anual de
actividades;
g) Aprovar as propostas de contratos de autonomia;
h) Definir as linhas orientadoras para a elaboração do orçamento;
i) Definir as linhas orientadoras do planeamento e execução, pelo director, das actividades no
domínio da acção social escolar;
j) Aprovar o relatório de contas de gerência;
l) Apreciar os resultados do processo de auto-avaliação;
m) Pronunciar -se sobre os critérios de organização dos horários;
n) Acompanhar a acção dos demais órgãos de administração e gestão;
o) Promover o relacionamento com a comunidade educativa;
p) Definir os critérios para a participação da escola em actividades pedagógicas, científicas,
culturais e desportivas.
2 — O presidente é eleito por maioria absoluta dos votos dos membros do conselho geral em
efectividade de funções.
3 — No desempenho das suas competências, o conselho geral tem a faculdade de requerer aos
restantes órgãos as informações necessárias para realizar eficazmente o acompanhamento e a avaliação
do funcionamento do agrupamento de escolas ou escola não agrupada e de lhes dirigir recomendações,
com vista ao desenvolvimento do projecto educativo e ao cumprimento do plano anual de actividades.
4 — O conselho geral pode constituir no seu seio uma comissão permanente, na qual pode delegar
as competências de acompanhamento da actividade do agrupamento de escolas ou escola não agrupada
entre as suas reuniões ordinárias.
5 — A comissão permanente constitui -se como uma fracção do conselho geral, respeitada a
proporcionalidade dos corpos que nele têm representação.

___________________________________________________________________________________________11
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 8º
Designação dos representantes

1 — Os representantes dos alunos, do pessoal docente e do pessoal não docente no conselho


geral são eleitos separadamente pelos respectivos corpos.
2 — Os representantes dos pais e encarregados de educação são eleitos em assembleia geral de
pais e encarregados de educação do agrupamento de escolas, sob proposta das respectivas organizações
representativas.
3 — Os representantes do município são designados pela câmara municipal, podendo esta
delegar tal competência nas juntas de freguesia.
4 — Os representantes da comunidade local, quando se trate de individualidades ou
representantes de actividades de carácter económico, social, cultural e científico, são cooptados pelos
restantes membros do conselho geral, em reunião convocada para o efeito

Artigo 9º
Eleições

1 — Os representantes referidos no n.º 1 do artigo anterior candidatam-se à eleição,


apresentando -se em listas separadas.
2 — As listas devem conter a indicação dos candidatos a membros efectivos, em número igual ao
dos respectivos representantes no conselho geral, bem como dos candidatos a membros suplentes.
3 — As listas do pessoal docente devem assegurar preferencialmente a representação adequada
dos diferentes níveis e ciclos de ensino assim como a representação de, pelo menos, um professor titular.
4 — A conversão dos votos em mandatos faz -se de acordo com o método de representação
proporcional da média mais alta de Hondt.

Artigo 10º
Mandato

1 — O mandato dos membros do conselho geral tem a duração de quatro anos, sem prejuízo do
disposto nos números seguintes.
2 — Os membros do conselho geral são substituídos no exercício do cargo se entretanto
perderem a qualidade que determinou a respectiva eleição ou designação.
3 — As vagas resultantes da cessação do mandato dos membros eleitos são preenchidas pelo
primeiro candidato não eleito, segundo a respectiva ordem de precedência, na lista a que pertencia o
titular do mandato.
Artigo 11º
Funcionamento

O conselho geral reúne ordinariamente uma vez por trimestre, e extraordinariamente sempre
que seja convocada pelo respectivo presidente, por sua iniciativa, a requerimento de um terço dos seus
membros em efectividade de funções ou por solicitação do director.

___________________________________________________________________________________________12
Regulamento Interno 2011/2013

SUBSECÇÃO II
DIRECTOR

Artigo 12º
Definição

O director é o órgão de administração e gestão do agrupamento de escolas ou escola não agrupada


nas áreas pedagógica, cultural, administrativa, financeira e patrimonial.

Artigo 13º
Subdirector e adjuntos do director

O director é coadjuvado no exercício das suas funções por um subdirector e um adjunto.

Artigo 14º
Competências

1 - Compete ao director submeter à aprovação do conselho geral o projecto educativo elaborado


pelo conselho pedagógico.
2 - Ouvido o conselho pedagógico, compete também ao director:
a) Elaborar e submeter à aprovação do conselho geral:
i. As alterações ao regulamento interno;
ii. Os planos anual e plurianual de actividades;
iii. O relatório anual de actividades;
iv. As propostas de celebração de contratos de autonomia;
b) Aprovar o plano de formação e de actualização do pessoal docente e não docente, ouvido
também, no último caso, o município.
3 — No acto de apresentação ao conselho geral, o director faz acompanhar os documentos referidos
na alínea a) do número anterior dos pareceres do conselho pedagógico.
4 — Sem prejuízo das competências que lhe sejam cometidas por lei no plano da gestão pedagógica,
cultural, administrativa, financeira e patrimonial, compete ao director, em especial:
a) Definir o regime de funcionamento do agrupamento de escolas ou escola não agrupada;
b) Elaborar o projecto de orçamento, em conformidade com as linhas orientadoras definidas pelo
conselho geral;
c) Superintender na constituição de turmas e na elaboração de horários;
d) Distribuir o serviço docente e não docente;
e) Designar os coordenadores de escola ou estabelecimento de educação pré-escolar;
f) Designar os coordenadores dos departamentos curriculares e os directores de turma;
g) Planear e assegurar a execução das actividades no domínio da acção social escolar, em
conformidade com a linhas orientadoras definidas pelo conselho geral;
h) Gerir as instalações, espaços e equipamentos, bem como os outros recursos educativos;
i) Estabelecer protocolos e celebrar acordos de cooperação ou de associação com outras escolas e
instituições de formação, autarquias e colectividades, em conformidade com os critérios definidos pelo
conselho geral nos termos da alínea p) do artigo 7º;

___________________________________________________________________________________________13
Regulamento Interno 2011/2013

j) Proceder à selecção e recrutamento do pessoal docente, nos termos dos regimes legais
aplicáveis;
l) Dirigir superiormente os serviços administrativos, técnicos e técnico -pedagógicos.
5 — Compete ainda ao director:
a) Representar a escola;
c) Exercer o poder hierárquico em relação ao pessoal docente e não docente;
d) Exercer o poder disciplinar em relação aos alunos;
e) Intervir nos termos da lei no processo de avaliação de desempenho do pessoal docente;
f) Proceder à avaliação de desempenho do pessoal não docente.
6 — O director exerce ainda as competências que lhe forem delegadas pela administração educativa e
pela câmara municipal.
7 — O director pode delegar e subdelegar no subdirector e nos adjuntos as competências referidas nos
números anteriores.
8 — Nas suas faltas e impedimentos, o director é substituído pelo subdirector.

Artigo 15º
Recrutamento

1 — O director é eleito pelo conselho geral.


2 — Para recrutamento do director, desenvolve -se um procedimento concursal, prévio à eleição,
nos termos do artigo seguinte.
3 — Podem ser opositores ao procedimento concursal referido no número anterior docentes dos
quadros de nomeação definitiva do ensino público ou professores profissionalizados com contrato por
tempo indeterminado do ensino particular e cooperativo, em ambos os casos com, pelo menos, cinco
anos de serviço e qualificação para o exercício de funções de administração e gestão escolar, nos termos
do número seguinte.
4 — Consideram -se qualificados para o exercício de funções de administração e gestão escolar os
docentes que preencham uma das seguintes condições:
a) Sejam detentores de habilitação específica para o efeito, nos termos das alíneas b) e c) do
n.º 1 do artigo 56.º do Estatuto da Carreira Docente dos Educadores de Infância e dos Professores dos
Ensinos Básico e Secundário;
b) Possuam experiência correspondente a, pelo menos, um mandato completo no exercício
dos cargos de director ou adjunto do director, presidente ou vice-presidente do conselho executivo;
director executivo ou adjunto do director executivo; ou membro do conselho directivo, nos termos dos
regimes previstos respectivamente no presente decreto -lei ou no Decreto -Lei n.º 115 -A/98, de 4 de
Maio, alterado, por apreciação parlamentar, pela Lei n.º 24/99, de 22 de Abril, no Decreto -Lei n.º 172/91,
de 10 de Maio, e no Decreto -Lei n.º 769 -A/76, de 23 de Outubro;
c) Possuam experiência de, pelo menos, três anos como director ou director pedagógico de
estabelecimento do ensino particular e cooperativo.
5 — O subdirector e os adjuntos são nomeados pelo director de entre docentes dos quadros de
nomeação definitiva que contem pelo menos cinco anos de serviço e se encontrem em exercício de
funções no agrupamento de escolas.

___________________________________________________________________________________________14
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 16º
Procedimento concursal

1 —O procedimento concursal é aberto por aviso publicitado do seguinte modo:


a) Em local apropriado das instalações do agrupamento;
b) Na página electrónica do agrupamento e na da direcção regional de educação respectiva;
c) Por aviso publicado na 2.ª série do Diário da República e divulgado em órgão de imprensa de
expansão nacional através de anúncio que contenha referência ao Diário da República em que o referido
aviso se encontra publicado.
2 — No acto de apresentação da sua candidatura os candidatos fazem entrega do seu curriculum
vitae, e de um projecto de intervenção na escola.
3 — Com o objectivo de proceder à apreciação das candidaturas, o conselho geral incumbe a sua
comissão permanente ou uma comissão especialmente designada para o efeito de elaborar um relatório
de avaliação.
4 — Para efeitos da avaliação das candidaturas, a comissão referida no número anterior considera
obrigatoriamente:
a) A análise do curriculum vitae de cada candidato, designadamente para efeitos de apreciação
da sua relevância para o exercício das funções de director e do seu mérito;
b) A análise do projecto de intervenção na escola;
c) O resultado de entrevista individual realizada com o candidato.

Artigo 17º
Eleição

1 — O conselho geral procede à discussão e apreciação do relatório referido no artigo anterior,


podendo na sequência dessa apreciação decidir proceder à audição dos candidatos.
2 — Após a discussão e apreciação do relatório e a eventual audição dos candidatos, o conselho
geral procede à eleição do director, considerando-se eleito o candidato que obtenha maioria absoluta dos
votos dos membros do conselho geral em efectividade de funções.
3 — No caso de nenhum candidato sair vencedor, nos termos do número anterior, o conselho
geral reúne novamente, no prazo máximo de cinco dias úteis, para proceder a novo escrutínio, ao qual
são apenas admitidos os dois candidatos mais votados na primeira eleição e sendo considerado eleito
aquele que obtiver maior número de votos, desde que respeitado o quórum legal e regulamentarmente
exigido para que o conselho geral possa deliberar.
4 — O resultado da eleição do director é homologado pelo director regional de educação
respectivo nos 10 dias úteis posteriores à sua comunicação pelo presidente do conselho geral,
considerando -se após esse prazo tacitamente homologado.
5 — A recusa de homologação apenas pode fundamentar-se na violação da lei ou dos
regulamentos, designadamente do procedimento eleitoral.

Artigo 18º
Posse

1 — O director toma posse perante o conselho geral nos 30 dias subsequentes à homologação
dos resultados eleitorais pelo director regional de educação.

___________________________________________________________________________________________15
Regulamento Interno 2011/2013

2 — O director designa o subdirector e os seus adjuntos no prazo máximo de 30 dias após a sua
tomada de posse.
3 — O subdirector e os adjuntos do director tomam posse nos 30 dias subsequentes à sua
designação pelo director.

Artigo 19º
Mandato

1 — O mandato do director tem a duração de quatro anos.


2 — Até 60 dias antes do termo do mandato do director, o conselho geral delibera sobre a
recondução do director ou a abertura do procedimento concursal tendo em vista a realização de nova
eleição.
3 — A decisão de recondução do director é tomada por maioria absoluta dos membros do
conselho geral em efectividade de funções, não sendo permitida a sua recondução para um terceiro
mandato consecutivo.
4 — Não é permitida a eleição para um quinto mandato consecutivo ou durante o quadriénio
imediatamente subsequente ao termo do quarto mandato consecutivo.
5 — Não sendo ou não podendo ser aprovada a recondução do director de acordo com o disposto
nos números anteriores, abre-se o procedimento concursal tendo em vista a eleição do director, nos
termos do artigo 16º
6 — O mandato do director pode cessar:
a) A requerimento do interessado, dirigido ao director regional de educação, com a
antecedência mínima de 45 dias, fundamentado em motivos devidamente justificados;
b) No final do ano escolar, por deliberação do conselho geral aprovada por maioria de dois
terços dos membros em efectividade de funções, em caso de manifesta desadequação da respectiva
gestão, fundada em factos comprovados e informações, devidamente fundamentadas, apresentados por
qualquer membro do conselho geral;
c) Na sequência de processo disciplinar que tenha concluído pela aplicação de sanção
disciplinar de cessação da comissão de serviço, nos termos da lei.
7 — A cessação do mandato do director determina a abertura de um novo procedimento
concursal.
8 — Os mandatos do subdirector e dos adjuntos têm a duração de quatro anos e cessam com o
mandato do director.
9 — O subdirector e os adjuntos podem ser exonerados a todo o tempo por decisão
fundamentada do director.

Artigo 20º
Assessoria da direcção

1 — Para apoio à actividade do director e mediante proposta deste, o conselho geral pode
autorizar a constituição de assessorias técnico -pedagógicas, para as quais são designados docentes em
exercício de funções no agrupamento.
2 — Compete aos assessores:
a) Apoiar a organização e arranque do ano lectivo;
b) Coordenar serviços de acção social e escolar;

___________________________________________________________________________________________16
Regulamento Interno 2011/2013

c) Apoiar a organização das reuniões de carácter pedagógico e de avaliação;


d) Gerir os recursos de gestão e informática, nomeadamente na área de alunos;
e) Apoiar na gestão das instalações e equipamentos escolares;
f) Outras competências que o director venha a definir.

SUBSECÇÃO III
CONSELHO PEDAGÓGICO

Artigo 21º
Definição

O conselho pedagógico é o órgão de coordenação e supervisão pedagógica e orientação educativa


do agrupamento de escolas ou escola não agrupada, nomeadamente nos domínios pedagógico-didáctico,
da orientação e acompanhamento dos alunos e da formação inicial e contínua do pessoal docente e não
docente.

Artigo 22º
Composição

1 - O conselho pedagógico é constituído por doze membros distribuídos da forma que se segue:
a) Director;
b) Coordenador do departamento do pré – escolar;
c) Coordenador do departamento do 1º Ciclo;
d) Coordenador do departamento de línguas;
e) Coordenador do departamento de ciências sociais e humanas;
f) Coordenador do departamento de matemática e ciências experimentais;
g) Coordenador do departamento das expressões;
h) Coordenador dos directores de turma;
i) Coordenador de escola;
j) Coordenador da biblioteca escolar / centro de recursos educativos;
k) Representante do pessoal não docente;
l) Representante dos pais e encarregados de educação;
2 - O director é o presidente do conselho pedagógico.
3 – Os seis departamentos curriculares são coordenados por professores titulares, designados
pelo director.
4 – O coordenador dos directores de turma é designado pelo director.
5 – Os coordenadores de escola, da biblioteca escolar/centro de recursos educativos são
designados pelo director.
6 – O representante do pessoal não docente é eleito anualmente de entre os seus pares.
7 – O representante dos pais e encarregados de educação é eleito em assembleia geral, sob
proposta das respectivas associações/representações de pais.

___________________________________________________________________________________________17
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 23º
Competências

Ao conselho pedagógico compete:


a) Elaborar a proposta de projecto educativo a submeter pelo director ao conselho geral;
b) Apresentar propostas para a elaboração do regulamento interno e dos planos anual e
plurianual de actividade e emitir parecer sobre os respectivos projectos;
c) Emitir parecer sobre as propostas de celebração de contratos de autonomia;
d) Apresentar propostas e emitir parecer sobre a elaboração do plano de formação e de
actualização do pessoal docente e não docente;
e) Definir critérios gerais nos domínios da informação e da orientação escolar e vocacional, do
acompanhamento pedagógico e da avaliação dos alunos;
f) Propor aos órgãos competentes a criação de áreas disciplinares ou disciplinas de conteúdo
regional e local, bem como as respectivas estruturas programáticas;
g) Definir princípios gerais nos domínios da articulação e diversificação curricular, dos apoios e
complementos educativos e das modalidades especiais de educação escolar;
h) Adoptar os manuais escolares, ouvidos os departamentos curriculares;
i) Propor o desenvolvimento de experiências de inovação pedagógica e de formação, no âmbito
do agrupamento de escolas ou escola não agrupada e em articulação com instituições ou
estabelecimentos do ensino superior vocacionados para a formação e a investigação;
j) Promover e apoiar iniciativas de natureza formativa e cultural;
l) Definir os critérios gerais a que deve obedecer a elaboração dos horários;
m) Definir os requisitos para a contratação de pessoal docente e não docente, de acordo com o
disposto na legislação aplicável;
n) Proceder ao acompanhamento e avaliação da execução das suas deliberações e
recomendações;
o) Intervir, nos termos da lei, no processo de avaliação do desempenho dos docentes;
p) Dar parecer no sentido de ajustamento do calendário escolar, dos três níveis de ensino;
q) Definir os critérios de avaliação por ciclo e por ano, que vão ser operacionalizados pelo
conselho de turma/professores titulares de turma no âmbito do projecto curricular de turma sob
proposta dos departamentos;
r) Definir os critérios de avaliação para uma segunda retenção no mesmo ano do mesmo ciclo;
s) Exercer as demais competências que lhe forem atribuídas na lei e no regulamento interno.

Artigo 24º
Mandato

1 - O mandato dos membros do conselho pedagógico tem a duração de 4 anos.


2 - Os membros do conselho pedagógico entrarão em funções ou continuarão o exercício do seu
mandato, a 1 de Setembro de cada ano lectivo.
3 - Os membros do conselho pedagógico que forem designados, entrarão em funções
imediatamente após essa designação.
4 - A cessação de funções de qualquer membro docente do conselho pedagógico, ocorre a
pedido do interessado ou de pelo menos dois terços dos membros docentes do órgão de apoio a que
pertence, e carece de parecer do conselho pedagógico baseado na fundamentação do(s) interessado(s).

___________________________________________________________________________________________18
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 25º
Funcionamento

1- O conselho pedagógico reúne ordinariamente uma vez por mês , na segunda quarta-feira do
mês, e extraordinariamente sempre que seja convocado pelo respectivo presidente, por sua iniciativa, a
requerimento de um terço dos seus membros em efectividade de funções ou sempre que um pedido de
parecer do conselho geral ou do director o justifique.
2 - Nas reuniões em que sejam tratados assuntos que envolvam sigilo, sobre matéria de provas de
exame e de avaliação global, apenas participam os membros Docentes.

SUBSECÇÃO IV
CONSELHO ADMINISTRATIVO

Artigo 26º
Definição

O conselho administrativo é o órgão deliberativo em matéria administrativo - financeira do


agrupamento, nos termos da legislação em vigor.

Artigo 27º
Composição

O conselho administrativo tem a seguinte composição:


a) O director, que preside;
b) O subdirector ou um dos adjuntos do director, por ele designado para o efeito;
c) O chefe dos serviços de administração escolar, ou quem o substitua.

Artigo 28º
Competências

Ao conselho administrativo compete:


a) Aprovar o projecto de orçamento anual do agrupamento, em conformidade com as linhas
orientadoras definidas pelo conselho geral;
b) Elaborar o relatório de contas de gerência;
c) Autorizar a realização de despesas e o respectivo pagamento, fiscalizar a cobrança de receitas e
verificar a legalidade da gestão financeira do Agrupamento;
d) Zelar pela actualização do cadastro patrimonial do agrupamento;
e) Exercer as demais competências que lhe estão legalmente cometidas.

Artigo 29º
Funcionamento

1 - O conselho administrativo reúne ordinariamente uma vez por mês e extraordinariamente sempre
que o director o convoque, por sua iniciativa ou a requerimento de qualquer dos restantes membros.
2 – O mandato do conselho administrativo terá a duração de quatro anos;

___________________________________________________________________________________________19
Regulamento Interno 2011/2013

3 - Nas faltas ou impedimento do director, este será substituído pelo subdirector ou pelo adjunto que
tenha sido designado para o efeito.

SECÇÃO II
COORDENAÇÃO DE ESCOLA

1 — A coordenação de cada estabelecimento de educação pré -escolar ou de escola integrada num


agrupamento é assegurada por um coordenador.
2 — Nas escolas em que funcione a sede do agrupamento, bem como nos que tenham menos de três
docentes em exercício efectivo de funções, não há lugar à designação de coordenador.
3 — O coordenador é designado pelo director, de entre os professores em exercício efectivo de
funções na escola ou no estabelecimento de educação pré -escolar e, sempre que possível, entre
professores titulares.

Artigo 30º
Competências

Compete ao coordenador de escola ou estabelecimento de educação pré -escolar:


a) Coordenar as actividades educativas, em articulação com o director;
b) Cumprir e fazer cumprir as decisões do director e exercer as competências que por esta lhe
forem delegadas;
c) Transmitir as informações relativas a pessoal docente e não docente e aos alunos;
d) Promover e incentivar a participação dos pais e encarregados de educação, dos interesses
locais e da autarquia nas actividades educativas.

Artigo 31º
Mandato

1 - A duração do mandato do coordenador de estabelecimento é de quatro anos escolares e cessa


com o mandato do Director.
2 - O coordenador de estabelecimento poderá ser exonerado a todo o tempo por despacho
fundamentado do Director.

CAPÍTULO III
ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA

SECÇÃO I
ESTRUTURAS DE COORDENAÇÃO E SUPERVISÃO PEDAGÓGICA

1 — Com vista ao desenvolvimento do projecto educativo, as estruturas que colaboram com o


conselho pedagógico e com o director, no sentido de assegurar a coordenação, supervisão e
acompanhamento das actividades escolares, promover o trabalho colaborativo e realizar a avaliação de
desempenho do pessoal docente.
2 — A coordenação educativa e a supervisão pedagógica são asseguradas por:

___________________________________________________________________________________________20
Regulamento Interno 2011/2013

a) Departamentos curriculares;
b) Coordenação de turma/ano;
c) Coordenação dos cursos de educação e formação;
d) Coordenação do plano tecnológico da educação;
e) Coordenação da educação para a saúde;
f) Coordenação das novas áreas curriculares não disciplinares;
g) Coordenação da BE/CRE;
h) Coordenação da sala de estudo;
i) Coordenação dos projectos de desenvolvimento educativo;
j) Coordenação da avaliação interna;
k) Coordenação do plano da matemática;
l) Coordenação das ciências experimentais;
m) Coordenação do programa de língua portuguesa;
n) Coordenação de equipas de articulação curricular;
o) Coordenação das actividades de enriquecimento curricular;
p) Coordenação da componente de apoio à família.

SUBSECÇÃO I
DEPARTAMENTOS CURRICULARES

Artigo 32º
Definição

A articulação e gestão curricular devem promover a cooperação entre os docentes do


agrupamento, procurando adequar o currículo às necessidades específicas dos alunos.

Artigo 33º
Composição

1- A articulação e gestão curricular são asseguradas por departamentos curriculares nos quais se
encontram representados os grupos de recrutamento e áreas disciplinares:
a) Departamento da educação pré-escolar:
100 - Educação pré-escolar
b) Departamento do 1º Ciclo do ensino básico:
110 - 1º Ciclo do ensino básico
c) Departamento de línguas:
210 - Português e francês; 220 - Português e inglês; 300 – Português; 320 – Francês;
330 – Inglês;350 – Espanhol.
d) Departamento de ciências sociais e humanas:
200 - Português e estudos sociais/história; 290 – Educação moral e religiosa católica;
400 – História; 420 – Geografia.
e) Departamento de matemática e ciências experimentais:
230 - Matemática e ciências da natureza; 500 - Matemática; 510 - Física e química;
520 - Biologia e geologia; 550 – Informática.
f) Departamento de expressões:

___________________________________________________________________________________________21
Regulamento Interno 2011/2013

240 – Educação visual e tecnológica; 250 – Educação musical; 260 – Educação física;
530 – Educação tecnológica; 600 – Artes Visuais; 620 – Educação Física; 910 –
Educação Especial 1.
2 - Cada departamento curricular tem um coordenador e, de acordo com as disciplinas que o
compõem, tem os seguintes subcoordenadores:
a) de língua portuguesa;
b) de línguas estrangeiras;
c) de matemática e TIC;
d) de ciências experimentais;
e) de expressões artísticas
f) de expressões físicas.
3 – Os departamentos curriculares são coordenados por professores titulares, designados pelo
director.
4 – Os subcoordenadores são eleitos pelos seus pares.
5 - O mandato dos coordenadores e dos subcoordenadores dos departamentos curriculares tem
a duração de quatro anos e cessa com o mandato do director.

Artigo 34º
Competências

Compete aos departamentos curriculares:


a) Planificar e adequar à realidade do agrupamento de escolas a aplicação dos planos de estudo
estabelecidos ao nível nacional;
b) Elaborar e aplicar medidas de reforço no domínio das didácticas específicas das disciplinas;
c) Assegurar, de forma articulada com outras estruturas de orientação educativa do
agrupamento, a adopção de metodologias específicas destinadas ao desenvolvimento quer dos
planos de estudo quer das componentes de âmbito local do currículo;
d) Colaborar na actualização do projecto educativo, do projecto curricular de agrupamento e do
regulamento interno;
e) Analisar a oportunidade de adopção de medidas de gestão flexível dos currículos e de outras
medidas destinadas a melhorar as aprendizagens e a prevenir a exclusão;
f) Elaborar propostas curriculares diversificadas, em função da especificidade de grupos de
alunos;
g) Assegurar a coordenação de procedimentos e formas de actuação nos domínios da aplicação
de estratégias de diferenciação pedagógica e da avaliação das aprendizagens;
h) Identificar necessidades de formação dos docentes;
i) Analisar e reflectir sobre as práticas educativas e o seu contexto;
j) Coordenar as actividades pedagógicas no domínio da implementação dos planos curriculares,
bem como de outras actividades educativas;
k) Analisar e debater em articulação com outras escolas, questões relativas à adopção de
modelos pedagógicos, de métodos de ensino e de avaliação, de materiais de ensino - aprendizagem e
manuais escolares;
l) Desenvolver e apoiar projectos educativos de âmbito local e regional, numa perspectiva de
investigação - acção, de acordo com os recursos do agrupamento ou através da colaboração com
outras escolas e entidades;

___________________________________________________________________________________________22
Regulamento Interno 2011/2013

m) Colaborar na elaboração de competências essenciais, bem como na elaboração de provas, no


quadro do sistema de avaliação dos Alunos do ensino básico.
n) Desenvolver medidas no domínio da formação dos docentes, quer no âmbito da formação
contínua, quer no apoio aos que se encontram na formação inicial;
o) Colaborar na elaboração e avaliação trimestral do plano anual de actividades, tendo em vista
a concretização do projecto educativo do agrupamento;
p) Elaborar os estudos e/ou pareceres no que se refere a programas, métodos, organização
curricular, processos e critérios de avaliação de docentes e discentes;
q) Apoiar os professores em profissionalização, nomeadamente na partilha de experiências e
recursos de formação;
r) Propor os manuais escolares a adoptar, depois de ouvidos os grupos disciplinares;
s) Assegurar a articulação curricular vertical entre a educação pré-escolar e o 1º ciclo, entre o
1º e o 2º ciclos e entre o 2º e o 3º ciclos;
t) Colaborar na inventariação das necessidades em equipamentos e material didáctico e
promover a interdisciplinaridade, assim como o intercâmbio de recursos pedagógicos e materiais
com outras escolas;
u) Elaborar o regimento interno, nos primeiros trinta dias do respectivo mandato;
v) Rever o regimento interno de funcionamento sempre que tal se justifique.

