Sei sulla pagina 1di 16

Perseguição do povo

Rohingya
Direitos Humanos

Geografia C
Prof. Conceição Guerra
4 de maio de 2020

Trabalho realizado por:

 Barbara Costa nº4;


 Diana Pinhão nº10;
 Mª Beatriz Macedo nº25;
 Sérgio Costa nº28;
 Luana Almeida nº31
12 LH1
Índice
Introdução ..................................................................................................................................... 3
1. Localização e características do povo ................................................................................... 4
1.1. Quem são? Em que parte do globo se situam?............................................................. 4
1.2. Para onde fogem? E como?........................................................................................... 5
1.3. Religião .......................................................................................................................... 6
1.4. São perseguidos porquê e por quem ............................................................................ 6
1.5. Características do povo Rohingya ...................................................................................... 7
2. Contextualização histórica do conflito .................................................................................. 9
2.1. Principais acontecimentos ............................................................................................ 9
2.2. Situação atual do conflito............................................................................................ 10
2.3. Consequências do conflito .......................................................................................... 10
3. Ajudas ao povo rohingya- ONG e outras instituições ......................................................... 12
Conclusão .................................................................................................................................... 15
Webgrafia .................................................................................................................................... 16

Página 2 de 16
Introdução
Este trabalho foi proposto na disciplina de Geografia C inserido no âmbito do tema
dos Direitos Humanos.

A migração de muçulmanos rohingyas de Mianmar para Bangladesh nas últimas


semanas é mais um capítulo de uma história marcada por décadas de perseguições.

Eles são alvo de múltiplas discriminações, que vêm em forma de assassinatos em


massa, violações, incêndios criminosos, trabalho forçado, apreensão das terras, entre
outras atrocidades. Não é simples a atuação dos rohingyas em Rakhine, Estado no
Norte de Mianmar. Diante da negligência do governo, mais de 650 muçulmanos desta
minoria fugiram em direção ao Bangladesh, levando a um êxodo desesperado que
desencadeou uma profunda crise humanitária na região.

Segundo as ONG, o Governo de Mianmar não processou nem puniu os autores de


violações dos direitos humanos contra os rohingyas. Uma comissão de inquérito criada
pelo governo de Mianmar atualmente ativa sucede a 8 comissões de inquérito
fracassadas, sendo que o respetivo presidente declarou já que a comissão não
responsabilizará os responsáveis pelos abusos.

Página 3 de 16
1. Localização e características do povo
1.1. Quem são? Em que parte do globo se situam?

O povo rohingya é uma minoria muçulmana, com uma língua própria, o rohingya,
um idioma indo-ariano. A cidadania é um direito que não é conferido aos rohingya,
pois não são reconhecidos pelo governo de Myanmar, daí possuírem permissão de
residência limitada, o que é, de facto, um grande entrave ao progresso social e
económico desta etnia.

Rohingya significa “proveniente de Arracão”, nome antigo pelo qual o povo era
conhecido, o que reflete a sua ligação secular àquela região, que atualmente é a mais
pobre do país.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Povo_rohingya#/media/Ficheiro:Rohingya_flag.png

Fig.1 Bandeira Rohingya


http://desvendandopolitica.com.br/wp-content/uploads/2018/05/rohingya-3.jpg

Fig.2 Povo Rohingya

O povo rohingya encontrava-se espalhado por diversos países como Bangladesh,


Paquistão, Tailândia, Malásia e Myanmar. No entanto, existe uma maior concentração
deste povo em Myanmar, onde vivem cerca de 800 mil rohingyas. Este povo é oriundo
de Arracão, ou Rakhine, em Myanmar, e são conhecidos como imigrantes
muçulmanos oriundos de Bengala, o atual Bangladesh.

Myanmar (Birmânia):

Coordenadas geográficas:

- Latitude: 39°54′26″ N

- Longitude: 116°23′50″ E

- Altitude do nível do mar: 49 m


https://www.google.com/maps/place/Myanmar/@18.8011492,87.6262484,5z/data
=!3m1!4b1!4m5!3m4!1s0x305652a7714e2907:0xba7b0ee41c622b11!8m2!3d21.91
6221!4d95.955974

Fig.3 Myanmar

Página 4 de 16
1.2. Para onde fogem? E como?

