Sei sulla pagina 1di 2

Maratona Para o Próximo Nível 11 de fevereiro de 2020

AULA #1
fisiologia DINÂMICA MANDIBULAR | resumo part.1 | princípios

Masseter
origem e inserção quase do
mesmo tamanho, formando uma
área quase quadrada com fibras
longas e fortes. Sua principal
função dentro do sistema
estomatognático é gerar FORÇA.
O fato desses músculos estarem
posicionados no ângulo da
mandíbula torna o seu trabalho
ainda mais eficiente.

Temporal
origem fasciada, delgada e
espalhada no osso temporal,
lembrando um leque, onde todas
as fibras se reúnem em um ponto
DESOCLUSÃO
só, o processo coronóide da A palavra DESOCLUSÃO refere-se à dinâmica da oclusão, ou seja, durante
mandíbula, fibras mais longas e os movimentos excursivos da mandíbula, todos os dentes posteriores
delgadas, que têm como função desencostam. Graças a este sistema de proteção, os dentes podem durar
elevar a mandíbula, mas a sua
dezenas de anos.
função mais importante dentro do
sistema é gerar EQUILÍBRIO.
Aparelho ESTOMATOGNÁTICO
Pterigoideo A mandíbula é um osso “solto” na face, suspenso através dos músculos e que
se conecta ao crânio através das ATM. Os movimentos mandibulares são
músculos responsáveis pela comandados pelo Sistema Nervoso Central e guiados pelos contatos
dinâmica mandibular. Possuem
dentários. Encontrar o equilíbrio adequado entre músculos, dentes e
dois direcionamentos, o medial e
articulações deve ser o objetivo de todo cirurgião-dentista.
o lateral, fibras musculares
menores que o masseter e o
temporal. Promovem os Princípio da PORTA
movimentos de protrusão e Para abrir uma porta, imprimimos uma determinada quantidade de força
lateralidade, responsáveis pelos
quando o nosso ponto de apoio está localizado mais próximo à maçaneta.
movimentos de desoclusão. A sua
Mas para fazermos o mesmo movimento usando um ponto de apoio mais
função mais importante dentro do
sistema é atuar como RÉDEAS, próximo à dobradiça, observamos que a força necessária para abrir a porta
guiando e controlando o será muito maior.
movimento mandibular.
Usando a analogia da dobradiça e da maçaneta, imagine que a nossa
articulação seja a dobradiça e que a área mais afastada dela seja a região dos
caninos. Dessa forma, fica evidente que, quanto mais posterior for o toque,
mais força será necessária para realizar o movimento de lateralidade. Assim,

Marcos Laboissiere / Amanda Fernandes www.mppn.com.br 1


Maratona Para o Próximo Nível 11 de fevereiro de 2020

podemos concluir que, quando o deslocamento da mandíbula ocorre para o


lado e há toque SOMENTE na região dos caninos, a força necessária para
fazer o movimento é a mais suave possível.

Princípio do ARRASTO
Quando os dentes caninos se tocam durante a lateralidade, é criada uma
área de fricção e atrito entre a ponta do canino inferior e a face palatina do
superior, criando uma área de arrasto. Para romper a inércia e a área de
arrasto, é necessário que o sistema muscular gere uma força X para que
ocorra o movimento.
Morfologia dental
Quando há algum toque nos dentes posteriores, ocorre o aumento dessa
Apesar de estar bem fundamentado área de atrito, obrigando os grupos musculares a exercerem mais força para
na Odontologia que a função dos gerar o mesmo movimento.
incisivos e caninos é cortar e rasgar
os alimentos, é importante salientar
que a função principal destes dentes
Dinâmica da DESOCLUSÃO
é a PROTEÇÃO do sistema, servindo O movimento de lateralidade deve acontecer em um ponto mais anterior,
de guia para a desoclusão, tanto na longe do fulcro da ATM, com uma atividade muscular específica e com o
protrusão quanto na lateralidade. mínimo de agrupamentos musculares, ou seja, acontece um
MOVIMENTO EQUILIBRADO, basicamente onde os pterigoideos
• Incisivos centrais superiores –
possuem cristas palatinas que trabalham e os outros músculos são “desligados”.
criam um corredor para os
Quando existe uma falha nesse contato, ou quando ele ocorre envolvendo
incisivos inferiores deslizarem com
fluidez. Suas raízes são longas e mais dentes, mais FORÇA vai ser necessária para realizar o mesmo
inclinadas para dissiparem a movimento.
energia gerada quando ocorrem
Como o pterigoideo lateral é um músculo pequeno e de pouca força, outros
as forças ao longo da coroa clínica.
grupos musculares são recrutados para se encarregarem de ajudar no
• Caninos – localizam-se no canto movimento.
do arco dental, a sua coroa clínica
é larga e resistente, com a face Na lateralidade, quando há um toque nos dentes posteriores, mais fibras
palatina pronunciada e com uma musculares são recrutadas para realizar o mesmo movimento,
bossa vestibular. Possui muita consequentemente, será produzida mais força, e esta será dissipada ao longo
estrutura de esmalte, com a raiz dos dentes posteriores de forma NÃO AXIAL (não oclusal), ou seja, uma
triangular, longa e cônica. Estas FORÇA LATERAL. Este tipo de situação clínica é extremamente
características permitem a eles prejudicial para a manutenção dos dentes naturais e dos trabalhos
resistir bem às forças geradas
realizados.
pelos movimentos de lateralidade.
Devemos sempre manter em mente o princípio da PROTEÇÃO
• Dentes posteriores – possuem
MÚTUA, onde durante o movimento de protrusão ou lateralidade, os
anatomia adequada para
receberem forças longitudinais dentes posteriores devem DESOCLUIR (com exceção das próteses
(oclusais), com uma mesa oclusal removíveis). E os dentes posteriores estabelecem a dimensão vertical,
larga, raízes, cúspides e fossas protegendo os dentes anteriores de forças excessivas em oclusão.
integradas para que a energia seja
dissipada ao longo eixo do dente A incidência de forças laterais nos dentes posteriores trará consequências
e crie uma resposta fisiológica de indesejadas, sejam elas na estrutura dentária, no tecido pulpar ou no
amortecimento periodonto. Isso já nos faz derrubar vários mitos de diagnóstico e nos leva a
e distribuição prestar mais atenção à presença dos SINAIS CLÍNICOS do
desta energia. desequilíbrio na desoclusão, como: facetas de desgaste lisas nas cúspides dos
dentes posteriores, ausência de cúspides, ilhas de dentina, lesões cervicais
não cariosas (LCNC), hipersensibilidade dentinária, perda óssea localizada,
câmara pulpar envelhecida, cárie localizada e coroas sobre implantes com o
parafuso frouxo. Estes são os sinais mais comuns e devem representar um
sinal de alerta quando observados.

Marcos Laboissiere / Amanda Fernandes www.mppn.com.br 2