Artigo 35º
Coordenação

Aos coordenadores de departamento, compete:


a) Representar o departamento curricular no conselho pedagógico;
b) Presidir às reuniões do departamento curricular;
c) Organizar, orientar e coordenar o departamento curricular;
d) Assegurar a coordenação curricular e pedagógica;
e) Promover a articulação com outras estruturas ou serviços da Escola com vista ao
desenvolvimento de estratégias de diferenciação pedagógica;
f) Propor ao conselho pedagógico o desenvolvimento de componentes curriculares locais e a
adopção de medidas destinadas a melhorar as aprendizagens dos alunos;
g) Assegurar a articulação curricular entre as disciplinas e ciclos que compõem o departamento;
h) Assegurar, na medida do possível, a interdisciplinaridade, relacionando a actividade do seu
departamento com a dos outros departamentos;
i) Cooperar na elaboração, desenvolvimento e avaliação dos instrumentos de autonomia do
agrupamento;
j) Promover a realização de actividades de investigação, reflexão e de estudo, visando a
melhoria da qualidade das práticas educativas;
k) Proceder à avaliação de desempenho do pessoal não docente;
l) Apresentar ao director um relatório crítico, anual, do trabalho desenvolvido.
m) Promover a troca de experiências e a cooperação entre todos os docentes que integram o
departamento curricular;
n) Assegurar a coordenação das orientações curriculares e dos programas de estudo,
promovendo a adequação dos seus objectivos e conteúdos à situação concreta da Escola.
o) Apresentar ao director um relatório crítico, anual, do trabalho desenvolvido.

___________________________________________________________________________________________23
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 36º
Funcionamento

Cada departamento curricular reúne em plenário, ordinariamente, pelo menos duas vezes por
período, e extraordinariamente sempre que seja convocado pelo respectivo Coordenador, por sua
iniciativa, a requerimento de um terço dos seus membros em efectividade de funções ou sempre que um
pedido de parecer do director o justifique.

SUBSECÇÃO II
ÁREAS DISCIPLINARES

Artigo 37º
Subcoordenação

Compete aos subcoordenadores:


a) Definir as competências respeitantes às disciplinas que os integram;
b) Coordenar a organização e planificação das actividades lectivas e não lectivas, da sua disciplina;
c) Coordenar a planificação das actividades pedagógicas e promover a troca de experiências e a
cooperação entre os Professores do grupo ou área disciplinar que coordena e entre estes e os restantes
grupos ou áreas disciplinares do Departamento;
d) Promover a constituição de equipas de trabalho que permitam o pleno desenvolvimento das
competências do grupo ou área disciplinar;
e) Analisar, seleccionar e propor ao coordenador de departamento os manuais escolares a
adoptar pelo grupo disciplinar;
f) Estabelecer critérios de avaliação formativa/sumativa específicos;
g) Disponibilizar as planificações curriculares anuais e mensais e proceder à aferição de conteúdos
curriculares mensalmente;
h) Elaborar os testes finais e as provas de exame a nível de escola de acordo com os critérios
definidos em grupo disciplinar.

Artigo 38º
Funcionamento

As áreas disciplinares que integram os departamentos curriculares reúnem ordinariamente, pelo


menos duas vezes por período, e extraordinariamente sempre que seja convocado pelo respectivo
Subcoordenador, por sua iniciativa, a requerimento de um terço dos seus membros em efectividade de
funções ou sempre que um pedido de parecer do director o justifique.

___________________________________________________________________________________________24
Regulamento Interno 2011/2013

SUBSECÇÃO III
CONSELHOS DE ANO

Artigo 39º
Conselho de Ano (1º ciclo)

Os conselhos de ano são as estruturas de orientação educativa responsáveis pela organização,


acompanhamento e avaliação dos currículos e das actividades a desenvolver com os alunos do 1º Ciclo do
Ensino Básico.

Artigo 40º
Composição

Cada conselho de ano é constituído pelos:


a) Professores titulares de turmas do ano de escolaridade respectivo e professores de apoio
educativo;
b) Professores que, leccionando turmas com alunos de dois anos de escolaridade são integrados
num dos Conselhos de acordo com o número de alunos;
c) Professores em funções não lectivas que tenham optado por integrar esse Conselho de Ano.

Artigo 41º
Competências

São competências específicas do conselho de ano:


a) Assegurar a continuidade do percurso escolar dos alunos ao longo do 1º Ciclo e na sua
transição para o 2º ciclo;
b) Assegurar a planificação, a organização, o acompanhamento e a avaliação das actividades e dos
projectos a desenvolver com os alunos, de cada um dos anos de escolaridade do 1º ciclo, de acordo com a
orientação do Conselho Pedagógico;
c) Articular com o professor titular de turma e os professores de apoio educativo o reajustamento
do Projecto Curricular de Agrupamento ao ano e turma;
d) Cooperar com outras estruturas de orientação educativa e com os serviços especializados de
apoio educativo na gestão adequada de recursos e na adopção de medidas pedagógicas destinadas a
melhorar as aprendizagens;
e) Estabelecer critérios de avaliação formativa/sumativa específicos;
f) Elaborar e propor competências essenciais por área disciplinar (Língua Portuguesa, Matemática,
Estudo do Meio e Expressões) e por ano;
g) Analisar e propor a adopção de manuais escolares para o 1º Ciclo;
h) Articular entre o 1º Ciclo, o Pré-escolar e o 2º ciclo, o desenvolvimento de projectos, conteúdos
programáticos e objectivos de aprendizagem;
i) Submeter ao coordenador de departamento, com assento no conselho pedagógico, as
propostas do conselho de ano que coordena;
i) Elaborar os testes finais de acordo com os critérios definidos em conselho de ano.
j) Disponibilizar as planificações curriculares anuais e mensais e proceder à aferição de conteúdos
curriculares mensalmente;

___________________________________________________________________________________________25
Regulamento Interno 2011/2013

k) Elaborar o respectivo regimento interno definindo as normas de organização e funcionamento.

SECÇÃO II
ESTRUTURAS DE ORGANIZAÇÃO DAS ACTIVIDADES DA TURMA

Em cada estabelecimento, a organização, o acompanhamento e a avaliação a desenvolver com as


crianças ou com os alunos pressupõe a elaboração de um projecto curricular de turma, o qual deve
integrar estratégias de diferenciação pedagógica e de adequação curricular para o contexto da sala de
actividades ou da turma, destinadas a promover a melhoria das condições de aprendizagem e a
articulação Escola / Família, sendo da responsabilidade:
a) Aos educadores de infância , na educação pré-escolar;
b) Aos professores titulares de turma , no 1º ciclo;
c) Ao conselho de turma, no 2º e 3º ciclos;
d) À equipa pedagógica, nos cursos de educação e formação de jovens.

SUBSECÇÃO I
COORDENAÇÃO DE TURMA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

Artigo 42º
Competências do educador de infância

Compete ao Educador Titular de Turma da Educação Pré-escolar:


a) Planificar as actividades, de acordo com as orientações curriculares para a educação pré-
escolar, tendo em conta o nível de desenvolvimento das crianças;
b) Promover as melhores condições de aprendizagem em articulação com a família;
c) Zelar pela supervisão pedagógica e acompanhamento da execução das actividades de animação
e apoio à família no âmbito da educação pré-escolar e no âmbito do prolongamento de horário;
d) Promover o desenvolvimento pessoal e social da criança com base em experiências de vida
democrática numa perspectiva de educação para a cidadania;
e) Fomentar a inserção da criança em grupos sociais diversos, no respeito pela pluralidade das
culturas, favorecendo uma progressiva consciência do seu papel como membro da sociedade;
f) Contribuir para a igualdade de oportunidades no acesso à escola e para o sucesso da
aprendizagem;
g) Estimular o desenvolvimento global de cada criança, no respeito pelas suas características
individuais, incutindo comportamentos que favoreçam aprendizagens significativas e diversificadas;
h) Desenvolver a Expressão e a Comunicação através da utilização de linguagens múltiplas como
meios de relação, de informação, de sensibilização estética e de compreensão do mundo;
i) Despertar a curiosidade e o pensamento crítico;
j) Proporcionar a cada criança condições de bem-estar e de segurança, designadamente, no
âmbito da saúde individual e colectiva;
k) Proceder à despistagem de inadaptações, deficiências e precocidades, promovendo a melhor
orientação e encaminhamento da criança;
l) Incentivar a participação das famílias no processo educativo e estabelecer relações de efectiva
colaboração com a comunidade;

___________________________________________________________________________________________26
Regulamento Interno 2011/2013

m) Divulgar o regulamento interno junto dos encarregados de educação, no início do ano lectivo,
e fazer subscrever uma declaração anual de aceitação do mesmo;
n) Promover a articulação com o 1º ciclo do ensino básico, nomeadamente, na partilha de
informações no início de cada ano lectivo, de modo a alcançar uma adequada transição entre os dois
níveis de ensino.

SUBSECÇÃO II
COORDENAÇÃO DE TURMA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

Artigo 43º
Competências do docente Titulares de Turma

Compete ao professor titular de turma de 1º Ciclo:


a) Analisar a situação da turma e identificar características específicas dos alunos a considerar no
processo de ensino/aprendizagem;
b) Assegurar a adopção de estratégias coordenadas, relativamente aos alunos da turma, bem
como a criação de condições para a realização de actividades interdisciplinares;
c) Planificar o desenvolvimento das actividades a realizar com os alunos em contexto de sala de
aula;
d) Identificar diferentes ritmos de aprendizagem e necessidades educativas especiais dos alunos,
promovendo a articulação com os respectivo serviços especializados de apoio educativo, em ordem à sua
superação;
e) Assegurar a adequação do currículo às características específicas dos alunos, estabelecendo
prioridades, níveis de aprofundamento e sequências adequadas;
f) Adoptar estratégias de diferenciação pedagógica que favoreçam as aprendizagens dos alunos;
g) Conceber e delinear actividades em complemento do currículo proposto;
h) Elaborar, implementar e avaliar o projecto curricular de turma;
i) Promover a rentabilização dos recursos e serviços existentes na comunidade escolar e
educativa, mantendo os alunos e encarregados de educação informados da sua existência;
j) Elaborar e preservar o processo individual do aluno, facultando apenas a sua consulta aos
respectivos pais e encarregados de educação e ao aluno;
k) Proceder à implementação, desenvolvimento e avaliação das actividades curriculares não
disciplinares;
l) Dar parecer, quando solicitado ou por iniciativa própria, sobre todas as questões de natureza
pedagógica e disciplinar que à turma digam respeito;
m) Acompanhar a progressão das actividades inerentes à concretização dos projectos;
n) Proceder à avaliação dos projectos;
o) Estabelecer medidas relativas a apoios e complementos educativos a proporcionar a alunos;
p) Divulgar o regulamento interno junto dos alunos e encarregados de educação, no início do ano
lectivo, e fazer subscrever uma declaração anual de aceitação do mesmo;
q) Analisar situações de insucesso e/ou indisciplina ocorridas com alunos da turma e colaborar no
estabelecimento de medidas de apoio que julgar ajustadas;
r) Preparar e entregar aos pais e encarregados de educação a informação adequada, relativa ao
processo de aprendizagem e avaliação dos alunos;

___________________________________________________________________________________________27
Regulamento Interno 2011/2013

s) Colaborar em actividades culturais, desportivas e recreativas que envolvam os alunos e a


comunidade;
t) Zelar pela supervisão pedagógica e acompanhamento da execução das actividades de
enriquecimento curricular no 1º Ciclo do Ensino Básico;
u) Promover a articulação com o 2º ciclo do ensino básico, nomeadamente, na partilha de
informações no início de cada ano lectivo, de modo a alcançar uma adequada transição entre os dois
níveis de ensino.

SUBSECÇÃO III
COORDENAÇÃO DE TURMA NO 2º/3º CICLO DO ENSINO BÁSICO

Artigo 44º
Composição

1 - O Conselho de Turma é composto por:


a) Todos os docentes da turma;
b) Um representante dos pais e encarregados de educação da turma;
c) Um representante dos alunos, no caso do 3º ciclo.
2 - Para coordenar o trabalho do conselho de turma, o director designa um director de turma de
entre os professores da mesma, sempre que possível pertencente ao quadro do agrupamento.
3 - No 2º ciclo, sempre que necessário, ou se torne imprescindível, o delegado e o subdelegado de
turma podem também ser convocados ao conselho de turma pelo respectivo director de turma.
4 - Sempre que a turma integre alunos com necessidades educativas especiais, o conselho de
turma deverá ter um docente de educação especial, quando necessário, podem ser convidados outros
técnicos do núcleo de apoio educativo;

Artigo 45º
Competências

Compete ao Conselho de Turma:


a) Analisar a situação da turma e identificar características específicas dos alunos a ter em conta
no processo de ensino e aprendizagem;
b) Analisar dificuldades, ritmos de aprendizagem e outras necessidades dos alunos, colaborando
com os serviços de apoio existentes no Agrupamento nos domínios psicológico e sócio-educativo, de
forma a superar as dificuldades;
c) Articular as actividades dos professores da turma com as dos Departamentos Curriculares,
designadamente no que se refere ao planeamento e coordenação de actividades interdisciplinares a nível
da turma;
d) Elaborar, implementar e avaliar o projecto curricular de turma;
e) Proceder à implementação, desenvolvimento, coordenação e avaliação das actividades no
âmbito das áreas curriculares não disciplinares, no seio da turma;
f) Dar parecer, quando solicitado ou por iniciativa própria, sobre todas as questões de natureza
pedagógica e disciplinar que à turma digam respeito;

___________________________________________________________________________________________28
Regulamento Interno 2011/2013

g) Acompanhar a progressão das actividades inerentes à concretização dos projectos, convocando


para o efeito as reuniões que se tornarem necessárias;
h) Proceder à avaliação dos projectos;
i) Colaborar em actividades culturais, desportivas e recreativas que envolvam os alunos e a
comunidade;
j) Aprovar as propostas de avaliação apresentadas por cada professor da turma, de acordo com os
critérios aprovados pelo Conselho Pedagógico;
k) Estabelecer medidas relativas a apoios e complementos educativos a proporcionar a alunos,
nomeadamente em termos de um plano de recuperação, acompanhamento e desenvolvimento;
l) Analisar situações de insucesso e/ou indisciplina ocorridas com alunos da turma e colaborar no
estabelecimento de medidas (de apoio/ disciplinares) que julgar ajustadas;
m) Planificar o desenvolvimento das actividades a realizar com os alunos em contexto de sala de
aula;
n) Assegurar a adequação do currículo às características específicas dos alunos, estabelecendo
prioridades, níveis de aprofundamento e sequências adequadas;
o) Adoptar estratégias de diferenciação pedagógica que favoreçam a aprendizagem dos alunos;
p) Conceber e delinear actividades em complemento do currículo proposto;
o) Preparar a informação adequada, a disponibilizar aos Pais e Encarregados de Educação, relativa
ao processo de aprendizagem e avaliação dos alunos;
p) Promover a articulação com o ciclo seguinte, nomeadamente, na partilha de informações no
início de cada ano lectivo, de modo a alcançar uma adequada transição entre os dois níveis de ensino.

Artigo 46º
Funcionamento

1 - O Conselho de Turma reúne obrigatoriamente no início do ano lectivo e de acordo com o


calendário escolar e extraordinariamente sempre que necessário.
2 - Nas reuniões de Conselho de Turma em que se tratem assuntos relativos à avaliação individual
dos alunos, os Representantes dos Pais e Encarregados de Educação participam até ao momento em que
esses assuntos passam a ser tratados, não devendo estar presente no momento da avaliação/atribuição
de níveis aos alunos.
3 - No desenvolvimento da sua autonomia, o agrupamento pode ainda designar professores
tutores para acompanhamento em particular do processo educativo de um grupo de alunos.
4 - Quando o Conselho de Turma reúne por motivos disciplinares, é convocado e presidido pelo
Director.
5 - Para um Conselho de Turma de natureza disciplinar não pode ser convocado qualquer dos seus
elementos que tenha interesse na situação, aplicando-se com as devidas adaptações o que se dispõe no
Código de Procedimento Administrativo, sob garantias de imparcialidade.
6 - Os Representantes dos Pais e Encarregados de Educação que integram o Conselho de Turma,
são eleitos na primeira reunião do ano lectivo dos encarregados de educação com o Director de Turma ou
quem suas vezes fizer (professor indigitado pelo Director para presidir pontualmente ao conselho de
turma).
7 - Ao Conselho de Turma Disciplinar compete:
a) Propor aos órgãos de gestão do Agrupamento com competência disciplinar as sanções a
aplicar aos alunos;

___________________________________________________________________________________________29
Regulamento Interno 2011/2013

b) Emitir parecer sobre a natureza das actividades de integração na comunidade educativa,


quando for esta a medida educativa disciplinar proposta.

SUBSECÇÃO IV
DIRECTOR DE TURMA

Artigo 47º
Designação

1 - A designação do director de turma é da responsabilidade do director, de entre os professores


da turma, sendo escolhido, preferencialmente, um docente pertencente ao quadro do agrupamento de
escolas.
2 - O director de turma deve ser um professor que leccione à totalidade dos alunos da turma.

Artigo 48º
Competências do Director de Turma

1 - Compete ao Director de Turma:


a) Promover, junto do Conselho de Turma, a realização de acções conducentes à aplicação do
Projecto Educativo do Agrupamento, numa perspectiva de envolvimento dos encarregados de educação e
de abertura à comunidade;
b) Assegurar a adopção de estratégias coordenadas com os docentes da turma, adequando
actividades, conteúdos, estratégias e métodos de trabalho, à situação concreta do grupo e à
especificidade de cada aluno, bem como a criação de condições para a realização de actividades
interdisciplinares, nomeadamente no âmbito da Área de Projecto;
c) Promover um acompanhamento individualizado dos alunos, divulgando junto dos professores
da turma a informação necessária à adequada orientação educativa dos alunos e fomentando a
participação dos Pais e Encarregados de Educação, na concretização de acções para orientação e
acompanhamento;
d) Promover a rentabilização dos recursos e serviços existentes na comunidade escolar e
educativa, mantendo os alunos e encarregados de educação informados da sua existência;
e) Divulgar junto dos encarregados de educação os critérios de avaliação;
f) Facultar, no início do ano lectivo, aos pais e encarregados de educação os currículos de cada
disciplina e o número de aulas previstas, por disciplina para cada turma;
g) Elaborar e preservar o processo pedagógico individual do aluno, facultando a sua consulta
apenas aos professores da turma, aos respectivos pais e encarregados de educação e ao aluno;
h) Divulgar o regulamento interno junto dos alunos e encarregados de educação, no início do ano
lectivo, e fazer subscrever uma declaração anual de aceitação do mesmo;
i) Apreciar ocorrências de carácter disciplinar, decidir da aplicação de medidas imediatas no
quadro das orientações do Conselho Pedagógico nessa matéria e solicitar ao Director a convocação
extraordinária do Conselho de Turma;
j) Assegurar a participação dos alunos, professores, pais e encarregados de educação na aplicação
de medidas educativas decorrentes da apreciação de situações de insucesso disciplinar e/ou indisciplina;
k) Coordenar o processo de avaliação formativa e sumativa dos alunos, garantindo o seu carácter
globalizante e integrador solicitando, se necessário, a participação dos outros intervenientes na avaliação;

___________________________________________________________________________________________30
Regulamento Interno 2011/2013

l) Coordenar a elaboração dos planos de recuperação, acompanhamento e desenvolvimento dos


alunos, e manter informado os respectivos encarregados de educação;
m) Coordenar o Programa Educativo Individual dos alunos com NEE de carácter prolongado;
n) Participar na elaboração do relatório circunstanciado no final do ano lectivo dos alunos com
NEE de carácter prolongado;
o) Garantir o conhecimento e o acordo prévio do encarregado de educação para a programação
individualizada do aluno e para o correspondente itinerário de formação, recomendados na avaliação
extraordinária, se o aluno se encontrar numa situação de retenção repetida, em conformidade com a
legislação em vigor sobre a matéria;
p) Elaborar, em caso de retenção do aluno no mesmo ano, um relatório que inclua uma proposta
de repetição de todo o plano de estudos desse ano ou de cumprimento de um plano de apoio específico e
submetê-lo à aprovação do Conselho Pedagógico, através do Coordenador dos Directores de Turma;
q) Propor, na sequência da decisão do Conselho de Turma, medidas de apoio educativo
adequadas e proceder à respectiva avaliação;
r) Presidir às reuniões de Conselho de Turma realizadas, entre outras, com as seguintes
finalidades: avaliação da dinâmica global da turma; planificação e avaliação de projectos de âmbito
interdisciplinar, nomeadamente da Área de Projecto; formalização da avaliação formativa e sumativa;
s) Implementar as actividades de tutoria;
t) Criar as condições para a realização, sempre que necessário, de Assembleias de Turma para, em
conjunto com os alunos, tratar de assuntos relativos à sua vida escolar;
u) Promover a eleição do Delegado e do Subdelegado de turma no início do ano lectivo;
v) Assegurar a articulação entre os professores da turma e os alunos, pais e encarregados de
educação;
w) Promover a articulação entre o 3º ciclo e o ensino secundário;
x) Promover a comunicação e formas de trabalho cooperativo entre professores e alunos;
y) Promover a participação e envolvimento de pais e encarregados de educação no processo
escolar do aluno nomeadamente:
i) criando espaço para a participação dos mesmos nas actividades da turma;
ii) reunindo em assembleia com os pais, ordinariamente uma vez por período e
extraordinariamente sempre que necessário.
z) Apresentar ao director um relatório crítico, anual, do trabalho desenvolvido.

Artigo 49º
Mandato

1 - A nomeação do director de turma é anual mas, sempre que possível, deve ser assegurada
continuidade pedagógica até final de ciclo.
2 - Caso o director de turma se encontre impedido de exercer funções por um período superior a
duas semanas, o director nomeará outro docente da turma, para o substituir, sendo-lhe concedidas as
respectivas horas de redução de acordo com a lei em vigor.

SUBSECÇÃO V
CONSELHO DE DIRECTORES DE TURMA

___________________________________________________________________________________________31
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 50º
Composição

1 - O conselho de directores de turma é uma estrutura de coordenação da actividade de todos os


Directores de Turma.
2 - O conselho de directores de turma é constituído pela totalidade dos Directores de Turma do 2º
e 3º ciclo e os docentes de educação especial.

Artigo 51º
Competências

Compete ao conselho de directores de turma:


a) Colaborar na definição da orientação pedagógica da escola;
b) Colaborar na elaboração/revisão do Projecto Educativo, Projecto Curricular e Regulamento
Interno do Agrupamento;
c) Colaborar na elaboração do Plano Anual de Actividades;
d) Elaborar o regimento de organização e funcionamento do conselho de directores de turma.

Artigo 52º
Funcionamento

O conselho de directores de turma reúne, ordinariamente, duas vezes por período escolar.
As reuniões são convocadas, no mínimo, com 48 horas de antecedência e presididas pelo
respectivo coordenador.

Artigo 53º
Mandato

1 - O conselho de directores de turma é coordenado por um Coordenador designado pelo


Director.
2 - O mandato do Coordenador dos Directores de Turma tem a duração de 4 anos e cessa com o
mandato do Director.
3 - O Coordenador dos Directores de Turma podem ser exonerado a todo o tempo por despacho
fundamentado do Director.
4 - As horas de redução para o Coordenador dos Directores de Turma estarão de acordo com os
critérios estabelecidos em Conselho Pedagógico e com a legislação em vigor.

SUBSECÇÃO VI
COORDENADOR DOS DIRECTORES DE TURMA

___________________________________________________________________________________________32
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 54º
Competências

Compete ao Coordenador de Directores de Turma:


a) Representar os Directores de Turma no Conselho Pedagógico, nos termos definidos por este
regulamento;
b) Presidir às reuniões do Conselho de Directores de Turma;
c) Fazer-se representar pelo subcoordenador nas suas faltas ou impedimentos;
d) Elaborar o plano anual de coordenação;
e) Assegurar a articulação das actividades das turmas;
f) Promover a execução das orientações do Conselho Pedagógico visando a formação dos
professores e a realização de acções que estimulem a interdisciplinaridade;
g) Analisar as propostas dos Conselhos de Turma e submetê-las ao Conselho Pedagógico;
h) Propor e planificar formas de actuação junto dos Pais e Encarregados de Educação;
i) Promover a interacção entre a Escola e a Comunidade;
j) Propor critérios de avaliação para cada ciclo e ano de escolaridade ao Conselho Pedagógico;
k) Articular com os diferentes departamentos curriculares o desenvolvimento de conteúdos
programáticos e objectivos de aprendizagem;
l) Cooperar com outras estruturas de orientação educativa e com os serviços especializados de
apoio educativo na gestão adequada de recursos e na adopção de medidas pedagógicas destinadas a
melhorar as aprendizagens;
m) Conceber e desencadear mecanismos de formação e apoio aos directores de turma em
exercício e de outros docentes da escola ou do agrupamento de escolas para o desempenho dessas
funções;
n) Propor ao Conselho Pedagógico a realização de acções de formação no domínio da orientação
educativa e da coordenação das actividades das turmas;
o) Desenvolver todas as actividades para as quais tenha sido solicitado pelo Conselho Pedagógico;
p) Apresentar ao Director um relatório crítico anual do trabalho desenvolvido.

SECÇÃO III
OUTRAS ESTRUTURAS

SUBSECÇÃO I
EQUIPA DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR

Artigo 55º
Definição

A articulação curricular pretende desenvolver a gestão dos planos de estudo e programas


definidos a nível nacional e das componentes curriculares de âmbito local, procurando adequar o
currículo aos interesses específicos dos alunos. Assim, a articulação curricular cabe, em primeiro lugar,
aos Departamentos Curriculares. Porém, de modo a operacionalizar de uma forma mais eficaz esta
articulação, o Agrupamento criou uma subestrutura educativa, denominada Equipa de Articulação
Curricular, tendo como objectivo, a cooperação entre todos os docentes do Agrupamento.

___________________________________________________________________________________________33
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 56º
Composição

1. A equipa de articulação curricular é constituída por docentes do pré-escolar e restantes níveis


de ensino.
2. Os elementos que fazem parte da equipa de articulação curricular são indicados pelos
respectivos coordenadores de departamento e designados pelo director.

Artigo 57º
Objectivos

1. São objectivos da equipa de articulação curricular:


a) Organizar os saberes, de forma sequenciada e organizada, ao longo dos vários níveis
educativos, tendo em consideração o desenvolvimento das crianças/jovens e as suas capacidades de
aprendizagem em cada nível educativo;
b) Reflectir e partilhar práticas pedagógicas e discutir a necessidade de inovar e preparar em
conjunto temas comuns;
c) Criar novas formas de estar entre os professores, privilegiando o trabalho de equipa;
d) Analisar os conteúdos programáticos na perspectiva da articulação e sequencialidade.

Artigo 58º
Mandato

O coordenador é designado pelo director, de entre os professores da equipa de articulação


curricular, por um período de 4 anos, e cessa com o mandato do Director.

Artigo 59º
Competências

1. Compete ao coordenador da equipa de articulação curricular:


a) Coordenar a actividade da equipa;
b) Convocar e dirigir as reuniões;
c) Incentivar o trabalho inter e transdisciplinar;
d) Promover a articulação das actividades no plano funcional e curricular;
e) Elaborar o relatório das actividades desenvolvidas ao longo do ano lectivo;
f) Elaborar o regimento de organização e funcionamento da equipa de articulação, indicando,
no mesmo, as formas operacionais a que deverá obedecer a articulação curricular.

Artigo 60º
Regime de Funcionamento

1. A equipa de articulação curricular deve reunir ordinariamente uma vez por trimestre, e no
início de cada ano lectivo.

___________________________________________________________________________________________34
Regulamento Interno 2011/2013

2. A equipa de articulação curricular reúne extraordinariamente:


a) Por iniciativa do respectivo coordenador;
b) Por solicitação de um terço dos seus membros.

SUBSECÇÃO II
EQUIPA DE SUPERVISÃO DAS ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR
E ACTIVIDADES DE APOIO À FAMÍLIA

Artigo 61º
Definição

As actividades de enriquecimento curricular e de apoio à família, integram-se no conceito de


escola a tempo inteiro promovendo uma resposta diversificada em função da realidade local de apoio às
escolas, às famílias, às crianças da Educação Pré-escolar e aos alunos do 1º Ciclo do ensino básico; com
estas actividades pretende-se adaptar os tempos de permanência das crianças e dos alunos na escola às
necessidades das famílias, garantindo simultaneamente que esses tempos sejam pedagogicamente ricos e
complementares das aprendizagens, associadas à aquisição de competências básicas.

Artigo 62º
Composição

1. No agrupamento de escolas do Teixoso, a supervisão pedagógica será coordenada por um


grupo de trabalho, denominado equipa de supervisão, e é constituído por:
a) Presidente do Conselho Pedagógico;
b) Coordenadores de Departamento do Pré-escolar e 1º Ciclo;
c) Coordenador de Projectos;
d) Um representante da autarquia;
e) Um representante dos Pais e Encarregados de Educação.