Os rohingyas forçadamente, com medo de serem mortos, fogem para o


Bangladesh pela região de Cox’s Bazar (coração do turismo rural), onde existem sete
acampamentos, seis na província de Chittagong e mais um na região de Daca, capital
de Bangladesh.

Daca, Bangladesh:

Coordenadas geográficas:

- Latitude: 23°42′37″ N

- Longitude: 90°24′26″ E

- Altitude do nível do mar: 23 m

Chittagong, Bangladesh:

https://www.google.com/maps/search/daca+e+chittagong/@22.9704969,8
Coordenadas geográficas: 9.2364226,7.25z

- Latitude: 22°20'18.24" N Fig.4 Daca e Chittagong

- Longitude: 91°49'54.05" E

- Altitude do nível do mar: 29 m

Estes migram, primeiro para o leito do rio Naf onde chegam até à fronteira
entre o Bangladesh e Myanmar. Milhares de rohingyas vão amontoando todos os anos
às suas margens, sem qualquer pausa no percurso, esperando apenas para cruzarem
a fronteira ou ir a algum dos campos com esperança de receberem algum asilo.
Mesmo depois de receberem asilo, muitos rohingyas acabam por não ter qualquer
proteção social.

https://www.juponline.pt/wp-content/uploads/2017/11/170902-myanmar-rohingya-refugees-
fleeing-cheat_jqcnpk.jpg

Fig.5 Povo Rohingya

Página 5 de 16
1.3. Religião

Quanto à sua religião muçulmana, estes são proibidos de se casar ou viajar sem a
permissão das autoridades e não têm o direito de possuir terra ou propriedade.

"Os muçulmanos estão confinados a áreas de segurança cada vez mais


reduzidas".

As duas comunidades, de budistas e muçulmanos, já viviam separadas há


décadas, assim ficaram totalmente segredadas após os acontecimentos de Rakhine.
Os muçulmanos rohingyas são das minorias mais perseguidas no mundo.

1.4. São perseguidos porquê e por quem

Desde 1940 que o exército de Myanmar persegue os rohingya, pois são


considerados pelo governo como imigrantes ilegais e, como tal, não podem viajar,
aceder ao mercado de trabalho, à assistência médica e à educação. Para além disso,
são alvo de discriminação recorrente.

Naquela nação existe mais de milhão de rohingyas. Um grupo ligado à luta pela
autodeterminação da minoria muçulmana iniciou ataques a postos de segurança no
país, matando 12 agentes. As autoridades birmanesas reconheceram os ataques
como ações terroristas.

https://noticias.r7.com/internacional/exercito-rohingya-matou-hindus-em-mianmar-diz-anistia-internacional-23052018

Fig.6 Oficial de Mianmar faz guarda na fronteira com


Bangladesh, no Estado de Rakhine

Página 6 de 16
https://www.google.com/maps/place/Arrac%C3%A3o,+Myanmar/@19.3992889,91. https://www.noticiasaominuto.com/mundo/1380610/tres-explosoes-no-
291989,7z/data=!3m1!4b1!4m5!3m4!1s0x30b0c1a60a38ad3b:0x2ef2881316474753
estado-de-rakhine-antes-da-visita-da-lider-de-myanmar
!8m2!3d20.1040818!4d93.5812692

Fig.8 Estado de Rakhine


Fig.7 Estado de Rakhine

1.5. Características do povo Rohingya

O povo de Myanmar tem como hábito mastigar noz de areca com folhas de bétel,
que faz uma mistura num tom avermelhado na boca e dentes. Passado algum tempo,
cospem a mistura para o chão deixando manchas vermelhas por onde passam.

https://www.siganossatrilha.com/o-povo-do-myanmar/

Fig.9 Mulher com o tom avermelhado nos dentes

Este povo tem como costume diário a utilização de tanaka, uma pasta feita do
pó da casca de uma árvore, que tem a função de um protetor solar.