Artigo 63º
Objectivos

1. São objectivos da equipa de supervisão:


a) Criar as melhores condições de organização, planificação, realização e avaliação das
actividades;
b) Supervisionar os procedimentos inerentes à operacionalização das actividades de
enriquecimento curricular e de apoio à família.
c) Colaborar com os professores titulares de turma, com sugestões para as programações das
actividades e, sempre que possível, contactar os docentes das AEC para saber como estão a decorrer as
mesmas.

Artigo 64º
Mandato

1. O coordenador será o presidente do conselho pedagógico.

___________________________________________________________________________________________35
Regulamento Interno 2011/2013

2. A duração do mandato da equipa é de 4 anos e cessa com o mandato do director.


3. Sempre que um dos membros da equipa de supervisão deixar de reunir as condições pelas
quais foi indigitado, será substituído por outro elemento do seu grupo de recrutamento.

Artigo 65º
Competências

1. Compete ao coordenador da equipa de supervisão, em articulação com os outros membros:


a) Colaborar na definição do plano de actividades de enriquecimento curricular e do apoio à
família, de acordo com os objectivos expressos no Projecto Educativo do Agrupamento;
b) Submeter aos departamentos respectivos, para apreciação, dos programas das AEC do 1º
ciclo;
c) Estabelecer critérios, de acordo com as realidades locais, para a definição dos tempos a
atribuir a cada actividade;
d) Definir os horários de funcionamento;
e) Analisar trimestralmente as avaliações resultantes do trabalho desenvolvido entre os
técnicos e os supervisores nas respectivas turmas;
f) Pronunciar-se sobre o trabalho desenvolvido durante o ano, pelos técnicos contratados;
g) Pronunciar-se sobre o recrutamento dos técnicos;
h) Proceder à articulação entre os diversos intervenientes no processo;
i) Elaborar o regimento de organização e funcionamento da equipa de supervisão e respectivas
actividades;
j) Elaborar o relatório das actividades desenvolvidas ao longo do ano lectivo.

Artigo 66º
Regime de Funcionamento

1. A equipa de supervisão deve reunir ordinariamente no início de cada ano lectivo e uma vez por
trimestre, para planificar e avaliar o trabalho realizado.
2. A equipa pode ainda reunir extraordinariamente:
a) Por iniciativa do respectivo coordenador;
b) Por solicitação de um terço dos seus membros.

SUBSECÇÃO III
COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INTERNA

Artigo 67º
Objectivos

A comissão de acompanhamento e avaliação interna é parte integrante do agrupamento no


sentido de acompanhar eficazmente o projecto educativo do agrupamento, na perspectiva de promoção
da qualidade educativa. Caracteriza-se pela idoneidade, competência, isenção, responsabilidade e
autonomia.

___________________________________________________________________________________________36
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 68º
Composição

A comissão de acompanhamento e avaliação interna é nomeada pelo director. Esta comissão


integra docentes dos vários ciclos, desde o pré-escolar até ao 3º ciclo. É constituída por elementos de
diferentes departamentos/áreas disciplinares, um elemento do pessoal não docente e um elemento da
associação de pais/encarregados de educação.

Artigo 69º
Designação

O coordenador e o subcoordenador são designados pelo director, de entre os professores


nomeados para a comissão de acompanhamento e avaliação interna.

Artigo 70º
Mandato

1. O mandato de representação da comissão de acompanhamento e avaliação Interna é de quatro


anos.
2. O mandato de coordenador e subcoordenador da comissão tem a duração de quatro anos,
podendo todavia, cessar a todo o momento, por decisão do director, ouvido o conselho pedagógico, a
pedido do interessado, ou mediante proposta fundamentada de dois terços dos membros da comissão.

Artigo 71º
Competências

1. Compete à comissão de acompanhamento e avaliação interna:


a) Acompanhar o projecto educativo de agrupamento;
b) Avaliar a operacionalização das prioridades de desenvolvimento pedagógico;
c) Propor, sempre que necessário, aspectos a melhorar no projecto educativo de
agrupamento;
d) Avaliar o desempenho das diferentes estruturas de orientação educativa, dando
continuidade ao trabalho desenvolvido pelas anteriores comissões;
e) Elaborar o plano de actividades da comissão;
f) Construir materiais de trabalho para acompanhar o projecto educativo de agrupamento;
g) Elaborar o relatório das actividades desenvolvidas ao longo do ano lectivo;
h) Divulgar, atempadamente, o relatório das actividades no conselho pedagógico e conselho
geral.

Artigo 72º
Regime de funcionamento

1. A comissão de acompanhamento e avaliação interna reunirá ordinariamente na primeira


quarta-feira de cada mês, convocada pelo seu coordenador.

___________________________________________________________________________________________37
Regulamento Interno 2011/2013

2. A comissão de acompanhamento e avaliação interna reunirá sempre que seja convocada pelo
seu coordenador, por sua iniciativa, a requerimento de um terço dos respectivos membros, ou solicitado
pelo conselho geral, director ou conselho pedagógico.
3. Em caso de ausência sempre que tal se revele necessário, o coordenador da comissão será
substituído nas suas funções pelo Subcoordenador.
4. O coordenador, subcoordenador e docentes da comissão marcarão no seu horário dois tempos
da componente não lectiva, comunicando ao director o respectivo horário.

Artigo 73º
Regimento

Compete à comissão de acompanhamento e avaliação interna aprovar ou rever o seu regime de


funcionamento nos trinta dias subsequentes à primeira reunião de cada ano lectivo.

SUBSECÇÃO IV
PLANO TECNOLÓGICO DA EDUCAÇÃO

Artigo 74º
Equipas PTE

1 — As «Equipas PTE» são estruturas de coordenação e acompanhamento dos projectos do PTE


ao nível dos estabelecimentos de ensino;
2 — Aos estabelecimentos públicos do ensino básico e secundário incumbe adoptar as medidas
adequadas à criação, organização e funcionamento das Equipas PTE.

Artigo 75º
Funções

1 — As Equipas PTE exercem as seguintes funções ao nível do respectivo estabelecimento de


ensino:
a) Elaborar no agrupamento um plano de acção anual para as TIC (Plano TIC). Este plano visa
promover a utilização das TIC nas actividades lectivas e não lectivas, rentabilizando os meios informáticos
disponíveis e generalizando a sua utilização por todos os elementos da comunidade educativa. Este plano
TIC deverá ser concebido no quadro do projecto educativo da escola e integrar o plano anual de
actividades, em estreita articulação com o plano de formação;
b) Contribuir para a elaboração dos instrumentos de autonomia definidos no artigo 9.º do
Decreto -Lei n.º 75/2008, de 22 de Abril, integrando a estratégia TIC na estratégia global do agrupamento;
c) Coordenar e acompanhar a execução dos projectos do PTE e de projectos e iniciativas
próprias na área de TIC na educação, em articulação com os serviços regionais de educação e com o apoio
das redes de parceiros regionais;
d) Promover e apoiar a integração das TIC no ensino, na aprendizagem, na gestão e na
segurança ao nível de agrupamento;
e) Colaborar no levantamento de necessidades de formação e certificação em TIC de docentes
e não docentes;

___________________________________________________________________________________________38
Regulamento Interno 2011/2013

f) Fomentar a criação e participação dos docentes em redes colaborativas de trabalho com


outros docentes ou agentes da comunidade educativa;
g) Zelar pelo funcionamento dos equipamentos e sistemas tecnológicos instalados, sendo o
interlocutor junto do centro de apoio tecnológico às escolas e das empresas que prestem serviços de
manutenção aos equipamentos;
h) Articular com os técnicos das câmaras municipais que apoiam as escolas do 1.º ciclo do
ensino básico dos respectivos agrupamentos de escolas.
2 — Para efeitos da alínea b) do número anterior, compete aos serviços regionais de educação
promover a coordenação das redes de parceiros regionais que apoiam as escolas em matéria de TIC na
Educação, nomeadamente as estruturas responsáveis pela formação de professores, as equipas de apoio
às escolas e outras estruturas e entidades parceiras.

Artigo 76º
Composição

1 — A função de coordenador da Equipa PTE é exercida, por inerência, pelo director do


agrupamento, podendo ser delegada em docentes do agrupamento que reúnam as competências ao nível
pedagógico, técnico e de gestão adequadas ao exercício das funções de coordenação global dos projectos
do PTE ao nível do estabelecimento de ensino.
2 — Os restantes membros da Equipa PTE são designados pelo director do agrupamento de entre:
a) Docentes que reúnam competências ao nível pedagógico, de gestão e técnico para a
implementação dos projectos do PTE e para a coordenação de outros projectos e actividades TIC ao nível
de escola;
b) O chefe dos serviços de administração escolar, ou quem o substitua;
c) Estagiários dos cursos tecnológicos e dos cursos profissionais nas áreas tecnológicas e outros
alunos com competências TIC relevantes;
d) Não docentes com competências TIC relevantes.
3 — O número de membros da Equipa PTE é definido pelo director do agrupamento, adequando
as características do estabelecimento de ensino à necessidade de execução eficaz de cada um dos
projectos do PTE.
4 — Sem prejuízo do disposto no número anterior, a Equipa PTE deverá incluir:
a) Um responsável pela componente pedagógica do PTE, preferencialmente com assento no
Conselho Pedagógico, que represente e articule com os coordenadores de departamento curricular e os
coordenadores ou directores de curso;
b) Um responsável pela componente técnica do PTE, que represente e articule com o director
de instalações e o responsável pela segurança no estabelecimento de ensino;
c) O coordenador da biblioteca escolar.

___________________________________________________________________________________________39
Regulamento Interno 2011/2013

SUBSECÇÃO V
COORDENAÇÃO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO (CEF)

Artigo 77º
Objectivos

1 - Podem ser criados os Cursos de Educação e Formação regulados pelo Despacho Conjunto
453/04 de 27 de Julho.
2 - Os Cursos de Educação e Formação destinam-se, preferencialmente, a jovens com idade igual
ou superior a 15 anos, em risco de abandono escolar ou que já abandonaram antes de 12 anos
escolaridade, bem como aqueles que, após conclusão dos 12 anos de escolaridade, não possuindo uma
qualificação profissional, pretendem adquiri-la para ingresso no mundo do trabalho.
3 - Estes cursos proporcionam uma qualificação de nível 1 ou 2 e equivalência ao 6° ou 9º ano de
escolaridade a jovens que não tenham concluído o 6º ou 9º ano de escolaridade ou se encontrem em
risco de não concluir.
4 - Estes cursos pretendem incentivar o prosseguimento de estudos e permitem o
desenvolvimento de competências profissionais ajustadas aos interesses dos jovens e às necessidades
regionais e locais de emprego.
5 - Os Cursos de Educação e Formação, para além das componentes sociocultural, científica,
tecnológica e prática em contexto de trabalho, podem integrar um estágio complementar pós-formação
com a duração máxima de 6 meses.

Artigo 78º
Director do Curso de Educação e Formação

1 - Por cada Curso de Educação e Formação existe um director que coordena a equipa
pedagógica.
2 - O Director do Curso de Educação e Formação é nomeado pelo director, caso seja o
Agrupamento a entidade formadora, preferencialmente de entre os professores da componente de
formação tecnológica, tendo em consideração a devida articulação com os serviços de psicologia e
orientação.
3 - O Director de Curso não deverá ter sob sua responsabilidade mais de duas turmas.
4 - O Director de Curso tem direito a um número mínimo de horas equiparado a serviço lectivo,
calculado em função do número de turmas do curso em funcionamento, nos termos da legislação em
vigor sobre a matéria.
5 - O mandato do Director do Curso de Educação e Formação, terá a duração do curso respectivo.

Artigo 79º
Competências

1 - São competências do Director do Curso de Educação e Formação:


a) A coordenação técnico-pedagógica dos cursos;
b) A convocação e coordenação das reuniões da equipa pedagógica;

___________________________________________________________________________________________40
Regulamento Interno 2011/2013

c) Assegurar a articulação entre as diferentes componentes de formação, entre as diferentes


disciplinas/domínios, bem como tudo o que se relaciona com a preparação da prática em contexto de
trabalho e com o plano de transição para a vida activa dos formandos.

SUBSECÇÃO VI
PROJECTOS DE DESENVOLVIMENTO EDUCATIVO

Artigo 80º
Coordenação

A coordenação de projectos de desenvolvimento educativo destina-se a acompanhar e apoiar a


elaboração, a execução e a avaliação dos projectos dos estabelecimentos do Agrupamento.
Artigo 81º
Competências

1 - São competências do coordenador de projectos de desenvolvimento educativo:


a) Analisar e propor novos projectos;
b) Dar parecer sobre projectos propostos;
c) Assegurar que os projectos se integrem dentro das linhas orientadoras do Projecto
Educativo;
d) Assegurar a articulação entre os vários projectos do agrupamento;
f) Apresentar ao director, no final do ano lectivo, um relatório crítico sobre o trabalho
desenvolvido.
Artigo 82º
Composição

A equipa de coordenação de projectos e desenvolvimento educativo é constituída pelo


coordenador de projectos e pelos coordenadores dos departamentos do pré-escolar e 1º ciclo.

Artigo 83º
Designação

O Coordenador de projectos de desenvolvimento educativo é designado pelo director.

Artigo 84º
Mandato

1 - A duração do mandato do coordenador é anual mas, sempre que possível, deve ser assegurada
a sua continuidade.
2 - O coordenador poderá ser exonerado por despacho fundamentado do director.

___________________________________________________________________________________________41
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 85º
Funcionamento

A equipa de coordenação de projectos reúne, ordinariamente, duas vezes por trimestre, e


extraordinariamente sempre que seja convocada pelo respectivo coordenador ou que um pedido do
director o justifique.

SUBSECÇÃO VI
COORDENAÇÃO DA EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE

Artigo 86º
Composição

1 – O coordenador da educação para a saúde é designado por um período de quatro anos, pelo
director de entre os professores do 2º e 3º ciclos do agrupamento tendo em conta a sua formação bem
como a experiência no desenvolvimento de projectos e ou actividades no âmbito da educação para a
saúde.
2 - Será constituída uma equipa de trabalho com representantes dos diversos graus de educação e
ensino, designados pelo director.

Artigo 87º
Competências

Ao coordenador da educação para a saúde compete:


a) Coordenar o processo de elaboração do projecto de educação para a saúde, de acordo
com as seguintes temáticas prioritárias:
i. Alimentação e actividade física;
ii. Consumo de substâncias psicoactivas (tabaco, álcool e drogas);
iii. Sexualidade e afectos;
iv. Infecções sexualmente transmissíveis, designadamente o VIH/SIDA;
v. Violência em meio escolar.
b) Coordenar a implementação do projecto de educação para a saúde;
c) Promover a articulação interciclos de temáticas da área da saúde consideradas prioritárias
no contexto do agrupamento;
d) Apresentar, no final do ano lectivo, um relatório sobre o trabalho desenvolvido.

___________________________________________________________________________________________42
Regulamento Interno 2011/2013

SUBSECÇÃO VI
COORDENAÇÃO DAS NOVAS ÁREAS CURRICULARES NÃO DISCIPLINARES

Artigo 88º
Composição

O coordenador das novas áreas curriculares é designado por um período de quatro anos, pelo
director de entre os professores do 2º e 3º ciclos do agrupamento tendo em conta a sua formação bem
como a experiência no desenvolvimento destas áreas curriculares.

Artigo 89º
Competências

Ao coordenador das novas áreas curriculares compete:


a) Coordenar o processo de articulação interciclos nas seguintes áreas:
i. Área de projecto;
ii. Estudo acompanhado;
iii. Formação cívica;
b) Apresentar, no final do ano de cada período, um relatório sobre o trabalho desenvolvido.

SECÇÃO IV
SERVIÇO ESPECIALIZADO DE APOIO EDUCATIVO

SUBSECÇÃO I
NÚCEO DE APOIO EDUCATIVO

Artigo 90º
Definição

Os serviços prestados pelo núcleo de apoio educativo enquadram-se num conjunto de medidas
que constituem uma resposta articulada e integrada aos problemas e necessidades sentidas nos
estabelecimentos de ensino do agrupamento de escolas, visando os seguintes princípios orientadores:
a) Criar em cada estabelecimento de ensino intervenções diversificadas que permitam a plena
inclusão e o sucesso educativo de todas as crianças e jovens com necessidades educativas especiais de
carácter permanente;
b) Assegurar, de forma flexível, os apoios indispensáveis ao desenvolvimento de uma escola de
qualidade para todos.

Artigo 91º
Composição

1 - Constituem o núcleo de apoio educativo:


a) Equipa de avaliação
I. Professor de Educação Especial

___________________________________________________________________________________________43
Regulamento Interno 2011/2013

II. Director de Turma


III. Director
IV. Técnico de Saúde
b) Docentes de Educação Especial
2 - Colaboram ainda na implementação e desenvolvimento das actividades do núcleo de apoio
educativo os assistentes que o plano de intervenção sugira, após aprovação pelo órgão competente e
afectação de recursos pelo Órgão de Gestão.
3 - Podem ainda ser chamados a intervir outros técnicos que contribuam para o desenrolar do
processo, de acordo com a decisão do agrupamento e o parecer do núcleo de apoio educativo.

Artigo 92º
Competências

1. O núcleo de apoio educativo, enquanto unidade especializada de apoio socio-educativo, tem


como função a criação de condições que facilitem a diversificação de práticas pedagógicas com o fim de
melhorar a intervenção educativa dos jovens com necessidades educativas especiais, promovendo a sua
inclusão não só no agrupamento, mas também no sistema educativo.
2. O núcleo de apoio educativo tem como competências:
a) Colaborar na sensibilização e dinamização da comunidade educativa para o direito que as
crianças e os jovens com necessidades educativas especiais têm de frequentar o ensino regular;
b) Participar nos Projectos Educativo, Curricular de Escola e Curricular de Turma,
nomeadamente no que diz respeito aos apoios educativos do Agrupamento;
c) Colaborar, sempre que solicitado, na organização e planificação de todas as estruturas de
apoio às aprendizagens que existam na Escola, tais como: Biblioteca/Centro de Recursos, Salas de
Informática, Clubes, Sala de Estudo e outras que venham a ser organizadas;
d) Colaborar na organização do processo de apoio aos alunos com necessidades educativas
especiais, identificando articuladamente com os restantes Docentes e Directores de Turma as áreas de
desenvolvimento e de aprendizagem e o apoio necessário para diminuir as dificuldades detectadas;
e) Colaborar na identificação das necessidades de formação dos docentes para a promoção da
diferenciação pedagógica;
f) Identificar, conjuntamente com as Estruturas de Orientação Pedagógica, as soluções e os
recursos materiais e humanos necessários à criação de condições ambientais e pedagógicas que
permitam a humanização no contexto escolar e a efectiva promoção da igualdade de oportunidades;
g) Apoiar os docentes na diversificação das práticas pedagógicas, nomeadamente estratégias
de diferenciação pedagógica, trabalho de projecto, dinâmica de grupos, trabalho cooperativo e tutoria
pedagógica;
h) Colaborar na planificação do trabalho com os alunos com necessidades educativas especiais,
tendo em consideração os seus percursos individuais;
i) Colaborar, com os professores das turmas com alunos com necessidades educativas
especiais na organização curricular e na construção e avaliação de programas individualizados;
j) Participar e colaborar no trabalho com Pais e Encarregados de Educação;
k) Colaborar na diversificação das práticas pedagógicas e estratégias de diferenciação
pedagógicas, no respeito pelo princípio de que o apoio educativo a alunos com necessidades educativas
especiais é da responsabilidade do professor;

___________________________________________________________________________________________44
Regulamento Interno 2011/2013

l) Apoiar directamente os alunos que necessitem de apoio individualizado, de técnicas ou


linguagens alternativas ou equipamentos específicos, caso dos alunos com deficiência visual, auditiva,
motora ou multideficiência. Este tipo de apoio deve ser realizado num intervalo de tempo determinado,
definido pelos dois docentes (o docente da turma e o docente dos apoios), inserido na dinâmica da
turma;
m) Apoiar fora da sala de aula os alunos com necessidades educativas especiais que
necessitem de um trabalho mais individualizado;
n) Definir e clarificar as tarefas e enquadrar os assistentes operacionais no trabalho a
desenvolver com os alunos com necessidades educativas especiais, de acordo com a planificação
pedagógica definida pelo professor da turma, no respeito pela normas definidas pelo Director, quanto à
distribuição de serviço e gestão de serviços e equipamentos;
o) Planificar e coordenar o trabalho dos assistentes operacionais sempre que envolva alunos
que exijam flexibilidade curricular e metodologias de diferenciação pedagógica;
p) Articular com outros serviços locais que promovam idênticas finalidades.
3. O núcleo de apoio educativo tem ainda como competências:
a) Participar no âmbito de uma equipa multidisciplinar, por indicação do Órgão de Gestão, na
avaliação de alunos referenciados, dos estabelecimentos de ensino pertencentes ao Agrupamento de
Escolas;
b) Participar no âmbito de uma equipa multidisciplinar na elaboração dos relatórios técnico-
pedagógicos, determinando as medidas educativas a aplicar;
c) Elaborar o relatório técnico–pedagógico fazendo constar nele os resultados de avaliação
obtidos por referência à Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF), que
servirão de base à elaboração do Programa Educativo Individual (PEI), no caso da avaliação feita ao aluno
apontar para uma condição de necessidades educativas de carácter permanente;
d) Concluir a avaliação dos alunos referenciados para a educação especial com a aprovação do
PEI pelo Director, 60 dias após a referenciação;
e) Proceder em equipa à definição dos apoios especializados, das adequações do processo de
ensino e aprendizagem e das tecnologias de apoio a providenciar para os alunos com necessidades
educativas especiais de carácter permanente;
f) Proceder ao encaminhamento dos alunos para os apoios disponibilizados pela escola, que
melhor se adeqúem à situação específica, quando, de acordo com a avaliação realizada, a situação das
necessidades educativas não justificam a intervenção dos Serviços da Educação Especial;
g) Colaborar com os órgãos de gestão e de coordenação pedagógica do agrupamento de
escolas e com os professores na gestão flexível dos currículos e na sua adequação às capacidades e aos
interesses dos alunos, bem como às realidades locais;
h) Apoiar os alunos e respectivos professores, no âmbito da sua área de especialidade, nos
termos que foram definidos no projecto educativo do agrupamento/projecto curricular;
i) Participar na melhoria das condições e do ambiente educativo dos estabelecimentos de
ensino numa perspectiva de fomento da qualidade e da inovação educativa;
j) Participar na planificação e na organização do ano lectivo.

___________________________________________________________________________________________45
Regulamento Interno 2011/2013

SUBSECÇÃO II
UNIDADE DE MULTIDEFICIÊNCIA

Artigo 93º
Definição

As unidades de apoio especializado para a educação de alunos com multideficiência e


surdocegueira congénita, doravante designadas por Unidade de Multideficiência, constituem uma
resposta educativa especializada desenvolvida em escolas ou agrupamentos de escolas que concentrem
grupos de alunos de qualquer nível de ensino, que manifestem essas problemáticas. A organização da
resposta educativa deve ser determinada pelo tipo de dificuldade manifestada, pelo nível de
desenvolvimento cognitivo, linguístico e social e pela idade dos alunos.

Artigo 94º
Composição

1. A Unidade de Multideficiência é constituída por:


a) Docentes de Educação Especial;
b) Assistente Operacional;
c) Técnicos especializados.

Artigo 95º
Competências

1. O Núcleo de Apoio Educativo/Unidade de Multideficiência tem como competências:


a) Promover a participação dos alunos com multideficiência e surdocegueira nas actividades
curriculares e de enriquecimento curricular junto dos pares da turma a que pertencem;
b) Aplicar metodologias e estratégias de intervenção interdisciplinares visando o
desenvolvimento e a integração social e escolar dos alunos;
c) Assegurar a criação de ambientes estruturados, securizantes e significativos para os
alunos;
d) Proceder às adequações curriculares necessárias;
e) Adoptar opções educativas flexíveis, de carácter individual e dinâmico, pressupondo uma
avaliação constante do processo de ensino e de aprendizagem do aluno e o regular envolvimento e
participação da família;
f) Assegurar os apoios específicos ao nível das terapias, da psicologia e da orientação e
mobilidade aos alunos que deles possam necessitar;
g) Organizar o processo de transição para a vida pós-escolar.

Artigo 96º
Localização

A Unidade de Multideficiência está instalada em duas salas:


a) na escola sede do Agrupamento de Escolas de Teixoso;
b) na escola básica do 1º ciclo do Teixoso.

___________________________________________________________________________________________46
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 97º
Horário

O horário da Unidade de Multideficiência é fixado anualmente, atendendo às necessidades dos


alunos, das famílias e aos recursos existentes.

SECÇÃO V
ESTRUTURA DE PARTICIPAÇÃO DE ALUNOS

SUBSECÇÃO I
DELEGADO E SUBDELEGADO DE TURMA

Artigo 98º
Eleição

1- A eleição do delegado e subdelegado de turma, processa-se em cada turma, que designará um


delegado e subdelegado através de eleições convocadas pelo director de turma, no primeiro mês do ano
lectivo.
2- A sessão eleitoral desenrolar-se-á em conformidade com a norma, durante o horário lectivo, na
presença do director de turma que presidirá, e de um secretário que será um aluno da turma.
3- Essa sessão será precedida da leitura das funções do delegado e do subdelegado expressas
neste regulamento. Segue-se a apresentação de candidaturas.
4- Será eleito o candidato que obtiver pelo menos o número de votos correspondente a 2/3 do
número de aluno da turma. Se não houver candidatos far-se-á uma votação secreta em que cada aluno
colocará o nome de dois alunos da turma.
5- O primeiro e o segundo alunos mais votados serão nomeados, respectivamente, delegado e
subdelegado de turma.
6- No caso de empate, far-se-á uma segunda votação entre os quatro alunos mais votados. Se
nenhum dos alunos da turma quiser ser nomeado para qualquer destes cargos, o director de turma
deverá tomar as medidas adequadas dando algum tempo de reflexão.
7- Deste acto eleitoral será, sempre, lavrada uma acta, assinada pelo presidente e pelo secretário.
8- A nomeação de delegado e subdelegado de turma poderá ser revogada nas seguintes
condições:
a) por maioria absoluta dos alunos da turma, sob proposta justificada ao director de turma;
b) por renúncia justificada do próprio;
c) por incumprimento grave dos seus deveres, antecedida de proposta do director, ratificada
pelo conselho geral.
9- O delegado e subdelegado de turma têm o direito de solicitar reuniões de turma com o
respectivo director de turma, para apreciação de matérias relacionada com o funcionamento da turma
sem prejuízo do cumprimento das actividades lectivas;
10- O pedido é apresentado ao professor director de turma, sendo precedido de reunião dos
alunos para determinação das matérias a abordar;
11- Por iniciativa dos alunos ou do director de turma poderá ser solicitada a participação de um
representante dos pais e encarregados de educação dos alunos da turma na reunião referida no presente
artigo.

___________________________________________________________________________________________47
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 99º
Competências

Compete ao delegado e subdelegado:


a) Deve comunicar ao director de turma ocorrências fora do comum relacionadas com a
turma.
b) Manter a turma ao corrente de todos os assuntos que lhes digam respeito.
c) Representar a turma nos órgãos indicados na Lei.
d) Promover o cumprimento do regulamento interno.
e) Fomentar a convivência entre os Alunos da turma.
f) Colaborar com o director de turma e restantes Professores da mesma em tudo o que
afecte o funcionamento desta.

SUBSECÇÃO II
ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES

Artigo 100º
Definição

1- A associação de estudantes é a organização representativa dos alunos da escola básica dos


2º e 3º ciclos do Teixoso.
2- A sua sede é na escola básica dos 2º e 3º ciclos do Teixoso.

Artigo 101º
Constituição

1- A associação de estudantes é constituída pelos seguintes órgãos:


a) Assembleia – Geral;
b) Direcção;
c) Conselho Fiscal.
2- A formação de cada órgão referido no ponto anterior consta do respectivo Estatuto.

Artigo 102º
Funcionamento

Cada órgão funciona conforme o definido no respectivo estatuto publicado em Diário da


República.