Página 7 de 16
Este produto é vendido em estado natural, mas em pequenos pedaços de
madeira. Para o fabrico do creme é preciso utilizar uma pedra circular de ardósia,
moendo a casca dessas toras e misturar um pouco de água. Depois de terminado este
processo está apto para colocar no rosto das pessoas.

https://www.siganossatrilha.com/o-povo-do-myanmar/

Fig.10 Criança com a tanaka

São mais de 100 grupos étnicos que vivem em várias regiões do país e usam os
trajes típicos. Por isso, é comum encontrá-los por todo o lado e, assim, deixam bem
específico qual é a sua tribo e origem.

https://www.siganossatrilha.com/o-povo-do-myanmar/

Fig.11 Mulher com o seu traje


Página 8 de 16
2. Contextualização histórica do conflito
2.1. Principais acontecimentos

Em Rakhine era praticada uma grande violência contra os rohingya, o que constitui
um extenso padrão de violações e abusos. Este confronto intensificou-se quando uma
mulher de religião budista foi violada por três homens muçulmanos, em Rakhine.

Consequentemente, sucederam-se 78 mortes, e milhares de propriedades foram


destruídas, deixando uma elevada parte da população sem casa. Com o objetivo de
acalmar a situação, intervieram forças militares, contudo, o excesso de agressividade
por parte dos militares agravou o cenário, provocando a morte de muitos rohingyas.

https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/bbc/2017/09/13/quem-sao-os-rohingyas-povo-muculmano-que-a-onu-diz-ser-alvo-de-limpeza-etnica.htm

Fig.12 Povo a transportar uma vítima

Os confrontos aumentaram a sua gravidade, e em outubro de 2016, no momento


em que três postos da guarda fronteiriça foram atacados por grupos de homens
armados, colocou Rakhine em estado de emergência. Este acontecimento marcou a
primeira ação do Exército de Salvação dos rohingya de Arracão (ESRA), um grupo
que se apresenta como a resistência armada contra os abusos sofridos pelos
rohingya. Contudo, o governo birmanês acusa-os de serem uma organização
terrorista, ambicionando declarar um “Estado islâmico” em Rakhine.

A 25 de agosto de 2017, o conflito tomou proporções maiores, quando cerca de


trinta postos da polícia na região foram atacados, exigidos pelo ESRA, causando uma
centena de mortos.

Página 9 de 16
A ociosidade do Estado de Myanmar é acrescida a este cenário. Trata-se de um
Estado maioritariamente budista, que não reconhece os rohingya como minoria étnica
sendo, por isso, criticado por parte dos vários atores da comunidade internacional.

2.2. Situação atual do conflito

Este grupo étnico foi considerado pelas Nações Unidas, uma das minorias mais
perseguidas do mundo e, atualmente, está a sofrer o que a ONU denominou de
“limpeza étnica”, conduzindo a uma crise migratória sem precedentes, na antiga
Birmânia.

Inicialmente, a “limpeza étnica” teve origem no conflito entre os Budistas e os


muçulmanos rohingya, em junho de 2012.

No Tribunal Internacional de Justiça (TIJ), localizado nos países baixos, a 23 de


janeiro de 2020, ordenou o Myanmar a tomar medidas de emergência para prevenir o
genocídio da minoria rohingya. Numa decisão harmoniosa, o TIJ afirmou que o
Myanmar “causou danos irreparáveis aos direitos dos rohingya”.

https://static.poder360.com.br/2019/12/ONU.png

Fig.13 Tribunal da ONU julga Myanmar por massacres dos


rohingya

2.3. Consequências do conflito

Este conflito causou várias consequências, nomeadamente a crise humanitária,


vários ataques e conflitos recorrentes o que acabou por causar grandes perdas
humanas, desnutrição, e outras grandes catástrofes.

Página 10 de 16
A crise de violência e perseguição motivou protestos por parte de organizações
internacionais e foi criada, inclusive, uma petição que pretende retirar o prémio Nobel
da Paz a Aung San Suu Kyi e que conta já com mais de meio milhão de subscrições.

https://ichef.bbci.co.uk/news/1024/branded_portuguese/F949/production/_110071836_mediaitem110071835.jpg

Fig.14 Aung San Suu Kyi – Ativista Nobel da Paz

São sujeitos a condições sub-humanas

Em alguns campos de refugiados, não há as condições essenciais: não há


água corrente, medidas sanitárias ou qualquer outro tipo de infraestrutura. Com argila
e outros materiais básicos, eles próprios construíram cabanas improvisadas, para pelo
menos, possuir um teto.