Artigo 103º
Competências

São competências gerais da associação de estudantes:


a) Representar os estudantes e defender os interesses;
b) Promover a formação cívica, física, cultural e científica dos seus membros;

___________________________________________________________________________________________48
Regulamento Interno 2011/2013

c) Estabelecer a ligação da Escola e dos seus associados à realidade sócio-económica e


educativa do meio;
d) Defender e promover os valores fundamentais do ser humano;
e) Contribuir para a participação dos seus membros na discussão dos problemas educativos;
f) Cooperar com todos os organismos estudantis nacionais ou estrangeiros, cujos princípios
não contrariem os aqui definidos;
g) Quaisquer outras competências que venham a ser definidas pelos órgãos desta
Associação, ou através do programa pelo qual foram eleitos;

CAPÍTULO IV
PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE EDUCATIVA

SECÇÃO I
ALUNOS

SUBSECÇÃO I
DIREITOS E DEVERES

Artigo 104º
Direitos

1 - O direito à educação escolar e a uma justa e efectiva igualdade de oportunidades no acesso e


sucesso escolares com os seguintes direitos:
a) Ser tratado com respeito e correcção por todos os elementos da comunidade educativa;
b) Ser pronto e devidamente assistido em caso de acidente ou doença súbita ocorrida no
âmbito das actividades escolares;
c) Ver salvaguardada a sua segurança na frequência escolar e respeitada a sua integridade
física e moral;
d) Ver respeitada a confidencialidade dos elementos constantes do seu processo individual
de natureza pessoal e relativos à família;
e) Apresentar críticas e sugestões relativas ao funcionamento do Agrupamento;
f) A utilizar as instalações a si destinadas ou outras com a devida autorização;
g) Ser ouvido, em todos os assuntos que lhes digam respeito, pelos professores, directores
de turma e órgãos de administração e gestão do agrupamento.
h) Poder afixar cartazes ou avisos devidamente identificados em expositores próprios e
locais determinados para esse fim. Depois de autorizado pelo director;
i) Eleger e ser eleito para órgãos, cargos e demais funções de representação no âmbito da
escola, nos termos da legislação em vigor;
j) Ocupar os seus tempos livres de uma forma útil e agradável competindo à escola a sua
organização e divulgação;
k) No caso de extravio do cartão de GIAE e cartão de leitor o aluno tem direito a uma
segunda via, mediante o pagamento de uma verba pré-determinada;
l) Ver reconhecido e valorizado o mérito, a dedicação e o esforço no trabalho e no
desempenho escolar e ser estimulado nesse sentido;

___________________________________________________________________________________________49
Regulamento Interno 2011/2013

m) Ver reconhecido o empenhamento em acções meritórias, em favor da comunidade em


que está inserido ou da sociedade em geral, praticadas na escola ou fora dela, e ser estimulado nesse
sentido;
n) Usufruir de um horário escolar adequado ao ano frequentado, bem como de uma
planificação equilibrada das actividades curriculares e extracurriculares, nomeadamente as que
contribuem para o desenvolvimento da comunidade;
o) Participar na elaboração do regulamento interno da escola, conhecê-lo e ser informado,
em termos adequados à sua idade e ao ano frequentado, sobre todos os assuntos que justificadamente
sejam do seu interesse, nomeadamente sobre o modo de organização do plano de estudos ou curso, o
programa e objectivos essenciais de cada disciplina ou área disciplinar, e os processos e critérios de
avaliação, bem como sobre matrícula, abono de família e apoios sócio-educativos, normas de utilização e
de segurança dos materiais e equipamentos e das instalações, incluindo o plano de emergência e em
geral, sobre todas as actividades e iniciativas relativas ao Projecto Educativo.
p) Utilizar o cacifo devendo requerer autorização junto do director assente na elaboração
de um contrato.
q) Usufruir do ambiente e do projecto educativo que proporcionem as condições para o seu
pleno desenvolvimento físico, intelectual, moral, cultural e cívico, para a formação da sua personalidade.
r) Participar no processo de avaliação, através do mecanismo de auto e hetero avaliação.
2- O aluno tem o direito de ser informado sobre todos os assuntos que lhes digam respeito:
a) Modo de organização do seu plano de estudos ou curso, programa e objectivos essenciais
de cada disciplina ou área disciplinar e processos e critérios de avaliação, em linguagem adequada à sua
idade e nível de ensino frequentado;
b) Matrícula, abono de família e regime da candidatura e apoios sócio educativos;
c) Normas de utilização e segurança dos materiais e equipamentos da escola;
d) Iniciativas em que possa participar e que a escola tenha conhecimentos;
e) Normas de utilização de instalações especificas e todos os serviços do Agrupamento, bem
como o horário de funcionamento dos mesmos.
3- Cada aluno tem direito à educação e a aprendizagem bem sucedida tendo em conta as
seguintes garantias de equidade:
a) Beneficiar, no âmbito dos serviços de acção social escolar, de um sistema de apoios que
lhe permitam superar ou compensar as carências do tipo sócio -familiar, económico ou
cultural que dificultam o acesso à escola ou o processo de aprendizagem;
b) Beneficiar de actividades e medidas de apoio especificas no âmbito da intervenção dos
serviços de psicologia e orientação escolar e vocacional;
c) Beneficiar de apoios educativos adequados às suas necessidades educativas.
4- Cada aluno tem o direito à representação:
a) Os alunos que frequentam o ensino diurno bem como os trabalhadores estudantes do
ensino básico recorrente têm o direito de participar na vida do agrupamento, através dos delegados de
turma.
b) Direito a eleger e ser eleito representante de turma, o qual será porta-voz das sugestões e
problemas dos colegas.
c) Participar na eleição dos seus representantes;
d) O delegado e subdelegado de turma têm o direito de solicitar a realização de reuniões da
turma para apreciação de matérias relacionadas com o funcionamento da turma sem prejuízo do
cumprimento das actividades lectivas;

___________________________________________________________________________________________50
Regulamento Interno 2011/2013

e) Direito a constituir-se em associação de estudantes segundo os requisitos legais.


f) A associação de estudantes tem o direito de solicitar ao director do agrupamento de escolas
a realização de reuniões para apreciação de matérias relacionadas com o funcionamento da escola.
5 - Cada Aluno tem o direito à participação ao nível da turma.
6 - Solicitar material desportivo e recreativo para a ocupação de tempos livres dentro da
disponibilidade da Escola e sem prejuízo das actividades lectivas.

Artigo 105º
Deveres

A realização de uma escolaridade bem sucedida, com a perspectiva de formação integral do cidadão,
implica a responsabilização do aluno, enquanto elemento nuclear da comunidade escolar, com o assumir
dos seguintes deveres gerais:
a) Respeitar a autoridade do professor;
b) Estudar, empenhando-se na sua educação e formação integral;
c) Tratar com respeito e correcção qualquer elemento da comunidade escolar.
d) Seguir as orientações dos docentes relativas ao seu processo ensino - aprendizagem.
e) Respeitar as instruções do pessoal docente e não docente.
f) Respeitar o exercício do direito à educação e ensino dos outros alunos.
g) Ser assíduo, pontual e cumprir as tarefas que lhe forem atribuídas.
h) Aguardar à entrada da porta da sala de aula a chegada do professore. Após a entrada deste será
marcada falta aos alunos ausentes. Na ausência do professores os alunos só deverão abandonar o local
após informação do assistente operacional.
i) Participar nas actividades desenvolvidas pela escola.
j) Permanecer na escola, durante o seu horário, salvo autorização escrita do encarregado de
educação.
k) Zelar pela preservação, conservação e asseio da escola, nomeadamente no que diz respeito a
instalações, material didáctico, mobiliário e espaços verdes, fazendo uso adequado dos mesmos:
Qualquer dano causado nas instalações escolares, salas de aula, pavilhões, vedação, portões, zonas
verdes e outros que implique pagamento ou reparação, será comunicado ao encarregado de educação,
para efeitos do pagamento, pelo director que dará conhecimento ao director de turma.
l) Respeitar a propriedade dos bens de todos os elementos da comunidade escolar.
m) Em cada disciplina o aluno deve permanecer sempre no mesmo lugar na sala de aula.
n) Ser diariamente portador do cartão GIAE e caderneta escolar:
o) Apresentar o cartão sempre que lhe seja solicitado por qualquer docente ou pessoal não docente
dentro das instalações escolares, sendo a entrada e saída da escola condicionada pela apresentação do
cartão autorizado ou não autorizado.
p) O Aluno deve igualmente trazer todo o material necessário às disciplinas.
q) Conhecer as normas e horários de funcionamento de todos os serviços da escola.
r) Participar na eleição dos seus representantes, delegados e subdelegados de turma e membros da
Associação de estudantes, e dar-lhes colaboração.
s) Não permanecer nem circular junto as salas de aula no período de aulas. Devendo o aluno ser
encaminhado para locais apropriados.
t) Não entrar na sala de aula sem a presença do professor ou de um assistente operacional.
u) Circular dentro dos edifícios sem empurrões, correrias e gritos.

___________________________________________________________________________________________51
Regulamento Interno 2011/2013

v) Acatar todas as ordens, comunicados e avisos que lhes digam respeito,


w) Solicitar previamente ao director autorização para representar em nome da escola actividades
dentro e fora do recinto escolar.
x) O Aluno que compareça às aulas pela 4ª vez sem o material necessário ser-lhe marcada falta de
presença. O professor deverá informar o encarregado de educação de tal facto.
y) Nas disciplinas de educação física (2º e 3º Ciclos), EVT (2º Ciclo), educação visual (3º Ciclo), atelier
de expressão artística (3º Ciclo) e educação tecnológica (3º Ciclo), à 4ª falta terão falta continuada sempre
que não apresentem com o material necessário durante o mesmo período. Poderá o professor proceder
do mesmo modo, sempre que a falta de material inviabilize o normal decorrer da aula. Os professores das
disciplinas sempre que considerem necessário deverão enviar informação das faltas de material aos
encarregados de educação, através da caderneta ou caderno diário.
z) Ao primeiro tempo da manhã, poderá haver uma tolerância de cinco minutos.
aa) As aulas de apoio individualizado destinam-se aos alunos indicados pelos conselhos de turma.
bb) As faltas de presença justificam-se ao director de turma / professor titular de turma, por escrito,
na caderneta do aluno, com a indicação do dia, aula ou actividade lectiva em que a não comparência se
verificar e dos motivos justificativos. A justificação deverá ser apresentada até ao 5º dia útil subsequente
à falta.
cc) Não exercer qualquer tipo de discriminação sobre os elementos da comunidade educativa por
motivos de raça, sexo ou qualquer outra circunstância pessoal ou social.
dd) Não utilizar verniz corrector em qualquer prova de avaliação.
ee) Não utilizar lápis nos testes de avaliação.
ff) Permanecer na escola durante o seu horário, salvo autorização escrita do encarregado de
educação ou da direcção da escola:
gg) Não possuir e não consumir substâncias aditivas, em especial drogas, tabaco e bebidas alcoólicas,
nem promover qualquer forma de tráfico, facilitação e consumo das mesmas;
hh) Não transportar quaisquer materiais, equipamentos tecnológicos, instrumentos ou engenhos,
passíveis de, objectivamente, perturbarem o normal funcionamento das actividades lectivas ou causarem
danos físicos ou psicológicos aos aluno ou a terceiros;
ii) Não praticar qualquer acto ilícito;
jj) Ser informado sobre o regulamento interno da escola e, por meios a definir por esta e em termos
adequados à sua idade e ao ano frequentado, sobre todos os assuntos que justificadamente sejam do seu
interesse, nomeadamente sobre o modo de organização do plano de estudos ou curso, o programa e
objectivos essenciais de cada disciplina ou área disciplinar, os processos e critérios de avaliação, bem
como sobre matrícula, abono de família e apoios sócio -educativos, normas de utilização e de segurança
dos materiais e equipamentos e das instalações, incluindo o plano de emergência, e, em geral, sobre
todas as actividades e iniciativas relativas ao projecto educativo da escola.

Artigo 106º
Dever de Assiduidade

Frequência e assiduidade:
a) Para além do dever de frequência da escolaridade obrigatória, nos termos da Lei, os alunos são
responsáveis pelo cumprimento do dever de assiduidade;
b) Os pais e encarregados de educação dos alunos menores de idade são responsáveis
conjuntamente com estes pelo cumprimento dos deveres referidos no número anterior;

___________________________________________________________________________________________52
Regulamento Interno 2011/2013

c) O dever de assiduidade implica para o aluno, quer a presença quer a pontualidade na sala de aula
e demais locais onde se desenvolva o trabalho escolar, quer uma atitude de empenho intelectual e
comportamental adequada, de acordo com a sua idade, ao processo de ensino e aprendizagem.

Artigo 107º
Outras Regras de Conduta

1 - Apresentar um aspecto limpo e cuidado, tanto no que diz respeito ao corpo como ao vestuário;
2 - Apresentar-se na sala de aula de cabeça descoberta e com vestuário apropriado (sem o
equipamento de educação física, calções de praia, ou outro vestuário chocante);
3 - Não se apresentar na sala de aula a mascar pastilha elástica ou a comer;
4 - Marcar e conservar sempre limpos e arrumados os livros, cadernos e demais material escolar
pessoal;
5 - Não subir a muros, telhados e árvores, nem saltar vedações;
6 - Entregar com prontidão a um funcionário os objectos achados;
7 - Ter uma atitude cívica e responsável, tanto dentro como fora da sala de aulas de forma a :
a) Utilizar linguagem e atitudes correctas;
b) Não se apropriar ou danificar objectos que não lhe pertençam;
c) Respeitar a prioridade nas filas de espera, evitando ultrapassagem e empurrões;
d) Evitar brincadeiras que possam provocar estragos;
e) Não jogar á bola fora dos espaços reservados para tal fim;
f) Dentro da sala de aula não usar o boné e/ou óculos escuros;
g) Não manter o telemóvel ligado ou outros dispositivos electrónicos (bipeer, consolas)que
possam perturbar o normal funcionamento de uma aula;
8 - Apresentar justificação oral das faltas aos respectivos professores e por escrito ao Director de
Turma ou ao professor titular;
9 - Deitar o lixo nos recipientes próprios.

Artigo 108º
Processo individual do Aluno

São registadas no processo individual do Aluno as informações relevantes do seu percurso


educativo, designadamente as relativas a comportamentos meritórios e a infracções e medidas
disciplinares aplicadas, incluindo a descrição dos respectivos efeitos.

SUBSECÇÃO II
FALTAS

Artigo 109º
Faltas justificadas

1 — São consideradas justificadas as faltas dadas pelos seguintes motivos:


a) Doença do aluno, devendo esta ser declarada por médico se determinar impedimento superior a
cinco dias úteis;

___________________________________________________________________________________________53
Regulamento Interno 2011/2013

b) Isolamento profiláctico, determinado por doença infecto -contagiosa de pessoa que coabite com o
aluno, comprovada através de declaração da autoridade sanitária competente;
c) Falecimento de familiar, durante o período legal de justificação de faltas por falecimento de
familiar previsto no regime do contrato de trabalho dos trabalhadores que exercem funções públicas;
d) Nascimento de irmão, durante o dia do nascimento e o dia imediatamente posterior;
e) Realização de tratamento ambulatório, em virtude de doença ou deficiência, que não possa
efectuar-se fora do período das actividades lectivas;
f) Assistência na doença a membro do agregado familiar, nos casos em que, comprovadamente, tal
assistência não possa ser prestada por qualquer outra pessoa;
g) Acto decorrente da religião professada pelo aluno, desde que o mesmo não possa efectuar -se fora
do período das actividades lectivas e corresponda a uma prática comummente reconhecida como própria
dessa religião;
h) Preparação ou participação em competições desportivas de alunos integrados no subsistema do alto
rendimento, nos termos da legislação em vigor, bem como daqueles que sejam designados para integrar
selecções ou outras representações nacionais, nos períodos de preparação e participação competitiva, ou,
ainda, a participação dos demais alunos em actividades desportivas e culturais quando esta seja
considerada relevante pelas respectivas autoridades escolares
i) Participação em actividades associativas, nos termos da lei;
j) Cumprimento de obrigações legais;
k) Outro facto impeditivo da presença na escola, desde que, comprovadamente, não seja imputável
ao aluno ou seja, justificadamente, considerado atendível pelo director de turma ou pelo professor titular
de turma;
l) Comparência a consultas pré natais, período de parte e amamentação, tal como definido na lei nº
90/2001, de 20 de Agosto;

Artigo 110º
Faltas injustificadas

1 — As faltas são injustificadas quando:


a) Não tenha sido apresentada justificação, nos termos do n.º 1 do artigo 19.º;
b) A justificação tenha sido apresentada fora do prazo;
c) A justificação não tenha sido aceite;
d) A marcação da falta resulte da aplicação da ordem de saída da sala de aula ou de medida
disciplinar sancionatória.
2 — Na situação prevista na alínea c) do número anterior, a não aceitação da justificação
apresentada deve ser devidamente fundamentada.
3— As faltas injustificadas são comunicadas aos pais ou encarregados de educação ou, quando
maior de idade, ao aluno, pelo director de turma ou pelo professor titular de turma, no prazo máximo de
três dias úteis, pelo meio mais expedito.

Artigo 111º
Efeito das faltas

1 — No 1.º ciclo do ensino básico o aluno não pode dar mais de 10 faltas injustificadas.
___________________________________________________________________________________________54
Regulamento Interno 2011/2013

2 — Nos restantes ciclos ou níveis de ensino, as faltas injustificadas não podem exceder o dobro
do número de tempos lectivos semanais, por disciplina.
3 — Quando for atingido metade do limite de faltas injustificadas, os pais ou encarregados de
educação ou, quando maior de idade, o aluno, são convocados, pelo meio mais expedito, pelo director de
turma ou pelo professor titular de turma.
4 — A notificação referida no número anterior deve alertar para as consequências da violação do
limite de faltas injustificadas e procurar encontrar uma solução que permita garantir o cumprimento
efectivo do dever de assiduidade.
5 — Caso se revele impraticável o referido no número anterior, por motivos não imputáveis à
escola, e sempre que a gravidade especial da situação o justifique, a respectiva comissão de protecção de
crianças e jovens deve ser informada do excesso de faltas do aluno, assim como dos procedimentos e
diligências até então adoptados pela escola, procurando em conjunto soluções para ultrapassar a sua
falta de assiduidade.
6 — Para efeitos do disposto nos n.º 1 e 2, são também contabilizadas como faltas injustificadas
as decorrentes da aplicação da medida correctiva de ordem de saída da sala de aula, nos termos do n.º 5
do artigo 115.º, bem como as ausências decorrentes da aplicação da medida disciplinar sancionatória de
suspensão prevista na alínea b) do n.º 2 do artigo 116.º

Artigo 112º
Efeito da ultrapassagem do limite de faltas injustificadas

1 — Para os alunos que frequentam o 1.º ciclo do ensino básico, a violação do limite de faltas
injustificadas previsto no n.º 1 do artigo anterior obriga ao cumprimento de um plano individual de
trabalho que incidirá sobre todo o programa curricular do nível que frequenta e que permita recuperar o
atraso das aprendizagens.
2 — Para os alunos que frequentam o 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e o ensino secundário, a
violação do limite de faltas injustificadas previsto no n.º 2 do artigo anterior obriga ao cumprimento de
um plano individual de trabalho, que incidirá sobre a disciplina ou disciplinas em que ultrapassou o
referido limite de faltas e que permita recuperar o atraso das aprendizagens.
3 — O recurso ao plano individual de trabalho previsto nos números anteriores apenas pode
ocorrer uma única vez no decurso de cada ano lectivo.
4 — O cumprimento do plano individual de trabalho por parte do aluno realiza -se em período
suplementar ao horário lectivo. O Conselho Pedagógico definiu a sua realização nos seguintes termos:
a) Cada Professor do 2º e 3º Ciclo deverá informar o Director de turma, quando o aluno
ultrapassar o limite das faltas injustificadas;
b) Atingidos os limites de faltas estabelecidos, o docente/professor titular de turma indica ao
aluno e comunica ao Encarregado de Educação, via caderneta, os conteúdos programáticos
leccionados, que serão objecto de avaliação.
c) O Docente do 2º e 3º Ciclo informa ainda o Director de Turma e o Órgão de Gestão, a fim de
procederem à calendarização do Plano Individual de Trabalho (prova(s) e/ou trabalhos). Da
calendarização será dado conhecimento pelo Docente do 2º e 3º Ciclo ao aluno e
Encarregado de Educação;
d) No 1º Ciclo, será realizado no horário do apoio ao estudo.

___________________________________________________________________________________________55
Regulamento Interno 2011/2013

e) Dada a natureza das disciplinas, as que não realizarão o Plano Individual de Trabalho serão as
seguintes: Estudo Acompanhado, Formação Cívica, Área de Projecto, Educação Moral e
Religiosa Católica e Actividades Extra Curriculares;
f) A matéria para a realização do Plano Individual de Trabalho deverá ter os conteúdos
leccionados, nas aulas a que o aluno esteve ausente;
g) Enquanto instrumento de avaliação, o Plano Individual de Trabalho deve ser adequado à
situação específica do aluno e à natureza da disciplina ou disciplinas.
5 — O previsto no número anterior não isenta o aluno da obrigação de cumprir o horário lectivo
da turma em que se encontra inserido.
6 — Sempre que cesse o incumprimento do dever de assiduidade por parte do aluno, o conselho
de turma de avaliação do final do ano lectivo pronunciar -se -á, em definitivo, sobre o efeito da
ultrapassagem do limite de faltas injustificadas verificado.
7 — Após o estabelecimento do plano individual de trabalho, a manutenção da situação do
incumprimento do dever de assiduidade, por parte do aluno, determina que o director da escola, na
iminência de abandono escolar, possa propor a frequência de um percurso curricular alternativo no
interior do agrupamento de escolas.
8 — O incumprimento reiterado do dever de assiduidade determina a retenção no ano de
escolaridade que o aluno frequenta.

SUBSECÇÃO III
REGIME DISCIPLINAR

Artigo 113º
Qualidade da infracção

1 — Todas as medidas correctivas e medidas disciplinares sancionatórias prosseguem finalidades


pedagógicas, preventivas, dissuasoras e de integração, visando, de forma sustentada, o cumprimento dos
deveres do aluno, o respeito pela autoridade dos professores no exercício da sua actividade profissional e
dos demais funcionários, bem como a segurança de toda a comunidade educativa.
2 — As medidas correctivas e as medidas disciplinares sancionatórias visam ainda garantir o
normal prosseguimento das actividades da escola, a correcção do comportamento perturbador e o
reforço da formação cívica do aluno, com vista ao desenvolvimento equilibrado da sua personalidade, da
sua capacidade de se relacionar com os outros, da sua plena integração na comunidade educativa, do seu
sentido de responsabilidade e das suas aprendizagens.
3 — As medidas disciplinares sancionatórias, tendo em conta a especial relevância do dever
violado e a gravidade da infracção praticada, prosseguem igualmente, para além das identificadas no
número anterior, finalidades punitivas.
4 — As medidas correctivas e as medidas disciplinares sancionatórias devem ser aplicadas em
coerência com as necessidades educativas do aluno e com os objectivos da sua educação e formação, no
âmbito do desenvolvimento do plano de trabalho da turma e do projecto educativo da escola, nos termos
do respectivo regulamento interno.

___________________________________________________________________________________________56
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 114º
Determinação da medida disciplinar

1 — Na determinação da medida disciplinar correctiva ou sancionatória a aplicar, deve ter -se em


consideração a gravidade do incumprimento do dever, as circunstâncias, atenuantes e agravantes
apuradas, em que esse incumprimento se verificou, o grau de culpa do aluno, a sua maturidade e demais
condições pessoais, familiares e sociais.
2 — São circunstâncias atenuantes da responsabilidade disciplinar do aluno o seu bom
comportamento anterior, o seu aproveitamento escolar e o seu reconhecimento, com arrependimento,
da natureza ilícita da sua conduta.
3 — São circunstâncias agravantes da responsabilidade do aluno a premeditação, o conluio, bem
como a acumulação de infracções disciplinares e a reincidência, em especial se no decurso do mesmo ano
lectivo.

Artigo 115º
Medidas Correctivas

1 – As medidas correctivas prosseguem finalidades pedagógicas, dissuasoras e de integração,


assumindo uma natureza iminentemente preventiva. São medidas correctivas as que a seguir se definem:
a) Advertência;
b) A ordem de saída da sala de aula e demais locais onde se desenvolva o trabalho escolar;
c) A realização de tarefas e actividades de integração na escola podendo, para esse efeito,
ser aumentado o período de permanência obrigatória, diária ou semanal, do aluno na escola;
d) O condicionamento no acesso a certos espaços escolares, actividades ou na utilização de
certos materiais e equipamentos, sem prejuízo dos que se encontrem afectos a actividades lectivas;
e) A mudança de turma.
2- A advertência consiste numa chamada verbal de atenção ao aluno, perante um
comportamento perturbador do funcionamento normal das actividades escolares ou das relações entre
os presentes no local onde elas decorrem, com vista a alertá-lo para que deve evitar tal tipo de conduta e
a responsabilizá-lo pelo cumprimento dos seus deveres como aluno.
3- Na sala de aula, a repreensão é da exclusiva competência do professor, enquanto que, fora
dela, qualquer professor ou membro do pessoal não docente tem competência para repreender o aluno.
4- A ordem de saída da sala de aula e demais locais onde se desenvolva o trabalho escolar é da
exclusiva competência do professor respectivo e implica a permanência do aluno na escola, competindo
àquele determinar o período de tempo durante o qual o aluno deve permanecer fora da sala de aula, se a
aplicação da medida correctiva acarreta ou não marcação de falta e, se for caso disso, quais as actividades
que o aluno deve desenvolver no decurso desse período de tempo. Nos casos em que seja marcada falta,
esta deverá ser comunicada ao encarregado de educação, através da caderneta do alunos, com
conhecimento, também por escrito ao director de turma.
5- A aplicação das medidas correctivas previstas nas alíneas c), d) e e) do n.º 1 é da competência
do director do agrupamento de escolas que, para o efeito, pode ouvir o director de turma ou o professor
titular da turma a que o aluno pertença.
6- A aplicação, e posterior execução, da medida correctiva prevista na alínea d) do n.º 1 não pode
ultrapassar o período de tempo correspondente a um ano lectivo.

___________________________________________________________________________________________57
Regulamento Interno 2011/2013

7- As actividades de integração na escola prevista na alínea c) do n.º 1 deverão ter lugar em


horário não coincidente com as actividades lectivas, num prazo máximo de trinta dias. Terão de ser
comunicadas ao encarregado de educação e podem traduzir-se nos seguintes desempenhos:
a) Realizar tarefas na escola e/ou biblioteca;
b) Organizar os materiais escolares (ex: passar o caderno diário a limpo);
c) Participar na limpeza da cantina, dos espaços exteriores ou outros;
d) Colaborar com os assistentes operacionais numa determinada tarefa (refeitório, bufete);
e) Realizar tarefas na manutenção dos espaços verdes da escola (regar plantas, arrancar
ervas daninhas,...)
f) Ajudar na conservação e manutenção dos espaços interiores e exteriores e material
escolar;
g) Reparação do dano provocado.
8- Obedece igualmente ao disposto no número anterior, com as devidas adaptações, a aplicação
e posterior execução da medida correctiva prevista na alínea d) do n.º 1. Essa aplicação é da competência
do professor titular de turma, director de turma ou conselho de turma com supervisão do director. As
actividades/espaços a que o aluno poderá ficar condicionado são:
a) A participar nas actividades desportivas da escola;
b) A utilizar meios informáticos fora da sala de TIC;
c) A participar em desfiles, teatros, e outras actividades lúdicas;
d) A participar em viagens de estudo.
9- A aplicação, e posterior execução, da medida correctiva prevista na alínea d) do n.º 1:
a) Pode verificar-se em qualquer altura do ano lectivo, embora salvaguardando o
desenvolvimento normal dos projectos curriculares de turmas envolvidas;
b) Pressupõe que sejam auscultados os directores de turma/professores titulares das turmas
envolvidas;
c) Não pode ultrapassar o período de tempo correspondente a um ano lectivo.
10- A aplicação das medidas correctivas previstas no n.º 1 é comunicada aos pais ou ao
encarregado de educação, tratando -se de aluno menor de idade.