https://ogimg.infoglobo.com.br/mundo/23019811-bf3-c3f/FT1086A/652/x78563003_FILE-
Ai-Rohingya-refugees-at-the-Kutapalong-refugee-camp-in-Bangladesh-Nov-30-2017-A-
p.jpg.pagespeed.ic.FHLuLJ1LXu.jpg

Fig.15 Condições do Povo

Vídeo onde é possível


ver, com mais
pormenor, a vida
deste povo:
HTTPS://WWW.YOUTUBE.
COM/WATCH?V=DTQL24
ES3JC
https://rr.sapo.pt/2017/12/22/mundo/rohingya-a-perseguicao-de-uma-
minoria/el/101424/

Fig.16 Condições do Povo


Página 11 de 16
Não possuem nacionalidade

O governo classifica-os como ilegais, foram-lhes negados os seus direitos humanos


básicos, e por isso, referem terem sido “tratados como gado”.

São rejeitados

Apesar de apelos do secretário-geral da ONU, António Guterres, para que


Bangladesh conceda abrigo ao povo, as autoridades em Dhaka enviaram guardas às
fronteiras com o fim de impedir novas travessias.

É o povo mais perseguido

Segundo a ONU, os rohingya são a minoria mais perseguida do mundo. No


Bangladesh, eles nem bem-vindos são: após a nova onda migratória, o governo
anunciou o plano de realocá-los para uma ilha distante, geralmente inundada durante
a estação das monções.

Catástrofe humanitária

Originalmente um local turístico com 61 mil habitantes, a cidade de Cox's Bazaar,


em Bangladesh, uma das primeiras a acomodar os refugiados muçulmanos, está com
as suas capacidades esgotadas. Segundo observadores,” a perseguição aos rohingya
em Myanmar é apenas em parte religiosa: certos setores da sociedade têm interesse
em exterminá-los por motivos políticos e económicos.”

Apagados da história…

Myanmar planeia “apagar” o seu passado: o ministro da Cultura e Assuntos


Religiosos anunciou o lançamento de um livro de história sem qualquer menção à
minoria muçulmana. "A verdade é que a palavra rohingya nunca foi usada ou existiu
como etnia ou raça na história birmanesa", declarou em dezembro de 2016.

3. Ajudas ao povo rohingya- ONG e outras instituições


A Unicef denuncia a escassez de alimentos, de água potável e de cuidados de
saúde à minoria étnica. E não deixa passar despercebidos os abusos sexuais,
casamentos forçados e trabalho infantil a que são submetidas as crianças rohingyas.

Página 12 de 16
Por sua vez, a Amnistia Internacional, numa carta aberta ao Comandante das
Forças Militares de Myanmar, General Min Aung Hlaing, solicita o fim da campanha de
violência e abuso dos Direitos Humanos e pede garantia de acesso livre ao Estado de
Rakhine, a atores de ajuda humanitária, às Nações Unidas e a jornalistas
independentes.

A Organização das Nações Unidas (ONU) critica este comportamento, usando


como fundamento o facto de receberem “vários relatos e imagens de satélite que
mostram as forças de segurança e milícias locais a incendiar aldeias rohingya, e vários
testemunhos sobre execuções extrajudiciais, incluindo disparos sobre civis em fuga”.
Assim, impõe o acesso ilimitado à região para investigar esta perseguição em curso.

Marzuki Darusman, presidente da missão de estabilização para a Birmânia,


anunciou, em Genebra, perante o Conselho de Direitos Humanos da ONU, que “é
importante vermos com os nossos próprios olhos onde se localizam os alegados
abusos para falarmos diretamente com as pessoas afetadas e com as autoridades”.

https://www.acnur.org/portugues/wp-content/uploads/2019/02/20190205_e_bgd_se-angelina-jolie-in-coxs-bazar.jpg

Fig.17 Angelina Jolie é enviada especial do ACNUR para visitar o campo


de refugiados em Bangladesh

Página 13 de 16
Mais de 700 mil pessoas foram forçadas a abandonar as suas casas do Estado de
Rakhine, em Myanmar, em questão de meses. Um ano e meio depois, os refugiados
ainda cruzam as fronteiras à procura de refúgio em Bangladesh, devido ao elevado
número de mortes. Bangladesh revela-se um lugar seguro, onde predomina a
generosidade ao acolher o povo rohingya, um gesto claro de humanidade.