Artigo 116º
Medidas disciplinares sancionatórias

1 — As medidas disciplinares sancionatórias traduzem uma sanção disciplinar imputada ao


comportamento do aluno, devendo a ocorrência dos factos susceptíveis de a configurarem ser participada
de imediato, pelo professor ou funcionário que a presenciou, ou dela teve conhecimento, à direcção do
agrupamento de escolas com conhecimento ao director de turma.
2 — São medidas disciplinares sancionatórias:
a) A repreensão registada;
b) A suspensão por um dia;
c) A suspensão da escola até dez dias úteis;
d) A transferência de escola.
3 — A aplicação da medida disciplinar sancionatória de repreensão registada, quando a infracção
for praticada na sala de aula, é da competência do professor respectivo, sendo do director do
agrupamento de escolas ou escola não agrupada nas restantes situações, averbando -se no respectivo

___________________________________________________________________________________________58
Regulamento Interno 2011/2013

processo individual do aluno a identificação do autor do acto decisório, a data em que o mesmo foi
proferido e a fundamentação, de facto e de direito, que norteou tal decisão.
4 — Em casos excepcionais e enquanto medida dissuasora, a suspensão por um dia pode ser
aplicada pelo director do agrupamento de escolas, garantidos que estejam os direitos de audiência e
defesa do visado e sempre fundamentada nos factos que a suportam.
5 — A decisão de aplicar a medida disciplinar sancionatória de suspensão até 10 dias úteis é
precedida da audição em processo disciplinar do aluno visado, do qual constam, em termos concretos e
precisos, os factos que lhe são imputados, os deveres por ele violados e a referência expressa, não só da
possibilidade de se pronunciar relativamente àqueles factos, como da defesa elaborada, sendo
competente para a sua aplicação o director da escola, que pode, previamente, ouvir o conselho de turma.
6 — Compete ao director da escola, ouvidos os pais ou o encarregado de educação do aluno,
quando menor de idade, fixar os termos e condições em que a aplicação da medida disciplinar
sancionatória referida no número anterior é executada, garantindo ao aluno um plano de actividades
pedagógicas a realizar, co-responsabilizando--os pela sua execução e acompanhamento, podendo
igualmente, se assim o entender, estabelecer eventuais parcerias ou celebrar protocolos ou acordos com
entidades públicas ou privadas.
7 — A aplicação da medida disciplinar sancionatória de transferência de escola compete ao
director regional de educação respectivo, após a conclusão do procedimento disciplinar a que se refere o
artigo 43.º da Lei nº 39/2010, e reporta -se à prática de factos notoriamente impeditivos do
prosseguimento do processo de ensino –aprendizagem dos restantes alunos da escola, ou do normal
relacionamento com algum ou alguns dos membros da comunidade educativa.
8 — A medida disciplinar sancionatória de transferência de escola apenas é aplicável a aluno de
idade igual ou superior a 10 anos e, frequentando o aluno a escolaridade obrigatória, desde que esteja
assegurada a frequência de outro estabelecimento de ensino situado na mesma localidade ou na
localidade mais próxima servida de transporte público ou escolar.
9 — Complementarmente às medidas previstas no n.º 2, compete ao director do agrupamento de
escolas decidir sobre a reparação dos danos provocados pelo aluno no património escolar.

Artigo 117º
Cumulação de Medidas Disciplinares

1 — A aplicação das medidas correctivas previstas nas alíneas a) a e) do n.º 1 do artigo 115.º é
cumulável entre si.
2 — A aplicação de uma ou mais das medidas correctivas é cumulável apenas com a aplicação de
uma medida disciplinar sancionatória.
3 — Sem prejuízo do disposto nos números anteriores, por cada infracção apenas pode ser
aplicada uma medida disciplinar sancionatória.

Artigo 118º
Medidas correctivas e medidas disciplinares sancionatórias das
actividades de enriquecimento curricular do 1º ciclo

1 – A repreensão:
i. Consiste na repreensão verbal ao aluno face à gravidade do seu comportamento, com vista
à sua responsabilização e no sentido do cumprimento dos seus deveres;

___________________________________________________________________________________________59
Regulamento Interno 2011/2013

ii. É aplicada pelo professor da AEC que dará conhecimento ao professor titular da turma;
2 – Participação escrita:
1. Traduz-se numa participação escrita, em impresso próprio, que ficará arquivada no
processo individual do aluno, com notificação ao encarregado de educação;
2. É aplicada pelo professor da AEC, que dará conhecimento ao professor titular de turma e
ao director;
3. Após três participações escritas, haverá lugar à repreensão registada pelo director.
3 – Repreensão registada:
a) Traduz-se numa repreensão registada que ficará arquivada no processo individual do aluno,
com notificação ao encarregado de educação;
b) É aplicada pelo director, com a presença do aluno, do encarregado de educação e do
professor titular de turma;
c) Caso se verifique uma nova repreensão registada, haverá lugar à suspensão da frequência
da AEC.
4 – Suspensão da frequência da AEC:
a) A suspensão da AEC determina o impedimento do aluno na mesma, dando lugar à
marcação das respectivas faltas;
b) O período de suspensão é de cinco dias úteis, aplicado pelo director.
c) Cumprida a suspensão, haverá lugar à expulsão da AEC, caso se verifique uma nova
repreensão registada.
5 – Expulsão da AEC:
i. A expulsão implica a proibição da frequência da AEC, durante esse ano lectivo;
ii. Esta medida disciplinar é da responsabilidade do director.

SUBSECÇÃO IV
TUTORIAS

Artigo 119º
Tutorias

1- O Decreto Regulamentar 10/99 de 21.07.1999 embora revogado pelo Decreto-Lei nº 75/2008,


de 22 de Abril, que integra, no seu artigo 44, a figura do professor tutor, no quadro da autonomia das
escolas, mantém a sua validade, devendo ser seguidos os princípios orientadores enunciados e que se
transcrevem:
a) O director pode designar, no âmbito do desenvolvimento contratual do agrupamento de
escolas, professores tutores responsáveis pelo acompanhamento, de forma individualizada,
do processo educativo de um grupo de alunos, de preferência ao longo do seu percurso
escolar.
2- As tutórias destinam-se a alunos de todos os anos de escolaridade, seguindo-se os seguintes
critérios de prioridade:
a) alunos em regime de continuidade de apoio tutorial;
b) alunos com comportamento perturbador e revelador da não interiorização de regras e valores
do «Ser» e «Estar»;
c) alunos com dificuldades de integração (timidez, isolamento, não integração na turma);

___________________________________________________________________________________________60
Regulamento Interno 2011/2013

d) alunos com incapacidade organizativa do processo de estudo (falta de hábitos, técnicas e


métodos de estudo, gestão do tempo, etc.);
e) alunos com falta de autonomia na realização de actividades.
3- O funcionamento das tutorias rege-se pelo respectivo regimento

SUBSECÇÃO V
PRÉMIO DE MÉRITO

Artigo 120º
Prémio de Mérito

1- Os prémios de mérito são destinados a distinguir alunos que preencham um ou mais dos seguintes
requisitos:
a) Revelem atitudes exemplares de superação das suas dificuldades;
b) Alcancem excelentes resultados escolares;
c) Produzam trabalhos académicos de excelência ou realizem actividades curriculares ou de
complemento curricular de relevância;
d) Desenvolvam iniciativas ou acções exemplares no âmbito da solidariedade social.
2- Os critérios de avaliação para o 1º Ciclo serão aplicados pela seguinte ordem, no final do ano lectivo:
a) Melhor apreciação global, tendo como base o maior número de excelentes, nas várias áreas
curriculares disciplinares. Em caso de empate, considerar o mesmo tipo de avaliação nos 2º e
1º períodos, respectivamente.
b) Melhor apreciação global, tendo como base o maior número de satisfaz bem, nas várias áreas
curriculares não disciplinares. Em caso de empate, considerar o mesmo tipo de avaliação nos
2º e 1º períodos, respectivamente.
c) Em caso de empate, análise do processo individual do aluno.
NOTA: Devem ser excluídas as actividades extracurriculares, uma vez que não são de carácter
obrigatório.
3- Os critérios de avaliação para os 2º e 3º Ciclos serão aplicados pela seguinte ordem no final do ano
lectivo:
c) Melhor média, arredondada às décimas. Em caso de empate considerar-se-á a avaliação dos
mesmos parâmetros relativamente aos 2º e 1º períodos respectivamente.
d) Melhor apreciação global, tendo como base o maior número de satisfaz bem, na área não
curricular de Área de Projecto nos três períodos.
e) Em caso de empate, análise do processo individual do aluno.
NOTA: A avaliação de Educação Moral e Religião Católica, não é considerada para efeitos de
média, uma vez que se trata de uma disciplina facultativa.

SECÇÃO II
PESSOAL DOCENTE

SUBSECÇÃO I
DIREITOS E DEVERES

___________________________________________________________________________________________61
Regulamento Interno 2011/2013

A actividade do pessoal desenvolve-se de acordo com os princípios consagrados na Constituição


da República Portuguesa, na Lei de Bases do Sistema Educativo e no Estatuto da Carreira Docente. A sua
actuação não se restringe à sala de aula, antes se alarga a todo o espaço escolar e à relação escola-meio,
cumprindo e fazendo cumprir o estabelecido no regulamento interno.

Artigo 121º
Direitos

1 - Constituem direitos dos Professores:


a) Participar no processo educativo;
b) Exprimir livremente as suas opiniões, participando activamente na vida do agrupamento,
não podendo ser marginalizado por motivos de qualquer ordem, pois todos devem ser tratados por igual;
c) Serem respeitados no exercício das suas funções por todos os elementos da comunidade
escolar;
d) Exigir ambiente propício a um bom trabalho, assistindo-lhes a possibilidade de impedir
que as suas aulas sejam perturbadas por elementos externos ou por alunos presentes nas mesmas;
e) Ter acesso a todas as informações que lhe digam respeito, recebendo o agrupamento
todo o apoio às suas actividades;
f) Terem locais adequados ao exercício das suas funções, devidamente apetrechados em
material didáctico;
g) Exigirem que no início da aula, a sala se encontre arrumada, arejada e limpa, e com o
material que seja necessário;
h) Não ser objecto de crítica sem que a sua pessoa esteja presente, para que possa dar o seu
testemunho;
i) Exigirem que todos os actos de indisciplina que afectem a sua dignidade pessoal e/ ou
profissional, sejam apreciados pelo conselho de turma/ conselho de docentes titulares de turma,
conselho pedagógico e pelo direcção, de modo a serem tomadas as medidas julgadas necessárias para
evitar qualquer quebra infundada dessa dignidade;
j) Expor as suas ideias e opiniões sobre assuntos de ordem disciplinar, pedagógica e
didáctica em:
i. Conselho de Turma/ Conselho de Docentes Titulares de Turma;
ii. Conselho de Grupo e/ ou Departamento Curricular/ Conselho de Docentes;
iii. Conselho Pedagógico.
l) Elegerem e serem eleitos ou nomeados para os vários órgãos da gestão escolar de acordo
com a sua formação científico - pedagógica;
m) Serem informados de tudo o que conste no seu registo biográfico do qual lhe deve ser
facultada fotocópia autenticada quando o docente requeira;
n) Exercerem actividade sindical nos termos estabelecidos pela legislação em vigor;
o) Usufruírem dos serviços de apoio do Agrupamento;
p) Ser-lhe passado recibo ou fotocópia de toda a documentação entregue, quando solicitado;
q) Segurança na actividade profissional;
r) Conhecer o Regulamento Interno, bem como o local onde se encontra arquivado;
s) Poder afixar cartazes ou avisos em expositores próprios e locais determinados para esse
fim, desde que sejam devidamente identificados e apenas após a autorização do director excluindo os
trabalhos dos Alunos.

___________________________________________________________________________________________62
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 122º
Deveres

1 - Constituem deveres dos Professores:


a) Estarem informados sobre toda a legislação que lhes diga respeito, assim como toda
aquela que estiver implícita para o exercício da sua função na escola, nomeadamente o cumprimento do
regulamento interno.
b) Entrarem na sala de aula no horário estabelecido e saírem após o fim da aula,
assegurando as aulas durante todo o tempo lectivo das mesmas, independentemente do número de
alunos presentes.
c) Antes de entrarem na sala de aulas os professores transportam o livro de ponto que se
encontra a entrada de cada pavilhão, entregando-o ao funcionário após o final da aula. Exceptuando os
professores de educação física e educação musical, pois os livros de ponto são transportados pelo
funcionário;
d) Não permitir a saída de qualquer aluno antes da conclusão de cada aula excepto os casos
devidamente justificados;
e) Entrarem na aula primeiro que os alunos e serem os últimos a abandoná-la, tendo o
cuidado de apagar as luzes e fechar a porta providenciando que os alunos deixem a sala limpa e
arrumada;
f) Comunicarem à direcção a possível falta de limpeza da sala, assim como qualquer falta de
material ou qualquer danificação do mesmo;
g) Entregarem ao responsável da reprografia as fichas de trabalho ou de avaliação com a
antecedência necessária (quarenta e oito horas antes);
h) Fornecerem regularmente ao director de turma todas as informações referentes ao
aproveitamento e comportamento dos Alunos, quando solicitado ou sempre que seja necessário;
i) Marcarem as faltas de presença, de material e de comportamento conforme as normas
estabelecidas neste regulamento e na legislação vigente;
j) Participarem, por escrito, ao director de turma as faltas de comportamento e material
marcadas aos alunos;
k) Elaborarem com o máximo cuidado os sumários, indicando neles o número da lição, a
matéria tratada na aula e os números dos alunos a quem foram marcadas faltas;
l) Participarem activamente em todas as reuniões para que tenham sido legalmente
convocados;
m) A requisição de material audiovisual e de material específico das disciplinas deve ser feito
ao funcionário desses materiais com o mínimo de vinte e quatro horas de antecedência;
n) Reconhecer e respeitar as diferenças culturais e pessoais dos Alunos e demais membros
da comunidade educativa;
o) Colaborar com todos os intervenientes do processo educativo, favorecendo a criação do
desenvolvimento de relações de respeito mútuo;
p) Participar na organização e assegurar a realização das actividades educativas;
q) Respeitar a natureza confidencial da informação relativa aos Alunos e respectivas famílias;
r) Sanar de imediato qualquer situação de indisciplina na sala de aula;
s) Aplicação das seguintes medidas educativas disciplinares :
i. Advertência ao aluno;
ii. Advertência comunicada ao encarregado de educação.

___________________________________________________________________________________________63
Regulamento Interno 2011/2013

t) Aplicação das medidas educativas disciplinares de advertência disciplinar ao aluno nas


situações em que presencie comportamentos perturbadores fora da sala de aula;
u) A aplicação das medidas educativas disciplinares enunciadas no ponto anterior deve ser
comunicada ao director de turma;
v) Caso o professor entenda que o comportamento é passível de ser qualificado de grave ou
muito grave haverá lugar a imediata participação ao director de turma para efeitos de eventual
procedimento disciplinar;
w) Co-responsabilizar-se pela prevenção e uso adequado das instalações e equipamentos e
propor medidas de melhoramento e renovação;
x) Gerir o processo de ensino - aprendizagem no âmbito dos programas definidos;
y) Colaborar com os pais ou encarregados de educação dos alunos, no sentido de prevenir e
resolver problemas de aprendizagem ou comportamentais;
z) Deve proceder a ordem de saída da sala de aula ao Aluno sempre que o mesmo revele um
comportamento inadequado devendo nesse caso, encaminha-lo para a sala de estudo destinando-lhe
obrigatoriamente uma tarefa. O aluno deve ser sempre acompanhado por um funcionário.
aa) Resolver com bom senso e com espírito de tolerância os problemas que surjam no
contacto com as crianças ou quaisquer outros elementos da comunidade educativa;
bb) Desenvolver nas crianças o sentido de responsabilidade, com vista à sua formação integral
e incutir-lhes a ideia de respeito pela pessoa humana e pelo meio ambiente;
cc) Estar actualizado, quer cientificamente, quer pedagogicamente.
dd) Por coerência com os deveres dos alunos o professor deverá desligar o telemóvel antes
do inicio da aula.

SUBSECÇÃO II
AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

Artigo 123º
Âmbito

1 – A avaliação de desempenho do pessoal docente tem por referência os objectivos individuais


que forem estabelecidos pelo docente e que serão objecto de negociação com o(s) respectivo(s)
avaliador(es).
2 – as fichas de avaliação com os indicadores de medida da avaliação e os respectivos
instrumentos de registo são elaboradas pelo agrupamento.

Artigo 124º
Calendarização
A calendarização do processo de avaliação a implementar, estará de acordo com a legislação em
vigor.
Artigo 125º
Apreciação dos pais e encarregados de educação

___________________________________________________________________________________________64
Regulamento Interno 2011/2013

1 - O docente que pretenda a apreciação dos pais e encarregados de educação, no processo de


avaliação para o ano lectivo seguinte, deve solicitá-lo na reunião de avaliação final do ano lectivo anterior.
2 – Esta apreciação deve ser registada em impresso próprio que incluirá as seguintes dimensões:
a) Relação com os alunos;
b) Desenvolvimento do trabalho na aula;
c) Disponibilidade para atender pais e encarregados de educação.
3 – O docente inclui esta apreciação na sua ficha de auto-avaliação de modo a ser considerado no
seu processo de avaliação de desempenho.

Artigo 126º
Comissão de Coordenação da Avaliação de Pessoal Docente

1- Será constituída uma Comissão de Coordenação da Avaliação de Desempenho do Pessoal


Docente do Agrupamento de Escolas do Teixoso.
2- O funcionamento da referida Comissão será definido em regulamento próprio anexo a este
documento.

SECÇÃO III
PESSOAL NÃO DOCENTE

SUBSECÇÃO I
DIREITOS E DEVERES

Artigo 127º
Direitos

1. São direitos gerais do pessoal não docente:


O Pessoal não Docente do Agrupamento, usufrui dos direitos gerais estabelecidos por Lei para os
Funcionários e Agentes do Estado e no Código do Trabalho, além do regulamento interno do pessoal não
docente (Despacho n.º 17460/2006 de 29 de Agosto), para o pessoal com contrato de trabalho,
nomeadamente o direito à remuneração, o direito à assistência médica e medicamentosa na doença e o
direito ao tempo de serviço prestado na função pública, assim como os descritos no presente
regulamento interno.
2. São direitos específicos do pessoal não docente:
a) Conhecer o Regulamento Interno do Agrupamento quanto ao seu conteúdo;
b) Ser consultado antes de ser indigitado para qualquer cargo ou tarefa específica, respeitando as
normas em vigor e ouvido nas suas acções;
c) Ser atendido nas suas solicitações e esclarecido nas suas dúvidas por quem de direito;
d) Beneficiar de apoio e compreensão;
e) Receber a colaboração dos Órgãos de Administração e Gestão e Estruturas de Orientação
Educativa e demais docentes na resolução de assuntos de interesse da Comunidade Escolar;
f) Ser ouvido nas suas críticas e sugestões relativamente às suas tarefas;
g) Ter acesso a toda a informação de acordo com a legislação de seu interesse e das normas em
vigor no Agrupamento;
h) Participar na vida escolar;

___________________________________________________________________________________________65
Regulamento Interno 2011/2013

i) Ver tratado com respeito a sua pessoa, ideias e bens, bem como as suas funções;
j) Ver salvaguardada a sua segurança e integridade física dentro dos estabelecimentos de ensino
do Agrupamento e no respectivo espaço envolvente;
k) Ser pronta e adequadamente atendido em caso de acidente ou doença súbita ocorrida no
âmbito das suas funções ou actividades escolares;
l) Ver respeitada a confidencialidade dos elementos constantes do seu processo individual, de
natureza pessoal ou familiar;
m) Beneficiar e/ou participar em acções de formação que concorram para o seu aperfeiçoamento
profissional e dos serviços;
n) Usufruir de instalações e equipamentos com as condições necessárias ao bom exercício das
suas funções;
o) Dispor de uma sala própria, para convívio e guarda de objectos pessoais;
p) Dispor de um cacifo ou espaço equivalente destinado à guarda do seu material;
q) Dispor de um placard para afixação de documentação na sua sala, do qual terá que fazer
publicidade aos interessados;
r) Utilizar equipamentos e serviços nas condições regulamentadas;
s) Eleger e ser eleito nos termos legais em vigor, para quaisquer cargos decorrentes das suas
funções;
t) Ser avaliado e classificado correctamente e com isenção pelos superiores hierárquicos, no
respeito pelas normas legais em vigor;
u) Ter um horário de trabalho de acordo com a respectiva carreira e nos termos da lei geral e
especial em vigor;
v) Colaborar no acompanhamento e integração dos alunos na Comunidade Educativa,
incentivando o respeito pelas regras de convivência, promovendo um bom ambiente educativo e
contribuindo, em articulação com os docentes, os pais e encarregados de educação, para prevenir e
resolver problemas comportamentais e de aprendizagem.
3. É reconhecido ao pessoal não docente o direito à negociação colectiva, nos termos da Lei.

Artigo 128º
Deveres

1. São deveres gerais do pessoal não docente:


O pessoal não docente do Agrupamento, usufrui dos deveres gerais estabelecidos por Lei para os
Funcionários e Agentes do Estado e no Código do Trabalho, além do regulamento interno do pessoal não
docente (Despacho n.º 17460/2006 de 29 de Agosto), para o pessoal com contrato de trabalho
nomeadamente, o dever de isenção, o dever de zelo, o dever de obediência, o dever de lealdade, o dever
de sigilo, o dever de correcção, o dever de assiduidade e de pontualidade.
2. São deveres específicos do pessoal não docente:
a) Conhecer, cumprir e fazer cumprir o presente Regulamento Interno;
b) Tratar com correcção todos os outros elementos da Comunidade Educativa;
c) Prestar as informações que lhe forem solicitadas sobre questões de serviço ou de organização.
3. São deveres específicos do pessoal não docente integrado na carreira de assistente operacional:
a) Colaborar com os docentes, sempre que solicitados, no acompanhamento dos alunos entre ou
durante as actividades lectivas.

___________________________________________________________________________________________66
Regulamento Interno 2011/2013

b) Zelar para que nas instalações escolares ou fora delas, sejam mantidas as normas de
compostura, limpeza e silêncio, em respeito permanente pelo trabalho educativo em curso, de maneira a
garantir o normal funcionamento das aulas.
c) Assegurar que o material didáctico existente esteja funcional para sua utilização, fazendo
notícia dos danos ou extravios verificados;
d) Abrir e organizar livros de ponto à sua responsabilidade e prestar apoio ao
Coordenador/Encarregado de Escola nas reuniões;
e) Realizar as tarefas que lhe forem destinadas pelo seu superior hierárquico;
f) Registar as faltas dos professores, dando conhecimento delas aos Serviços Administrativos, de
acordo com as orientações do Director;
g) Assegurar as condições de limpeza e higiene das instalações a seu cargo;
h) Zelar pela conservação do espaço interior e exterior dos edifícios;
i) Realizar as tarefas que lhe forem atribuídas na gestão dos produtos diversos existentes na
escola, assim como da sua preservação, preparação e venda;
j) Colaborar e realizar as tarefas do âmbito da acção social escolar, designadamente:
i) Prestar assistência em situações de primeiros socorros e, em caso de necessidade,
acompanhar o aluno a unidades hospitalares;
ii) Distribuir aos alunos subsidiados, senhas de refeição;
iii)Fazer o acompanhamento de alunos ao refeitório.
k) Colaborar no acompanhamento dos alunos com necessidades educativas especiais e cumprir o
emanado pelos professores dos apoios educativos e educação especial;
l) Colaborar com o Director ou pessoa por ele nomeada, na manutenção da disciplina nos espaços
sob sua responsabilidade.
4. Nos estabelecimentos do Agrupamento em que se verifica a ausência de um porteiro ou a falta de um
auxiliar de acção educativa integrado na carreira de guarda-nocturno, são ainda deveres específicos do
pessoal não docente integrado na carreira de Auxiliar de Acção Educativa:
a) Prestar informações, encaminhar pessoas, controlar entradas e saídas de pessoal estranho e
proceder à abertura e encerramento das portas de acesso às instalações;
b) Abrir e fechar portas, portões e janelas e entregar e receber chaves do chaveiro a seu cargo.
5. O elemento do pessoal não docente que exerça o cargo de Coordenação do Pessoal Auxiliar de Acção
Educativa, na Escola sede do Agrupamento está obrigado ao cumprimento dos deveres fixados na Lei,
como suas obrigações próprias e específicas.
6. São deveres específicos do pessoal não docente integrado na carreira de Assistente de Administração
Escolar:
a) Realizar as tarefas que estão ligadas aos Serviços Administrativos, nomeadamente as áreas de
expediente, arquivo, procedimentos administrativos, contabilidade, pessoal, alunos, vencimentos e
aprovisionamento à acção social escolar;
b) Assegurar a transmissão da comunicação entre os vários Órgãos e entre estes e todos os
elementos da Comunidade Educativa, pelas formas tidas como convenientes pelo Órgão competente;
c) Assegurar o trabalho de tratamento de informação, através dos meios ao seu dispor;
d) Tratar a informação, recolhendo os dados necessários à elaboração de mapas,
quadros ou qualquer outra forma eficaz para a sua divulgação;
e) Realizar os actos necessários à actividade contabilística e financeira;
f) Organizar, calcular ou desenvolver os processos do Pessoal Docente, do Pessoal não Docente,
Alunos, Acção Social Escolar, e aquisição e manutenção de material, equipamentos, instalações ou

___________________________________________________________________________________________67
Regulamento Interno 2011/2013

serviços, zelando pela sua correcção e correcção de faltas e anomalias da forma tida como mais eficaz e
conveniente;
g) Preencher todos os mapas e documentos oficiais relativos à execução material, no respeito
pelas instruções existentes;
h) Atender todos os que procuram os Serviços Administrativos, prestando-lhes os devidos
esclarecimentos.
7. O elemento do pessoal não docente que exerça o cargo de Chefe de Serviços de Administração
Escolar está obrigado ao cumprimento dos deveres fixados na Lei, como suas obrigações próprias e
específicas.
8. São deveres específicos do pessoal não docente que exerce funções na Cozinha e no Bufete,
nomeadamente Cozinheiro/Auxiliar de Acção Educativa com tarefas atribuídas na Cozinha, no Bufete e no
Economato:
a) Colaborar na elaboração das ementas, sempre que para tal for solicitado;
b) Gerir as existências nos armazéns do refeitório e do bar, garantindo a sua reposição, através da
requisição atempada ao serviço competente para o efeito;
c) Assegurar a existência de bens necessários à confecção de alimentos, através do cálculo das
necessidades e posterior comunicação ao serviço competente para as requisitar;
d) Preparar, confeccionar e servir as refeições;
e) Assegurar o bom estado das instalações, equipamentos e utensílios, quanto a limpeza e
arrumação;
f) Garantir o aprovisionamento das mercadorias nas melhores condições de higiene e segurança;
g) Comunicar superiormente os estragos verificados nos materiais e equipamentos.
9. São deveres específicos do pessoal não docente que presta serviço na Reprografia:
a) Certificar-se da funcionalidade dos equipamentos necessários ao bom desempenho das suas
tarefas;
b) Assegurar o bom estado das instalações, quanto a limpeza e arrumação;
c) Garantir o aprovisionamento dos materiais necessários ao bom desempenho das suas funções;
d) Entregar em tempo útil os documentos/fotocópias que lhes tiverem sido solicitadas pelos
demais elementos da Comunidade Escolar;
e) Preencher todos os mapas e documentos oficiais relativos à execução material, no respeito
pelas instruções existentes;
f) Atender todos os que procuram os seus serviços, prestando-lhes os devidos esclarecimentos.
10. São deveres específicos do pessoal não docente integrado na carreira de Guarda- Nocturno:
a) Vigiar as instalações da Escola, evitando a entrada de pessoas não autorizadas;
b) Vigiar os espaços exteriores aos edifícios, percorrendo dentro de muros as instalações;
c) Dar conhecimento ao Órgão de Gestão de qualquer anomalia ou indício de anomalia que se
verifique;
d) Abrir e fechar portas, portões e janelas, desligar o quadro eléctrico e o gás e zelar pelo bom uso
das chaves que utiliza;
e) Chamar as autoridades sempre que necessário;
f) Não abandonar as instalações durante o seu horário de serviço;
g) Esperar que seja substituído pelo elemento que lhe sucede no horário.