Atualmente, Cox’s Bazar, abriga o maior e o mais populoso campo de refugiados,


com cerca de 600 mil refugiados rohingya.

Deste modo, recebem do governo e do ACNUR documentação e prova da sua


identidade, em alguns casos, pela primeira vez nas suas vidas.

Um dos desejos dos rohingya é voltar para casa, direito que não lhes pode ser
negado, contudo, só o devem fazer voluntariamente, quando se sentirem seguros e
souberem que os seus direitos serão respeitados. A responsabilidade de garantir
esses direitos, possibilitando o regresso do povo rohingya ao Estado de Rakhine recai
sobre o governo e autoridades em Mianmar.

Página 14 de 16
Conclusão
A realização deste trabalho proporcionou a todos os elementos do grupo um vasto
conhecimento sobre todo o sofrimento, angústia do povo rohingya durante a
perseguição desta minoria, em que foram, claramente, torturados e tratados como
“animais”.

O trabalho elaborado alargou, também, a nossa perspetiva relativamente à


humanidade devido à existência de tanta crueldade. Somos todos seres humanos,
possuímos os mesmos órgãos, as mesmas necessidades, e sentimentos, e ainda
assim, algumas etnias decidem rejeitar, maltratar, desrespeitar e inferiorizar outras
etnias.

Concluimos que todo este conflito foi gerado com base no conceito de “limpeza
étnica” que o governo de Myanmar possuía, não reconhecendo como cidadãos os
rohingyas alegando que eram naturais de Bangladesh. Esta “limpeza étnica” era
baseada na violência e assassínio de aldeias inteiras.

Sem dúvida que este trabalho foi muito importante para os nossos conhecimentos e
interessante aprofundar tão minuciosamente este tema.

Página 15 de 16
Webgrafia
 HTTPS :// WWW . ACNUR. ORG / PORTUGUES/2019/02/05/ DECLARACAO -DA-ENVIADA-ESPECIAL -

DO -ACNUR -ANGELINA-JOLIE - NO -CAMPO -DE -REFUGIADOS- KUTUPALONG -EM -BANGLADESH /

 HTTPS :// WWW . JUPONLINE . PT/ POLITICA / ARTIGO /23806/ROHINGYA -UM -POVO -

PERSEGUIDO . ASPX

 HTTPS :// PT. WIKIPEDIA . ORG / WIKI/POVO _ROHINGYA

 HTTPS :// SHIFTER . SAPO . PT/2017/09/ QUEM -SAO -OS-ROHINGYA-MYANMAR/

 HTTPS :// WWW . BBC . COM / PORTUGUESE / NOTICIAS/2015/05/150511_ ROHINGYAS_ESQUECID

OS_LGB

 HTTPS :// RR. SAPO . PT/2017/12/22/ MUNDO / ROHINGYA- A-PERSEGUICAO - DE -UMA-

MINORIA/ EL /101424/

 HTTPS :// WWW . SIGANOSSATRILHA . COM / O -POVO -DO -MYANMAR /

 HTTPS :// BRASIL . ELPAIS. COM / BRASIL /2017/12/13/ INTERNACIONAL /1513167960_768282.

HTML

 HTTPS :// DATEANDTIME . INFO / PT/ CITYCOORDINATES . PHP ? ID=1185241

 HTTPS :// UNRIC . ORG / PT/ VIVER-SEM -PATRIA- A-PERSEGUICAO -AOS-ROHINGYA/

 HTTPS :// WWW . JUPONLINE . PT/ POLITICA / ARTIGO /23806/ROHINGYA-UM -POVO -

PERSEGUIDO . ASPX

 HTTPS :// WWW . DW. COM/ PT-BR/ ENTENDA -O -CONFLITO -EM -TORNO -DOS- ROHINGYA-EM -

MYANMAR / A-40517106

 HTTPS :// WWW . DW. COM/ PT-BR/ ENTENDA -O -CONFLITO -EM -TORNO -DOS- ROHINGYA-EM -

MYANMAR / A-40517106

Página 16 de 16