___________________________________________________________________________________________68
Regulamento Interno 2011/2013

SUBSECÇÃO II
AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

A avaliação de desempenho do pessoal não docente processa-se de acordo com as normas


estabelecidas pelo SIADAP

Artigo 129º
Conselho Coordenador da Avaliação
1 – Será constituída um conselho coordenador da avaliação de desempenho do pessoal não docente
do agrupamento de escolas do Teixoso.
2 – O funcionamento do referido conselho será definido em regulamento próprio anexo a este
documento.

SECÇÃO IV
ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO

SUBSECÇÃO I
DIREITOS E DEVERES

Artigo 130º
Direitos

Constituem direitos da Associação de Pais:


a) Pronunciar-se sobre a definição da política educativa, através das confederações, com a
faculdade de estarem representadas nos órgãos, a nível nacional ou regional com atribuições nos
domínios da definição e do planeamento do sistema educativo, nos diferentes níveis de ensino;
b) Participar na elaboração de legislação sobre educação e ensino, sendo consultadas no
processo de elaboração de legislação sobre educação e ensino, nomeadamente nos domínios da definição
e planeamento do sistema educativo, do regime de gestão dos estabelecimentos de educação e ensino,
da reforma educativa e estruturação curricular e da acção social escolar;
c) Participar nos órgãos pedagógicos dos estabelecimentos de educação e ensino, através de
reuniões com os órgãos directivos com uma periodicidade mínima trimestral;
d) Acompanhar e participar na actividade dos órgãos e da acção social escolar, nos termos
da Lei;
e) Intervir na organização das actividades de complemento curricular, de desporto escolar e
da ligação escola - meio;
f) Reunir com o órgão directivo do estabelecimento de educação e ensino em que estejam
inscritos os filhos dos seus associados;
g) Beneficiar de apoio documental a facultar pelo estabelecimento ou pelos serviços
competentes do Ministério da Educação, isto é, acesso a legislação, bem como qualquer documentação
de interesse para as associações que estejam disponível para consulta.
h) A Associação pode, nos termos de protocolos a celebrar com o estabelecimento de
educação e ensino e dentro das disponibilidades orçamentais, beneficiar de outros apoios de carácter
técnico ou logístico;

___________________________________________________________________________________________69
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 131º
Deveres

Constituem deveres da Associação de Pais:


a) Solicitar com antecedência mínima de cinco dias, salvo em caso excepcional, as
instalações para as reuniões dos seus órgãos;
b) Zelar pela conservação e limpeza das instalações que utilizam;
c) Comparecer no estabelecimento sempre que para isso seja solicitada;
d) Conhecer o estatuto do aluno e dar a conhecer aos seus educandos.
e) Contribuir para a criação e execução do projecto educativo e do regulamento interno da
escola e participar na vida da escola;
f) Contribuir para a preservação da disciplina da escola e para a harmonia da comunidade
educativa, em especial quando para tal forem solicitados;
g) Contribuir para o correcto apuramento dos factos em processo disciplinar que incida
sobre o seu educando e, sendo aplicada a este medida disciplinar, diligenciar para que a mesma prossiga
os objectivos de reforço da sua formação cívica, do desenvolvimento equilibrado da sua personalidade da
sua capacidade de se relacionar com os outros, da sua plena integração na comunidade educativa e do
seu sentido de responsabilidade;
h) Contribuir para a preservação da segurança e integridade física e moral de todos os que
participam na vida da escola;
i) Integrar activamente a comunidade educativa no desempenho das demais
responsabilidades desta, em especial informando-se sendo informado e informando sobre todas as
matérias relevantes no processo educativo dos seus educandos;
j) Conhecer o regulamento interno da escola e subscrever, fazendo subscrever igualmente
aos seus filhos e educandos, declaração anual de aceitação do mesmo e de compromisso activo quanto
ao seu cumprimento integral;
k) Representar sempre e obrigatoriamente os pais ou encarregados de educação.

Artigo 132º
Direitos e deveres dos encarregados de educação

1 – O direito e o dever de educação dos filhos compreende a capacidade de intervenção dos pais
no exercício dos direitos e a responsabilidade no cumprimento dos deveres dos seus educandos na escola
e para com a comunidade educativa, consagrados no regulamento interno.
2– Sem prejuízo dos direitos e deveres dos pais e encarregados de educação estabelecidos no
regime de autonomia, administração e gestão, o poder - dever de educação dos filhos implica o exercício
dos seguintes direitos e deveres:
a) Informar-se, ser informado e informar a comunidade educativa sobre todas as matérias
relevantes no processo educativo dos seus educandos e comparecer na escola por sua
iniciativa e quando para tal for solicitado;
b) Colaborar com os professores no âmbito do processo de ensino - aprendizagem dos seus
educandos;
c) Articular a educação na família com o trabalho escolar;

___________________________________________________________________________________________70
Regulamento Interno 2011/2013

d) Cooperar com todos os elementos da comunidade educativa no desenvolvimento de uma


cultura de cidadania, nomeadamente através da promoção de regras de convivência na
escola;
e) Responsabilizar-se pelo cumprimento do dever de assiduidade dos seus educandos;
f) A entrada ou saída é efectuada pelo portão/porta da escola. O aluno não deve de forma
alguma, saltar o gradeamento. Se o aluno sair da escola sem autorização, o pessoal docente
e não docente, não terá qualquer responsabilidade pelo que lhe venha a acontecer. Avisará,
no entanto, o encarregado de educação, do sucedido pelos meios habituais;
g) Conhecer o estatuto do aluno, o regulamento interno da escola e subscrever, fazendo
subscrever igualmente aos seus filhos e educandos, declaração anual de aceitação do
mesmo e de compromisso activo quanto ao seu cumprimento integral, naquilo que lhe diz
respeito (direitos e deveres de pais e encarregados de educação e alunos);
h) Responsabilizar-se pelo pagamento obrigatório das reparações dos danos causados pelo seu
educando e as despesas clínicas em caso de agressão voluntária.
i) Em caso de acidente do seu educando deve apresentar-se de imediato para substituir o
acompanhamento do aluno feito pelo assistente operacional.

SECÇÃO V
AUTARQUIA E OUTRAS ENTIDADES

Artigo 133º
Direitos

1. A autarquia e o(s) representantes das actividades de carácter cultural, artístico, científico,


ambiental ou económico têm direito a:
a) Participar no Conselho Geral através dos seus representantes;
b) Dispor de informação actualizada da vida das escolas do agrupamento;
c) Emitir sugestões que contribuam para o bom funcionamento das escolas do agrupamento;
d) Ver cumpridas as obrigações do agrupamento previstas nos protocolos estabelecidos.

Artigo 134º
Deveres

A autarquia e os representantes das actividades de carácter cultural, artístico, científico,


ambiental ou económico, no âmbito de parcerias efectuadas entre as partes, tem o dever de colaborar
com as escolas nas tarefas de planeamento e concretização das suas actividades enumeradas no projecto
educativo e plano de actividades, de acordo com os protocolos estabelecidos e com a legislação em vigor.

Artigo 135º
Competências

1- À autarquia compete:
a) Participar, quando solicitados, nos órgãos de gestão e administração do agrupamento;
b) Organizar em colaboração com os outros elementos da comunidade educativa, projectos
ligados às actividades de complemento curricular;

___________________________________________________________________________________________71
Regulamento Interno 2011/2013

c) Colaborar e/ou promover acções de extensão educativa, difusão cultural e animação


sócio comunitária;
2- Ao município compete:
a) Assegurar a construção, manutenção e conservação das instalações dos estabelecimentos
de educação, pré-escolar e do 1º Ciclo do Ensino Básico;
b) Dar cumprimento aos protocolos estabelecidos e a estabelecer entre o Ministério da
Educação, o Agrupamento, outras entidades e a autarquia;
c) Implementar a componente de apoio à família, sempre que, nos estabelecimentos
educativos haja necessidade comprovada;
d) O fornecimento do equipamento e material didáctico e a prestação dos apoios sócio -
educativos aos mesmos.
3- À freguesia compete:
a) Fornecer material de limpeza e de expediente aos estabelecimentos de educação pré-
escolar e do 1º Ciclo do ensino básico;
b) Participar, quando solicitados nos órgãos de Gestão e Administração do Agrupamento;
c) Organizar em colaboração com os outros elementos da Comunidade Educativa, projectos
ligados às actividades de Complemento Curricular,
d) Colaborar e/ou promover acções de extensão educativa, difusão cultural e animação
sócio comunitária;
e) Celebrar protocolos com os órgãos competentes da escola/agrupamento visando:
I. Uma efectiva ligação entre a escola e o meio;
II. Uma ligação entre a escola e o mundo do trabalho, numa perspectiva pedagógica;
III. A formação profissional.

CAPÍTULO V
ORGANIZAÇÃO E NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS ESPAÇOS ESCOLARES E SERVIÇOS

SECÇÃO I
SERVIÇOS DE APOIO À COMUNIDADE ESCOLAR

SUBSECÇÃO I
BIBLIOTECA ESCOLAR/CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS “LUCINDA PIRES”
E BIBLIOTECA ESCOLAR DA EB1 DO TEIXOSO

Artigo 136º
Definição

A Biblioteca Escolar/Centro de Recursos Educativos “Lucinda Pires” e a Biblioteca da E.B.1 de


Teixoso, fazem parte da Rede de Bibliotecas Escolares (RBE) e têm por missão servir e motivar a
população escolar para o prazer da leitura e dinamizar a correcta utilização das novas tecnologias de
informação e comunicação, como forma de desenvolvimento e fruição na investigação e formação
integral da personalidade do aluno.
Estas bibliotecas escolares fazem parte do Grupo de Trabalho Concelhio para as Bibliotecas, no
âmbito da criação / desenvolvimento de uma rede de bibliotecas escolares de incidência concelhia, tendo
como um dos seus objectivos o incentivo à cooperação entre as diferentes escolas e / ou bibliotecas

___________________________________________________________________________________________72
Regulamento Interno 2011/2013

escolares, no quadro de cada agrupamento e escola, a nível local e com a Biblioteca Municipal da Covilhã,
no sentido de proporcionar o acesso tão alargado quanto possível dos recursos de informação às escolas
e alunos dos diferentes graus de ensino, num quadro de gestão eficiente e eficaz dos meios disponíveis.
A biblioteca escolar “Lucinda Pires” e a biblioteca escolar da E.B.1 de Teixoso são parte integrante
do processo educativo. Cabe às bibliotecas escolares do agrupamento apoiar e promover os objectivos
educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo da escola; criar e manter nas crianças o
hábito e o prazer da leitura, da aprendizagem e da utilização das bibliotecas ao longo da vida;
proporcionar oportunidades de utilização e produção de informação que possibilitem a aquisição de
conhecimentos, a compreensão, o desenvolvimento da imaginação e o lazer; organizar actividades que
favoreçam a consciência e a sensibilização para as questões de ordem cultural e social; trabalhar com
alunos, professores, director do agrupamento e pais de modo a cumprir a missão da escola; defender a
ideia de que a liberdade intelectual e o acesso à informação são essenciais à construção de uma cidadania
efectiva e responsável e à participação na democracia; promover a leitura, os recursos e serviços da
biblioteca escolar junto da comunidade escolar e fora dela.
A BE é considerada um espaço de estudo, de trabalho e lazer, devendo todos os utilizadores ter
uma conduta exemplar, de forma a garantir um ambiente tranquilo e aprazível para todos. Não funciona,
habitualmente, como espaço de sala de aula. Contudo, mediante prévia requisição, poderá funcionar
como sala de aula.

Artigo 137º
Funcionamento

1 – São utentes, todos aqueles que pertencem à comunidade educativa do agrupamento de


Escolas do Teixoso.
2 - Os utilizadores têm ao seu dispor vários espaços, onde podem desenvolver-se múltiplas
actividades: Recepção, Zona de leitura informal, Zona de actividades lúdico-didácticas, Posto de
informação (BE/CRE “Lucinda Pires”), Zona de consulta documental: requisição de material impresso;
visionamento de vídeo/DVD; audição de material áudio; pesquisa multimédia e net, Zona de trabalho
individual e / ou de grupo: realização de trabalhos.
3 – Nas diferentes secções, os utilizadores podem consultar as obras nelas existentes, dirigindo-se
directamente às estantes, onde lhes é facultado o livre acesso à documentação.
4 – Os livros, estão dispostos por assuntos, segundo a tabela de Classificação Decimal Universal
(C.D.U.).
5 – Para manter as estantes em perfeita ordem de arrumação e após a consulta de obras, não
devem os utilizadores colocá-las novamente no lugar de origem, mas sim, colocá-las em local próprio e
devidamente identificado.
6 – Para consulta do fundo documental (documentos impressos e documentos não impressos), o
utente poderá consultar o catálogo disponível em linha em http://fur.ly/2fwg ou solicitar o apoio da
equipa da BE.
7 – A orientação dos espaços das bibliotecas é da exclusiva responsabilidade da equipa das
BE/CRE’s “, salvaguardando-se, no entanto, para melhor rentabilização dos espaços, as indicações
emanadas pelo Director do Agrupamento.
8 – A BE/CRE “Lucinda Pires” e a Biblioteca da E. B. 1 de Teixoso estão abertas a toda a
comunidade escolar, em horário fixado pela equipa responsável, que será ajustado no início de cada ano
lectivo em função das necessidades dos utentes, dos meios humanos e materiais disponíveis.

___________________________________________________________________________________________73
Regulamento Interno 2011/2013

9 – Não é permitido aos utilizadores falar alto, comer, deslocar móveis da posição em que se
encontram e/ou perturbar o funcionamento.
10 - O não cumprimento do estipulado no número anterior é sancionado com a saída deste
espaço.
11 – O equipamento/material será objecto de requisição a efectuar junto de um dos elementos da
equipa da BE/CRE, o qual fará a atribuição do mesmo, de acordo com a disponibilidade existente.
12 - Sempre que o utilizador detecte qualquer anomalia, avaria ou deficiente rendimento de
utilização, deverá solicitar o apoio de algum elemento da equipa responsável.
13 – Se for verificada a má utilização dos equipamentos, aplicar-se-á o disposto no ponto
seguinte:
a) – A má utilização dos equipamentos implica a suspensão, temporária ou definitiva, da sua
utilização, bem como o dever de suportar as despesas de reparação dos equipamentos.
14 - O visionamento e audição de cassetes vídeo, DVD’s, cd’s e/ ou cassetes audio não
pertencentes à Escola é apenas permitido, após autorização de algum elemento da equipa responsável
pelas BE/CRE’s.
15 - A utilização dos computadores deve obedecer ao cumprimento das regras a regulamentar no
regimento interno das respectivas bibliotecas.
16 - As requisições domiciliárias são da inteira responsabilidade do requisitante. Em caso de
deterioração ou extravio de obras, o utilizador deverá apresentar um novo exemplar ou, sendo isso
impossível, pagar o seu valor.
17 - Os utilizadores poderão requisitar para uso domiciliário, pelo prazo de oito dias, todos os
livros, à excepção das obras de referência, dos manuais adoptados e dos periódicos. Poderão se
necessário, renovar a requisição, no caso de não haver outro interessado na mesma obra. Será feita uma
advertência ao utente do material que não deu entrada no prazo previsto.
18 - Deve ser condicionada a requisição de obras que, pelo seu valor ou dificuldades de
substituição, sofram riscos de deterioração, bem como das obras sujeitas a consulta permanente.
19 – Os professores poderão requisitar para uso lectivo as obras de referência, pelo prazo de um
dia. Poderão requisitar também, pelo prazo de três dias, o material áudio e multimédia.
20 – As normas das bibliotecas do agrupamento estão afixadas em local visível no seu interior.

Artigo 138º
Empréstimo Interbibliotecas

1 - A BE/CRE dispõe dum serviço de empréstimo interbibliotecas, abrangendo a Biblioteca


Municipal da Covilhã e todas as bibliotecas escolares do concelho da Covilhã.
2 - Podem beneficiar dos empréstimos interbibliotecas todos os elementos da comunidade
escolar do Agrupamento, bem como as bibliotecas da RBE (Rede de Bibliotecas Escolares).
3 - O material utilizado por empréstimo interbibliotecas poderá ser consultado no espaço da
BE/CRE, durante o horário normal de funcionamento.
4 – Aos utilizadores deste serviço requerer-se-á a sua identificação, que poderá ser feita através
do BI (caso de Pais, Encarregados de Educação ou outros elementos da comunidade local) ou cartão de
leitor.
5- Cada pedido de empréstimo domiciliário feito às BE/CRE’s do Agrupamento de Escolas do
Teixoso será estudado pela respectiva Equipa das Bibliotecas que decidirá o tempo de empréstimo e
respectivas condições.

___________________________________________________________________________________________74
Regulamento Interno 2011/2013

6 - O empréstimo realizado neste âmbito pressupõe a aceitação do presente regulamento.

Artigo 139º
Competências do Professor Bibliotecário

1 – As bibliotecas funcionarão sob a supervisão de um professor bibliotecário, designado de


acordo com o estipulado na portaria 756/2009 de 14 de Julho, nos artigos 5º, 6º, 7º, 8, 9º, 10º e 11º.
2 – Para além do estipulado no conteúdo funcional da portaria referida no ponto 1, são
competências do Professor Bibliotecário:
a) Zelar pela conservação das obras/material e promover a sua actualização.
b) Manter os ficheiros actualizados e de fácil acesso e as obras devidamente identificadas.
c) Manter os inventários dos equipamentos actualizados.
d) Dinamizar acções conducentes à leitura e divulgação de obras.
e) Participar nas reuniões de Conselho Pedagógico.
f) Participar, quando convocado, nas reuniões de trabalho do Grupo de Trabalho Concelhio para
as Bibliotecas (Concelho da Covilhã) e da Rede Nacional de Bibilotecas Escolares.
3 – O professor bibliotecário é dispensado da componente lectiva cumprindo um horário de 35 horas
semanais pelo facto do agrupamento possuir 2 bibliotecas escolares e ter mais de 400 alunos, de acordo
com a legislação em vigor.
4 – O professor bibliotecário será apoiado por dois assistentes operacionais, um em cada
biblioteca, uma equipa que será constituída entre 2 a 4 professores e ainda por professores
colaboradores que assegurarão o regular funcionamento das bibliotecas.
5 – O período de vigência da função de Professor Bibliotecário é determinado de acordo com o
disposto no art. 12º da portaria 756/2009 de 14 de Julho.
6 – O mandato do Professor Bibliotecário pode cessar, a todo o tempo, por decisão fundamentada
do Director do Agrupamento, ouvido o Conselho Pedagógico, ou a pedido do interessado no final do ano
lectivo.
7 – A duração do mandato dos elementos da equipa e dos professores colaboradores das
bibliotecas é de um ano lectivo podendo ser prolongado de acordo com o Director do Agrupamento.

SUBSECÇÃO II
SALA DE INFORMÁTICA

Artigo 140º
Gestão e Funcionamento

A utilização desta sala deve obedecer ao cumprimento de regras de utilização dos computadores:
a) A sala destina-se, preferencialmente, à disciplina TIC;
b) Ligar correctamente o computador;
c) Cada computador só pode ter no máximo dois utilizadores em simultâneo;
d) Não são permitidos outros alunos à volta dos utilizadores;
e) Os utilizadores não se devem encostar ao monitor do computador;
f) É proibido tocar nas fichas dos computadores;
g) O som deve estar baixo de modo a não incomodar outras tarefas

___________________________________________________________________________________________75
Regulamento Interno 2011/2013

h) É expressamente proibida a instalação de qualquer programa sem a aprovação e supervisão de


um dos professores;
i) Não é permitido apagar ou remover programas informáticos no disco rígido;
j) É proibida a utilização de disquetes pessoais;
k) É proibida a consulta de correio electrónico (e-mail) e de programas de conversação (chat);
l) Deve-se sempre desligar o computador no menu “Iniciar”;
m) Em caso de extravio ou danificação de qualquer material, o utilizador será obrigado à reposição
do mesmo;
n) Não são permitidos quaisquer comportamentos que perturbem o bom funcionamento deste
espaço;

SUBSECÇÃO III
INSTALAÇÕES DESPORTIVAS

Artigo 141º
Gestão e Funcionamento

1 - São funções do assistente operacional ao entrar em serviço:


a) Abrir todas as janelas basculantes (balneários, vestiários, casas de banho públicas e dos
Professores, arrecadação e pavilhão);
b) Ligar ventilador e caldeira;
c) Ligar iluminação se necessário;
d) Verificar o estado de limpeza das instalações e registá-lo em agenda própria;
2 - Ao longo do dia, o(s) assistente(s) operacional/is devem:
a) Vigiar o corredor de acesso aos balneários e controlar as entradas dos alunos na zona
desportiva (os alunos só podem entrar na zona desportiva após a presença na mesma do respectivo
professor);
b) O assistente operacional de serviço, cujo local se situará na entrada do pavilhão, vigiará a
entrada, só permitindo o acesso a alunos para as aulas de educação física ou devidamente autorizados;
c) O(s) assistente(s) operacional/is deverão, aula a aula, verificar à entrada e à saída o estado
dos vestiários e balneários;
d) O(s) assistente(s) operacional/is devem garantir a limpeza de manutenção de modo a que
as instalações se apresentem sempre em boas condições de utilização;
e) Quando, por motivo de força maior, só estiver um assistente operacional de serviço, deve o
mesmo ocupar a posição junto à entrada do pavilhão e garantir todas as tarefas necessárias ao bom
funcionamento do mesmo;
f) Fazer respeitar as instalações e materiais gimnodesportivos, procurando zelar pela sua
manutenção;
g) Usar calçado apropriado no recinto desportivo;
h) Prontificar os pedidos de material solicitados pelos Professores;
i) Socorrer os Alunos que necessitem de pequenos curativos ou providenciar no sentido de
serem acompanhados ao hospital;
j) O horário do(s) assistente(s) operacional/is será elaborado de forma a que, na abertura e
no encerramento das actividades lectivas, esteja sempre um dos efectivos no pavilhão;
k) Ter colocado as cortinas separadoras no início das aulas.

___________________________________________________________________________________________76
Regulamento Interno 2011/2013

3- O último assistente operacional a sair deve:


a) Proceder ao fecho de todas as janelas basculantes, desligar o ventilador, desligar a caldeira,
verificar se a porta de emergência se encontra encerrada, certificar-se do fecho de todas as torneiras,
desligar o sistema eléctrico e fechar a porta principal à chave;
4 - Estas tarefas só não serão efectuadas na sua totalidade, se houver a certeza de
prosseguimento das actividades, no pavilhão após a última aula de educação física.

Artigo 142º
Funcionamento das Aulas de Educação Física
e das Actividades do Desporto Escolar

1 – Acesso às Instalações:
a) Instalações Exteriores (Balneários / Campo de Jogos)
i. Os Alunos deverão dar entrada nos balneários, na hora marcada, e apresentar-se-ão,
devidamente equipados, no local da aula, imediatamente a seguir à mesma;
ii. Só é permitida a presença dos Alunos nos balneários quando estão a iniciar ou a
acabar a suas aulas de educação física;
iii. Não é permitida a permanência nas instalações desportivas, a Alunos estranhos às
turmas sempre que nas mesmas decorrerem aulas de educação física.
b) - Instalações cobertas – Pavilhão Desportivo do Teixoso (PDT)
i. Não é permitida a assistência às aulas de educação física nem às actividades de
treino do desporto escolar;
ii. Só é permitida a presença nas instalações do PDT a Alunos, quando em aulas de
educação física, em actividades do desporto escolar ou quando previamente autorizados;
iii. A abertura do P D T far-se-á exclusivamente por um assistente operacional;
iv. As aulas de educação física/desporto escolar serão leccionadas sempre com a
presença de um funcionário no pavilhão;
v. Sempre que as condições mínimas necessárias (funcionário, luz, água, gás e
condições de segurança) não se verifiquem, o Professor não leccionará aula prática;
vi. Sempre que um Professor planifique uma aula de carácter teórico deverá requisitar,
no dia anterior, uma sala para esse efeito;
vii. A entrada no PDT far-se-á, após autorização do assistente operacional de serviço.
viii. Na entrada nos balneários, que só deverá ser feita após autorização prévia do
assistente operacional de serviço, cada turma deverá utilizar exclusivamente a porta de acesso ao seu
vestiário. A distribuição será previamente indicada pelo respectivo funcionário;
ix. Cada turma utilizará exclusivamente o seu vestiário, não podendo os Alunos, por
razão alguma, entrar num vestiário distribuído a outra turma;
x. A entrada na zona desportiva far-se-á após a presença e autorização do respectivo
Professor, à hora de entrada e, deverá ser feita exclusivamente pela zona frontal a cada balneário, não
podendo, portanto, haver circulação indevida dos Alunos.

___________________________________________________________________________________________77
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 143º
Equipamento

1- Os alunos só poderão participar nas aulas de Educação Física e nas actividades do desporto
escolar (parte prática) que se apresentarem com equipamento adequado à prática de actividade física.
a) Cada Professor é responsável pelo material utilizado na sua sala de aula, bem como pela
sua arrumação;
3 Os Alunos poderão requisitar material desportivo para as instalações exteriores, desde que
não decorram actividades lectivas. Deverão dirigir-se ao assistente operacional de serviço e preencher o
termo de responsabilidade. Findo o tempo previsto na requisição, o material será entregue ao assistente
operacional de serviço. O material a requisitar está condicionado pelas disponibilidades do Agrupamento
e pela forma como os Alunos preservem esse material;
4 O professor e/ou o assistente operacional deve dar baixa do material danificado a fim de
que se proceda à reparação, substituição ou actualização do inventário;
2- Equipamento nas Instalações Cobertas (PDT)
d) Na zona desportiva os Alunos deverão usar calçado adequado e limpo, não podendo
portanto utilizar calçado usado no exterior;
e) Na modalidade de ginástica (trabalho com tapetes, mini trampolim, etc.) os Alunos
deverão usar sapatilhas específicas;
f) Os Alunos dispensados da actividade física, pontual ou definitivamente, deverão também
apresentar calçado adequado e limpo a fim de poderem participar na aula, na zona desportiva;
g) Quando, por razões justificadas, os Alunos não se apresentarem com o calçado adequado,
deverão usar pantufas protectoras a fim de terem acesso à zona desportiva.

Artigo 144º
Material

1 - Os Alunos são responsáveis pelo material que utilizam durante as aulas de educação física e
actividades do desporto escolar. Caso o danifiquem ou o extraviem, por uso indevido ou incúria, terão de
o substituir.
2 - Aos Alunos está interdito o manuseamento de material e equipamento desportivo, sem a
autorização prévia do respectivo Professor.
3 - É interdito aos Alunos manuseamento de aparelhos de controle de ventilação, aquecimento,
iluminação, electricidade, etc.
Artigo 145º
Segurança de Valores

1- A fim de garantir a segurança dos valores de cada Aluno, todas as turmas terão à disposição
sacos, um para cada vestiário, onde antes do início das aulas, serão depositados os valores, deixando-os à
guarda do assistente operacional de serviço no decorrer da actividade. Para garantir esta função serão
nomeados dois Alunos por turma.
a) - Instalações Cobertas (PDT)
i. Em cada turma dois Alunos serão responsáveis pela vistoria dos vestiários, feita em
conjunto com o assistente operacional de serviço, no início e fim de actividades;

___________________________________________________________________________________________78
Regulamento Interno 2011/2013

ii. No decorrer da actividade os vestiários estarão fechados, não sendo permitido o acesso
aos mesmos, salvo por motivo de força maior devidamente justificado;
iii. No caso previsto no ponto anterior, o assistente operacional de serviço, deverá
acompanhar o Aluno em questão, no acesso aos vestiários.

Artigo 146º
Saída das Instalações

1- Após as aulas de educação física os alunos deverão tomar um banho, facto pelo qual, poderão
sair da aula para o balneário dez minutos antes do termino. Para esse efeito os alunos deverão ser
portadores dos respectivos artigos de higiene e de muda de roupa.
2- A fim de não prejudicar o normal funcionamento das aulas, os alunos só devem abandonar o
PDT após autorização do professores.
3- Nas instalações do PDT, a saída da zona desportiva far-se-á exclusivamente pela zona frontal ao
respectivo balneário.

SUBSECÇÃO IV
ACTIVIDADES DE COMPLEMENTO CURRICULAR

Artigo 147º
Clubes Escolares e Projectos de Inovação Pedagógica

1 - A constituição de clubes escolares e o desenvolvimento de projectos de inovação pedagógica


carecem de parecer do conselho pedagógico e aprovação do director.
2 - Sempre que necessário e em função das disponibilidades da escola, será reservado um espaço,
exclusivo ou partilhado, para o desenvolvimento das actividades dos clubes e dos projectos de inovação.
3 - Cada clube/projecto indicará um professor responsável a quem compete:
a) Promover a concepção atempada do plano anual de actividades e do regulamento interno;
b) Organizar e supervisionar as actividades do clube/ projecto;
c) Recrutar e organizar os recursos logísticos necessários ao prosseguimento das actividades;
d) Organizar e manter actualizado o dossier de actividades do clube/projecto;
e) Elaborar o regulamento de organização e funcionamento do clube/projecto;
f) Gerir os espaços, os equipamentos e os materiais que o clube/projecto utilizar;
g) Elaborar o relatório anual do clube/projecto que entregará ao director.

SUBSECÇÃO V
APOIO AO ESTUDO

Artigo 148º
Aula de Apoio Pedagógico Acrescido

1 - É objectivo dos apoios pedagógicos promover o sucesso educativo dos alunos mediante
estratégias diferenciadas a desenvolver fora da sala de aula.

___________________________________________________________________________________________79
Regulamento Interno 2011/2013

2 - A valência de APA desenvolverá actividades propostas pelos professores das áreas curriculares
dirigidas a alunos que:
a) Revelem um ritmo de aprendizagem diferente dos colegas do mesmo nível etário;
b) Revelem dificuldades pontuais na aquisição e aplicação de certos conteúdos programáticos.
3 - Cada grupo de APA será constituído por 1 a 10 alunos provenientes da mesma turma ou de
turmas com horário compatível.
4 - O professor responsável por cada grupo (preferencialmente o professor da disciplina)
preencherá no final do período o impresso de relatório de progresso do seu grupo.
5 - Há lugar à substituição de um aluno do grupo de APA sempre que:
a) O seu número de faltas for superior ao dobro do número de sessões semanais (o
encarregado de educação deve ser informado);
b) A sua participação for pouco empenhada ou perturbadora;
c) Tenham sido superadas as dificuldades inicialmente detectadas.
6 - A inscrição, a exclusão e a substituição de alunos será acordada entre os professores
responsáveis pela disciplina curricular e pelo professor responsável por cada grupo.
7 – A frequência dos alunos abrangidos pelo plano de acompanhamento e de recuperação é de
carácter obrigatório.
8 - A entrada e a saída de alunos dos grupos APA devem ser previamente comunicadas ao director
de turma, à direcção e aos encarregados de educação.

Artigo 149º
Sala de estudo

1- A sala de estudo é um espaço de apoio aos alunos em diversas situações:


a) Alunos que voluntariamente a procurem para realização dos seus estudos/trabalhos;
b) Alunos com apoio individualizado ou em pequeno grupo, com carácter permanente ou
transitório;
c) Alunos a quem foi dada ordem de saída da sala de aula;
d) Alunos que fazem teste de recuperação;
e) Alunos que não estão inscritos a EMRC que não utilizem a Biblioteca.
2- A sala de estudo funciona às segundas, terças e quintas das 8.30 às 17.00 horas e às quartas e
sextas das 8.30 às 13.30 horas com interrupção nos intervalos, com a supervisão de um ou mais
professores e com capacidade de aproximadamente 20 alunos (exceptuam-se os casos referidos nas três
últimas alíneas do ponto 1).
3 - A entrada e a saída da sala corresponde aos toques estabelecidos .
4 - A entrada na sala terá uma tolerância de 15 minutos.
5 - A sala está fechada nos intervalos.
6 - O funcionamento da sala será da responsabilidade dos professores destacados para o efeito.
7 - Os objectivos da sala de estudo são os seguintes:
a) Constituir um mecanismo de suporte e enriquecimento das aprendizagens adquiridas no
âmbito das diferentes áreas curriculares;
b) Favorecer o desenvolvimento de atitudes e hábitos de trabalho autónomo ou em grupo;
c) Promover a ocupação dos tempos escolares em actividades pedagógicas;
d) Criar mecanismos de apoio ao estudo e de gestão dos diferentes ritmos de aprendizagem
dos alunos;

___________________________________________________________________________________________80
Regulamento Interno 2011/2013

e) Promover a igualdade de oportunidades no que respeita ao acesso às novas tecnologias de


informação e comunicação;
f) Promover um papel activo dos alunos na resolução dos seus problemas de aprendizagem e
no esclarecimento de dúvidas;
g) Desenvolver nos alunos o sentido de responsabilidade pessoal e social;
h) Desenvolver o gosto pela aprendizagem.
8 - As actividades que o aluno pode desenvolver na sala de estudo são:
a) Realização de trabalhos de casa;
b) Estudo individual ou em pequeno grupo;
c) Realização de actividades programadas pelo professor (fichas de avaliação por falta do
aluno);
d) Apoio individualizado ou em pequeno grupo, com carácter permanente ou transitório;
e) Realização de trabalhos de grupo, trabalho de projecto e trabalho cooperativo;
f) Esclarecimento de dúvidas com apoio do professor;
g) Realização de pesquisa informática;
h) Elaboração de trabalhos em suporte informático;
i) Utilização de software educativo.
9 - Aos professores que prestam apoio na sala de estudo compete:
a) Acompanhar a entrada e a saída dos alunos na Sala de Estudo;
b) Orientar a realização de fichas ou outras actividades que os alunos tenham programado;
c) Propor actividades aos alunos;
d) Apoiar os alunos ao nível de técnicas e métodos de estudo, pesquisa informática,
processamento de texto, trabalho de grupo/trabalho de projecto e conteúdos programáticos na sua área
de leccionação;
e) Apoiar os alunos na realização de trabalhos escolares;
f) Fomentar um ambiente calmo e propício ao trabalho;
g)Coordenar o trabalho individual de diversos alunos – adoptar estratégias de diferenciação
pedagógica que favoreçam as aprendizagens dos alunos;
h) Adequar a sua intervenção às necessidades evidenciadas pelos alunos;
i) Acolher os alunos a quem é dada ordem de saída da sala de aula, tentando que o aluno
reflicta sobre o comportamento e/ou atitude que ocasionou a aplicação desta medida cautelar e
assegurando o cumprimento da tarefa indicada pelo professor;
j) Responsabilizar os alunos pelo cumprimento das regras de funcionamento dos espaços
escolares;
k) Zelar pela manutenção dos equipamentos e materiais;
l) Alertar o responsável pela sala de estudo para as carências detectadas ao nível dos recursos
das diferentes disciplinas, problemas, irregularidades ou sugestões de funcionamento da sala de estudo;
m) Registar, no livro de ponto, o sumário das actividades desenvolvidas e as presenças dos
alunos (especificar a turma e o número do aluno).

SUBSECÇÃO VI
DESPORTO ESCOLAR

1 - O desporto escolar pertence à escola básica dos 2º e 3º ciclos do Teixoso e, como tal, deve ter
uma unidade orgânica de suporte.

___________________________________________________________________________________________81
Regulamento Interno 2011/2013

O desporto escolar (DE) é uma unidade organizativa da escola na qual se processam as práticas do
desporto escolar.
1.1 - Direcção
O desporto escolar é dirigido pelo presidente do órgão de direcção e gestão do estabelecimento
de educação e ensino.
1.2 - Constituição
Constituem o clube de desporto escolar, para além do seu presidente, o coordenador, todos os
docentes intervenientes no desporto escolar que nele trabalhem, bem como todos os alunos praticantes,
um representante da associação de estudantes, onde exista, um representante de pais e encarregados de
educação e um representante da autarquia local que, a título voluntário, o integrem.
1.3 - Estrutura
O desporto escolar, em termos operacionais, poderá ser estruturado por secções de
modalidades (onde se incluem os grupos / equipas e as actividades desportivas da respectiva
modalidade).
2 - A prática desportiva escolar desenvolve-se através de modalidades / actividades desportivas,
podendo cada uma delas ter uma dinâmica específica em função do grupo alvo, dos objectivos que se
pretendem atingir, dos meios existentes e dos condicionalismos organizativos.
A organização global das práticas desportivas deve respeitar as tradições e os hábitos
organizacionais da escola.

Artigo 150º
Organização

A responsabilidade da organização das práticas desportivas, quer internas quer externas,


pertence ao presidente do clube de desporto escolar de cada estabelecimento de educação e ensino, ao
coordenador do desporto escolar, aos professores responsáveis pelos grupos / equipas e aos alunos que
voluntariamente as integrem, em interacção pedagógica com o grupo da disciplina de educação física e
em articulação com o responsável pelo centro de área educativa.

Artigo 151º
Níveis de Desenvolvimento

O desporto escolar desenvolve-se em dois níveis de participação: actividade interna e actividade


externa:
a) Actividade Interna
As actividades de tipo, obrigatórias para o estabelecimento de educação e ensino, são da
responsabilidade organizativa do clube de desporto escolar em articulação com o grupo curricular de
educação física.
Desenvolvem-se através de um quadro de actividades regulares e sistemáticas, processadas de
acordo com horário semanal e especificadas num plano e programa anual de trabalho, que deverá ser
integrado no plano de actividades da escola.
Estas práticas devem assumir diferentes tipos de organização em função das suas características,
tais como competições internas, campeonatos inter-turmas, dias ou semanas de modalidade, actividades
de exploração da natureza, aventura e sobrevivência, formação de dirigentes, colóquios, actividades
desportivas para Alunos com necessidades especiais, etc.

___________________________________________________________________________________________82
Regulamento Interno 2011/2013

b) Actividade Externa
A nível externo, a planificação, coordenação e organização das actividades (e.g., quadros competitivos
formais, encontros e convívios) é da responsabilidade das diversas estruturas do Ministério da Educação –
nalguns casos, em articulação com instituições do sistema desportivo.
Em termos operacionais, a organização das referidas actividades é da competência dos estabelecimentos
de educação e ensino e desenvolvem-se através da participação dos grupos / equipas.

Artigo 152º
Objectivos
Em cada ano lectivo, o projecto de desporto escolar de cada escola deve ter em atenção o
conjunto de objectivos gerais e específicos, respeitantes a cada nível de escolaridade e ao próprio plano
de actividades da escola.
Todavia, alguns princípios devem ser tomados em linha de conta:
a) O projecto de desporto escolar deve ter uma relação estreita com o projecto educativo e
o plano de actividades do estabelecimento de educação e ensino e uma articulação e complementaridade
com o trabalho desenvolvido na disciplina de educação física;
b) Deve ser incentivada a participação dos Alunos no planeamento e gestão das actividades,
nomeadamente o seu papel como dirigentes e árbitros / juízes;
c) O respeito pelas normas do espírito desportivo deve ser cuidadosamente verificado, bem
como o estabelecimento de um clima de boas relações interpessoais entre todos os participantes no
processo do desporto escolar;
d) As regras gerais de higiene e segurança nas actividades físicas devem ser rigorosamente
cumpridas;
e) Todos os aspectos referentes à saúde e bem-estar e a uma boa condição física dos
participantes, devem ser ponderados na organização e desenvolvimento das actividades;
f) Deve ser oferecido um leque de actividades que, na medida do possível, reflicta e dê
resposta às motivações intrínsecas e extrínsecas das crianças e jovens, em relação às actividades lúdicas e
desportivas, proporcionando actividades individuais e colectivas, que sejam adequadas aos diferentes
níveis de prestação motora e de estrutura corporal dos Alunos;
g) Na elaboração do projecto, as preocupações devem começar na maioria dos Alunos da
escola e, de preferência, nos escalões etários mais baixos;
h) Os Alunos devem, ao longo do seu processo de formação, conhecer as implicações e
benefícios de uma participação regular nas actividades físicas e desportivas escolares, valorizá-las e
compreender a sua contribuição para um estilo de vida activa e saudável.

Artigo 153º
Normas

1 - Os Alunos devem ser assíduos aos treinos do seu grupo / equipa justificando ao Professores
responsável a sua possível falta. À quarta falta injustificada o Aluno elaborará um contrato de
contingência com o Professor, no qual se compromete a não ter mais faltas injustificadas. Caso contrário
será excluído do clube do desporto escolar.
2 - Os Alunos que fiquem sujeitos a participações disciplinares à disciplina de Educação Física e
que queiram iniciar ou continuar a sua participação nos grupos / equipas, só o poderão fazer mediante a
elaboração de um contrato de contingência assinado pelo Aluno, Professor responsável e pelo Director de

___________________________________________________________________________________________83
Regulamento Interno 2011/2013

Turma, no qual se compromete a modificar o seu comportamento. A quebra deste contrato terá como
consequência a sua exclusão do clube de desporto escolar.
3 – Os alunos inscritos e devidamente autorizados a participar em actividades desportivas
(internas e externas) serão dispensados da componente lectiva.
4 – Em actividades a nível externo que envolvam o transporte dos alunos, estes regem-se pelo
regulamento das visitas de estudo.

SECÇÃO II
SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E TÉCNICO PEDAGÓGICOS

Artigo 154º
Organização

1- Os Serviços de Administração Escolar são constituídos por uma equipa empenhada em


colaborar com os demais intervenientes no processo educativo existente neste Agrupamento.
2- Dessa equipa fazem parte o Chefe de Serviços de Administração Escolar e Assistentes Técnicos.

Artigo 155º
Objectivos e Funcionamento

1- Além dos direitos e deveres consignados na lei os Serviços de Administração Escolar baseiam a
sua actividade na prestação de serviços de apoio ao funcionamento do Agrupamento, nomeadamente no
aspecto administrativo e financeiro, tendo como principais objectivos informatização e modernização no
sentido de melhorar permanentemente a prestação de serviços, oferecendo uma melhor imagem ao
cidadão/ utente, facilitando a comunicação entre os diversos intervenientes.
2 - Os Serviços funcionam no período das 9.00h às 17:30 h sem interrupção na hora de almoço
sendo o atendimento assegurado neste período por um trabalhador em sistema de rotatividade
distribuída semana a semana.

SUBSECÇÃO I
PESSOAL ADMINISTRATIVO

Artigo 156º
Chefe de Serviços de Administração Escolar

1- Compete ao chefe dos serviços de administração escolar:


a) Dirigir os serviços administrativos no agrupamento nas áreas de alunos, pessoal,
contabilidade e expediente geral;
b) Coordenar e orientar as actividades dos serviços administrativos;
c) Coordenar e orientar a elaboração dos vários documentos passados pelos serviços
administrativos e sua posterior assinatura;
d) Organizar e submeter à aprovação do gabinete de gestão a distribuição dos serviços pelo
respectivo pessoal, de acordo com a natureza, categorias e aptidões, e sempre que o julgue conveniente,
proceder às necessárias distribuições;

___________________________________________________________________________________________84
Regulamento Interno 2011/2013

e) Assinar o expediente corrente, bem como o que respeita a assuntos já submetidos a


despacho dos órgãos de gestão.
f) Providenciar para que todos os serviços inerentes ao funcionamento das aulas
dependentes dos serviços administrativos estejam em ordem nos prazos estabelecidos;
g) Proceder à leitura e fazer circular o Diário da Republica, tomando as providências
necessárias para que a legislação de interesse para o Agrupamento seja distribuída pelas diferentes áreas
e pelas demais entidades determinadas pelo gabinete de gestão;
h) Verificar as propostas e processos de nomeação pessoal;
i) Apreciar e despachar os pedidos de justificação de faltas do pessoal administrativo;
j) Exercer o cargo de secretário do Conselho Administrativo;
k) Preparar os documentos para análise e posterior deliberação dos órgãos de gestão;
l) Dar cumprimento às deliberações dos órgãos de gestão que digam respeito aos serviços
administrativos;
m) Assinar as requisições de material a adquirir, quando devidamente autorizadas;
n) Assinar os termos de abertura e de encerramento e chancelar todas as folhas dos livros
utilizados nos Serviços Administrativos;
o) Ter sobre a sua guarda o selo branco de Agrupamento;
p) Levantar autos de notícia, ao pessoal administrativo, relativos a infracções disciplinares
verificadas;
q) Apreciar qualquer outro assunto respeitante ao serviço administrativo, decidindo os que
forem da sua competência expondo ao gabinete de gestão os que o ultrapassem.
2- O Chefe de Serviços de Administração Escolar beneficia da isenção de horário sem prejuízo da
observância do dever geral de assiduidade e do cumprimento da duração semanal de trabalho legalmente
estabelecida.
3- Quando não estiver afecto ao Agrupamento um Chefe de Serviços de Administração Escolar ou,
estando-o, se preveja a sua ausência ou impedimento por um período superior a trinta dias, as funções de
chefia serão exercidas pelo assistente de administração escolar de mais elevada categoria em exercício de
funções no Agrupamento, a designar pelo Conselho Executivo.

Artigo 157º
Assistente Técnico

1- Ao Assistente técnico compete:


a) Recolher, examinar, conferir e proceder à escrituração de dados relativos às transacções
financeiras e de operações contabilísticas;
b) Organizar e manter actualizados os processos relativos à situação do pessoal Docente e não
Docente, designadamente o processo dos vencimentos e registos de assiduidade;
c) Organizar e manter actualizado o inventário patrimonial, bem como adoptar medidas que
visem a conservação das instalações, material e equipamento;
d) Desenvolver os procedimentos da aquisição de material e equipamento necessários ao
funcionamento das diversas áreas de actividade do Agrupamento;
e) Assegurar o tratamento e divulgação da informação entre os vários órgãos e entre estes e a
comunidade escolar ou outros;
f) Organizar e manter actualizados os processos relativos à gestão dos Alunos;

___________________________________________________________________________________________85
Regulamento Interno 2011/2013

g) Preparar, apoiar e secretariar reuniões dos órgãos de gestão e administração, ou outras, e


elaborar as respectivas actas, se necessário;
h) Atender o pessoal docente, não docente e discente, bem como os Encarregados de
educação prestando os adequados esclarecimentos.
2- Assim da distribuição dos serviços pelos assistentes técnicos, resultam o desempenho das
funções de tesoureiro e gestor de processos, estes últimos na área de alunos, pessoal e vencimento.

Artigo 158º
Tesoureiro

1- Ao tesoureiro, compete, sob orientação do chefe de serviços de administração escolar, exercer


as funções relativas aos movimentos da tesouraria, nomeadamente:
a) Proceder a todas as operações de cobrança e pagamentos;
b) Assegurar o movimento do fundo de maneio;
c) Depositar as receitas;
d) Proceder a levantamentos bancários;
e) Controlar os saldos das contas bancárias;
f) Registar e conferir o movimento diário da tesouraria;
g) Escriturar documentos e livros próprios, assim como elaborar guias de receita do Estado,
guias de operações de tesouraria ou outras;
h) Manter actualizados todos os registos no sistema informático de contabilidade.

Artigo 159º
Gestores de Processos (Área alunos/ Sase)

1 – Os gestores de processos (Área Alunos/ Sase) têm a seu cargo um número de turmas que
resultou de uma distribuição acordada em reunião de equipa fazendo um atendimento personalizado não
só aos Alunos que lhe couberam dessa divisão mas também aos directores de turma, criando condições
para que haja um relacionamento privilegiado entre estes e o seu gestor de processos.
2- Compete-lhes ainda fornecer aos directores de turma a informação e material para apoio às
reuniões de avaliação, matrículas, exames, etc.

Artigo 160º
Gestores de Processos (Área pessoal/ vencimentos)

1 – Os gestores de processos (Área pessoal/vencimentos): têm a seu cargo um número de


processos de pessoal docente e não docente que resultou de uma distribuição acordada em reunião de
equipa, zelando sempre pelo interesse dos seus utentes procurando dentro da legalidade as melhores
soluções administrativas em tudo o que diga respeito à área de pessoal e vencimentos. O utente poderá
sempre pedir justificadamente a mudança do seu gestor.

SUBSECÇÃO II
SERVIÇOS DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR

___________________________________________________________________________________________86
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 161º
Definição e composição

1 - Os Serviços de Acção Social Escolar incluídos nos Serviços de Administração Escolar destinam-
se, primordialmente, a satisfazer as necessidades dos alunos pertencentes aos estratos sociais mais
desfavorecidos em matéria de alimentação, material escolar e material específico para deficientes.
2 - Estes serviços são coordenados pelo Subdirector e orientados pelo Chefe de Serviços
Administrativos Escolares.
Artigo 162º
Competências

1 - Compete ao SASE:
a) Atender professores, alunos e encarregados de educação que solicitem informações sobre
os serviços;
b) Colaborar com a autarquia, na organização da rede de transportes escolares e na
organização dos processos da Acção Social Escolar;
c) Criar as condições necessárias ao funcionamento do refeitório, bufete, papelaria e seguro
escolar;
d) Organizar e supervisionar o funcionamento daqueles serviços;
e) Divulgar, organizar, analisar e propor a atribuição de subsídios (em alimentação, material
escolar, manuais) aos alunos que a eles se candidatem, de acordo com o estabelecido na lei;
f) Assegurar aos alunos o direito ao seguro escolar;
g) Assegurar o preenchimento de mapas, no âmbito da acção social escolar, relativamente ao
1º. Ciclo;
h) Assegurar actividades relacionadas com o aprovisionamento e economato;
i) Controlar e supervisionar o sistema de gestão integrada de administração escolar.
2 - A Autarquia presta apoio aos alunos do pré-escolar e ensino básico no que respeita à
atribuição de subsídios para alimentação, livros e material escolar.

Artigo 163º
Subsídios de Estudo

1 - Os alunos cujo agregado se integre no 1º, 2º e 3º escalões do posicionamento para atribuição


do abono de família beneficiam respectivamente do Escalão A, B e C.
2 - Os prazos para requerimento de subsídios são estipulados por lei e serão afixados no placar da
entrada dos edifícios escolares e dada informação aos encarregados de educação.
3 - Será dado conhecimento da lista de alunos a subsidiar através de afixação da mesma nos locais
habituais.
4 - Os encarregados de educação que se sintam lesados na atribuição dos subsídios, podem
recorrer das decisões tomadas, no prazo de oito dias após a afixação da lista.
5 - Alterações nas condições económicas do agregado familiar devem ser comunicadas ao Órgão
de Gestão para que este investigue da possibilidade de atribuição ou anulação do subsídio.
6 - Falsas declarações dão origem ao corte imediato do subsídio.
7 - Os manuais escolares reutilizáveis entregues a título de empréstimo terão que ser devolvidos
em boas condições de utilização, no final de cada ano ou ciclo de escolaridade.

___________________________________________________________________________________________87
Regulamento Interno 2011/2013

8 - Caso não se verifique a situação mencionada no número anterior, os alunos utilizadores terão
que pagar os manuais no final do ano/ciclo até ao limite de 30% do preço de venda do manual, no
momento da aquisição.

Artigo 164º
Transportes

1 - Os transportes escolares são da responsabilidade financeira e organizativa da Câmara


Municipal da Covilhã para os alunos do pré-escolar e ensino básico.
2 - Compete à A.S.E., no âmbito dos transportes escolares:
a) Receber anualmente as candidaturas dos alunos;
b) Comprovar os dados mencionados na candidatura;
c) Enviar à Câmara Municipal os processos de candidatura dos alunos do ensino básico.
3 - Os alunos que se desloquem em transporte público para o estabelecimento de ensino da área
da sua residência recebem um cartão magnético (passe electrónico), e após requisição do mesmo, a
vinheta é entregue gratuitamente a todos alunos dentro da escolaridade obrigatória.
4 - Em caso de extravio ou deterioração, é da responsabilidade dos pais/encarregados de
educação a aquisição da 2ª via do cartão.

Artigo 165º
Seguro Escolar

1 - Todos os alunos matriculados neste Agrupamento estão abrangidos pelo seguro escolar cujas
normas fundamentais se enunciam seguidamente. Os Serviços de Acção Social Escolar facultam aos
interessados todos os esclarecimentos complementares necessários, nomeadamente, a leitura das
instruções completas sobre o seguro escolar – Portaria 413/99 de 8 de Junho, DR 182 – 1ª Série B.
2 - Considera-se acidente escolar o que ocorra durante as actividades programadas pela escola ou
no percurso casa - escola - casa, dentro do período considerado necessário para o aluno efectuar esse
percurso.
3 - O seguro escolar funciona em regime de complementaridade do sistema/subsistema público
de saúde e apenas cobre danos pessoais do aluno.
4 - Apenas está coberta pelo seguro escolar a assistência prestada em estabelecimentos de saúde
públicos, com excepção dos casos de impossibilidade de tratamento naqueles estabelecimentos,
devidamente comprovados pelos respectivos serviços.
5 - Sempre que ocorra um acidente escolar, o aluno/professor/funcionário deve dirigir-se aos
Serviços de Acção Social Escolar e comunicar a ocorrência. Sempre que recorra aos serviços de saúde
deve fazer-se acompanhar pelo cartão de beneficiário da assistência ou de ficha de identificação do aluno
entregue pelos serviços de acção social escolar.
6 - Nos casos de prescrição de medicamentos, deve ser apresentado nos Serviços de Acção Social
Escolar o recibo das despesas efectuadas, acompanhado de cópia do receituário médico, a fim de ser
reembolsado da parte não suportada pelo sistema/subsistema de assistência.
7 - Nos casos de atropelamento, o seguro escolar assume os 1ºs socorros e aguarda decisão
judicial relativamente à culpa dos intervenientes, pelo que é indispensável que o encarregado de
educação apresente participação do acidente no Tribunal Judicial da Comarca para ser definida

___________________________________________________________________________________________88
Regulamento Interno 2011/2013

responsabilidade do acidente. Neste tipo de acidente, a não participação ao tribunal implica que o seguro
escolar não assuma quaisquer responsabilidades decorrentes desse mesmo acidente.

Artigo 166º
Leite Escolar

1 - O programa de leite escolar, conforme a legislação em vigor, tem finalidades educativas e de


saúde.
11- - Deve ser distribuído pelos docentes e consumido pelos alunos na sala de aula.

SECÇÃO III
ASSITENTE OPERACIONAL

Artigo 167º
Encarregado de Coordenação de Pessoal Auxiliar de Acção Educativa

1 - Ao encarregado de coordenação de pessoal auxiliar de acção educativa compete


genericamente coordenar e supervisionar as tarefas do pessoal que está sob a sua dependência
hierárquica.
2- Ao encarregado de coordenação de pessoal auxiliar de acção educativa compete
predominantemente:
a) Orientar, coordenar e supervisionar o trabalho do pessoal citado;
b) Colaborar com os órgãos de gestão na elaboração da distribuição de serviço por aquele
pessoal;
c) Controlar a assiduidade do pessoal a seu cargo e elaborar o plano de férias, a submeter
a aprovação dos órgãos de gestão;
d) Atender e apreciar reclamações ou sugestões sobre o serviço prestado, propondo
soluções;
e) Comunicar infracções disciplinares do pessoal a seu cargo;
f) Requisitar ao armazém e fornecer material de limpeza, de primeiros socorros e de uso
corrente nas aulas;
g) Comunicar estragos ou extravios de material e equipamento;
h) Afixar e divulgar convocatórias, avisos, ordens de serviço, pautas, horários, etc.;
i) Levantar autos de notícia ao pessoal assistente operacional que estão na sua
dependência hierárquica, relativos a infracções disciplinares verificadas.

Artigo 168º
Assistentes Operacionais

1- Ao assistente operacional que desempenha as funções anteriormente atribuídas ao


auxiliar de acção educativa incumbe genericamente, nas áreas de apoio à actividade pedagógica, de acção
social escolar e de apoio geral, uma estreita colaboração no domínio do processo educativo dos discentes,
desenvolvendo e incentivando o respeito e apreço pelo estabelecimento de ensino e pelo trabalho que,
em comum, nele deve ser efectuado.
2 - Ao assistente operacional compete predominantemente:

___________________________________________________________________________________________89
Regulamento Interno 2011/2013

a) Na área de apoio à actividade pedagógica:


i. Colaborar com os docentes no acompanhamento dos alunos entre e durante as
actividades lectivas, zelando para que nas instalações escolares sejam mantidas as normas de
compostura, limpeza e silêncio, em respeito permanente pelo trabalho educativo em curso;
ii. Preparar, fornecer, transportar e zelar pela conservação do material didáctico,
comunicando estragos e extravios;
iii. Registar as faltas dos professores;
iv. Abrir e organizar livros de ponto à sua responsabilidade e prestar apoio aos directores
de turma e reuniões;
v. Limpar e arrumar as instalações da escola à sua responsabilidade e prestar apoio aos
directores de turma e reuniões;
vi. Zelar pela conservação e manutenção dos serviços;
vii. Transportar os livros de ponto sempre que necessário;
viii. Comunicar ao D.T, o não cumprimento das tarefas estabelecidas pelo Professores
quando este coordena a saída da sala de aula do Aluno e nitidamente perturbe o regular funcionamento
das actividades
ix. No Pré – Escolar, responsabilizar-se pelos Alunos na ausência imprevista do Docente, até
serem distribuídos pelos restantes Docentes ou entregues aos Pais ou Encarregados de Educação
x. Ao assistente operacional poderá ainda ser cometidas nesta área funções de apoio à
biblioteca e aos laboratórios.
b) Na área de apoio social escolar:
i. Prestar assistência em situações de primeiros socorros e, em caso de necessidade,
acompanhar o aluno a unidades hospitalares, até à chegada dos pais e encarregados de educação;
ii. Preencher requisições ao armazém de produtos para o bufete e papelaria, receber e
conferir produtos hospitalares;
iii. Preparar e vender produtos do bufete;
iv. Vender material escolar, impressos, textos de apoio, etc.
v. Distribuição aos alunos subsidiados, na papelaria, material escolar e livros;
vi. Efectuar na reprografia o carregamento dos cartões do GIAE;
vii. Apurar diariamente a receita realizada na reprografia proveniente do carregamento dos
cartões GIAE e entregá-la ao tesoureiro;
viii. Limpar e arrumar instalações do bufete e papelaria e respectivo equipamento e
utensílios;
ix. Comunicar estragos ou extravios de material e equipamento.
c) Na área de apoio geral:
i. Prestar informações na portaria, encaminhar pessoas, controlar entradas e saídas de
pessoal estranho e proceder à abertura e encerramento das portas de acesso às instalações;
ii. Efectuar, no interior e exterior, tarefas indispensáveis ao funcionamento dos serviços;
iii. Proceder à limpeza e arrumação das instalações, zelando pela sua conservação;
iv. Vigiar as instalações do estabelecimento de ensino, evitando a entrada de pessoas não
autorizadas;
v. Abrir e fechar portas, portões e janelas, desligar o quadro de electricidade e entregar e
receber chaves do chaveiro a seu cargo;
O assistente operacional poderá ainda, nesta área, assegurar, quando necessário, o apoio de
reprografia e as ligações telefónicas.

___________________________________________________________________________________________90
Regulamento Interno 2011/2013

d) Na área de manutenção:
i. Reparar e restaurar mobiliário, fechaduras, portas, janelas, estores, etc.;
ii. Efectuar pequenas reparações, substituir acessórios das redes de água de esgoto,
zelando pelo seu funcionamento;
iii. Executar pequenas reparações na instalação eléctrica e substituir acessórios;
iv. Colocar vidros e efectuar pequenas reparações no edifício;
v. Zelar pela conservação das máquinas e ferramentas que utiliza;
vi. Comunicar estragos ou extravios de material e equipamento e ainda necessidades de
reposição de existência
3 - Ao assistente operacional que desempenha funções de cozinheiro, compete genericamente
organizar e coordenar os trabalhos na cozinha e confeccionar e servir refeições. Compete ainda:
a) Calcular as quantidades de géneros e condimentos necessários à confecção das
refeições e requisitar ao armazém o necessário para o funcionamento do refeitório;
b) Colaborar com o ecónomo na elaboração das ementas semanais;
c) Preparar, confeccionar e servir as refeições;
d) Assegurar a limpeza e arrumação das instalações, equipamento e utensílios da cozinha
e refeitório;
e) Comunicar estragos ou extravios de material e equipamento.
f) Congelar adequadamente amostra da refeição e guardá-la por um período de
quarenta e oito horas para ser utilizada em caso de emergência.

4 - Ao assistente operacional que desempenha funções guarda nocturno compete genericamente


exercer vigilância nocturna do estabelecimento de ensino, procurando impedir a entrada de pessoas não
autorizadas. Compete ainda:
a) Vigiar as instalações do estabelecimento de ensino, evitando a entrada de pessoas não
autorizadas;
b) Abrir e fechar portas, portões e janelas, desligar o quadro de electricidade e entregar e
receber chaves do chaveiro a seu cargo;
c) Chamar as autoridades quando necessário.

SECÇÃO IV
ACESSO E CIRCULAÇÃO NOS RECINTOS ESCOLARES DO AGRUPAMENTO

Artigo 169º
Portaria

1 – Nas entradas e saídas do recinto escolar, os alunos deverão passar o cartão GIAE no leitor que
se encontra junto ao portão.
2 - Aos alunos não é permitida a saída do recinto escolar, salvo com autorização escrita do
encarregado de educação.
3- Os encarregados de educação que pretendam que os seus educandos permaneçam na escola
básica dos 2º e 3 º ciclos do Teixoso, durante todo o dia deverão colocar uma cruz (x) no quadrado na
ficha destinada para o efeito, distribuída no início do ano lectivo.

___________________________________________________________________________________________91
Regulamento Interno 2011/2013

4 – Em caso de falta do professor, os alunos que pretendam sair do recinto escolar ao último
tempo da manhã ou da tarde do respectivo horário, terão de mostrar a caderneta assinada e com a
devida autorização, ao funcionário da portaria.
5 - O director de turma arquivará fotocópia da autorização no respectivo dossier.
6 - Ao porteiro compete:
a) Zelar para que não entrem no recinto escolar pessoas estranhas ao Agrupamento.
b) Controlar a entrada de veículos.
c) Identificar as pessoas que se dirijam aos serviços administrativos ou outros.
d) Não autorizar as entrada de qualquer pessoa que não seja possuidora de documentos
de identificação, de preferência com fotografia.
e) Registar a entrada autorizada de pessoas estranhas à comunidade escolar.
7 - Parque de Estacionamento:
a) Os locais para o estacionamento de veículos estão devidamente assinalados.
b) Só é permitida a circulação de veículos do e para o parque de estacionamento, salvo
os que se destinam a cargas e descargas.
c) Somente o pessoal docente e não docente poderão usar o parque de
estacionamento.
d) Aos alunos só é permitida utilização do parque para estacionamento de veículos de
duas rodas.

Artigo 170º
Recepção

1 - A recepção comporta duas valências: recepção, encaminhamento de visitantes e central


telefónica.
2 - Aos funcionários de serviço na recepção compete:
a) Indagar aos visitantes sobre o assunto que pretendem tratar e prestar os esclarecimentos
que tiverem para fornecer;
b) Encaminhar todos os que tenham assuntos a tratar no Gabinete do Órgão de Gestão, dos
Directores de Turma, nos Serviços de Administração Escolar ou no Gabinete de Apoio Sócio- Educativo;
c) Solicitar a presença de um funcionário para acompanhar os visitantes que se dirijam ao
Órgão de Gestão ou a qualquer outro local da Escola para que estejam autorizados;
d) Receber as chamadas telefónicas vindas do exterior e encaminhá-las para os devidos
sectores;
e) Receber os pedidos, proceder à marcação e fazer o registo das chamadas para o exterior;
f) Guardar os objectos que tenham sido encontrados abandonados na escola e entregá-los a
quem provar que lhe pertencem.
3 - A utilização do telefone pelos professores, pelo pessoal não docente e pelos alunos faz-se
através de um telefone instalado no PBX.
4 - Nas outras escolas do Agrupamento o telefone deverá estar ao dispor do público. As chamadas
deverão ser pagas após a sua realização. Os quantitativos referentes a cada chamada particular, deverão
ser pagos a uma assistente operacional encarregue de tal função.
5 - Nos telefonemas oficiais serão registados os números de telefone dos destinatários, bem como
os serviços e pessoas contactadas.

___________________________________________________________________________________________92
Regulamento Interno 2011/2013

6 - O horário da recepção/telefone é definido, no início de cada ano lectivo e devidamente


divulgado à comunidade escolar.

SECÇÃO V
OUTRAS SERVIÇOS DE APOIO À ACÇÃO EDUCATIVA

SUBSECÇÃO I
REPROGRAFIA / PAPELARIA

Artigo 171º
Gestão e funcionamento da reprografia

1- Os trabalhos requisitados pelos serviços administrativos não poderão ser executados nos
intervalos.
2- Este serviço está aberto a toda a comunidade escolar.
3- Os trabalhos requisitados com a designação de oficial deverão ser acompanhados da respectiva
autorização do Órgão de Gestão, departamento ou serviço.
4- Um bom funcionamento deste sector é indispensável para o bom funcionamento da escola.
a) Os trabalhos da reprografia devem ser entregues com dois dias úteis de antecedência;
b) É expressamente proibida a entrada à excepção do trabalhador responsável;
c) O horário de funcionamento divide-se em dois turnos horários e será afixado em local
visível.
5- O acesso à área de reprodução é proibida a pessoas estranhas ao serviço.
6- São gratuitos todos os testes e fichas de trabalho indispensáveis ao processo do ensino -
aprendizagem.
7- O preço dos restantes documentos estão afixados em local visível.
8- Destina-se a fornecer aos alunos o material necessário as suas actividades pouco acima do
custo.
9- O atendimento será feito por ordem de chegada , o horário de funcionamento, bem como o
preço dos artigos devem estar expostos em local visível junto às suas instalações.

SUBSECÇÃO II
BUFETE

Artigo 172º
Gestão e Funcionamento

1. O bufete é o local para uma pequena refeição a meio da manhã ou da tarde, mas que não
substitui um almoço.
a) Deve fornecer aos Alunos, Professores e outros trabalhadores , comida e bebida com
qualidade e a preços reduzidos;
b) Os preços e horários de funcionamento devem estar afixados em local bem visível;
c) A aquisição de produtos faz-se por desconto no cartão GIAE previamente carregado na
papelaria;
d) Todos os utilizadores devem aguardar pacientemente a vez de serem atendidos;

___________________________________________________________________________________________93
Regulamento Interno 2011/2013

e) O horário de funcionamento divide-se em dois turnos;


f) No Bar dos Professores, existente na respectiva sala são servidos produtos idênticos aos
encontrados no Bar principal da Escola;
2. Compete à responsável pelo bufete zelar pelo bom estado e conservação dos produtos, pela
manutenção dos equipamentos, pela gestão dos stocks e pela higiene das instalações.

SUBSECÇÃO III
REFEITÓRIO

Artigo 173º
Gestão e Funcionamento

1- O refeitório é um local privilegiado para uma refeição económica e equilibrada.


a) Deve fornecer, mediante desconto em cartão, o almoço a qualquer elemento do
Agrupamento;
b) Os utentes devem conhecer a ementa das refeições antecipadamente; para tal, deverá
ser afixada no final da semana anterior em locais a que toda a comunidade tenha acesso; da ementa
devem constar refeições equilibradas, completas e não repetidas na semana.
c) A refeição deve ser adquirida na véspera, pelos utentes, no terminal que se encontra
no polivalente e excepcionalmente pode ser comprada no próprio dia, até às 10h 30m, acrescida de uma
taxa, fixada de acordo com a legislação.
d) Os utentes cuja refeição seja comprada no próprio dia sujeitam-se a não usufruir da
ementa programada para esse dia, podendo haver necessidade da sua alteração.
e) As refeições são servidas das 12h 15m às 14h;
f) O modo de funcionamento do refeitório é em regime de self-service e os utentes do
mesmo devem organizar-se por ordem de chegada.
g) Os utentes devem passar o cartão no leitor existente no refeitório.
h) Não é permitido transportar outros alimentos ou bebidas para dentro do refeitório;
i) Durante as refeições não se deve falar em voz alta;
j) É expressamente proibido atirar ou arremessar objectos;
k) Os utilizadores devem manter limpo o local da refeição;
l) No final da refeição deve-se arrumar a cadeira, colocar o tabuleiro em local próprio e
sair imediatamente;
m) Ao responsável pelo refeitório compete zelar pelo bom estado dos alimentos, pela
manutenção dos equipamentos pela gestão dos Stocks e pela higiene das instalações.

CAPÍTULO VII
FUNCIONAMENTO GERAL DO AGRUPAMENTO

SECÇÃO I
VISITA DE ESTUDO

Deve entender-se por visita de estudo toda e qualquer deslocação de um grupo de alunos
acompanhados de professores a qualquer local extra-escolar, tendo como objectivo a

___________________________________________________________________________________________94
Regulamento Interno 2011/2013

complementaridade da leccionação face aos objectivos previamente determinados na planificação da


disciplina em causa.
Daí a necessidade de se definir algumas normas consideradas necessárias para regular a
preparação e execução das mesmas.

Artigo 174º
Organização

1 - A organização das visitas de estudo pode partir dos grupos – áreas disciplinares e instituições.
a) Se um Professor pretender organizar uma visita de estudo, deverá propô-la ao grupo que,
depois de aprovada, será assumida pelo referido Professor da forma que melhor entender.
i. Deverão ser registados, e do conhecimento de todos os membros da comissão, todos
os contactos decisões, acordos ou pagamentos efectuados durante a organização da visita, para que, face
a qualquer eventualidade, seja sempre possível a realização da mesma.
b) Compete à entidade responsável pela organização da visita a definição dos parâmetros
gerais a que deve obedecer a organização da mesma, que serão dados a conhecer ao conselho executivo
e director de turma.
Por parâmetros gerais deve entender-se, por exemplo:
i. Tema /Local;
ii. Objectivos específicos;
iii. Regime de avaliação dos alunos intervenientes e da actividade;
iv. Calendarização e horário;
v. Data da reunião de Pais e Encarregado de Educação realizada para aprovação por parte
dos mesmos sempre que for considerado necessário;
vi. Data da reunião do C. Pedagógico em que a Visita foi aprovada;
vii. Material Necessário;
viii. Identificação dos responsáveis e acompanhantes;
ix. Guiões de exploração do local a visita e/ou de orientação pedagógico didáctica da
actividade;
x. Identificação do(s) Planos de Ocupação deixados pelos docentes participantes na
actividade tendo em vista os alunos não participantes e/ou outras turmas dos respectivos professores;
xi. Cobertura das despesas;
xii. Subsídios de entidades exteriores à escola. Neste caso, como e quem fica responsável
pelo seu controle, recolha e entrega nos serviços administrativos;
xiii. Quem organiza e controla outras actividades para recolha de fundos (venda de bolos,
etc.).
c) Deverão ser preenchidos todos os elementos constituintes do dossier de visita de estudo.

d) Sempre que sejam conseguidos subsídios para a realização da visita de estudo, atribuídos à
escola, obtidos ou não por alunos, os mesmos serão utilizados como abatimento aos custos globais da
visita;
i. De todas as importâncias atrás referidas, será passado recibo mediante a entrega da
respectiva importância nos serviços administrativos.
e) A gestão de dinheiros sobre a visita de estudo será efectuada pelo conselho administrativo,
com base nos dados e orientações fornecidos pela organização.

___________________________________________________________________________________________95
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 175º
Participação

1 - O número de professores acompanhantes deverá ser calculado de acordo com a necessidade


de um bom e eficiente acompanhamento e controle dos Alunos;
a) Devem os professores em causa ser do grupo, conselho de turma ou área disciplinar. Sempre
que possível, com professores da turma envolvida.
2 - A participação por parte dos Alunos é voluntária;
a) Uma vez inscrito, com autorização do encarregado de educação, fica obrigado ao pagamento
da visita caso ele exista.
b) Os alunos que não participam na visita de estudo terão que ir obrigatoriamente à escola.
c) A participação de pessoas (alunos e professores) de outras escolas deve estar prevista na
planificação e inserir-se na coordenação pedagógica com essas escolas.

Artigo 176º
Execução

1 - As visitas de estudo devem efectuar-se preferencialmente na 1ª metade de cada período.


No 3º período, no entanto, só se devem realizar visitas de estudo em situações inevitáveis
/ excepcionais, devidamente fundamentadas e autorizadas pelo Conselho Pedagógico, para que o
Conselho Executivo as envie para a DREC.
a) Quando se tornar impossível marcar o dia exacto, deve, de igual forma, ser elaborado todo o
dossier e submete-lo a aprovação do conselho pedagógico.
b) Só serão autorizadas as visitas de estudo previstas, no plano das actividades dos grupos, a ser
aprovado durante o 1º período, em data a indicar pelo conselho pedagógico.
2 - Os locais das visitas devem ter em conta, as distâncias menores despesas, sem prejuízo,
contudo, dos objectivos definidos.
3 - Devem, sempre que possível, recolher-se elementos (fotografias, vídeo...) que se julguem úteis
a futura utilização das mesmas na escola, permitindo assim a diversificação das visitas.
4 - Deve ter-se em conta o princípio de que estas visitas, sejam de que géneros forem, devem ser
organizadas e executadas tendo em vista as normas de segurança, competindo a organização a
verificação dessa mesma segurança. Em todas as visitas, a organização deve-se fazer acompanhar de um
colete e um sinal STOP:
5 - Elaboração de um relatório final.

Artigo 177º
Normas

1. Proibido o consumo e transporte de qualquer tipo de droga, tabaco, ou bebida alcoólica.


2. Em caso de furto, danos materiais, ou qualquer acto de negligência (autocarro, museu,
escolas, etc.), a responsabilidade será do (s) aluno (s) infractor (es).
3. Em caso de mau comportamento e/ou falta de respeito para com os materiais usados,
instalações visitadas, colegas ou professores, serão tomadas as devidas providências conforme o
estipulado no regulamento interno da escola.

___________________________________________________________________________________________96
Regulamento Interno 2011/2013

4. Procurar não levar objectos de valor para evitar eventuais roubos.

5. Pede-se especial atenção para a pontualidade de forma que o programa estabelecido possa
ser cumprido.
6. Em cada visita deverão ser cumpridas regras de civismo (silêncio, respeito pelos guias
turísticos, respeito pelos materiais, etc...).
7. Durante as viagens de autocarro devemos respeitar as normas impostas pela Direcção Geral
de Viação (DGV). Não é permitido andar levantado e circular no corredor do autocarro. Devem utilizar
obrigatoriamente o cinto de segurança e “cadeiras” próprias para as crianças.
8. Qualquer coima imposta pelo não cumprimento das normas por parte dos alunos, esta será
paga pelo respectivo Encarregado de Educação.
9. Lembra-se que o respeito pelo outro, o civismo e o espírito de inter-ajuda são ingredientes
indispensáveis ao sucesso da visita de estudo e contribuirão decerto para que esta seja uma actividade
gratificante para todos.

SECCÇÃO II
ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

Artigo 178º
Definição

As actividades de enriquecimento curricular (AEC) constituem um conjunto de actividades que se


desenvolvem, predominantemente, para além do tempo lectivo dos alunos e que são de oferta
obrigatória, inscrição facultativa e frequência obrigatória e pretendem fomentar o desenvolvimento das
crianças tendo em vista o sucesso escolar futuro, garantindo tempos pedagogicamente ricos e
complementares das aprendizagens associadas à aquisição das competências básicas.

Artigo 179º
Organização

A planificação das actividades de enriquecimento curricular é da responsabilidade dos órgãos


competentes do agrupamento, em articulação com a Câmara Municipal da Covilhã, de acordo com a
legislação em vigor.
Artigo 180º
Funcionamento

1 - Funcionam em todas as escolas do 1º Ciclo do Agrupamento de Escolas de Teixoso.


2 - Estas actividades são asseguradas pelos docentes titulares de turma no apoio ao estudo e por
professores colocados pela autarquia nas outras actividades.
3 - As actividades decorrem após o tempo das actividades lectivas das turmas.

SECÇÃO III
COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

___________________________________________________________________________________________97
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 181º
Definição

O tempo das actividades de animação e apoio à família é marcado por um processo educativo
informal, tratando-se de um tempo em que a criança escolhe o que deseja fazer, não havendo a
preocupação de proporcionar aprendizagens estruturadas como acontece em actividade educativa
lectiva.
Artigo 182º
Organização

A planificação das actividades de apoio à família é da responsabilidade dos órgãos competentes


do agrupamento, em articulação com a Câmara Municipal da Covilhã, de acordo com a legislação em
vigor, envolvendo, obrigatoriamente, a programação, acompanhamento e a supervisão pedagógica dos
educadores de infância responsáveis pelo grupo.

Artigo 183º
Funcionamento

1 - Funciona para os Jardins de Infância do Agrupamento.


2 - Destina-se a apoiar as famílias com necessidades e cujo horário seja compatível com o horário
do prolongamento dos Jardins de Infância.
3 - Decorrem diariamente após as actividades lectivas.
4 - Funcionam igualmente nas interrupções lectivas e até 31 de Julho, de acordo com as
necessidades das famílias.

SECÇÃO IV
NORMAS

Artigo 184º
Inventários

1 - Todas as disciplinas, sectores, clubes, (...), terão de elaborar e manter actualizados os


inventários dos bens duradouros a seu cargo. Considera-se bem duradouro aquele que, se presume, irá
ter uma duração superior a um ano.
2 - A elaboração dos inventários faz-se em impresso próprio, fornecido pela escola, onde conste:
a) Número de inventário correspondente a cada bem;
b) Designação do bem;
c) Quantidades;
d) Estado (bom/mau);
e) Data da aquisição.
3 - Em local bem visível e no espaço / instalações em que se encontram os bens deve ser afixado
um exemplar do inventário dos bens em causa.

___________________________________________________________________________________________98
Regulamento Interno 2011/2013

4 - No final de cada ano lectivo é entregue ao director, um exemplar actualizado do inventário de


cada sector, disciplina, clube, (...), com as anotações que se julguem pertinentes, nomeadamente no que
se refere à substituição ou reparação dos equipamentos avariados.

Artigo 185º
Faltas
1 - A justificação de faltas do pessoal docente e não docente é feita através de impresso próprio
a adquirir na papelaria do Agrupamento (ex.: faltas por conta do período de férias) ou por documento
comprovativo passado por entidade competente (ex.: atestado médico), e entregue nos serviços
administrativos.
2 - A intenção de faltar deve ser comunicada verbalmente, ao Conselho Executivo, no dia
anterior ou no próprio dia, devendo ser formalizada no dia de regresso às actividades.
3 - A justificação de faltas deve ser entregue nos serviços administrativos no dia anterior se o
motivo for previsível, no próprio dia da falta, ou no dia seguinte à falta até às 12 horas.
4 – Na ausência do professor titular de turma, este só é substituído quando a escola do
Agrupamento dispõe de recursos humanos para proceder à sua substituição.

Artigo 186º
Actas

1 - Os livros de actas encontram-se sob responsabilidade do director, em armário próprio no seu


gabinete.
2- As actas serão informatizadas nos seguintes órgãos:
a) Conselho geral;
b) Conselho pedagógico;
c) Departamentos curriculares
d) Conselho de directores de turma;
e) Conselhos de Turma;
f) Áreas disciplinares;
g) Reuniões Gerais do Pessoal Docente;
h) Reuniões Gerais do Pessoal não Docente;
3 – As actas informatizadas deverão ser entregues no órgão de gestão num prazo máximo de
cinco dias úteis.

Artigo 187º
Livros de Ponto
1 - Os livros de ponto das turmas, encontram-se nos respectivos pavilhões e os livros de ponto
dos diversos cargos e do trabalho de estabelecimento encontram-se na sala dos professores, excepto o da
BE/CRE e o do desporto escolar .
2 - O livro de ponto do pessoal não docente encontra-se em local próprio.
3 – Os restantes livros de ponto encontram-se em cada estabelecimentos de ensino.

___________________________________________________________________________________________99
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 188º
Reuniões

1 - A divulgação das reuniões é feita através de convocatória afixada em expositores para esse
efeito designados, de fácil acesso e visibilidade para os destinatários.
2 - A convocatória deve conter:
a) Identificação de quem convoca;
b) Suporte legal para a sua realização;
c) Destinatários;
d) Local, data e hora da reunião;
e) Assuntos a tratar, devidamente especificados;
f) Assinatura de quem convoca;
g) Visto, que autorize a sua afixação, do competente órgão de gestão.
3 - Para as reuniões ordinárias as convocatórias devem afixar-se com pelo menos dois dias de
antecedência.
4 - Para as reuniões de avaliação de período a calendarização deve ser divulgada com cinco dias
de antecedência.
5 - Não é permitida a realização de reuniões ordinárias com prejuízo das actividades lectivas.
6 - Só em casos excepcionais, devidamente justificados pelo director, se realizarão reuniões
extraordinárias com prejuízo das actividades lectivas.
7 - As convocatórias das reuniões extraordinárias que, pela urgência não possam respeitar o
estipulado para as reuniões ordinárias, deverão ser feitas individualmente por forma a assegurar a
tomada de conhecimento por parte de todos os elementos.
8 - No caso de se verificar a marcação de várias reuniões para o mesmo dia, a sua calendarização
deve estipular no mínimo 1 hora e 30 minutos para cada reunião. Se esse período for insuficiente para o
tratamento dos assuntos marcar-se-á nova reunião.
9 - De cada reunião lavrar-se-á acta em livro ou documento próprio informatizado.

CAPÍTULO VIII
DISPOSIÇÕES FINAIS

Artigo 189º
Regimentos

1 - Os órgãos colegiais de administração e gestão, as estruturas de orientação educativa e os


diversos espaços previstos no presente regulamento elaboram os seus próprios regimentos, definindo as
respectivas regras de organização e de funcionamento, nos termos fixados no presente regulamento.
2 - O regimento é elaborado ou revisto nos primeiros 30 dias do mandato do órgão ou estrutura a
que respeita, sendo submetidos a aprovação nas diferentes estruturas de acordo com a lei em vigor.
3 - O Conselho Geral toma conhecimento dos diferentes regimentos internos.
4 - Depois de elaborado ou revisto, o regimento interno de cada espaço, ficará em anexo ao
regulamento interno do agrupamento.

___________________________________________________________________________________________100
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 190º
Divulgação do Regulamento Interno

1 - O Director deve disponibilizar este regulamento interno e regimentos anexos a toda a


comunidade escolar.
2 - De forma a garantir a sua consulta por toda a comunidade escolar, o presente regulamento
interno de agrupamento será colocado:
a) Na biblioteca escolar (sede do agrupamento);
b) Sala de professores (sede do agrupamento);
c) Secretaria;
d) Sala de directores de turma (sede do agrupamento);
f) Todos os estabelecimentos de educação e ensino do agrupamento;
g) No site e na plataforma Moodle do agrupamento de escolas;
h) Noutros locais considerados convenientes para consulta.
3 - O documento original do regulamento interno de agrupamento, devidamente aprovado, ficará
à guarda do Director.

Artigo 191º
Revisão do Regulamento Interno

1 - O presente regulamento interno, será analisado e revisto ordinariamente quatro anos após a
sua aprovação ou revisão e nele serão introduzidas as alterações consideradas necessárias e
convenientes.
2 - Extraordinariamente, a todo o tempo, poderão ainda ser introduzidas alterações a este
regulamento interno, por iniciativa do conselho geral ou do director.
3 - Para que seja desencadeado este processo, o director deve, ouvido o conselho pedagógico,
elaborar a respectiva proposta e submetê-la à aprovação do conselho geral.
4 - O conselho geral deve verificar da conformidade do mesmo com o respectivo projecto
educativo, podendo ser-lhe introduzidas, por maioria absoluta dos votos dos membros em efectividade
de funções, as alterações consideradas convenientes.
5 - A deliberação do conselho geral deverá ser expressa pela maioria absoluta dos votos dos
membros em efectividade de funções, sendo de imediato enviada, para verificação da conformidade com
o disposto na Lei, ao Director Regional de Educação.
6 - Das alterações efectuadas será dado conhecimento à comunidade educativa nos termos
enunciados neste regulamento.

Artigo 192º
Omissões

1 - Nos casos em que se verifiquem omissões no presente regulamento interno do agrupamento,


a decisão compete aos Órgãos de Administração e Gestão da Escola, de acordo com a análise feita à
situação, e no respeito pelo disposto na Lei.
2 - Em matéria processual, aplica-se o disposto no código de procedimento administrativo naquilo
que não está especialmente regulado no presente regulamento interno do agrupamento.

___________________________________________________________________________________________101
Regulamento Interno 2011/2013

Artigo 193º
Entrada em vigor

1- Este regulamento foi aprovado pelo conselho geral transitório deste agrupamento em 26 de
Junho de 2009 e entra em vigor nos cinco dias subsequentes à sua aprovação.
2- A revisão deste regulamento foi aprovada em conselho pedagógico realizado no dia 12 de
Janeiro de 2011.

___________________________________________________________________________________________102